Navegando Posts marcados como Cleber

Santos 2 x 1 São Caetano

Data: 17/02/2002
Competição: Torneio Rio SP
Local: Estádio da Vila Bemiro, em Santos, SP.
Público: 5.359 pagantes
Renda: R$ 44.540.00
Árbitro: Paulo Cesar de Oliveira (SP)
Cartões amarelos: Léo, Esquerdinha, Preto, Thiago e Odvan (S); Dininho e Marcos Senna (SC).
Gols: Cléber (02-1), Brandão (39-1) e William (44-1).

SANTOS
Fábio Costa; Odvan, Preto, e Cléber; Michel, Paulo Almeida, Marcelo Silva, Robert (Diego) e Léo; Esquerdinha (Wellington) e William (Thiago).
Técnico: Celso Roth

SÃO CAETANO
Luciano; Russo, Daniel, Dininho e Rubens Cardoso; Marcos Senna, Messias (Marlon), Aílton (Vágner) e Adãozinho; Anaílson (Somália) e Brandão.
Técnico: Jair Picerni.



Santos acaba com a empolgação do São Caetano

O Santos venceu o São Caetano por 2 a 1, na Vila Belmiro e devolveu a derrota que havia sofrido para equipe do ABC, no ano passado pelo Brasileiro, em Santos.

O São Caetano, que estava embalado pela vitória sobre o Alianza Lima na Libertadores, acabou amargando a terceira derrota no Torneio Rio-São Paulo.

O time comandado por Celso Roth começou com força total e no primeiro minuto de jogo o zagueiro Cléber aproveitou uma cobrança de falta de Robert, cabeceou e abriu o placar.

O São Caetano sentiu o gol sofrido e demorou para se acertar em campo. O atacante Anaílson e o lateral Rubens Cardoso ensairam uma reação, mas não conseguiram chegar ao gol de empate.

Aos 38min do primeiro tempo, o atacante Brandão, que ganhou a posição de Somália recebeu um belo passe de Aílton e empatou a partida.

Os jogadores do São Caetano ainda comemoravam o empate, quando Messias cometeu um pênalti em Robert. O jovem William bateu e colocou o Santos na frente.

No segundo tempo, o Santos se fechou, sofreu uma forte pressão do São Caetano, mas conseguiu manter o resultado.

Santos 3 x 0 América-RJ

Data: 20/01/2002
Competição: Torneio Rio SP
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 4.592 pagantes
Renda: R$ 38.000,00
Árbitro: Leonardo Gaciba da Silva (RS)
Cartões amarelos: Cléber (S); Leonardo e Luciano Gá (A).
Gols: Cléber (40-1), Robert (46-1) e William (48-1).

SANTOS
Fávio Costa; Michel (Douglas), Preto, Cléber e Léo; Paulo Almeida, Marcelo Silva, Eduardo Marques (Diego) e Robert; Elano e Thiago (William).
Técnico: Celso Roth

AMÉRICA-RJ
Marcelo Leite; Leonardo, Edmar, Luciano Gá e Piá; Neto, Luciano Netter, Serginho e Ratinho (Andrei); Fágner e Fábio Araújo
Técnico: Mario Marques



Santos marca três no final e vence o América na Vila

Mesmo não apresentando um belo futebol, o Santos conseguiu vencer o América, por 3 a 0, na tarde deste domingo, na Vila. Confira os melhores lances do jogo de estréia das duas equipes no Torneio Rio-São Paulo.

Os gols da vitória saíram apenas nos minutos finais. Aos 40min, o zagueiro Cléber abriu o placar. Seis minutos depois foi a vez do meia Robert, em cobrança de falta, se redimir do pênalti perdido no início do segundo tempo. Aos 48min, William fechou o placar.

A equipe paulista é o vice-líder da competição, com desvantagem para o Botafogo apenas nos gols pró (5 contra 3).

Apesar do triunfo, os santistas apresentaram muitas falhas e ouviram vaias dos torcedores já na primeira etapa. O único lance de gol durante os 45 minutos iniciais foi com Elano, que só não marcou o gol porque o goleiro Marcelo Leite salvou com o pé.

O Santos voltou um pouco melhor no segundo tempo. Depois da entrada do jovem Diego, de apenas 16 anos, o time passou a criar mais oportunidades. E logo em seu primeiro lance, Diego sofreu um duvidoso pênalti, mas Robert cobrou a infração na trave esquerda de Marcelo Leite.

De tanto pressionar, mesmo que de forma desordenada, a equipe paulista conseguiu abrir o placar. Robert cruzou da direita e Cléber, de cabeça, desviou na canto direito do goleiro carioca.

Aos 46min, Robert cobrou falta com categoria e acertou o ângulo esquerdo de Marcelo Leite, marcando um belo gol. Dois minutos depois, Diego deixou William na cara do gol e este só tocou na saída do goleiro adversário.

Oséas é apresentado

Antes do jogo, a diretoria santista apresentou o atacante Oséas. O jogador ficará na Vila Belmiro, por empréstimo, até 31 de maio. Pelo negócio, o Santos pagou R$ 150 mil.

A expectativa é que o centroavante e o meia Esquerdinha, que ainda não teve sua inscrição regularizada na CBF, estreiem no próximo sábado, no jogo contra a Ponte Preta, em Campinas. O zagueiro Odvan, ainda fora de forma, ficou no banco hoje, mas deve ganhar a posição de Preto durante a semana.

Fluminense 2 x 1 Santos

Data: 24/11/2001, sábado, 17h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – 26ª rodada (penúltima)
Local: Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 20.561
Renda: R$ 160.747,00
Árbitro: Heber Roberto Lopes (PR).
Cartões amarelos: Régis e Sidnei (F); Pitarelli, Preto, Cléber, Renato e Paulo Almeida (S).
Gols: André Luís (02-1); Cléber (26-2) e André Luís (29-2).

FLUMINENSE
Murilo; Flávio, André Luís, Régis e Paulo César; Marcão, Sidnei (Fabinho), Fernando Diniz e Roger; Alex (Gilmar) e Caio (Magno Alves).
Técnico: Oswaldo de Oliveira

SANTOS
Pitarelli; Russo, Preto (Pereira), Cléber e Léo; Válber, Marcelo Silva, Renato (Paulo Almeida) e Robert (Canindé); Elano e Viola.
Técnico: Cabralzinho



Fluminense garante vaga ao vencer o Santos

Derrota agrava crise na Vila Belmiro, que viveu semana turbulenta

A vitória de 2 a 1 sobre o Santos ontem no Maracanã sacramentou a classificação do Fluminense para as quartas-de-final do Campeonato Brasileiro, levou-o à segunda posição (pelo menos até as partidas de hoje) e deixou-o perto de uma grande vantagem: se ficar entre os quatro primeiros colocados, disputará no Rio o jogo único da próxima fase.

Para o Santos, a derrota confirmou a eliminação na competição, a uma rodada do final da primeira fase. O Fluminense alcançou os 48 pontos. O Santos estancou nos 35.

Muito equilibrada, a partida foi decidida por um zagueiro, André Luís. Durante a semana, ele havia prometido “”vingança” contra o Santos, clube que o dispensou depois do Campeonato Paulista, responsabilizando-o pela derrota. Hoje no Fluminense, André Luís fez os dois gols do seu time.

Apesar dos mais de 30 graus centígrados no estádio, mesmo com o jogo começando às 17h09, o Fluminense começou em ritmo intenso. A 1min, o atacante Alex arrancou quase do meio-campo, chutou, o goleiro Pitarelli defendeu, e a bola tocou na trave.
Numa cobrança de escanteio por Roger, André Luís cabeceou, abrindo o placar, aos 2min.

Surpreendido, o Santos teve dificuldades para se organizar. Aos 14min, a equipe pediu pênalti contra o Fluminense: a bola tocou na mão do lateral Paulo César, dentro da área. O árbitro Héber Roberto Lopes (PR) considerou que o toque não foi proposital.

A partir dos 20min, o Santos reagiu e passou a dominar um encolhido Fluminense. Aos 24min, o goleiro tricolor Murilo fez uma defesa difícil num chute do meia Robert. Aos 29min, o atacante santista Viola cabeceou na trave. Em seguida, Robert chutou, e a bola raspou a trave. Aos 39min, Viola iria concluir para o gol, mas Murilo interceptou o passe.

No final do primeiro tempo, apesar de pressionado, o Fluminense quase marcou: Paulo César driblou Marcelo Silva e acertou no travessão.

O Fluminense voltou melhor, com destaque para Alex, que estreou no ataque titular da equipe. Caio, com desempenho ruim, jogou ontem ao seu lado. Aos 9min, o zagueiro santista Preto se contundiu ao fazer falta violenta em Alex. Preto recebeu cartão amarelo e não conseguiu voltar -foi substituído pelo meia Pereira.

Com a equipe mais ofensiva, o Santos foi ao ataque e imprensou o Fluminense. O técnico da equipe carioca, Oswaldo Oliveira, tentou reforçar a sua defesa, substituindo Sidney por Fabinho, um meia tipicamente defensivo.

Não adiantou: logo depois, aos 27min, o atacante Elano cobrou escanteio. Na confusão na área, o zagueiro Cléber empatou.
Com o impacto do gol, o Fluminense mudou de papel. Partiu para cima e, aos 30min, desempatou, com André Luís concluindo depois de receber livre diante de Pitarelli. O Santos pediu impedimento, mas não foi atendido.

Aos 43min, quando Leo foi derrubado, o juiz marcou falta fora da área. Jogadores do Santos pediram pênalti, alegando que a infração ocorreu na área. De novo, o juiz discordou.


Palmeiras 2 x 1 Santos

Data: 10/10/2001, quarta-feira, 15h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – 18ª rodada
Local: Estádio do Parque Antarctica, em São Paulo, SP.
Público: 14.982 pagantes
Renda: R$ 151.475,00
Árbitro: Luis Marcelo Vicentin Cansian
Gols: Taddei (42-1); Edmílson (36-2) e Cléber (41-2).

PALMEIRAS
Marcos; Arce, Alexandre, Tiago Matias e Misso; Galeano (Flávio), Fernando, Taddei e Lopes; Pedrinho e Fábio Júnior (Edmílson).
Técnico: Celso Roth

SANTOS
Fábio Costa; Preto, Galván e Cléber; Russo (Renato), Marcelo Silva, Paulo Almeida, Robert e Leandro; Elano (Weldon) e Viola.
Técnico: Cabralzinho



Palmeiras lidera, Santos despenca

Time de Celso Roth ganha clássico e volta à dianteira do Brasileiro-2001

O Palmeiras selou sua recuperação ontem com uma vitória por 2 a 1 no clássico contra o Santos, no Parque Antarctica, e afastou o rival da disputa por uma das vagas na próxima fase do Brasileiro.

A vitória também recolocou o time da capital na liderança do torneio, com 35 pontos -pode perdê-la se o Atlético-MG superar, hoje à noite, o Fluminense. Antes, o Palmeiras havia vencido o São Paulo, sábado, após cinco jogos sem ganhar, e evitado que o técnico Celso Roth tivesse o pedido de demissão negociado.

O resultado deu fôlego ao treinador, mas uma derrota ontem reeditaria a tensão enfrentada pelo clube na semana passada, com muros pichados e manifesto da organizada Mancha Alviverde.

Para o Santos, foi a segunda derrota seguida -havia perdido do São Caetano. Sua posição, que já não era na zona de classificação, dependia da rodada noturna.

Cautelosos, os dois treinadores procuraram ontem anular os jogadores de criação do rival. Cabralzinho, do Santos, colocou Paulo Almeida para marcar Lopes individualmente, enquanto Celso Roth incumbiu Galeano de fazer o mesmo com Robert.

A diferença é o que o Palmeiras tinha Pedrinho, que atuou mais avançado, ao lado de Fábio Júnior, e preparava as jogadas. Em contrapartida, com Robert bem marcado -e sem Marcelinho, que cumpriu suspensão-, o Santos tinha dificuldades para se aproximar do gol palmeirense.

Com mais opções para atacar, os palmeirenses criaram as melhores chances no primeiro tempo. Lopes teve a chance de abrir o placar no início, mas, livre na área, não aproveitou lançamento de Galeano e chutou por cima.

O Santos, que passou a explorar os lances pelas laterais, principalmente com Russo pela direita, demorou para chegar com perigo. Ainda assim, só conseguiu criar uma chance ajudado por uma falha grotesca de Galeano, que perdeu a bola para Elano na área. O meia-atacante santista avançou e chutou, mas o goleiro Marcos rebateu. No rebote, Viola cabeceou nos pés de Thiago Matias.

Quando o jogo estava mais equilibrado, a equipe da capital chegou ao gol, aos 43min. Lopes cruzou pela direita, e Taddei, de cabeça, finalizou: 1 a 0.

Antes do final do primeiro tempo, Viola ainda perdeu a chance do empate ao, livre à frente de Marcos, cabecear para fora.

Atrás no placar, o Santos voltou mais ofensivo para a etapa final. Cabralzinho adiantou Robert, que passou a jogar mais próximo de Viola no ataque e a levar vantagem no duelo com Galeano. O rival, porém, se aproveitava disso para contra-atacar.

Mesmo exposto aos contragolpes adversários, o Santos tinha de se lançava ao ataque. Robert tentou marcar em chute de fora da área, e Marcos cedeu escanteio. Na cobrança, após confusão na área, o próprio meia-atacante chutou a bola, que tocou a trave esquerda e voltou para o santista, que cabeceou para fora.

O Palmeiras respondeu com Lopes, que acertou a trave. O rival voltou a fazer o mesmo depois de cruzamento de Elano.

Apesar da pressão dos santistas, foi o Palmeiras que ampliou. Aos 36min, Pedrinho lançou Edmílson, que havia entrado no lugar de Fábio Júnior. O atacante invadiu a área e chutou cruzado na saída de Fábio Costa: 2 a 0.

O Santos ainda descontou com Cléber, de cabeça, aos 43min.

Cabralzinho minimiza derrota

Apesar de ter perdido a segunda partida consecutiva no Campeonato Brasileiro, o técnico do Santos, Cabralzinho, disse ter “gostado” do desempenho de sua equipe ontem à tarde. “Eu estou satisfeito. Todo clássico é isso. O equilíbrio de forças, a tradição. Alguém teria que sair vencedor e, infelizmente, foi o Palmeiras”, declarou.

O treinador santista negou que as ausências do meia-atacante Marcelinho Carioca, suspenso, e do lateral-esquerdo Léo, contundido, tenham influenciado o resultado. “São dois jogadores que fazem falta. Mas, apesar dessas duas ausências, o time se portou muito bem. Foi um belo jogo, com muitas bolas na trave. Não demos sorte nas finalizações”, afirmou Cabralzinho, que reclamou da marcação de Galeano em Robert. “As estrelas são coibidas de jogar. Isso está acabando com o futebol.”

O técnico santista também ressaltou que sua equipe ainda tem boas chances de classificação à próxima fase do Brasileiro. “Muita água ainda vai rolar. Tem muito jogo pela frente. Uma equipe com jogadores renomados como a do Santos jamais pode se dar por vencida”, completou Cabralzinho, que dirige a equipe domingo, contra o Atlético-MG, em Belo Horizonte.

Para o zagueiro Cléber, o Santos ainda está tentando se “afirmar”, mas as duas derrotas seguidas “dificultaram a situação da equipe na competição”. “Não podemos mais pensar em perder se quisermos chegar”, afirmou o zagueiro.


Santos 5 x 1 Bahia

Data: 23/09/2001, domingo, 15h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – 14ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público e renda: não divulgados
Árbitro: Carlos Eugênio Simon (RS)
Cartões amarelos: Russo (S); Denilson, Bebeto, Ramalho e Robson (B).
Cartão vermelho: Pitarelli (S).
Gols: Viola (04-1), Viola (32-1) e Viola (42-1) e Cléber (45-1); Marcus Vinícius (18-2) e Russo (28-2).

SANTOS
Pitarelli; Preto, Galván (Rafael) e Cléber; Russo, Marcelo Silva (Renato), Paulo Almeida, Robert (Elano) e Léo; Marcelinho e Viola.
Técnico: Cabralzinho

BAHIA
Emerson; Denilson, Carlinhos, Jean Elias e Jefferson; Bebeto Campos, Ramos, Ramalho e Preto (M. Bazílio); Nonato (Marcus Vinícius) e Robson (Fábio Costa).
Técnico: Evaristo de Macedo



Viola marca 3, Santos goleia e chega à 3ª vitória com Cabralzinho

O Santos manteve o 100% de aproveitamento na “era Cabralzinho” com a goleada de 5 a 1 sobre o Bahia, na tarde deste domingo, na Vila Belmiro. Foi a terceira vitória consecutiva da equipe sob o comando do treinador.

O grande destaque da partida foi o atacante Viola, autor de três gols _os outros foram marcados pelo zagueiro Cléber e pelo lateral-direito Russo. Agora o centroavante tem sete, apenas três a menos que Allan Dellon, do Vitória.

O meia-atacante Marcelinho também teve boa atuação. O ex-jogador do Corinthians participou de três dos cinco gols do time.

Com o triunfo, o Santos chega aos 22 pontos e entra na zona de classificação. O Bahia, que estava invicto há seis rodadas, permanece com 20.

Os santistas começaram abrindo o placar logo aos 4min. Após cruzamento de Marcelinho, Viola desviou de cabeça e marcou o primeiro.

Os baianos tiveram a chance de empatar dez minutos depois. Roberto Campos aproveitou levantamento de Denílson, mas cabeceou para fora.

Após o susto, o Santos cresceu na partida. Aos 33min, Viola recebeu lançamento de Marcelinho e tocou por cobertura, marcando um belo gol.

O time paulista marcou mais dois ainda no primeiro tempo. Aos 43min, Viola fez seu terceiro, depois de cruzamento de Léo pela esquerda, e logo a seguir, Cléber também fez o seu aproveitando levantamento de Marcelinho.

Na segunda etapa, mesmo com a expulsão do goleiro Pitarelli, e com o gol de Róbson, cobrando pênalti, o Santos continou dominando.

Aos 29min, Russo marcou o seu primeiro no Nacional e fechou a goleada santista, para festa dos torcedores que compareceram em bom número na Vila Belmiro.