Navegando Posts marcados como Emerson Palmieri

Mogi Mirim 2 x 5 Santos

Data: 06/03/2014, quinta-feira, 21h00.
Competição: Campeonato Paulista – 12ª rodada
Local: Estádio Romildo Ferreira, Romildão, em Mogi Mirim, SP.
Árbitro: Vinicius Gonçalves Dias Araujo
Auxiliares: Vicente Romano Neto e Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo
Cartões amarelos : Geuvânio, Cícero, Aranha e Rildo (S); Edson Ratinho (MM).
Gols: Fernando Baiano (22-1), Emerson Palmieri (42-1); Leandro Damião (11-2), Magrão (21-2), Rildo (23-2), Arouca (37-2) e Lucas Lima (45-2).

MOGI MIRIM
Reynaldo; Valdir, Wagner Silva (Henrique), Mirita e Leonardo; Olberdam, Everton Sena, Everton Heleno e Edson Ratinho; Serginho (Rivaldinho) e Fernando Baiano (Magrão)
Técnico: Márcio Goiano

SANTOS
Aranha; Cicinho, Jubal, Neto e Emerson Palmieri; Arouca e Cícero; Gabriel (Lucas Lima), Geuvânio (Rildo), Thiago Ribeiro e Leandro Damião (Stéfano Yuri).
Técnico: Oswaldo de Oliveira



Ataque segue brilhando, Santos goleia Mogi Mirim e garante classificação

Equipe chega a 30 gols no Campeonato Paulista e conquista uma vaga nas quartas de final da competição

Mais uma goleada, e o Santos voltou a vencer e mostrar o seu poderio ofensivo, que com 30 gols marcados, continua sendo o melhor ataque do Campeonato Paulista. A vítima da vez foi o Mogi Mirim, que mesmo atuando em casa, não resistiu e foi derrotado por 5 a 2. Os tentos foram marcados por Emerson, Leandro Damião, Rildo, Arouca e Lucas Lima. Fernando Baiano e Magrão descontaram.

Rildo e Lucas Lima marcaram os seus primeiros gols com a camisa do Santos, e mais uma vez vindo do banco de reservas, o atacante e o meia deram mais velocidade à equipe na segunda etapa, que mesmo com o placar vantajoso, não refletiu o que foi a partida, até os 25 minutos do segundo tempo.

A vitória garante a vaga antecipada às quartas de final para o Santos, que ao lado de São Paulo e Palmeiras já planeja um descanso nas próximas rodadas visando a fase final da competição. Durante o triunfo, os atacantes Geuvânio e Rildo, e o goleiro Aranha receberam o terceiro cartão amarelo e serão desfalques na próxima partida.

Já o Mogi Mirim, do presidente e jogador Rivaldo, permanece com 12 pontos, e mesmo com treinador novo segue na luta pela permanência na Primeira Divisão. Restando três partidas para o término da primeira fase, continua em uma situação delicada no campeonato, entretanto fora da zona de rebaixamento.

O jogo

Aos 14 minutos o primeiro grande momento da partida foi do time mandante. Em falha do lateral-direito Cicinho, o atacante Serginho invadiu a área santista e bateu de esquerda, para boa defesa de Aranha. A resposta veio no lance seguinte, quando Geuvânio recebeu de Gabriel, levou para a direita e, mesmo sem ângulo chutou. Bem posicionado, o goleiro Reynaldo mandou para escanteio.

Quem abriu o marcador foi o Mogi Mirim. Aos 22 minutos, Fernando Baiano marcou. Aproveitando a ausência de Émerson – que era atendido fora de campo -, o meia Everton Sena apareceu livre de marcação pelo lado direito e cruzou na medida para o centroavante completar a gol com estilo, após lindo toque de letra.

Aos 38 minutos, Arouca desperdiçou uma boa oportunidade para o Santos empatar a partida. O volante puxou um rápido contra-ataque, e avançou o meio de campo, com a vantagem de dois jogadores, porém errou o passe para Thiago Ribeiro, que estava esperando a bola um pouco mais para trás. No lance seguinte, Geuvânio fez fila, levou para o meio e chutou fraco, nas mãos do goleiro Reynaldo.

Depois de alguns bons ataques, o Santos chegou ao empate aos 42 minutos, por meio do lateral-esquerdo Emerson, que fez o seu gol na competição. Após arrancar pelo meio, o ala tocou para Thiago Ribeiro, que encontrou Gabriel dentro da área. Com um lindo toque de calcanhar, o atacante deixou Emerson na cara do gol, que já chegou fuzilando e empatando a partida.

No segundo tempo, a partida permanecia equilibrada, com a maioria das jogadas sendo realizadas no meio de campo. Porém, aos 10 minutos, Leandro Damião virou. Após Cícero soltar uma bomba de perna esquerda, e o goleiro espalmar para o meio da área, o atacante estava lá para aproveitar o rebote e marcar o seu terceiro gol com a camisa santista.

Aos 21 minutos, o empate do Mogi Mirim. Em falha grave da defesa do Santos, mais uma vez Everton Sena apareceu livre dentro da área e completou o cruzamento de cabeça. Aranha não conseguiu defender e acabou espalmando a bola nos pés de Magrão, que havia acabado de entrar no lugar de Fernando Baiano, e só precisou empurrar para as redes e igualar o marcador no Romildão.

No minuto seguinte, mais um jogador que veio do banco de reservas deixou a sua marca, dessa vez para o Santos, que voltou à frente no marcador. Rildo completou cruzamento de Cicinho com um chute rasteiro. Na comemoração, o atacante tirou a camiseta e levou o terceiro cartão amarelo na competição.

Aos 28 minutos, Leandro Damião quase marcou o seu segundo gol na partida. Thiago Ribeiro recebeu de Cicinho na linha de fundo e mandou na cabeça do atacante, que se antecipou a zaga, porém cabeceou para fora. A resposta do Mogi veio aos 32. Everton Heleno acertou uma bomba no ângulo esquerdo, mas Aranha voou para espalmar e evitar o empate.

Antes do fim da partida, deu tempo para Arouca marcar um lindo gol e ampliar o placar para o Santos. Aos 37 minutos, após novo cruzamento de Thiago Ribeiro, o volante aproveitou a sobra de Leandro Damião e emendou um voleio de primeira para fazer 4 a 2.

Aos 45 minutos, quando os torcedores já estavam indo embora, Lucas Lima fez o quinto do Santos. Cícero fez invertida perfeita para Cicinho, que dominou e encontrou o meia, que havia entrado a poucos minutos.

Volante Arouca, do Santos, é vítima de racismo em Mogi Mirim

Principal jogador do Santos na vitória por 5 a 2 sobre o Mogi Mirim (veja os gols ao lado), na noite desta quinta-feira, pela 12ª rodada do Campeonato Paulista, o volante Arouca foi chamado de “macaco” após o duelo. A manifestação de racismo foi flagrada pela rádio “ESPN”. O camisa 5 preferiu não dar levar muito em conta o xingamento, apesar de ter se mostrado triste. O presidente da Comissão de Arbitragem da Federação Paulista de Futebol, Marcos Marinho, esperava que o episódio tivesse sido relatado na súmula para dar início a uma investigação, mas o árbitro Vinicius Gonçalves Dias Araújo não fez nenhuma observação sobre o caso no relatório do duelo.

– Bom nem ouvir, nem dar ouvido a essas pessoas. Nem sei se pode chamar de pessoa. É uma situação difícil de comentar, mas acontece não só no futebol. Espero que alguém possa tomar providência muito severa porque isso é lamentável – comentou o jogador.

Após a partida, durante entrevista coletiva, o técnico Oswaldo de Oliveira se mostrou bastante irritado com a situação exatamente no dia que Arouca teve mais uma grande atuação e marcou seu segundo gol na temporada.

– Não é por não adiantar nada. Mas a minha resposta para isso é o silêncio.

Marcos Marinho, entretanto, prefere aguardar a súmula do jogo para saber que providências tomar.

– Amanhã mesmo vou verificar os relatórios. Se alguém presenciou e comunicou, vamos comunicar ao Tribunal de Justiça Desportiva. Existe uma punição ao clube com multas e até mando de campo em jogos no regulamento – disse, em entrevista à rádio Globo.

Apesar da “exigência” de Marcos Marinho, o árbitro Vinicius Gonçalves Dias Araújo não relatou a manifestação racista na súmula. No relatório do jogo, ele citou apenas os acréscimos dados no primeiro e no segundo tempos. Além disso, escreveu “Nada houve de anormal” na parte destinada a ocorrências e observações.


Santos 5 x 1 Botafogo-SP

Data: 01/02/2014, sábado, 19h30.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 5ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 5.983 pagantes
Renda: R$ 182.661,00
Árbitro: Flávio Rodrigues Guerra
Auxilares: Herman Brumel Vani e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa.
Cartões amarelos: Neto, Emerson e Gabriel (S); Hudson (B).
Gols: Geuvânio (04-1) e Cícero (45-1); Hudson (05-2), Gabriel (20-2), Gabriel (23-2) e Emerson (44-2).

SANTOS
Aranha; Cicinho, Gustavo Henrique, Neto e Emerson Palmieri; Leandrinho, Arouca (Lucas Otávio) e Cícero; Geuvânio (Bruno Peres), Thiago Ribeiro (Rildo) e Gabriel Barbosa.
Técnico: Oswaldo de Oliveira

BOTAFOGO-SP
Gilvan; Daniel, César Gaúcho, Henrique Mattos (Lima) e Augusto Ramos; Gilmak, Hudson (Léo), Camilo (Giovanni) e Wellington Bruno; Mike e Marcelo Macedo.
Técnico: Wagner Lopes



Garotada dá show, Santos faz novo 5 a 1 e atinge marca histórica

O 5 a 1 contra o Corinthians, ao que tudo indica, não foi por acaso. Três dias depois de golear o maior rival, o Santos encantou de novo. Com direito a “olé”, a garotada alvinegra repetiu o 5 a 1 no Botafogo e chegou à marca de 12 mil gols na história do clube.

O feito coube a Gabriel, no quarto gol da larga vitória, que anima a torcida depois de um começo de ano claudicante. Depois de quatro rodadas, o Santos tem 13 pontos em 15 possíveis, o melhor ataque da competição e parece não sentir falta de nomes como Montillo, negociado, e Leandro Damião, que ainda sequer estreou.

Neste sábado, quem mandou no time foi Geuvânio, devidamente auxiliado por Arouca, Cícero, Thiago Ribeiro e Gabriel. Com a camisa 10, Geuvânio marcou seu primeiro gol como profissional pelo Santos, sofreu um pênalti e deu assistências para dois colegas deixarem sua marca no Botafogo, que saiu goleado mesmo tendo levado perigo aos rivais.

A atuação do Santos, é verdade, não foi perfeita, mas o time mostrou bom futebol de novo, e o conjunto ofensivo compensou os vacilos da defesa. Neto e Gustavo Henrique bateram cabeça e deixaram espaços mais de uma vez para o Botafogo. Marcelo Macedo parou em Aranha, enquanto Hudson chutou para fora depois de um lindo drible dentro da área santista.

O Santos, ao contrário, foi preciso quando chegou ao ataque. Aos 4 minutos, um passe de Leandrinho desviou no meio do caminho e caiu como uma luva para Geuvânio, que driblou o goleiro do Botafogo e bateu para o gol vazio.

Foi o primeiro gol do jovem atacante como profissional. E Geuvânio ainda teve mais o que comemorar. Aos 45 minutos do primeiro tempo, foi ele quem deu o passe final para Cícero, depois de uma bela jogada de Arouca e Thiago Ribeiro. O capitão do time, pressionado, bateu bonito com o pé esquerdo e fez 2 a 0 para o Santos.

Era a redenção pessoal de Cícero, que poderia estar comemorando o segundo gol no jogo àquela altura. Antes, aos 11 minutos, Geuvâno havia sido derrubado na área e o juiz anotou o pênalti. Na cobrança, Cícero mandou para fora.

A despeito do erro do meia, o Santos manteve o controle do jogo, apostando em contra-ataques rápidos e se virando como podia na defesa, sem muita organização. Mesmo assim, o único momento do Botafogo-SP no jogo foi em uma falha individual.

Aos 5 minutos, Aranha saiu mal do gol em uma cobrança de escanteio e Hudson marcou quase no susto, já que a bola bateu na perna do jogador e entrou fraquinha no gol santista.

O vacilo não abalou o Santos. Com calma, a equipe manteve o domínio do jogo e soube matar a reação do Botafogo na hora certa. Aos 20 minutos, Geuvânio passou para Gabriel, que deslocou o goleiro rival com um toque de esquerda para marcar 3 a 1.

Foi o mesmo Gabriel que teve o privilégio de fazer o gol número 12 mil da história do Santos. Aos 23 minutos, após um tiro de meta cobrado por Aranha, ele aproveitou o vacilo da defesa rival e marcou o quarto do Santos. O quinto, no apagar das luzes, saiu aos 44 minutos, quando o estreante Rildon fez boa jogada pela esquerda e rolou para Emerson, que bateu de primeira e marcou.

Agora, depois de duas goleadas na Vila, o Santos junta suas malas e vai para Lins, onde enfrente o Linense no meio de semana. Já o Botafogo volta a Ribeirão Preto para receber o Oeste, na próxima terça.

Bastidores – Santos TV:

Oswaldo aponta Geuvânio como destaque do Santos e pede ‘proteção’

Autor do primeiro gol e garçom em outros dois, Geuvânio foi “eleito” pelo técnico Oswaldo de Oliveira como o melhor jogador da vitória por 5 a 1 contra o Botafogo de Ribeirão Preto, na Vila Belmiro.

– Arouca no último jogo fez uma partida irrepreensível. Hoje (sábado), o destaque foi o Geuvânio. Eles estão se alternando e o objetivo é esse mesmo. Não quero apontar nenhum jogador, mas eventualmente um se sobressai. Não posso tentar iludir e dizer que não teve destaque. Foi o Geuvânio. Todos terão a chance de ser solista em algum momento – apontou.

O treinador, que já adiantou que Leandro Damião deve estrear na vaga de Gabriel, suspenso, contra o Linense, na quinta-feira, reclamou bastante da arbitragem. No segundo tempo, foi expulso por Fávio Rodrigues Guerra após reclamações.

– Tenho notado que todas as partidas que estamos ganhando, os árbitros começam a permitir faltas violentas. O jogador leva vantagem e é chargeado. O cara fez falta no Rildo, ele não marca, então na outra ele vai atropelar. Por isso, repetidamente, falei ao quarto árbitro: “Não vou engolir”. Não é possivel permitir faltas seguidas só porque o time está perdendo. Parece que está com pena. Isto tem acontecido nas nossas partidas – finalizou ele.

“Não era meu foco, mas fico muito feliz”, diz Gabriel sobre gol 12 mil

Além de marcar a segunda goleada por 5 a 1 consecutiva na Vila Belmiro, a vitória do Santos contra o Botafogo-SP foi histórica. O segundo tento de Gabriel no jogo, o quarto do Peixe, representou o gol de número 12 mil na história do Peixe. Depois do jogo, o jovem de 17 anos comemorou o feito.

“Esse não era o meu foco, mas (antes do jogo) sabia que faltavam quatro. Meu foco era ajudar o time na marcação, nos passes… Fico muito feliz por fazer parte da história do Santos”, afirmou Gabriel depois do jogo.

Artilheiro do Peixe no Campeonato Brasileiro, com quatro gols, o atacante recebeu o terceiro cartão amarelo neste sábado (por ter subido no alambrado justamente após o gol 12 mil) e terá de cumprir suspensão na partida contra o Linense, na próxima quinta-feira, em Lins.

A ausência de Gabriel provavelmente será suprida por Leandro Damião, que deverá fazer sua estreia com a camisa do Peixe.

Thiago Ribeiro foge de autopromoção e dá crédito a molecada: “muita disposição”

O atacante Thiago Ribeiro deixou de lado a autopromoção e preferiu exaltar os jovens do Santos na goleada por 5 a 1 contra o Corinthians nesta quarta-feira, na Vila Belmiro, pela quarta rodada do Campeonato Paulista. Autor de dois gols no confronto, o camisa 11 elogiou o desempenho dos garotos e enalteceu o perfil revelador do clube, recentemente campeão da Copa São Paulo.

“A meninada tem muita disposição. O Santos é famoso por isso, por revelar talentos, não tem medo de colocar para jogar e dá certo. Essa mescla dos novos com os experientes nos levou a uma grande partida”, disse.

Só entre os titulares, o técnico Oswaldo de Oliveira escalou o zagueiro Gustavo Henrique, o volante Alan Santos e os atacantes Gabriel Barbosa e Geuvânio, todos revelados pelo clube. Os dois últimos, por sinal, participaram ativamente da partida. Gabriel marcou o segundo gol, aproveitando um cruzamento de Arouca, enquanto Geuvânio criou uma série de jogadas, entre elas a assistência para o gol marcado por Bruno Peres, o quarto.

“É muito bom vencer um clássico, contra o Corinthians é sempre bom de jogar e essa placar nos deixa ainda mais satisfeitos. Estamos de parabéns pelo que apresentamos, podemos crescer muito com essa velocidade e mobilidade. Vamos envolver muitos jogos”, analisou.

Durante a partida, Oswaldo ainda promoveu as entradas do meia Leandrinho e do centroavante Stéfano Yuri, artilheiro da última edição da Copinha. Com a vitória, o Santos chega a dez pontos e assume a liderança do Grupo C do Estadual, considerado o mais equilibrado. A equipe, agora, volta a jogar no próximo sábado, diante do Botafogo-SP, na Vila Belmiro.



Vídeos: (1) Gols e (2) melhores momentos.

Atlético-PR 2 x 1 Santos

Data: 04/09/2013, quarta-feira, 19h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 18ª rodada
Local: Estádio Durival de Britto, em Curitiba, PR.
Público: 12.595 pagantes
Renda: R$ 191.170,00
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (RJ)
Auxiliares: Thiago Gomes Brigido (CE) e José Javel Silveira (RS).
Cartões amarelos: Marcelo e Felipe (A)
Gols: Marcelo (05-1) e Marco Antônio (37-1); Emerson (41-2).

ATLÉTICO-PR
Weverton; Léo, Manoel, Luiz Alberto e Willian Rocha (Deivid); João Paulo, Zezinho, Marco Antônio (Felipe) e Paulo Baier; Marcelo (Dellatorre) e Ederson.
Técnico: Vagner Mancini

SANTOS
Aranha; Cicinho, Edu Dracena, Durval e Léo (Emerson); Alison, Alan Santos (Pedro Castro), Cícero e Leandrinho (Giva); Everton Costa e Thiago Ribeiro.
Técnico: Claudinei Oliveira



Com apoio da torcida, Atlético-PR vence o Santos e segue arrancada épica

Equipe paranaense faz 2 a 1 e alcança 11ª partida sem derrotas pelo Campeonato Brasileiro

O Atlético Paranaense segue com sua arrancada épica no Campeonato Brasileiro e chegou à 11ª partida seguida sem derrota na competição ao vencer o Santos, por 2 a 1, na Vila Capanema. Com o resultado, chega aos 33 pontos, segue no G4 e cada vez mais próximo da liderança. Já o time paulista teve sua sequência de três vitórias interrompida e, com 22 pontos, fica fora da lista dos dez primeiros.

O Atlético precisou de cinco minutos para abrir o placar, com Marcelo, que aproveitou contra-ataque para entrar na defesa alvinegra e fuzilar para as redes. Marco Antônio fez o segundo, aos 37 minutos, aproveitando confusão na área. Depois do intervalo, a partida seguiu movimentada e o time paulista descontou aos 41 minutos, com Emerson.

O jogo

O Santos começou a partida mostrando velocidade e, logo aos dois minutos, Éverton Costa recebeu o lançamento, abriu espaço e arriscou o chute, pela linha de fundo. O Atlético respondeu com William Rocha, que mandou um petardo para Durval afastar de cabeça. Mas, aos cinco minutos, a chegada foi fatal. Após contra-ataque, Paulo Baier lançou Marcelo, que deixou a marcação para trás e fuzilou para dentro das redes.

O Atlético conseguiu segurar o ímpeto inicial do Santos e, após o gol, passou a dominar as ações. Aos 12 minutos, Marcelo desviou de cabeça na área e Aranha fez boa defesa. Durval devolveu com 13 minutos, após cruzamento de Leandrinho, mas errou o alvo, mandando para fora. Aos 15 minutos, William Rocha caiu no gramado com dores no joelho e foi substituído por Deivid.

Paulo Baier arriscou de fora da área, aos 20 minutos, após cruzamento de Léo, e a bola passou por cima da meta santista. O jogo era bom na Vila e, aos 27, Cícero mandou uma bomba para defesa de Weverton, que quase se complicou o lance. Um minuto depois, o goleiro atleticano salvou cabeçada de Durval. Mas, aos 37, Marco Antônio aproveitou rebote de Aranha e confusão na área para empurrar para o fundo do gol.

Para a segunda etapa, nenhuma nova alteração nas equipes. Aos três minutos, Manoel tabelou com Marcelo e, na devolução, saiu com bola e tudo. Aos seis minutos, o artilheiro Ederson soltou uma pancada pra defesa de Aranha. Na resposta, aos nove minutos, Thiago Ribeiro encobriu Weverton, porém, exagerou na força. A partida seguia cheia de alternativas, com os times buscando o ataque.

Jogada individual de Thiago Ribeiro, aos 16 minutos, com a bola sobrando para Leandrinho que, dentro da área, cochilou e desperdiçou o ataque. Aos 20 minutos, Durval pegou sobra de bola e bateu forte, em cima de Manoel, que salvou o Atlético. O ritmo do jogo caiu bastante em sua reta final. Aos 27 minutos, Ederson tentou encontrar Paulo Baier, e Alisson apareceu para dominar o lance.

Após as mudanças realizadas pelos dois treinadores, o jogo voltou apegar fogo, com algumas jogadas mais ríspidas. Aos 37 minutos, Paulo Baier cobrou falta tentando surpreender Aranha, que fez grande defesa para ceder escanteio. Aos 40 minutos, Cicinho fez o cruzamento, Thiago Ribeiro cabeceou e a bola explodiu na trave. Mas, no lance seguinte, Emerson fez tabela recebeu na área e chutou cruzado para descontar.Éverton Costa teve a chance de empatar, aos 49 minutos, e Weverton fez grande defesa para garantir os três pontos.

Jogadores do Santos acreditam que não mereciam a derrota diante do Atlético-PR

Revés por 2 a 1 nesta quarta-feira interrompe série invicta do clube da Vila Belmiro que já durava seis rodadas no Brasileiro

Após quatro empates e duas vitórias, o Santos voltou a perder no Campeonato Brasileiro . A série invicta foi interrompida com a derrota diante do Atlético-PR nesta quarta-feira por 2 a 1 . Mas, para os jogadores, a equipe merecia ter saído de campo ao menos com o empate.

“Sofremos gols em erros nossos, depois fica complicado para correr atrás. Fizemos o gol (com o jovem lateral-esquerdo Emerson Palmieri) e poderíamos ter empatado. Criamos muitas chances, sufocamos o Atlético-PR e creio que poderíamos ter conseguido um resultado melhor”, lamentou o atacante Thiago Ribeiro.

O lateral-direito Cicinho fez uma avaliação semelhante. Para ele, o rendimento do Santos no segundo tempo poderia ter sido recompensado. “Nós melhoramos, principalmente no segundo tempo. Conseguimos criar boas oportunidades e perdemos várias chances de gol. Acho que o resultado mais justo seria o empate”, analisou.

Técnico do Santos lamenta derrota em Curitiba: ‘Empate seria mais justo’

Claudinei Oliveira também apontou falhas na defesa de seu time diante do Atlético-PR

A derrota para o Atlético-PR por 2 a 1 , na noite desta quarta-feira, no estádio Durival de Britto, deu fim a série invicta de seis jogos do Santos no Campeonato Brasileiro. O técnico Claudinei Oliveira fez uma avaliação do resultado e lamentou o revés, destacando que a sua equipe poderia ter saído de campo, ao menos, com um empate.

“Em alguns momentos, o Atlético-PR teve mais volume de jogo, em outros o volume foi do Santos. Acho que, no cômputo geral, talvez o empate fosse mais justo. Mas no futebol não tem justiça ou injustiça, pois a bola na rede é o que prevalece. È assim”, disse Claudinei, que apesar de ter visto aspectos positivos na atuação santista, também citou os erros do time praiano.

Para o treinador, os alvinegros falharam nos dois gols da equipe paranaense. “Vou sempre assumir a responsabilidade pelos resultados negativos, não estou aqui para culpar ninguém. Mas a realidade é que tomamos dois gols em falhas nossas. Tínhamos a bola dominada e permitimos que eles fizessem os gols. No segundo gol, por exemplo, sabíamos que eles têm essa jogada forte de ‘bola parada’, pois foi alertado na preleção. Erramos todos”, comentou.

Apesar de ter visto erros do Santos, que custaram um resultado melhor em Curitiba, Claudinei Oliveira reconheceu que o Atlético-PR teve os seus méritos para ganhar o duelo. Com a vitória, o Furacão ocupa a vice-liderança da Série A, com 33 pontos.

“As nossas alterações surtiram efeito no segundo tempo, mas o Atlético-PR é um time bem armado taticamente, que se defende muito bem. Eles marcaram as subidas dos laterais, com todos atrás da linha da bola, o que dificultou para fazermos os gols”, encerrou o comandante.

Claudinei Oliveira volta a criticar calendário: “Parece brincadeira”

Técnico do Santos reclamou da maratona de jogos do time nos próximos dias e disse que o futebol virou negócio

A maratona de jogos a qual o Santos deve ser submetido nos próximos dias tem deixado o técnico Claudinei Oliveira bastante irritado. Tanto que, após a derrota para o Atlético-PR, na noite da última quarta-feira, no Estádio Durival de Britto, o treinador da equipe praiana voltou a criticar o remanejamento feito pela Confederação Brasileira de Futebol, na tabela do Campeonato Brasileiro.

“Isso parece brincadeira. O futebol virou negócio, todo mundo ganha com isso, mas os atletas sofrem. Depois, dizem que os jogadores ganham bem para fazer o trabalho deles, porém, temos que lembrar que todos são cobrados por um bom futebol. Vai sofrer uma derrota pesada para ver como as coisas ficam? Todos somos cobrados por isso, então, não dá para entrar em campo ‘arrebentado’”, disse Claudinei.

Até o final da semana que vem, o Peixe irá disputar quatro partidas. Primeiro, os santistas recebem o Goiás, sábado, na Vila Belmiro. Depois, os alvinegros encaram Internacional-RS, na próxima terça, em Novo Hamburgo (RS) – confronto atrasado da 10ª rodada do Brasileirão -, e Flamengo, dois dias mais tarde, no Maracanã. Por último, o Santos volta a atuar na Vila, diante do Botafogo, no dia 15.

“Agora, nós temos que fazer o dever de casa, porque depois temos mais dois jogos fora, Inter e Flamengo, em três dias. É um absurdo. Quem jogou bola sabe que o cansaço não é maior no dia seguinte a uma partida, mas dois dias depois de uma atividade física desse porte. Ou seja, vamos entrar para jogar cansados. Vamos ver o que dá para fazer de melhor. Queremos ganhar do Goiás, usar a força máxima contra o Internacional-RS, para vermos o que vamos fazer contra o Flamengo”, encerrou o comandante.

Vale lembrar que, com dois jogos a menos em relação à maior parte dos seus concorrentes, o Peixe atualmente ocupa a 11ª posição na Série A, com 22 pontos ganhos.