Navegando Posts marcados como eliminado

Santos 1 x 0 Ponte Preta – 4 x 5 pênaltis

Data: 10/04/2017, segunda-feira, 20h00.
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Competição: Campeonato Paulista – Quartas de final – Jogo de volta
Público: 37.145 presentes (33.236 pagantes e 3.909 não pagantes)
Renda: R$ 1.515.650,00
Árbitro: Rafael Gomes Felix da Silva
Auxiliares: Marcelo Carvalho Van Gasse e Danilo Ricardo Simon Manis.
Cartões amarelos: Vitor Bueno, Victor Ferraz (S); Clayson, Reynaldo e William Pottker (PP).
Gol: David Braz (15-1).
Pênaltis:

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Zeca; Renato, Thiago Maia e Lucas Lima; Bruno Henrique (Copete), Vitor Bueno (Jean Mota) e Ricardo Oliveira (Kayke).
Técnico: Dorival Junior

PONTE PRETA
Aranha; Nino Paraíba (Jeferson), Marllon, Yago e Reynaldo; Jádson, Elton e Wendel (Naldo); Clayson, Lucca (Ravanelli) e Pottker.
Técnico: Gilson Kleina



Braz vai de herói a vilão e Ponte despacha o Santos nos pênaltis

O Santos entrou no Pacaembu, na noite desta segunda-feira, disposto a reverter a vantagem da Ponte Preta e avançar para as semifinais do Campeonato Paulista. Empurrado por mais de 37 mil torcedores, o Peixe deixou de lado a apatia demonstrada no duelo de ida, em Campinas, pressionou a Macaca desde os primeiros minutos e venceu por 1 a 0, com um golaço marcado por David Braz.

Porém, como a equipe comandada por Dorival Júnior perdeu pelo mesmo placar no Moisés Lucarelli, o confronto foi decidido nos pênaltis. Ironicamente, Braz foi único jogador que perdeu uma penalidade, defendida pelo goleiro Aranha, e a Ponte ficou com a vaga na semifinal do Estadual.

Com a classificação, a Macaca terá pela frente o Palmeiras na semifinal do Paulistão. Como o Verdão ostenta a melhor campanha do torneio, o primeiro duelo será em Campinas e a confronto decisivo acontece na casa do alviverde.

O jogo

Como já era esperado, o duelo começou quente no Pacaembu. Precisando de dois gols para avançar, o Santos começou em cima da Ponte. Logo aos cinco minutos, Ricardo Oliveira recebeu lançamento, avançou para dentro da área e bateu cruzado. A bola passou raspando a trave direita do goleiro Aranha.

No lance seguinte, Lucas Lima mandou uma bomba de longe e assustou novamente o arqueiro da Macaca. Mostrando um futebol diferente das últimas partidas, o Peixe abandonou a lentidão e pressionava a saída de bola da Ponte. Acuado, o time de Campinas tentava colocar morosidade na partida, pensando na vantagem de ter vencido o primeiro jogo por 1 a 0.

Os minutos foram passando, a equipe comandada por Dorival Júnior continuou pressionando e foi premiada aos 15 da primeira etapa. E foi em grande estilo. Após cobrança de falta de Lucas Lima, Bruno Henrique desviou de cabeça para dentro da área. Lucas Veríssimo tentou uma bicicleta e bola sobrou para David Braz. Mesmo sendo zagueiro, ele mostrou extrema categoria para emendar um lindo voleio e abrir o placar no Pacaembu. Golaço!

Após a abertura do marcador, o Santos diminuiu um pouco o ímpeto inicial e deixou a Macaca ‘respirar’ um pouco na partida. Mesmo assim, o time comandado por Gilson Kleina não conseguia incomodar o goleiro Vanderlei, que não fez uma defesa sequer durante todo o primeiro tempo.

Antes do intervalo, ainda sobrou tempo para os santistas reclamarem de um pênalti em cima de Bruno Henrique. O atacante foi empurrado dentro da área, mas o árbitro Rafael Gomes Felix da Silva, o mesmo daquela polêmica vitória do Peixe sobre o Red Bull Brasil, mandou o lance seguir, revoltando torcedores e atletas do Peixe.

Ao contrário do que aconteceu na etapa inicial, a equipe comandada por Dorival Júnior voltou do intervalo com um ritmo mais tranquilo. A Ponte, por sua vez, não se mostrava disposta a arriscar e apenas apostava nos contra-ataques. Porém, não demorou muito para o Santos retomar as rédeas do jogo e ter a primeira oportunidade.

Aos 9 minutos, Victor Ferraz cruzou na área e a defesa da Macaca afastou. No rebote, Zeca dominou, cortou para a perna direita e soltou uma bomba, obrigando o goleiro Aranha a fazer boa defesa e salvar o time de Campinas. Logo depois, aos 12, Vitor Bueno cobrou falta para dentro da área, a bola passou por todo mundo e assustou o arqueiro pontepretano.

A pressão continuou. Aos 17 minutos, Zeca recebeu de Lucas Lima, avançou na entrada da área e arriscou mais um chute. A bola foi no cantinho esquerdo de Aranha, mas bateu na trave.

Após sofrer novamente com a pressão santista, a Ponte finalmente ‘acordou’ aos 26 minutos e teve sua primeira grande oportunidade com Ravanelli. O meia bateu falta direto para o gol e Vanderlei salvou o Peixe. No lance seguinte, Elton cruzou na área e Yago mandou para o fundo das redes. Porém, o defensor estava impedido e o empate da Macaca foi anulado.

A pequena pressão da Ponte parou por aí. Porém, o Santos também ‘pregou’ no gramado e pouco assustou Aranha. No último suspiro, aos 47 minutos, o colombiano Jonathan Copete recebeu fora da área, dominou no peito e mandou um vôlei. A bola passou muito perto da trave direita. Após a chance perdida, o árbitro Rafael Gomes Felix da Silva apitou o fim da partida, decretando a decisão por pênaltis no Pacaembu.

Na primeira cobrança, Kayke marcou para o Santos. Ravanelli empatou. David Braz, autor de um golaço no primeiro tempo, parou em Aranha. Depois, Yago venceu Vanderlei e colocou a Ponte em vantagem. Jean Mota, que entrou na reta final da partida, bateu com categoria e marcou o segundo do alvinegro.

A Macaca, porém, seguia mostrando categoria nas penalidades. Clayson tirou Vanderlei e manteve o time de Campinas na frente. Na sequência, Copete também deslocou Vanderlei. Jadson anotou mais um para a Ponte.

Já Lucas Lima, por sua vez, bateu no ângulo e manteve o Peixe vivo. Porém, William Pottker marcou o último e confirmou a Macaca na semifinal do Campeonato Paulista.

Bastidores – Santos TV:

Zeca destaca bom jogo e defende técnico após queda nos pênaltis

Após apatia e lentidão na primeira partida, em Campinas, o Santos ‘acordou’ contra a Ponte Preta, no duelo desta segunda-feira, no Pacaembu, alcançou a vitória por 1 a 0 e igualou a vantagem construída no confronto de ida. Porém, a boa apresentação não foi suficiente para o Peixe conquistar a classificação, já que a Macaca venceu nos pênaltis e conquistou a vaga na semifinal do Campeonato Paulista.

Apesar da eliminação precoce, o lateral-esquerdo Zeca, que acertou uma bola na trave no segundo tempo, valorizou a partida feita pela equipe comandada por Dorival Júnior.

“Fizemos uma boa partida e não merecíamos sair daqui eliminados. Infelizmente perdemos, mas a equipe jogou bem”, ressaltou.

A derrota coloca mais pressão em cima do técnico Dorival Júnior, que vem sendo criticado por parte da torcida alvinegra. No duelo desta segunda, inclusive, o comandante foi vaiado e chamado de ‘burro’ após tirar Bruno Henrique para promover a entrada de Copete. Apesar das cobranças, Zeca defendeu o técnico santista.

“O treinador levantou esse time, tirou a gente da zona de rebaixamento em 2015. Essa pressão é criada pela mídia. Estou bem chateado pela derrota, mas agora é levantar a cabeça e pensar na Libertadores”, concluiu o lateral-esquerdo.

Dorival se diz tranquilo com pressão e mira vaga na Libertadores

O Campeonato Paulista já é passado para o Santos. Pelo menos é o que acredita o técnico Dorival Júnior. Após a derrota nos pênaltis para a Ponte Preta, nesta segunda-feira, no Pacaembu, que culminou com a eliminação no Estadual, o comandante santista mostrou ter certeza de que o Peixe conseguirá se reerguer e buscará a classificação para as oitavas de final da Copa Libertadores.

“Nós vamos buscar nossa classificação. Hoje nós não temos somente uma equipe. Temos um grande elenco, montado e preparado. Tivemos algumas derrotas no Paulistão em que dificilmente fomos envolvidos. Vejo o Santos muito bem encaminhado e pronto para grandes conquistas. O time vai corresponder. Eu não tenho dúvidas”, ressaltou o treinador, em entrevista coletiva após a partida desta segunda.

Apesar de acreditar na classificação santista no torneio continental, Dorival conviverá com uma intensa pressão até o próximo compromisso pela Liberta, no próximo dia 19, contra o Independiente Santa Fe, em Bogotá, na Colômbia. O comandante, porém, não se vê ameaçado no cargo.

“Estou muito tranquilo em relação ao que venha acontecer futuramente. Esse tipo de pressão existe a partir do momento que você não faça um momento de um resultado ou outro. Na primeira derrota contra o São Paulo já aconteceu uma manifestação. Isso faz parte. Meu trabalho está sendo desenvolvido. Diretoria mantém até ter confiança no trabalho”, concluiu Dorival.

Modesto banca Dorival e dispara contra árbitro: “Incompetente”

Logo após o pênalti anotado por William Pottker, na noite desta segunda-feira, no Pacaembu, que decretou a eliminação do Santos no Campeonato Paulista, muitas especulações quanto ao futuro do técnico Dorival Júnior no clube já começaram a surgir.

Porém, o presidente Modesto Roma Júnior nem esperou o ‘calor do jogo’ terminar e já tratou de garantir a permanência do treinador. O mandatário, inclusive, demonstrou muita irritação quando foi perguntado sobre uma possível saída do comandante.

“O Dorival não vai sair do Santos. Não se ganha título com treinador ping-pong”, resumiu Modesto, em entrevista após o duelo desta segunda.

Se estava demonstrando alguma irritação com a pergunta sobre Dorival, o presidente santista se revoltou de vez ao comentar a atuação ao árbitro Rafael Felix. Segundo Modesto, a Federação Paulista errou ao escalá-lo para a partida.

Ainda no primeiro tempo, Bruno Henrique foi empurrado dentro da área. Porém, a arbitragem não​ anotou o pênalti e deixou o jogo seguir. Vale lembrar que Rafael também apitou a polêmica vitória santista sobre o Red Bull Brasil, na primeira fase do Paulistão.

“O lance do Bruno foi pênalti. Ele reconheceu a agressão e não marcou como deveria. Juiz incompetente. Disseram que escolheram entre os oito melhores árbitros. Esse aí está entre os oito piores. Não digo que é má pessoa, mas não tinha competência para o jogo mais complicado das quartas de final. Mesmo que o Santos tivesse marcado 11 gols, o árbitro seria no máximo nota 8”, esbravejou o mandatário.

Capitão revela profecia e Aranha se emociona com classificação

A Ponte Preta suportou mais de 30 mil santistas no estádio do Pacaembu, muita pressão do veloz ataque do Peixe, viu a trave salvar a equipe no segundo tempo para, só após os pênaltis, ‘cair na real’ e comemorar a classificação à semifinal do Campeonato Paulista. Emocionados, os atletas valorizaram a campanha e a força psicológica do grupo, mas, no meio de tanta euforia, o capitão Wendel revelou uma profecia sua feita poucos minutos antes da bola rolar contra o Santos.

“Falei para o Aranha que a gente iria levar para os pênaltis e que ele daria a classificação à Ponte. Agora é ir em frente, concentrar e contar com a torcida para lotar mais uma vez o Moisés Lucarelli e nos ajudar na busca da vaga à final do Estadual”, contou o próprio volante.

E, no fim, o camisa 1 da Macaca acabou mesmo sendo decisivo ao defender a cobrança de David Braz, o único a desperdiçar entre todos os atletas das duas equipes. Após o apito final, Aranha intercalava o sentimento de emoção e de companheirismo com o grupo do time campineiro.

“A gente fez um campeonato muito bom, poderia ter até se classificado com uma certa facilidade, acabamos nos complicando em casa, mas a gente lutou bastante, tivemos competência, não fomos desleais, e todo mundo colaborou da maneira que pôde. O pessoal me passou todas as cobranças de pênalti. Até na hora eu tive ajuda ali de trás, isso influencia”, comentou, antes de lembrar da semifinal de 2008, quando também foi crucial para colocar a Ponte na decisão do Estadual depois do duelo com o Guaratinguetá.

“Estou muito feliz, não tinha como ser diferente, mas o mérito não é apenas meu. Todos os jogadores tiveram a competência para fazer os gols aqui dentro, com o estádio lotado e uma pressão imensa. Eu pensei naquela decisão (de 2008) a todo momento. Eu não estou aqui à toa. Tudo tem seu tempo. Hoje era para eu estar aqui. Aonde vamos chegar eu não sei, mas vamos lutar bastante pela Ponte”, concluiu.

Talvez o jogador mais empolgado e eufórico após a confirmação da classificação da Ponte Preta, William Pottker, responsável por converter a última cobrança e acabar com qualquer esperança santista, valorizou o poder de superação do time sobre um adversário mais forte e melhor, tecnicamente.

“Garra, garra, pensamento positivo, a força está na cabeça. O que diferencia é só a camisa, a força está na cabeça”, disse.

Agora, a partir do próximo fim de semana, o desafio da Macaca será contra o Palmeiras, líder da primeira fase do Campeonato Paulista. O primeiro confronto será no Moisés Lucarelli, em Campinas, enquanto o duelo da volta deve ocorrer no Allianz Parque, na Capital, uma semana depois.


Internacional 2 x 0 Santos

Data: 19/10/2016, quarta-feira, 19h30.
Competição: Copa do Brasil – Quartas de final – Jogo de volta
Local: Estádio Beira-Rio, em Porto Alegre, RS.
Público: 15.065 pagantes.
Renda: R$ 188.390,00.
Árbitro: Wagner do Nascimento Magalhães (RJ)
Auxiliares: Dibert Pedrosa Moises e Luiz Claudio Regazone (ambos do RJ).
Cartões amarelos: Andrigo (I).
Gols: Aylon (09-1) e Eduardo Sasha (42-2).

INTERNACIONAL
Danilo Fernandes; Eduardo (Ceará), Alan, Ernando e Geferson; Fabinho, Eduardo Henrique, Alex, Andrigo (Valdívia) e Eduardo Sasha; Aylon (Vitinho).
Técnico: Celso Roth

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, David Braz (Rafael Longuine), Luiz Felipe e Zeca (Rodrigão); Renato, Thiago Maia e Lucas Lima; Paulinho (Joel), Copete e Ricardo Oliveira.
Técnico: Dorival Junior



Apático, Santos perde para reservas do Inter e dá adeus à Copa do Brasil

Quando o técnico Celso Roth anunciou que o Internacional viria com um time praticamente reserva para encarar o Santos, na noite desta quarta-feira, no Beira-Rio, nem o mais fanático torcedor colorado apostava fielmente em uma classificação para as semifinais da Copa do Brasil. Porém, mesmo entrando em campo com força máxima e levando vantagem de ter vencido o duelo de ida por 2 a 1, na Vila Belmiro, o Peixe foi apático em Porto Alegre e perdeu por 2 a 0, sendo eliminado do torneio mata-mata.

E a classificação colorada foi garantida com gols de dois atacantes reservas. No começo do primeiro tempo, Aylon marcou de cabeça. Já no final da partida, Eduardo Sasha bateu com categoria e garantiu a vaga na semifinal da Copa do Brasil, onde irá encarar o Atlético-MG, que perdeu do Juventude por 1 a 0 em Caxias do Sul, mas avançou em decisão por pênaltis.

Eliminados, os santistas voltam suas forças apenas para o Campeonato Brasileiro. No próximo domingo, o Peixe visita a Chapecoense, às 19h30 (de Brasília). Com 55 pontos e na quarta colocação, o alvinegro segue vivo na briga por uma vaga na Copa Libertadores de 2017.

Já no Internacional, o foco agora é total no clássico diante do Grêmio, também no domingo, às 17h (de Brasília), na arena do rival. Com 36 pontos e lutando contra o rebaixamento, os colorados seguem tendo como prioridade a reta final do Brasileirão, mesmo conquistando a vaga na Copa do Brasil.

O jogo

Apesar de entrar com apenas três titulares, o Internacional começou massacrando o Santos no Beira-Rio. Forçando a saída de bola do alvinegro, o Colorado chegava com facilidade e apostava nas bolas aéreas. De tanto insistir, os gaúchos foram premiados aos nove minutos de jogo. O meia Alex cobrou escanteio e Aylon apareceu livre dentro da área. Sem precisar pular, o atacante escorou de cabeça e abriu o placar em Porto Alegre.

Como perdeu por 2 a 1 no duelo de ida, na Vila Belmiro, a vitória mínima garantia na classificação ao Inter. Por conta disso, o Santos ‘acordou’ no jogo e partiu pra cima. Aos 13 minutos, Lucas Lima bateu colocado de fora da área e obrigou o goleiro Danilo Fernandes a fazer boa defesa.

Com a desvantagem no marcador, os comandados de Dorival Júnior passaram a ter a posse de bola e dominavam o meio-campo. Porém, o Peixe esbarrava na força defensiva do Colorado e não encontrava espaços para acertar o último passe.

Apesar de ficar com a bola nos pés, o Santos não assustava e sofria com as boas chegadas do Inter. Aos 34 minutos, Gefferson mandou na área e após confusão defensiva, Eduardo Sasha apareceu sozinho e bateu pro gol, mas foi travado por Luiz Felipe.

Lento na saída de jogo, o Peixe parecia alheio à eliminação momentânea e praticamente não correu atrás do empate. Tanto que a única boa chance desperdiçada foi aos 43 minutos. Após cruzamento de Lucas Lima, Ricardo Oliveira escorou de cabeça e viu Danilo Fernandes fazer grande defesa, garantindo a vantagem colorada antes do intervalo.

O segundo tempo começou praticamente igual ao que foi visto na primeira etapa. O Santos, apesar ter a bola dominada no meio de campo, seguia apático e ainda sofria com os contra-ataques do Inter. Aos 10 minutos, Fabinho apareceu como homem surpresa no ataque, arriscou de longe e quase ampliou para os gaúchos.

Aos 17 minutos, o Peixe chegou bem pela primeira vez após o intervalo e arriscou em bola lançada para Copete. Antes dela chegar no colombiano, Alan Costa e Eduardo brigaram por espaço para impedir a jogada e se chocaram. O jovem lateral levou a pior e precisou ser substituído por Ceará.

Mesmo jogando contra o relógio, o Peixe continuou mostrando pouca vontade para empatar. Tanto que as melhores oportunidades continuaram sendo para o Internacional. Aos 28 minutos, Alex levantou na área e a bola fica com Ernando. O zagueiro pegou de primeiro e mandou no travessão, quase ampliando o marcador.

Precisando do empate para continuar na Copa do Brasil, o técnico Dorival Júnior sacou o zagueiro David Braz e colocou o meia Rafael Longuine em campo. Logo depois, o comandante trocou Paulinho e Zeca por Joel e Rodrigão, respectivamente.

Apesar das mudanças, o Santos seguiu sem mostrar nenhuma vontade de conquistar a vaga. E o castigo veio no apagar das luzes. Aos 42 minutos do segundo tempo, Eduardo Sasha avançou dentro da área e tocou por cima de Vanderlei. Golaço que fechou o caixão santista e garantiu a classificação do Inter para as semifinais da Copa do Brasil.

Bastidores – Santos TV:

Dorival culpa pane inicial por eliminação na Copa do Brasil

Apesar de entrar com apenas três titulares contra o Santos, nesta quarta-feira, no Beira-Rio, o Internacional começou massacrando o Peixe. De tanto insistir, os gaúchos foram premiados logos aos nove minutos de jogo e abriram o placar com Aylon, após cobrança de escanteio. No final da partida, Eduardo Sasha ainda marcou mais um e garantiu a classificação do Colorado para as semifinais da Copa do Brasil.

Para o técnico Dorival Júnior, a desatenção no início do duelo foi determinante para a eliminação do alvinegro no torneio mata-mata.

“Tivemos alguns minutos iniciais que nos custaram muito caro na partida. Trouxemos a equipe do Internacional desnecessariamente para cima. E em uma jogada de bola parada, eles acabaram abrindo o marcador. Tiveram uma proposta de jogo e foram felizes. Eles se fecharam, marcaram com intensidade. A equipe do Santos tentou jogar, mas estava complicado para criar. Buscamos movimentações. Tivemos algumas oportunidades, mas não conseguimos com aquela clareza que sempre criamos e em razão disso nós tivemos dificuldades”, justificou-se o comandante santista em entrevista coletiva após a eliminação.

Dias antes da partida desta quarta-feira, o Internacional deixou claro que seu foco segue sendo a fuga do rebaixamento no Campeonato Brasileiro. Por conta disso, o técnico Celso Roth poupou seus titulares para o duelo, como já havia feito no jogo de ida, no dia 28 de setembro, na Vila Belmiro, vencido pelo Peixe por 2 a 1.

Mesmo com a superioridade técnica em relação aos reservas do Colorado, Dorival reconheceu os méritos dos gaúchos e não demonstrou irritação com a apresentação do Santos no Beira-Rio.

“Não existe essa conotação de time reserva. Jogamos contra Inter e Grêmio (no domingo). Tivemos uma equipe forte hoje. O Santos também se doou, foi ao limite, teve intensidade. O Inter se fechou bem, tivemos um bom tempo com a bola nos pés. Tentamos, fomos para cima, não nos acovardamos. Natural que se jogue contra duas equipes que não vinham atuando e tenha uma conotação diferente. Mas não subestimamos. Enfrentamos com todas as nossas forças”, concluiu o comandante santista.

Lucas Lima não encontra explicação para eliminação do Santos

Enquanto o Internacional deixou claro seu foco no Campeonato Brasileiro e veio com reservas nesta quarta-feira, no Beira-Rio, o Santos entrou em campo com força máxima e tinha tudo para sair de Porto Alegre classificado para as semifinais da Copa do Brasil. Porém, como o futebol não é uma ciência exata, os santistas foram derrotados por 2 a 0 e acabaram eliminados do torneio mata-mata.

E além da partida desta quarta, o Colorado já havia entrado com um time alternativo no jogo de ida, disputado na Vila Belmiro, no dia 28 de setembro. No primeiro embate, o Peixe chegou a abrir 2 a 0. Mas o gol de Seijas fora de casa fez a diferença no confronto em Porto Alegre.

“Não temos como explicar. Pecamos no começo do jogo e pagamos por isso. Tomamos o gol de bola parada. Não conseguimos segurar e sofremos outro no fim. Agora é levantar a cabeça”, afirmou o meia Lucas Lima na saída do gramado.

Após a eliminação na Copa do Brasil, o elenco santista não volta para a Baixada Santista. Os comandados de Dorival Júnior viajam direto para Chapecó, onde o time enfrenta a Chapecoense neste domingo, às 19h30 (de Brasília), na Arena Índio Condá, em jogo válido pela 32ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Fora do torneio mata-mata, o Peixe mira todas suas atenções no Brasileirão. Com 55 pontos e na quarta colocação, o alvinegro ainda tem chances matemáticas de título. Porém, a distância de nove pontos para o líder Palmeiras, faz os santistas pensarem principalmente em garantir a vaga para a Copa Libertadores da próxima temporada.

Após queda, Oliveira pede para santistas ‘esfriarem a cabeça’

Como venceu o duelo de ida por 2 a 1, na Vila Belmiro, no dia 28 de setembro, o Santos começou a partida contra o Internacional, nesta quarta-feira, momentaneamente classificado para as semifinais da Copa do Brasil. Porém, logo aos nove minutos de jogo, Aylon apareceu livre na pequena área após cobrança de escanteio e pulverizou a vantagem santista.

Precisando de um empate para ficar com a vaga, o Peixe até teve a posse de bola no meio-campo, mas não conseguiu criar e foi castigado no fim, após gol de Eduardo Sasha, que fechou o caixão santista e determinou a eliminação do alvinegro no torneio mata-mata. O atacante Ricardo Oliveira reconheceu a superioridade dos gaúchos, mas disse que o Santos lutou até o fim do duelo.

“Agora é momento de esfriar a cabeça, a gente procurou o jogo a todo momento. Tentamos e não conseguimos ser eficientes na hora de finalizar e criar jogadas de perigo. Paciência. Méritos a equipe adversária que marcou dois gols”, afirmou o centroavante na saída do gramado do Beira-Rio.

Presidente do Santos viaja para cobrar elenco após eliminação

A derrota por 2 a 0 para os reservas do Inter, nesta quarta-feira, no Beira-Rio, não foi digerida por parte da torcida a até mesmo pelo presidente Modesto Roma Júnior. Após o revés, que causou a eliminação do Peixe nas quartas de final da Copa do Brasil, o mandatário alterou sua agenda de compromissos e viaja nesta quinta-feira para Porto Alegre.

A ideia é reunir os atletas e o técnico Dorival Júnior para cobrar explicações e motivar o grupo para o restante da temporada. A forma como o alvinegro atuou diante do Colorado não agradou a diretoria. Apáticos, os santistas sofreram um gol logo no início, com Aylon, e mesmo com a eliminação iminente, criaram poucas oportunidades e não assustaram o Inter, que ainda marcou mais um no fim do segundo tempo, com Eduardo Sasha, e fechou o caixão santista.

Mesmo não concordando com algumas escolhas da comissão técnica durante a partida desta quarta-feira, Modesto não cogita a possibilidade de demitir o comandante Dorival Júnior.

A queda na Copa do Brasil fez a pressão aumentar no Peixe. Além de um grupo de conselheiros ter enviado uma carta pedindo a saída de Dorival, uma das principais organizadas do clube declarou nesta quarta-feira, após a eliminação, ser a favor da troca no comando técnico da equipe.

Apesar disso, Modesto pretende mostrar que está do lado do elenco e também do treinador, pensando na sequência da temporada.

Avaí 0 x 1 Santos

Data: 18/08/2010, quarta-feira, 21h50.
Competição: Copa Sul-Americana – Segunda fase – Jogo de volta
Local: Estádio da Ressacada, em Florianópolis, SC.
Árbitro: Evandro Rogério Roman
Auxiliares: Altemir Hausmann e Hilton Moutinho Rodrigues.
Cartões amarelos: Caio e Rudnei (A); Rodriguinho e Neymar (S)
Gol: Zé Eduardo (23-1).

AVAÍ
Renan; Patric, Rafael, Émerson e Eltinho; Marcinho Guerreiro, Rudnei (Bruno Silva), Caio e Davi (Marcos); Robinho (Sávio) e Vandinho.
Técnico: Antonio Lopes

SANTOS
Rafael; Pará, Edu Dracena, Durval e Léo (Marcel); Arouca, Rodriguinho, Marquinhos (Madson) e Paulo Henrique Ganso; Neymar e Zé Eduardo.
Técnico: Dorival Júnior



Santos vence mas Avaí fica com a vaga

Sonho santista de conquistar tudo no ano é frustrado. Equipe catarinense conquista classificação graças à vantagem conquistada no primeiro jogo

Não deu para o Santos. O Avaí fez valer a vantagem conquistada no primeiro jogo, quinta-feira passada, no Pacaembu, quando venceu por 3 a 1, e está nas oitavas de final da Copa Sul-Americana. O Peixe quebrou um jejum que durava três jogos e voltou a vencer: mas por um insuficiente 1 a 0, nesta quarta, no estádio da Ressacada, em Florianópolis. Faltaram mais dois gols para a equipe alvinegra. É o fim do sonho santista de conquistar tudo em 2010. O time é o atual campeão paulista e da Copa do Brasil. Já o time catarinense continua na luta para chegar à primeira Taça Libertadores de sua história.

Agora, o Avaí aguarda o vencedor de Universidad San Martín-PER e Emelec-EQU, que se enfrentam nos dias 15 e 23 de setembro.

O jogo

Com 14 minutos de jogo, o Avaí poderia estar vencendo o Santos por 2 a 0. A equipe da casa começou em cima, tocando muito bem a bola e envolvendo a equipe visitante, que dava muitos espaços, principalmente entre o zagueiro Durval e o lateral-esquerdo Léo. Por ali, abriu-se um enorme espaço que o lateral-direito Patric, do Avaí, soube ocupar. Aos 40 segundos de jogo, Patric avançou por ali, chegou até a entrada da área, sem ser incomodado, e mandou uma bomba de pé direito. Rafael espalmou.

O Santos tinha dificuldades para sair jogando. Sofria com a forte marcação do Avaí. Rudnei e, principalmente, Marcinho Guerreiro eram carrapatos que não desgrudavam de Paulo Henrique Ganso e Neymar. Aos 14, a equipe catarinense teve uma grande chance para marcar, mas o capitão santista Edu Dracena salvou. Primeiro, o zagueiro se atrasou para sair e deu condições para Rudinei, que entrou livre pelo meio e tocou na saída de Rafael. Dracena correu, correu e conseguiu alcançar a bola, quando ela já começava a ultrapassar a linha fatal. Valeu como um gol alvinegro.

A partir dos 20 minutos, porém, o jogo mudou de lado. O Peixe colou a bola no chão e passou a tocar bem, sempre em direção do gol, como tem sido o seu estilo neste ano. Marquinhos, que foi revelado pelo Avaí e até hoje é reverenciado pela torcida, apareceu e dividiu as atenções com Ganso. Aos 23, ele acertou um lindo toque de calcanhar para Zé Eduardo, que dominou, passou pela marcação e, mesmo sem ângulo, pegou um chute certeiro, que entrou no canto direito de Renan. Um belo gol, que renovava as esperanças santistas.

O Santos adiantou cercou o Avaí, que ficou preso em sem campo sem poder sair. Vinha bola de todos os lados e a defesa catarinense ia se virando do jeito que dava. Ganso, Neymar e Marquinhos, com menção honrosa a Zé Eduardo, comandavam as ações. O Peixe voltava a jogar bem, como não se via desde as melhores noites da Copa do Brasil. Mas faltava o gol, algo que sobrou na campanha vitoriosa do mata-mata nacional. Na verdade, faltavam ainda mais dois gols.

Dois gols que não vieram. O Santos começou o segundo tempo com a bola nos pés, trocando passes, mas insistindo muito nas jogadas pelo meio. Isso porque os dois laterais, Pará e Léo, não apareceram para o apoio. Marcando implacavelmente, o meio de campo do Avaí ia destruindo as jogadas do Peixe e, graças aos espaços deixados pelos santistas, criou chances de gol.

Aos 7 e 15, o time catarinense só não empatou o jogo porque Rafael salvou. No primeiro lance, Robinho escapou pela direita e chutou cruzado, tantando acertar o ângulo direito. No segundo, Vandinho pegou a bola na entrada da área e chutou rasteiro, buscando o canto direito do goleiro santista. Nos dois lances, o camisa 1 do Peixe espalmou.

Com o paredão azul cada vez mais fechado, graças principalmente à entrada do volante Marcos no lugar do meia Davi, o Santos sofria para se aproximar. Marquinhos, que fez um ótimo primeiro tempo, perdeu fôlego no segundo, virou presa fácil para a marcação e foi substituído por Madson, aos 27 minutos.

A alteração não surtiu efeito. O Santos continuou sem conseguir entrar na defesa adversária. Dorival, então, foi para o tudo ou nada. Tirou o lateral-esquerdo Léo para colocar mais um atacante, Marcel. Mesmo assim, o ataque do Santos continuava descoordenado. Marcel, por exemplo, a não ser por uma cabeçada aos 40, sem muito perigo, não fez nenhuma diferença.

Apesar de todo o volume de jogo do Peixe, o Avaí não passou por nenhum grande apuro no segundo tempo e, até com certa tranquilidade, assegurou sua classificação.

Santos 0 x 1 CSA

Data: 22/04/2009, quarta-feira, 21h50.
Competição: Copa do Brasil – 2ª Fase – Jogo de volta
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 8.471 pagantes
Renda: R$ 49.339,00
Árbitro: Maurício Aparecido de Siqueira (MT)
Auxiliares: Fabio Rodrigo Rubinho (MT) e Luiz Fernando da Silva (MT)
Cartões amarelos: Camilo, Magno, Fábio Lima, Carlos Diogo, Junior Amorim e Marciano (CSA)
Cartão vermelho: Júnior Amorim (CSA).
Gols: Júnior Amorim (07-1).

SANTOS
Fábio Costa; Luizinho, Astorga, Fabiano Eller e Triguinho; Pará, Germano, Lucio Flavio (Paulo Henrique Lima), Madson e Neymar (Róbson); Roni (Kléber Pereira).
Técnico: Vagner Mancini

CSA
Jeferson; Juninho Caiçara, Carlos Diogo, Fábio Lima e Marciano (Leandro); Anderson, Jean, Magno e Júnior Amorim; Camilo (Ricardo Miranda) e Fábio Lopes (Fagner).
Técnico: Gilmar Batista



CSA apronta na Vila, derrota o Santos e segue na Copa do Brasil

Santos abusa dos gols perdidos e vai em baixa para a final do Paulista no domingo

O CSA está ameaçado de rebaixamento no Campeonato Alagoano, bem diferente do Santos, finalista do Paulistão. A disparidade entre as equipes, porém, desapareceu na Copa do Brasil.

Com Fabão, Kléber Pereira e Paulo Henrique Lima na reserva, preservados justamente para a decisão contra o Corinthians, o Santos não contava com a excelente exibição do goleiro Jeferson e foi surpreendido pelo CSA, que venceu por 1 a 0 na Vila, nesta quarta, eliminando o time da Baixada do torneio nacional.

No primeiro confronto, houve empate por 0 a 0. O CSA prossegue na competição. O Coritiba é o próximo adversário dos alagoanos, que passaram para as oitavas da Copa do Brasil.

“Hoje não foi um dia daqueles. Poderíamos ter feito quatro ou cinco gols. Mas não conseguimos concretizar as jogadas. Mas o goleiro deles está de parabéns”, disse Kléber Pereira.

O plano do Santos de uma classificação tranquila ruiu logo aos 7 min. Na única finalização certa em gol do CSA nos 45 min, Júnior Amorim aproveitou belo passe dado por Fábio Lopes e abriu o placar. O gol fez o Santos partir para o ataque. Empate com gols classificava o time de Alagoas às oitavas da Copa do Brasil.

A preparação para as finais do Paulista fez Vagner Mancini preservar os jogadores Fabão, Paulo Henrique Lima e Kléber Pereira. O clima de decisão estadual interferiu no rendimento dos jogadores. A falta de garra do time santista era nítida nesta quarta, diferente do desempenho apresentado nas semifinais do Paulistão.

Madson e Neymar arriscaram poucas tabelas na etapa inicial. Nos poucos momentos em que o Santos esboçou jogadas ofensivas, o time ora levava perigo ora era parado na violência. Quatro atletas do CSA receberam cartão amarelo nos 45 min iniciais. A ausência de Pereira foi sentida.

Encostado no elenco alvinegro, Lucio Flavio ganhou nova oportunidade entre os titulares. Apagado, o meia não deu mobilidade ao meio-campo na primeira metade de jogo.

O CSA tratou de reforçar a retranca após abrir o marcador. Fábio Costa passou a ser um mero espectador no 1º tempo. Em noite inspirada, o goleiro Jeferson fez três defesas difíceis no primeiro tempo.

O drama santista aumentava no 2º tempo. Aos 15 min da etapa complementar, Mancini decidiu cortar o descanso de Kléber Pereira e Paulo Henrique Lima. Saíram Lucio Flavio e Roni. Pouco depois foi a vez de Neymar ser sacado.

Aplicado taticamente, o CSA controlava os avanços do Santos, que tinha dificuldade para finalizar. A noite ficou evidente aos 32 min do 2º tempo, quando Pereira perdeu gol incrível de cabeça, na pequena área e sem marcação. A reserva parece ter mexido com Pereira, que perdeu outros gols dentro da área.

A expulsão de Junior Amorim aumentou a pressão do Santos. O sonho do Santos classificação às oitavas esbarrou no goleiro Jeferson, que fez duas excelentes defesas em arremates de Pereira, mantendo o time alagoano na Copa do Brasil. Germano ainda fez um gol nos acréscimos, mas a arbitragem assinalou impedimento.

Santos 1 x 0 América-MEX

Data: 22/05/2008, às 21h50.
Competição: Copa Libertadores – Quartas-de-finais – Jogo da volta
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Árbitro: Jorge Larrionda (URU)
Auxiliares: Carlos Pastorino e Gustavo Siegler (ambos do URU)
Cartões amarelos: Silva, Villa, Sebá, Cabãnas (A); Trípodi (S)
Gols: Kléber Pereira (17-2)

SANTOS
Fábio Costa; Marcelo, Betão (Quiñonez), Fabão e Kléber; Rodrigo Souto, Marcinho Guerreiro e Molina; Wesley (Trípodi), Kléber Pereira e Lima
Técnico: Emerson Leão

AMÉRICA
Ochoa, Castro, Sanchez, Sebá Dominguez; Ismael Rodríguez (Iñigo), Oscar Rojas, Germán Villa e Alejandro Argüello (Jesus Sanchez); Juan Carlos Silva, Cabañas e Esqueda (Mosqueda)
Técnico: Juan Antonio Luna



América tranca jogo na Vila, perde por pouco e elimina Santos

O Santos preparou formação ofensiva para reverter a desvantagem conquistada pelo rival mexicano na ida, mas esbarrou no forte jogo defensivo montado pelo América. A equipe paulista venceu por 1 a 0, nesta quinta-feira, na Vila Belmiro, resultado, entretanto, insuficiente para avançar às semifinais da Libertadores.

A eliminação não foi digerida pelo Santos, que culpou as arbitragens dos duelos das quartas. “Não deram o gol do Kléber lá no México e agora não marcaram pênalti. Nos roubaram”, esbravejou Molina.

Classificado, o time mexicano encara a LDU nas semifinais da Copa Libertadores. O outro cruzamento reserva Fluminense x Boca Juniors.

Derrotado por 2 a 0 no México, a equipe paulista tratou de segurar o ataque do América na Vila Belmiro para evitar maior estrago. Para isso, Emerson Leão montou operação “anti-Cabañas”, fixando um zagueiro na cola do atacante paraguaio durante todo o jogo.

A marcação pressão na estrela do América surtiu efeito nos 45 min iniciais. Fábio Costa foi apenas um espectador na metade inicial de partida.

O América armou esquema defensivo, com cinco atletas em linha povoando a grande área. Com dificuldade para furar o bloqueio mexicano, restou ao Santos arriscar cruzamentos feitos distante da área e chutes de longa distância. E foram de jogadas de tiro longo que surgiram as principais chances de gol na primeira etapa, com Molina e Rodrigo Souto.

Insatisfeito com o rendimento de Wesley, Leão promoveu a entrada de Trípodi depois do intervalo. A alteração fez com que o time santista abrisse mais o jogo no ataque. Limitado tecnicamente, Tripodi, porém, deu maior movimentação ofensiva. Dos seus pés saiu o passe para Kléber Pereira, que reclamou de pênalti não assinalado por Jorge Larrionda.

Apresentando as mesmas deficiências ofensivas da etapa inicial, o Santos não conseguia articular jogadas pelo lado em razão da falta de cacoete de Betão. Leão constatou a fragilidade de Betão pelo lado e pôs Quinonez. No primeiro lance do equatoriano, o Santos chegou ao gol, com Kléber Pereira, escorando de cabeça cruzamento na medida.

A necessidade de um segundo gol levou o Santos ao desespero no ataque. Pelo menos duas jogadas por pouco não resultam em gol alvinegro. Praticamente um atacante, Molina desferiu chutes perigosos. Já Pereira perdeu oportunidade na frente de Ochoa.