Navegando Posts marcados como Deivid

Data: 24/04/2005
Competição: Campeonato Brasileiro
Local: estádio Anacleto Campanella, em São Caetano do Sul, SP.
Público e Renda: Jogo com portões fechados.
Árbitro: Clever Assunção Gonçalves (MG)
Auxiliares: Helberth Costa Andrade e Flamarion Sócrates da Silva (ambos de MG)
Cartões amarelos: Zé Augusto (P), Jóbson (P)
Gols: Deivid (04-1), Robinho (20-1, de pênalti) e Leonardo (22-1, contra); Edmílson (24-2) e Deivid (45-2).

SANTOS
Henao; Paulo César, Leonardo, Ávalos e Léo; Fabinho, Bóvio, Zé Elias (Edmílson) e Ricardinho; Robinho e Deivid
Técnico: Gallo

PAYSANDU
Ronaldo; Alemão, Tanajura, Alex Pinho e Renatinho; Donizete Amorim, Vânderson, Jobson (Lecheva) e Rodriguinho (Rodrigo); Robson e Zé Augusto (Balão)
Técnico: Paulo Campos

Danubio 1 x 2 Santos

Data: 20/04/2005, quarta-feira, 21h45.
Competição: Copa Libertadores – Grupo 2 – 5ª rodada
Local: Estádio Luis Franzini, em Montevidéu, Uruguai.
Árbitro: Héctor Baldassi (ARG)
Cartões amarelos: Risso (D); Henao, Leonardo e Zé Elias (S).
Cartão vermelho: Cafu (D)
Gols: Pouso (07-2), Deivid (20-2) e Risso (40-2, contra).

DANUBIO
Barbat; Cafu, Vieira, Melo e Pouso; Silva (Pellejero), Lima, Gargano e González; Risso e Salgueiro (Ortiz).
Técnico: Gerardo Pelusso

SANTOS
Henao; Paulo César, Leonardo, Ávalos e Léo; Zé Elias (Basílio), Fabinho, Bóvio e Ricardinho; Robinho (Halisson) e Deivid (William).
Técnico: Gallo



Santos vence de virada e assume liderança do Grupo 2 da Libertadores

O Santos venceu o Danúbio, do Uruguai, por 2 a 1 fora de casa e derrubou uma regra do grupo 2 da Copa Libertadores da América 2005. Até o jogo desta noite, nenhuma equipe da chave havia marcado pontos jogando como visitante. Com a vantagem, o time brasileiro ficou perto da classificação à próxima fase.

Sofrendo muita pressão durante toda a partida, o Santos chegou a ficar atrás no placar, e só conseguiu a virada depois que o atacante Basílio entrou no lugar de Zé Elias. Os dois gols santistas saíram de cruzamentos feitos pelo atacante.

Com o resultado, o Santos assumiu a liderança isolada do grupo com nove pontos. Bolívar e LDU, que se enfrentam em La Paz apenas na próxima quarta-feira, e o próprio Danúbio dividem a segunda posição do grupo com seis pontos.

A partida desta quarta-feira foi marcada por muita tensão, principalmente no início. Com a realização do jogo em um estádio acanhado e com o gramado em más condições, a direção do Danúbio tentou desestabilizar os santistas.

No primeiro jogo entre as duas equipes pela Libertadores, na Vila Belmiro, o Santos não permitiu que o Danúbio fizesse o reconhecimento do gramado, provocando muitas reclamações por parte dos uruguaios.

Em Montevidéu, preocupados com as condições dos vestiários do estádio Luís Franzini, os santistas já chegaram ao local do jogo uniformizados.

A próxima partida do Santos pela Libertadores acontece apenas no dia 11 de maio. No estádio da Vila Belmiro, em Santos, a equipe alvinegra enfrenta o Bolívar, da Bolívia, na penúltima rodada da primeira fase da competição.

Contudo, antes desse jogo o time comandado pelo técnico Gallo joga três vezes pelo Campeonato Brasileiro. No próximo domingo, o Santos estréia na competição nacional contra o Paysandu. E nas rodadas seguintes enfrenta Coritiba e Atlético-PR.

Os uruguaios do Danúbio voltam a jogar pela Copa Libertadores também no dia 11 de maio e enfrentam, em Quito, no Equador, a Liga Deportiva Universitária (LDU).

O jogo

A partida começou com muitas faltas e nos primeiros minutos a bola não chegou perto das áreas de Santos e Danúbio. Aos 7min, já haviam sido marcadas oito faltas no jogo, sete delas cometidas pela equipe santista.

Com isso, o Santos não conseguiu avançar ao seu campo de ataque e os donos da casa dominaram os quinze primeiros minutos de jogo. Contudo, o Danúbio não chegou ao ataque com perigo real contra o gol de Henao.

As principais ameaças da equipe uruguaia saíram de cruzamentos na área brasileira, principalmente em cobranças de escanteios e faltas de longa distância. Contudo, as tentativas do Danúbio não conseguiram superar a defesa santista, que afastou todas as bolas alçadas na área.

Aos 10min, o atacante Risso perdeu boa chance de abrir o placar. Depois de jogada pela direita, Salgueiro invadiu a área e cruzou forte para o atacante, que tentou chutar mas foi travado pelo zagueiro Leonardo.

Somente aos 14min o Santos conseguiu se aproximar da área uruguaia pela primeira vez. O meia Bóvio dominou fora da área, passou pelo marcador levando a bola para a direita do ataque e tentou fazer o cruzamento, mas a defesa tirou antes que qualquer jogador santista aparecesse.

Três minutos depois, os visitantes voltaram a fazer boa jogada de ataque. O lateral-direito Paulo César fez cruzamento e o atacante Deivid apareceu na pequena área para tocar para o fundo do gol. Contudo, o lateral-esquerdo estava à frente do último homem da defesa do Danúbio e o impedimento foi marcado contra o Santos.

Aos 20min, o lance pareceu se repetir, e mais uma vez a equipe visitante teve um gol anulado. O atacante Robinho ganhou a bola no meio e fez passe para Ricardinho na direita. O meia chutou e, depois de desvio do goleiro, Deivid mais uma vez apareceu para completar. Desta vez, porém, o impedimento marcado foi do próprio Deivid.

A partir da segunda metade do primeiro tempo, o Santos voltou a encontrar dificuldades para criar bons lances de ataque. E o Danúbio, apesar de controlar a posse de bola, não conseguia concluir com perigo contra o gol de Henao.

Aos 36min, o Danúbio conseguiu criar sua melhor oportunidade para abrir o placar no primeiro tempo. Depois de cruzamento longo feito da esquerda, o atacante Risso subiu e cabeceou sozinho a queima roupa. O goleiro Henao, no entanto, estava bem posicionado e conseguiu defender.

Nos minutos finais, o jogo voltou a ficar muito parado por conseqüência da grande quantidade de faltas cometidas pelos dois times e, assim, o intervalo chegou sem que o placar saísse do 0 a 0.

A segunda etapa voltou pouco movimentada, e o panorama do jogo continuou sem mudanças. Enquanto o Danúbio apostou nas bolas cruzadas, o Santos se postou defensivamente, esperando a oportunidade de armar um contra-ataque.

Contudo, apesar de a atitude das duas equipes permanecer inalterada, o primeiro gol não demorou a sair. Aos 7min, o meia Pablo Lima cobrou falta da direita do ataque do Danúbio com o pé esquerdo.

O zagueiro Ávalos desviou de cabeça dentro da área do Santos e acabou tirando a bola do alcance do goleiro Henao. Com isso ela já ia entrando quando Pouso apareceu em cima da linha para definir o lance.

Já no lance seguinte, o Santos ficou muito perto do empate. Em jogada armada pelo centro do campo de ataque santista, a bola sobrou para Bóvio chutar bem da entrada da área. Mas o lance parou na boa defesa do goleiro Barbat, que conseguiu tirar o chute rasteiro com os pés.

O empate veio apenas aos 21min. Ávalos tocou para o atacante Basílio, que havia acabado de entrar no lugar do volante Zé Elias. O atacante fez cruzamento da esquerda e, depois de passar pelo goleiro Barbat e por Robinho a bola encontrou a cabeça de Deivid, que fez o gol.

Com o empate, o Danúbio voltou a se concentrar nas jogadas de bola aérea na área, mas sem sucesso. E aos 39min, o Santos chegou ao gol da vitória em outro lance de Basílio.

Desta vez, o atacante dominou a bola depois de cobrança de escanteio da esquerda do ataque e cruzou novamente na pequena área. O atacante Risso tentou tirar e acabou desviando para dentro do gol.


Santos 1 x 0 Paulista

Data: 10/04/2005, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista – Turno único – 18ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 2.587 pagantes
Renda: R$ 23.947,00
Árbitro: Paulo César de Oliveira
Auxiliares: João Bourgalber N. Chaves e Rogério Gomes Da Silva
Cartão amarelo: Thiago Mathias (P)
Cartão vermelho: Thiago Mathias (P)
Gol: Deivid (43-2).

SANTOS
Henao; Paulo César, Leonardo, Ávalos e Léo; Bóvio, Fabinho, Rossini (William) e Ricardinho (Rogério); Deivid e Robinho (Douglas).
Técnico: Gallo

PAULISTA
Rafael; Lucas, Dema, Thiago Mathias e Fábio Vidal; Amaral, Cristian, Fábio Gomes e Ricardinho (Rever); Márcio Mossoró (Abraão) e Léo (Thiago Elias).
Técnico: Vágner Mancini



Com ‘estrelas’, Santos vence o Paulista

Com a volta de seus titulares, o Santos não fez grande atuação, mas voltou a vencer no Campeonato Paulista. Nesta tarde de domingo, o Alvinegro bateu o Paulista por 1 a 0, na Vila Belmiro, pela penúltima rodada da competição.

Apesar de o técnico Gallo falar publicamente da preferência pela Copa Libertadores, o clube segue com boas chances de ficar com o vice-campeonato estadual. O time tem agora 36 pontos, dois de vantagem para o Corinthians, que empatou com a Portuguesa.

Com a vitória sobre a equipe do interior, o Peixe quebra uma seqüência de duas partidas sem vencer no Paulistão. Depois de fazer 1 a 0 na Internacional, no dia 26 de março, os atuais campeões brasileiros empataram com União São João (2 a 2) e São Paulo (0 a 0).

Para melhorar, o Santos se mantém invicto na temporada atuando diante de sua torcida. A última derrota na Vila Belmiro aconteceu no dia 10 de novembro de 2004, quando perdeu por 2 a 1 para a LDU, pela Copa Sul-Americana. Em 2005, obteve sete vitórias e três empates.

Já o Paulista, mesmo perdendo, continua com chances de ficar com uma das cinco vagas na Copa do Brasil do próximo ano. A equipe de Jundiaí tem 28 pontos, em sexto lugar, e necessita de um tropeço do Santo André, quinto com 30, diante da Ponte Preta na última rodada para se classificar.

O Galo da Japi, aliás, voltou a perder depois de quatro rodadas de invencibilidade. Nesse período, o time venceu Mogi Mirim (4 a 1), Internacional (2 a 1) e Marília (1 a 0), alem de um empate com a Portuguesa (2 a 2).

Além da boa campanha no Estadual, o Paulista foi para o jogo embalado pela classificação à terceira fase da Copa do Brasil. Na última quarta-feira, o clube empatou em 2 a 2 com o Botafogo, no Maracanã, e eliminou o adversário.

Nem a entrada dos principais jogadores fez o Santos fazer uma grande partida frente ao Paulista. Tendo muita dificuldade para pressionar, o Peixe chegou a criar boas jogadas, mas pecou bastante nas finalizações.

O gol da vitória, marcado por Deivid, saiu apenas aos 43min, quando o Paulista já estava com um a menos pela expulsão do zagueiro Thiago Mathias.

O Santos encerra sua participação no Paulistão no próximo domingo, diante do Marília, às 16h, no estádio Bento de Abreu Sampaio Vidal. O Paulista recebe o Rio Branco, no mesmo dia e horário, no Jaime Cintra.

Pela Libertadores, única competição que ainda tem chance de conquista, o Santos volta a campo no dia 20 de abril, contra o Danúbio, no estádio Centenário, em Montevidéu, no Uruguai.

O jogo

O Santos começou a partida com muita dificuldade para passar pela marcação do Paulista, principalmente no meio-campo. Jogando com cinco jogadores no setor, o clube de Jundiaí anulou Ricardinho e Rossini, fazendo o Alvinegro procurar o ataque pelas laterais.

A primeira boa oportunidade de gols do time da casa surgiu aos 13min. Paulo César cruzou da direita para Deivid. O atacante pegou de voleio, mas errou o alvo e mandou a bola pela linha de fundo.

Sete minutos depois, o Santos voltou a pressionar e novamente com o lateral Paulo César. Ele cobrou falta próxima da área e o goleiro Rafael, no canto direito, conseguiu espalmar para escanteio.

O Paulista respondeu aos 23min e quase abriu o placar. Márcio Mossoró arrancou pela esquerda e cruzou para trás. A bola ficou com o meio-campista Ricardinho, que chutou de primeira à esquerda de Henao.

Sem a mesma velocidade das outras partidas, o Santos não conseguia pressionar. Aos 33min, Ricardinho recebeu na área, gingou na frente da marcação e chutou. A bola passou à direita do gol e saiu.

No final do primeiro tempo foi a vez de Robinho desperdiçar. Aos 43min, Fabinho fez belo lançamento para o ataque que, mesmo livre de marcação, chutou por cima da meta.

Na volta do intervalo, o Santos reapareceu com mais velocidade e quase fez o primeiro aos 4min. Em rápido contra-ataque, Léo desceu pela esquerda e cruzou para a área. Deivid apareceu sem marcação e chutou para fora.

A resposta dos visitantes veio aos 13min. Após jogada confusa da defesa do Peixe, a bola ficou para o Fábio Costa. O volante soltou a bomba de fora de área e obrigou o goleiro Henao a fazer bela defesa no canto direito.

Aos 19min, o Paulista perdeu o zagueiro Thiago Mathias, expulso. O jogador cometeu falta sobre William, que acabara de entrar, e como já tinha cartão amarelo acabou recebendo o vermelho. Na seqüência do lance, Ricardinho bateu falta e Rafael, no ângulo esquerdo, espalmou para fora.

Com um jogador a mais em campo, o Santos passou a se arriscar mais no ataque. Entretanto, foi o Paulista que quase marcou. Aos 32min, depois de cobrança de escanteio, a bola ficou para Léo chutar forte e Henao defender do meio do gol.

Aos 43min, enfim, o Santos abriu o placar. Léo recebeu belo passe de Robinho e cruzou. Deivid apareceu livre na área e apenas escorou de cabeça, garantindo mais três pontos ao Alvinegro.

União São João 2 x 2 Santos

Data: 31/03/2005, quinta-feira, 20h30.
Competição: Campeonato Paulista
Local: Estádio Hermínio Ometto, em Araras, SP.
Público: 1.395 pagantes
Renda: R$ 15.970,00
Árbitro:Phillipe Lombard
Auxiliares: Válter José dos Reis e Ednilson Corona
Cartões amarelos: Paulinho Kobayashi e Alexsandro (U).
Gols: Juliano (30-1); William (12-2), Deivid (17-2) e Juliano (46-2).

UNIÃO SÃO JOÃO
Luciano, Jorginho, Félix, Diguinho e Guilherme (Reinaldo); Marcelo (Tiago) (Michel), Pires, Alex Sandro e Juliano; Paulinho Kobayashi e Borges.
Técnico: Luiz Carlos Ferreira

SANTOS
Mauro, Bóvio, Halisson, Domingos e Flávio; Rogério, Beto, Cadu (Fábio Baiano) e Rossini; Evando (Deivid) e William (Basílio).
Técnico: Gallo



Santos cede empate no final e não tem mais chances

Jogando mal, o Santos apenas empatou com o União São João fora de casa na noite desta quinta-feira e, mesmo com a vitória da Portuguesa por 2 a 1 sobre o até então invicto São Paulo, o time do litoral não tem mais chances matemáticas de chegar ao título do Campeonato Paulista e continua com um jejum que dura desde 1984 no Estadual.

O time comandado pelo técnico Gallo fez um primeiro tempo muito ruim, saindo para o intervalo perdendo por 1 a 0. Apenas no segundo tempo o time melhorou a postura ofensiva e conseguiu a virada para 2 a 1.

Quando o jogo caminhava para a vitória santista, no entanto, aos 46min do segundo tempo, os donos da casa conseguiram chegar ao empate por 2 a 2 e acabaram com as chances do Santos na competição.

Antes do jogo, o técnico Gallo surpreendeu ao escalar um time sem uma série de jogadores titulares. Ricardinho e Robinho, que estavam com a seleção brasileira até ontem, por exemplo, sequer viajaram para Araras.

Além dos “selecionáveis”, no entanto, Gallo também deixou de fora do jogo outros titulares. O lateral Paulo César sequer foi relacionado para ficar como opção no banco de reservas.

Estas opções, no entanto, foram a salvação da equipe no início do segundo tempo. Colocando Fábio Baiano e Deivid nos lugares de Cadu e Evando respectivamente, o treinador conseguiu aumentar o poder do setor ofensivo e a equipe chegou a alcançar a virada, perdida apenas no último lance do jogo.

Com o resultado, o Santos foi a 32 pontos, nove a menos que o São Paulo. A equipe da Vila Belmiro ainda pode alcançar o time tricolor caso vença as três partidas restantes e o adversário saia derrotado de seus três jogos.

Contudo, ainda assim o São Paulo ficaria na frente, graças ao critério de maior número de vitórias. Com nove conquistadas até agora, o Santos só poderia chegar a 12 sucessos, contra 13 já conquistados pelo time tricolor.

Já o União São João, com o empate, conseguiu abrir dois pontos de distância para o primeiro time da zona de rebaixamento. Com 17 pontos, o União ocupa a 16ª posição, imediatamente à frente do Rio Branco, primeiro entre os times que seriam rebaixados se o campeonato terminasse agora.

No próximo domingo, o Santos enfrenta o São Paulo no estádio Wilson de Barros, em Mogi Mirim, no jogo que pode garantir o título para o time do Morumbi.

A partida, inicialmente marcada para acontecer na Vila Belmiro, foi transferida para o interior do estado pela diretoria santista, que não queria ver o adversário conquistar o título na casa do Santos.

No entanto, o esperado era que o São Paulo conquistasse o título já nesta quinta-feira, pois dependia apenas de uma vitória sobre a ameaçada Portuguesa.

Com o resultado negativo, no entanto, o time comandado por Emerson Leão agora espera conquistar o título contra o Santos, mesmo que não seja jogando na casa do adversário. Para isso, precisa apenas de um empate.

O jogo

Sem o entrosamento necessário, a equipe do Santos começou a partida encontrando muita dificuldade. A marcação no meio de campo não conseguiu parar o setor de armação do União São João e permitiu que o time do interior chegasse perto da área com facilidade.

No entanto, a criatividade da equipe do União São João, também limitada, não foi suficiente para levar o time a criar chances reais de abrir o placar. E a maioria das jogadas criadas foram interrompidas pela defesa santista antes da conclusão a gol.

A primeira chance real veio apenas aos 11min de jogo. O atacante Borges, do União, chutou forte de fora da área e o goleiro Mauro precisou se esticar para tocar na bola com a ponta dos dedos. Ela ainda tocou no travessão antes de sair para escanteio.

O Santos só conseguiu mostrar algum poder ofensivo aos 18min, após falha de Diguinho. O zagueiro do time do interior perdeu a bola no meio de campo e o atacante William puxou o contra-ataque do Santos pela esquerda do ataque.

Pouco antes de chegar à área do União, William fez o passe para Evando, que vinha chegando sozinho na meia lua da grande área. O atacante, porém, não conseguiu pegar em cheio na bola e o chute acabou saindo fraco, sem grande perigo para o goleiro Luciano.

Nos minutos seguintes, as duas equipes passaram a se preocupar quase que exclusivamente com a marcação, e o jogo ficou concentrado no meio de campo, com muitas faltas e passes errados.

Somente aos 30min este cenário foi alterado, com o primeiro gol da partida. Em cobrança de falta com o pé esquerdo pela direita do ataque o capitão do União São João, Juliano, conseguiu colocar a bola no canto esquerdo, fora do alcance de Mauro.

Após abrir o placar, o União ainda tentou aumentar com uma seqüência de bons ataques, mas todos acabaram em desarmes da defesa santista. Enquanto isso, os visitantes não conseguiram criar.

A única ameaça de reação da equipe comandada pelo técnico Gallo veio aos 42min da etapa inicial. Depois de cruzamento na área, Evando apareceu bem e dividiu com o goleiro, mas acabou não conseguindo marcar.

Na volta do intervalo, Gallo colocou em campo os titulares Fábio Baiano e Deivid, mas as alterações não fizeram efeito imediato. A primeira oportunidade criada, aos 6min, foi do União.

O atacante Borges recebeu lançamento pela direita e, invadindo a área, chutou forte, mas por cima do gol de Mauro.

Aos 12min, finalmente o time da Vila Belmiro entrou no jogo e conseguiu empatar a partida. Deivid chutou forte de longe e no rebote, William precisou tentar duas vezes para conseguir marcar.

Depois do primeiro, não demorou a vir a virada. O atacante Deivid, de fora da área, acertou belo chute com a bola no alto. O goleiro Luciano falhou feio ao tentar segurar a bola e o Santos marcou o segundo.

Na frente no placar, o Santos passou a dominar o jogo, trocando passes no meio de campo e prendendo a bola no ataque com o atacante Deivid. Com isso, o União São João não conseguiu voltar a ameaçar o goleiro Mauro.

Apenas na última jogada da partida, já aos 46min do segundo tempo, o União voltou a chegar na área santista. E foi o suficiente para o meia Juliano marcar seu segundo gol na partida e conseguir o empate para os donos da casa.

Santos 1 x 0 Inter de Limeira

Data: 26/03/2005, sábado, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista – Turno único – 15ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 3.139 pagantes
Renda: R$ 35.655,00
Árbitra: Sílvia Regina de Oliveira
Auxiliares: Ana Paula da Silva Oliveira e Rafael Ferreira da Silva
Cartão amarelo: Izaías (I)
Gol: Deivid (37-2).

SANTOS
Mauro; Flávio (Beto), Halisson, Ávalos e Giba; Rogério (Evando), Bóvio, Tcheco (Cadu) e Fábio Baiano; Basílio e Deivid.
Técnico: Gallo

INTER DE LIMEIRA
Carlos Carioca; Fábio Recife, Valdir e Milton do Ó (Laerte); Neto, Alexandre Salles, Fabiano Negreiros, Esquerdinha e Almir (Julio César); Izaías e Thiago.
Técnico: Arnaldo Lira



Santos vence e se mantém na briga pelo estadual

Na briga pelo título do Campeonato Paulista. Assim permaneceu o Santos ao vencer a Inter de Limeira por 1 a 0, na tarde deste sábado, no estádio da Vila Belmiro. Mesmo não fazendo uma boa atuação, a equipe alvinegra saiu com os três pontos e interrompeu uma série de dois jogos sem vencer.

Com o resultado, o Santos chegou a 31 pontos e continua 10 atrás do líder São Paulo, o que o mantém com chances de quebrar o tabu de não ganhar o estadual desde 1984. A partida marcou a estréia do técnico Gallo, que substituiu Oswaldo de Oliveira.

Já a Inter de Limeira segue na lanterna e permanece com nove pontos, o que a classifica com uma forte candidata para o rebaixamento na competição. O time não vence um jogo desde o dia 20 de fevereiro, quando bateu a Portuguesa por 2 a 1.

Na partida deste sábado, o Santos atuou sem cinco titulares, já que Robinho e Ricardinho estão servindo a seleção brasileira, e o volante Fabinnho e os laterais Paulo César e Léo seguem no departamento médico do clube.

Na próxima rodada, o Santos vai até o interior do estado e enfrenta o União São João, em Araras. A Inter de Limeira também joga fora de seus domínios e encara o Paulista, em Jundiaí.

O jogo

Sem a velocidade de Robinho e os passes de Ricardinho, O Santos começou o jogo bem lento, tanto que a primeira oportunidade de gol só saiu aos 10min. Tcheco arriscou de fora da área e a bola saiu à direita do gol da Inter.

A equipe praiana realmente acordou e dois minutos depois, Deivid recebeu lançamento pela direita, dominou e, dentro da área tentou o chute, mas acertou a rede pelo lado de fora.

Só dava Santos e, aos 14min, outra vez Deivid, principal jogador do Santos no início da partida, recebeu pela esquerda, avançou e tocou para trás. Fábio Baiano chutou de primeira, obrigando o goleiro Carlos Carioca a defender em dois tempos.

A partir daí o Santos diminuiu o ritmo e não conseguiu criar boas chances, principalmente pela lentidão do seu meio-campo, que sentiu muito a falta de seu organizador, Ricardinho. Fora isso, ficava claro a falta que Robinho faz ao time, que não rende o mesmo sem ele.

A Inter de Limeira então se animou e procurou o ataque, sempre buscando as jogadas através da velocidade do atacante Izaías. Mas, ineficiente, a equipe não passava da intermediária santista.

Foi só aos 29min que o Santos voltou a ameaçar e até marcou o gol. Fábio Baiano fez boa jogada individual, passou por dois adversários e, com o gol livre à frente, preferiu tocar para Basílio. O atacante, livre, chutou e estufou as redes, mas a árbitra Sílvia Regina de Oliveira marcou impedimento.

Aos 32min, o zagueiro Ávallos fez boa jogada e lançou Deivid. O atacante invadiu a área e deixou dois marcadores para trás. Porém, quando preparou o chute, Carlos Carioca deixou o gol e dividiu com o atacante, impedindo que ele concluísse.

Mesmo não fazendo uma boa apresentação, o Santos se aproveitava da fragilidade do adversário, lanterna da competição. Assim, aos 39min, Deivid mais uma vez levou vantagem pela esquerda do ataque e cruzou. Bóvio arriscou de primeira e acertou o travessão.

Para o segundo tempo, o estreante técnico Gallo mudou o Santos e colocou o meio-campo Beto no lugar do lateral-direito Flávio. Com isso, Bóvio passou a jogar pela ala direita. Na Inter, o também estreante técnico Arnaldo Lira trocou um zagueiro pelo outro. Milton do Ó saiu machucado e deu lugar a Laerte.

Lento como o primeiro tempo. Assim foi o início da segunda etapa entre Santos e Inter. Ambas as equipes continuaram a tocar a bola sem objetividade e com isso não conseguiram criar as jogadas que pudessem resultar em gol.

Tanto que a primeira jogada que levou algum perigo só aconteceu aos 10min. Após cruzamento na área do Santos, a zaga afastou e, no rebote, Esquerdinha bateu forte. A bola desviou na zaga e quase enganou o goleiro Mauro.

O mesmo Esquerdinha perdeu uma chance incrível um minuto depois. Ele recebeu dentro da área, ajeitou e, livre, chutou por cima do gol do goleiro santista.

Apagado em campo, o Santos, além de não criar, também passou a deixar a equipe de Limeira jogar. Aos 14min, Esquerdinha cobrou falta e após o desvio de Thiago, a bola foi na trave.

Na seqüência, Deivid fez boa jogada pela direita, trouxe a bola para o meio e tocou para Fábio Baiano. O meia limpou a jogada e chutou, mas outra vez o goleiro Carlos Carioca defendeu de forma tranqüila.

Aos 26min o técnico Gallo decidiu tornar seu time mais ofensivo e colocou em campo o atacante Evando, que substituiu o volante Rogério, mudando o esquema de seu time do 4-4-2 para o 4-3-3.

Dois minutos depois da alteração, Deivid teve boa chance de abrir o placar. Após cobrança de falta de Fábio Baiano, o atacante dominou na entrada da área e chutou forte, mas errou o alvo e mandou à direita do gol de Carlos Carioca.

Mas a alteração do técnico Gallo não surtiu efeito e o Santos continuou a não criar as oportunidades de gol. Com Fábio Baiano sozinho na armação, os atacantes não recebiam com boas chances de marcar, o que dificultava suas conclusões.

Porém, aos 37min, o atacante Evando fez boa jogada pela esquerda e tocou para Deivid. Dentro da área e com certa facilidade, o atacante só tirou do goleiro e marcou para o Santos, 1 a 0.

Com o gol, o atual campeão brasileiro passou a tocar a bola e a administrar a partida, e só esperou o apito final para comemorar o resultado.