Navegando Posts marcados como Décio Vitta

Americana 0 x 0 Santos

Data: 10/04/2011
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 18ª rodada
Local: Estádio Décio Vitta, em Americana, SP.
Público e Renda: N/D
Árbitro: Aurélio Sant’anna Martins.
Auxiliares: Reinaldo Rodrigues dos Santos e Osny Antônio Silveira.
Cartões amarelos: Léo Silva, Juninho e Fumagalli (A); Rodrigo Possebon, Paulo Henrique Ganso, Neymar, Elano, Vinícius e Zé Eduardo (S).

AMERICANA
Jailson, Carlinhos (Luiz Felipe Nascimento), Jorge Luiz, Vinícius e Magal. Gercimar (Jhon), Leo Silva, Juninho (Rafael Chorão) e Fumagalli. Marcinho e Lúcio Flávio.
Técnico: Toninho Cecílio

SANTOS
Aranha; Pará, Bruno Aguiar, Vinícius e Alex Sandro; Rodrigo Possebon (Paulo Henrique Ganso), Danilo e Elano; Maikon Leite (Alan Patrick), Zé Eduardo e Neymar.
Técnico: Muricy Ramalho



Santos escapa de vexame na estreia de Muricy e só empata com o Americana

Muricy Ramalho teve Neymar, Elano, Zé Love contra o Americana, além de Paulo Henrique Ganso no segundo tempo. Mesmo com suas principais estrelas, o treinador teve estreia apagada. O time da Vila Belmiro levou susto e empatou sem gols contra o time interiorano. O “susto” ocorreu aos 40 min do segundo tempo, quando o Americana marcou um gol, com Fumagalli. A arbitragem invalidou o gol, assinalando impedimento.

O técnico Toninho Cecílio, do Americana, se revoltou, correndo em direção à arbitragem ao fim da partida para entender por que não foi validado o gol. A equipe do Interior alega que o “passe” foi dado por um santista.

“Tem que ter mais responsabilidade. Não pode errar. Somos cobrados quando erramos. O erro foi do auxiliar. Não questiono caráter, mas hoje ele errou gravemente e mexeu com o futuro de muita gente”, esbravejou Cecílio.

Em seu primeiro jogo, Muricy avalia que teve pouca influência no jogo, destacando o pouco tempo de trabalho. “Quando se joga seguidamente é difícil. Tem que ter calma. Nessas horas o trabalho é mais de recuperação. Estou chegando agora. Não adianta treinar como eu gostaria com pouco tempo. Levei em consideração as pessoas que ficaram trabalhando aqui, conversei com eles”.

O resultado sem gols deixou o Santos empatado com o Corinthians em número de pontos, 35 cada, mas o time do Parque São Jorge fica à frente no critério de saldo de gols. O Santos é o quarto colocado.

A Libertadores moldou Muricy neste domingo. Ele optou por escalar Neymar, Elano e Zé Eduardo entre os titulares contra o Americana. Explica-se: expulso contra o Colo-Colo, o trio não participa da partida decisiva frente ao Cerro Porteño, no Paraguai, na quinta-feira, pela fase de grupos.

Já Paulo Henrique Ganso, confirmado contra o Cerro, começou o jogo deste domingo na reserva.

Edu Dracena e Rafael sequer viajaram para Americana. Léo e Durval ficaram no banco.

Neymar pouco fez no primeiro tempo em Americana. Os dois times, aliás, apresentaram fraco rendimento nos 45 min, com poucos lances de emoção.

Sem chances de ficar entre os dois primeiros colocados do Paulistão, o Santos encarou o duelo como um “teste de luxo” para a partida no Paraguai, pela Libertadores. Muricy aproveitou para observar melhor alguns jogadores.

São os casos do goleiro Aranha, do zagueiro Bruno Aguiar e do lateral-esquerdo Alex Sandro, titulares em Americana.

Em posição intermediária na tabela, o Americana criou boas chances no começo da segunda etapa, mas desperdiçou as finalizações.

Neymar atraía a marcação de pelo menos dois rivais a cada toque na bola no segundo tempo. Também pudera. O camisa 11 deu passe de letra, tentou dribles ao seu estilo e chamou o jogo, arriscando finalizações de fora da área.

O Santos pressionou o Americana no segundo tempo.

Durante a segunda etapa, Muricy decidiu reforçar o mistão santista, promovendo a entrada de Paulo Henrique Ganso, com a camisa 16, substituindo Possebon.

No contra-ataque, o Americana chegou a marcar, a cinco minutos do fim, mas a arbitragem anulou.

Rio Branco 0 x 3 Santos

Data: 08/03/2007, quinta-feira, 20h30.
Competição: Campeonato Paulista – 12ª rodada
Local: estádio Décio Vitta, em Americana, SP.
Público: 3.307 pagantes
Renda: R$ 62.995,00
Árbitro: Rodrigo Amaral
Auxiliares: Marcelino Tomáz de Brito Neto e Alex Alexandrino
Cartões amarelos: Éder, Adriano Sella e Rossini (RB); Cléber Santana Jonas, e Adriano (S).
Gols: Cléber Santana (45-1); Rodrigo Tabata (22-2) e Rodrigo Tabata (37-2).

RIO BRANCO
Éder; Adriano Sella (Jajá), Paulão, Marcelo Heleno e Vainer; Felipe, Rodrigo Pontes, Leonel e Rafael Chorão (Rodrigo Batata), Rossini e Bachin (Eraldo).
Técnico: Ruy Scarpino

SANTOS
Fábio Costa, Marcelo, Ávalos e Leonardo; Dênis, Cléber Santana (Dionísio), Adriano, Pedrinho (Marcos Aurélio) e Carlinhos; Rodrigo Tabata e Jonas (Rodrigo Tiuí).
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Com dois de Tabata, Santos vence Rio Branco e mantém liderança

Mesmo com uma equipe repleta de jogadores reservas, o Santos cumpriu seu papel e manteve a liderança do Campeonato Paulista. Nesta quinta-feira, o time da Baixada superou o Rio Branco por 3 a 0, em Americana, com dois gols de falta do meia Rodrigo Tabata (Cléber Santana marcou o primeiro). De quebra, ganhou motivação para o clássico contra o São Paulo do próximo domingo.

“Nunca tinha marcado dois de falta em um só jogo. É uma ocasião muito especial para mim. Foi muito importante manter essa vantagem na reta final do campeonato, pois é um momento de decisão”, comemorou Tabata, que não tinha feito nenhum gol no Estadual até esta noite.

Com o resultado, o Santos chegou aos 31 pontos da tabela. Como o São Paulo venceu o Guaratinguetá por 2 a 1, também nesta quinta, o time alvinegro permaneceu com a vantagem de um ponto sobre a equipe do Morumbi. O Rio Branco, por sua vez, fica com os mesmos oito pontos, na vice-lanterna.

Para evitar o desgaste de grande parte dos seus principais jogadores, o técnico Vanderlei Luxemburgo começou a partida com apenas três atletas considerados titulares: o goleiro Fábio Costa, o lateral-direito Dênis e o meia Cléber Santana. Rodrigo Tiuí e Marcos Aurélio também entraram no segundo tempo.

Quando a bola rolou, o Santos tentou imprimir um forte ritmo de jogo, mas encontrou dificuldades para criar chances reais de gol. Aos poucos, o clube anfitrião também subiu ao ataque e arriscou bastante de fora da área, sem sucesso. Com pouca criatividade, o time praiano se aproveitou do pênalti convertido por Cléber Santana, aos 45min, para terminar a primeira metade do duelo na frente do placar.

“A equipe deles estava marcando em cima, o que dificultou para nós. Tomara que, com esse um a zero, nós tenhamos mais tranqüilidade para tocar a bola e marcar mais gols”, disse Santana no intervalo. Com o lance, ele se tornou o vice-artilheiro isolado do Estadual, após ter marcado nove vezes, uma a menos que o atacante Somália do São Caetano.

Na etapa final, a equipe da casa até esboçou uma reação. No entanto, Rodrigo Tabata ampliou para o Santos aos 22min, com belo gol de falta. Depois, o time de Luxemburgo se segurou no campo de defesa e ainda conseguiu ampliar novamente em cobrança de falta do meio-campista, aos 37min.

Rio Branco 1 x 5 Santos

Data: 23/02/2005, quarta-feira, 21h45.
Competição: Campeonato Paulista – Turno único – 9ª rodada
Local: Estádio Dévio Vita, em Americana, SP.
Público: 7.751 pagantes
Renda: R$ 85.751,00
Árbitro: Paulo César de Oliveira
Auxiliares: Ednilson Corona e Danilo Ricardo Simon Manis
Cartões amarelos: Dino e Baggio (RB); Tcheco (S).
Gols: Robinho (25-1); Capitão (04-2), Basílio (11-2), Robinho (13-2), Deivid (22-2) e Robinho (45-2).

RIO BRANCO
Magrão; Baggio, Marcos Paulo (Jales) e Maxsandro; Thiaguinho, Felipe, Fabiano Gadelha, Dino (Carlos Eduardo) e Jorginho; Paulinho Macaíba (Lê) e Capitão.
Técnico: Luiz Carlos Cruz

SANTOS
Mauro; Paulo César (Flávio), Domingos, Ávalos e Léo; Bóvio, Tcheco e Ricardinho; Basílio (Rivaldo), Robinho e Deivid (Evando).
Técnico: Oswaldo de Oliveira



Robinho dá show e Santos goleia Rio Branco

O Santos se recuperou em grande estilo no Campeonato Paulista. Depois do empate com o Ituano no final de semana, a equipe da Vila Belmiro goleou o Rio Branco por 5 a 1 nesta quarta-feira, no estádio Décio Vita, em Americana, e voltou a encostar no líder São Paulo.

Para melhorar ainda mais a situação do time santista, a equipe do Morumbi precisa empatar ou perder da Portuguesa Santista nesta quinta-feira – o Santos está na terceira colocação com 21 pontos, a um ponto do rival e do Mogi Mirim, segundo colocado.

Comandado por Robinho, que marcou três gols [Basílio e Deivid assinalaram os outros], o time do técnico Oswaldo de Oliveira foi amplamente superior ao clube de Americana, que amargou sua quinta derrota na competição estadual – o time tem apenas 10 pontos.

Outro destaque positivo foi o veterano Basílio. Incansável, o atacante marcou um belo gol e ainda deu uma ótima assistência de calcanhar para Deivid marcar.

Além da redenção, o triunfo santista ajudou o treinador alvinegro a melhorar sua imagem perante os cartolas. Apesar de ter apenas uma derrota no comando do Santos (4 a 3 para o Bolívar na estréia da Libertadores), alguns dirigentes reclamaram do seu trabalho para o presidente Marcelo Teixeira.

Na próxima rodada do Campeonato Paulista, Santos e Rio Branco jogam no domingo. A equipe da Baixada Santista recebe o São Caetano, na Vila Belmiro. Já o time de Americana joga contra o Atlético Sorocaba, no estádio Walter Ribeiro, fora de casa. Ambas as partidas serão às 16h.

O jogo

Precisando da vitória para não se distanciar ainda mais do líder São Paulo (no início da rodada a diferença era de quatro pontos), o Santos, que contou com o retorno do meia Ricardinho, logo foi para cima do Rio Branco.

No primeiro minuto de jogo, o atacante Deivid avançou com a bola pelo meio-de-campo e foi derrubado próximo à meia-lua. Na cobrança, Ricardinho bateu colocado à esquerda do goleiro Magrão, que apenas observou a saída da bola pela linha de fundo.

Percebendo o ímpeto ofensivo da equipe da Vila Belmiro, o time do interior agiu rapidamente e passou a marcar mais. Em termos ofensivos, porém, o primeiro chute a gol aconteceu apenas aos 10min, em cobrança de falta de Fabiano. A bola passou por cima do travessão de Mauro.

Com o ataque do Santos bem marcado, os atacantes do Rio Branco começaram a ousar mais. Aos 19min, por exemplo, Paulinho Macaíba desperdiçou uma ótima chance de abrir o placar. Após cobrança de escanteio da esquerda, ele subiu sozinho na pequena área e cabeceou para fora.

A equipe da Vila voltou ao ataque aos 22min, quando Basílio recebeu a bola na grande área e foi derrubado por Felipe. Apesar da reclamação do atacante santista, o árbitro Paulo César de Oliveira considerou o lance normal.

O primeiro gol do clube da Baixada, no entanto, não demorou a acontecer. Aos 25min, o lateral-direito Paulo César deu um belo lançamento para Robinho na grande área. O atacante dominou no peito e chutou forte de pé direito no canto esquerdo, sem chances de defesa para Magrão.

Com a vantagem no placar, o Santos começou a arranjar mais espaços para criar as jogadas. Aos 27min, inclusive, Basílio ampliou, mas ele estava em posição irregular e o gol não foi validado.

Três minutos depois, a torcida que lotou o estádio Décio Vita, em Americana, vibrou com Robinho. Após confusão na área, a bola sobrou para ele na direita. Depois de algumas pedaladas, o atacante cruzou para Deivid, que acertou um voleio em cima da zaga do Rio Branco.

Em desvantagem, o clube de Americana não conseguiu mais acertar a marcação e muito menos chegar ao ataque com perigo. Desorganizado, o time comandado por Luiz Carlos Cruz apenas correu atrás do Santos até o final do primeiro tempo.

Na etapa final, ambas as equipes voltaram com a mesma formação. Os técnicos Luiz Carlos Cruz, do Rio Branco, e Oswaldo de Oliveira, do Santos, preferiram não mudar em nada.

Com ritmo mais acelerado do que no primeiro tempo, o Rio Branco logo foi para cima do Santos em busca do gol de empate. E isso não demorou a acontecer.

Aos 3min, o lateral-direito Tiaguinho foi derrubado na grande área pelo zagueiro Ávalos e o árbitro assinalou pênalti. Na cobrança, aos 4min, o atacante Capitão marcou. Foi o quinto gol dele no Campeonato Paulista.

A equipe santista, porém, não se abalou com a igualdade e continuou com melhor em campo. Tanto que aos 11min conseguiu ficar à frente novamente. Após boa jogada de Ricardinho, a bola sobrou para Léo na esquerda. O lateral cruzou para Basílio, que pegou de primeira de perna esquerda e acertou o canto esquerdo do goleiro Magrão.

Aproveitando a empolgação do segundo gol, o Santos marcou o terceiro em uma bela jogada. Aos 13min, o atacante Deivid rolou para Tcheco, que ajeitou de calcanhar para Robinho. O atacante chutou da entrada da área e marcou seu oitavo gol na competição.

Mais solto em campo, o Santos dominou totalmente o adversário e marcou seu quarto gol aos 22min. Basílio recebeu belo lançamento na esquerda e tocou de calcanhar para o atacante Deivid, que chutou cruzado e marcou seu primeiro gol na partida.

Com três gols de vantagem no placar, a equipe da Vila Belmiro passou a abusar do toque de bola e o técnico Oswaldo de Oliveira testou o atacante Evando e o meia Rivaldo no time.

A equipe da Baixada ainda conseguiu aumentar o placar aos 45min, quando Robinho recebeu mais uma bola na grande área e chutou com categoria no canto alto esquerdo de Magrão. Com este gol, o craque santista assumiu a artilharia ao lado de Finazzi, do América, com nove gols.

Rio Branco 3 x 2 Santos

Data: 03/03/2001, sábado, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista
Local: Estádio Decio Vitta, em Americana, SP.
Público e renda: não divulgados.
Árbitros: Alfredo Santos Loebeling e Tadeu Cruz.
Cartões amarelos: Tiago, Alexandre Chagas, Jeferson e G. Lima (RB); Fábio Costa, Caíco e Dutra (S).
Cartões vermelhos: Galván e Claudiomiro (S); Djair (RB).
Gols: Rafael (02-1, de pênalti), Rafael (31-1, de pênalti) e Marcus Vinícius (33-1); André Luís (04-2) e Dodô (25-2, de pênalti).

RIO BRANCO
Gustavo; Alexandre Chagas (Djair), Gilmar Lima, Maxsandro e Marcinho; Tiago, Rafael, Wilton e Anaílson; Jeferson (Sérgio Lobo) e Marcus Vinícius.
Técnico: Zé Teodoro

SANTOS
Fábio Costa; Russo (Deivid), Galván, André Luís e Dutra; Claudiomiro, Marcelo Silva (Caio), Ranato e Caíco (Paulo Almeida); Dodô e Rodrigão.
Técnico: Geninho



Rio Branco vence Santos e lidera

Num jogo cheio de gols e faltas – foram oito cartões amarelos e três vermelhos – o Rio Branco venceu o Santos por 3 a 2, neste sábado à tarde, e assumiu a liderança isolada do Campeonato Paulista. O time de Americana tem agora 15 pontos, um mais que o Santos, líder até esta rodada.

Sem dar tempo para o Santos respirar, o time de Zé Teodoro começou a pressionar logo na saída de bola. A um minuto, antes que o adversário conseguisse ultrapassar a linha intermediária de seu campo defensivo, o juiz Alfredo Santos Loebelin marcou pênalti, após arrancada pelo lado esquerdo de Marcus Vinícius, que acabou derrubado pelo goleiro Fábio Costa. Rafael cobrou e abriu o placar.

Apático em campo, o Santos não conseguia ameaçar. Enquanto isso, os donos-da-casa mantinham o ritmo forte. Aos 20, Marcinho teve um gol anulado, mas 10 minutos depois, Rafael ampliou em outra cobrança de pênalti. Perdidos em campo, os jogadores santistas não tiveram tempo para se recuperar e, aos 33, Marcus Vinícius fez o terceiro, desviando a bola que veio da esquerda após chute cruzado de Anaílson.

No segundo tempo, o técnico Geninho colocou em campo os atacantes Caio e Deivid, no lugar de Marcelo Silva e Russo, respectivamente. Com isso, o Santos passou a jogar com quatro atacantes. Logo aos 4 minutos, depois de um arremate de Deivid defendido por Gustavo, André Luis marcou. Aos 24, Dodô fez o segundo cobrando pênalti cometido em Caio. Mas as expulsões de Galván e Claudiomiro comprometeram a estratégia santista.

Fonte: Jornal Folha de SP – http://acervo.folha.com.br/fsp/2001/03/04/20//2423

Rio Branco 1 x 2 Santos

Data: 27/03/1999, sábado.
Competição: Campeonato Paulista
Local: Estádio Décio Vitta, em Americana, SP.
Público: 7.829
Árbitro: Edilson Pereira de Carvalho
Cartão vermelho Rodrigão (S).
Gols: Rodrigão (14-1), Marcos Assunção (18-2) e Marcos Teixeira (38-2).

RIO BRANCO
Maurício; Augusto, Maxsandro, Gilmar e Marcos Teixeira (Paulo César); Careca (Charles), Odair, Marcos Sena e João Marcelo (Jackson); Sandro e Pena.
Técnico: Lula Pereira

SANTOS
Zetti; Michel, Argel, Andrei (Jean) e Gustavo Nery; Marcos Assunção, Narciso (Marcos Bazílio), Eduardo Marques (Lúcio) e Jorginho; Rodrigo Fabri e Rodrigão.
Técnico: Emerson Leão



Santos bate Rio Branco e lidera Grupo 4

Com um jogador a menos, time santista quebra tabu de não vencer fora de casa no interior paulista desde 97

O Santos derrotou o Rio Branco ontem, em Americana, por 2 a 1. Foi a segunda vitória do time santista no Campeonato Paulista e a primeira em jogos fora de casa no interior do Estado desde 1997, quando venceu o Araçatuba.

Com a vitória, o Santos assumiu a liderança do Grupo 4 do Paulista, com oito pontos, dois a mais que o Corinthians, que tem dois jogos a menos.

Sem Viola, contundido na coxa esquerda, o Santos entrou em campo com o ataque formado por Rodrigo e Rodrigão. A novidade na defesa foi a estréia do zagueiro Andrei, que não jogava há sete meses, quando defendia o Betis, da Espanha.

O Rio Branco estava empolgado pela goleada de 7 a 1, a maior do Campeonato Paulista até agora, aplicada sobre o Mogi Mirim na última quarta-feira.

Os dois times começaram o jogo com posicionamentos ofensivos. Cada equipe perdeu duas boas chances de gol nos primeiros dez minutos, impedidas pelos goleiros adversários.

Aos 14min, quando o Rio Branco estava melhor, o Santos abriu o placar. Marcos Assunção levou a bola pela ponta direita, ganhou do zagueiro na velocidade e cruzou rasteiro. Rodrigão tocou de primeira, colocando a bola rente à trave de Mauricio.

O gol deixou o time da casa atordoado. O Santos aproveitou para pressionar, mas desperdiçou chances de ampliar o marcador.

O Rio Branco, com a boa atuação de Odair e Marcos Sena na armação das jogadas, equilibrou a partida e, aos 39min, chegou ao empate. Depois de um cruzamento desperdiçado pelos atacantes, a bola sobrou para o ala Marcos Teixeira, na linha lateral da grande área, que acertou o chute junto ao travessão do gol defendido por Zetti.

No segundo tempo, o técnico Leão colocou Marcos Basílio no lugar de Narciso, para melhorar a marcação. A alteração deu resultado, e o time santista voltou melhor. Aos 18min, numa cobrança de falta, Marcos Assunção bateu forte e fez o segundo gol do Santos.

Três minutos depois, o atacante santista Rodrigão fez uma falta por trás em Marcos Teixeira e foi expulso. Até aquele momento, nenhum cartão havia sido mostrado pelo árbitro Edilson Pereira de Carvalho.

Os dois treinadores fizeram então várias substituições. O Santos promoveu o retorno do atacante Lúcio, que não jogava no time principal desde o ano passado. O Rio Branco trocou seu dois laterais por atacantes.

Aos 39min, o meia Charles, do Rio Branco, chutou da intermediária. A bola foi desviada para o gol santista, de cabeça, por Pena, mas o árbitro anulou, apontando impedimento do atacante.

Aos 42min, Marcos Assunção teve a grande chance de ampliar, chutando forte dentro da grande área. O goleiro Mauricio defendeu.

Leão critica arbitragem

O técnico Leão elogiou a atuação do Santos ontem, após a vitória sobre o Rio Branco, mas criticou a atuação da arbitragem, que expulsou o atacante Rodrigão.

O jogador do Santos foi expulso no início do segundo tempo após cometer uma falta por trás. Segundo Leão, a medida foi injusta pela falta de critérios da arbitragem.

“Houve uma falta igual contra nosso time e o jogador não foi expulso”, disse.

O juiz Edilson Pereira de Carvalho não quis comentar as declarações do técnico Leão.

Segundo Leão, o resultado da partida poderia ter sido melhor para o Santos. “O time jogou compacto e acho que poderíamos ter feito mais dois gols. O importante é que ganhamos”, disse.

Ele elogiou ainda a atuação do zagueiro Andrei, que estreou ontem no time.

O meia Marcos Assunção, autor do gol da vitória, afirmou que a marcação imposta pelo seu time, foi fundamental para o resultado.

O treinador do Rio Branco, Lula Pereira, criticou as falhas individuais de seu time. “Os jogadores, mesmo com a expulsão de Rodrigão, não souberam aproveitar.” Para ele, perder para o Santos é normal, apesar de o Rio Branco ter vencido o Mogi Mirim no jogo anterior por 7 a 1. “Agora teremos que vencer o Guarani fora de casa.”



Sem Viola, Santos tenta quebrar tabu (Em 27/03/1999)

A ausência do atacante Viola, machucado, representará uma dificuldade adicional para o Santos conseguir uma vitória hoje, em Americana, onde o retrospecto em jogos contra o Rio Branco é amplamente favorável ao adversário.

Dos seis confrontos entre os dois times pelo Paulista em Americana, o Santos só venceu um -5 a 2, em 1996. Nos demais, houve dois empates -2 a 2 em 93 e 1 a 1 em 97- e três vitórias do Rio Branco -2 a 0 (94), 4 a 2 (95) e 2 a 1 (98).

O desfalque de Viola foi notificado ontem pelos médicos ao técnico Leão. Um exame de ressonância magnética constatou uma lesão muscular na coxa esquerda do jogador. A contusão o manterá afastado por tempo indeterminado, segundo o médico Antonio Taira.

Embora já tenha marcado seis vezes nos três jogos pela Copa do Brasil, Viola ainda não fez gols no Campeonato Paulista.

Sem o atacante, o Santos terá uma dupla de xarás na frente -Rodrigo e Rodrigão.

Leão está descontente com a quantidade de erros de finalização da equipe. Ele avalia que o time está desperdiçando as chances de gol que cria por “falta de decisão”.

O treinador já havia apontado o defeito no treino que antecedeu a derrota por 2 a 1 para o São Paulo.

“No treino de hoje (ontem), tivemos três chances reais em lances de cabeça com o Rodrigo, o Jorginho e o Rodrigão e erramos todos. Faltou decisão”, disse o técnico.

“Centroavante que não faz gols morre de fome. O professor sempre diz que, se eu aproveitar duas de cada dez chances, já está bom”, afirmou Rodrigão.

Goleada

Leão espera que o entusiasmo do Rio Branco -o time vem de uma goleada de 7 a 1 sobre o Mogi Mirim- favoreça o Santos.

“Quem faz sete gols é porque tem um bom poder ofensivo. Então, esperamos que eles saiam mesmo para o ataque”, disse o treinador, na esperança de o adversário deixar espaços em sua defesa para os atacantes santistas.

Além de Viola, o Santos não poderá contar com o volante Claudiomiro, com os reservas Caíco e Élder, todos machucados, e com o atacante Alessandro, que está servindo a seleção brasileira na excursão pela Ásia.

Devido à carência motivada pelos desfalques, o técnico não cedeu nenhum de seus jogadores para o time de aspirantes, que atuará na preliminar. Fernando, Anderson, Valdir, Jean, Marcos Basílio, Camanducaia, Aristizábal e Lúcio estarão no banco de reservas.

A partir de 5 de abril, o titular Michel e o reserva Jean também passarão a desfalcar o grupo. Ontem, os dois foram convocados para a seleção brasileira sub-23 que disputará um amistoso contra os EUA, dia 7, em Brasília.

Andrei volta a jogar depois de sete meses

Quarenta e cinco dias depois de ser apresentado como reforço para a temporada deste ano, o zagueiro Andrei estréia hoje no Santos.

Emprestado pela equipe espanhola do Real Betis até o final do ano, o jogador está escalado para compor a dupla de zaga com Argel.

A última partida disputada por Andrei aconteceu em agosto do ano passado, um amistoso entre Betis e Extremadura, na Espanha. Depois disso, ele se manteve inativo em razão de atritos com os dirigentes do Betis e devido a uma contusão no tornozelo.

“Fisicamente, já estou bem, depois de treinar por mais de 40 dias. Agora, o mais importante é o entrosamento e o ritmo de jogo”, disse o jogador.