Navegando Posts marcados como Cicero

Goiás 2 x 2 Santos

Data: 22/05/2014, quinta-feira, 19h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 6ª rodada
Local: Estádio Serra Dourada, em Goiânia, GO.
Público: 6.190 pagantes
Renda: R$ 167.840,00
Árbitro: Igor Junio Benevenuto (MG)
Auxiliares: Marcio Eustáquio Santiago (MG-FIFA) e Fabio Pereira (TO-FIFA).
Cartões amarelos: Thiago Mendes e David (G); David Braz (S).
Gols: Geuvânio (08-1), Alex Alves (25-1) e Cícero (38-1); Erick (23-2).

GOIÁS
Renan; Thiago Mendes, Jackson, Alex Alves e Juliano (Lima); Amaral, David, Ramon, Tiago Real (Assuério) e Esquerdinha (Erick); Danilo.
Técnico: Ricardo Drubscky

SANTOS
Aranha; Cicinho, David Braz, Jubal, Zé Carlos; Arouca, Renato (Leandrinho), Cícero e Lucas Lima; Geuvânio (Vitor Andrade) e Gabriel (Stéfano Yuri).
Técnico: Oswaldo de Oliveira



Santos cede empate para o Goiás e pressão em cima de Oswaldo aumenta

Equipe paulista esteve à frente no placar em duas oportunidades, mas o time da casa chegou ao 2 a 2

O Santos mais uma vez vacilou no Campeonato Brasileiro. Após ficar à frente no placar por duas vezes, cedeu o empate ao Goiás em 2 a 2, no Serra Dourada, pela 6ª rodada do torneio nacional. Geuvânio, no início do jogo, e Cícero, já no fim da primeira etapa, marcaram para o Santos, enquanto Alex Alves e Erick decretaram a igualdade.

A partida também marcou a reestreia de Renato dez anos depois de deixar o clube. O volante de 35 anos atuou como primeiro volante, mas acabou falhando no segundo gol do Goiás e por fim deixou o campo com cãibra.

Com apenas uma vitória no Brasileirão, o técnico Oswaldo de Oliveira complica sua situação no clube, que já não parece muito confortável após uma semana de ataques ao seu trabalho e de cobrança por parte do treinador à diretoria.

O jogo:

Logo aos 2 minutos, a reestreia de Renato com a camisa do Santos por pouco não foi abrilhantada com um gol. Após cobrança de escanteio pela esquerda, a bola passou por todo mundo e sobrou limpa para o volante, praticamente da marca penal, bater de primeira, mas a bola subiu demais e foi para fora.

Em seguida, Geuvânio puxou contra-ataque e quase deixou Gabriel livre, na cara do gol, não fosse o carrinho salvador do zagueiro esmeraldino.

Com tanta pressão, o Santos abriu o placar já aos 8 minutos. Cicinho arrancou pela lateral direita e cruzou, Gabriel dominou, girou bonito e carimbou a trave. No rebote, Geuvânio não perdoou e balançou a rede do Serra Dourada.

Após levar o gol, o time da casa partiu em busca da reação imediata e teve uma grande chance com uma falta bem próxima ao gol de Aranha, mas a cobrança ficou na barreira, para alívio dos santistas, que mais uma vez entraram em campo com o uniforme número 3, amarelo e preto.

À frente do placar, o Santos passou a explorar em saídas rápidas e perigosas. Aos 16 minutos, após o Goiás perder a bola no meio de campo, Cícero carregou até a entrada da área adversária e bateu forte. A bola passou rente a trave de Fernando Henrique.

Aos 25 minutos, mesmo sem merecer pelo futebol que vinha apresentado, o Goiás chegou ao empate em lance de bola parada. Após cobrança de escanteio pela direita e um desvio no primeiro pau, o zagueiro Alex Alves foi oportuno e pegou de primeira, sem chance para Aranha.

Com o gol, o Esmeraldino se empolgou e tentou sufocar o Peixe na base da correria e da vontade, mas aos poucos o jogo ficou morno, sem muitos lances de perigo. Até que Thiago Mendes colocasse pilha na partida novamente, infelizmente para o torcedor local, já que o lateral cometeu pênalti infantil já no fim do primeiro tempo.

No lance, David Braz se aventurou no ataque, fez fila e a bola sobrou para Arouca, que devolveu para o zagueiro santista, que só não fez o gol porque o lateral do Goiás o atropelou pelas costas. Pênalti assinalado e convertido por Cícero, que deslocou o goleiro rival na cobrança.

Na frente do placar novamente, a notícia ruim para o alvinegro praiano foi a saída de Gabriel precocemente do jogo após sentir uma lesão. Antes de descer para o vestiário, o volante Renato falou rapidamente sobre sua reestreia com a camisa do Santos após 10 anos. “Emoção grande, como da primeira vez. Agora é fazer o melhor para saírmos com os três pontos”, disse.

Os 15 primeiros minutos da etapa complementar foram bastante conservadores. As duas equipes voltaram dos vestiários mais cautelosas, principalmente os comandados por Oswaldo de Oliveira, que conquistavam a vitória parcial.

Na tentativa de pressionar o Peixe, o técnico Ricardo Drubscky colocou dois atacantes rápidos no jogo, Erick e Assuério. Pouco depois, a substituição já fez efeito. Renato saiu jogando errado, perdeu a bola no meio de campo e viu Assuério partir em direção ao gol. Desarrumado, o Peixe deu espaço para Erick receber passe sozinho e bater na saída de Aranha para empatar o jogo.

O Peixe sentiu o gol e viu o time da casa crescer junto com a torcida, que passou a se inflamar nas arquibancadas. Autor do gol de empate, Erick levava perigo sempre que recebia a bola. Em um rápido contra-ataque, o atacante esmeraldino entortou Cicinho e quase marcou um golaço.

No fim, Stéfano Yuri quase deu a vitória aos santistas, mas o placar não foi mais alterado, sem comemoração de nenhuma das equipes.

Bastidores – Santos TV:





Santos 1 x 2 Atlético-MG

Data: 18/05/2014, domingo, 18h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 5ª rodada
Local: Arena Pantanal, em Cuiabá, MT.
Público: 15.600 pagantes
Renda: R$ 706.000,00
Árbitro: Pericles Bassols Pegado Cortez (RJ-FIFA).
Auxiliares: Eduardo de Souza Couto e Michael Correia (ambos do RJ).
Cartões amarelos: David Braz e Neto (S); Emerson Conceição, Victor e Leonardo Silva (A).
Gols: Cícero (37-1); André (29-2) e André (35-2).

SANTOS
Aranha; Bruno Peres (Zé Carlos), Neto, David Braz e Mena; Alan Santos (Leandrinho), Arouca, Cícero e Lucas Lima (Geuvânio); Gabriel e Thiago Ribeiro.
Técnico: Oswaldo de Oliveira

ATLÉTICO-MG
Victor; Alex Silva, Leonardo Silva, Otamendi e Emerson Conceição; Pierre (Eduardo), Leandro Donizete e Rosinei (Carlos); Marion, Fernandinho (Dátolo) e André.
Técnico: Levir Culpi



Desfalcado, Atlético-MG vence de virada e encerra série positiva do Santos

Arena Pantanal viu o ex-santista André marcar duas vezes e derrubar o time que o revelou. Cícero marcou para os paulistas

Jogando na Arena Pantanal, em Cuiabá, o Santos foi superado pelo Atlético-MG neste domingo, terminando sua série de quatro vitórias. Desfalcado de quase um time inteiro, o Galo jogou melhor e venceu a equipe da Baixada Santista por 2 a 1, com dois gols de André, ex-jogador do Peixe. Cícero descontou para o time paulista.

O Atlético-MG alcançou os cinco pontos, ocupando a 14ª colocação. Já o Santos, fica com sete pontos, na 11ª posição.

O jogo

O Santos começou melhor. Aos três minutos da primeira etapa, Mena cruzou da esquerda e encontrou Gabriel, que escorou para Cícero chegar batendo. O goleiro Victor fez ótima defesa para salvar o Atlético-MG.

O Galo acordou e começou a pressionar o Santos na zona defensiva. As melhores chances dos mineiros vieram pelo alto, após cobranças de escanteio. Aos 30, Leonardo Silva testou forte e obrigou Aranha a fazer uma grande defesa.

Em jogada similar, o Atlético-MG novamente chegou com perigo. Escanteio cobrado e Otamendi subiu e cabeceou para baixo. A bola quicou na frente de Aranha e foi para fora, passando por cima da baliza santista.

Apesar da pressão atleticana, quem chegou ao gol primeiro foi o Santos. Aos 37 minutos, Alan Santos lançou Cícero, que tocou com tranquilidade para os fundos das redes dos mineiros.Na volta do intervalo, o Atlético-MG criou boa oportunidade aos nove minutos. Emerson Conceição cruzou da esquerda e Carlos chegou cabeceando. A bola passou rente à trave do goleiro Aranha.

Melhor no jogo, o Atlético-MG chegou ao empate aos 29 minutos. Alex Silva invadiu a área pela esquerda, perdeu o domínio, mas insistiu e armou uma bicicleta. O lindo passe encontrou André, que apenas teve o trabalho de empurrar para o fundo das redes.

Minutos depois, o Galo virou o marcador da partida. Marion armou um bom contra-ataque e tocou para André. O atacante chutou de bico e acertou o canto inferior esquerdo de Aranha, marcando seu segundo gol no jogo.

Para piorar a situação santista, Thiago Ribeiro se lesionou, mas a equipe já havia feito as três alterações, ficando com um a menos no jogo.

Técnico do Santos lamenta chances perdidas, mas admite Atlético-MG superior

Equipe de Oswaldo de Oliveira saiu na frente na Arena Pantanal, mas levou a virada diante do desfalcado time de Belo Horizonte

O Santos saiu na frente contra o Atlético-MG e tinha tudo para confirmar a vitória no segundo tempo, diante de um adversário bastante desfigurado. Aconteceu exatamente o oposto e o Peixe levou a virada na Arena Pantanal . Oswaldo de Oliveira lamentou algumas chances perdidas no segundo tempo.

“Foram detalhes, jogadas de contra-ataque. Tivemos duas chances, até melhores que eles, mas eles fizeram, e nós, não”, declarou.

Outro fator apontado pelo técnico santista para a derrota foi o cansaço e a sequência de jogos. Na última quinta-feira, enquanto o Galo descansou, o Peixe encarou o Princesa de Solimões-AM, em duelo válido pela Copa do Brasil.

“Sabíamos que teríamos muitas dificiuldades. Tivemos o jogo da Copa do Brasil (contra o Princesa do Solimões-AM) no meio da semana, viagem, desfalques… Sentimos muito. A saída do Cicinho (suspenso) e do Alison e do Jubal (na seleção sub-21) foram sentidas. Os que entraram voltavam de contusão, acabou sendo um peso grande”, completou.


Santos 1 x 0 Ituano – 6 x 7 pênaltis

Data: 13/04/2014, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista – Final – Jogo de volta
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 34.964 pagantes (38.043 total)
Renda: R$ 1.901.845,00
Árbitro: Raphael Claus
Auxiliares: Carlos Augusto Nogueira Júnior e Danilo Ricardo Simon Manis.
Cartões amarelos: Vladimir, David Braz, Arouca (S); Rafael Silva, Esquerdinha, Cristian (I).
Cartão vermelho: Cicinho (S).
Gol: Cícero (46-1, de pênalti).
Pênaltis: Santos: Cícero, Alan Santos, David Braz, Gabriel, Arouca e Alison converteram; Rildo (4ª cobrança – trave) e Neto (8ª cobrança – defesa) perderam. Ituano: Jackson Caucaia, Marcelinho, Esquerdinha, Marcinho, Jean Carlos, Dener e Josa converteram; Anderson Salles (2ª cobrança – defesa) perdeu.

SANTOS
Aranha; Cicinho, Neto, David Braz e Mena; Alison, Arouca e Cícero; Geuvânio (Alan Santos), Leandro Damião (Gabriel) e Thiago Ribeiro (Rildo).
Técnico: Oswaldo de Oliveira

ITUANO
Vágner; Dick, Alemão, Anderson Salles e Dener; Josa e Jackson Caucaia; Paulinho (Marcinho), Cristian (Marcelinho) e Esquerdinha; Rafael Silva (Jean Carlos).
Técnico: Doriva



Ituano bate Santos nos pênaltis e finda jejum de 28 anos do interior no Paulista

Clube de Itu perde por 1 a 0 no tempo normal, mas vence nas penalidades por 7 a 6. Último pequeno a vencer um grande na final foi a Inter de Limeira, em 1986

O Ituano acreditou. E, diante de um Pacaembu lotado por 38 mil torcedores, segurou o Santos . Após perder por 1 a 0 no tempo normal, a equipe de Itu venceu por 7 a 6 nos pênaltis e conquistou o Campeonato Paulista de 2014. É o segundo troféu estadual de sua história, o primeiro com a participação dos clubes grandes, e que quebra um jejum de 28 anos dos pequenos.

A última vez que um clube pequeno derrotou um grande na final estadual foi em 1986, quando a Inter de Limeira levou a melhor sobre o Palmeiras. De lá para cá, haviam sido seis decisões entre grandes, todas com vitórias dos mais tradicionais. Em 2002, o Ituano foi campeão em um torneio sem a participação de Corinthians, Palmeiras, Santos e São Paulo.

O jogo

O Santos entrou no Pacaembu com uma postura diferente do último domingo, quando acabou derrotado pelo Ituano por 1 a 0. Com Gabriel no banco de reservas, o técnico Oswaldo de Oliveira escalou Alison no meio-de-campo dando mais liberdade a Cícero. Os retornos dos laterais Cicinho e Mena fizeram o time abusar das jogadas pela lateral direita, sobretudo com Cícero e Arouca, que se alternavam no ataque como “elemento surpresa”.

O nervosismo em campo era visível com o desentendimento entre Leandro Damião e Alemão. O clima esquentou quando Rafael Silva e Esquerdinha, do Ituano, discutiram com Cícero e também com Geuvânio próximo ao banco de reservas do Santos. O clima amenizou com a advertência do árbitro Raphael Claus os atletas do time de Itu.

Com a bola rolando, o Ituano até levou perigo em duas oportunidades ao gol de Aranha. Na primeira, a jogada acabou anulada pelo fato do ataque do Ituano estar em impedimento, e na segunda, após cobrança de falta de Anderson Salles, o goleiro do Santos, de joelho, afastou o perigo da pequena área.

O Santos respondeu aos 34 minutos, quando Cicinho colocou a bola na cabeça de Leandro Damião, e o goleiro Vagner, no reflexo, tirou a bola com o peito. Mas foi no fim da primeira etapa que o Pacaembu explodiu ao árbitro assinalar falta de Anderson Salles em Cícero dentro da área. O meio-campista mesmo foi para a cobrança e estufou as redes: 1 a 0 para o time da Vila Belmiro, enquanto o zagueiro do Ituano foi para o intervalo revoltado com a arbitragem.

O Ituano parecia outro na volta para o segundo tempo. A equipe que passou os 45 minutos iniciais se defendendo e fazendo cera ficou no vestiário e a campo retornou um time agressivo, que passou a comandar o meio de campo.

Melhor na partida, porém, o time não conseguiu transformar a superioridade em chances de gol. A melhor oportunidade da etapa final foi do Santos, mas o placar não foi alterado. A disputa, assim, foi para os pênaltis.

Jackson Caucaia iniciou a disputa por pênaltis convertendo o seu para o Ituano. Vagner quase defendeu, mas Cícero deixou tudo igual para o Santos. Anderson Salles abriu a segunda rodada e Aranha fez bela defesa. Alan Santos fez o seu e colocou o time da Vila Belmiro em vantagem.

Marcelinho fez o segundo gol do Ituano e David Braz colocou novamente o Santos em vantagem. Esquerdinha empatou para a equipe do interior. Rildo, ao acertar a trave, manteve o placar em 3 a 3. Marcinho marcou o quarto para o clube de Itu e colocou pressão para cima de Gabriel, mas o santista também fez.

Jean Carlos fez o quinto gol do Ituano, assim como Arouca para o Santos. Na sequência, Dener e Alison converteram suas cobranças. Josa marcou o sétimo do time do interior. Coube ao zagueiro Neto, um dos melhores em campo no tempo regulamentar, o papel de vilão no Pacaembu. Vagner defendeu e o Ituano fez história com o bicampeonato paulista.

Vice-campeão, Oswaldo de Oliveira critica o regulamento do Paulista

Para técnico do Santos, time com melhor campanha deveria ter o direito de jogar por dois resultados iguais

O treinador Oswaldo de Oliveira criticou o regulamento do Campeonato Paulista após a derrota do Santos nos pênaltis para o Ituano , neste domingo, na decisão da competição. Na opinião do treinador, o Peixe , time que terminou a primeira fase com a melhor campanha geral, deveria ter sido beneficiado com a vantagem de jogar por dois empates na final.

“Uma equipe que faz sete pontos a mais (que o Ituano, na primeira fase) e tem a melhor campanha, teria que ter, pelo menos, o direito de jogar por dois resultados iguais, como aconteceu no Brasil inteiro”, disse Oswaldo, que citou como exemplo o Campeonato Carioca, em que o Flamengo se sagrou campeão após dois empates por 1 a 1 contra o Vasco.

Apesar de reclamar das regras do Paulista, o técnico do Peixe fez questão de dizer que o Ituano mereceu conquistar o título. “Hoje, fomos melhores, criamos mais oportunidades, mas mesmo assim o Ituano foi um adversário muito difícil.”

O treinador negou que o vice-campeonato paulista atrapalhará a evolução da equipe, que, segundo ele, ainda está em formação. “O Santos tem jogadores experientes, mas tem muito jogador em formação. Os atletas estão ganhando experiência, aprendendo a jogar profissionalmente. Estamos pensando em reforçar (o elenco) nas posições que avaliarmos necessárias”.



Santos 3 x 2 Penapolense

Data: 30/03/2014, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista – Semifinal
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público 12.409 pagantes
Renda: R$ 353.892,00
Árbitro: Marcelo Rogério (SP)
Auxiliares: Rogério Pablo Zanardo e Miguel Caetano Ribeiro da Costa (ambos de SP).
Auxiliares adicionais: Rodrigo Guarizo Ferreira do Amaral e Vinícius Gonçalves Dias Araújo (ambos de SP).
Cartões amarelos: Mena, Cicinho, David Braz e Geuvânio (S); Samuel, Rodrigo Biro e Guaru (P).
Gols: Cícero (22-1), Guaru (27-1) e Douglas Tanque (35-1); Leandro Damião (16-2) e Stéfano Yuri (41-2).

SANTOS
Aranha; Cicinho, Neto, David Braz e Mena; Arouca, Cícero e Geuvânio (Alison); Gabriel (Rildo), Thiago Ribeiro e Leandro Damião (Stéfano Yuri).
Técnico: Oswaldo de Oliveira

PENAPOLENSE
Samuel; Rodnei, Jailton, Gualberto e Rodrigo Biro; Liel (Lukas), Washington, Petros (Rafael Ratão) e Guaru; Douglas Tanque e Alexandro Créu (Neto).
Técnico: Narciso



Estrelas dos reservas brilham, Santos vence o Penapolense e está na final

Depois de sofrer 2 a 1, time de Oswaldo de Oliveira brilhou nas substituições e venceu por 3 a 2 na Vila Belmiro

O time de melhor campanha no Paulistão tinha uma missão neste domingo: derrotar o Penapolense, único time para quem sofreu o revés no campeonato e, consequentemente, conquistar a vaga para a final. E por pouco os planos na Vila Belmiro foram frustrados. Depois de levar a virada por 2 a 1, o Santos contou com a estrela do menino da Vila Stéfano Yuri para vencer por 3 a 2 e garantir lugar na decisão, que tem acontecido desde 2009.

Depois de sofrer dois gols no primeiro tempo com Guaru, de pênalti, e Douglas Tanque, o Santos contou com a inteligência de Oswaldo de Oliveira nas alterações para sacramentar a vitória na Vila Belmiro. Rildo, que entrou no lugar de Gabriel, foi quem deu a assistência para Damião marcar o gol de empate, e Stéfano Yuri – substituto de Damião – marcou o gol da vitória.

Com o resultado, o Santos encara na decisão o surpreendente Ituano.que eliminou o Palmeiras mais tarde. Por ter o melhor desempenho, o clube alvinegro fará a segunda partida da final na Vila Belmiro.

O jogo

Com apenas cinco minutos de bola rolando, já era possível perceber que Penapolense não foi à Vila Belmiro a passeio. Enquanto os comandados de Narciso ganham os espaços no meio-de-campo, o Santos apenas se defendia. O experiente Guaru e o atacante Douglas Tanque eram os que mais se movimentavam.

Mas quando se tem o artilheiro em campo, as chances aparecem quando menos se espera. Foi assim que, aos 21 minutos, Cícero iniciou o contra-ataque na linha central do campo e tocou para Leandro Damião. O atacante, de letra, tocou para Arouca que levou o pior com Rodrigo Biro. E quando parecia que a jogada não ia dar certo, Arouca recuperou a bola e passou para Cícero, que arriscou o chute de fora da área e não desperdiçou. Santos na frente do placar: 1 a 0.

E se as coisas pareciam andar bem para os donos da casa, a partir dos 25 minutos, elas piorariam. David Braz – zagueiro que quase foi reemprestado no início da temporada – puxou o adversário pela camisa dentro da área, e o árbitro assinalou a infração dentro da área. Guaru cobrou o pênalti no canto direito do goleiro Aranha e empatou o duelo.

Com David Braz, já amarelado e desestabilizado por conta do pênalti, ainda protagonizou um cena bizarra na Vila. Aos 35 minutos, o volante Washington, localizado próximo à grande área do goleiro Samuel Pires, deu um chutão para frente. Braz, que era quem deveria ter o domínio da bola, não se entendeu com Aranha, e viu o oportunista Douglas Tanque ir para o fundo das redes e virar o jogo. A torcida santista chegou até sentir falta da dupla Edu Dracena e Durval, que juntos conquistaram seis títulos.

No segundo tempo, a alteração de Oswaldo de Oliveira foi o que fez a diferença. Aos 15 minutos, o treinador trocou o jovem Gabriel por Rildo e viu o atacante avançar pela esquerda e cruzar para Leandro Damião. O goleador subiu de cabeça, livre de marcação, e deixou tudo igual em Santos.

Leandro Damião também poderia ter virado o jogo aos 33 e 36 minutos, mas parou na falta de pontaria. O terceiro gol saiu e daria até a redenção a David Braz, o árbitro, no entanto, assinalou impedimento do defensor e anulou a jogada.

A partir daí foi só pressão do Santos. Oswaldo, em tarde em que as alterações foram felizes, bancou Stéfano Yuri no lugar do Damião para evitar a decisão por pênaltis, e a estrela do jovem atacante brilhou. Na primeira participação dele em campo, Stéfano recebeu passe de Thiago Ribeiro e marcou o gol da vitória. Explosão no Alçapão e classificação para a final garantida.

O Santos está na final do Campeonato Paulista pela sexta vez consecutiva.

Bastidores – Santos TV:

Cícero comemora virada e classificação na Vila: “Aqui, somos muito fortes”

Santos suou a camisa para derrotar o Penapolense e garantir vaga na final do Paulistão

Autor do primeiro gol do Santos na vitória por 3 a 2 sobre o Penapolense , neste domingo, pela semifinal do Campeonato Paulista, o meia Cícero exaltou o apoio da torcida santista, que lotou a Vila Belmiro e ajudou o Alvinegro Praiano a conquistar vaga para a sexta final consecutiva do Campeonato Paulista.

“Jogando aqui dentro (Vila Belmiro), somos muito fortes. Não fizemos um bom primeiro tempo, mas no segundo tivemos a bola”, disse Cícero após o jogo.

Responsável pela assistência que originou o gol de Leandro Damião, o segundo do Santos, o atacante Rildo comemorou sua boa atuação.

“Fico feliz por ter ajudado de alguma forma. A equipe está de parabéns. Todo mundo correu, lutou… Temos que exaltar a força do Penapolense, que não é um time bobo”, afirmou Rildo, que entrou no lugar de Gabriel aos 15 minutos do segundo tempo.

Santos perde Cicinho e Mena, suspensos, para o primeiro jogo da final

A tendência é que o técnico Oswaldo de Oliveira escale os reservas imediatos da posição: Bruno Peres e Emerson

Após comemorar a classificação para sua sexta final consecutiva no Campeonato Paulista, o Santos começou a pensar nos desfalques que terá na primeira partida da final, agendada para o próximo domingo, contra o Ituano. Os dois laterais titulares, Cicinho e Mena, receberam o terceiro cartão amarelo no triunfo por 3 a 2 contra o Penapolense e terão de cumprir suspensão.

A tendência é que o técnico do Peixe, Oswaldo de Oliveira, escale os reservas imediatos da posição. Na direita, Bruno Peres, e, na esquerda, Emerson.

Pendurados, dois titulares entrarão na primeira decisão com o risco de não jogar o segundo jogo: Gabriel e David Braz. Entre os reservas, Alison, Bruno Peres e Jubal também acumulam dois cartões amarelos.

Com a vitória deste domingo, o Santos garantiu a melhor campanha do Estadual e, em consequência, o direito de fazer em casa a segunda partida da final.

Jovem do Santos revela dica de Damião: ‘Ele falou que a bola ia sobrar’

Stéfano Yuri entrou no lugar de Leandro Damião e foi autor do gol da vitória por 3 a 2 contra o Penapolense

Autor do gol que decretou a virada do Santos sobre o Penapolense, aos 41 minutos do segundo tempo, o centroavante Stéfano Yuri, um dos destaques do time na conquista da Copa São Paulo de Juniores deste ano, revelou que recebeu uma dica de Leandro Damião quando se preparava para entrar em campo. O jovem santista substituiu o camisa 9 pouco antes de balançar as redes.

“Na hora em que estava saindo, o Damião falou para eu ficar na área que a bola ia sobrar para mim. O Oswaldo falou que era para eu fazer a mesma função do Damião. Mas o que facilitou bastante foi o espetáculo que a torcida deu na arquibancada”, afirmou o santista.

Este foi o segundo tento de Stéfano Yuri no Campeonato Paulista. O jogador já tinha marcado o gol da vitória por 2 a 1 sobre o Linense, na primeira fase.

Com a vitória deste domingo, o Santos garantiu a classificação para sua sexta final consecutiva de Campeonato Paulista. Independentemente do adversário, o Peixe consolidou a melhor campanha e, em consequência, ganhou o direito de fazer em casa o segundo jogo da decisão.

Chorando, David Braz agradece apoio dos santistas após falhas na semifinal

“Estou chorando de emoção, porque essa torcida lotou, apoiou… Até na hora difícil”, disse o zagueiro alvinegro

O zagueiro David Braz deixou o campo chorando após a vitória por 3 a 2 do Santos sobre o Penapolense , neste domingo, pela semifinal do Campeonato Paulista. O jogador cometeu o pênalti que originou o primeiro gol do adversário e falhou no lance que decretou a virada da equipe de Penápolis, na primeira etapa.

“Estou chorando de emoção, porque essa torcida lotou, apoiou… Até na hora difícil. Graças a Deus conseguimos essa classificação”, afirmou David Braz.

O zagueiro admitiu que, após o primeiro tempo, ficou abatido no vestiário, mas exaltou a ajuda dos companheiros para superar as falhas. “Esse grupo maravilhoso me deu apoio, e fomos até a final. Procurei levantar a cabeça e, graças a Deus, deu tudo certo”.



Santos 4 x 0 Ponte Preta

Data: 26/03/2014, quarta-feira, 19h30.
Competição: Campeonato Paulista – Quartas de final
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 10.039 pagantes
Renda: R$ 280.532,00
Árbitro: Vinicius Furlan (SP)
Auxiliares: Danilo Ricardo Simon Manis e Alex Ang Ribeiro (ambos de SP).
Cartões amarelos: Alison (S).
Gols: Cícero (21-1); Geuvânio (04-2), Gabriel (15-2) e Diego Cardoso (34-2).

SANTOS
Aranha; Cicinho, Neto, David Braz e Mena; Arouca, Cícero e Geuvânio; Gabriel (Alison), Thiago Ribeiro e Leandro Damião (Diego Cardoso).
Técnico: Oswaldo de Oliveira

PONTE PRETA
Roberto; Ferrugem, César, Diego Sacoman e Magal; Bruno Silva, Fernando Bob e Adrianinho (Bida); Silvinho (Neílson), Antônio Flávio e Alemão (Rossi).
Técnico: Vadão



Santos passa fácil pela Ponte Preta e garante vaga na semifinal do Paulistão

Jogando na Vila Belmiro, time de Oswaldo de Oliveira goleou e agora encara o Penapolense por um lugar na decisão

O dono da melhor campanha do Campeonato Paulista não teve dificuldade para chegar à semifinal. Na noite desta quarta-feira, o Santos comprovou sua superioridade e derrotou a Ponte Preta por 4 a 0, em jogo realizado na Vila Belmiro, com até gritos de ‘olé’ da torcida.

Com poucas ameaças dos visitantes, o time da casa abriu o placar ainda no primeiro tempo, com gol de Cícero. A Macaca ainda se lançou ao ataque para tentar reagir, mas não conseguiu furar o bloqueio dos mandantes. Assim, no início da etapa complementar, Geuvânio aproveitou boa jogada de Leandro Damião e fez o segundo.

Já o terceiro foi marcado por Gabriel, pouco antes de ter sido substituído por Alison. O garoto Diego Cardoso, que entrou no lugar de Leandro Damião no decorrer da etapa, assinalou o quarto gol dos anfitriões.

Com o resultado favorável, o Santos reafirma sua melhor campanha no Estadual e vai enfrentar o Penapolense na semifinal, que será disputada no fim de semana.

O jogo

O Santos começou a partida apostando em seu ponto forte: a velocidade. Assim, logo aos dois minutos, em rápido avanço, Gabriel recebeu cruzamento da esquerda e só não conseguiu balançar as redes porque Roberto saiu na hora certa para abafar. Para viabilizar suas jogadas na frente, o time também pressionou a saída de bola da Ponte, conseguindo desarmar os defensores de forma até fácil em alguns momentos, mas sem aproveitar de forma efetiva para balançar as redes.

Enquanto os donos da casa buscavam com mais afinco o ataque, a Macaca desperdiçava as oportunidades por conta do elevado número de passes errados na frente. Em nova chance do Peixe, Geuvânio fez boa jogada individual pela direita da área e arrematou na rede pelo lado de fora. Na primeira resposta de verdade dos visitantes, Alemão aproveitou vacilo da defesa santista e apareceu completamente livre na área, cabeceando para fora.

No lance seguinte, Roberto quase se complicou para segurar batida forte de Thiago Ribeiro, mas se recuperou. Pouco depois, Leandro Damião driblou o defensor na meia-lua e arrematou bem, exigindo nova defesa do goleiro. Mas Roberto não conseguiu se segurar por muito tempo.

Aos 21 minutos, depois de cobrança de escanteio, Neto desviou de cabeça, e Ferrugem tentou afastar, mas o rebote sobrou para Cícero, que, com liberdade na área, finalizou para fazer o gol. Com a vantagem no placar, em vez de pressionar para buscar o segundo, o Peixe recuou e passou a cometer muitas faltas em sua intermediária.

Com Vadão dando broncas à beira do gramado, a equipe campineira se acertou aos poucos. Adrianinho e Silvinho foram os encarregados pelas cobranças de faltas para a área, mas Aranha e a zaga se saíram melhor. Na única chance em que os santistas não afastaram, Diego Sacoman cabeceou para muito perto da meta adversária.

No entanto, antes do fim da etapa, o Santos quase ampliou. Gabriel recebeu cruzamento da direita na área e desviou de primeira, exigindo defesa do goleiro. No rebote, Geuvânio finalizou para fora.

As duas equipes voltaram sem alterações para a etapa final, e logo o Santos fez o segundo. Leandro Damião fez uma assistência de bicicleta para Geuvânio, que avançou pela direita, invadiu a área, driblou Diego Sacoman e finalizou no canto, para superar o goleiro Roberto.

Com a desvantagem, a Ponte se lançou no desespero ao ataque, mas sem trabalhar a bola de forma consistente. Assim, sofreu o terceiro gol. Aos 15 minutos, Gabriel domino pela meia-direita, puxou para o meio e arrematou rasteiro, no canto, para fazer o gol. Com o placar tranquilo, Oswaldo de Oliveira tirou Gabriel para colocar Alison.

Já Vadão apostou no que pôde, tirando Alemão e Adrianinho para as entradas de Rossi e Bida. Enquanto isso, Oswaldo ainda teve a tranquilidade de poupar Damião, colocando o garoto Diego Cardoso. Em pouco tempo em campo, o jovem atleta quase balançou as redes depois de jogada de Thiago Ribeiro.

Mas o garoto não deixou o jogo sem comemorar. Aos 34, Diego Cardoso recebeu cruzamento com liberdade e mandou sem dificuldade para a rede. A partir daí, a torcida santista pôde até gritar ‘olé’ nas trocas de passes.

Aranha celebra equilíbrio do Santos em goleada sobre a Ponte Preta

“Estamos no caminho certo e temos que dar continuidade ao trabalho”, afirmou o goleiro alvinegro

O goleiro Aranha exaltou o desempenho do Santos na goleada por 4 a 0 sobre a Ponte Preta , nesta quarta-feira, pelas quartas de final do Campeonato Paulista. Quase sem ter sido ameaçado pela equipe campineira, o arqueiro se mostrou satisfeito com o equilíbrio do Peixe na Vila Belmiro.

“Nossa equipe fez uma partida muito boa, porque nós criamos bastante e demos pouquíssimas oportunidades para a Ponte. Estamos no caminho certo e temos que dar continuidade ao trabalho”, afirmou.

O Peixe abriu o placar no primeiro tempo, com Cícero, e ainda sentiu um pouco dos avanços da Macaca. Porém, na segunda etapa, o time do técnico Oswaldo de Oliveira teve amplo domínio e balançou a rede com Gabriel, Geuvânio e Diego Cardoso.

“Todo mundo está de parabéns, e nossa pegada tem de ser assim mesmo. Temos de focar o próximo jogo, porque não acabou ainda”, declarou Cícero, reforçando o discurso do goleiro.

O meio-campista inaugurou a contagem ao aproveitar bola espirrada em cobrança de escanteio, depois de desvio de Ferrugem. “Eu me afastei um pouco do pessoal, a bola sobrou e fui feliz por fazer o gol”, explicou.

Dono da melhor campanha deste Campeonato Paulista, o Santos aguarda o complemento das quartas de final para saber quem será seu adversário na semifinal, no fim de semana.

“Exímio ciclista”, Damião revela treinamentos de passe de bicicleta

Atacante deu assistência diferente para Geuvânio marcar o quarto gol do Santos sobre a Ponte Preta na Vila Belmiro

Dos quatro gols do Santos na vitória por 4 a 0 sobre a Ponte Preta, o grande destaque ficou para a jogada finalizada por Geuvânio para a rede. Além de o garoto ter mostrado mais uma vez velocidade e precisão, o lance também começou de um jeito diferente, com assistência de bicicleta de Leandro Damião.

“Nós já estamos bem entrosados, e o Geuvânio é um menino muito rápido. Estamos sempre treinando esta jogada e deu certo no jogo. Não foi fácil, mas ele driblou o zagueiro e fez o gol”, explicou.

Na jogada em questão, Leandro Damião estava na intermediária quando a bola chegou pelo alto e, pressionado por dois marcadores, emendou uma bicicleta, acionando Geuvânio pela direita.O garoto, então, avançou em velocidade, driblou um zagueiro e arrematou para superar o goleiro Roberto. Com bom humor, o técnico Oswaldo de Oliveira exaltou a jogada de Damião no terceiro gol.

“Ele é um exímio ciclista, tem um aproveitamento muito bom. Já vimos fazendo isso no Inter. Ele gosta de lambreta também, ou seja, gosta de duas rodas. É claro que é um recurso. Antes, tentou em outra jogada e falou para o Geuvânio ficar atento. Assim, conseguiu na segunda vez”, elogiou.

Além do gol de Geuvânio, os outros tentos do Santos foram marcados por Cícero, Gabriel e Diego Cardoso. O resultado eliminou a Ponte e classificou o time à semifinal do Paulistão.