Navegando Posts marcados como Couto Pereira

Coritiba 0 x 4 Santos

Data: 25/10/2003, sábado, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 39ª rodada
Local: Estádio Couto Pereira, em Curitiba, PR.
Árbitro: Leonardo Gaciba da Silva (RS)
Auxiliares: Altemir Hausmann (RS) e Paulo Ricardo Silva Conceição (RS)
Cartões amarelos: Neném, André Luís (S), Williams, Nivaldo (C)
Gols: Robinho (22-1) Léo (35-1); Robinho (06-2) e André Luís (23-2).

CORITIBA
Fernando; Ceará, Edinho Baiano, Nivaldo e Adriano; Williams, Roberto Brum (Helinho), Jackson e Djames (Souza); Edu Salles (Lima) e Marcel
Técnico: Paulo Bonamigo

SANTOS
Fábio Costa; Neném (Reginaldo Araújo), Pereira, André Luís e Léo; Paulo Almeida (Daniel), Renato, Elano e Diego (Narciso); Robinho e Fabiano
Técnico: Emerson Leão



Santos, inspirado, goleia Coritiba fora de casa por 4 a 0, na volta de Narciso

O Santos parece ter reencontrado o futebol que encantou milhares de torcedores em 2002, quando sagrou-se campeão brasileiro. Com uma bela apresentação na tarde deste sábado, a equipe goleou o Coritiba por 4 a 0 em pleno estádio Couto Pereira.

Foi a segunda goleada consecutiva da equipe santista fora de casa no Campeonato Brasileiro. Na rodada passada, o time bateu o Bahia por 7 a 4 em Salvador. Com o resultado, o Santos chegou aos 73 pontos, se distanciou ainda mais do Coritiba, com 65 pontos na terceira posição, e diminuiu a diferença para três pontos do líder Cruzeiro (o time mineiro ainda jogaria neste sábado à noite, em casa, contra o Figueirense).

Como esperado, o Coritiba tomou a iniciativa da partida. O Santos, por sua vez, mesmo com dificuldades em sair jogando foi para o ataque. As equipes haviam criado poucas chances até o Santos, mais perigoso em suas descidas, abrir o placar com Robinho, aos 22min, aproveitando bobeira do zagueiro Ceará.

O time do litoral paulista continou melhor após o gol e conseguiu ampliar aos 35min, com Léo. Foi quase um replay do primeiro gol, mas desta vez a jogada saiu dos pés de Diego, que deixou o lateral-esquerdo em boas condições de marcar.

No segundo tempo, o Coritiba veio com toda a força para cima dos santistas e por pouco não abriram o placar. Mas o Santos tinha Robinho. O atacante fez uma jogada genial, no primeiro ataque do alvinegro na etapa final , e ampliou para os santistas, marcando um golaço aos 6min. André Luís, de falta, fechou a goleada aos 23min.

Para completar a festa, Narciso, depois de quatro anos afastado dos gramados devido a uma leucemia, entrou no jogo no lugar de Diego, aos 38min.

O jogo

O primeiro lance da partida aconteceu antes do primeiro minuto de jogo. Elano recebeu passe na direita, na entrada da área, dominou e chutou. O goleiro Fernando teve trabalho para defender, mas conseguiu evitar o gol santista ao cair no canto esquerdo e agarrar a bola.

Na sequência, contra-ataque rápido do time paranaense e, após cruzamento da direita, Edu Salles cabeceou com perigo contra a meta de Fábio Costa, assustando o goleiro santista.

O Coritiba apertou, mas as jogadas de ataque não eram aproveitadas. Com isso, quem quase marcou foi o Santos. Aos 12min, Robinho tabelou com Diego na entrada da grande área, pela direita, e arriscou. O chute, entretanto, saiu muito alto.

O Santos era mais perigoso em suas descidas. Aos 22min, Ceará marcou bobeira na esquerda, em seu campo de defesa, e Robinho ficou a bola. O atacante santista invadiu a área e tocou rasteiro, na saída de Fernando: 1 a 0.

Os paranaenses quase chegaram ao empate aos 27min. Djames, sem marcação na grande área, chutou forte, cruzado, e Fábio Costa espalmou para frente. Para sorte dos santistas, ninguém do Coritiba conseguiu aproveitar o rebote.

Aos 33min, após cobrança de falta em dois lances, Neném arriscou de fora da área, pela esquerda, e o goleiro Fernando, com a visão comprometida devido ao grande número de jogadores em sua frente, quase foi surpreendido. A bola passou à sua esquerda, próxima à trave do goleiro paranaense.

O Santos pressionou e chegou ao segundo gol aos 35min. Diego abriu para Léo na esquera. O lateral ganhou na velocidade da marcação, invadiu a área e chutou rasteiro, cruzado, na saída de Fernando: 2 a 0.

A equipe santista ainda teve boa chance de ampliar aos 41min e aos 45mi, em cobranças de falta. Na primeira, Elano chutou forte, da intermediária, por cima do gol. Na segunda, Diego, da entrada da área, pela esquerda, cobrou por cima do travessão.

O jogo começou quente no segundo tempo. Antes do primeiro minuto de jogo, a torcida paranaense pediu pênalti de Léo em cima de Helinho, que havia entrado no lugar de Roberto Brum. O árbitro gaúcho Leonardo Gaciba da Silva mandou o jogo seguir, para indignação dos torcedores coxa-branca.

Aos 2min, Souza, que foi paa o jogo em substituição a Djames, fez boa jogada na entrada da área, pela esquerda, e chutou forte. O lance já estava sendo paralisado devido ao impedimento do ataque do Coritiba.

Os donos da casa continuaram a pressionar. Aos 4min, Marcel chutou de fora da área e a bola passou muito perto do gol santista.

De repente, na primeira vez que o Santos conseguiu encaixar um contra-ataque, Robinho apareceu e fez um golaço, aos 6min. Após receber bola fora da área, pela esquerda, ele ameaçou tocar para Léo, tirou dois marcadores do Coxa da jogada, invadiu a área e, na saída de Fernando, encobriu o goleiro do time paranaense.

O Santos ampliou aos 23min. Andre Luís cobrou falta da entrada da área, a bola desviou na barreira e enganou o goleiro Fernando, entrando no canto esquerdo do goleiro do time coxa-branca. Era o quarto dos santistas.

O Coritiba, por sua vez, não desanimou e partiu para cima tentando diminuir a diferença. Lima, que havia acabado de entrar no lugar de Edu Salles, carregou bola sem marcação na entrada da área e chutou forte. A bola explodiu no travessão de Fábio Costa.

Narciso entrou no lugar de Diego aos 38min e em sua primeira participação, pelo lado direito, chutou a bola na trave. Elano, aos 41min, cobrou falta de longe, a bola desviou na barreira e quase entrou no gol. Seria o quinto gol.

Após cobrança de escanteio na sequência, Robinho chutou cruzado e Narciso, livre na direita, colocou o pé no meio. A bola passou perto do travessão.

Paraná 1 x 2 Santos

Data: 09/08/2003, sábado, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 25ª rodada
Local: Estádio Couto Pereira, em Curitiba, PR.
Público: 7.884 pagantes
Renda: R$ 112.912,50
Árbitro: Jorge Fernando Rabello (RJ)
Auxiliares: Eurivaldo Faria Lima (RJ) e Mário Jorge Marques Oliveira (RJ)
Cartões amarelos: Léo, Elano, Paulo Almeida, Jerri (S), Renaldo, Rodrigo Silva (P)
Cartão vermelho: André Luís (S)
Gols: Alex (03-1), Renaldo (05-1); Alex (05-2).

PARANÁ
Flávio; Fernando Lombardi, Rodrigo Silva e Cristiano Ávalos; Goiano, Emerson (Flávio Guilherme), Fernando Miguel, Marquinhos e Caio; Renaldo e Maurílio (Fernandinho)
Técnico: Saulo de Freitas

SANTOS
Fábio Costa; Reginaldo Araújo (Alexandre), Alex, André Luís e Léo; Paulo Almeida, Renato, Elano e Diego (Jerri); Fabiano e Val Baiano (Preto)
Técnico: Emerson Leão



Santos vence Paraná e se iguala ao Cruzeiro em número de pontos

Com dois gols do zagueiro Alex, o Santos chegou a 48 pontos, o mesmo número do que o líder Cruzeiro no Campeonato Brasileiro, após vencer o Paraná por 2 a 1, na tarde deste sábado, em Curitiba.

A vitória fora de casa, porém, não foi suficiente para o time paulista assumir a liderança do Brasileirão. No critério de desempate, os cruzeirenses levam a melhor.

Foi a segunda derrota consecutiva do Paraná na competição – na rodada passada, perdeu o clássico regional para o Atlético-PR.

O Santos começou a partida arrasador. Logo aos 4min, Alex, em cobrança de falta, colocou o time paulista na frente. Mas a alegria não durou muito. Na saída de bola, bobeada da defesa santista e Renaldo deixou tudo igual.

Mesmo com o gol de empate dos paranaenses, o Santos não se abalou e continuou melhor na partida. Logo no início do segundo tempo, Alex, agora de cabeça, colocou o Santos na frente do marcador novamente.

Para a próxima partida no Brasileirão, contra o Figueirense, no sábado, em Florianópolis, o técnico Emerson Leão continuará com problemas para escalar a equipe. Léo e Paulo Almeida, com três cartões amarelos, e André Luís, expulso, desfalcam o time.

O jogo

A partida começou muito movimentada. Elano, antes do primeiro minuto de jogo, assustou o goleiro Flávio ao arrancar pela direita e arriscar da entrada da área. A bola passou próxima ao travessão.

O time paulista, um pouco superior dentro de campo, chegou ao gol logo aos 4min. Alex cobrou falta de fora da área, com muita força, e abriu o placar para o Santos.

O Paraná empatou um minuto depois. Na saída de bola, Renaldo recebeu bola na direita e, dentro da área, chutou cruzado, rasteiro. Fábio Costa não conseguiu defender: 1 a 1.

Aos 18min, Diego cobrou falta da esquerda, a bola quicou na área e quase enganou o goleiro do Paraná. No lance seguinte, mais Santos. O estreante Val Baiano recebeu bola e, dentro da área, tentou encobrir o goleiro Flávio. A bola saiu muito alta.

O alvinegro continuou a pressionar. Aos 21min, outra boa oportunidade. Reginaldo Araújo recebeu lançamento na direita, invadiu a área e chutou forte. Mas o goleiro Flávio espalmou, afastando o perigo.

Aos 31min, Fabiano recebeu bola dentro da área, mas chutou muito alto, por cima do gol defendido por Flávio.

O jogo continuou movimentado, com ambas as equipes criando jogadas de ataque. Até que, no final do primeiro tempo, o árbitro carioca Jorge Fernando Rabello decidiu interferir.

Aos 39min, Val Baiano foi derrubado dentro da área e o carioca não marcou pênalti. Na seqüência, aos 41min, Renaldo teve um gol legal anulado devido a um impedimento inexistente.

O treinador Leão não gostou da atuação do meia Diego na primeira etapa e colocou Jerri, outra revelação das categorias de base, em seu lugar.

Aos 5min, após cobrança de escanteio, Alex, sem marcação na pequena área, cabeceou e fez o segundo dele e o segundo do Santos na partida.

O Paraná perdeu a chance de empatar a partida aos 13min. Caio recebeu bola na entrada da área, de frente para o gol, e chutou fraco, fácil para a defesa de Fábio Costa.

O Santos respondeu dois minutos depois. Jerri disparou pela esquerda e cruzou para a grande área. Atento, o goleiro Flávio se antecipou e evitou que a bola

Aos 18min, Val Baiano tabela de cabeça com Fabiano e, quando recebe bola de volta, sozinho de frente para o gol, chuta muito mal, à direita do goleiro do Paraná.

O goleiro Fábio Costa evitou o gol de empate do Paraná em duas oportunidades. A primeira, aos 25min, em chute de Caio. A segunda, aos 28min, em chute à queima-roupa de Marquinhos. Neste último lance, André Luís agrediu o jogador do Paraná e foi expulso.

O Paraná tomou conta do jogo após o gol do Santos, mas não conseguiu marcar.

Coritiba 4 x 2 Santos

Data: 11/09/2002
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – 9ª rodada
Local: Estádio Couto Pereira, em Curitiba, PR.
Público: 12.010
Renda: não divulgada
Árbitro: Leonardo Gaciba da Silva (RS).
Cartões amarelos: Reginaldo Araújo, Alberto, Reginaldo Nascimento, Tcheco, Preto e André Luís (S).
Gols: Diego (24-1), Diego (29-1), Lúcio Flávio (36-1), Edinho Baiano (39-1) e Reginaldo Araújo (40-1); Da Silva (19-2).

CORITIBA
Fernando; Pícoli, Edinho Baiano e Reginaldo Nascimento; Reginaldo Araújo, Roberto Brum, Tcheco, Lucio Flávio e Adriano; Lima e Da Silva (Jabá).
Técnico: Paulo Bonamigo.

SANTOS
Júlio Sérgio; Maurinho (Wellington), Alex, André Luís e Léo; Preto, Renato, Elano (Willian) e Diego; Robinho e Alberto.
Técnico: Emerson Leão.


Santos leva 3 gols em 4 minutos, perde e mantém tabu fora de casa

Uma virada fulminante, construída em quatro minutos, impediu que o Santos conquistasse a sua primeira vitória fora de casa no Brasileiro, hoje, diante do Coritiba. O time paulista fez 2 a 0 no primeiro tempo, mas viu o rival virar ainda na etapa inicial e perdeu por 4 a 2, em Curitiba.

Após obter a vantagem de dois gols, ambos feitos por Diego, em 30 minutos de jogo, os santistas levaram três gols nos primeiros 45 minutos e outro na etapa final.

O resultado impediu que a equipe paulista quebrasse o tabu de 11 meses sem vencer fora de casa. A última vitória foi em outubro do ano passado, por 1 a 0, diante do Atlético-MG, em Minas Gerais.

Com rápidas trocas de passes entre os seus jogadores, o Santos começou a partida de maneira mais ofensiva que seu adversário. Após desperdiçar todas as chances que havia criado, o time paulista abriu o placar aos 24min da etapa inicial, numa cobrança de pênalti sofrido por Robinho.

Diego cobrou no canto direito do goleiro Fernando e fez 1 a 0. O santista havia desperdiçado uma cobrança no jogo anterior, contra o Atlético-PR, na Vila Belmiro.

O Santos continuou mais ofensivo e ampliou a vantagem aos 30min.

Maurinho cruzou, e Diego tocou de pé direito para fazer o seu segundo gol no jogo.

A esperança da torcida do Santos de ver uma goleada começou a se desfazer aos 38min, quando Lúcio Flávio cobrou pênalti no canto direito de Júlio Sérgio e iniciou a reação do Coritiba. O pênalti foi em Tcheco, que cometera a penalidade em Robinho.

Nos minutos seguintes, o Santos perdeu o controle da partida e deu espaço para o Coritiba atacar e virar o placar sem dificuldade.

Aos 40min, Lúcio Flávio cobrou falta pela direita, e Edinho Baiano empurrou a bola para dentro do gol. Um minuto depois, com um chute cruzado de Reginaldo Araújo, o Coritiba fez 3 a 2.

No segundo tempo, o Santos voltou a ser ofensivo, mas sem a rapidez da etapa anterior.

Com uma marcação eficiente, o Coritiba soube neutralizar as jogadas do adversário.

Aos 20min, o time da casa ampliou a vantagem. Lima se livrou da defesa com dribles desconcertantes e chutou, mas Júlio Sérgio defendeu e cedeu o rebote, aproveitado por Da Silva, que chutou livre de marcação e fez 4 a 2.

O gol desanimou de vez os jogadores do Santos. O atacante Robinho deixou o gramado reclamando da zaga da equipe. “Falhamos muito na defesa, e eles mereceram vencer”, afirmou o jogador.

Fontes: Jornal Folha de São Paulo e Revista Lance.

Coritiba 2 x 1 Santos

Data: 05/11/2000, domingo, 17h00.
Competição: Copa João Havelange (Campeonato Brasileiro) – Módulo Azul – 1ª Fase – 20ª rodada
Local: Estádio Couto Pereira, em Curitiba, PR.
Público: 2.332 pagantes
Renda: R$ 25.120,00
Árbitro: Reinaldo Ribas Vieira (RJ)
Cartões amarelos: Williams, Djames e Luís Carlos (C); Sangaletti, Robert, Dodô, Léo e Claudiomiro (S).
Cartão vermelho: Reginaldo Araújo (C).
Gols: Da Silva (04-1) e Dodô (26-1, de pênalti); Da Silva (44-1).

CORITIBA
Gilberto; Reginaldo Araújo, Allan, Leonardo (Ataliba) e Luiz Carlos; Williams, Vitor, Djames (Leandro Tavares) e Alexandre; Da Silva e Gelson. Técnico: Ivo Wortmann

SANTOS
Carlos Germano; Michel, Preto (Júlio Cesar), Claudiomiro e Leo; Anderson Luiz, Sangaletti, Eduardo Marques (Renato) e Robert; Deivid (André Luis) e Dodô.
Técnico: Carlos Alberto Parreira



Santos perde e fica com chances remotas

Coritiba chega aos 2 a 1 no final, quando time de Parreira dominava jogo; equipe da casa reclama de arbitragem

O Santos desperdiçou ontem grande oportunidade para vencer o Coritiba, resultado que Carlos Alberto Parreira considerava obrigatório para que o time continuasse na luta pela classificação.

No final, acabou sendo derrotado -2 a 1 em Curitiba- e o próprio treinador reconhece que as chances de passar para a próxima fase ficaram muito remotas. O time da Vila Belmiro continua com 24 pontos. O Coritiba, por sua vez, passou para 17, deixando o Corinthians, com 15, no penúltimo lugar da Copa João Havelange.

Após um primeiro tempo em que a equipe de Parreira esteve muito mal em campo, deixando o Coritiba comandar as ações, o Santos reagiu na fase final e criou pelo menos quatro excelentes chances de gol. Em duas ocasiões chegou a acertar a trave do rival.

No final, deixou o Coritiba marcar o segundo gol, quando a equipe da casa estava com um jogador a menos em campo -Reginaldo Araújo havia sido expulso.

Na etapa inicial, o atacante Da Silva abriu a contagem para o Coritiba, marcando logo aos 4min, de cabeça, após cruzamento de Djames.

Aos 24min, o meia Vítor levou uma bolada no rosto, dentro da área santista, e o juiz marcou pênalti, como se o atleta do Coritiba tivesse colocado propositalmente a mão na bola -o que não ocorreu- para salvar o gol do adversário.

No segundo tempo, o panorama da partida mudou. Aos 23min, depois de já ter mandado a bola numa das traves do goleiro Gilberto, o Santos voltou a acertar a trave, com Michel. Em seguida, Dodô, livre, errou o chute.

Cinco minutos depois foi a vez de Claudiomiro desperdiçar grande chance, após um escanteio cobrado por Robert.

Justamente quando o Santos parecia mais próximo da vitória do que o time da casa, o Coritiba surpreendeu. Depois de ter reclamado de pênalti que não foi assinalado pela arbitragem e de ter um jogador -Reginaldo Araújo- expulso, a equipe paranaense chegou a seu segundo gol. O meia Vítor cruzou, e o atacante Da Silva só tocou para colocar o Coritiba em vantagem.

Na saída, o árbitro Reinaldo Ribas Vieira foi muito xingado pelos torcedores, não só pelo pênalti dado contra o Coritiba, mas também pelo pênalti que não marcou no final do jogo e pela expulsão de Araújo por reclamação.

Quem também teve problemas com a torcida local foi Parreira. O treinador, poupado pelos torcedores do Santos que foram ao Couto Pereira, deixou o gramado sendo chamado de “”burro”.

Apesar de reconhecer que as chances de o Santos se classificar ficaram muito pequenas, Parreira não cogita sair antes do final da Copa JH. Ele assinou contrato por dois meses, até dezembro, e na semana passada levou o time para um “retiro” em Jarinu (interior de SP).

Até agora, o Santos perdeu os dois jogos sob seu comando.

Para Parreira, falta tranquilidade

Para o técnico Carlos Alberto Parreira, faltou tranquilidade para o time sair com uma vitória de Curitiba.

“Tem que entrar em campo, correr e marcar os gols que estamos perdendo. Estamos numa situação desconfortável, mas temos de suportar a pressão. Nossas chances são matemáticas, mas vamos atrás delas”, disse o técnico, que ainda não conseguiu vencer no comando do Santos.

“Não sei direito o que acontece conosco. Fomos melhores, acertamos duas bolas na trave. Mas o momento não é bom. Estamos praticamente eliminados”, lamentou o atacante Dodô, que perdeu duas grandes chances de gol durante a partida.

O zagueiro Claudiomiro também se mostrava inconformado com o resultado. “Houve uma desatenção, e acabamos perdendo”, reclamou o atleta santista.


Coritiba 0 x 1 Santos

Data: 27/04/2000, quinta-feira, 21h00.
Competição: Copa do Brasil – 3ª fase – Jogo de ida
Local: Estádio Couto Pereira, em Curitiba, PR.
Público e renda: N/D
Árbitro: Carlos Eugênio Simon (RS)
Cartões amarelos: Baiano e Rincón (S).
Gol: Valdo (44-2).

CORITIBA
Gilberto; Flávio, Léo Devanir, Reginaldo Araújo; Veiga, Leandro Tavares, Ataliba, João Santos (Anderson Cruz); Marquinhos Cambalhota (Marcelo Lipatin), Robert (Marcel) e Marcinho.
Técnico: Lori Sandri

SANTOS
Carlos Germano; Michel, Galván, Claudiomiro e Rubens Cardoso; Baiano (Anderson Luiz), Rincón, Valdo e Caio; Dodô e Valdir Bigode (Deivid).
Técnico: Carlos Alberto Silva



Santos bate Coritiba e mantém técnico

Com um gol de falta do meia Valdo aos 47min do segundo tempo, o Santos venceu o Coritiba por 1 a 0, em Curitiba (PR), e deu um grande passo para conquistar uma vaga nas oitavas-de-final da Copa do Brasil.

O resultado também foi importante para o técnico Carlos Alberto Silva, que poderia ser demitido em caso de derrota santista.

Na partida de volta, na próxima quarta-feira, na Vila Belmiro, o time do Paraná precisa vencer fazendo pelo menos dois gols. Se o Santos perder por 1 a 0, a vaga será disputada nos pênaltis. O empate classifica a equipe santista.

O capitão do Santos, Rincón, que havia atuado anteontem pela seleção colombiana, na Bolívia, jogou durante os 90 minutos.

Na primeiro etapa, a equipe do Santos teve apenas duas oportunidades de gol. A primeira chance foi com o atacante Dodô, que cabeceou a bola nas mãos do goleiro Gilberto. Logo em seguida, em uma cobrança de falta, Baiano, que atuou como volante, levou perigo para o time paranaense.

Já o time da casa desperdiçou uma chance de gol com o meio-campista Robert. Na entrada da pequena área, ele acertou a rede pelo lado de fora.

No segundo tempo, aos 19min, Dodô teve a melhor chance para abrir o placar, mas chutou à direita da meta do Coritiba. Em outra chance desperdiçada, aos 28min, após cruzamento da direita, Dodô cabeceou para fora.

O Coritiba teve sua melhor chance no jogo aos 41min. Claudiomiro derrubou Ânderson na área, e o árbitro marcou pênalti. Na cobrança, Leandro Tavares chutou por cima.

Narciso

O jogador Narciso, 26 anos, começou ontem o tratamento contra a leucemia (câncer no sangue) no Hospital de Clínicas da Universidade Federal do Paraná, em Curitiba. Ele teve injetado no corpo, na altura do tórax, dois tubos de plástico, pelos quais receberá a medicação durante o período em que permanecer internado.

A cirurgia para o transplante de medula óssea deverá ocorrer na sexta-feira da semana que vem.