Navegando Posts marcados como Coritiba

Santos 3 x 0 Coritiba

Data: 08/08/2015, sábado, 21h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 17ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 12.657 pagantes
Renda: R$ 306.585,00
Árbitro: Igor Junio Benevenuto (MG)
Auxiliares: Kleber Lúcio Gil e Carlos Berkenbrock (ambos de SC).
Cartões amarelos: Lucas Lima (S); João Paulo, Ivan, Ruy e Juninho (C).
Gols: SANTOS: Geuvânio (19-1) e Ivan (43-1, contra); Ricardo Oliveira (14-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Gustavo Henrique, David Braz e Zeca; Thiago Maia (Elano), Renato (Paulo Ricardo) e Lucas Lima; Gabriel, Ricardo Oliveira e Geuvânio (Neto Berola).
Técnico: Dorival Júnior

CORITIBA
Wilson; Ivan (Juan), Rafael Marques, Leandro Silva e Juninho; Alan Santos (Thiago Galhardo), João Paulo e Ruy; Rafhael Lucas, Henrique Almeida (Fabrício Baiano) e Evandro.
Técnico: Ney Franco



Santos mantém ascensão e afunda o Coritiba na Vila Belmiro

O Santos aproveitou a fragilidade do Coritiba para continuar em alta sob o comando de Dorival Júnior. Na noite deste sábado, a equipe do litoral paulista recebeu o lanterna do Campeonato Brasileiro na Vila Belmiro e venceu por 3 a 0, com gols de Geuvânio, Ivan (contra) e Ricardo Oliveira.

O resultado fez o Santos se distanciar da zona de rebaixamento da competição, computando agora com 20 pontos ganhos. Já em situação de desespero, o Coritiba totaliza apenas 12, assim como Vasco e Joinville (que irão se enfrentar no domingo, em São Januário).

O Vasco também é justamente o próximo oponente do Santos – a partida será na de quarta-feira, outra vez na Vila Belmiro. Na mesma noite, o Coritiba tentará se reabilitar diante de outra equipe paulista, o Palmeiras, no Couto Pereira.

O jogo

O Santos obedeceu ao coro dos seus torcedores que estavam na Vila Belmiro e foi para cima do Coritiba desde os primeiros minutos de partida. Com rápidas trocas de passes de seus homens de frente, não demorou a virar alvo da truculência da marcação adversária.

Aos 17 minutos, no entanto, o Santos deu a primeira mostra de que não poderia ser contido com violência. Lucas Lima fez ótima lançamento para Ricardo Oliveira, que ajeitou a bola de cabeça da esquerda para o meio da área. Diante do gol, Gabriel acertou o travessão.

Nem houve tempo para muita lamentação pela chance perdida. Dois minutos mais tarde, Geuvânio clareou para dentro da área pela direita e soltou o pé para acertar o canto do gol defendido por Wilson.

A desvantagem no placar desestabilizou ainda mais o Coritiba. Sem criatividade para dar uma resposta ao Santos, o time visitante apelava para as finalizações de longa distância quando conseguia atacar.

Seguro em campo, o Santos chegou ao segundo gol ainda antes do intervalo. Aos 43, Gabriel rolou a bola para a passagem de Lucas Lima pelo lado direito da área. O meia cruzou rasteiro para o meio, onde Ivan se antecipou a Geuvânio e anotou contra, para frustração de Ney Franco.

O técnico do Coritiba resolveu entrar em ação no intervalo, trocando Ivan por Juan. Como a sua equipe não reagia, ele esperou mais seis minutos para mexer de novo já no segundo tempo. Alan Santos saiu para a entrada de Thiago Galhardo.

Dorival Júnior mudou o Santos pela primeira vez pouco depois, já que Renato reclamou de dores. Bastante aplaudido, o veterano deu lugar a Paulo Ricardo e viu do banco de reservas o seu time ampliar o marcador.

Aos 14 minutos, Geuvânio recebeu a bola do lado direito e teve visão de jogo para cruzar rasteiro para Ricardo Oliveira, que levou a melhor na disputa com a marcação e finalizou para dentro.

Combalido, o Coritiba apostou a sua última ficha em Fabrício Baiano, substituto de Henrique Almeida, porém já tinha forças apenas para cometer faltas mais duras nos atacantes do Santos. Por sua vez, o satisfeito Dorival mandou a campo Neto Berola e Elano nos lugares de Geuvânio e Thiago Maia antes de a bola parar de rolar na Vila Belmiro.

Bastidores – Santos TV:

Jogadores do Santos tentam evitar empolgação depois de nova vitória

Os jogadores do Santos ainda nem haviam deixado o gramado da Vila Belmiro, em meio à comemoração dos torcedores pela vitória por 3 a 0 sobre o Coritiba, e já repetiam o discurso comedido adotado desde a ascensão sob o comando de Dorival Júnior.

“Demos uma respirada, mas ainda estamos muito longe de onde queremos chegar. Apesar de a crescente ser boa, temos obrigação de ir mais à frente na tabela”, pregou o meia Lucas Lima, no final da noite deste sábado.

Ainda que a momentânea 12ª colocação do Campeonato Brasileiro, com 20 pontos ganhos, não satisfaça completamente os santistas, a sequência de bons resultados já serviu para fazer o time fugir da zona de rebaixamento.

“Assino embaixo do que o Lucas falou. Foi uma vitória importante para abrir distância para quem está atrás na tabela, fundamental por ser dentro de casa, mas já devemos pensar no próximo jogo”, avisou o centroavante Ricardo Oliveira, respeitando o também ameaçado Vasco, adversário de quarta-feira, de novo na Vila Belmiro.

O artilheiro do Campeonato Brasileiro ainda aproveitou para repetir o mantra apregoado por Dorival Júnior. “Teremos mais uma final”, disse Ricardo Oliveira. “Isso não é jogada de marketing. Não existe empolgação com a nossa evolução. Cada jogo é uma final para não deixarmos escapar nem um ponto. Esse é o espírito, o caminho para continuar crescendo na competição”, completou.

Artilheiro, Ricardo Oliveira enaltece a sua forma física aos 35 anos

O centroavante Ricardo Oliveira marcou o último gol do Santos – o seu décimo no Campeonato Brasileiro – na vitória por 3 a 0 sobre o Coritiba, na noite deste sábado, e saiu ovacionado do gramado da Vila Belmiro. “Feliz”, conforme repetiu muitas vezes, o artilheiro da competição atribuiu a boa fase ao seu condicionamento físico.

“Sempre fui disciplinado, regrado, cuidando do meu corpo e da minha saúde. Isso é a colheita do que plantei em todos esses anos de futebol profissional e amador. Eu me encontro bem, em plena forma. É algo notório nos jogos”, comemorou Ricardo Oliveira, de 35 anos.

Os gols marcados como veterano também ajudam a estreitar o vínculo do centroavante com o Santos, clube que ele já havia defendido em 2003. “Tive uma primeira passagem, mas essa de agora tem um gosto muito doce”, definiu. “A minha empolgação é nítida. O que importa é que estou feliz e fazendo o que mais gosto”, acrescentou, ainda sorridente.

O entusiasmo é tamanho que já começa fazer com que Ricardo Oliveira sonhe com uma vaga na Seleção Brasileira do técnico Dunga. Para Dorival Júnior, o seu comandante no Santos, o experiente atacante tem totais condições de ser útil à equipe nacional.

Meninos da Vila destacam evolução pessoal sob o comando de Dorival

A chegada de Dorival Júnior ajudou a motivar dois jovens atacantes do Santos. Satisfeitos com mais uma vitória no Campeonato Brasileiro – por 3 a 0 sobre o Coritiba, neste sábado, na Vila Belmiro –, Geuvânio e Gabriel enalteceram o treinador após a partida.

“O professor vem conversando muito com a gente. O entrosamento está cada vez melhor”, comentou Geuvânio, que abriu o placar para o Santos nesta noite. “Foi um bom chute, e a bola entrou no cantinho. Aí, foi só correr para o abraço”, sorriu.

Gabriel passou em branco, mas não deixou de ter uma atuação importante para o Santos construir o resultado positivo. “Estou aprendendo bastante com o professor. Antes, vinha fazendo alguns jogos bons e outros, ruins. Consigo manter uma regularidade agora. Devo continuar assim”, disse o também Menino da Vila.

Mais falante, Geuvânio aproveitou para enaltecer ainda a experiência do “extraordinário” centroavante Ricardo Oliveira, artilheiro do Campeonato Brasileiro, e a criatividade do meia Lucas Lima. Ele tem se divertido com a reação do quarteto ofensivo santista na competição.

“Estou muito feliz pelas brincadeiras que vejo na internet. Nos jogos, passamos a colocar em prática aquilo que treinamos. Vamos continuar trabalhando forte para todos serem ainda mais felizes”, concluiu Geuvânio.

Dorival avisa que a realidade do Santos ainda é a luta contra a degola

Assim como os seus comandados, o técnico Dorival Júnior evitou se empolgar com a vitória por 3 a 0 sobre o lanterna Coritiba, que fez o Santos se distanciar da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro. Para o comandante, ainda é cedo para alimentar maiores ambições na competição.

“Não é a nossa realidade. O Santos está brigando contra o rebaixamento”, sentenciou Dorival. “Conquistamos pontos importantes, mas isso não é suficiente. Essa foi a conversa que tivemos com os jogadores após a partida”, contou.

Os três importantes pontos conquistados contra o Coritiba fizeram o Santos totalizar 20, subindo momentaneamente para a 12ª colocação do Brasileiro – ameaçada pela sequência da rodada, neste domingo.

“Pela aproximação de pontos, é natural abrir a possibilidade para outras situações. Mas, se não continuarmos pontuando, não adianta nada. Até o início da rodada, éramos só a primeira equipe fora da zona de rebaixamento. É por isso que não dá para relaxar e achar que as coisas estão acontecendo de outra forma”, discursou Dorival.

Os jogadores compraram a ideia do treinador santista. Todos eles têm dito que cada partida é como uma final na luta contra a degola. A próxima será contra o também ameaçado Vasco, na noite de quarta-feira, outra vez na Vila Belmiro.

“Todos são adversários duríssimos. O Coritiba está na última posição, mas nos pressionou na Vila, dificultando bastante o nosso trabalho. O Vasco tem uma belíssima equipe e também vai oferecer muitos riscos. Não podemos perder o espírito”, alertou o centroavante Ricardo Oliveira.

Santos 2 x 1 Coritiba

Data: 13/09/2014, sábado, 21h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 21ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 7.075 pagantes
Renda: R$ 129.955,00
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (RJ-FIFA)
Auxiliares: Rodrigo Pereira Joia e Rodrigo Henrique Correa (ambos do RJ).
Cartões amarelos: Alison, Cicinho, Leandro Damião e David Braz (S); Carlinhos, Hélder e Zé Love (C).
Gols: Lucas Lima (13-1) e Robinho (38-1); Dudu (42-2).

SANTOS
Aranha; Cicinho, David Braz, Edu Dracena e Zé Carlos; Alison, Arouca e Lucas Lima (Geuvânio); Gabriel (Rildo), Robinho e Leandro Damião (Souza).
Técnico: Enderson Moreira

CORITIBA
Vanderlei; Ivan, Leandro Almeida, Luccas Claro e Carlinhos; Hélder (Dudu), Gil, Rosinei, Elber (Douglas) e Robinho (Joel); Zé Love.
Técnico: Marquinhos Santos



Com dois golaços, Santos vence o desesperado o Coritiba na Vila Belmiro

Na próxima rodada, Santos volta à Arena do Grêmio, palco da polêmica sobre atos racistas envolvendo o goleiro Aranha

O Santos precisava da vitória em casa para reagir no Campeonato Brasileiro e evitar a crise que rondava a Vila Belmiro. E foi isso que o time de Enderson Moreira fez na noite deste sábado, aos derrotar o Coritiba por 2 a 1. Lucas Lima abriu o placar em belo arremate de fora da área, no ângulo de Vanderlei, e Robinho selou a vitória ainda no primeiro tempo com uma pintura. O craque ficou cara a cara com o goleiro do Coxa e, da meia lua, só tocou por cobertura, para delírio da torcida no estádio Urbano Caldeira. O Coritiba descontou com Dudu, no fim do segundo tempo.

A vitória leva o Peixe aos 29 pontos, ainda em nono lugar na tabela, enquanto o Coritiba estaciona nos 20 e se mantém na zona de rebaixamento, ocupando a 17ª posição. Lembrando que com os jogos deste domingo, as posições na tabela ainda podem sofrer alterações.

O jogo

Santos e Coritiba deram início a partida válida pela 20ª rodada do Campeonato Brasileiro com muita disputa no meio de campo e pouca criatividade. O Peixe, jogando em casa, voltou ao esquema com três atacantes e centralizava suas jogadas em Robinho. No entanto, o Coxa, jogando com cinco homens no meio de campo e apenas Zé Love mais avançado, anulava as tentativas do alvinegro praiano.

A partida permaneceu equilibrada e sem chutes a gol até os 13 minutos, quando Lucas Lima abriu o placar. Gabriel iniciou a jogada no meio de campo e tocou para o meia, que carregou a bola e emendou um petardo de fora da área, no ângulo esquerdo do goleiro adversário.

O gol animou o Santos, que poderia ter ampliado em cobrança de pênalti, mas o árbitro não assinalou a penalidade após Robinho levar uma rasteiro dentro da área. O lance irritou muito o camisa 7 do Peixe.

Porém, a arbitragem também gerou revolta do lado do Coritiba. Aos 30 minutos, após escanteio pela direita de ataque, Luccas Claro empatou o jogo, mas o bandeira assinalou impedimento de Zé Love, que não tocou na bola, mas participou da jogada, após desvio no primeiro pau. O problema é que o atacante do time visitante estava em condição legal.

E para piorar a situação do Coritiba, oito minutos depois, uma bobeira no meio de campo do time do Coxa deu a oportunidade do Santos contra-atacar. Gabriel recebeu pela direita e rolou para Robinho na esquerda. Sozinho, o ídolo da torcida alvinegra viu o goleiro saindo do gol e, da meia lua, só tocou por cobertura. Um golaço na Vila Belmiro.

Precisando somar pontos, o Coritiba voltou para o segundo tempo com Joel no lugar de Robinho. A ideia do técnico Marquinhos Santos era deixar o time com dois atacantes e mais presença de área.

E logo aos 5 minutos, o Coxa teve uma grande chance em bola alçada na área após cobrança de falta. Três jogadores do Coritiba passaram pela bola e perderam a chance diminuir o prejuízo.

O Peixe respondeu com Leandro Damião, que recebeu de Robinho pela esquerda, mas isolou ao tentar chute de esquerda. Aos 15, o terceiro gol santista não saiu por pouco, após Lucas Lima cruzar rasteiro da esquerda e ver bola passar por Robinho e Gabriel, que chegavam para finalizar.

O Coritiba, então, resolveu se abrir. O técnico Marquinhos sacou o volante Hélder e colocou o meia atacante Dudu no jogo, deixando o time mais ofensivo. A tentativa de mandar o time à frente e pressionar o Santos, no entanto, não surtiu efeito. O Peixe seguiu dominando o jogo, até um pouco amis no segundo tempo.

Gabriel, que voltou a ser escalado como titular em função do corte de Thiago Ribeiro, lesionado na lombar, quase marcou o seu aos 24 minutos. O jovem atacante chegou de carrinho, após nova bola cruzada de Lucas Lima, mas não alcançou a bola. Logo em seguida, o camisa 10 foi sacado para a entrada de Rildo.

Já aos 38, Ivan quase marcou um belo gol em chute de longe, mas a bola acabou subindo demais e só assustou Aranha. E aos 42 minutos, o Coxa marcou o seu gol de honra. O meia, que entrou no segundo tempo, bateu de fora da área e contou com a sorte, que desviou em David Braz e tirou Aranha da jogada.

Porém, a reação do Coxa parou por aí. O Santos confirmou a vitória perante ao seu torcedor e o Coritiba segue sua luta contra o rebaixamento.



Pressionado, Santos aposta em Robinho para reagir contra o Coxa ( Em 13/09/2014 )

De volta da seleção, atacante é a maior esperança do time paulista para voltar a vencer e impedir a instalação da crise

Com a crise rondando a Vila Belmiro, Enderson Moreira sabe que uma vitória neste sábado, a partir das 21 horas, é fundamental para ter tranquilidade e sequência no seu trabalho no Santos . Até por isso, o técnico, que vai apenas para seu terceiro jogo à frente da equipe, preferiu não confirmar escalação para o confronto contra o Coritiba , válido pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro .

A boa notícia para o torcedor alvinegro é o retorno de Robinho. O craque voltou da seleção brasileira e é a grande esperança de Enderson Moreira para se recuperar no Campeonato após perder para o Sport, no que foi o sexto resultado negativo do Peixe como visitante.

Além do camisa 7, Alison também retoma sua vaga como primeiro volante e cão de guarda da defesa alvinegra, apesar da forte concorrência de Souza, que tem agradado o treinador.

A grande dúvida é entre Thiago Ribeiro e Gabriel. O jovem, que ficou no banco de reservas na Arena Pernambuco, treinou entre os titulares porque Thiago voltou a sentir a lombar no CT Rei Pelé e é dúvida para a partida. Na derrota para o Leão, o camisa 11 deixou o jogo por causa de uma pancada no local.

Mena segue fora por causa de uma lesão na coxa ocorrida enquanto defendia a seleção do Chile e, com isso, Zé Carlos ganha mais uma chance entre os titulares.

Independente de quem entre em campo, Enderson Moreira sabe que só a vitória interessa. Os muros da Vila Belmiro amanheceram pichados na sexta-feira e o presidente Odílio Rodrigues, cada vez mais pressionado, deixou claro que precisa de resultados imediatos.

Uma derrota em casa, para o Coxa, que está na zona de rebaixamento e vive um clima pesado, muito em função de salários atrasados, pode ter consequências sem precedentes para o alvinegro praiano.

A vitória sobre a Chapecoense, abrindo o returno, deu ao Coritiba uma nova perspectiva de reação dentro do Brasileirão. O time alviverde ainda segue na zona de rebaixamento, mas com um bom resultado fora de casa pode reverter a situação, encaixando ainda a tão sonhada sequência ainda não atingida na competição. Porém, administrar os problemas financeiros, que vazaram para a imprensa durante a semana, e evitar que a crise tenha impacto dentro de campo, será um desafio a mais para o grupo.

Desta vez, o técnico Marquinhos Santos não poderá repetir a escalação. O lateral Norberto e o zagueiro Welinton cumprirão suspensão automática. Com isso, Reginaldo, que andava sem espaço no elenco, e Luccas Claro, respectivamente, devem assumir as vagas. No ataque, Zé Love, que sentiu uma entorse no tornozelo, será reavaliado mas, a princípio, vai para o jogo. Se ficar de fora, o camaronês Joel, que balançou as redes diante dos catarinenses, pode ter a primeira chance como titular. Alex segue fora.

Contra a crise, os contratempos e o pouco tempo para trabalhar, o comandante coxa-branca aposta na superação para fazer um returno com melhor aproveitamento e exorcizar o fantasma do rebaixamento. “O Coritiba tem um grupo que não merece estar onde está e vamos em busca de um segundo turno seguro e que possa nos colocar permanentemente na primeira divisão”, concluiu.


Coritiba 0 x 0 Santos

Data: 26/04/2014, sábado, 18h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 2ª rodada
Local: Estádio Couto Pereira, em Curitiba, PR.
Público: 12.354 pagantes (14.288 total)
Renda: R$ 254.825,00
Árbitro: Emerson de Almeida Ferreira (MG).
Cartões amarelos: Luccas Claro, Zé Love e Gil (C); Cicinho, Alison e Alan Santos (S).

CORITIBA
Vanderlei; Victor Ferraz, Luccas Claro, Leandro Almeida e Carlinhos; Chico (Geraldo), Baraka, Gil e Robinho (Roni); Zé Eduardo e Julio César (Jajá).
Técnico: Celso Roth.

SANTOS
Aranha; Cicinho, David Braz, Jubal e Emerson Palmieri; Alison, Alan Santos e Cícero; Gabriel (Stéfano Yuri), Thiago Ribeiro (Lucas Lima) e Leandro Damião (Geuvânio).
Técnico: Oswaldo de Oliveira



Santos e Coritiba maltratam a bola e empatam sem gols no Paraná

Difícil de assistir. Mais díficil ainda de jogar. Assim foi mais um empate do Santos no Campeonato Brasileiro, desta vez, diante do Coritiba, no Estádio Couto Pereira, pela segunda rodada. Sem inspirações, com performances apáticas de seus principais jogadores, o Peixe não fez uma boa partida e deu indícios de que o empate foi bom demais.

Com muitos desfalques, Oswaldo de Oliveira testou uma formação com três volantes e três atacantes. Sem sucesso. Ao todo, o Santos teve apenas três finalizações. Sem um meia de armação no time, o Santos teve enorme dificuldade em trabalhar a bola no campo de ataque, enquanto que do outro lado, se não fosse a grande atuação do goleiro Aranha, melhor do Santos na partida, o time da Vila Belmiro poderia ter conhecido seu primeiro revés no Campeonato Nacional.

O jogo marcou o reencontro do Santos com Zé Eduardo, o Zé Love, campeão da Libertadores com a camisa do Peixe. O agora camisa 7 do Coxa Branca, teve a grande chance de jogo depois de um lance malabarístico, de bicicleta, que acabou acertando a trave da meta santista.

Depois de dois empates, o Santos terá pela frente o Grêmio no próximo final de semana. A partida contra o time gaúcho será a última em que o Santos jogará na Vila Belmiro antes da paralisação da Copa do Mundo.

O jogo

Delete os dez minutos iniciais de partida. A partir daí é que realmente a bola rolou no Couto Pereira e já com uma chance de gol perdida por Zé Love, sim, aquele. Cara a cara com Aranha, o camisa 7 do Coxa escorregou na hora de finalizar com o pé direito, jogando para fora. Pouco tempo depois, foi a vez do Santos responder na mesma moeda. Gabriel foi lançado nas costas da defesa, viu a saída do goleiro Vanderlei e decidiu dar um toque por cobertura. O chute do atacante santista passou do lado do gol do goleiro do Coritiba.

A partir daí, os lances em que o Santos teve destaque foram todos no sistema defensivo, no sufoco. Ao todo, o time da casa teve duas chances de abrir o placar. Em muitos deles, se não fosse o goleiro Aranha, o Peixe estaria em maus lençóis.

Aos 14 minutos, Zé Eduardo, no lado esquerdo do ataque, avançou e chutou cruzado obrigando o goleiro santista a fazer difícil defesa, no rebote, Robinho, também do Coritiba, encontrou um muro formado por jogadores do Santos bloqueando sua tentativa de finalização. A pressão não parou por aí. Aos 17, após cobrança de escanteio, bate e rebate dentro da pequena área, até que Jajá encontrou espaço suficiente para acertar a trave até que Emerson afastou.

Apático dentro de campo, o Santos parecia estar relaxado demais com o futebol apresentado. Gabriel, que poderia ter aberto o marcador logo no início de partida, era o jogador mais perigoso do Peixe. A segunda finalização do Santos aconteceu somente aos 38 minutos, de novo com o camisa 7. Alan Santos lançou para Gabriel na ponta direita, que driblou dois marcados e teve seu chute desviado para escanteio. E só. De resto nada mais do Peixe procurando o gol.

Vendo que seu time não rendeu absolutamente nada do que esperava no primeiro tempo, Oswaldo de Oliveira mexeu. Uma troca que com certeza deixou o torcedor, de certa forma, feliz. Entrou Geuvânio no lugar de Leandro Damião. O jogo não mudou de cara, mas pelo menos a postura do Santos melhorou. Mais incisivo e com a posse de bola no ataque, porém chutes no gol que é bom, nada.

O jogo ficou bastante fraco durante a segunda etapa, mas pelo menos o Coritiba seguiu sendo o time mais objetivo e que a cada vez que rondava a área santista. Demorou bastante para a primeira finalização da etapa final acontecer. Aos 20, o volante Gil foi quem apareceu pelo lado esquerdo do ataque. Ele fez boa jogada, cruzou para Zé Love, que rolou Robinho chegar chutando de primeira. A bola acabou resvalando na zaga santista e indo para a linha de fundo.

Celso Roth, técnico do Coritiba, viu seu time melhor em campo e fez mudanças de acordo, com o time. Um dos jogadores que entrou, o meia Geraldo, quase que marcou um golaço. Jajá, outro que veio do banco, foi quem fez a jogada na intermediária e cruzou para Geraldo. Dentro da área, nas costas de Cicinho, Geraldo chutou de primeira, o chamado bate-pronto, mas a bola foi para fora, com muito perigo.

Muitos chutões, pouca organização e uma quantidade enorme de passes errados. Sem criação. Por isso, Lucas Lima foi chamado e entrou no lugar do apagado Thiago Ribeiro. Logo quando entrou, o Santos teve seu melhor momento na partida. Com uma excelente troca de passes, a bola chegou para Gabriel na entrada da grande área. O camisa 7 do Peixe resolveu surpreender o goleiro Vanderlei chutando de primeira. Mas não pegou tão bem na bola e o chute saiu fraco para defesa fácil do goleiro do Coxa.

Antes do fim de jogo, o lance capital da partida veio dos pés de Zé Love. Em cruzamento para a área do Peixe, Zé emendou uma bicicleta e acertou a trave – mais uma. O Coritiba esboçou outras jogadas de ataque, mas nada tiveram sucesso. Um jogo apático, onde jogadores do Santos viram o empate com bons olhos.

Bastidores – Santos TV:



Coritiba 1 x 0 Santos

Data : 09/10/2013, quarta-feira, 19h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 27ª rodada
Local: Estádio Major Antônio Couto Pereira, em Curitiba, PR.
Público: 14.406 presentes (11.721 pagantes e 460 não pagantes).
Renda: R$ 189.227,00
Árbitro: Alicio Pena Junior (MG)
Auxiliares: Márcia Bezerra Lopes Caetano (RO) e Marrubson Melo Freitas (DF).
Cartões amarelos: Diogo e Uelliton (C); Arouca, Everton Costa e Neílton (S).
Gol: Júlio César (17-2).

CORITIBA
Vanderlei; Victor Ferraz, Luccas Claro, Leandro Almeida e Diogo; Gil, Uelliton, Robinho (Júnior Urso) e Alex (Lincoln); Júlio César e Geraldo (Carlinhos).
Técnico: Péricles Chamusca

SANTOS
Aranha; Bruno Peres, Edu Dracena, Gustavo Henrique e Emerson Palmieri; Alison, Arouca (Pedro Castro) e Cícero; Everton Costa (Neílton), Thiago Ribeiro e Willian José (Giva).
Técnico: Claudinei Oliveira



Coritiba desencanta, bate o Santos e se afasta da zona da degola

O Coritiba desencantou no Campeonato Brasileiro e com uma boa apresentação no Estádio Couto Pereira bateu o Santos por um magro, mas providencial, 1 a 0, que afasta a equipe da zona de rebaixamento. Com o resultado, chega aos 34 pontos. Já o time paulista perde a chance de encostar no G4 e estaciona em 36.

O Coritiba conseguiu abrir o placar apenas na segunda etapa, aos 17 minutos, com Julio Cesar, que aproveitou cruzamento rasteiro de Robinho para estufar as redes e garantir a primeira vitória do técnico Péricles Chamusca no comando.

O jogo:

Precisando do resultado, o Coritiba começou mostrando seu cartão de visitas. Aos dois minutos, Robinho partiu para a jogada individual e levantou para Alex desviar e exigir grande defesa de Aranha. Aos seis minutos, Gil fez o cruzamento após boa tabela com Geraldo e a defesa santista conseguiu tirar no momento certo e ceder escanteio. O time paranaense se mostrava bem diferente das últimas rodadas, com muito mais vontade em campo.

O Santos marcava forte, especialmente Alex, que não conseguia armar o ataque. Por outro lado, a equipe paulista também não conseguia criar. Aos 18 minutos, Aranha deu um chutão e quase ligou o contra-ataque, mas Luccas Claro dominou a jogada. Aos 23 minutos, William José tabelou com Éverton Costa, recebeu na cara do gol, mas o árbitro anotou impedimento.

A partida ficou equilibrada, mas com poucas oportunidades reais de gol. Aos 27 minutos, Cícero mandou um petardo em cobrança de falta e Vanderlei cedeu escanteio. Aos 35 minutos, triangulação do ataque alviverde e a bola sobrou para Julio César, que mandou uma bomba para carimbar o travessão. O ritmo caiu bastante nos minutos finais.

Para a segunda etapa, as duas equipes retornaram sem alterações. Como no primeiro tempo, o Coritiba começou pressionando. Aos quatro minutos, Gil abriu espaço e chutou para fora, com perigo. Aos seis minutos, Alex, mesmo com dores no pé, mostrou a categoria de sempre ao tentar uma bicicleta, pela linha de fundo.

O Coritiba dominava as ações, mas continuava com dificuldade no último passe. Aos 12 minutos, Alex cobrou escanteio e Luccas Claro testou por cima da meta. Até que, aos 17 minutos, Robinho puxou o contra-ataque e cruzou para Julio Cesar, que bem colocado bateu de primeira para o fundo das redes e abrir o placar. Com 1 a 0 sendo goleada, o técnico Péricles Chamsuca tirou o meia Robinho para a entrada do volante Júnior Urso.

Sem muitas opções, o Santos tentou chegar em cobrança de falta, aos 26 minutos, mas Cícero isolou a bola. Aos 34 minutos, Victor Ferraz serviu Júnior Urso, que bateu forte para defesa de Aranha. Aos 45 minutos, confusão na área alviverde, a bola sobrou para Carlinhos, mas a arbitragem anotou impedimento. O Coritiba administrava bem o resultado, mostrando uma visível evolução em relação às últimas rodadas para reanimar o torcedor.




Vídeos: (1) Gols e (2) melhores momentos.

Santos 2 x 2 Coritiba

Data: 21/07/2013, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 8ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 9.577 pagantes
Renda: R$ 273.395,00
Árbitro: Leandro Pedro Vuaden (RS)
Auxiliares: Marcelo Bertanha Barison e José Eduardo Calza (ambos do RS).
Cartões amarelos: Leandro Almeida (C).
Gols: Neílton (20-1) e Alex (41-1); Cícero (19-2) e Alex (42-2).

SANTOS
Aranha; Rafael Galhardo (Pedro Castro), Edu Dracena, Durval e Léo; Alan Santos, Cícero, Leandrinho (Cicinho) e Montillo; Neílton e Willian José (Giva).
Técnico: Claudinei Oliveira

CORITIBA
Vanderlei; Victor Ferraz, Leandro Almeida, Chico e Iberbia; Junior Urso, Robinho, Alex e Botinelli (Keirrison); Geraldo (Everton Costa) e Deivid.
Técnico: Marquinhos Santos



Alex faz a diferença e arranca empate para o Coritiba diante do Santos

Jogando em casa, paulistas ficaram na frente duas vezes, mas com dois gols do meia, o Coritiba conseguiu um ponto e divide a liderança com o Botafogo

Em uma partida muito movimentada na Vila Belmiro, o Santos perdeu um caminhão de oportunidades e não passou de um empate em 2 a 2 diante do Coritiba, que tinha em seu lado Alex, que buscou o ponto para manter a invencibilidade do time no Campeonato Brasileiro 2013. Enquanto a equipe paulista chega aos 12 pontos, ainda próximo do G-4 da competição, o Coxa, com 16 pontos, fica com a vice-liderança.

Depois de muito equilíbrio nos primeiros minutos, o Peixe abriu o placar aos 20 minutos da primeira etapa, com Neílton, que entrou na área com liberdade, recebeu na medida e empurrou para o fundo das redes. O empate veio com Alex, aos 41 minutos, tocando por cima de Aranha para marcar. Depois do intervalo, Cícero, aos 19 minutos, fez o segundo. Mas Alex, aos 42 minutos, apareceu para igualar.

Na próxima rodada, o Santos vai a Campinas, onde no sábado encara a Ponte Preta, no Estádio Moisés Lucarelli. Já o Coritiba terá pela frente o Vitória, domingo, no Estádio Couto Pereira, em Curitiba.

O jogo

A partida começou brigada na Vila, com as duas equipes buscando o ataque e enfrentado forte marcação. Aos dois minutos, Cícero cobrou falta venenosa e Vanderlei espalmou para salvar. O Coxa respondeu com Júnior Urso, que arriscou de fora da área, mas sem força, fácil para Aranha. A equipe alviverde errava muitos passes no meio-campo, proporcionando alguns contra-ataques ao Peixe.

Lancei incrível aos 11 minutos. Robinho deixou para Alex, que invadiu a área e acertou a trave. No rebote, Deivid, de frente para o gol, mandou pela linha de fundo. O Coritiba subiu de produção e tinha maior posse de bola no ataque. Pelo lado do Santos, sem conseguir entrar na defesa coxa-branca, Montillo arriscou um petardo, de longe, e a boa passou com perigo. Victor Ferraz respondeu de pronto, aos 17 minutos, entrando em diagonal e batendo no ângulo, para fora.

O Peixe chegou ao gol aos 20 minutos, em jogada pela direita que sobrou para Neílton, que com liberdade, dentro da área, só teve o trabalho de empurrar para as redes. O Coritiba sentiu o gol e passou a dar mais espaço. Aos 29 minutos, Galhardo chegou pela direita e mandou a bomba pela linha de fundo. Jogada individual de Alex, aos 36 minutos, e chute saiu torto. Tabela santista na área, aos 39 minutos, e Wiliam José aparece na frente de Vanderlei para arrematar para fora. Aí apareceu o talento de Alex, que aos 41 minutos recebeu com liberdade e com um toque de categoria por cima de Aranha deixou tudo igual.

Para a etapa final, a mesma formação para as duas equipes. Aos dois minutos, Neílton recebeu lançamento em profundidade e Victor Ferraz apareceu para travar e impedir a conclusão da jogada. Ataque coxa-branca, aos nove minutos, o estreante Ibérbia deixou a defesa para trás e bateu em cima de Edu Dracena. O Peixe era um pouco superior, mas sem poder de definição.

Alex voltou a aparecer com um cruzamento preciso, aos 16 minutos, que encontrou a cabeçada certeira de Chico, que parou nas mãos de Aranha. Após cobrança de escanteio, Chico desviou e a bola beijou a trave. Mas a resposta foi fatal. Depois de cobrança de falta, Cícero subiu na área e testou firme para balançar as redes. Neílton chegou a marcar, aos 21 minutos, mas o árbitro anotou impedimento.

O Coxa quase chegou ao empate com Bottinelli, que recebeu na área e com oportunismo desviou pela linha de fundo. O jogo pegou fogo e, aos 23 minutos, bela jogada individual de Montillo, que carimbou a trave. No rebotem Giva bateu a queima roupa e Vanderlei fez milagre. Após quase dois anos fora dos gramados, Keirrison entrou em campo aos 33 minutos. Mas quem quase marcou foi Giva, que parou mais uma vez em Vanderlei. É quando Alex, sempre ele, surge no meio da defesa em bela tabela e chuta no cantinho para deixar tudo igual, aos 42 minutos.

Bastidores – Santos TV:

Claudinei avalia empate do Santos como “amargo”, mas isenta jovens de culpa

Santos esteve à frente do placar contra o Coritiba por duas vezes, mas cedeu o empate

Um empate com “gosto amargo”. Foi assim que o técnico do Santos , Claudinei Oliveira, definiu o r esultado de 2 a 2 contra o Coritiba, na tarde deste domingo, em partida válida pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro . Apesar de demonstrar frustração pelas inúmeras oportunidades perdidas, o treinador santista reconheceu o equilíbrio da partida.

“Principalmente pelas chances que a gente teve depois que fizemos o segundo gol. Eu acho que no primeiro tempo o Coritiba foi melhor. Nos segundo, tivemos mais volume de jogo, marcamos pressão a saída de bola. A sensação que eu tenho é que foi um jogão. Para quem não torce para nenhum dos times, foi um dos melhores jogos do Brasileiro”, disse Claudinei.

O treinador não acredita que a pouca idade de boa parte do ataque santista tenha sido determinante para os erros nas finalizações. Além do experiente Montillo, os jovens Neilton, Giva e Pedro Castro perderam ao menos uma chance clara de gol.

“O Alex também saiu cara a cara com o Aranha, e acertou a trave. Eles não perderam o gol porque são jovens. Perderam porque o goleiro foi bem ou tiveram uma infelicidade. (Também pesa) o momento do jogo e o emocional. Acho que a experiência pesa no momento de segurar a bola”, afirmou.

Lamentação por empate demonstra evolução do Santos, acredita Claudinei

O treinador ainda se mostrou contrário da opinião do lateral esquerdo Léo, que afirmou que a equipe não precisa mais provar nada

Para o técnico Claudinei Oliveira, as lamentações do elenco santista por causa do empate por 2 a 2 contra o Coritiba , em partida disputada no último domingo, na Vila Belmiro, são uma demonstração da evolução do Santos desde que ele assumiu o comando da equipe.

“Olhando para trás, estamos aqui lamentando um empate contra uma equipe que começou a rodada na liderança do campeonato, que é muito entrosada, muito bem armada”, declarou o treinador após o duelo contra os paranaenses.

O treinador ainda se mostrou contrário da opinião do lateral esquerdo Léo, que afirmou que a equipe não precisa mais provar nada.

“Eu particularmente acho que a gente sempre tem que provar alguma coisa”, disse o treinador, citando as desconfianças que cercaram as vitórias contra Atlético-MG, São Paulo e Portuguesa. “Disseram que ganhamos do São Paulo por 2 a 0 porque eles estavam em crise. Sempre tem um ‘mas’. A gente tem que trabalhar para não ter mais esse ‘mas'”.

Claudinei promete conversar sobre posicionamento com Thiago Ribeiro

Thiago Ribeiro foi contratado por 3 milhões de euros (R$ 8,75 milhões) pelos alvinegros, após o Santos fracassar nas tentativas por outros nomes para o setor ofensivo

Novo reforço do Santos , o atacante Thiago Ribeiro chega para ajudar o clube praiano em busca dos seus objetivos no segundo semestre, tanto na Copa do Brasil quanto no Campeonato Brasileiro. O técnico interino, Claudinei Oliveira, elogiou a nova contratação do Peixe, mas fez questão de destacar que pretende conversar com o jogador para saber qual será o seu aproveitamento dentro da equipe santista.

“Precisamos esperá-lo chegar, primeiro. Ele vinha jogado como meia na Itália (no Cagliari), atrás do centroavante. Precisamos ver em que situações ele está apto para jogar. É um jogador bom de atuar pelas beiradas também. Temos de conversar com ele e saber em que situações o Thiago se sente bem”, disse Claudinei, após o empate com o Coritiba, no último domingo, na Vila Belmiro.

Thiago Ribeiro foi contratado por 3 milhões de euros (R$ 8,75 milhões) pelos alvinegros, após o Santos fracassar nas tentativas por outros nomes para o setor ofensivo, como Robinho, do Milan, Kleber, do Grêmio, e Fernandinho, do Al-Jazira-EAU.

Apesar disso, o treinador santista não garante que o atleta será titular incontestável do Peixe. “Temos de valorizar quem está no grupo e respeitar quem está aqui também. Estávamos entre os últimos, subimos na tabela, estamos em sétimo lugar, e com o mesmo time. Ele chega com peso e qualidade para jogar. Mas todos estão buscando seu espaço. Vai depender de quem estiver jogando. É questão de fazer as coisas com coerência e honestidade”, concluiu.

Além de Thiago Ribeiro, que assinou até dezembro de 2017 com o clube praiano, a cúpula alvinegra já havia acertado as contratações dos laterais Cicinho, que estava na Ponte Preta, e Eugênio Mena, chileno que defendia a Universidad do Chile. O volante Misael, que rescindiu com o Grêmio e pertence ao Deportivo Maldonado-URU, também foi contratado.

Léo recordista

Lateral-esquerdo fez a sua 446ª partida com a camisa alvinegra e é o 10º que mais vezes defendeu o clube da Vila Belmiro na história.