Navegando Posts marcados como Cicero

Penapolense 4 x 1 Santos

Data: 16/02/2014, domingo, 18h30.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 8ª rodada
Local: Estádio Tenente Carriço, em Penápolis, SP.
Público: 6.353 presentes
Renda: R$ 219.125,00
Árbitro: Jose Claudio Rocha Filho
Auxiliares: Fausto Augusto Viana Moretti e Alex Ang Ribeiro
Cartões amarelos: Gustavo Henrique, Mena e Alan Santos (S).
Cartões vermelhos: Gustavo Henrique (S) e Petros (P).
Gols: Guaru (09-1, de pênalti) e Cícero (44-1); Douglas Tanque (06-2), Petros (39-2) e Alex Créu (42-2).

PENAPOLENSE
Samuel; Rodnei, Jaílton, Gualberto e Rodrigo Biro; Petros, Liel, Guaru (Fio) e Washington; Douglas Tanque (Neto) e Alexandro Créu (Lucas).
Técnico: Narciso

SANTOS
Aranha; Cicinho, Gustavo Henrique, Neto e Mena; Alan Santos, Arouca e Cícero; Geuvânio (Rildo), Thiago Ribeiro (Gabriel) e Leandro Damião (Stéfano Yuri).
Técnico: Oswaldo de Oliveira



Santos joga mal, é goleado pelo Penapolense e perde a invencibilidade

O Santos não esteve nos melhores dos seus dias neste domingo, quando sofreu sua primeira derrota no Campeonato Paulista. Em partida válida pela oitava rodada do Estadual, disputada no estádio Tenente Carriço, em Penápolis, o Peixe perdeu para o Penapolense por 4 a 1. Guaru, de pênalti, Douglas Tanque, Alex Créu e Petros fizeram os gols dos anfitriões. Cícero, de cabeça, marcou para o Santos.

A equipe praiana viu as dificuldades aumentarem aos 23 minutos da segunda etapa, quando Gustavo Henrique deu um carrinho em Douglas Tanque no meio de campo, recebeu o segundo cartão amarelo e foi expulso. Àquela altura, o placar já marcava 2 a 1 para o time da casa.

Apesar da derrota, o Santos se mantém na liderança do Grupo C, com 19 pontos, mas perde a condição de melhor equipe do Paulista para o Palmeiras, agora o único time invicto da competição. Já o Penapolense subiu para 15 pontos e assumiu a liderança do Grupo A, deixando o São Paulo em segundo.

O Santos volta a campo na próxima quinta-feira, quando recebe o Atlético Sorocaba na Vila Belmiro. Para este compromisso, Oswaldo de Oliveira não contará com Gustavo Henrique e Alan Santos (este recebeu o terceiro cartão amarelo), que cumprirão suspensão. Já o Penapolense joga um dia antes, na quarta, quando enfrenta a Portuguesa no Tenente Carriço.

Santos 5 x 1 Botafogo-SP

Data: 01/02/2014, sábado, 19h30.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 5ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 5.983 pagantes
Renda: R$ 182.661,00
Árbitro: Flávio Rodrigues Guerra
Auxilares: Herman Brumel Vani e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa.
Cartões amarelos: Neto, Emerson e Gabriel (S); Hudson (B).
Gols: Geuvânio (04-1) e Cícero (45-1); Hudson (05-2), Gabriel (20-2), Gabriel (23-2) e Emerson (44-2).

SANTOS
Aranha; Cicinho, Gustavo Henrique, Neto e Emerson Palmieri; Leandrinho, Arouca (Lucas Otávio) e Cícero; Geuvânio (Bruno Peres), Thiago Ribeiro (Rildo) e Gabriel Barbosa.
Técnico: Oswaldo de Oliveira

BOTAFOGO-SP
Gilvan; Daniel, César Gaúcho, Henrique Mattos (Lima) e Augusto Ramos; Gilmak, Hudson (Léo), Camilo (Giovanni) e Wellington Bruno; Mike e Marcelo Macedo.
Técnico: Wagner Lopes



Garotada dá show, Santos faz novo 5 a 1 e atinge marca histórica

O 5 a 1 contra o Corinthians, ao que tudo indica, não foi por acaso. Três dias depois de golear o maior rival, o Santos encantou de novo. Com direito a “olé”, a garotada alvinegra repetiu o 5 a 1 no Botafogo e chegou à marca de 12 mil gols na história do clube.

O feito coube a Gabriel, no quarto gol da larga vitória, que anima a torcida depois de um começo de ano claudicante. Depois de quatro rodadas, o Santos tem 13 pontos em 15 possíveis, o melhor ataque da competição e parece não sentir falta de nomes como Montillo, negociado, e Leandro Damião, que ainda sequer estreou.

Neste sábado, quem mandou no time foi Geuvânio, devidamente auxiliado por Arouca, Cícero, Thiago Ribeiro e Gabriel. Com a camisa 10, Geuvânio marcou seu primeiro gol como profissional pelo Santos, sofreu um pênalti e deu assistências para dois colegas deixarem sua marca no Botafogo, que saiu goleado mesmo tendo levado perigo aos rivais.

A atuação do Santos, é verdade, não foi perfeita, mas o time mostrou bom futebol de novo, e o conjunto ofensivo compensou os vacilos da defesa. Neto e Gustavo Henrique bateram cabeça e deixaram espaços mais de uma vez para o Botafogo. Marcelo Macedo parou em Aranha, enquanto Hudson chutou para fora depois de um lindo drible dentro da área santista.

O Santos, ao contrário, foi preciso quando chegou ao ataque. Aos 4 minutos, um passe de Leandrinho desviou no meio do caminho e caiu como uma luva para Geuvânio, que driblou o goleiro do Botafogo e bateu para o gol vazio.

Foi o primeiro gol do jovem atacante como profissional. E Geuvânio ainda teve mais o que comemorar. Aos 45 minutos do primeiro tempo, foi ele quem deu o passe final para Cícero, depois de uma bela jogada de Arouca e Thiago Ribeiro. O capitão do time, pressionado, bateu bonito com o pé esquerdo e fez 2 a 0 para o Santos.

Era a redenção pessoal de Cícero, que poderia estar comemorando o segundo gol no jogo àquela altura. Antes, aos 11 minutos, Geuvâno havia sido derrubado na área e o juiz anotou o pênalti. Na cobrança, Cícero mandou para fora.

A despeito do erro do meia, o Santos manteve o controle do jogo, apostando em contra-ataques rápidos e se virando como podia na defesa, sem muita organização. Mesmo assim, o único momento do Botafogo-SP no jogo foi em uma falha individual.

Aos 5 minutos, Aranha saiu mal do gol em uma cobrança de escanteio e Hudson marcou quase no susto, já que a bola bateu na perna do jogador e entrou fraquinha no gol santista.

O vacilo não abalou o Santos. Com calma, a equipe manteve o domínio do jogo e soube matar a reação do Botafogo na hora certa. Aos 20 minutos, Geuvânio passou para Gabriel, que deslocou o goleiro rival com um toque de esquerda para marcar 3 a 1.

Foi o mesmo Gabriel que teve o privilégio de fazer o gol número 12 mil da história do Santos. Aos 23 minutos, após um tiro de meta cobrado por Aranha, ele aproveitou o vacilo da defesa rival e marcou o quarto do Santos. O quinto, no apagar das luzes, saiu aos 44 minutos, quando o estreante Rildon fez boa jogada pela esquerda e rolou para Emerson, que bateu de primeira e marcou.

Agora, depois de duas goleadas na Vila, o Santos junta suas malas e vai para Lins, onde enfrente o Linense no meio de semana. Já o Botafogo volta a Ribeirão Preto para receber o Oeste, na próxima terça.

Bastidores – Santos TV:

Oswaldo aponta Geuvânio como destaque do Santos e pede ‘proteção’

Autor do primeiro gol e garçom em outros dois, Geuvânio foi “eleito” pelo técnico Oswaldo de Oliveira como o melhor jogador da vitória por 5 a 1 contra o Botafogo de Ribeirão Preto, na Vila Belmiro.

– Arouca no último jogo fez uma partida irrepreensível. Hoje (sábado), o destaque foi o Geuvânio. Eles estão se alternando e o objetivo é esse mesmo. Não quero apontar nenhum jogador, mas eventualmente um se sobressai. Não posso tentar iludir e dizer que não teve destaque. Foi o Geuvânio. Todos terão a chance de ser solista em algum momento – apontou.

O treinador, que já adiantou que Leandro Damião deve estrear na vaga de Gabriel, suspenso, contra o Linense, na quinta-feira, reclamou bastante da arbitragem. No segundo tempo, foi expulso por Fávio Rodrigues Guerra após reclamações.

– Tenho notado que todas as partidas que estamos ganhando, os árbitros começam a permitir faltas violentas. O jogador leva vantagem e é chargeado. O cara fez falta no Rildo, ele não marca, então na outra ele vai atropelar. Por isso, repetidamente, falei ao quarto árbitro: “Não vou engolir”. Não é possivel permitir faltas seguidas só porque o time está perdendo. Parece que está com pena. Isto tem acontecido nas nossas partidas – finalizou ele.

“Não era meu foco, mas fico muito feliz”, diz Gabriel sobre gol 12 mil

Além de marcar a segunda goleada por 5 a 1 consecutiva na Vila Belmiro, a vitória do Santos contra o Botafogo-SP foi histórica. O segundo tento de Gabriel no jogo, o quarto do Peixe, representou o gol de número 12 mil na história do Peixe. Depois do jogo, o jovem de 17 anos comemorou o feito.

“Esse não era o meu foco, mas (antes do jogo) sabia que faltavam quatro. Meu foco era ajudar o time na marcação, nos passes… Fico muito feliz por fazer parte da história do Santos”, afirmou Gabriel depois do jogo.

Artilheiro do Peixe no Campeonato Brasileiro, com quatro gols, o atacante recebeu o terceiro cartão amarelo neste sábado (por ter subido no alambrado justamente após o gol 12 mil) e terá de cumprir suspensão na partida contra o Linense, na próxima quinta-feira, em Lins.

A ausência de Gabriel provavelmente será suprida por Leandro Damião, que deverá fazer sua estreia com a camisa do Peixe.

Thiago Ribeiro foge de autopromoção e dá crédito a molecada: “muita disposição”

O atacante Thiago Ribeiro deixou de lado a autopromoção e preferiu exaltar os jovens do Santos na goleada por 5 a 1 contra o Corinthians nesta quarta-feira, na Vila Belmiro, pela quarta rodada do Campeonato Paulista. Autor de dois gols no confronto, o camisa 11 elogiou o desempenho dos garotos e enalteceu o perfil revelador do clube, recentemente campeão da Copa São Paulo.

“A meninada tem muita disposição. O Santos é famoso por isso, por revelar talentos, não tem medo de colocar para jogar e dá certo. Essa mescla dos novos com os experientes nos levou a uma grande partida”, disse.

Só entre os titulares, o técnico Oswaldo de Oliveira escalou o zagueiro Gustavo Henrique, o volante Alan Santos e os atacantes Gabriel Barbosa e Geuvânio, todos revelados pelo clube. Os dois últimos, por sinal, participaram ativamente da partida. Gabriel marcou o segundo gol, aproveitando um cruzamento de Arouca, enquanto Geuvânio criou uma série de jogadas, entre elas a assistência para o gol marcado por Bruno Peres, o quarto.

“É muito bom vencer um clássico, contra o Corinthians é sempre bom de jogar e essa placar nos deixa ainda mais satisfeitos. Estamos de parabéns pelo que apresentamos, podemos crescer muito com essa velocidade e mobilidade. Vamos envolver muitos jogos”, analisou.

Durante a partida, Oswaldo ainda promoveu as entradas do meia Leandrinho e do centroavante Stéfano Yuri, artilheiro da última edição da Copinha. Com a vitória, o Santos chega a dez pontos e assume a liderança do Grupo C do Estadual, considerado o mais equilibrado. A equipe, agora, volta a jogar no próximo sábado, diante do Botafogo-SP, na Vila Belmiro.

Ituano 0 x 1 Santos

Data: 26/01/2014, domingo, 19h30.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 3ª rodada
Local: Estádio Novelli Júnior, em Itu, SP.
Público: 2.527 pagantes
Renda: R$
Árbitro: Marcelo Rogério
Auxiliares: Daniel Luis Marquese e Patricia Carla de Oliveira
Cartões amarelos: Josa e Cristian (I); Gabriel, Alan Santos, Mena e Thiago Ribeiro (S).
Gol: Cícero (46-2).

ITUANO
Vagner; Dick, Alemão, Anderson Salles e Dener; Josa, Paulinho (Rafael Silva), Jackson Caucaia e Cristian (Esquerdinha); Marcinho (Clayson) e Jean Carlos.
Técnico: Doriva

SANTOS
Aranha; Cicinho, Neto, Jubal e Mena; Alan Santos (Leandrinho), Arouca e Cícero; Thiago Ribeiro. Geuvânio e Gabriel (Victor Andrade)
Técnico: Oswaldo de Oliveira



Santos sofre pressão, Aranha salva e Cícero decide vitória sobre o Ituano

Peixe vai mal, mas faz 1 a 0 com gol de falta do meia nos minutos finais. Time do interior cria e finaliza mais, mas para em boa atuação do goleiro

Aos 45 minutos do segundo tempo, uma falta cobrada por Cícero deu a vitória ao Santos por 1 a 0 sobre o Ituano, neste domingo, no Novelli Júnior. A equipe do interior jogou melhor, exigiu grandes defesas de Aranha, mas foi castigada em uma bola parada que desviou na barreira e enganou seu goleiro. O Peixe venceu, mas terá de tirar lições se quiser melhorar e brigar em condições de igualdade com seus adversários pelo título paulista.

Com um meio-campo dominado durante toda a partida, o Peixe assistiu à pressão do Ituano no segundo tempo. Não fosse Aranha, a trave e o zagueiro Jubal, o Santos sairia derrotado de Itu. E a vitória do time da casa seria até o placar mais justo. O resultado levou o Santos aos sete pontos, na segunda posição do Grupo C do Campeonato Paulista. O Ituano tem apenas um ponto somado no Grupo B.

O jogo

À vontade e vestindo uma bermuda para amenizar o calor de Itu, Oswaldo de Oliveira apostou no retorno de Cícero para dar vitalidade ao meio-campo santista. Nem ele foi capaz de efetuar a necessária ligação até o ataque. Assim, o Santos viveu da ligação direta vinda da defesa e de alguns lampejos de Geuvânio, arisco, cheio de dribles, mas sem ajuda de Gabriel e Thiago Ribeiro, muito bem marcados.

Oswaldo terá trabalho para suprir a ausência de Montillo, que costumava fazer com eficácia a armação de jogadas. Sem o argentino, o Peixe perde muita qualidade e precisa de jogadas individuais para criar. Foi assim nas poucas chances que o time teve.

O Ituano não se limitou a defender e tentou agitar um jogo monótono, finalizando mais do que o rival e buscando o ataque. Nas bolas paradas, Anderson Sales deu trabalho. Com a bola rolando, os ex-palmeirenses Marcinho e Cristian tiveram chances de abrir o placar. Ambos pararam no goleiro Aranha, melhor santista em campo no primeiro tempo.

A vantagem física do Ituano foi decisiva para o formato do jogo, que teve a equipe do interior no comando das ações durante todo o segundo tempo. O Ituano passou a trocar passes, abrir espaços e colocar o Santos para correr. Aranha continuou fazendo o que pôde – e quando não pôde, contou com valiosa ajuda da sorte, com no chute de Paulinho que acertou a trave.

Oswaldo trocou Gabriel por Victor Andrade – seis por meia dúzia, já que a formação do ataque não mudou, e o substituto, assim como o titular, mal tocou na bola. O Santos pareceu satisfeito com o empate na maior parte da segunda etapa. Do outro lado, o técnico Doriva percebeu as intenções do rival e não teve medo de colocar seu time para pressionar.

O empate sem gols era lucro para o Santos, que passou os últimos minutos dentro de sua área, se segurando para evitar a derrota. No lance mais perigoso, Jubal se jogou na frente da bola para salvar o time. Oswaldo de Oliveira demorou muito para mexer, colocou Leandrinho nos minutos finais, mas não conseguiu fazer o Peixe jogar.

Mesmo satisfeito, o Santos teve uma falta aos 45 minutos e arriscou. Cícero bateu, a barreira abriu, e o goleiro Vágner não pôde fazer nada: 1 a 0. Insatisfeito com a atuação e as vaias da torcida, o meia desabafou e levou a mão ao ouvido, querendo uma resposta da torcida. A vitória veio, mas Oswaldo terá muito trabalho para fazer esse time jogar mais.

Bastidores – Santos TV:






Goiás 0 x 3 Santos

Data: 08/12/2013, domingo, 17h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 38ª rodada
Local: Estádio Serra Dourada, em Goiânia, GO.
Público: 25.238 pagantes
Renda: R$ 354.655,00
Árbitro: Jean Pierre Goncalves Lima (RS)
Auxiliares: Kléber Lúcio Gil e Carlos Berkenbrock (ambos de SC)
Cartões amarelos: Gustavo Henrique e Durval (S).
Cartão vermelho: Hugo (G)
Gols: Cícero (05-1) e Montillo (44-1); Montillo (32-2).

GOIÁS
Renan; Vítor, Ernando, Rodrigo e William Matheus; Amaral, Dudu Cearense (Ramon), Eduardo Sasha (Roni), Hugo e Renan Oliveira (Welinton Júnior); Walter (Léo Bonatini).
Técnico: Luís Fernando Flores (auxiliar)

SANTOS
Aranha; Cicinho, Gustavo Henrique, Durval e Eugenio Mena (Emerson); Alison (Alan Santos), Arouca, Cícero e Montillo; Geuvânio e Thiago Ribeiro (Everton Costa).
Técnico: Claudinei Oliveira



Goiás é derrotado pelo Santos e perde chance de chegar à Libertadores

Dois gols de Montillo e outro de Cícero deram a vitória ao time paulista, que deixa goianos fora do G4 do Brasileiro

Em partida disputada neste domingo no Estádio Serra Dourada, válida pela 38ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Goiás foi derrotado pelo Santos, por 3 a 0 (um de Cícero e dois de Montillo) e perdeu, além da quarta colocação na tabela de classificação, a oportunidade de disputar a Copa Libertadores em 2014.

O Goiás, que só precisava da vitória para se garantir na quarta colocação, foi prejudicado pelo resultado do Botafogo, que venceu o Criciúma e entrou no G4. A equipe comandada por Enderson Moreira permaneceu com 59 pontos e terminou a competição na sexta posição.

Por sua vez, o Santos, que não brigava por mais nada, ganhou uma posição e terminou o Brasileirão na sétima colocação, com 57 pontos. Esta é a melhor campanha da equipe paulista desde 2007, quando o time comandado por Vanderlei Luxemburgo ficou com o vice-campeonato, atrás apenas do campeão e arquirrival São Paulo.

O jogo

Antes do pontapé inicial, foi respeitado um minuto de silêncio, em homenagem ao ex-presidente sul-africano Nelson Mandela, que faleceu na última quinta-feira. Nos primeiros instantes da partida, os jogadores das duas equipes ficaram trocando passes, dando sequência aos protestos orquestrados pelo movimento Bom Senso FC, que pleiteia, entre outras melhorias, a mudança do calendário do futebol brasileiro.

O Santos abriu o placar aos cinco minutos de jogo. Após jogada pela direita, a defesa tirou mal e Arouca ficou com a sobra. O volante levantou na medida para Cícero, que cabeceou para baixo, marcando seu 16º gol no Campeonato Brasileiro.

No lance seguinte, o Goiás teve a chance de empatar. Dudu Cearense arriscou da entrada da área e a bola passou perto da trave direita defendida por Aranha, que já desistira do lance. Aos 18, Dudu cobrou falta na cabeça de Rodrigo, que cabeceou tirando de Aranha. Cicinho, em cima da linha, salvou o que seria o gol de empate.

Aos 33 minutos, após sobra de escanteio, o zagueiro Rodrigo lançou Hugo na grande área. Em posição duvidosa, o meia apareceu livre atrás dos zagueiros santistas, mas colocou muita força na finalização e mandou a bola por cima do gol.

O segundo gol santista saiu aos 44 minutos. Emerson avançou pela esquerda e tocou na área para Thiago Ribeiro. O atacante santista protegeu da marcação e rolou para Montillo, que aparecia atrás. O argentino acertou forte chute de primeira no canto direito de Renan.

Uma falha de Aranha, aos seis minutos da segunda etapa, quase proporcionou o primeiro gol ao Goiás. Rodrigo bateu falta com força no meio do gol, o goleiro santista espalmou para o meio da área e, no rebote, Vítor, dentro da pequena área, chutou por cima do travessão.

Aos 14 minutos, Cícero dominou na entrada da área, iludiu a marcação da defesa esmeraldina e finalizou de direita, acertando a trave de Renan. No contra-ataque seguinte, Thiago Ribeiro dominou na ponta esquerda, puxou para o meio e finalizou. A bola passou muito perto do poste esquerdo adversário.

O terceiro gol santista foi marcado aos 32 minutos. Em rápido contra-ataque, Geuvânio recebeu no meio e viu Montillo invadindo a área pela direita livre de marcação. Com um chute cruzado, de primeira, o argentino venceu o goleiro Renan e marcou seu segundo tento na partida.

Aos 45 minutos, Hugo se desentendeu com o meia Roni, seu companheiro de equipe, e recebeu o cartão vermelho de forma direta.

Em sua despedida, Durval comemora vitória com ‘honra e dignidade’

Zagueiro não terá seu contrato renovado e fez sua última partida pelo Santos no triunfo diante do Goiás

A partida entre Goiás e Santos, disputada neste domingo, no Estádio Serra Dourada, e vencida pelos paulistas por 3 a 0, marcou a despedida do zagueiro Durval. O jogador de 33 anos, que não terá seu contrato renovado pela diretoria, deixou o gramado comemorando o resultado, que garantiu ao Santos a sétima colocação no Campeonato Brasileiro, com 57 pontos.

“Não tínhamos nada a perder. Precisávamos terminar (o Brasileiro) com honra e dignidade. O 3 a 0 ficou de bom tamanho”, declarou Durval.

Contratado no começo de 2010, Durval fez neste domingo sua 249ª partida com a camisa do Santos. Em quatro anos, o zagueiro conquistou seis títulos – três Paulistas (2010, 2011 e 2012), uma Copa do Brasil (2010), uma Libertadores (2011) e uma Recopa Sul-Americana (2012).

A chegada da delegação santista a São Paulo deverá ocorrer nesta madrugada. A reapresentação do elenco está marcada para o próximo dia 6, no CT Rei Pelé, quando o Santos iniciará a preparação para o Campeonato Paulista, que começa dia 18 de janeiro.


Vídeos: (1) Gols e (2) melhores momentos

Santos 2 x 1 Atlético-PR

Data: 01/12/2013, domingo, 19h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 37ª rodada
Local: Estádio Benedito Teixeira, em São José do Rio Preto, SP.
Público: 11.431 pagantes
Renda: R$ 235.940,00
Árbitro: Wagner Reway (MT)
Auxiliares: Marrubson Melo Freitas (DF) e Cleriston Clay Barreto Rios (SE).
Cartões amarelos: Edu Dracena e Alan Santos (S); Marcelo e Bruno Silva (A).
Gols: Marcelo (27-1) e Cícero (33-1); Cícero (31-2).

SANTOS
Aranha, Cicinho (Bruno Peres), Edu Dracena (Edu Dracena), Gustavo Henrique e Mena; Alan Santos, Marcos Assunção (Renato Abreu), Cícero e Montillo; Thiago Ribeiro e Geuvânio.
Técnico: Claudinei Oliveira

ATLÉTICO-PR
Weverton, Léo, Manoel, Luiz Alberto e Juninho; Deivid, Bruno Silva (Roger), João Paulo (Zezinho) e Everton; Marcelo e Ederson (Dellatorre).
Técnico: Vagner Mancini



Show de Cícero dá vitória ao Santos e complica Atlético-PR na briga pelo G4

Apesar do resultado, time paranaense ainda depende apenas do próprio resultado na última rodada para conquistar a vaga na Libertadores 2014

O Atlético-PR visitou o Santos em partida disputada em São José do Rio Preto precisando apenas de um empate para selar a classificação antecipada para a Copa Libertadores da América. O Furacão chegou a sair na frente do placa no Teixeirão, mas a atuação de gala de Cícero, que chegou aos 14 gols no Campeonato Brasileiro, deu a vitória de virada ao Peixe por 2 a 1 na 37ª rodada.

Os rubro-negros saíram em vantagem quando o time praiano era melhor em bela cabeçada de Marcelo após passe de Ederson. Também pelo alto, Cícero empatou ainda no primeiro tempo. Na reta final do segundo tempo, o meia fez golaço por cobertura e definiu a virada alvinegra. Com o resultado, os paranaenses param nos 61 pontos e podem perder a terceira posição para Goiás, Botafogo ou Vitória no próximo final de semana. O time da Vila Belmiro chega aos 54 em oitavo.

Na 38ª e última rodada da competição nacional, o Atlético-PR atua como mandante na Arena Joinville para encarar o Vasco da Gama às 17 horas (de Brasília) do próximo domingo. No mesmo horário, o Santos encerra suas atividades na frustrante temporada ao visitar o Goiás no Serra Dourada, em Goiânia.

O jogo

Prejudicadas pelo gramado ruim no interior de São Paulo, as duas equipes demoraram para conseguir colocar a bola no chão e a primeira chance de perigo saiu apenas aos 15 minutos. Geuvânio pegou rebote após levantamento de Walter Montillo e por pouco não conseguiu encobrir o goleiro Weverton.

Três minutos depois, a jovem revelação do Peixe voltou para ajudar a defesa, mas foi driblado por Ederson no bico esquerdo da área. O artilheiro do Brasileirão soltou uma bomba de perna direita e Aranha espalmou por cima do gol. Também com chute forte pela ponta, Thiago Ribeiro levantou a torcida alvinegra aos 26 minutos.

O Furacão saiu jogando rápido com o tiro de meta de Weverton até a bola encontrar Ederson pela meia direita. O centroavante mostrou que também pode trabalhar como garçom, levantou a cabeça e cruzou na medida para o meio da área santista. Marcelo passou como um raio entre os beques praianos e testou com estilo para acertar o ângulo direito de Aranha.

Em desvantagem no placar, o Santos passou a pressionar os atleticanos, que montaram forte barreira defensiva na entrada da área. Thiago Ribeiro e Alan Santos trocaram passes até a bola passar por Montillo e chegar em Geuvânio. O garoto acionou Cicinho na linha de fundo e o lateral direito cruzou por cima de Weverton para Cícero subir mais que João Paulo e empatar aos 33 minutos.

Na volta do intervalo, foi novamente o Peixe que chegou com perigo pela primeira vez. Com um minuto de etapa complementar, Montillo girou na grande área e bateu à direita de Weverton. A resposta rubro-negra saiu aos oito em chute de fora da área do lateral direito Léo e aos 12 com Everton perdendo boa chance após passe de Marcelo.

Vágner Mancini resolveu lançar Dellatorre na vaga de Ederson e a mudança quase surtiu efeito segundos após ser feita. O atacante cruzou rasteiro, Gustavo Henrique se atrapalhou e Aranha fez milagre para evitar o gol contra. O jovem beque se redimiu aos 27 minutos ao receber de Montillo e soltar pancada por cima da meta de Weverton.

O desespero começou a tomar conta do Atlético-PR e o Peixe soube aproveitar. Durval acertou lançamento primoroso do campo defensivo e encontrou Cícero nas costas da zaga. O meia-atacante comprovou a boa fase e tocou por cobertura para virar a partida no Teixeirão com um golaço e fazer a alegria da torcida no último jogo com mandante no ano.

Claudinei agradece elenco por empenho e supera campanha de Muricy

Técnico chegou aos 54 pontos no Brasileirão e tem um a mais do que o time treinado por Muricy Ramalho no ano passado

Ao bater o Atlético-PR de virada por 2 a 1 neste domingo, o Santos já superou a campanha do ano passado no Campeonato Brasileiro. Com 54 pontos, o Peixe ainda precisa encarar o Goiás na última rodada, mas já tem um ponto a mais do que o time treinado por Muricy Ramalho em 2012 e se garantiu como melhor equipe paulista na competição.

Atualmente no rival São Paulo, Muricy conduziu Neymar e companhia à décima colocação com 50 pontos. Na edição deste ano, o treinador deixou a Vila Belmiro com apenas um ponto conquistado na Série A. Claudinei Oliveira assumiu como interino, agradou no início do trabalho, mas mesmo com o resultado melhor do que o antecessor não será mantido no cargo para 2014.

“Representa muito para mim superar uma campanha do Muricy, um megacampeão. Ainda por cima não tive o Neymar, que é um dos melhores jogadores do mundo e já tinha ido para o Barcelona. Não sei se é pouco ou muito para a diretoria, mas para mim foi um ano positivo. Longe das tradições do clube, mas para mim foi muito bom pelos números”, ressaltou.

Para chegar aos 54 pontos, o comandante alvinegro precisou pedir ao elenco que não desanimasse nas rodadas finais do Brasileirão, mesmo já sem chances de classificação à Copa Libertadores da América. A conversa surtiu efeito e o Peixe venceu os dois últimos compromissos. Contra o Atlético-PR, principalmente, Claudinei se mostrou emocionado com a entrega do grupo em campo.

“Agradeço e muito a dedicação de todos os atletas. É só ver que ao terminar o jogo, todos eles estavam extenuados e caíram no chão. Cada um deu a vida, deu tudo, por eles mesmos e um pouquinho pelo pedido que fiz para sairmos honrados dos campeonato”, reconheceu o treinador, que reuniu os jogadores no centro do campo após a virada sobre o Furacão.

Para o atacante Thiago Ribeiro, o Santos seguirá com dedicação até o final da Série A para acabar com qualquer desconfiança sobre possível corpo-mole para beneficiar ou prejudicar adversários. Curiosamente, nas três rodadas derradeiras, o Peixe bateu o desesperado Fluminense e o Atlético-PR, que briga pela Libertadores. O Goiás, rival do próximo domingo, também sonha com a competição internacional.

“Nosso objetivo hoje é terminar na melhor condição possível. Temos que ter dignidade para ninguém falar depois que o Santos jogou meia-boca, que poderia ter ajudado outra equipe. Não temos que se preocupar com o problema dos outros. Estamos jogando para vencer e terminar com a melhor pontuação possível”, sentenciou.