Navegando Posts marcados como Danilo

Data: 06/04/2011
Competição: Copa Libertadores – Grupo 5 – 4ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 11.871 pagantes
Renda: R$ 537.295,00
Árbitro: Roberto Silvera (URU), auxiliado por Maurício Espinosa (URU) e Marcelo Costa (URU).
Cartão vermelho: Neymar, Zé Eduardo e Elano (S); Scotti e Jorquera (CC)
Cartões amarelos: Neymar, Elano, Ganso, Rafael (S), Wilchez, Magallanes, Cabión, Cabrera (CC)
Gols: Elano (34-1), Danilo (35-1); Neymar (07-2), Jerez (36-2) e Rúbio (41-2).

SANTOS
Rafael, Pará (Bruno Aguiar), Dracena, Durval e Léo; Adriano, Danilo, Elano e Ganso (Alex Sandro); Neymar e Zé Eduardo.
Técnico (interino): Marcelo Martelotte

COLO-COLO
Castillo, Magallanes, Cabrero, Scotti e Jerez; Mena (Cabión), Salcedo (Gazale), Fuenzalida (Rubio), Wilchez e Jorquera; Miralles
Técnico: Américo Gallego



Santos vive drama em vitória para Muricy, respira, mas perde Elano e Neymar expulsos

A noite, aparentemente, de festa para a torcida santista se transformou em drama e apreensão futura. O Santos passeava em campo na Vila Belmiro, nesta quarta-feira, e vencia o Colo-Colo por 3 a 0, pela Libertadores, sob os olhares de Muricy Ramalho, presente no camarote presidencial.

No entanto, Neymar, autor de um golaço no início do segundo tempo, foi expulso ao comemorar usando uma máscara de propaganda pessoal com o seu rosto. A situação mudou, o adversário marcou dois gols, assustou, e ainda contou com a infantil expusão de Elano por atirar uma toalha para o campo quando estava no banco de reservas. A vitória foi garantida, mas o meia e o jovem atacante estão fora da partida considerada decisiva na Libertadores, diante do Cerro Porteño, na próxima semana, no Paraguai.

Minutos depois de perder Neymar, Zé Eduardo também foi expulso juntamente com o zagueiro rival Scotti após desentendimento entre ambos. Antes disso, o Santos já havia garantido uma certa tranquilidade na partida com os gols de Elano e Danilo na primeira etapa.

Como se não bastasse a situação dramática desenhada por Elano e Neymar, o Santos ainda viu Paulo Henrique Ganso ser substituído ao sair de campo na maca, reclamando de dores.

Com o triunfo, o Santos ainda não entra na zona de classificação às oitavas-de-final, permanece na terceira posição do grupo 5, agora com cinco pontos, mas cumpre a primeira etapa do “reinício” na competição, após três jogos sem vitória.

O Colo-Colo caiu para a vice-liderança, com seis pontos, enquanto o Cerro Porteño assumiu a ponta, com 8. O lanterna é o Deportivo Táchira, da Venezuela, com apenas 2.

O próximo duelo santista na Libertadores, diante do Cerro Porteño, no Paraguai, quinta-feira, dia 14 de abril tem ares de decisão, pois uma derrota pode resultar na eliminação do Santos. Isso vai acontecer se, também, o Colo-Colo vencer o Deportivo Táchira, na Venezuela. Algo que parece simples.

O Santos entrou em campo contagiado pela animação da torcida e impôs uma imensa pressão ao adversário, mesmo que de maneira desordenada. Danilo era o único santista com liberdade para percorrer pelo campo, e aproveitava os espaços para aparecer na grande área. Foi dele o primeiro lance de perigo, logo aos 2 minutos.

O Colo-Colo optou por deixar o centroavante Miralles isolado na frente, e não conseguia encaixar os perigosos contra-ataques apresentados no duelo em Santiago.

Tanto que a melhor chance da equipe chilena na primeira etapa foi de bola parada. Aos 26 minutos, Wilchez tentou cruzar a bola na área, acabou pegando errado nela, e viu a tentativa terminar no travessão de Rafael.

A partir deste lance, a torcida santista passou a sentir angustia no estádio. O gol estava demorando a sair. O momento tão esperado só aconteceu aos 33 minutos, quando Elano acertou uma linda cobrança de falta de média distância no ângulo esquerdo de Castillo.

A torcida, santista, aliviada, voltou a empurrar o time com veemência, e foi recompensada dois minutos depois com o gol de Danilo, novamente, o elemento surpresa na grande área do adversário.

Apesar do resultado adverso, o Colo-Colo não optou por modificar a maneira de jogar, e passou o restante da primeira etapa esperando pacientemente por um bom contra-ataque. Algo que não aconteceu.

O Santos levou uma bela vantagem para o segundo tempo, e rapidamente aumento com o golaço de Neymar, aos 6 minutos. A festa só não foi grande, pois a expulsão do jovem na comemoração baqueou os torcedores.

O alvinegro sentiu o peso em campo, e se limitou a tocar a bola, esperando o tempo passar. O Colo-Colo diminuiu com Jerez, aos 36 minutos, e Diego Rubio, aos 41 minutos. Apesar do resultado, o desfecho da partida parece ter feito aumentar o drama santista na Libertadores.

Goiás 1 x 4 Santos

Data: 21/11/2010, domingo, 19h30.
Competição: Campeonato Brasileiro
Local: Estádio Serra Dourada, em Goiânia, GO.
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (Fifa-RJ)
Auxiliares: Dibert Pedrosa Moisés (Fifa-RJ) e Rodrigo Pereira Jóia (RJ)
Cartões amarelos: Wellington Saci, Valmir Lucas e Otacílio Neto (G); Rodriguinho e Neymar (S).
Gols: Ernando (11-1), Danilo (19-1); Neymar (30-2, de pênalti), Neymar (33-2) e Neymar (37-2).

GOIÁS
Harlei; Rafael Toloi, Ernando e Valmir Lucas; Douglas, Amaral, Carlos Alberto (Rithelly), Marcelo Costa (Bernardo) e Wellington Saci; Otacílio Neto e Wendell Lira (Everton Santos)
Técnico: Arthur Neto

SANTOS
Rafael; Danilo (Maranhão), Edu Dracena, Durval e Pará; Adriano, Arouca (Roberto Brum), Rodriguinho e Marquinhos (Felipe Anderson); Neymar e Zé Eduardo
Técnico: Marcelo Martelotte (interino)



Neymar dá show, marca três gols e rebaixa Goiás à Segunda Divisão

Time goiano saiu vencendo, mas não resistiu ao jogo ofensivo do Santos e acabou sofrendo a virada e a goleada, que custou o rebaixamento para a Série B do Brasileiro.

O jogo era a última cartada do Goiás para tentar permanecer na primeira divisão do futebol brasileiro. Mas o atacante Neymar, do Santos, não tomou conhecimento do sofrimento esmeraldino e, com três gols, comandou a vitória do Santos por 4 a 1, na noite deste domingo, no Serra Dourada. Esse resultado rebaixou matematicamente o Goiás para a Série B do Brasileirão.

Com esse resultado, os esmeraldinos continuam com 32 pontos, na penúltima posição do campeonato, e cumprem tabela nas duas últimas rodadas do Brasileiro. No próximo domingo, os goianos visitam o Atlético-MG, na Arena do Jacaré.

Já os santistas permanecem na sétima colocação, agora com 55 pontos ganhos, dando fim a um jejum de sete confrontos sem vitórias (seis pelo Brasileirão e um amistoso). Na próxima rodada, o Alvinegro Praiano visita o Avaí, também no domingo, às 17 horas (horário de Brasília), na Ressacada.

O jogo

O jogo começou com 40 minutos de atraso, devido a falta de energia elétrica no Serra Dourada, mas quando a bola rolou, as duas equipes partiram em busca do ataque.

O Goiás foi o primeiro a ameaçar o gol de Rafael. Aos sete minutos, o atacante Otacílio Neto – um dos que recebeu oportunidade do técnico Arthur Neto na vaga de Rafael Moura – tabelou com o volante Carlos Alberto arriscou um chute de longe para boa defesa do goleiro do Santos, que espalmou a bola pela linha de fundo.

Melhores em campo, os esmeraldinos chegaram ao gol, aos 11. Em cobrança de escanteio, o zagueiro Ernando aproveitou a bobeada da defesa santista, subindo mais alto que os seus adversários e testando a bola no canto direito de Rafael: 1 a 0.

A partir do tento assinalado pelos donos da casa, o Peixe passou a dar sinais de que poderia reagir. E a resposta alvinegra não demorou. Isto porque, aos 19, o lateral direito Danilo fez boa jogada individual, driblando a marcação e finalizando no canto direito de Harlei, que nada pôde fazer para evitar o gol de empate do time da Vila Belmiro.

Mais ofensivo, o Santos quase conseguiu a virada. Aos 22, após a defesa do Goiás afastar o perigo de sua área por duas vezes, Durval recebeu a bola na esquerda da grande área rival, chutou para o meio da área e seu companheiro de zaga, Edu Dracena, completou o lance, mandando a bola na trave esquerda de Harlei.

Com o empate e o conseqüente rebaixamento matemático, os esmeraldinos passaram a abrir espaços para os contra-ataques santistas. Em um deles, aos 26, Zé Eduardo foi lançado em velocidade por Neymar e, ao bater na saída de Harlei, mandou a bola à direita do arqueiro goiano, pela linha de fundo.

O Peixe quase chegou ao seu segundo gol, antes do intervalo, em outra boa chance criada pelo seu ataque. Aos 35, Marquinhos cobrou falta para Zé Eduardo, que tocou de calcanhar para a passagem de Neymar. A Joia dominou a bola e tocou no canto esquerdo de Harlei, com o pé direito, mas sem direção, a bola saiu lentamente pela linha de fundo.

Na volta para o intervalo, o treinador do Goiás sacou o volante Carlos Alberto para a entrada do meia Rithelly. Antes, no final do primeiro tempo, Arthur Neto já tinha trocado Marcelo Costa por Bernardo.

Só que a primeira boa oportunidade de gol da etapa complementar foi santista. Aos nove, Neymar fez boa jogada individual, enganando a zaga esmeraldina, mas na hora de arrematar, o camisa 11 mandou a bola por cima da trave de Harlei.

Insatisfeito com o empate, o técnico interino alvinegro, Marcelo Martelotte, promoveu três alterações no seu time. A primeira, aos 16, foi a saída de Marquinhos para a entrada do jovem Felipe Anderson, no meio. A segunda, com 20, foi Maranhão no lugar de Danilo, na lateral direita. Por último, aos 23, foi a vez de Martelotte trocar um volante por outro, com Roberto Brum na vaga de Arouca. No mesmo minuto, Everton Santos substituiu Wendell Lira, no Goiás.

Procurando o segundo gol, o Santos finalmente alcançou o seu objetivo, aos 30. Neymar tentou o drible em Rafael Toloi, foi tocado pelo zagueiro, e o árbitro marcou pênalti. Após ter que repetir a cobrança e tomar cartão amarelo, por tentado ludibriar Harlei, Neymar bateu a penalidade com categoria, deslocando o arqueiro esmeraldino e mandando a bola no canto direito, colocando a sua equipe em vantagem no placar.

No entanto, ainda havia tempo para os santistas balançarem as redes mais duas vezes, ambas com Neymar. Aos 33, o atacante recebeu um cruzamento vindo da direita na grande área, limpou a marcação e bateu no canto direito para marcar o terceiro gol do Peixe. Aos 37, Neymar recebeu bola em profundidade, arrancou em velocidade para o gol e, com uma “cavadinha”, encobriu Harlei: 4 a 1. Esse gol do craque alvinegro decretou, enfim, o rebaixamento do Goiás à Série B do Brasileirão.

Vasco 3 x 1 Santos

Data: 28/09/2010, terça-feira, 21h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 26ª rodada
Local: Estádio de São Januário, Rio de Janeiro, RJ.
Público: 2.819 pagantes
Renda: R$ 62.720,00
Árbitro: Wilton Pereira Sampaio (DF)
Auxiliares: Marrubson Melo Freitas (DF) e Guilherme Dias Camilo (MG)
Cartões amarelos: Rafael Coelho, Felipe Bastos, Jumar (V); Pará, Rafael, Arouca e Alex Sandro (S).
Cartões vermelhos: Jumar (V)
Gols: Fagner (30-1), Felipe (37-1), Danilo (10-2) e Eder Luis (50-2).

VASCO
Fernando Prass; Fagner, Titi, Cesinha e Max; Jumar, Felipe Bastos (Rômulo), Felipe (Alan) e Zé Roberto; Éder Luís e Rafael Coelho (Jonathan)
Técnico: PC Gusmão

SANTOS
Rafael; Danilo, Edu Dracena, Durval e Alex Sandro; Roberto Brum (Thiago Luis), Arouca e Marquinhos (Alan Patrick); Zezinho (Pará), Marcel e Neymar
Técnico: Marcelo Martelotte (interino)



Vasco vence o Santos e quebra jejum de vitórias em São Januário

Equipe carioca não vencia em seu estádio desde o dia 7 de agosto, pela 13ª rodada do Campeonato Brasileiro. Eder Luís fez lindo gol fechando o placar, quando o time tinha um a menos

O Vasco venceu o Santos por 3 a 1, nesta terça-feira, em São Januário, pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro, e quebrou um jejum de vitórias em seu estadio, onde não vencia desde o dia 7 de agosto, quando bateu o Vitória por 1 a 0, pela 13ª rodada da competição.

Os jogadores do time carioca construíram o placar ainda no primeiro tempo, com gols de Fagner e Felipe. No finalzinho do jogo, Eder Luis fechou o placar em bela jogada individual e marcou um golaço. O lateral Danilo descontou para o Santos, que não conseguiu evitar a derrota.

O time da casa fez um grande primeiro tempo. Na segunda etapa, o Santos voltou melhor e deminuiu o marcador. Neymar teve duas boas oportunidades para empatar o jogo, mas errou na finalização. O camisa 11 ainda provocou a expulsão do volante Jumar, que fez marcação individual no atacante santista.

Com a vitória, o Vasco soma 33 pontos e sobe duas posições na tabela, chegando à 12ª colocação. Já o Santos permanece na sexta posição, com 38 pontos ganhos. Porém, os santistas podem cair na tabela, já que o Atlético-PR, que também soma 38 pontos, joga contra o Vitória, nesta quarta-feira, em Curitiba.

Após a vitória contra o Santos, o Vasco recebe o Goiás, no próximo sábado, às 21h (de Brasília), em São Januário. Já o Santos jogará um clássico contra o Palmeiras, no próximo sábado, às 16h (de Brasília), na Vila Belmiro.

O jogo

Precisando do resultado, o Vasco foi para o ataque logo nos minutos iniciais, mas não conseguiu finalizar e cedeu o contra-ataque ao Santos, que conseguiu uma falta no lado esquerdo do ataque. Na cobrança, Marquinhos cobrou direto para o gol e Fernando Prass fez boa defesa.

Na sequência, o Santos teve outra boa oportunidade de gol. Após uma jogada individual de Arouca, o lateral-direito Danilo recebeu na direita e cruzou para Marcel na área. O atacante recebeu sozinho, mas falhou na tentativa de fazer um gol de bicicleta. Depois, as duas equipes valorizavam a posse de bola e optavam pela cautela no primeiro tempo.

No entanto, aos 30 minutos, o Vasco conseguiu abrir o marcador em uma jogada de velocidade. Fagner tabelou com Éder Luís, que driblou o marcador e devolveu para o lateral abrir o placar. Depois do primeiro gol, a equipe carioca optou por jogar nos contra-ataques.

Em um deles, o atacante Zé Roberto lançou Felipe, que dominou na entrada da área e tocou para Rafael Coelho. O atacante foi derrubado pelo goleiro Rafael e o árbitro marcou pênalti. Felipe cobrou e o goleiro defendeu, a bola ainda bateu na trave, mas no rebote, o meia chutou e marcou o segundo gol do Vasco.

No segundo tempo, o Santos voltou com uma alteração. Marcelo Martelotte, que havia dispensado as improvisações de Dorival Júnior, sacou Zezinho e colocou Pará. Desta forma, Danilo foi deslocado para o meio-campo e Pará assumiu a lateral-direita. A substituição deu resultado. Aos dez minutos, o zagueiro Tite tropeça na bola, Arouca se aproveita e toca para Danilo, que chutou no canto direito do goleiro para fazer o primeiro gol do Santos.

Após o gol dos santistas, o técnico Paulo César Gusmão mexeu na equipe. Entraram Rômulo, Alan e Jonathan nas vagas de Felipe Bastos, Felipe e Rafael Coelho, respectivamente. Aos 24 minutos, Neymar fez linda jogada pela esquerda e foi derrubado na entrada da área por Jumar, que recebeu o cartão amarelo. Na cobrança, Marquinhos chutou em cima da barreira.

No Santos, Martelotte fez a segunda substituição e colocou Alan Patrick na vaga de Marquinhos. Aos 31 minutos, Jumar derrubou Neymar novamente e foi expulso. Com um jogador a mais, o técnico santista colocou Thiago Luis na vaga de Roberto Brum. Aos 41 minutos, Neymar recebeu falta e pediu para cobrar.

Porém, o atacante bateu mal na bola e jogou por cima do gol. o Santos ainda pressionou no finalzinho, mas não conseguiu empatar. Se não bastasse, aos 50 minutos, o atacante Eder Luis arrancou do meio-campo, invadiu a área e fechou o marcador em 3 a 1.

Santos 2 x 0 Atlético-MG

Data: 22/08/2010, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro 15ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 10.220 pagantes
Renda: R$ 263.875,00
Árbitro: Heber Roberto Lopes (Fifa)
Auxiliares: Roberto Braatz (Fifa) e Gilson Bento Coutinho (PR).
Cartões amarelos: Serginho, Rafael Jataí, Edison Mendez, Diego Tardelli (A); Danilo, Durval, Paulo Henrique Ganso, Bruno Aguiar (S).
Gols: Neymar (12-2) e Danilo (33-2).

SANTOS
Rafael; Pará, Bruno Aguiar, Durval e Léo; Arouca, Zezinho (Roberto Brum), Danilo e Paulo Henrique Ganso; Marcel (Keirrison) e Neymar (Mádson).
Técnico: Dorival Júnior

ATLÉTICO-MG
Aranha; Werley (Rafael Cruz), Lima e Réver; Diego Macedo, Rafael Jataí, Serginho (Edson Mendez), Diego Souza e Ricardinho; Diego Tardelli e Neto Berola (Obina).
Técnico: Wanderley Luxemburgo



Após ‘fico’ de Neymar, Santos bate Atlético-MG e reage no Brasileiro

Na primeira partida de Neymar depois da frustrada negociação para o Chelsea, o jovem atacante, autor do primeiro gol do jogo, ajudou o Santos a vencer o Atlético-MG, por 2 a 0, neste domingo, na Vila Belmiro, e a se reabilitar no Campeonato Brasileiro. Com a derrota, o time mineiro interrompeu a reação depois de duas vitórias na temporada e desperdiçou a chance de deixar a zona de rebaixamento.

Durante a semana que passou, a torcida santista viveu a expectativa de uma possível saída de Neymar, que recebeu proposta milionária para defender o renomado Chelsea. Porém, o atacante decidiu permanecer no Santos e aceitar a proposta oferecida pela diretoria, que lhe renderá R$ 500 mil por mês.

Motivado, o jovem atleta, depois de um primeiro discreto, marcou de pênalti aos 12min, sem repetir a polêmica cavadinha da final da Copa Brasil contra o Vitória, em que errou a cobrança na Vila Belmiro. Dessa vez, Neymar bateu “sério”, firme no canto direito. No segundo gol santista, ele deu o passe para Danilo ampliar aos 33min. Em seguida, foi substituído por Madson. A partida marcou a estreia do atacante Keirrison, que atuou no segundo tempo.

O resultado reabilitou o Santos, que vem de eliminação da Copa Sul-Americana para o Avaí e de derrota para o Vitória, por 4 a 2, em Salvador, pelo Brasileirão. Com o triunfo deste domingo, o time paulista chegou a 21 pontos e subiu provisoriamente cinco posições na tabela. A equipe da Vila Belmiro tem um jogo a menos que os adversários, uma vez que o jogo com o Internacional, envolvido com a Libertadores, foi adiado.

Depois de vencer o Grêmio Prudente por 1 a 0 e se classificar para a próxima fase da Sul-Americana e derrotar o Guarani por 3 a 1, em Ipatinga, pelo Brasileirão, o Atlético não conseguiu dar sequência na reação e permaneceu na zona de rebaixamento. Com 13 pontos, o time mineiro ocupa o 18º lugar na tabela. A equipe comandada por Vanderlei Luxemburgo segue sem vencer fora de casa. Como visitante, somou apenas um ponto em 21 disputados.

O Santos volta a jogar na quarta-feira, contra o Grêmio, às 22h, no estádio Olímpico, em Porto Alegre. Já o Atlético joga na quinta-feira, diante do Flamengo, às 21h, no Maracanã, no Rio de Janeiro.

O jogo

Com Keirrison no banco, o Santos iniciou a partida com Marcel ao lado de Neymar e assumiu o domínio da partida. Apesar da pressão sobre o adversário, o time paulista finalizou nove vezes no primeiro tempo, sendo apenas duas certas, de acordo com o levantamento do Datafolha no Placar UOL.

Com três zagueiros e sem lateral-esquerdo de ofício, já que Leandro e Fernandinho estão machucados, o Atlético apostou, principalmente, nos contra-ataques e conseguiu finalizar sete vezes, das quais três tiveram a direção do gol de Rafael.

A melhor chance do Santos ocorreu aos 11min. Paulo Henrique Ganso, em cobrança de falta da meia direita, encontrou Zezinho na área.

O meia cabeceou para a defesa de Aranha, que evitou o gol santista. No rebote, o zagueiro Lima afasta o perigo. Neymar teve participação discreta na primeira parte do jogo.

O Atlético teve dificuldade para conter as investidas do Santos, tanto pelas laterais como pelo meio. O time mineiro conseguiu, no entanto, chegar ao ataque e criar chances de gol.

Na melhor delas, Tardelli lançou Berola, que tocou na saída de Rafael, mas o goleiro santista defendeu e evitou o gol atleticano.

Dorival Júnior promoveu a estreia de Keirrison, que voltou para o segundo tempo no lugar de Marcel. O Atlético retornou a campo com a mesma formação.

Aos 11min, o árbitro Heber Roberto Lopes marcou pênalti para o Santos. No lance, bastante reclamado pelos atleticanos, Zezinho cruza da direita e a bola toca na mão do zagueiro Werley. Neymar foi para a cobrança e bateu firme no canto direito de Aranha.

Luxemburgo fez duas mudanças no Atlético: saíram Werley e Serginho para a entrada de Rafael Cruz e do equatoriano Mendéz, que fez sua estreia pelo time mineiro. Com as modificações, o time mineiro passou a atuar no 4-4-2. Em seguida, Obina substituiu Neto Berola.

Apesar de o Atlético melhorar na partida, o Santos foi mais eficiente e decidiu o jogo aos 33min. Neymar deu boa assistência para Danilo, que entrou na área e bateu cruzado no canto esquerdo de Aranha.

Novamente titular no Santos, Léo ignora boatos e revela jogar no sacrifício

Depois de deixar o time santista por causa de uma lesão e ficar algumas partidas no banco de reservas, o lateral-esquerdo Léo mais uma vez figurou entre os titulares de Dorival Júnior neste domingo, na vitória sobre o Atlético-MG, na Vila Belmiro. Ainda com dores, o jogador tratou como ‘piada’ os boatos de que teria se desentendido com Alex Sandro, seu ‘concorrente’ na posição.

“Não sai do time porque não tenho condição de jogar, sai por lesão. A gente fica dando risada no vestiário de tanta gente que fala besteira. Joga quem puder ajudar mais o grupo”, afirmou Léo, que disse ainda sentir dores por causa da contusão na coxa. Ate por isso, o lateral explicou que tem se preservado mais na hora de ir para o ataque.

“Eu ainda sinto a dor no ombro, sinto a dor na coxa, tanto é que eu fico na boa atrás. Não tem tanta necessidade, temos muita qualidade do meio para frente e do outro lado o Pará apóia muito ainda”, explicou o camisa 3 do Santos. Por fim, Léo falou sobre a recuperação santista e as chances de a equipe brigar por título.

“A gente tem que correr atrás ainda, temos muitos pontos atrás, mas com o empenho que estamos tendo, com o que estamos buscando, não tem facilidade”, completou o lateral santista.

Atleticanos protestam contra marcação de pênalti para o Santos

Depois de o Atlético-MG perder por 2 a 0 para o Santos, neste domingo, na Vila Belmiro, os zagueiros atleticanos Lima e Werley protestaram contra a marcação do árbitro Heber Roberto Lopes do pênalti convertido por Neymar no primeiro gol santista. “Queria ver se fosse no Mineirão para nós”, disse Lima, sobre os critérios utilizados pela arbitragem.

Envolvido no lance, Werley afirmou que não teve intenção de levar a mão à bola. “Ele foi cruzar, a mão estava no meu corpo, não foi nada. Está ficando difícil, as arbitragens estão complicando. Para mim, não foi pênalti”, comentou.

Questionado se Heber Roberto Lopes daria pênalti em possível lance similar a favor do Atlético, com toque de mão de um jogador santista, Werley preferiu não polemizar. “Não sei, tem de perguntar para ele. São diferentes demais”, afirmou.

Aos 11min do segundo tempo, Zezinho avançou pela esquerda e cruzou para a área. A bola tocou no braço direito de Werley e Heber Roberto Lopes assinalou penalidade máxima. Neymar bateu o pênalti forte no canto direito de Aranha para abrir o placar. Aos 33min, em contra-ataque, Danilo recebeu de Neymar e deu números finais ao placar.

O zagueiro Lima protestou junto à arbitragem logo após a marcação da infração. “Eu perguntei a ele (Heber Roberto Lopes) qual o critério que se usa quando o cara faz o movimento, o Werley estava com o braço para baixo. A mão do Werley não saiu do corpo dele. Perguntei a ele se ele abre os braços, tudo bem, mas a mão estava junto ao corpo. É difícil, isso é critério de cada um”, relatou.

Com a derrota por 2 a 0, o Atlético perdeu oportunidade de deixar a zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro. Com 13 pontos, o time alvinegro ocupa a 18a colocação. Na próxima rodada, a equipe comandada por Vanderlei Luxemburgo volta a jogar fora de casa, diante do Flamengo, às 21h (de Brasília) da quinta-feira, no Maracanã.

Grêmio Prudente 1 x 2 Santos

Data: 01/08/2010, domingo, 18h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 12ª rodada
Local: Estádio Eduardo José Farah, o Prudentão, em Presidente Prudente, SP.
Público: 15.890 pagantes.
Renda: R$ 213.350,00.
Árbitro: Gutemberg de Paula Fonseca (Asp.Fifa-RJ)
Auxiliares: Gilson Bento Coutinho (PR) e Márcio Luiz Augusto (SP)
Cartões amarelos: Anderson Luis, Paulo César, Wesley, João Vitor, Marcelo Oliveira, Leonardo (GP); Bruno Aguiar, Zezinho, Léo e Danilo (S).
Gols: Danilo (05-1); Rodriguinho (21-2) e Róbson (38-2).

GRÊMIO PRUDENTE
Giovanni; Paulo César, Anderson Luís, Leonardo e Marcelo Oliveira; Anderson (Henrique Dias), João Vitor, Diego Giaretta (Róbson) e Deyvid Sacconi (Araújo); Wesley e Wanderley.
Técnico: Toninho Cecílio

SANTOS
Rafael; Maranhão, Bruno Aguiar, Vinícius Simon e Léo; Rodriguinho, Danilo, Marquinhos (Alan Patrick) e Zezinho (Rafael Caldeira); Madson (Dimba) e Zé Eduardo.
Técnico: Dourival Júnior



Prudente perde dois pênaltis, e reservas do Santos vencem duelo no interior

Com o time titular poupado em função da decisão de quarta-feira contra o Vitória, pela Copa do Brasil, o Santos contou com dois pênaltis desperdiçados pelo Grêmio Prudente no final da partida (um deles defendido por Rafael e outro no travessão) para vencer o duelo por 2 a 1 neste domingo, no estádio Prudentão, pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro.

A vitória faz com que o time santista se aproxime do G-4, subindo para 18 pontos e ficando a apenas dois do Ceará, quarto colocado. Em situação oposta, o Grêmio Prudente termina a rodada a apenas dois pontos da zona de rebaixamento, na 14ª colocação, e encerra sua invencibilidade neste Brasileiro no Prudentão.

Aliás, caso leve a melhor diante do Vitória na quarta-feira, o Santos pode comemorar seu segundo título em menos de uma semana. Na tarde deste domingo, o time da Baixada Santista superou o Flamengo na disputa por pênaltis (após um emocionante empate por 2 a 2 no tempo normal) e sagrou-se campeão da Supercopa de futebol júnior, disputada em Barueri.

Depois da decisão contra o Vitória pela Copa do Brasil, no meio da semana, o Santos recebe o Internacional na Vila Belmiro, no próximo domingo, pelo Campeonato Brasileiro. Já o Grêmio Prudente visita o Cruzeiro, em Ipatinga, no mesmo dia.

O jogo

O início da partida em Prudente mostrou que o fato de o Santos ter entrado com o time reserva não facilitaria a vida do Grêmio Prudente. Logo aos 2min, uma bomba de Marquinhos de fora da área tirou tinta do travessão do gol de Giovanni. Na próxima conclusão, a bola balançou as redes. Danilo pegou sobra na entrada da área e bateu forte no canto direito do goleiro do Prudente, aos 6min.

O duelo continuou ‘santista’ no começo da disputa. Aos 11min, Zé Eduardo recebeu passe em profundidade, invadiu a área com liberdade pelo lado direito e bateu forte, para boa defesa do goleiro Giovanni. Somente a partir daí que o Grêmio Prudente começou a entrar no jogo e parou de ceder ataques perigosos ao adversário. Porém, suas jogadas ofensivas paravam na bem postada defesa santista.

Mesmo perdendo a posse de bola e cedendo campo ao Prudente, o Santos voltou a criar ótima chance e assustou novamente com Zé Eduardo, em cabeceada à queima-roupa após cruzamento da direita. Giovanni apareceu novamente e fez ótima defesa. Aliás, o goleiro do time anfitrião seguiu como destaque na primeira etapa, salvando sua equipe em uma cobrança de falta do zagueiro Bruno Aguiar.

Já aos 37min, Giovanni contou com a sorte em chute de Marquinhos que acertou o travessão, em outra cobrança perigosa de falta a favor do Santos. “Foi mérito do Danilo, que acertou um belo chute. Mas o time não se abateu e seguiu bem no jogo. Precisamos manter a pegada e acertar na finalização”, analisou o meia Deyvid Sacconi, na saída para o intervalo.

E o próprio Sacconi foi quem criou a primeira boa chance do segundo tempo, em chute de fora da área. Desta vez, foi o goleiro Rafael quem apareceu, fazendo a defesa e salvando o Santos. Aos 7min, o time de Dorival Júnior respondeu com muito perigo. Em rápido contra-ataque, Mádson avançou pela esquerda, invadiu a área e bateu cruzado; a bola bateu caprichosamente na trave.

Quando o jogo apresentava certo equilíbrio na segunda etapa, Rodriguinho marcou um gol de placa no Prudentão, aos 21min. O volante santista recebeu assistência de Marquinhos e, sem deixar a bola cair, de fora da área, acertou uma bomba de perna direita, no canto direito do goleiro Giovanni.

A partir daí, o Prudente partiu para o ataque e diminuiu o placar aos 38min, com Róbson, aproveitando cruzamento da esquerda e mandando de cabeça para o gol. O time reserva do Santos não conseguiu segurar a pressão e Léo cometeu pênalti. Porém, brilhou a estrela do goleiro Rafael, que defendeu a cobrança de Róbson aos 41min.

Já nos acréscimos, outro pênalti para o Prudente, este cometido pelo volante Danilo. Desta vez, Róbson acertou o travessão e desperdiçou novamente a chance do empate.