Navegando Posts marcados como Copa do Brasil

Cruzeiro 1 x 2 Santos – 3 x 0 pênaltis

Data: 15/08/2018, quarta-feira, 19h30.
Competição: Copa do Brasil – Quartas de final – Jogo de volta
Local: Estádio do Mineirão, em Belo Horizonte, MG.
Público: 49.513 presentes (43.464 pagantes e 6.049 não pagantes).
Renda: R$ 1.432.225,00
Árbitro: Rodolpho Toski Marques (PR)
Auxiliares: Bruno Boschilia (PR) e Alessandro Alvaro Rocha de Matos (BA).
Cartões amarelos: Gustavo Henrique, Gabriel e Vladimir (S); Edilson (C).
Cartão vermelho: Vladimir (S).
Gols: Thiago Neves (09-1), Gabriel (41-1) e Bruno Henrique (38-2).
Pênaltis: Lucas Silva (gol), Bruno Henrique (defesa), Raniel (gol), Rodrygo (defesa), David (gol) e Jean Mota (defesa). Fábio fez 3 defesas.

CRUZEIRO
Fábio; Edilson, Dedé, Léo e Egídio; Henrique, Lucas Silva, Robinho (Rafinha), Thiago Neves e De Arrascaeta (David); Hernán Barcos (Raniel).
Técnico: Mano Menezes

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Luiz Felipe (Gustavo Henrique) e Dodô; Renato (Daniel Guedes), Diego Pituca e Artur Gomes (Jean Mota); Rodrygo, Bruno Henrique e Gabriel.
Técnico: Cuca



Cruzeiro vence o Santos nos pênaltis e avança na Copa do Brasil

O Santos foi guerreiro. Ao iniciar o jogo, no Mineirão, na noite desta quarta-feira, em confronto válido pelas quartas de final da Copa do Brasil, o Peixe entrou em campo com o placar contrário. Na partida de ida, a Raposa venceu por 1 a 0. Na volta, o clube da Vila Belmiro resolveu complicar: no tempo normal conseguiu vencer por 2 a 1, de virada. Nos pênaltis, no entanto, o goleiro Fábio brilhou, defendeu todas as cobranças e o Cruzeiro classificou-se com 3 a 0.

O Cruzeiro foi superior na maior parte do jogo. Nos dois tempos, a Raposa conseguiu criar mais e ter chances para fazer gols. O Santos, porém, em alguns momentos chegava, mas ainda foi um Peixe travado, com pouca criatividade.

Precisando do resultado, o Santos entrou em campo com uma postura ofensiva. O técnico Cuca colocou sua equipe com quatro homens de frente, em busca de um gol logo no início da partida para dar tranquilidade do empate no placar agregado.

Nos primeiros minutos o técnico Cuca precisou fazer uma substituição em sua equipe. O zagueiro Luiz Felipe sentiu a coxa esquerda e precisou deixar o gramado. Gustavo Henrique foi chamado.

O Cruzeiro marcava a saída de bola do Santos. Os primeiros minutos começaram intensos e para a Raposa o resultado apareceu. Aos 12 minutos, Thiago Neves recebeu na direita, cortou para o meio e chutou rasteiro para abrir o placar.

Aos 14, o Santos teve uma grande chance. Em cruzamento na área, após falta em Rodrigo, Gustavo desviou de cabeça e levou muito perigo ao time do Cruzeiro.

O tento deixou o jogo mais lento. O Cruzeiro passou a estudar mais as jogadas e deixava o confronto amarrado. O Santos não conseguia infiltrar na defesa azul. Vale ressaltar que o time de Mano Menezes não estava fechado. A principal aposta de Cuca era Rodrygo, mas o setor ofensivo do Peixe não vivia bom momento.

Quando o primeiro tempo caminhava para o final, aos 41 minutos, o Santos conseguiu o empate na partida. Em ótimo chute de Gabriel, de fora da área, a bola pegou na bochecha da meta de Fábio.

O gol colocou o Santos novamente na partida. No placar agregado, neste momento, a partida estava em 2 a 1.

Na volta para a etapa complementar, o Cruzeiro assustou o Santos logo aos 9 minutos. Em cobrança de escanteio, a bola chegou até o zagueiro Dedé. Ele desviou de cabeça e a redonda parou na trave do goleiro Vanderlei. No rebote, a defesa conseguiu proteger a redonda e o arqueiro segurou firme.

Na medida que o tempo ia passando, o Cruzeiro mostrava quem mandava no jogo. No lance seguinte, o Cruzeiro fez uma bela jogada, uma troca de passes envolvente entre seus homens de meio campo, Robinho, Arrascaeta e Thiago Neves, finalizando com o lateral Edilson, na cara do gol, mas a zaga tirou em cima da linha.

O Santos seguia com grande dificuldade para criar seus lances no meio campo. Com isso, a bola chegava com mais dificuldade na frente. Rodrygo que não estava acostumado a jogar centralizado, praticamente como um armador, tinha dificuldades para cumprir a função.

Após os 30 minutos, o Santos passou a ficar com a bola nos pés. O Cruzeiro se fechou. O Peixe trocava passes, tentava de todos os lados. Em cruzamento da direita, a bola chegou em Bruno Henrique que mandou para o fundo das redes.

O Cruzeiro se mandou para o ataque. Aos 42, a Raposa quase conseguiu o empate. Rafinha aproveitou o rebote dentro da área e chutou e Vanderlei fez uma defesa milagrosa.

Lance polêmico ao final da partida:

Árbitro acaba a partida antes de terminar os acréscimos, quando o Santos saia em contra-ataque perigoso com atacante Gabriel do saindo sozinho na cara do goleiro Fábio do Cruzeiro. Jogadores do Santos cercam o árbitro para reclamar e o goleiro reserva Vladimir é expulso. Veja o vídeo abaixo.

Cuca destaca ‘jogo precioso’ dos ‘guerreirinhos’ do Santos em eliminação

Cuca ficou orgulhoso da vitória do Santos por 2 a 1 sobre o Cruzeiro nesta quarta-feira, no Mineirão, com eliminação na sequência por meio das penalidades máximas nas quartas de final da Copa do Brasil.

O técnico destacou a entrega do time e lamentou a decisão da arbitragem nos acréscimos. O apito final ocorreu quatro segundos antes dos 50 minutos previstos, durante contra-ataque com passe de Victor Ferraz para Gabigol sair sozinho contra o goleiro Fabio. Nos pênaltis, Bruno Henrique, Rodrygo e Jean Mota perderam e a Raposa venceu por 3 a 0.

“Acho que foi um grande jogo, digno de duas equipes grandes, com muita tradição, camisa, acostumadas a ganhar competições assim. Temos que enaltecer o espírito, a postura, estratégia. É difícil jogar aqui, campo cheio, sairmos atrás, ter equilíbrio para tocar e desenhar jogadas. Buscamos empate, com paciência de definir e virar o jogo, viramos. Não quero culpar a arbitragem, acho que Rodolpho fez grande arbitragem, mas deu 49, um minuto a mais na falta para o Cruzeiro e não fechou o 50. FIFA pede tanto para deixar jogo aberto, colocar o VAR para sair mais gols e jogo acabar assim? Não foi prejuízo só do lance, mas emocional. Eu sabia que ia perder. Cruzeiro foi se preparar e meu time inteiro em cima da arbitragem, entrei para tirá-los e não estávamos com cabeça boa. Perdi assim no Maracanã, Flamengo e Botafogo com Dodô expulso e derrota nos pênaltis. Desestabilizou. Cuca não está culpando, um se preparou e outro foi reclamar. Normal”, disse Cuca, em entrevista coletiva.

“Estou muito orgulhoso dos meninos pelo que fizeram. Temos elenco reduzido, queria muito passar, mas podemos cuidar das outras duas frentes. Viemos aqui e vencemos, são os meninos deles que precisam da ajuda no sábado contra o Sport descansado. Precisamos de apoio e compreensão”, completou.

Perguntado sobre o interesse em Vagner Love e Marcelo Moreno, antecipado pela Gazeta Esportiva, o técnico Cuca confirmou, mas preferiu enaltecer os atuais atletas.

“Estamos em busca desse nomes que você falou (Vagner Love e Marcelo Moreno), provavelmente podemos fechar um e temos outras opções. Mas quero enaltecer meu grupo, esses guerreirinhos que deram o máximo, venceram. Falar em outros jogadores seriam um crime”, concluiu.

Luiz Felipe sente músculo “abrir” e passará por exame no Santos

Com dores na coxa esquerda, Luiz Felipe foi substituído aos seis minutos da vitória do Santos por 2 a 1 sobre o Cruzeiro na noite desta quarta-feira, no Mineirão, com a eliminação nos pênaltis nas quartas de final da Copa do Brasil.

O zagueiro sentiu o músculo posterior “abrir” e está preocupado. Ele será tratado e reavaliado pelo departamento médico nesta quinta-feira, de acordo com a assessoria de imprensa do clube.

Se não reunir condições, Luiz Felipe será substituído por Gustavo Henrique contra o Sport, sábado, na Vila Belmiro, pela 19ª rodada do Campeonato Brasileiro.



Abaixo a análise do ex-árbitro Sálvio Spínola, comentarista da ESPN, sobre o lance polêmico ao final da partida.




Santos 0 x 1 Cruzeiro

Data: 01/08/2018, quarta-feira, 19h30.
Competiçao: Copa do Brasil – Quartas de final – Jogo de ida
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 7.134 pagantes
Renda: R$ 147.429,00
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (GO).
Auxiliares: Fabricio Vilarinho da Silva e Bruno Raphael Pires
VAR: Bráulio Machado (principal), Helton Nunes e Marcelo de Lima Henrique (apoio).
Cartões amarelos: Gabriel (S); Henrique, Rafinha e Rafael Sóbis (C).
Gol: Raniel (35-2).

SANTOS
Vanderlei, Victor Ferraz, David Braz, Gustavo Henrique e Dodô; Alison, Renato (Daniel Guedes) e Diego Pituca (Copete); Rodrygo, Bruno Henrique e Gabriel.
Técnico: Cuca

CRUZEIRO
Fábio, Romero, Léo, Dedé, Egídio, Henrique, Lucas Silva, Thiago Neves (Rafinha), Robinho (Rafael Sóbis), Arrascaeta e Barcos (Raniel).
Técnico: Mano Menezes



Letal, Cruzeiro vence o Santos na Vila e abre vantagem na Copa do Brasil

O Cruzeiro venceu o Santos por 1 a 0 na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro, pelo jogo de ida das quartas de final da Copa do Brasil. Com o resultado fora de casa, a Raposa pode avançar à semifinal com um empate no dia 15, no Mineirão.

Na reestreia do técnico Cuca no Peixe, Mano Menezes mostrou que comanda uma equipe letal. O Cruzeiro não foi vistoso, mas ofereceu poucos espaços ao alvinegro e fez o gol da vitória no melhor momento dos donos da casa no segundo tempo, aos 35 minutos.

Dois minutos depois de Gabigol desperdiçar boa chance, Raniel recebeu na meia-lua, balançou para cima de David Braz e encontrou um espaço pelo meio das pernas do zagueiro. A bola foi no cantinho e venceu o goleiro Vanderlei. Nos instantes finais, não houve tempo de reação.

A decisão marcou o primeiro uso do VAR em competição de âmbito nacional no Brasil. Aos 21 minutos, o árbitro Wilton Pereira Sampaio consultou o vídeo e, 27 segundos depois, soube por meio do ponto eletrônico que Dedé não cometeu pênalti em Gabigol.

O jogo

As estratégias das duas equipes ficaram claras nos primeiros minutos: o Santos tentando manter a posse de bola e controlar o jogo até encontrar espaços para marcar. O Cruzeiro bem postado na defesa em busca de contra-ataques.

O Peixe teve bom início e acuou a Raposa, mas pecou, como de costume na temporada, no último passe. As jogadas começavam bem, porém, terminavam mal. E no melhor momento na partida, quando as brechas começaram a aparecer por volta dos 30 minutos, os visitantes foram inteligentes e esfriaram o jogo, fazendo cera e chamando atendimento médico.

Na sequência, o Cruzeiro teve as melhores chances do primeiro tempo: um chute de fora de Lucas Silva aos 34 minutos, espalmado por Vanderlei, e segundos depois, quando Arrascaeta recebeu quase na pequena área, mas o goleiro saiu bem nos pés do uruguaio.

A tônica da partida se manteve na segunda etapa, mas o Cruzeiro passou a dividir a posse de bola e ter maior controle do jogo. Rodrygo, válvula de escape no primeiro tempo, sumiu. Bruno Henrique teve um ou outro lampejo, mas seguiu distante daquele de 2017.

Aos 21 minutos, o VAR foi acionado pela primeira vez em uma competição continental. Pelo ponto, o árbitro ouviu que Gabigol caiu na área, mas o zagueiro Dedé não cometeu pênalti. O intervalo foi de 27 segundos.

O jogo ficou morno até uma boa substituição do técnico Cuca, aos 27 minutos, quando Daniel Guedes entrou no lugar de Renato, mal em campo, e Victor Ferraz foi para o meio-campo. O lado direito voltou a ficar forte e, pela esquerda, o Peixe teve sua melhor chance.

Dodô aproveitou rebote e levantou na área para Gabriel vir de trás e, sozinho, chutar de primeira para ótima defesa de Fabio aos 33 minutos. O Santos foi para cima, a torcida se levantou… E aí veio o castigo. Dois minutos depois, Raniel recebeu na meia-lua, deslocou David Braz e acertou o canto de Vanderlei.

Nos minutos finais, o alvinegro se lançou ao ataque, mas não teve forças para reagir. O Cruzeiro venceu e obteve ótima vantagem nas quartas de final da Copa do Brasil. A Raposa jogará por um empate para avançar à semifinal no dia 15, no Mineirão.

Bastidores – Santos TV:

Cuca vê Santos um pouco melhor que o Cruzeiro e afirma: “Tem nada acabado”

Na reestreia pelo Santos, Cuca gostou da atuação na derrota por 1 a 0 para o Cruzeiro nesta quarta-feira, na Vila Belmiro, pelo jogo de ida das quartas de final da Copa do Brasil. O técnico admitiu a falta de um armador, mas viu pontos positivos e mostrou confiança na reação no Mineirão, dia 15. A Raposa jogará por um empate para avançar à semifinal.

“Se formos pegar jogo desde o primeiro tempo, vemos jogo com poucas chances, truncado, Cruzeiro faz marcação atrás e tenta sair, buscando o contra-ataque. Mano sabe jogar mata-mata, sabe que é importante não perder. Jogaram fechadinhos e tivemos dificuldade pela falta de espaço. Fica claro no comando as necessidades, jogador que tem um deslumbro, criação melhor. Faltou isso e a definição, tínhamos o controle, sem ceder o contra-ataque, bem posicionados, mas não era o suficiente. Sentíamos a falta de algo mais, ela vieram, Gabigol chutou e passou perto, depois goleiro pegou e a bola ainda sobrou no pé bom do Pituca. Cruzeiro valorizava bem o empate, sem grandes riscos, até que o Raniel protegeu, defendeu e chutou bem, na única chance clara. Mexida melhorou um pouco, depois perdemos um Pituca, que não é um meia. Tentamos com ele adiantado, tentamos com Copete, com presença na área e bom cabeceio, chute forte. Jogava assim lá fora e acabou que não surtiu efeito. Temos que lamentar a derrota, mas não o jogo. Jogamos um pouco melhor e fomos castigados com o gol que tomamos”, disse Cuca, em entrevista coletiva.

“É relativo. Sabemos que isso poderia acontecer. Se ganhássemos de 1 a 0, faríamos o adversário vir com tudo. Perdendo em casa, não acontece assim. Tem que ter posicionamento exposto e pode ser bom. Resultado incentiva a buscar o jogo. Tem nada acabado”, completou.

Na saída de campo, Victor Ferraz reclamou do azar santista e do “gol espírita” do Cruzeiro, marcado por Raniel entre alguns defensores do Santos. Cuca preferiu adotar discurso diferente.

“Se você bater em cima disso é pior, não dá para lamentar falta de sorte. Não tivemos eficácia, tivemos chances claras e não fizemos. Temos que ter calma porque as oportunidades vêm. Com uma ou duas vitórias, meninos ficam mais soltos e coisas acontecem mais fáceis”, concluiu.

O Santos voltará a campo para enfrentar o Botafogo, sábado, no Engenhão, pela 17ª rodada do Campeonato Brasileiro. O Peixe ocupa a 17ª colocação e está na zona de rebaixamento.

Cuca cita três zagueiros, cogita 4-4-2 e promete variações táticas no Santos

Após a derrota por 1 a 0 para o Cruzeiro nesta quarta-feira, na Vila Belmiro, Cuca prometeu testar variações táticas no Santos. O Peixe voltará a enfrentar a Raposa no dia 15, no Mineirão, e será eliminado nas quartas de final se não vencer.

O técnico sentiu a falta de um armador na decisão e pode procurar a solução em um 4-4-2. Outra alternativa é escalar três zagueiros.

“Testamos Victor Ferraz por ali (pelo meio), tem essa qualidade técnica, tem boa visão de jogo. Na jogada que perdemos o gol, jogada foi feita por ele por ali. Se não temos opções, cria-se alternativas e mudança de esquema. Sem um determinado jogador, duas linhas de quatro e dois atacantes.. Vamos criando, treinar um pouquinho para poder colocar em prática depois”, disse Cuca, em entrevista coletiva.

“Jogamos muito tempo com três zagueiros, Alison de zagueiro e laterais adiantados, Rodrygo por dentro, campo de ataque total, tivemos o controle assim. Como foi bem posicionado, apareceu (a formação). Se sai na frente, passaríamos a fazer o que o Cruzeiro fez, defender mais atrás e aí aparece a velocidade dos pontas. Poderia ter acontecido, mas não saímos na frente”, completou.

Cuca elogia David Braz e Gabigol, mas diz que não “puxará saco” de ninguém

David Braz e Gabigol não vivem bom momento no Santos. Criticados por parte da torcida, eles foram “vilões” na derrota por 1 a 0 para o Cruzeiro nesta quarta-feira, na Vila Belmiro, pela ida das quartas de final da Copa do Brasil.

O zagueiro vacilou na marcação de Raniel no gol cruzeirense. O atacante, minutos antes, perdeu a melhor chance da partida após cruzamento de Dodô, chute de primeira e boa defesa de Fabio.

Há dois dias no Santos, Cuca percebeu a cobrança do torcedor na Vila e elogiou a dupla, mas prometeu não priorizar ninguém, independentemente do status no elenco ou questões financeiras.

“Isso (pressão) não chega no vestiário, chega no campo. Jogador escuta tudo. Dentro se ouve tudo que acontece na arquibancada. Vem direto para você. Todos sentimos, mas são profissionais, sabem que é assim. No momento que não se ganha, cobrança vai nos experientes. Tem que ter calma, paciência. São bons jogadores, tem outros também e tenho que ter tempo para vê-los. Não adianta chegar em um dia e pedir 300 jogadores. Tem que recuperar moral, alto astral, e depois fazer alguma coisa. Sem puxar o saco, com trabalho, correção, como sempre fizemos”, analisou.

Santos x Cruzeiro marca primeiro uso do VAR em competição nacional

A derrota do Santos, nesta quarta-feira, diante do Cruzeiro, entrou para a história do futebol brasileiro. Isso porque, pela primeira vez, o recurso do VAR (video assistant referee – assistente de árbitro de vídeo, traduzido do inglês) foi utilizado em uma competição de nível nacional.

Aos 21 minutos do segundo tempo, o árbitro Wilton Pereira Sampaio consultou o vídeo e, 27 segundos depois, soube por meio do ponto eletrônico que Dedé não cometeu pênalti em Gabigol. As equipes duelaram na Vila Belmiro pela partida de ida das quartas de final da Copa do Brasil.

É importante ressaltar que a tecnologia já havia sido usada no Brasil. Porém, anteriormente, o VAR só entrou em ação em disputas regionais.


Luverdense 2 x 1 Santos

Data: 17/05/2018, quinta-feira, 19h15.
Competição: Copa do Brasil – Oitavas de final – Jogo de volta
Local: Estádio Municipal Passo das Emas, em Lucas do Rio Verde, MT.
Público e renda: N/D
Árbitro: Grazianni Maciel Rocha (RJ).
Auxiliares: Rodrigo Figueiredo Henrique Correa e Daniel do Espirito Santo Parro (ambos do RJ).
Cartões amarelos: Paulo Renê (L); Copete e Daniel Guedes (S).
Gols: Paulinho (15-1, contra) e Paulo Renê (31-1); Itaqui (01-2).

LUVERDENSE
Diogo Silva; Itaqui, Kaique, André Ribeiro e Paulinho; Diogo Sodré (Élton), Moisés (Rubinho) e Lorran; Lucas Braga, Rafael Silva e Paulo Renê (Ariel).
Técnico: Luizinho Vieira

SANTOS
Vanderlei; Daniel Guedes, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Jean Mota; Yuri (Gabriel Calabres), Vecchio (Vitor Bueno) e Diego Pituca; Arthur Gomes, Copete (Eduardo Sasha) e Yuri Alberto.
Técnico: Jair Ventura



Santos reserva perde para o Luverdense, mas se classifica na Copa do Brasil

O Santos perdeu por 2 a 1 para o Luverdense nesta quinta-feira, em Lucas do Rio Verde, mas se classificou para as quartas de final da Copa do Brasil depois dos 5 a 1 na Vila Belmiro, na semana passada.

Com o time reserva, o Peixe começou bem e abriu o placar com o gol contra de Paulinho, porém, recuou e viu o LEC melhor em quase toda a partida. Os donos da casa empataram com Paulo Renê e viraram com Itaqui, criaram outras chances e viram o alvinegro acuado.

Não houve um grande destaque individual no Santos. Vanderlei falhou, a defesa ofereceu espaços, o meio-campo não funcionou e a bola não chegou no centroavante Yuri Alberto. No fim das contas, a boa notícia foi apenas a classificação.

O jogo

O Santos reserva driblou o entrosamento e começou bem o jogo. Aos seis minutos, Yuri quase fez de longe. Na sequência, o xará Alberto driblou dois e obrigou o goleiro Diogo a fazer boa defesa. A pressão surtiu efeito e, aos 15, Daniel Guedes foi à linha de fundo e cruzou para Paulinho, contra, fazer antes de Copete empurrar.

Depois dos 5 a 1 na Vila e o 6 a 1 no agregado, o Peixe tinha tudo sob controle, mas optou por recuar após abrir o placar. Os donos da casa se animaram e passaram a assustar Vanderlei. Aos 20, Paulo Renê chutou para o goleiro espalmar. E aos 31, em nova tentativa do atacante, o camisa 1 falhou e a bola entrou. 1 a 1.

Com o empate, o alvinegro acordou e administrou o resultado até o intervalo. Arthur Gomes e Copete tiveram chances, porém, não deram continuidade nas boas jogadas criadas por Yuri Alberto.

Logo no primeiro minuto da segunda etapa, o Luverdense virou. Itaqui, que já havia marcado na Vila, bateu falta no ângulo de Vanderlei. O goleiro, dessa vez, ficou sem reação e viu a bola morrer na rede.

O LEC, então, precisava de mais três gols e teve duas oportunidades em sequência para ampliar. Na primeira, Vanderlei espalmou chute de Lucas Braga. Na segunda, Paulo Renê desperdiçou, sozinho, chance na pequena área.

Depois do susto, o Santos se resguardou e passou a sofrer menos. Em contrapartida, não ofereceu mais perigo ao goleiro Diogo. Vecchio, Arthur Gomes e Copete foram inoperantes e a bola não chegou em Yuri Alberto. Gabriel Calabres, Vitor Bueno e Eduardo Sasha entraram, mas foram discretos.

O Luverdense só voltou a pressionar nos minutos finais. Aos 36, Vanderlei falhou de novo e soltou cabeceio fraco de Rafael Silva. No rebote, com o gol vazio, a arbitragem assinalou corretamente o impedimento.

Os donos da casa seguiram em cima, mas a reação parou. E aos 43 minutos, o Santos quase empatou. Primeiro com Vitor Bueno, em boa defesa de Diogo em chute cruzado. E no rebote, Yuri Alberto não pegou bem na bola e chutou para fora. Nas últimas movimentações, Vanderlei espalmou duas em finalizações de fora da área. No fim das contas, 2 a 1 para o Luverdense, mas classificação santista.

Jair ‘esquece’ derrota para valorizar “classificação excelente” do Santos

Jair Ventura não se abalou após a derrota do time reserva do Santos por 2 a 1 para o Luverdense nesta quinta-feira, em Lucas do Rio Verde, pelas oitavas de final da Copa do Brasil. O técnico prefere ressaltar o placar agregado e a classificação entre os oito na competição nacional.

“Eu avalio o jogo em 180 minutos, onde o Santos fez vantagem muito boa em casa e teve o privilégio de poupar. No somatório, foi 6 a 3. Classificação excelente. Agora é pensar no clássico no domingo”, disse Jair, em entrevista coletiva.

O treinador optou por não fazer avaliações individuais no Peixe depois do revés. Dos titulares, só Vanderlei e Jean Mota saíram jogando. A maior preocupação está na entorse no tornozelo de Arthur Gomes.

“Queremos vencer sempre, claro, mas não vou chegar para todo o Brasil e expor. Vamos ver o jogo de novo para fazer uma avaliação interna”, afirmou.

“Mais positivo a classificação. Importante. Mais negativo a lesão do Arthur, o que mais jogou comigo, titular ou entrando. Perda vai ser muito significativa. Temos elenco enxuto e não temos essa característica. Isso preocupa bastante a gente para o clássico e o restante da temporada se for mesmo uma lesão no tornozelo esquerdo”, completou Jair.

Bastidores – Santos TV:

Jair segue prestigiado no Santos: “Sintonia com o clube”, diz presidente

Depois da goleada por 5 a 1 para o Grêmio, falou-se sobre o risco de demissão de Jair Ventura no Santos. A diretoria prestigiou o técnico e descartou a possibilidade. E o cenário não muda após a derrota por 2 a 1 para o Luverdense, no Mato Grosso. Depois dos 5 a 1 na Vila Belmiro, o Peixe perdeu para o LEC, da Série C, com o time reserva, e se classificou para as quartas de final da Copa do Brasil nesta quinta-feira.

“Muito pelo contrário (se perdeu a paciência com o técnico). Jair trabalha em sintonia com o clube. Isso é o mais importante. A gente sabe que precisa de reforços, mas sem dinheiro não contratamos. Vou atrás. Quanto? E não temos”, disse o presidente José Carlos Peres, em entrevista ao canal SantosPlay.

O aproveitamento de Jair não é bom, são 12 vitórias, cinco empates e dez derrotas, ou 50,6% dos pontos. A diretoria entende, no entanto, que só pode cobrar o treinador quando reforçar o elenco. E a forma de trabalhar do profissional, evitando reclamar e procurando soluções, é motivo de elogios internamente.

Para Sasha, derrota contra o Luverdense não desmotiva o Santos antes de clássico

O Santos se classificou, mas perdeu por 2 a 1 para o Luverdense, da Série C do Campeonato Brasileiro, nesta quinta-feira, em Lucas do Rio Verde, pelo segundo jogo das oitavas de final da Copa do Brasil. Para Eduardo Sasha, o resultado não desmotivará o Peixe antes do clássico contra o São Paulo, domingo, às 16h (de Brasília), no Morumbi, pela sexta rodada do Nacional.

“Sempre ruim perder, independentemente dos titulares ou reservas. Não queríamos esse resultado, mas aconteceu. Agora é descansar para o clássico. Não é bom perder, todo mundo quer a vitória, mas hoje as coisas não aconteceram. Mesmo assim, vamos confiantes para o clássico”, disse Sasha, à Fox.

Eduardo Sasha foi um dos 10 jogadores poupados pelo técnico Jair Ventura – só Vanderlei e Jean Mota, dos titulares, atuaram desde o começo. O atacante entrou na metade final da segunda etapa e foi discreto, sem evitar a derrota no Mato Grosso.

Para o clássico, além dos poupados, Santos contará com os retornos de David Braz e Léo Cittadini. Bruno Henrique seguirá no departamento médico.

Arthur Gomes deixa campo chorando e preocupa o Santos

Arthur Gomes sofreu uma entorse no tornozelo esquerdo e deixou o campo chorando nos minutos finais da derrota do Santos por 2 a 1 para o Luverdense, nesta quinta-feira, em Lucas do Rio Verde, pelo jogo de volta das oitavas de Copa do Brasil.

O departamento médico iniciou a recuperação com o gelo no local e o atacante será avaliado em São Paulo, nesta sexta-feira. O Peixe irá do Mato Grosso para a capital paulista e já iniciará a concentração para o clássico contra o Tricolor, domingo, às 16h (de Brasília), no Morumbi, pela sexta rodada do Campeonato Brasileiro.

Antes mesmo da avaliação médica, o técnico Jair Ventura demonstrou preocupação e já previu uma lesão no tornozelo de Arthur Gomes.

“Mais positivo a classificação. Importante. Mais negativo a lesão do Arthur, o que mais jogou comigo, titular ou entrando. Perda vai ser muito significativa. Temos elenco enxuto e não temos essa característica. Isso preocupa bastante a gente para o clássico e o restante da temporada se for mesmo uma lesão no tornozelo esquerdo”, disse o treinador.

Vanderlei despista sobre falhas e minimiza ausência na Seleção

Vanderlei não vive seu melhor momento pelo Santos. Unanimidade nos últimos anos, o goleiro não demonstra a mesma segurança. Na eliminatória contra o Luverdense – com 5 a 1 na Vila e 1 a 2 em Lucas do Rio Verde -, o camisa 1 falhou em pelo menos dois gols.

Nesta quinta-feira, a bola bateu nele e entrou depois de chute de Paulo Renê. No segundo gol, Itaqui bateu direto no ângulo e arqueiro nem teve reação. Vanderlei, porém, quer rever os lances para analisar se falhou ou não.

“Tenho que rever os lance, gramado ruim, escuro, bola desviou e pegou na ponta do meu dedo. A falta eu nem vi onde entrou. Poderíamos ter evitado esse resultado, mas temos que enaltecer a classificação. Descansamos alguns para o clássico. Agora é descansar”, disse Vanderlei, à Fox Sports.

“Poupamos praticamente o time inteiro, é difícil, adversário não é bobo, fez bom primeiro tempo na Vila. Futebol é assim. O principal objetivo era classificação, não adianta falar da derrota. Temos que pensar no clássico. São muitas competições e vamos procurar estar em todas”, completou.

Vanderlei vivia e expectativa de ser convocado para a Seleção Brasileira na Copa do Mundo da Rússia, porém, foi preterido pelo técnico Tite na escolha de Alisson, Ederson e Cássio. O goleiro nega que isso afete seu rendimento.

“Não tem que mexer (com a cabeça). Sabiam que eu dificilmente seria convocado porque ele nem observou. Criei expectativa, claro, mas seria difícil e ele fala de coerência. Convocou os que tiveram mais convocações. Vamos torcer para eles e continuar trabalhando. Não é mágoa, mas eu esperava. Estou em um grande clube e vou procurar fazer meu melhor trabalho no Santos”, concluiu.


Santos 5 x 1 Luverdense-MT

Data: 10/05/2018, quinta-feira, 21h45.
Competição: Copa do Brasil – Oitavas de Final – Jogo de ida
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 3.590 pagantes
Renda: R$ 90.725,00
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (RJ)
Auxiliares: Michael Correia e Thiago Henrique Neto Correa Farinha (ambos do RJ).
Cartões amarelos: Gabriel e Alison (S); Paulinho, Rafael Silva e Moisés (L).
Gols: Itaqui (11-1), Gabriel (24-1); Gustavo Henrique (13-2), Gabriel (17-2), Gabriel (22-2) e Yuri Alberto (40-2).

SANTOS
Vanderlei, Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Dodô; Alison (Yuri), Jean Mota e Vitor Bueno; Gabigol, Rodrygo e Eduardo Sasha (Yuri Alberto).
Técnico: Jair Ventura

LUVERDENSE
Diogo Silva; Itaqui, Kaique, André Ribeiro e Paulinho; Diogo Sodré, Moisés e Elton (Rubinho); Lucas Braga (Adriano), Rafael Silva e Paulo Renê (Ariel).
Técnico: Luizinho Vieira



Gabigol brilha e Santos goleia o Luverdense na Vila

Depois de ser goleado para o Grêmio, foi o Santos quem goleou. O início da redenção veio em um mesmo 5 a 1 diante do Luverdense nesta quinta-feira, na Vila Belmiro, pelo jogo de ida das oitavas de final da Copa do Brasil.

Gabigol foi o destaque santista, com três gols marcados. O camisa 10 não começou bem a partida, foi vaiado por várias vezes, mas se redimiu. Gustavo Henrique, substituto de David Braz na defesa, e Yuri Alberto, no fim, também marcaram. Itaqui fez o de honra do Luverdense.

O primeiro tempo do alvinegro não foi bom, terminou em 1 a 1 e poderia ter sido até de derrota parcial. Na segunda etapa, porém, a postura mudou. Com estratégia menos conservadora, os donos da casa fizeram valer a superioridade técnica.

O jogo de volta das oitavas da competição nacional será na próxima quinta-feira, às 19h15, em Lucas do Rio Verde. A tendência é que o Santos poupe titulares. O Luverdense precisa vencer por 4 a 0 ou cinco gols de diferença para avançar.

O jogo

O Santos, um dos gigantes do futebol brasileiro, na Vila Belmiro, contra o Luverdense, oitavo colocado de seu grupo na Série C do Campeonato Brasileiro. Vida fácil? Que nada.

O Peixe, diferentemente do esperado, não adiantou suas linhas de marcação diante do LEC. E nos primeiros minutos, foram os visitantes quem criaram as melhores ações.

Aos 11′, veio o castigo. Itaqui cobrou falta na área, a bola passou por todo mundo e contou com a colaboração do goleiro Vanderlei para morrer no fundo da rede. 1 a 0. O alvinegro, mesmo longe de estar inspirado, não demorou para reagir. E a jogada veio com os dois mais contestados pela torcida: Victor Ferraz e Gabigol. O lateral deu um cruzamento perfeito para o camisa 10 cabecear e empatar o jogo.

Na segunda metade do primeiro tempo, o Santos tentou controlar, mas não conseguiu. O Luverdense seguiu perigoso e a partida ficou aberta. Vanderlei se redimiu em bela defesa nos instantes finais da etapa inicial.

No segundo tempo, o Santos fez o placar ter lógica. A equipe voltou com uma postura diferente, mais adiantado e fez valer a diferença técnica para o Luverdense.

Os gols saíram naturalmente. O segundo veio com Gustavo Henrique, aos 13, depois de boa cobrança de falta de Vitor Bueno. O zagueiro teve boas chances no primeiro tempo e, depois de muito tentar, conseguiu. Ele substituiu David Braz, poupado por conta de dor muscular na panturrilha.

Com a vantagem, os espaços apareceram e a goleada foi construída. Gabigol lavou a alma e aproveitou rebote de Rodrygo para marcar aos 17. E aos 22, o camisa 10 alcançou seu hat-trick depois da segunda assistência de Victor Ferraz. O camisa 4 foi bem no seu retorno ao time titular.

Na segunda metade da etapa final, o Santos continuou em cima, buscando mais gols. Rodrygo tentou de todas as formas seu primeiro na Vila Belmiro, mas não conseguiu. E foi seu parceiro de base quem marcou. Yuri Alberto recebeu assistência de Arthur Gomes e fechou o placar. 5 a 1. E alma lavada na Vila Belmiro.

Bastidores – Santos TV:

Gabigol alcança hat-trick e valoriza reação do Santos: “Vida é assim”

Criticado por parte da torcida pelo desempenho recente abaixo do esperado, Gabigol brilhou na goleada santista por 5 a 1 sobre o Luverdense nesta quinta-feira, na Vila Belmiro. O resultado encaminhou a classificação às quartas de final da Copa do Brasil.

O camisa 10 errou quase tudo nos primeiros minutos, mas não se escondeu e foi recompensado com um gol no primeiro tempo e outros dois na segunda etapa. Gabriel valoriza a reação do time após os 5 a 1 sofridos para o Grêmio, domingo, em Porto Alegre.

“Muito feliz. Eu acho que conseguimos fazer um bom jogo, conseguimos criar bons lances. Hoje conseguimos fazer um bom jogo. Acho que o ano é muio longo, temos que fazer muita coisa. Sabemos que a torcida não gostou (da derrota para o Grêmio), é normal. A gente não tinha tomado mais de dois gols no ano e acabamos levando cinco, e hoje fizemos cinco. O futebol é assim, a vida é assim”, afirmou o atacante à Fox Sports.

Com os três gols, Gabigol se isolou como maior artilheiro da história do Santos na Copa do Brasil. São 19 em sua carreira, quatro a mais que Neymar. Ele foi artilheiro em duas edições e briga por mais um prêmio individual.

Após goleada, Vanderlei diz que se resolveu com Alison: “É normal”

Em goleada de 5 a 1 sofrida para o Grêmio no último domingo, em Porto Alegre, o Santos viu Vanderlei e Alison discutirem calorosamente em campo. E nesta quinta-feira, com a situação resolvida, foi o Peixe quem goleou pelo mesmo resultado diante do Luverdense, na Vila Belmiro, pelo jogo de ida das oitavas de final da Copa do Brasil.

O goleiro do alvinegro minimiza o entrevero com o companheiro e alerta para as surpresas na competição continental. Ele acredita que a vantagem não decide nada. O Santos pode perder por até três gols de diferença na próxima quinta-feira, às 19h15 (de Brasília), em Lucas do Rio Verde.

“Fizemos um bom placar, poderíamos ter feito até mais. A gente resolve as coisas internamente, é normal. Não tem nada com o Alison. Não tem nada decidido, tem jogadores rápidos, bons na bola parada. Copa do Brasil é importante para nós e vamos com força máxima. A gente ficou muito chateado por tomar cinco gols do Grêmio, tudo deu errado para nós. Tivemos tranquilidade hoje para suportar a pressão”, disse Vanderlei à Fox Sports.

Em um jogo no Santos, Ferraz chega à metade das assistências de 2017

Victor Ferraz fez as suas primeiras assistências em 2018 nesta quinta-feira, na vitória do Santos por 5 a 1 sobre o Luverdense, na Vila Belmiro. O lateral-direito deu dois passes para dois dos três gols de Gabriel Barbosa.

Depois de ter luxação no ombro direito e perder a posição para Daniel Guedes, Ferraz recuperou seu lugar e atuou como em 2015 e 2016, quando chegou a ser cotado para a seleção brasileira. No ano passado, seu rendimento foi abaixo do esperado.

As duas assistências em 95 minutos fizeram Victor Ferraz chegar à metade dos passes para gols em 2017 inteiro (quatro). Na última temporada, o camisa 4 entrou em campo 48 vezes, um total de 4348 minutos.

“Eu trabalhei muito. Eu esperei voltar, voltei há cinco ou seis jogos no banco de reservas. Voltei bem, fazendo o que mais gosto, dando assistências, marcando forte e Santos vencendo. Santos tem que voltar a ser respeitado”, disse Victor Ferraz, à Rádio Bandeirantes.

Depois da boa atuação, Ferraz deve se manter como titular no domingo contra o Paraná, às 19h (de Brasília), na Vila Belmiro, pela quinta rodada do Campeonato Brasileiro. O lateral, líder do elenco, tem 30 anos, 178 partidas pelo Santos e seis gols marcados. Seu contrato vai até dezembro de 2020.

Rodrygo destaca goleada, mas lamenta perda de chance: “Era gol meu”

Rodrygo tentou e tentou muito, mas não conseguiu marcar seu primeiro gol pelo Santos na Vila Belmiro, em goleada por 5 a 1 contra o Luverdense nesta quinta-feira, pelo jogo de ida das oitavas de final da Copa do Brasil.

A joia teve boas oportunidades, mas não conseguiu marcar. Em uma delas, errou a finalização e Gabigol aproveitou o rebote para marcar o terceiro do Peixe.

“Abrimos uma boa vantagem. Temos que manter a concentração desse jogo para sair classificado. Era gol meu, né? Eu errei na hora de virar o pé e a bola saiu mais para o meio, aí Gabigol aproveitou o rebote e marcou. A gente quer fazer o gol, né? Mas fica feliz pelo resultado, também, é claro”, disse Rodrygo, à Fox Sports.

“Iritado, não… Meu time ganhou de 5 a 1. Eu saio tranquilo e feliz com a vitória”, completou, ao minimizar mais uma falta na escola: “Vou passar de ano”.

Gabigol muda posicionamento e alcança primeiro hat-trick da carreira

Desde que foi contratado, no início deste ano, Gabigol passou a ser o centroavante do Santos. Em sua visão e na do técnico Jair Ventura, é nessa função onde pode render mais. Nesta quinta-feira, porém, o camisa 10 brilhou em uma nova posição, a mesma de sua primeira passagem pelo Peixe.

Depois de atuações ruins, Gabriel foi escalado pelo lado direito do ataque, com liberdade para se movimentar e Eduardo Sasha centralizado. A opção deu certo: três gols na vitória por 5 a 1 sobre o Luverdense, na Vila Belmiro, e o primeiro hat-trick de sua carreira profissional.

Em entrevista depois da goleada, Gabigol confirmou a mudança em seu jeito de jogar. Jair Ventura minimizou as críticas do torcedor. Antes de marcar seus gols, o Menino da Vila era o mais cornetado pelos santistas.

“Hoje eu joguei mais aberto pelo lado do campo, pela direita, me movimentei bastante, criamos, isso é muito importante”, afirmou Gabigol.

“Os gols foram importantes. Gabigol, pelo investimento, vai ser sempre cobrado. É a vida que nós escolhemos. Mas o Gabriel é muito bom. Não só ele, como todo o grupo. Hoje mostramos isso”, disse o treinador.

Jair destaca Yuri Alberto e explica veto do Santos à seleção sub-20

Yuri Alberto foi convocado para período de treinamentos e amistosos com a seleção brasileiro sub-20, porém, a pedido do técnico Jair Ventura, o Santos vetou a ida de seu atacante. A decisão, a princípio, não fazia muito sentido, já que o garoto não atuava há dois meses. A explicação veio nesta quinta-feira.

Yuri entrou no segundo tempo e fechou a goleada do Peixe por 5 a 1 contra o Luverdense, na Vila Belmiro, pelo jogo de ida das oitavas de final da Copa do Brasil. Jair explica decisão e prevê mais oportunidades ao Menino da Vila.

“Yuri Alberto foi pedido meu para não ir. Treinador da seleção (Carlos Amadeu) me ligou, eu disse que contava, eles convocaram mesmo assim e desconvocamos. Peço desculpa para a seleção, trabalhei três anos na base da seleção, sei da importância, ficava chateado com alguns nãos que recebia, mas Yuri tem importância e hoje provou isso. É nosso único centroavante de origem e usaremos quando precisarmos”, disse o comandante.

Yuri Alberto tem cinco jogos pelo Santos em 2018. E em 211 minutos em campo, já são dois gols na temporada. Antes, ele marcou em derrota diante do Novorizontino, pela primeira fase do Campeonato Paulista.

Yuri foi promovido junto com Rodrygo no fim de 2017, pelo técnico Elano. Artilheiro nas categorias de base, o jovem ainda não teve muitas chances por causa da concorrência de Gabigol, titular da posição, e Eduardo Sasha, que também pode desempenhar a função de centroavante.

Com público baixo, Santos paga para jogar contra o Luverdense

O Santos pagou para jogar nos 5 a 1 sobre o Luverdense nesta quinta-feira, na Vila Belmiro, pelo jogo de ida das oitavas de final da Copa do Brasil. O público total de 3480 não foi suficiente para deixar a bilheteria no azul.

A renda foi de R$ 90.725,00. Com altos custos, como cerca de R$ 30 mil em “despesas diversas” e R$ 17 mil para funcionários, o prejuízo foi de R$ 28.479,77 na Vila.

Contra o Luverdense, o Alvinegro recebeu seu pior público na temporada. Antes, 3816 foram à Vila Belmiro para ver a derrota por 3 a 1 para o São Bento, no Campeonato Paulista.

Com logística complicada, Santos deve poupar titulares contra o Luverdense

Depois de vencer por 5 a 1 o jogo de ida, na Vila Belmiro, o Santos deve poupar seus titulares para enfrentar o Luverdense pela partida de volta das oitavas de final da Copa do Brasil, quinta-feira, às 19h15 (de Brasília), em Lucas do Rio Verde.

Além da enorme chance de classificação às quartas e a possibilidade de perder por até três gols de diferença no Mato Grosso, o Peixe se preocupa com a logística para a viagem. O alvinegro, a princípio, não fretará um voo.

“Estamos por alguns detalhes, mas acho que não vamos precisar de voo fretado, não”, disse o técnico Jair Ventura, em coletiva de imprensa nesta quinta-feira.

A tendência é que o Santos faça dois voos na terça-feira: um para Cuiabá e outro para Sinop. E depois de voar, o resto da viagem seria num ônibus para Lucas do Rio Verde. A distância final é de 150 km, porém, a qualidade das estradas não é boa e o traslado demora mais. No total, a “odisseia” pode durar um dia todo desde a saída da Baixada Santista.

O voo fretado para Sorriso, a 67 km de Lucas do Rio Verde, duraria 5h30. O Peixe, porém, deve optar pela economia da viagem convencional. A logística completa será divulgada nesta semana.


Santos 4 x 2 Flamengo

Data: 26/07/2017, quarta-feira, 21h45.
Competição: Copa do Brasil – Quartas-de-final – Jogo de volta
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 12.507 pagantes
Renda: R$ 525.080,00
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)
Auxiliares: Bruno Boschilia (PR) e Rafael da Silva Alves (RS).
Cartões amarelos: Victor Ferraz, Vecchio, David Braz e Lucas Veríssimo (S); Berrío, Alex Muralha, Guerrero e Márcio Araújo (F).
Gols: Berrío (09-1), Bruno Henrique (33-1); Guerrero (01-2), Copete (08-2), Victor Ferraz (10-2) e Copete (48-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Jean Mota; Yuri (Rafael Longuine, 24’/2ºT), Vecchio (Léo Cittadini, 41’/2ºT) e Lucas Lima; Copete, Bruno Henrique e Ricardo Oliveira (Vladimir Hernández, 30’/2ºT).
Técnico: Levir Culpi

FLAMENGO
Alex Muralha; Pará, Réver, Rafael Vaz e Trauco; Márcio Araújo, Cuéllar (Willian Arão, 45’/2ºT) e Diego; Berrío (Rodinei, 15’/2ºT), Everton (Gabriel, 34’/ 2ºT) e Guerrero.
Técnico: Zé Ricardo



Em jogaço, Santos vence por 4 a 2, mas Flamengo avança na Copa do Brasil

Nos últimos anos, Santos e Flamengo ficaram marcados pelo jogo espetacular que protagonizaram em 2011, com show de Neymar e Ronaldinho Gaúcho. Na ocasião, o Rubro-Negro levou a melhor, vencendo por 5 a 4 na Vila Belmiro, pelo Brasileirão. Nesta quarta-feira, no mesmo palco, mas pela Copa do Brasil, as equipes relembraram aquele confronto, protagonizando um novo jogaço, com viradas e várias alternativas. Desta vez, o Peixe levou a melhor, ganhando por 4 a 2. Porém, quem saiu feliz do estádio mais uma vez foi o Mengão, que segurou a vantagem de dois gols de diferença e conseguiu avançar para as semifinais.

Na próxima fase do torneio mata-mata, o Fla terá pela frente o Botafogo, que venceu o Atlético-MG por 3 a 0, também nesta quarta-feira, no Rio de Janeiro. O primeiro embate entre as equipes acontece no dia 16 de agosto. Antes disso, porém, o time comandado por Zé Ricardo mira suas forças no Campeonato Brasileiro, onde pega o Corinthians no domingo, às 16h (de Brasília), em Itaquera.

Já o Santos, fora da Copa do Brasil, viaja até Porto Alegre para encarar o Grêmio, também no domingo, às 19h, pela 17ª rodada do Brasileirão.

O jogo:

Como uma boa final deve ser, o duelo começou eletrizante na Vila. Precisando reverter a vantagem de 2 a 0 do Flamengo, o Santos se lançou ao ataque desde os primeiros minutos, mas esbarrou na defesa bem postada do Rubro-Negro, que aproveitou um contragolpe e jogou um balde de água gelada na torcida santista.

Logo aos nove minutos, Diego, ex-Menino da Vila, deu lindo passe para Berrío. O colombiano ganhou da zaga na corrida e bateu por cima de Vanderlei para abrir o placar e aumentar a vantagem do Mengão.

Com tento sofrido, o alvinegro passou a precisar vencer por 4 a 1 para avançar na Copa do Brasil. Mesmo com a missão ingrata, os santistas não se abateram e quase chegaram ao empate no lance seguinte, quando Victor Ferraz cruzou na área e Copete cabeceou muito perto da trave direita e Muralha.

Após a chance perdida, porém, o Peixe começou a sentir o nervosismo da desvantagem e não conseguiu chegar com qualidade ao ataque. Já o Flamengo, satisfeito com o resultado, passou a ‘cozinhar’ o Santos no meio de campo, além de fazer a famosa ‘cera’ em cada falta marcada pelo árbitro Leandro Vuaden.

Sem conseguir penetrar na zaga do Mengão, o alvinegro começou a arriscar chutes de longa distância. De tanto tentar, a equipe comandada por Levir Culpi alcançou o empate. E foi em grande estilo. Aos 33 minutos, Bruno Henrique avançou pela esquerda e soltou uma bomba de fora da área. A bola entrou na gaveta, sem chances para Muralha.

A igualdade deu um novo ânimo ao Peixe, que passou a pressionar o Flamengo. Porém, uma polêmica aos 40 minutos acabou roubando a cena no jogo. Bruno Henrique recebeu passe no meio, avançou para dentro da área e foi derrubado por Réver. Pênalti marcado para o Peixe.

Mas após assinalar a infração, Leandro Vuaden foi bastante pressionado pelos flamenguistas, conversou com o quarto árbitro e acabou anulando a penalidade, alegando que o zagueiro tocou na bola e cometeu falta no lance. Os santistas se revoltaram com a arbitragem e gritos de ‘vergonha’ foram ouvidos na Vila. Porém, o primeiro tempo acabou mesmo no 1 a 1.

Precisando marcar mais três vezes para avançar, o Santos viu o Flamengo jogar um novo balde de água congelada logo no primeiro minuto de jogo. Everton passou como quis pela zaga do Peixe e rolou para Guerrero. Matador, o peruano bateu firme para fazer 2 a 1 na Vila.

Porém, quem achou que o Rubro-Negro ‘matou’ o duelo e foi dormir, perdeu um jogaço em Urbano Caldeira. Sete minutos depois, Copete subiu mais que todo mundo em cobrança de escanteio e empatou novamente.

Na jogada seguinte, Bruno Henrique ajeitou para Victor Ferraz, que chutou forte e virou a partida para o Peixe.

Após a virada, a torcida enlouqueceu na Vila Belmiro. Porém, o Flamengo conseguiu segurar a pressão do alvinegro e voltou a ‘esfriar’ o jogo, abafando a pressão dos santistas. No último minuto, Copete ainda conseguiu marcar o quarto. Mas não havia tempo para mais nada. Faltou um gol para o Santos e o Rubro-Negro saiu de Urbano Caldeira com a classificação.

Bastidores – Santos TV:

Santos envia ofício à CBF acusando repórter e pedindo anulação de jogo com Fla

O Santos enviou um ofício à CBF na tarde desta quinta-feira pedindo a anulação da vitória por 4 a 2 sobre o Flamengo, na última quarta, que culminou na eliminação do Peixe nas quartas de final da Copa do Brasil. Segundo o clube, o motivo é a interferência externa na decisão do árbitro Leandro Pedro Vuaden, que voltou atrás na marcação de um pênalti a favor do alvinegro.

Os santistas acusam o repórter Eric Faria, da TV Globo, de ter se comunicado com o quarto árbitro, Flávio Rodrigues, que foi quem avisou Vuaden antes da decisão final de anular a penalidade.

No documento, a diretoria do Peixe pediu uma série de intervenções: a anulação da partida, punição do sexteto de arbitragem, proibição da presença de repórter na beira do campo em todos os jogos realizados pela CBF e descredenciamento do jornalista citado no documento.

Como álibi, o Santos cita o exemplo do clássico Fla-Flu de outubro de 2016, quando alguns dirigentes do tricolor acusaram Eric Faria de ‘proteção’ ao Rubro-Negro. O repórter da Globo usou o Twitter para se defender da polêmica. “Alguns me acusam de ter falado com o 4 arbitro. Leviano. Mentiroso. Quem estava mais perto dele? O Levir Culpi. Cuidem de suas frustrações”, citou o jornalista em seu Twitter.

Confira o ofício enviado pelo Santos na íntegra:

“A
CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL
Avenida Luís Carlos Prestes, nº 130
Barra da Tijuca -Rio de Janeiro
CEP: 22.775-055

Ref.: arbitragem na partida da Copa do Brasil ente Santos e Flamengo, de 26/07/2017

Ilustríssimo Sr. Presidente da CBF, Dr. Marco Pólo Del Nero

Vimos, pelo presente, apresentar para vosso conhecimento, os fatos repugnáveis ocorridos ontem, 26 de julho de 2017, em partida de volta das quartas de final da Copa do Brasil, entre Santos e Flamengo.

Tais fatos influenciaram diretamente no resultado da partida e, principalmente, na não classificação do Santos para as semifinais da competição.

Ocorre que aos 40 minutos do primeiro tempo, quando o placar da partida estava empatado em 1 a 1, o árbitro Leandro Pedro Vuaden anotou um pênalti do zagueiro Réver, do Flamengo, sobre o atacante Bruno Henrique, do Santos. Insistimos: ele anotou a penalidade.

O árbitro, autoridade máxima da partida, estava a poucos metros de distância do lance e interpretou o contato do zagueiro com o atacante como faltoso e dentro dos limites da grande área. Porém, mais de 1 minuto após de sua marcação, influenciado pelo 4º árbitro, Sr. Flavio Rodrigues de Souza, que estava na linha de meio-campo, a penalidade foi cancelada e o Sr. Vuaden determinou a cobrança de escanteio.

Novamente, estamos diante de um caso em que o árbitro revoga sua marcação por comunicação do quarto árbitro, cuja participação teria sido provocada pelo repórter de campo, Sr. Eric Faria, da Rede Globo de televisão, que é elemento alheio ao certame, devendo se comportar como jornalista e não como torcedor de seu time do coração.

Aliás, esta atitude do repórter parece ser recorrente, visto que já foi criticada pela Diretoria do Fluminense.

Reportar ao 4º árbitro sua impressão do lance após ver replay na televisão não é função nem atitude condizente com um jornalista esportivo.

Esta ação repudiável foi testemunhada por dezenas de pessoas e pode ser constatada no vídeo da partida e em fotografias tiradas por outros veículos de mídia.

Destacamos que é a terceira oportunidade recente em que interferências externas atuam na remarcação de lances capitais de partidas de futebol no Brasil, a saber:

– Fluminense x Flamengo, em 13 de outubro de 2016;
– Avaí x Flamengo, em 11 de junho de 2017;
– Santos x Flamengo, em 26 de julho de 2017;

Entendemos que tais fatos devam ensejar a anulação da partida, pelo bem do futebol nacional e da credibilidade da entidade que V.Sa preside.

As decisões do árbitro são soberanas e a interferência externa não é autorizada pela FIFA ou CBF, tampouco recomendada pela comissão de arbitragem nacional.

Do ponto de vista desportivo e institucional, solicitamos as providências perante a comissão de arbitragem, para análise da conduta do árbitro e seus auxiliares, bem como junto a detentora dos direitos de transmissão sobre a postura de seus prepostos.

Não obstante, solicitamos a V.Sa que tome as providências no sentido de:

a) Anular a partida;
b) Proibir que repórteres permaneçam na lateral do campo e se comuniquem com a equipe de arbitragem durante as partidas;
c) Punir adequadamente a equipe de arbitragem que atuou em referida partida;
d) Descredenciar o Sr. Eric Faria como repórter de campo.

Certos de sua compreensão e providências, firmamos a presente com o respeito e as homenagens de praxe.”