Navegando Posts marcados como eleição

Dirigente prometeu aproximar o torcedor do clube e criar um parque temático

Depois de diversas confusões, o Santos finalmente tem um presidente eleito para o trênio de 2015-2017. Com 1.321 votos, Modesto Roma Júnior, jornalista de 62 anos, residente na cidade praiana, foi eleito o mandatário santista na noite deste sábado (13), pela chapa de número quatro, para suceder Odílio Rodrigues.

No total 14 urnas de papel contabilizaram os votos, sendo dez na Vila Belmiro e quatro na Federação Paulista de Futebol, em São Paulo. Na capital paulista, 1.110 pessoas votaram, sendo que José Carlos Peres venceu, com 407 votos.

Modesto Roma Júnior, da Chapa 4 (Santos Gigante), venceu a eleição com 1.321 votos, ele ficou à frente de José Carlos Peres, da Chapa 1 (Santos Vivo), que teve 1.139 sufrágios. Fernando Silva, da Chapa 5 (Mar Branco), ficou em terceiro lugar, com 1.077. Na quarta colocação ficou Orlando Rollo, da Chapa 3 (Pense Novo Santos), com 855. O quinto e último lugar ficou com Nabil Khaznadar, representante da situação, da Chapa 2 (Avança Santos), com 735 votos.

Desde o início de sua campanha, Modesto demonstrou que queria fazer mudanças no organograma do clube. Uma de suas principais propostas é trazer um CEO, que é ele Dagoberto Santos, que já atuou no Peixe na gestão de Marcelo Teixeira, ex-presidente que lançou a candidatura de Roma.

Além disso, o candidato da chapa quatro quer trazer o sócio do Santos com eventos, principalmente a Sanfest e também criar um parque temático do alvinegro. Mas os maiores desafios serão, claro, em relação ao futebol profissional: a renovação de contrato de Robinho e o que fazer com Leandro Damião.

Confusão nas urnas

No último dia 6, data inicial do pleito, as urnas eletrônicas apresentaram problemas técnicos. Depois disso, a Assembléia Eleitoral definiu que a votação seria com urnas de papel. No entanto, o delegado da mesa 7, José Ananias da Silva, foi acusado de depoistar dois papéis de uma vez, o que terminou com a eleição suspensa e com os papéis incinerados.

Uma semana depois, data remarcada para o pleito, as urnas eletrônicas foram novamente descardas após falhas técnicas e a votação aconteceu por cédulas de papel.


Presidente bateu o oposicionista Reinaldo Guerreiro com 87% dos votos

Por ampla maioria, o atual presidente do Santos, Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro, foi reeleito neste sábado e cumprirá seu segundo mandato, agora de três anos. Ele será o comandante do clube no ano do Centenário (2012) e passará o bastão em dezembro de 2014 – antes da mudança de estatuto aprovada neste ano, eram dois anos de mandato.

Laor, como o dirigente santista é conhecido, não teve dificuldades para vencer o oposicionista Reinaldo Guerreiro. Vivendo uma onda de popularidade, com títulos conquistados e conseguindo driblar o assédio europeu para manter Neymar no clube até 2014, o presidente santista obteve 3.365 votos, contra 503 de Guerreiro – na porcentagem, 87% a 13% para Laor, com 12 votos em branco e nove nulos.

No total, 3.889 associados participaram do pleito, quebrando recorde de 2009, quando Luis Alvaro foi eleito pela primeira vez. Na ocasião, foram contabilizados 3.024 votos.

As urnas foram abertas às 10h. Pela primeira vez, as eleições santistas ocorreram em dois lugares simultaneamente: na Vila Belmiro e na seda de Federação Paulista de Futebol, em São Paulo. Outra novidade foi a utilização de urnas eletrônicas, o que tornou bem mais ágil o processo de apuração.

Luis Alvaro teve 96% dos votos dos eleitores de São Paulo, contra 4% de Guerreiro – 838 votos contra apenas 32 do oposicionista. Em Santos, o placar foi de 2.527 votos para Laor e 471 para Guerreiro. Laor teve, portanto, quase o dobro de votos obtidos na eleição de 2009, quando venceu Marcelo Teixeira com 1.889.

– Agradeço ao sócio santista por mais esse voto de confiança. Isso mostra que o trabalho de dois anos e quatro títulos (uma Libertadores, uma Copa do Brasil e dois Paulistas) foi reconhecido – disse Laor, que aproveitou a empolgação da vitória para reafirmar seu otimismo com a possibilidade de o Peixe ser tricampeão mundial batendo o Barcelona, no Japão.

– Se Deus quiser estaremos na final do dia 18. Estamos preparados para enfiar goela abaixo dos pretensiosos espanhóis a força do Santos.

A derrota dos oposicionistas foi enorme. Por não ter atingido 20% dos votos, a chapa de oposição perdeu o direito de ter representantes no Conselho Deliberativo.

Tudo em paz

Ao contrário do que aconteceu em 2009, quando vários incidentes foram registrados (houve até quem atirasse uma bomba de gás lacrimogêneo no Salão de Mármore, provocando tumulto), as eleições deste ano transcorreram em clima de paz. Houve até um abraço amistoso entre o ex-presidente, Marcelo Teixeira, e o atual. Inimigos políticos, eles deram uma trégua neste sábado.


Depois de nove anos, o Santos tem um novo presidente. Neste sábado, o sociólogo Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro venceu as eleições do clube e substitui Marcelo Teixeira no comando do clube alvinegro. O pleito, aliás, foi marcado por muita confusão envolvendo simpatizantes de situação e oposição.

Ribeiro venceu as eleições com 1.882 votos, contra 1.129 de Teixeira. Também foram registrados 12 votos nulos e um branco. No total, 3.024 santistas aptos a votar foram às urnas neste sábado.

Durante a apuração, enquanto ainda vencia Teixeira por uma boa vantagem, Ribeiro já prometia uma revolução no clube. “Nós vamos fazer uma varredura no Santos”, disse o agora presidente santista, mantendo o discurso feito na campanha.

Também durante a apuração, Teixeira reconheceu a desvantagem no número de votos em relação a Ribeiro e deixou as dependências do Santos antes mesmo de o processo ser concluído. A ação do agora ex-presidente, aliás, deve ser a mesma do técnico Vanderlei Luxemburgo, que prometeu deixar o Santos em caso de derrota da situação nas urnas.

Eleito presidente do Santos em 2000, Marcelo Teixeira “colocou a mão no bolso” e montou um time repleto de medalhões naquele ano, com nomes como Rincón, Márcio Santos, Galván, Carlos Germano e Valdo, mas a equipe não rendeu como ele esperava – apesar do vice paulista daquela temporada.

Em 2002, porém, o Santos revelou a geração de Robinho, Diego, Paulo Almeida, Alex e Elano, foi campeão brasileiro e consagrou Teixeira ao quebrar um jejum desde 1984 sem o clube conquistar um título relevante. Outro título brasileiro veio dois anos depois, em 2004, sob o comando de Luxemburgo – amigo de Teixeira.

No ano de 2003, com Emerson Leão, o Santos voltou a sonhar com títulos internacionais. A equipe praiana chegou à decisão da Copa Libertadores, mas parou no Boca Juniors, de Tevez.

Nos anos de 2006 e 07, o clube foi bicampeão paulista, mas já não conseguiu repetir no Brasileiro as campanhas do passado. Na Libertadores de 2006, a equipe perdeu a semifinal para o Grêmio.

Nos últimos dois anos, Teixeira não conseguiu mais fazer boas campanhas no Brasileiro e a sua imagem se desgastou perante a torcida. O último suspiro foi o vice-campeonato paulista desde ano, quando perdeu a decisão para o Corinthians de Ronaldo.

Santistas brigam em eleição e chegam a paralisar apuração

Uma confusão entre torcedores e membros da oposição do Santos interrompeu por alguns minutos a apuração dos votos da eleição presidencial do clube, neste sábado. Concorrendo ao cargo contra Marcelo Teixeira e eleito novo presidente alvinegro ao término da briga, Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro liderava a contagem dos votos santistas.

A briga se sucedeu depois que urna 5 foi aberta. Integrantes de uma das torcidas organizadas do Santos partiram para cima dos oposicionistas e o clima ficou pesado nas dependências do clube – muitas cadeiras, inclusive, foram quebradas. A apuração das urnas foi retomada por volta das 20h20 (de Brasília).

Luiz Alvaro de Oliveira Ribeiro liderava a disputa até a abertura das cinco primeiras urnas com 918 votos, contra 532 de Marcelo Teixeira, que presidia o clube desde 2000. Com a volta da apuração, a oposição fechou a eleição com 1.882 votos, contra 1.129 da situação.


Atual presidente ganha eleição e irá para o seu sexto mandato



Marcelo Teixeira foi reeleito, neste sábado, para mais um mandato de dois anos à frente do Santos Futebol Clube. Na eleição, realizada durante todo o dia na Vila Belmiro, o atual presidente ganhou a eleição – 1367 a 617 votos – do jornalista e engenheiro Paulo Schiff, que tentava a presidência pela segunda vez seguida. Votaram 1999 associados.

Com a apuração das urnas, Teixeira irá para o seu quinto mandato consecutivo no biênio 2008/2009 do ano que vem. Segundo Teixeira a prioridade do seu novo período no comando do Santos será a conquista da Taça Libertadores da América. Como atual vice-campeão brasileiro, o Peixe está classificado para a próxima edição da competição continental.

Outra missão de Teixeira será renovar o contrato de Vanderlei Luxemburgo. O treinador, cabo eleitoral da campanha da chapa de situação, já tinha dito que só renovaria o vínculo, que termina no fim deste ano, caso Marcelo fosse eleito.


O presidente do Santos, Marcelo Teixeira, 41 anos, foi reeleito para mais um mandato (2006-2007) à frente do clube da Vila Belmiro. Ele ficará no cargo até dezembro de 2007. É a quinta gestão de Teixeira à frente do clube, a quarta consecutiva.

Teixeira derrotou o candidato da oposição (chapa 1 – Resgate Santista), o engenheiro e jornalista Paulo Schiff, por 1.335 votos a 748 votos. Houve dois votos nulos, totalizando 2.085 votos. Pelos estatutos do clube, 10.167 associados estavam aptos a votar.

Após ser declarado vencedor, Teixeira não quis falar sobre contratações para o próximo ano. Disse que trataria do assunto apenas a partir de hoje. Para o cargo de treinador, o nome mais cotado para assumir é o de Muricy Ramalho, atual técnico do Inter.