Copete - Acervo Santista

Navegando Posts marcados como Copete

Santos 1 x 1 Avaí

Data: 03/11/2017, domingo, 17h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 38ª rodada (última)
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 7.539 pagantes
Renda: R$ 122.215,00
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (RJ/FIFA).
Auxiliares: Rodrigo F. Henrique Correa (RJ/FIFA) e Thiago Henrique Neto Correa Farinha (RJ).
Cartões amarelos: Matheus Jesus e Emerson (S); Simião (A).
Gols: Copete (30-1) e Pedro Castro (31-1).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Luiz Felipe e Jean Mota; Matheus Jesus, Renato e Vecchio (Emerson); Copete (Rodrygo), Bruno Henrique e Kayke (Yuri Alberto).
Técnico: Elano

AVAÍ
Douglas; Maicon, Betão, Alemão e João Paulo; Simião, Pedro Castro e Marquinhos (Juan); Maurinho, Lourenço (Rômulo) e Júnior Dutra (Luanzinho).
Técnico: Claudinei Oliveira



Santos empata na Vila, rebaixa Avaí e termina o Brasileirão em terceiro

O Santos tinha tudo para terminar o Campeonato Brasileiro em segundo na tabela, garantindo R$ 11,3 milhões no caixa. Porém, o Peixe sofreu contra um desesperado Avaí, na tarde deste domingo, na Vila Belmiro. Em partida recheada de oportunidades para os dois lados, o placar acabou mesmo ficando no empate em 1 a 1, que pulverizou os sonhos das duas equipes.

Com a igualdade em Urbano Caldeira, a equipe comandada por Elano não aproveitou o tropeço do rival Palmeiras, e terminou o torneio nacional na terceira colocação, com 63 pontos, a vaga direta na fase de grupos da Libertadores garantida e ainda uma premiação de R$ 7,7 milhões.

O Leão da Ressacada, por sua vez, encerrou o Brasileirão em 18º, com 43 pontos, e confirmou a queda para a Série B.

O jogo

Precisando da vitória para escapar do rebaixamento, o Avaí começou a partida pressionando o Santos na defesa. Em contrapartida, a equipe de Santa Catarina abria espaços para o Peixe criar. Tanto que a primeira boa oportunidade surgiu aos 6 minutos, quando Victor Ferraz avançou pela direita e soltou uma bomba para Douglas espalmar.

O Leão respondeu com João Paulo. Aos 12, o lateral arriscou uma bomba de muito longe e mandou no travessão de Vanderlei.

Com o passar do primeiro tempo, o alvinegro foi sendo mais incisivo e só não abriu o placar porque Douglas estava inspirado. Aos 24, Kayke mandou uma paulada de fora e o goleiro espalmou. Quatro minutos depois, após bate-rebate, a bola sobrou para Lucas Veríssimo dentro da pequena área. O zagueiro bateu fraco e o arqueiro salvou mais uma.

Aos 30, porém, Douglas não conseguiu salvar quando Jean Mota iniciou contra-ataque lançando para Matheus Jesus, que rolou para Copete. Em velocidade, o colombiano passou pelo camisa 1 e empurrou para o fundo das redes.

Mas a alegria dos santistas durou pouco. Na jogada seguinte, Pedro Castro dominou do lado esquerdo e mandou uma pedrada na gaveta, vencendo Vanderlei e empatando o mais uma vez o confronto.

Dois minutos depois do tento, Bruno Henrique dá belo passe para Kayke dentro da área. O atacante, porém, mandou para fora, decretando o 1 a 1 no primeiro tempo.

A partida voltou do intervalo com a mesma tônica da primeira etapa: aberta e com chances para os dois lados. Aos 2 minutos, Maicon cruzou e bola sobrou para Lourenço, que chutou em cima de Lucas Veríssimo. O Santos respondeu na jogada seguinte, quando Vecchio lançou para Bruno Henrique dentro da área. O atacante driblou a marcação, mas mandou pra fora.

Após o bom início, a partida caiu de produção, tanto que uma boa oportunidade surgiu apenas aos 22 minutos, quando Renato arriscou de longe e a redonda passou perto da trave de Douglas.

Na jogada seguinte, Jean Mota aproveitou sobra e também arriscou de fora da área. A bola encobriu o goleiro do Avaí, mas não entrou na meta.

Apesar do Avaí ainda buscar o ataque, foi o Santos que seguiu perdendo as melhores chances. Aos 29, Matheus Jesus finalizou e Yuri Alberto, que havia entrado na vaga do vaiado Kayke, perdeu gol inacreditável. Porém, o bandeirinha já assinalava impedimento na jogada.

Nos últimos minutos, o Avaí se desesperou e foi com tudo em busca do gol que o salvaria do rebaixamento. O Peixe, por sua vez, tinha o contra-ataque como arma para alcançar a vitória e o vice. Porém, nenhuma das equipes aproveitou as chances e o jogo acabou mesmo no 1 a 1.

Bastidores – Santos TV:

Elano lamenta ‘chances claras’ perdidas e elogia meninos do Santos: “Confio neles”

Com o título nas mãos do Corinthians e a vaga direta na fase de grupos da Libertadores garantida, o Santos tinha apenas um objetivo no embate com o Avaí, neste domingo, na Vila Belmiro, pela última rodada do Campeonato Brasileiro: conquistar o vice e ganhar R$ 11,3 milhões de premiação.

Grêmio e Palmeiras até ajudaram, já que foram derrotados por Atlético-MG e Atlético-PR, respectivamente. Porém, os santistas não fizeram sua parte, ficaram no empate em 1 a 1 com o time catarinense e terminaram o torneio nacional na terceira colocação, com 63 pontos.

Apesar do tropeço, o técnico Elano elogiou bastante o time e fez questão de exaltar o lateral-esquerdo Emerson, e os atacante Rodrygo e Yuri Alberto, que entraram em campo no segundo tempo da partida.

“Tivemos chances claras de gol. Criamos muitas oportunidades, mas faltou a bola entrar. Estávamos treinando, e coloquei os meninos por confiar muito neles. São dois meninos de 16 anos e o Emerson de 19, eu coloco sem medo. Não por eu achar que são “bonitinhos”, mas por achar que são bons. Eles tentaram. Foi uma dedicação muito grande de todos. Fico feliz por ter tido uma oportunidade, mas triste por não conseguir conquistar nenhum título”, disse o treinador em entrevista coletiva após o confronto.

Após o término do Brasileirão, o elenco do Santos se reapresenta no dia 3 de janeiro de 2018. Para Elano, o Peixe já tem uma boa base e precisa de poucos reforços para conquistar títulos na próxima temporada.

“Os meninos merecem uma conquista, já são dois anos batendo na trave. E o Santos tem um bom elenco, tenho certeza que no próximo ano vamos nos reapresentar dia 3 e vamos nos preparar para conquistar algo. Foi assim que eu me acostumei a viver. Pedi dedicação da parte deles na próxima temporada, já que nem todos estão indo para cada felizes”, concluiu o comandante.

Veríssimo lamenta ano sem títulos para o Santos: “Esse grupo merecia”

Mesmo classificado para a fase de grupos da próxima Libertadores, os torcedores do Santos veem a temporada de 2017 como frustrante. Afinal, o Peixe terminou o ano sem conquistar um título sequer, coisa que não acontecia de 2014.

Além da terceira colocação no Campeonato Brasileiro, o alvinegro foi eliminado nas quartas de final do Paulistão, Copa do Brasil e Libertadores. Para o zagueiro Lucas Veríssimo, porém, o elenco santista tinha condições de terminar 2017 com alguma conquista.

“Acho que o Santos merecia mais. Esse grupo merece títulos”, resumiu o defensor na saída do gramado após o empate em 1 a 1 com o Avaí, na Vila Belmiro, pela 38ª rodada do Brasileirão.

A igualdade com os catarinenses, inclusive, fez o Santos perder o último objetivo do ano, que era ficar com o vice. Como o Palmeiras perdeu por 3 a 0 para o Atlético-PR, bastava uma vitória simples na Vila para o Peixe terminar na segunda colocação, ganhando R$ 11,3 milhões de premiação.


Santos 1 x 0 Grêmio

Data: 19/11/2017, domingo, 19h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 36ª rodada (antepenúltima)
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 4.206 pagantes
Renda: R$ 120.160,00
Árbitro: Pericles Bassols Pegado Cortez (PE)
Auxiliares: Cleberson do Nascimento Leite e Marcelino Castro de Nazare (ambos de PE).
Cartões amarelos: Alison e Lucas Veríssimo (S); Jael e Kaio (G).
Gol: Copete (31-1).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Luiz Felipe, Lucas Veríssimo e Jean Mota; Alison, Renato e Vecchio (Daniel Guedes); Bruno Henrique, Copete (Arthur Gomes) e Ricardo Oliveira (Orinho).
Técnico: Elano Blumer

GRÊMIO
Paulo Victor; Leonardo, Bressan, Rafael Thyere e Conrado; Cristian, Machado, Kaio (Pepê) e Patrick (Batista); Dionathã (Lucas Poleto) e Jael.
Técnico: Alexandre Mendes



Santos vence reservas do Grêmio e se garante na pré-Libertadores

Não foi desta vez que o Santos voltou a encantar seu torcedor. Apresentando um futebol pragmático, o Peixe foi pressionado pelos reservas do Grêmio, mas contou com um gol de Copete para vencer por 1 a 0, na noite deste domingo, na Vila Belmiro, pela 36ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Com o triunfo, o alvinegro chegou aos 59 pontos, manteve-se na quarta colocação e confirmou a classificação para a Libertadores. Porém, como o Flamengo também venceu o Corinthians e ficou com 53, os santistas ainda não garantiram matematicamente a vaga direta na fase de grupos do torneio continental.

O Grêmio, por sua vez, segue em segundo, com 61, mas pode ser ultrapassado pelo Palmeiras, que pega o Avaí nesta segunda-feira, na Ressacada.

O jogo:

Enfrentando os reservas do Grêmio, o Peixe até começou a partida mostrando iniciativa. Aos 8 minutos, Alison pegou rebote de escanteio e deu belo chute. A bola quicou e tinha a direção do ângulo. Porém, Paulo Victor fez grande defesa e afastou o perigo.

Mesmo com um time C, o Tricolor Gaúcho ‘acordou’ aos 16, quando Machado avançou no meio e bateu forte para Vanderlei espalmar. Dois minutos depois, Kaio apareceu dentro da área e cruzou para Patrick. O meia ganhou da marcação e chutou forte, obrigando o goleiro santista a fazer outra grande defesa.

Na sequência, Machado cobrou falta na entrada da área, a bola desviou na barreira e passou raspando a trave.

Os gremistas seguiram melhorem na partida. Aos 30, Dionathã recebeu de Jael e tentou lindo chute colocado de longe. Vanderlei nem se mexeu, mas a bola explodiu na trave esquerda.

Porém, o velho ditado “quem não faz toma” atacou novamente. Em rápido contra-ataque, Vecchio
lançou Copete em velocidade. O colombiano deu um toquinho por cima para vencer Paulo Victor e abrir o placar na Vila.

O tento reanimou o Peixe. Aos 35, Ricardo Oliveira recebeu cruzamento do lado esquerdo e desviou de cabeça no ângulo esquerdo de Paulo Víctor, que voou para encaixar. No lance seguinte, Copete cruzou para Bruno Henrique dentro da área. O atacante ganhou da zaga, mas cabeceou pra fora.

Nos últimos minutos, a partida ficou aberta, com os dois times perdendo oportunidades. Porém, o embate foi para o intervalo com o Santos vencendo por 1 a 0.

O segundo tempo voltou em um ritmo mais lento, tanto que a primeira oportunidade clara surgiu aos 10 minutos, quando o Peixe veio em contra-ataque e Bruno Henrique chutou firme para a defesa de Paulo Victor.

No decorrer da partida, os gremistas, em desvantagem, passaram a ter mais a posse de bola, enquanto o alvinegro esperava um bom contragolpe para ‘matar’ o duelo. Porém, nenhuma das duas equipes conseguiu realizar suas respectivas metas e o Santos acabou com a vitória pelo placar mínimo.

Bastidores – Santos TV:

Elano se coloca à disposição para seguir como técnico do Santos em 2018

Elano é o atual técnico do Santos. Porém, a permanência dele em 2018 ainda é uma incógnita. Após substituir o demitido Levir Culpi, o ex-jogador ainda espera uma definição das eleições presidenciais do clube, que acontecem de dezembro. Mesmo assim, ele já se colocou à disposição para permanecer no cargo e ainda revelou que já iniciou o planejamento para 2018.

“Espero continuar ano que vem para que eu possa começar um trabalho do começo. Contem comigo. Sou Santos sempre. Diretoria não pode contratar ou vender agora por causa da eleição. Mas programação de pré-temporada está montada. Sentei e fiz o planejamento para 2018 com os funcionários. Está pronto. 3 de janeiro seria a reapresentação”, disse o comandante após a vitória por 1 a 0 sobre o Grêmio, na Vila Belmiro, pela 36ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Com o triunfo, o alvinegro chegou aos 59 pontos, manteve-se na quarta colocação e confirmou a classificação para a Libertadores. Porém, como o Flamengo também venceu o Corinthians e ficou com 53, os santistas ainda não garantiram matematicamente a vaga direta na fase de grupos do torneio continental.

“Foram três jogos em sete dias, é um desgaste muito grande. Eu conheço um pouco do trabalho do Renato, e eu sei que ele trabalha todos do mesmo jeito, é um time bem treinado e de muita qualidade e vem totalmente descansado. Os nosso jogadores tem muito mérito. Tiveram dificuldades, mas o objetivo da noite foi alcançado”, comemorou o treinador.

Copete vibra com fim de jejum, mas valoriza trabalho coletivo do Santos

Jonathan Copete passava por uma péssima fase no Santos. Sem marcar desde o dia 26 de julho, quando anotou dois tentos na vitória santista por 4 a 2 sobre o Flamengo, pelas quartas de final da Copa do Brasil, o atacante havia perdido a vaga de titular para Arthur Gomes. Porém, o jovem não foi bem quando entrou e o colombiano acabou voltando ao time contra o Grêmio, neste domingo, na Vila Belmiro, pela 36ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Iluminado, Copete foi o autor do único gol da partida, garantindo a vitória do Peixe por 1 a 0. Após a partida, o atacante comemorou o fim do jejum, mas preferiu destacar o trabalho coletivo da equipe comandada por Elano.

“Entrei e consegui fazer um gol. Foi importante marcar. Sabemos que seria um jogo muito difícil. A gente entra dentro de campo e dá o melhor que tem. É um trabalho em conjunto. Estamos concentrados para fazer as coisas bem”, disse o colombiano na saída do gramado.

Com o triunfo, o alvinegro chegou aos 59 pontos, manteve-se na quarta colocação e confirmou a classificação para a Libertadores. Porém, como o Flamengo também venceu o Corinthians e ficou com 53, os santistas ainda não garantiram matematicamente a vaga direta na fase de grupos do torneio continental.

Gremistas exaltam desempenho dos reservas e focam na final da Liberta

O Grêmio saiu da Vila Belmiro derrotado pelo Santos neste domingo, mas os tricolores passaram longe do discurso de lamentação pelo revés. Após o confronto, os atletas foram unânimes em exaltar o desempenho do time reserva escalado por Renato Gaúcho.

“Acho que tivemos um bom volume de jogo. A primeira oportunidade foi nossa. Pelo pouco que treinamos, uma equipe que nunca jogou junto, acho que tivemos uma boa atuação. O time foi bem, de modo geral. Agora é melhorar e projetar o jogo com o Atlético-GO”, disse o centroavante Joel.

“Acho que está todo mundo de parabéns, mostramos que o Grêmio tem um time muito forte. Se a gente analisar friamente, eles tiveram só uma chance. A gente teve umas três ou quatro. Estamos de parabéns, encurralamos o Santos desde o primeiro tempo. Jogamos o tempo todo no campo deles”, afirmou o volante Cristian.

O Grêmio jogou com o time reserva, já que está totalmente focado na decisão da Libertadores da América. O primeiro jogo contra o Lanús será na quarta-feira, em Porto Alegre.

“Tem que dar os parabéns para todos pela entrega. Os guris foram muito bem, deram conta do recado. Jogar aqui é sempre muito difícil. O grupo está de parabéns, o Grêmio se mostra muito forte. Agora é pensar em quarta-feira”, completou Bressan.

Vice-líder com 61 pontos, o Grêmio soma dois a mais que o Santos, quarto colocado. O Palmeiras é o terceiro com 60 e pode ficar com a segunda colocação nesta segunda-feira, em duelo contra o Avaí em Florianópolis. A disputa é importante pela premiação. O segundo colocado levará R$ 11.373.030,00 da CBF, quanto o terceiro ficará com R$ 7.759.170,00, e o quarto, com R$ 5.633.370,00.


Santos 4 x 2 Flamengo

Data: 26/07/2017, quarta-feira, 21h45.
Competição: Copa do Brasil – Quartas-de-final – Jogo de volta
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 12.507 pagantes
Renda: R$ 525.080,00
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)
Auxiliares: Bruno Boschilia (PR) e Rafael da Silva Alves (RS).
Cartões amarelos: Victor Ferraz, Vecchio, David Braz e Lucas Veríssimo (S); Berrío, Alex Muralha, Guerrero e Márcio Araújo (F).
Gols: Berrío (09-1), Bruno Henrique (33-1); Guerrero (01-2), Copete (08-2), Victor Ferraz (10-2) e Copete (48-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Jean Mota; Yuri (Rafael Longuine, 24’/2ºT), Vecchio (Léo Cittadini, 41’/2ºT) e Lucas Lima; Copete, Bruno Henrique e Ricardo Oliveira (Vladimir Hernández, 30’/2ºT).
Técnico: Levir Culpi

FLAMENGO
Alex Muralha; Pará, Réver, Rafael Vaz e Trauco; Márcio Araújo, Cuéllar (Willian Arão, 45’/2ºT) e Diego; Berrío (Rodinei, 15’/2ºT), Everton (Gabriel, 34’/ 2ºT) e Guerrero.
Técnico: Zé Ricardo



Em jogaço, Santos vence por 4 a 2, mas Flamengo avança na Copa do Brasil

Nos últimos anos, Santos e Flamengo ficaram marcados pelo jogo espetacular que protagonizaram em 2011, com show de Neymar e Ronaldinho Gaúcho. Na ocasião, o Rubro-Negro levou a melhor, vencendo por 5 a 4 na Vila Belmiro, pelo Brasileirão. Nesta quarta-feira, no mesmo palco, mas pela Copa do Brasil, as equipes relembraram aquele confronto, protagonizando um novo jogaço, com viradas e várias alternativas. Desta vez, o Peixe levou a melhor, ganhando por 4 a 2. Porém, quem saiu feliz do estádio mais uma vez foi o Mengão, que segurou a vantagem de dois gols de diferença e conseguiu avançar para as semifinais.

Na próxima fase do torneio mata-mata, o Fla terá pela frente o Botafogo, que venceu o Atlético-MG por 3 a 0, também nesta quarta-feira, no Rio de Janeiro. O primeiro embate entre as equipes acontece no dia 16 de agosto. Antes disso, porém, o time comandado por Zé Ricardo mira suas forças no Campeonato Brasileiro, onde pega o Corinthians no domingo, às 16h (de Brasília), em Itaquera.

Já o Santos, fora da Copa do Brasil, viaja até Porto Alegre para encarar o Grêmio, também no domingo, às 19h, pela 17ª rodada do Brasileirão.

O jogo:

Como uma boa final deve ser, o duelo começou eletrizante na Vila. Precisando reverter a vantagem de 2 a 0 do Flamengo, o Santos se lançou ao ataque desde os primeiros minutos, mas esbarrou na defesa bem postada do Rubro-Negro, que aproveitou um contragolpe e jogou um balde de água gelada na torcida santista.

Logo aos nove minutos, Diego, ex-Menino da Vila, deu lindo passe para Berrío. O colombiano ganhou da zaga na corrida e bateu por cima de Vanderlei para abrir o placar e aumentar a vantagem do Mengão.

Com tento sofrido, o alvinegro passou a precisar vencer por 4 a 1 para avançar na Copa do Brasil. Mesmo com a missão ingrata, os santistas não se abateram e quase chegaram ao empate no lance seguinte, quando Victor Ferraz cruzou na área e Copete cabeceou muito perto da trave direita e Muralha.

Após a chance perdida, porém, o Peixe começou a sentir o nervosismo da desvantagem e não conseguiu chegar com qualidade ao ataque. Já o Flamengo, satisfeito com o resultado, passou a ‘cozinhar’ o Santos no meio de campo, além de fazer a famosa ‘cera’ em cada falta marcada pelo árbitro Leandro Vuaden.

Sem conseguir penetrar na zaga do Mengão, o alvinegro começou a arriscar chutes de longa distância. De tanto tentar, a equipe comandada por Levir Culpi alcançou o empate. E foi em grande estilo. Aos 33 minutos, Bruno Henrique avançou pela esquerda e soltou uma bomba de fora da área. A bola entrou na gaveta, sem chances para Muralha.

A igualdade deu um novo ânimo ao Peixe, que passou a pressionar o Flamengo. Porém, uma polêmica aos 40 minutos acabou roubando a cena no jogo. Bruno Henrique recebeu passe no meio, avançou para dentro da área e foi derrubado por Réver. Pênalti marcado para o Peixe.

Mas após assinalar a infração, Leandro Vuaden foi bastante pressionado pelos flamenguistas, conversou com o quarto árbitro e acabou anulando a penalidade, alegando que o zagueiro tocou na bola e cometeu falta no lance. Os santistas se revoltaram com a arbitragem e gritos de ‘vergonha’ foram ouvidos na Vila. Porém, o primeiro tempo acabou mesmo no 1 a 1.

Precisando marcar mais três vezes para avançar, o Santos viu o Flamengo jogar um novo balde de água congelada logo no primeiro minuto de jogo. Everton passou como quis pela zaga do Peixe e rolou para Guerrero. Matador, o peruano bateu firme para fazer 2 a 1 na Vila.

Porém, quem achou que o Rubro-Negro ‘matou’ o duelo e foi dormir, perdeu um jogaço em Urbano Caldeira. Sete minutos depois, Copete subiu mais que todo mundo em cobrança de escanteio e empatou novamente.

Na jogada seguinte, Bruno Henrique ajeitou para Victor Ferraz, que chutou forte e virou a partida para o Peixe.

Após a virada, a torcida enlouqueceu na Vila Belmiro. Porém, o Flamengo conseguiu segurar a pressão do alvinegro e voltou a ‘esfriar’ o jogo, abafando a pressão dos santistas. No último minuto, Copete ainda conseguiu marcar o quarto. Mas não havia tempo para mais nada. Faltou um gol para o Santos e o Rubro-Negro saiu de Urbano Caldeira com a classificação.

Bastidores – Santos TV:

Santos envia ofício à CBF acusando repórter e pedindo anulação de jogo com Fla

O Santos enviou um ofício à CBF na tarde desta quinta-feira pedindo a anulação da vitória por 4 a 2 sobre o Flamengo, na última quarta, que culminou na eliminação do Peixe nas quartas de final da Copa do Brasil. Segundo o clube, o motivo é a interferência externa na decisão do árbitro Leandro Pedro Vuaden, que voltou atrás na marcação de um pênalti a favor do alvinegro.

Os santistas acusam o repórter Eric Faria, da TV Globo, de ter se comunicado com o quarto árbitro, Flávio Rodrigues, que foi quem avisou Vuaden antes da decisão final de anular a penalidade.

No documento, a diretoria do Peixe pediu uma série de intervenções: a anulação da partida, punição do sexteto de arbitragem, proibição da presença de repórter na beira do campo em todos os jogos realizados pela CBF e descredenciamento do jornalista citado no documento.

Como álibi, o Santos cita o exemplo do clássico Fla-Flu de outubro de 2016, quando alguns dirigentes do tricolor acusaram Eric Faria de ‘proteção’ ao Rubro-Negro. O repórter da Globo usou o Twitter para se defender da polêmica. “Alguns me acusam de ter falado com o 4 arbitro. Leviano. Mentiroso. Quem estava mais perto dele? O Levir Culpi. Cuidem de suas frustrações”, citou o jornalista em seu Twitter.

Confira o ofício enviado pelo Santos na íntegra:

“A
CONFEDERAÇÃO BRASILEIRA DE FUTEBOL
Avenida Luís Carlos Prestes, nº 130
Barra da Tijuca -Rio de Janeiro
CEP: 22.775-055

Ref.: arbitragem na partida da Copa do Brasil ente Santos e Flamengo, de 26/07/2017

Ilustríssimo Sr. Presidente da CBF, Dr. Marco Pólo Del Nero

Vimos, pelo presente, apresentar para vosso conhecimento, os fatos repugnáveis ocorridos ontem, 26 de julho de 2017, em partida de volta das quartas de final da Copa do Brasil, entre Santos e Flamengo.

Tais fatos influenciaram diretamente no resultado da partida e, principalmente, na não classificação do Santos para as semifinais da competição.

Ocorre que aos 40 minutos do primeiro tempo, quando o placar da partida estava empatado em 1 a 1, o árbitro Leandro Pedro Vuaden anotou um pênalti do zagueiro Réver, do Flamengo, sobre o atacante Bruno Henrique, do Santos. Insistimos: ele anotou a penalidade.

O árbitro, autoridade máxima da partida, estava a poucos metros de distância do lance e interpretou o contato do zagueiro com o atacante como faltoso e dentro dos limites da grande área. Porém, mais de 1 minuto após de sua marcação, influenciado pelo 4º árbitro, Sr. Flavio Rodrigues de Souza, que estava na linha de meio-campo, a penalidade foi cancelada e o Sr. Vuaden determinou a cobrança de escanteio.

Novamente, estamos diante de um caso em que o árbitro revoga sua marcação por comunicação do quarto árbitro, cuja participação teria sido provocada pelo repórter de campo, Sr. Eric Faria, da Rede Globo de televisão, que é elemento alheio ao certame, devendo se comportar como jornalista e não como torcedor de seu time do coração.

Aliás, esta atitude do repórter parece ser recorrente, visto que já foi criticada pela Diretoria do Fluminense.

Reportar ao 4º árbitro sua impressão do lance após ver replay na televisão não é função nem atitude condizente com um jornalista esportivo.

Esta ação repudiável foi testemunhada por dezenas de pessoas e pode ser constatada no vídeo da partida e em fotografias tiradas por outros veículos de mídia.

Destacamos que é a terceira oportunidade recente em que interferências externas atuam na remarcação de lances capitais de partidas de futebol no Brasil, a saber:

– Fluminense x Flamengo, em 13 de outubro de 2016;
– Avaí x Flamengo, em 11 de junho de 2017;
– Santos x Flamengo, em 26 de julho de 2017;

Entendemos que tais fatos devam ensejar a anulação da partida, pelo bem do futebol nacional e da credibilidade da entidade que V.Sa preside.

As decisões do árbitro são soberanas e a interferência externa não é autorizada pela FIFA ou CBF, tampouco recomendada pela comissão de arbitragem nacional.

Do ponto de vista desportivo e institucional, solicitamos as providências perante a comissão de arbitragem, para análise da conduta do árbitro e seus auxiliares, bem como junto a detentora dos direitos de transmissão sobre a postura de seus prepostos.

Não obstante, solicitamos a V.Sa que tome as providências no sentido de:

a) Anular a partida;
b) Proibir que repórteres permaneçam na lateral do campo e se comuniquem com a equipe de arbitragem durante as partidas;
c) Punir adequadamente a equipe de arbitragem que atuou em referida partida;
d) Descredenciar o Sr. Eric Faria como repórter de campo.

Certos de sua compreensão e providências, firmamos a presente com o respeito e as homenagens de praxe.”


Santos 3 x 2 São Paulo

Data: 09/07/2017, domingo, 19h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 12ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 10.322 pagantes
Renda: R$ 422.935,00
Árbitro: Sandro Meira Ricci (SC)
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho e Marcelo Carvalho Van Gasse (ambos de SP).
Cartões amarelos: Copete, David Braz e Lucas Lima (S); Lucas Pratto, Lucas Fernandes e Júnior Tavares (SP).
Gols: Copete (43-1); Copete (08-2), Copete (21-2), Shaylon (30-2) e Robert Arboleda (41-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, David Braz, Lucas Veríssimo e Jean Mota; Thiago Maia, Renato (Leandro Donizete) e Lucas Lima; Thiago Ribeiro (Arthur Gomes), Copete (Vladimir Hernández) e Kayke.
Técnico: Levir Culpi

SÃO PAULO: Renan Ribeiro; Buffarini (Wesley), Arboleda, Rodrigo Caio e Júnior Tavares; Jucilei, Petros e Jonatan Gomez; Marcinho (Shaylon), Lucas Pratto e Denilson (Lucas Fernandes).
Técnico: Pintado (interino)



Com três de Copete, Santos entra no G4 e São Paulo vira vice-lanterna

Em clássico de dois times em lados opostos na tabela, o Santos se saiu melhor que o São Paulo, que chegou ao sétimo jogo seguido sem vitórias – cinco derrotas e dois empates. Na noite deste domingo, o time alvinegro fez valer o apoio da Vila Belmiro para vencer por 3 a 2 e entrar no G4 do Campeonato Brasileiro, mantendo o Tricolor na famigerada zona do rebaixamento.

Com três gols do colombiano Jonathan Copete, o Santos ultrapassou o Palmeiras e assumiu o quarto lugar, com 20 pontos ganhos. Já o São Paulo, que teve seus tentos anotados por Shaylon e pelo estreante Arboleda, perdeu duas posições e caiu para o 19º e penúltimo lugar, com míseros 11 pontos.

O jogo

Pressionando a saída de bola adversária, o Santos começou melhor e teve duas chances de abrir o placar logo aos nove minutos. Primeiro, Lucas Lima recebeu na esquerda e cruzou rasteiro para Thiago Maia chutar. A bola desviou e saiu em escanteio. Na cobrança, Lucas Veríssimo subiu sozinho e testou perigosamente, mas acima do gol de Renan Ribeiro.

Ligeiramente melhor na partida, o Santos desperdiçou, aos 37 minutos, uma chance incrível abrir 1 a 0: após boa trama de Lucas Lima e Thiago Maia na esquerda, a bola sobrou para Copete, livre na pequena área, isolar por cima do gol. O Tricolor respondeu pouco depois, com Denilson, que cortou o zagueiro na esquerda e arriscou de longe, exigindo boa defesa de Vanderlei.

Seis minutos depois, o atacante colombiano se redimiu diante da torcida alvinegra. Pela direita, Copete iniciou a jogada e passou para Kayke, que chutou de fora da área. A bola saiu sem tanta força, mas Renan Ribeiro espalmou para frente e o camisa 36 só teve o trabalho de empurrar para o fundo do gol, levando o Peixe em vantagem para o segundo tempo.

O Santos voltou para a etapa final em cima e não demorou a marcar o segundo gol. Aos oito minutos, em rápido contra-ataque, Thiago Ribeiro roubou a bola no campo de defesa, Thiago Maia driblou o marcador e passou para Kayke, que cruzou na medida para Copete, em grande noite, testar no contrapé de Renan Ribeiro, anotando o seu segundo tento no San-São.

Buscando reagir na partida, o São Paulo adiantou a marcação e esboçou uma pressão sobre o time da casa, mas continuou errando no último passe. E quem fez o terceiro gol da noite foi mais uma vez Copete. Após fazer ótima jogada individual na esquerda, Jean Mota cruzou para o colombiano, que bateu com uma espécie de voleio, sem chances para o arqueiro tricolor.

Logo em seguida, o time do Morumbi teve a oportunidade que queria para voltar para o jogo. Em jogada individual, Pratto invadiu a área e sofreu falta de David Braz. Na cobrança, o próprio argentino bateu, deslocou Vanderlei, mas mandou na trave esquerda. Cinco minutos depois, aos 30, o São Paulo finalmente diminuiu graças a dois jogadores que haviam acabado de entrar. Lucas Fernandes recebeu na esquerda e chutou forte. No rebote de Vanderlei, Shaylou tocou para a rede.

No apagar das luzes, aos 41 minutos, a bola ficou respingando na área do Santos após cobrança de falta e caiu nos pés de Arboleda, que fuzilou no ângulo esquerdo de Vanderlei. Os jogadores alvinegros reclamaram bastante de toque na mão de Petros, mas o juiz validou o gol que não evitou a derrota tricolor.

Bastidores – Santos TV:

Com queimadura na barriga, Copete celebra “noite dos sonhos” na Vila

O Santos teve no colombiano Jonathan Copete a sua grande figura na noite deste domingo, no clássico contra o São Paulo, na Vila Belmiro. Autor dos três gols na vitória por 3 a 2 do Peixe, um no primeiro e dois no segundo tempo, o jogador fez questão de mostrar uma queimadura na barriga, sofrida em um acidente doméstico, mostrando que jogava sem as melhores condições.

“Estou machucado, mas queria jogar, fazer as coisas bem. Agora é descansar”, disse o jogador, que explicou ter se lesionado ao cozinhar dentro de casa, com uma panela de pressão. “Foi um acidente que eu sofri, mas é algo que eu tenho que superar para jogar”, continuou.

A “revelação” do machucado foi na celebração do primeiro tento, quando tirou a camisa do Santos e uma segunda pele branca, que estava manchada de sangue. Ao levantar a vestimenta, mostrou uma grande marca de queimadura.

“A oportunidade foi muito boa de marcar três gols, o mais importante é que o time lutou até o final e conseguiu essa vitória”, explicou o atleta, bastante exaltado até pelos companheiros ao conseguir ser tão importante mesmo com os claros impeditivos no seu corpo.

“Foi a noite dele, tem nem o que falar, jogador que nos ajuda bastante, muito feliz por ele. Não falou para ninguém do machucado, jogou os dois jogos, a gente vê a raça e a disposição dele nessas horas”, concluiu.

Levir elogia clássico, vê vitória justa e diz que o Peixe vai melhorar

O técnico Levir Culpi deixou o gramado da Vila Belmiro contente com a vitória do Santos por 3 a 2 sobre o São Paulo, na noite deste domingo, pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro. Sorridente ao comentar o “justo” triunfo, na sua opinião, ele reconheceu, porém, que a equipe podia ter uma atitude melhor ao abrir três gols de vantagem frente a um rival.

“Jogo muito equilibrado, um meio campo com muito combate. Foi muito bacana de assistir. Sofremos um pouco por alguns erros que cometemos. São Paulo também. Mas o time fica ligado e agora joga todo para cima”, comentou o treinador, pedindo uma atuação mais linear dos seus comandados.

“Falta estabilidade nos 90 minutos. Eu acho que é o entendimento dos jogadores na questão tática. Precisamos chamar o torcedor e ter mais vibração. O Santos terá muita disputa. No conjunto podemos crescer tecnicamente e taticamente. Estamos estudando com vídeos e conhecendo um pouco de cada um. Temos tudo para crescer”, observou Levir.

Outro ponto que mereceu atenção de Levir foi o público de 10.322 torcedores que esteve nas arquibancadas da Vila. Triste por achar que o embate merecia mais pessoas no estádio, ele reconheceu que, talvez, o maior culpado seja o próprio Peixe.

“Acho pouca gente para um jogo dessa magnitude. É clássico. Talvez tenha sido problema com o time. Talvez o time não esteja jogando dentro do que a torcida espero. Mas sei que os jogadores se sentem muito melhor com a presença do torcedor. Com o torcedor causa pressão. A conta não fechou direito, mas apesar do pouco tempo, acho que é questão de chamar o torcedor e mostrar que queremos resultados”, disse, confiante na boa influência dos santistas sobre o elenco.

“A torcida tem uma força extra e pode levar o time à vitória. É muito importante e não tem graça jogar clássico com pouca torcida. Espero estarmos juntos. A caminhada é difícil e sem a torcida até podemos ganhar, mas não tem graça”, concluiu Levir.

Lucas Lima e Copete levam terceiro cartão e não encaram o Atlético-MG

O Santos celebrou uma vitória por 3 a 2 sobre o São Paulo na noite deste domingo, na Vila Belmiro, pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro, mas já sabe que não poderá com dois importantes figuras no meio de semana. Por terem levado o terceiro cartão amarelo, o colombiano Jonathan Copete e o meia Lucas Lima não poderão enfrentar o Atlético-MG, na quarta-feira, às 19h30 (de Brasília), no Independência.

O primeiro amarelado foi o artilheiro do clássico, com três gols, justamente na celebração do seu primeiro tento. Incomodado com uma queimadura grande na sua barriga, Copete fez questão de tirar sua camisa e uma segunda pele branca, com manchas de sangue, para mostrar o machucado com o qual tinha de lidar enquanto jogava.

Lucas, por sua vez, acabou sendo advertido já no segundo tempo, ao fazer falta no zagueiro equatoriano Arboleda, em dividida que estava claramente mais para o defensor do que para ele, no campo de ataque. Questionado sobre o assunto, o técnico Levir Culpi lamentou as baixas.

“Estou feliz com algumas coisas que ele está fazendo e triste com algumas coisas que ele está fazendo. Tirar a camisa é uma delas”, disse o treinador com relação a Copete. “Ele é especial, tem qualidades diferentes. É um cara que joga bem na bola aérea. É um cara muito interessante”, concluiu o comandante.

Sem os dois, Levir terá dois dias de treinamento para definir os jogadores que irá utilizar em Belo Horizonte. A expectativa, porém, é que o atacante Bruno Henrique, cortado do clássico, retorne à formação inicial frente aos atleticanos.

Pintado divide culpa por crise e crê em reação de Cueva com Dorival

A crise está, definitivamente, instalada no Morumbi. Com a derrota por 3 a 2 para o Santos, neste domingo, na Vila Belmiro, o São Paulo caiu para a vice-lanterna do Campeonato Brasileiro, com meros 11 pontos, e chegou ao sétimo jogo seguido sem vitórias. Para Pintado, que comandou o time de forma interina no clássico, a responsabilidade pela má fase do clube tem que ser compartilhada com todos.

A declaração do auxiliar, dada após a partida, contradiz o presidente Carlos Augusto de Barros e Silva, o Leco, que afirmou na última terça-feira, um dia depois da demissão de Rogério Ceni, que a diretoria não tinha responsabilidade pelo mau momento da equipe.

“O presidente é a autoridade máxima do clube. Todos nós temos responsabilidade aqui dentro, ninguém pode fugir, escapar ou se esconder. Não dá para carregar em uma pessoa só. Todos nós temos de carregar porque todos estamos trabalhando, estamos incomodados e queremos sair dessa situação. E vamos sair. Não precisamos criar mais problemas, precisamos sair dessa situação e a solução é no campo”, bradou Pintado, no gramado do estádio santista.

Indagado sobre os motivos pelos quais nem sequer relacionou Cueva para o San-São, Pintado disse que tomou a decisão de forma unilateral, com o respaldo da diretoria, que estaria à espera de uma oferta da Turquia pelo peruano. “Foi uma decisão técnica, uma decisão minha. Ele não iria iniciar a partida”, garantiu.

Assegurou ainda não haver problemas entre ele e Cueva, apostando em uma reação do camisa 10 sob o comando de Dorival Júnior, que assumirá a equipe nesta segunda-feira. “Ninguém dentro do São Paulo tem melhor relacionamento com ele do que eu. A gente se conhece desde o México, sempre conversamos. É óbvio que, quando o conjunto tem dificuldade, o jogador que é responsável por criar, ser o melhor e aparecer também tem dificuldade. Com certeza, ele terá uma reação, se quiser, para crescer junto, porque o São Paulo vai reagir”, afirmou.

“O Dorival conhece muito bem a qualidade dele, o que ele pode dar ao São Paulo. Vamos fazer tudo juntos, o time não pode depender só de um, dois ou três. O São Paulo precisa reagir junto. Dois não podem carregar dez, mas dez podem carregar dois ou três. Isso que é importante”, exclamou.

Sobre a indefinição na escalação de Rodrigo Caio, o auxiliar da comissão técnica fixa garantiu que isso não pesou no rendimento da equipe na Vila Belmiro. O zagueiro, que tem uma proposta de 18 milhões de euros (R$ 67,8 milhões) do Zenit, da Rússia, não desceu a serra com a delegação tricolor no último sábado. Neste domingo, porém, se junto ao grupo, já que os europeus ainda não se definiram em relação ao pagamento, que deve acontecer nesta semana.

“Não me atrapalhou porque trabalhamos com e sem o Rodrigo. Em nenhum momento foi descartado, tanto que treinou normalmente. Quando foi liberado para jogar, se incorporou normalmente”, encerrou.

No 19º e penúltimo lugar do Brasileiro, o São Paulo volta a campo nesta quinta-feira, às 19h30 (de Brasília), para enfrentar o lanterna Atlético-GO, no Morumbi. Será a estreia de Dorival Júnior, que será apresentado nesta segunda-feira, às 12h30, no CCT da Barra Funda.




Vitória 0 x 2 Santos

Data: 21/06/2017, quarta-feira, 19h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 9ª rodada
Local: Estádio do Barradão, em Salvador, BA.
Público: 8.179 pagantes
Renda: R$ 112.189,00
Árbitro: Heber Roberto Lopes (SC)
Auxiliares: Carlos Berkenbrock e Helton Nunes (ambos de SC).
Cartões amarelos: Neílton e Geferson (V); David Braz (S).
Gols: Copete (33-1) e Copete (31-2).

VITÓRIA
Fernando Miguel; Leandro Salino (Neílton), Kanu, Fred e Geferson; Willian Farias, Uillian Correia, Patric e Gabriel Xavier (Todinho); David (André Lima) e Kieza.
Técnico: Alexandre Gallo

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Jean Mota; Renato, Alison (Léo Cittadini) e Vitor Bueno (Rafael Longuine); Copete (Arthur Gomes), Bruno Henrique e Kayke.
Técnico: Levir Culpi




Apostando nos contra-ataques, Santos bate Vitória e encosta no topo do Brasileirão

Nos últimos dois anos, o torcedor do Santos se acostumou a ver um time mantendo a posse de bola e sempre buscando a troca de passes para alcançar as conquistas. Porém, esqueça isso no Peixe comandado por Levir Culpi. Pelo menos foi isso que os santistas acompanharam nesta quarta-feira, diante do Vitória, no Barradão. Apostando bastante nos contra-ataques rápidos, o Alvinegro Praiano contou com a inspiração dos velozes Copete, com dois gols, e Bruno Henrique, com duas assistências, para conquistar o triunfo por 2 a 0 e embalar no Campeonato Brasileiro.

Com a vitória, o alvinegro chegou aos 16 pontos, assumiu a terceira colocação e colou nos líderes Grêmio (19) e Corinthians (20). Já o Leão, por sua vez, teve sua sequência de ter jogos sem derrota, estacionou nos oito pontos e pode terminar a rodada na zona de rebaixamento.

O jogo

O duelo até começou equilibrado no Barradão. Jogando em casa, o Vitória tentava sair jogando, enquanto o Santos postava-se no campo de defesa, esperando por um bom contra-ataque. E ele veio aos 16 minutos. Em velocidade, Vitor Bueno deu belo passe entre os zagueiros para Copete. O colombiano ficou na frente de Fernando Miguel, mas não conseguiu descolar o goleiro e a bola foi para escanteio.

Após a cobrança, Bueno pegou a sobra do lado esquerdo e cruzou para Lucas Veríssimo. O zagueiro testou firme e a redonda tirando tinta da trave do Leão.

O Vitória respondeu aos 20 minutos. A jogada até parecia perdida. Porém, uma verdadeira lambança de Alison, que fazia sua estreia em 2017, quase fez os baianos abrirem o placar no Barradão. Após cruzamento de David, o volante furou e Kieza bateu firme. Vanderlei salvou no reflexo. No rebote, o substituto de Thiago Maia tentou afastar, mas chutou em cima de Lucas Veríssimo e a bola quase entrou no gol.

Apostando na velocidade, o Santos não se intimidou com a chance desperdiçada pelo Leão e chegou com perigo mais uma vez. Aos 29, Copete recebeu pelo lado esquerdo e mandou para Bruno Henrique. Livre na área, atacante mandou para fora.

Quatro minutos depois, porém, a velocidade da dupla de pontas do Peixe foi fatal. Bruno Henrique roubou a bola na direita, avançou por todo o gramado e tocou para Copete na entrada da área. E se o companheiro de ataque desperdiçou grande oportunidade momentos antes, o colombiano teve categoria para bater de chapa e abrir o placar no Barradão.

Assim como na primeira etapa, o Santos voltou do intervalo recuado e apostando nos contra-ataques. O único problema é que o Vitória, atrás no marcador, retornou com Neílton no lugar de Leandro Salino e partiu com tudo em busca do empate.

Aos 4 minutos, Geferson tentou um cruzamento da esquerda, mas acabou mandando direto para o gol. Vanderlei, no reflexo, afastou a bola. Na jogada seguinte, Uillian Correia mandou uma bomba da entrada da área e assustou o goleiro santista.

A pressão dos donos da casa continuou. Aos 13, Neílton foi derrubado por David Braz dentro da área. O jogadores do Leão reclamaram muito de pênalti, mas a arbitragem mandou seguir.

Na sequência do lance, novamente apostando nos contra-ataques, Bruno Henrique recebeu de Vitor Bueno e só parou no goleiro Fernando Miguel.

O segundo tempo inteiro seguiu nessa toada, com o Vitória se lançando ao ataque e o Santos buscando o gol em um contragolpe. E quando parecia que o Leão chegaria ao empate, o Peixe conseguiu a tão esperada jogada para ‘matar’ o jogo.

Aos 31 minutos, Bruno Henrique ganhou do zagueiro Fred no lado direito e tocou para Copete. Completamente livre, o colombiano teve tempo para dominar e empurrar para o fundo das redes, marcando o segundo dele no jogo, o quinto em três jogos contra o time baiano.

Com o 2 a 0 no placar, o Vitória praticamente se entregou em campo e o Santos apenas administrou o resultado nos minutos finais. No último lance, ainda

Decisivo contra o Vitória, Copete impressiona Levir: “É uma arma”

Nada melhor que o Vitória para pulverizar a seca de gols de Copete. Sem marcar desde o dia 26 de abril, no triunfo sobre o Paysandu, o colombiano reencontrou o caminho das redes justamente contra seu adversário favorito. Com os dois tentos desta quarta-feira, o atacante ajudou o Peixe a vencer por 2 a 0, no Barradão, e alcançar a terceira colocação do Campeonato Brasileiro.

Além disso, Copete ainda chegou a marca de cinco gols em apenas três jogos contra o Leão. E para completar a noite praticamente perfeita, o colombiano ainda foi bastante elogiado pelo técnico Levir Culpi.

“Ele está me impressionando muito. É velocista e também é finalizador. Tem sido importante na bola parada, pois também cabeceia muito bem. Ele é uma arma muito legal que a gente tem”, explicou o comandante em entrevista coletiva após o triunfo.

“Graças a Deus pude marcar gols importantes. O time atuou muito bem, fez partida excelente e conseguimos os três pontos. Temos um grupo muito fechado, que vem fazendo as coisas pouco a pouco, tratando todos os jogos como uma final”, disse Copete na saída do gramado.

‘Garçom’ contra o Vitória, Bruno Henrique diz: “Prefiro dar passes”

Desde a época de Dorival Júnior no comando, Bruno Henrique já vinha se destacando como um dos melhores do Santos. Rápido e incisivo, o atacante se acostumou a ser o jogadores mais acionado pela equipe. Porém, o jovem de 26 anos tem mostrado dificuldades para finalizar ao gol. Nesta quarta-feira, no triunfo por 2 a 0 sobre o Vitória, em Salvador, pela nona rodada do Campeonato Brasileiro, o atleta novamente sofreu com as chances perdidas, mas compensou com duas assistências para Copete marcar.

“A imprensa me perguntou se eu precisava finalizar mais. Eu preciso sim, afinal, atacante vive de gols. Mas tenho mais facilidade em dar passe do que fazer gols. No Wolfsburg foi assim. Quando joguei na Champions contra o Real eu fui bem, mas por dar assistências”, disse Bruno Henrique na saída do gramado.

Com as duas de hoje, o atacante do Peixe chegou ao número de cinco passes para gol em 27 jogos disputados na temporada.

“Sabíamos que eles (o Vitória) viriam para cima. É normal fazer um jogo como esse dentro de casa e esperar pelo contra-ataque. Com a gente não foi diferente. Eu e Copete temos muita velocidade e isso causa muito estrago na defesa dos times adversários. E hoje não foi diferente e conseguimos um bom resultado no Barradão”, concluiu Bruno Henrique.

Após triunfo, Levir ainda vê erros no Santos e diz: “Tenho feito muito pouco”

Com Dorival Júnior, o Santos vinha sendo alvo de críticas pela torcida e flertava com a zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro. Após o anúncio de Levir Culpi, porém, o Peixe embalou na competição nacional, conseguindo três triunfos em três em quatro jogos e alcançando a terceira colocação, com 16 pontos.

Nesta quarta-feira, foi a vez do Vitória ser a vítima deste ‘novo Santos’. Apostando na velocidade e nos contra-ataques, o alvinegro saiu do Barradão com 2 a 0 no placar. Apesar da boa sequência, Levir ainda acredita que a equipe vem cometendo muitos erros. Além disso, o novo comandante não se vê com méritos pelos triunfos santistas.

“O resultado foi justo, mas olhando pelos erros que cometemos, ainda existe uma distância muito grande para melhorarmos. O time é bom. Joga bem, mas a gente pode melhorar muito. Nós queremos conquistar os títulos. Eu tenho feito muito pouco. Tenho me apoiado mais na comissão técnica e nos jogadores do que tomando decisões”, disse em entrevista coletiva.

Mesmo mantendo a cautela, Levir vê o time ganhando confiança e já admite que o Santos tem condições de conquistar o Brasileirão.

“Os jogos estão afunilando, ainda não é momento decisivo, principalmente no Brasileiro, mas nós estamos pontuando bem, e isso dá um ânimo, confiança e pesa muito no futebol. Eu acho que todos os times do Brasil estão no mesmo nível, claro q no final do campeonato são os que estiverem em ritmo melhor, e eu coloco entre eles o Santos”, concluiu.