Navegando Posts marcados como Deivid

São Caetano 1 x 3 Santos

Data: 26/06/2005, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 9ª rodada
Local: Estádio Anacleto Campanella, em São Caetano do Sul, SP.
Público: 2.826 pagantes
Renda: R$ 30.444,00
Árbitro: Paulo César de Oliveira (SP)
Auxiliares: Ana Paula de Oliveira e Maria Eliza Correia Barbosa (ambas de SP)
Cartões amarelos: Wendel, Bóvio e Flávio (S); Thiago (SC).
Gols: Deivid (22seg-1), Alessandro (24-1) e Ricardinho (46-1, de pênalti); Giovanni (33-2).

SÃO CAETANO
Sílvio Luiz; Neto (Marcelinho), Thiago e Douglas; Alessandro, Zé Luís, Claudecir (Fábio Pinto), Edu Sales (Canindé) e Triguinho; Jean e Dimba.
Técnico: Estevam Soares

SANTOS
Mauro; Paulo César (Flávio), Ávalos, Altair e Carlinhos (Hallison); Wendel, Bóvio, Élton (Luciano Henrique) e Ricardinho; Giovanni e Deivid.
Técnico: Gallo

Ps: Gol do Deivid foi o mais rápido do Campeonato.



Com gol de Giovanni, Santos reencontra a vitória

Passada a ressaca da eliminação na Copa Libertadores da América e o insosso empate com o Fortaleza, o Santos voltou a lutar exclusivamente pelo título do Campeonato Brasileiro. Depois de cinco jogos sem vencer, a equipe da Vila Belmiro bateu o São Caetano por 3 a 1, na tarde deste domingo, no estádio Anacleto Campanella, no ABC paulista.

Com este resultado, o time santista chegou aos 17 pontos, ocupando a quarta colocação. A Ponte Preta, que lidera o certame, está com 20 pontos. Já o São Caetano, que sonhava encostar nos líderes nesta rodada, permanece com 14, entre os dez.

A vitória também foi especial para o meia-atacante Giovanni. O jogador, grande ídolo do time em 1995, voltou ao clube santista e conquistou sua primeira vitória nesta nova fase. De quebra, o atleta marcou o terceiro gol santista no jogo, o primeiro dele.

Se o camisa 10 do Santos comemorou seu primeiro triunfo, o atacante Deivid pode ter marcado seu último gol pelo time santista. O jogador, que abriu o placar aos 22seg de jogo, está emprestado ao clube praiano até o dia 30 deste mês e poderá retornar ao Bordeaux, da França, clube com o qual tem contrato.

“Espero ficar. Já manifestei meu interesse ao presidente [Marcelo Teixeira] e a minha intenção é permanecer aqui. Espero que o Santos possa chegar a um acordo com o Bordeaux e meu empréstimo seja prorrogado”, revelou Deivid, no intervalo da partida.

Agora, os dois times voltam a campo apenas no domingo. Enquanto o Santos recebe o Juventude, na Vila Belmiro, o São Caetano vai a Porto Alegre enfrentar o Internacional, no Beira-Rio.

O Jogo
O Santos não poderia começar melhor a partida. Logo aos 22seg, o atacante Deivid abriu o placar. Paulo César fez o lançamento da direita e o camisa 9 santista chutou no ângulo esquerdo de Silvio Luiz.

Em vantagem, o Santos continuou em cima do adversário. Porém, antes dos 16min, o time santista perdeu Paulo César e Élton, ambos lesionados. Com essas substituições inesperadas, o técnico Gallo teve de mexer ainda mais no esquema da sua equipe, que não contou também com outros cinco jogadores (Robinho e Léo, na seleção principal, Leonardo, na Sub-
20, Zé Elias e Fabinho, machucados).

Aproveitando o momento negativo do Santos no jogo, o São Caetano chegou ao empate. Jean cruzou da esquerda, a bola atravessou a área e chegou até o ala-direito Alessandro, que chutou cruzado e igualou o placar.

O gol do São Caetano reacendeu o Santos. O time da Vila Belmiro voltou a pressionar e a equipe do ABC ficou acuada em seu campo de defesa. O atacante Deivid passou a travar um duelo particular com o goleiro Silvio Luiz. Em duas grandes oportunidades, o camisa 1 dos donos da casa foi melhor.

Até que aos 45min, em um lance isolado, o Santos voltou a marcar. Luciano Henrique, que entrou no lugar de Élton, fez boa jogada pela esquerda, entrou na área e foi derrubado por Claudecir. Pênalti que Ricardinho cobrou bem e colocou novamente a equipe praiana em vantagem.

No segundo tempo, os dois times fizeram uma partida equilibrada. O São Caetano pressionou o Santos em busca da igualdade no placar. Já o time da Vila Belmiro foi muito perigoso em jogadas de contra-ataque, principalmente com Deivid.

A partir dos 25min, o técnico Estevam Soares decidiu arriscar mais e sacou Claudecir para entrada do atacante Fábio Pinto. Marcelinho, também jogador ofensivo, já havia entrado no lugar do zagueiro Neto.

Mas o que aconteceu foi justamente o contrário. Giovanni tabelou com Deivid, fez uma finta de corpo no marcador e chutou forte para marcar o terceiro gol do Santos e decretar a vitória da equipe da Vila Belmiro.

Com gol relâmpago, Deivid imita Robinho

Atacante do Santos marcou aos 22 segundos de jogo no Azulão, igualando o feito do companheiro, em 2003.

Apenas 22 segundos. Foi este o tempo que demorou para o Santos abrir o placar na tarde deste domingo, na vitória contra o São Caetano por 3 a 1, no Anacleto Campanella.

O lance aconteceu após o Peixe sair com a bola no meio-campo. Paulo César, que retornou à equipe após se recuperar de lesão (e já saiu dele pelo mesmo motivo), fez um lançamento preciso para Deivid. O atacante santista chutou de pé direito e acertou o ângulo esquerdo de Silvio Luiz.

“É o gol mais rápido da minha carreira. Fico feliz em marcar nos primeiros segundos de jogo. Esse gol vai para minha filha”, disse o atacante.

O curioso é que está não é a primeira vez que o Santos abre o placar contra o São Caetano antes do primeiro minuto de jogo. No dia 11 de outubro de 2003, em uma partida do Campeonato Brasileiro, no mesmo Anacleto Campanella, o atacante Robinho, que não jogou neste domingo por estar com a seleção brasileira na Alemanha, marcou seu gol logo aos 11seg de jogo.

Este jogo também é lembrado pelo torcedor santista por ter sido a partida em que o zagueiro Preto se contundiu seriamente. O jogador fraturou o tornozelo direito e voltou aos gramados apenas este ano, sendo dispensado recentemente pelo técnico Gallo.

Futuro de Deivid é definido em reunião

Presidente do Santos irá encontrar procurador do atacante, ainda neste domingo, para apresentar nova proposta pelo jogador.

A novela sobre a saída do atacante Deivid deve ter mais um capítulo na noite deste domingo. O presidente do Santos, Marcelo Teixeira, irá se reunir com o procurador do jogador, Jorge Moraes, para tentar garantir a permanência do artilheiro na Vila Belmiro.

“Espero ficar. Já mostrei meu interesse para o presidente. Espero que o Bordeaux e o Santos entrem num acordo”, disse Deivid, na saída do gramado do Anacleto Campanella, após a vitória do Peixe sobre o São Caetano por 3 a 1.

O Santos vai tentar contratar o jogador em definitivo. O grande empecilho é que o Bordeaux, equipe com a qual Deivid tem contrato, só aceita liberar o atleta por US$6 milhões, valor que o Peixe não está disposto a pagar. Após a reunião deste domingo, o procurador do jogador deve viajar à França para apresentar a proposta santista.

Deivid afirma desconhecer o valor que o Santos irá apresentar nesta reunião. “Soube que havia uma proposta de US$ 4,5 milhões de algum clube da Europa, mas não sei qual. Não sei se a do Santos foi maior”.

Caso não haja um acerto com o clube francês, o atacante fez contra o São Caetano sua última partida com a camisa do Santos. O empréstimo do jogador com o Peixe termina no próximo dia 30.

Santos 1 x 1 Fluminense

Data: 12/06/2005, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 7ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 15.296 pagantes
Renda: R$ 130.000,00
Árbitro: Evandro Rogério Roman (PR)
Auxiliares: Gilson Bento Coutinho e Faustino Vicente Lopes (Ambos do PR)
Cartões amarelos: Halisson, Zé Elias, Giovanni, Mauro e Bóvio (S); Rodrigo Tiuí, Radamés e Igor (F).
Cartões vermelhos: Deivid (S); Rodrigo Tiuí (F).
Gols: Deivid (19-1) e Tuta (45-1).

SANTOS
Mauro; Flávio, Ávalos, Halisson e Wendel (Elton); Bóvio, Fabinho (Luciano Henrique), Zé Elias e Giovanni; Deivid e Fabiano (Danilo).
Técnico: Gallo

FLUMINENSE
Kléber; Gabriel (Schneider), Zé Carlos, Igor e Juan; Marcão, Radamés, Fernando (Alex) e Juninho (Maicon); Tuta e Rodrigo Tiuí.
Técnico: Abel Braga



Em jogo brigado, Santos e Fluminense empatam

Quem esperava que Santos e Fluminense fossem fazer um jogo com cara de amistoso neste domingo, por terem partidas decisivas na próxima quarta-feira, se enganou. Em confronto muito movimentado, as equipes empataram por 1 a 1 nesta tarde, no estádio da Vila Belmiro. Deivid fez para os santistas, enquanto Tuta marcou para o Flu.

Se a partida não teve um nível técnico muito alto, devido aos desfalques de ambos os times, ao menos não faltou disposição aos jogadores, que em certos casos abusaram das reclamações e das faltas desleais. Por isso muitos cartões foram distribuídos, sendo dois vermelhos, para Deivid (Santos) e Tiuí (Flu).

Com o resultado, os times viram o Botafogo, líder com 18 pontos, se distanciar ainda mais na ponta da tabela. O Santos pulou para 13 pontos e segue atrás do Fluminense, que foi para 14 pontos.

A partida marcou a estréia do meia Giovanni no Santos. O jogador, que brilhou na década de 1990 com a camisa 10 de Peixe, voltou após nove anos no exterior e teve boa participação, demonstrando categoria e criando bons lances de ataque.

Além disso, o Santos segue com o tabu de seis anos sem perder para times cariocas no estado de São Paulo, em partidas válidas pelo Brasileiro. Já o Flu, que completou três rodadas sem vitória, há três anos não consegue um triunfo em terras paulistas, desde que derrotou a Ponte Preta por 3 a 2, em 2002.

Agora, o pensamento das equipes volta definitivamente para quarta-feira. Na Vila Belmiro, o Santos precisa vencer o Atlético-PR para passar às semifinais da Copa Libertadores, já que no jogo de ida perdeu por 3 a 2, no Paraná, e gol fora de casa conta como critério de desempate. Para esta partida, o técnico Gallo deverá ter Ricardinho e Paulo César, que lesionados não enfrentaram o Flu neste domingo.

No mesmo dia, o Fluminense começará a decidir a Copa do Brasil contra o Paulista, em Jundiaí. Para este duelo, o treinador Abel Braga poderá contar com Antonio Carlos, que suspenso não pôde enfrentar o Santos esta tarde.

Pelo Brasileiro, ambos os times voltam a jogar no próximo domingo. Às 18h10, o Santos enfrenta o Fortaleza, no Castelão. Já o Flu recebe o Internacional, em Volta Redonda, às 17h.

O jogo

O Flu começou melhor e criou as primeiras boas chances. Aos 10min, Juan chegou ao fundo e cruzou na segunda trave para Tuta, que dominou com a ponta da chuteira e bateu por cima do gol de Mauro. Aos 17min, Juan desceu com perigo até a meia-lua e bateu de perna direita, raspando a trave de Mauro.

Entretanto, apesar de ter maior volume de jogo, o time carioca sofreu um duro golpe aos 19min. No primeiro ataque com perigo, o Santos abriu o placar. Bóvio descobriu Deivid sozinho dentro da área. O atacante ajeitou e bateu forte, cruzado, sem chances para o goleiro Kléber.

A partir daí, a partida ficou equilibrada e os donos da casa quase ampliaram aos 30min. Flávio cobrou falta na segunda trave e Deivid, livre, acertou um belo voleio, mas Kléber fez grande defesa e espalmou. Aos 41min, novamente a defesa do Flu parou e Deivid desperdiçou novo cruzamento de Flávio, cabeceando para fora.

Até que aos 43min foi a vez da zaga santista falhar e o Flu chegar ao empate. Tuta roubou bola de Ávalos e tocou para Tiuí, que tentou driblar Mauro e foi derrubado. Os jogadores do Santos ficaram revoltados e, na reclamação, Deivid se excedeu e foi expulso de campo. Na cobrança, Tuta deslocou Mauro e deixou tudo igual.

Tão logo o árbitro encerrou a etapa, os atletas santistas, revoltados, o aplaudiram ironicamente e Zé Elias desabafou nos microfones. “A gente trabalha a semana inteira para ele vir aqui e fazer isso. Está prejudicando o Santos e ainda ameaça a gente, dizendo que vai nos expulsar”, disse, indignado, o volante.

Para o segundo tempo, o técnico Gallo tratou de recompor o meio-campo e tirou o atacante Fabiano, colocando o meia Danilo. Mesmo com dez, o Santos voltou melhor e Giovanni quase desempatou aos 8min, quando cobrou falta fechada e obrigou Kléber a espalmar para escanteio.

Abel então sacou Juninho e Fernando e colocou Maicon e Alex. Mas, quando o Flu passou a controlar a partida, Tiuí cometeu falta dura em Zé Elias aos 21min. Como já tinha cartão amarelo, recebeu o vermelho e também deixou os cariocas com dez.

A partida ficou aberta e, aos 33min, Alex, de calcanhar, acertou a trave de Mauro. Um minuto depois, o Santos deu o troco. Danilo invadiu sozinho a área tricolor, entrou cara a cara com Kléber, que fez a defesa no momento em que o meia tentou driblá-lo.

Giovanni é aprovado na volta ao Santos

Meia jogou bem e mostrou que será peça importante na equipe do Peixe no jogo de quarta-feira, pela Libertadores.

Após quase nove anos, o meia-atacante Giovanni voltou a vestir a camisa do Santos. O jogador, vice-campeão brasileiro com o Peixe em 95, teve uma boa atuação, principalmente no segundo tempo, sendo muito elogiado pelos torcedores do Alvinegro.

“Ele segurou bem a bola na frente. Falta um pouco de entrosamento, mas é uma boa opção”, disse o técnico Gallo. O treinador pediu a Giovanni que jogasse mais enfiando na área após a expulsão de Deivid no primeiro tempo (o atacante reclamou em excesso no lance do pênalti que originou o gol do Fluminense).

Essa deve ser a função que o ídolo santista irá exercer no jogo decisivo da próxima quarta-feira, contra o Atlético-PR, pelas quartas-de-final da Copa Libertadores da América, às 21h45, na Vila Belmiro.

Giovanni começou a partida deste domingo atuando como meia, função que exercia em 95. Com a volta de Ricardinho à equipe, o recém-contratado irá atuar mais avançado. “Tenho certeza que o Ricardinho vai nos ajudar e que vamos nos dar bem na quarta feira”, afirmou o camisa 10.

O jogador voltou a vestir a camisa do Santos contra um adversário especial. Foi contra o Fluminense, pela semifinal do Brasileiro de 95, que Giovanni fez sua melhor partida com a camisa do Peixe. Naquela ocasião, ele marcou dois gols e deu o passe para outros três, na vitória do Peixe por 5 a 2.

“Foi muito bom poder voltar a jogar pelo Santos, ainda mais contra o Fluminense. Espero poder retribuir o carinho e a confiança da torcida”, disse Giovanni.

Ele também comentou a situação de seu ex-companheiro de clube em 95, o goleiro Edinho. “O Edinho era muito amigo meu. Espero que as coisas se resolvam da melhor maneira possível, para ele e para a família dele”.

Torcida do Santos xinga Carlos Alberto Parreira

Aos 33min do segundo tempo do empate em 1 a 1 com o Fluminense, um coro inusitado tomou conta da Vila Belmiro.

Inconformada com a não-liberação por parte da CBF dos craques Robinho e Léo, que estão servindo à Seleção Brasileira, a torcida santista não perdoou o técnico brasileiro e entoou um “ei, Parreira, vai tomar no…”.

Além do jogo de domingo, os dois santistas vão desfalcar sua equipe até o final da participação brasileira na Copa das Confederações, que está sendo realizada na Alemanha, e cuja final será dia 29.

Na quinta-feira, o presidente do Santos, Marcelo Teixeira, deu a última cartada e tentou a liberação de Robinho, mas recebeu um “não” de Ricardo Teixeira, presidente da CBF.

Atlético-PR 3 x 2 Santos

Data: 01/06/2005
Competição: Copa Libertadores – Quartas-de-final – Jogo de ida
Local: Arena Kyocera, em Curitiba, PR.
Público: 20.757 pagantes
Renda: R$ 461.612,00
Árbitro: Wilson de Souza Mendonça
Cartões amarelos: Diego e Alan Bahia (A); Zé Elias e Deivid (S).
Gols: Ricardinho (13-1), Evandro (26-1), Marcão (41-1) e Deivid (44-1); Lima (25-2).

ATLÉTICO-PR
Diego; Danilo, Durval e Marcão; Jancarlos (Fabrício), Alan Bahia, Leandro (André Rocha), Cocito e Evandro; Aloísio (Cléo) e Lima.
Técnico: Antônio Lopes.

SANTOS
Henao; Flávio (Basílio), Hallison, Ávalos e Léo; Fabinho, Zé Elias (Tcheco), Bóvio e Ricardinho; Deivid (Fabiano) e Robinho.
Técnico: Gallo



Atlético-PR vence e abre vantagem contra o Santos na Libertadores

Mesmo jogando com um jogador a menos na maior parte do tempo, o Atlético-PR venceu o Santos por 3 a 2, nesta quarta-feira, em Curitiba, e abriu vantagem na disputa por uma vaga nas semifinais da Taça Libertadores-2005.

No jogo de volta, no dia 15, o Santos não terá Robinho e Léo. Os dois jogadores foram convocados para a Copa das Confederações, de 15 a 29 de junho, na Alemanha. O Atlético-PR só precisa de um empate para avançar.

O Santos entrou em campo com o colombiano Henao, recuperado de uma contusão na mão, como titular no gol. Vetado, Paulo César foi substituído por Flávio.

Jogando em casa, o time paranaense mostrou que iria pressionar desde o início da partida. Com menos de um minuto, Aloísio acertou o travessão de Henao.

O Santos foi mais eficiente quando chegou ao ataque. Aos 12min, Ricardinho recebeu lançamento longo dentro da área, dominou a bola com dificuldade e tocou no canto do goleiro Diego. A bola tocou na trave antes de entrar: 1 a 0.

O Atlético-PR buscou o empate com chutes de longa distância, mas errava nas finalizações. Aos 26min, o time paranaense chegou ao empate com Evandro, que desviou de cabeça um cruzamento da direita e encobriu Henao, que estava adiantado.

No minuto seguinte, no entanto, o Atlético-PR ficou com um jogador a menos após a expulsão do volante Alan Bahia, que já tinha cartão amarelo e fez falta em Robinho. O Santos quase marcou com Deivid, chutando de fora da área, aos 35min.

Aos 40min, o Atlético-PR fez seu segundo gol. André Rocha cobrou falta, Henao deu rebote e Marcão, livre, não desperdiçou. Quatro minutos depois, o Santos chegou ao empate. Robinho recebeu a bola livre dentro da área e tocou para Deivid empatar, de cabeça.

“Bobeamos nos dois gols do Atlético, mas faz parte do futebol”, disse Ricardinho, na saída para o intervalo.

Na etapa final, o Santos voltou a campo com Tcheco no lugar de Zé Elias. A ordem do técnico Gallo era tocar a bola para cansar o adversário, aproveitando a vantagem de um jogador.

No entanto, aos 26min, o Atlético-PR marcou seu terceiro gol. Após boa jogada pela direita, Lima completou cruzamento e marcou. Aos 34min, Robinho teve a chance do empate, mas chutou por cima do gol quase na pequena área.

Antes da partida de volta da Libertadores, as duas equipes voltam a atuar pelo Nacional no dia 12. O Atlético-PR vai receber o Figueirense, em Curitiba, enquanto o Santos enfrentará o Fluminense, na Vila Belmiro.

Flamengo 2 x 1 Santos

Data: 15/05/2005, domingo, 18h10.
Competição: Campeonato Brasileiro
Local: Estádio Luso-Brasileiro, na Ilha do Governador, RJ.
Árbitro: Evandro Rogério Roman (PR)
Auxiliares: José Amilton Pontarolo e Aparecido Donizeti Santana (ambos do PR).
Cartões amarelos: Henrique e Fabiano (F); Hallisson e Élton (S).
Gols: Deivid (09-02), Obina (21-2) e Jônatas (41-2).

FLAMENGO
Diego; Henrique (Thiago), Fabiano e Rodrigo; China, Da Silva (Róbson), Jônatas, Fellype Gabriel (Caio) e Renato; Jean e Obina.
Técnico: Celso Roth

SANTOS
Henao, Flávio (Danilo), Avalos, Hallisson e Léo; Fabinho, Bóvio, Ricardinho e Élton (Fabiano); Deivid e Robinho.
Técnico: Gallo



Flamengo vence e tira a liderança do Santos

A liderança do Campeonato Brasileiro não pertence mais ao Santos. Com uma atuação sensacional do goleiro Diego, o Flamengo venceu de virada o time alvinegro por 2 a 1, na noite deste domingo. A partida aconteceu no estádio Luso-Brasileiro.

Apostando nos contra-ataques, o clube da Vila Belmiro saiu na frente com um gol de Deivid. Na pressão, Obina igualou e no fim Jônatas, em contra-ataque puxado por Jean, garantiu a vitória. O destaque, porém, foi o goleiro Diego, que fez defesas incríveis e saiu de campo sob o coro de “melhor goleiro do Brasil”.

A vitória deixou a equipe rubro-negra com sete pontos, enquanto o Santos continua estacionado nos nove. O time da Gávea não vencia o rival desde setembro de 2001. O jejum já chegava a nove partidas, onde ocorreram seis vitórias dos paulistas e três empates.

A derrota em terras fluminenses tira a invencibilidade do técnico Gallo no clube praiano. Desde a sua chegada, tinha sido 11 partidas, com oito vitórias e três empates.

A especulação de que o Santos pouparia alguns jogadores não se confirmou e apenas Paulo César, contundido, não jogou. Ele deu lugar a Flávio.

Com a missão-Brasileiro concluída sem êxito, já que perdeu a liderança, o Santos modifica seu foco para a Copa Libertadores. O compromisso imediato será na próxima quinta-feira, contra a Universidad do Chile.

O jogo, válido pelas oitavas-de-final, acontecerá em Santiago, às 21h30. No torneio nacional, o time alvinegro entra em campo novamente no próximo domingo, às 16h, contra o Atlético-MG, na Vila Belmiro.

Por sua vez, o Flamengo deve ter uma semana de euforia, mas a diretoria seguirá sua busca por reforços. O primeiro nome da lista e que pode ser anunciado a qualquer momento é o do zagueiro Fernando, revelado no clube e que estava no Áustria Viena. Neste domingo, mais uma vez Fabiano não foi bem e pode ser barrado.

Antes mesmo do jogo, o técnico Celso Roth declarara que apesar de importante, uma possível vitória sobre o Santos deveria ser encarada somente como um “plus” de personalidade aos jogadores.

“Não estamos preocupados com o Santos e sim com o Flamengo. Aos poucos vamos conquistando os pontos e isso no Campeonato Brasileiro é muito importante”, afirmou o técnico rubro-negro.

A reestréia de Jean foi capaz de melhorar a produtividade ofensiva da equipe. Esforçado, o atacante brigou bastante e foi aplaudido pelos torcedores. Abatido durante a semana por causa das críticas após a derrota contra o Inter, Obina marcou seu primeiro gol no Brasileiro. Outro que vinha sendo questionado, o volante Jônatas apareceu na frente e conseguiu marcar o gol da vitória.

Ao contrário das duas ocasiões anteriores, o esquema 3-5-2 não conseguiu dar consistência à defesa, que sofreu com as investidas de Robinho e companhia. O destaque defensivo foi o goleiro Diego, que praticou arrojadas defesas e garantiu os pontos do time rubro-negro.

Para a partida contra o São Caetano, domingo, às 16h, no Anacleto Campanella, o técnico Celso Roth terá a volta do zagueiro Júnior Baiano e do volante Júnior, ambos suspensos. O primeiro cumpriu dois jogos de punição por causa de um gesto ofensivo à torcida na estréia do Brasileiro.

Voltando após mais de um mês de afastamento, o volante Da Silva não comprometeu, mas se contundiu no segundo tempo e foi substituído por Róbson. Contratado há duas semanas, o lateral-direito Leonardo, de 19 anos, deve ser regularizado na CBF e se isso ocorrer pode estrear no lugar de China, que foi muito mal.

A partida contra o São Caetano marcará o reencontro do Flamengo com Dimba. O artilheiro do Campeonato Brasileiro de 2003 teve uma passagem ruim pela Gávea e saiu prometendo vingança.

O jogo

O Flamengo começou a partida “mordido” pelas insinuações de que o jogo seria desigual e marcou o adversário por pressão. Logo aos 2min, Jean cruzou da direita, Obina se antecipou a Henao, mas cabeceou para fora.

O arroubo inicial dos donos da casa não bloqueou o Santos, que ficou encolhido. Aos 14min, Renato cobrou escanteio e o goleiro colombiano evitou a finalização de Jean com um leve tapa.

Após o princípio sufocante, o Flamengo começou a errar muitos passes e diminuiu o volume de jogo. Exagerando nas “firulas”, o Santos pouco produziu na primeira metade da etapa inicial e só deu o primeiro chute aos 30min. Deivid tabelou com Robinho e arriscou para tranqüila defesa de Diego.

Estreante da noite, Jean fez bela jogada aos 41min. Ele entrou driblando pela ponta direita, deixou Avalos no chão e cruzou. No bate-rebate, a zaga santista conseguiu afastar. O troco dos paulistas aconteceu aos 43min. Deivid recebeu dentro da grande área e chutou com força. No reflexo, Diego espalmou por cima e salvou o Flamengo.

No segundo tempo, o Flamengo encaixou um bom contra-ataque e quase marcou aos 6min. Fellype Gabriel saiu em velocidade, pedalou e virou o jogo para Obina. De longe, o atacante chutou com força e Henao, com dificuldade, colocou a escanteio.

Porém, num vacilo da zaga flamenguista, o Santos marcou, aos 9min. Robinho driblou Rodrigo e Fabiano e rolou para Deivid empurrar para o gol.

Quando o clima no Luso-Brasileiro começava a ficar tenso, aos 21min, Obina recebeu na entrada da área, driblou um defensor e chutou com força no ângulo esquerdo de Henao. Foi o primeiro gol do atacante no Campeonato Brasileiro.

Empurrado pela torcida, o Flamengo partiu em busca do gol da vitória e ficou exposto aos contra-ataques. Aos 32min, em impedimento, Fabiano entrou cara a cara com Diego, mas o goleiro flamenguista fez defesa excepcional.

O camisa 1 dos cariocas voltou a aparecer com destaque aos 36min, após cobrança de falta de Ricardinho. O show de Diego teve novo episódio aos 40min. Deivid recebeu passe de Ricardinho e fuzilou. No reflexo, o goleiro espalmou.

Aos 41min, o Flamengo marcou o gol da vitória. Jean arrancou, passou para Jônatas, que na saída de Henao tocou para o fundo das redes. Na saída, Danilo driblou um zagueiro adversário e Diego novamente intercedeu com precisão para garantir os três pontos.

Santos 6 x 0 Bolívar

Data: 11/05/2005, quarta-feira, 19h30.
Competição: Copa Libertadores – Grupo 2 – 6ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP, Brasil.
Público: 17.906 pagantes
Renda: R$ 220.276,00
Árbitro: Jorge Larrionda (URU)
Auxiliares: Edgardo Acosta e Marcelo Gadea (ambos do URU).
Cartões amarelos: Halisson e Léo (S).
Gols: Bóvio (02-1), Ávalos (13-1) e Paulo César (42-1); Ricardinho (13-2), Basílio (25-2) e Deivid (30-2).

SANTOS
Henao, Paulo César (Flávio), Ávalos, Hallisson e Léo; Fabinho, Bóvio (Basílio); Zé Elias e Ricardinho; Deivid e Robinho.
Técnico: Gallo

BOLÍVAR
Caballero; Sánchez (Peña), Torrico, Ferreira e Pachi; Galindo, Ângulo, Reyes e Zermatten; Fischer (Cabrera) e Gutiérrez.
Técnico: Vladimir Soria



Santos massacra Bolívar e se classifica em primeiro

O Santos se classificou para a segunda fase e ainda ratificou nesta quarta-feira a primeira posição do Grupo 2 da Copa Libertadores. Jogando na Vila Belmiro, o time da casa aproveitou o momento conturbado do Bolívar e goleou o adversário por 6 a 0.

O curioso é que esta é apenas a quarta vez nesta temporada em que o Santos faz mais de três gols. Antes disso, o time da Vila Belmiro havia superado esta marca contra Portuguesa (5 a 1), Mogi Mirim (4 a 2) e Paysandu (4 a 1).

A goleada desta quarta-feira ainda confirma a excelente campanha de Gallo como técnico do Santos. Ele dirigiu a equipe em 11 oportunidades. Neste período, conquistou oito vitórias e três empates.

O último placar negativo do Santos aconteceu no dia 23 de março, quando a equipe foi comandada pelo interino Serginho Chulapa. Jogando contra o Santo André, fora de casa, o clube do litoral perdeu por 3 a 2.

Nesta quarta-feira, chamou atenção a ausência de Robinho na lista dos goleadores do Santos. Balançaram as redes o volante Bóvio, o zagueiro Ávalos, o lateral-direito Paulo César, o meia Ricardinho e os atacantes Basílio e Deivid.

Contudo, nem mesmo a falta de gols criou um ambiente ruim para o camisa 7. O atacante foi muito aplaudido pela torcida do Santos, que pediu a permanência dele no clube. “Fica Robinho”, gritaram os torcedores.

O excelente momento de Robinho, porém, não é compartilhado pelo Bolívar. O time boliviano vive um período de crise financeira e ameaçou até não disputar o confronto com o Santos.

Descontentes com o não recebimento de US$ 90 mil que a diretoria lhes devia, os atletas do Bolívar, como forma de protesto, boicotaram o vôo da manhã de terça-feira, se ausentando do embarque no aeroporto de El Alto.

Para convencer os atletas a seguirem viagem, a diretoria do Bolívar prometeu saldar parte da quantia pendente. Com isso, o Bolívar chegou ao Brasil nesta quarta-feira. “Foi muito complicado. Viemos na correria e nem concentramos direito”, confessou o zagueiro brasileiro Ferreira.

Com isso, o Bolívar termina a primeira fase na lanterna do Grupo 2 da Libertadores. E o Santos, que ficou com a liderança, aguarda agora o complemento da última rodada para conhecer seu adversário nas oitavas-de-final.

Antes disso, porém, o Santos precisa se preocupar com o Campeonato Brasileiro. O time da Vila Belmiro entra em campo pela competição nacional no próximo domingo, às 18h10, fora de casa. O adversário será o Flamengo, que somou quatro pontos nas três primeiras rodadas do torneio.

O jogo

Em casa, contra um adversário desfigurado, o Santos não demorou para mostrar imensa superioridade técnica. Logo aos 2min, Robinho lançou na esquerda para Léo e o lateral cruzou de primeira. Bóvio apareceu dentro da pequena área e completou de pé direito, no ângulo direito do goleiro Caballero.

O gol deu ainda mais tranqüilidade ao Santos, que apenas trocou passes na intermediária até encontrar espaços na defesa do Bolívar. Isso aconteceu aos 13min, quando Paulo César cobrou falta da esquerda e Ávalos, livre de marcação, cabeceou para ampliar a vantagem dos donos da casa.

Assustado, o Bolívar só conseguiu ameaçar o gol do Santos em bolas paradas. Aos 18min, por exemplo, Zermatten cobrou falta da intermediária e o chute passou perto da trave esquerda de Henao.

Com a bola rolando, porém, o Santos foi muito superior. O time da casa tocou a bola na zona intermediária, mas faltou criatividade ao meio-campo da equipe brasileira. Com isso, o time da Vila Belmiro só conseguiu chegar ao terceiro gol em um lance de pura sorte.

Aos 42min, Paulo César recebeu na direita e cruzou para a área. Caballero saiu mal do gol e não conseguiu cortar. Com isso, a bola entrou no ângulo direito do camisa 12 do Bolívar. “Eu não tentei chutar para o gol. Fiz o lançamento, mas dei sorte e ela entrou”, confessou o ala do Santos.

No segundo tempo, devido à ampla vantagem do Santos, o Bolívar resolveu sair mais para o ataque. Com isso, deu espaços para o contra-golpe da equipe da casa, que conseguiu construir a goleada.

Aos 13min, Ricardinho tabelou com Deivid e chutou de primeira, de pé esquerdo. A bola foi no canto direito baixo de Caballero, que cometeu uma falha incrível e permitiu o terceiro gol do Santos.

Quando o técnico Gallo trocou o volante Bóvio pelo atacante Basílio, o Santos aumentou a goleada. Logo aos 25min, o camisa 18 aproveitou um cruzamento de Flávio para marcar de cabeça. E Deivid completou a vitória aos 30min, ao arrematar de pé direito um cruzamento rasteiro de Robinho da direita.

Pior Santos, melhor ataque

A campanha do Santos na primeira fase da Copa Libertadores 2005 é a pior das últimas três temporadas. O clube brasileiro somou 12 pontos no período de classificação deste ano contra 16 de 2004 e 14 de 2003.

No entanto, este é o melhor ataque do Santos na Libertadores nas últimas três temporadas. A equipe 2005 marcou 18 vezes na primeira fase e superou os dois anos anteriores, quando marcou 16 gols na classificação.