Navegando Posts marcados como ficha técnica

Santos 3 x 0 Vasco

Data: 12/05/2019, domingo, 16h00.
Competiçao: Campeonato Brasileiro – 4ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 12.952 pessoas (11.411 pagantes e 1.541 não pagantes)
Renda: R$ 343.355,00
Árbitro: Paulo Roberto Alves Junior (PR)
Auxiliares: Bruno Boschilia e Rafael Trombeta
VAR: Adriano Milczvkski
Cartões amarelos: Jean Lucas e Alison (S); Rossi, Ricardo Graça e Maxi López (V).
Cartão vermelho: Danilo Barcelos (V).
Gols: Diego Pituca (18-1) e Rodrygo (32-1); Soteldo (27-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Jorge; Diego Pituca (Derlis González), Jean Lucas (Alison) e Carlos Sánchez; Rodrygo, Soteldo e Eduardo Sasha (Jean Mota).
Técnico: Jorge Sampaoli

VASCO
Sidão; Yago Pikachu, Luiz Gustavo (Andrey), Ricardo e Danilo Barcelos; Bruno Silva, Raul (Bruno César) e Lucas Mineiro; Marrony, Rossi (Valdívia) e Maxi López.
Técnico: Marcos Valadares



Com Sidão como mãe, Santos vence o Vasco com facilidade no Pacaembu

O Santos venceu o Vasco por 3 a 0 na tarde deste domingo de Dia das Mães no Pacaembu, pela quarta rodada do Campeonato Brasileiro. Os gols foram marcados por Diego Pituca, Rodrygo e Soteldo.

Sidão foi “uma mãe” para o Peixe. O goleiro falhou nos dois primeiros gols e teve o nome gritado pelo torcedor alvinegro, em tom irônico, ao longo de todo o jogo.

O Santos não parou de atacar, fez três e poderia ter feito vários mais. O Vasco até assustou e obrigou Vanderlei a fazer algumas defesas, mas nunca esteve perto do empate.

Com a vitória, o Peixe pulou para a segunda colocação, com 10 pontos, atrás do Palmeiras pelos critérios de desempate. O Vasco segue na lanterna, com um ponto. Na próxima rodada, o Alvinegro enfrentará o Verdão, sábado, no Allianz Parque. Antes, medirá forças com o Atlético-MG, quarta-feira, em Belo Horizonte, pela ida das oitavas de final da Copa do Brasil. O Cruzmaltino receberá o Avaí, domingo, em São Januário.

O jogo

O Santos dominou o Vasco desde o primeiro minuto. Com linhas altas e oito jogadores no campo de ataque, as chance surgiram naturalmente.

Aos 2 minutos, Rodrygo, inspirado, recebeu na esquerda, driblou e cruzou forte. O goleiro Sidão espalmou. No rebote, Jorge chutou para fora.

Aos 12, o Peixe quase abriu o placar. Sánchez rolou para trás e Rodrygo chegou batendo. Pikachu tirou em cima da linha. Seis minutos depois, o Vasco não resistiu à pressão.

Sidão saiu jogando errado, Rodrygo ajeitou e Diego Pituca chutou bonito, no ângulo, para abrir o placar. A partir daí, o goleiro passou a ter o nome gritado pela torcida santista.

No minuto 22, veio a resposta do Cruzmaltino. Pikachu tabelou com Marrony pelo meio e a bola sobrou para Maxi López balançar as redes. Após revisão, o VAR anulou o gol por impedimento do argentino.

A partir daí, só deu Santos. Aos 27, Sidão fez boa defesa em chute de Sánchez. Aos 32, o Alvinegro ampliou. Rossi saiu jogando errado, Jorge tocou para Rodrygo e o camisa 11 driblou dois antes de bater no canto de Sidão.

Ainda deu tempo para Sidão protagonizar dois lances bizarros em sequência. Quando o placar marcava 42, o goleiro se complicou com Bruno Silva e Sánchez quase fez o terceiro. No escanteio, o camisa 44 saiu caçando borboleta e Lucas Veríssimo acertou a trave.

Marcos Valadares colocou Andrey e Bruno César no segundo tempo, para as saídas de Luiz Gustavo e Raul. E o Vasco se lançou ao ataque. No segundo minuto da etapa final, Lucas Mineiro quase abriu o placar depois de cobrança de escanteio.

Jorge Sampaoli percebeu o esboço de reação do Vasco e mexeu. Primeiro colocou Alison e tirou Jean Lucas. Depois Jean Mota entrou na vaga de Sasha. O Peixe equilibrou o jogo e quase fez o terceiro, aos 19.

Rodrygo tocou para Soteldo na marca do pênalti. O venezuelano foi caprichoso, tentou o drible e bateu fraco, para Sidão espalmar. No rebote, Sánchez chutou para fora na pequena área.

Aos 24, nova chance para o Santos. Soteldo recebeu na entrada da área e bateu por cobertura. A bola encobriu Sidão e bateu no travessão antes de sair para a linha de fundo. Na sequência, no minuto 25, Jean Mota cruzou e Sánchez, sozinho, acertou o travessão novamente.

Quando o placar marcava 27, não deu mais para o Vasco aguentar. Rodrygo, de novo ele, tabelou com Jean Mota e rolou para Soteldo deslocar Sidão e matar o jogo.

Aos 29, o Vasco voltou a assustar, mas parou por aí. Andrey finalizou e Vanderlei espalmou. No rebote, sem ângulo, Marrony chutou e o goleiro santista defendeu novamente.

Insaciável, o Alvinegro ficou perto do quarto gol por várias oportunidades. Aos 35, Jean Mota finalizou de fora da área, perto do ângulo. Um minuto depois, Rodrygo chutou colocado e a bola raspou a trave de Sidão. No minuto 42, Jean ficou perto do gol novamente.

Nos instantes finais, sob os gritos de olé da torcida, o Santos administrou a vitória tranquila, que poderia ter sido uma histórica goleada.




CSA 0 x 0 Santos

Data: 05/05/2019, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 3ª rodada
Local: Estádio Rei Pelé, em Maceió, AL.
Público: 10.313 pagantes
Renda: R$ 177.174,00
Árbitro: Rodolpho Toski Marques (PR)
Assistentes: Bruno Boschilia e Victor Hugo Imazu dos Santos (ambos do PR).
VAR: Rafael Traci (SC)
Cartões amarelos: Bruno Ramires (CSA); Jorge, Soteldo, Derlis González e Gustavo Henrique (S).

SANTOS
Vanderlei; Lucas Veríssimo (Jean Mota), Aguilar e Gustavo Henrique; Victor Ferraz, Jean Lucas, Diego Pituca e Jorge; Cueva (Soteldo); Rodrygo e Eduardo Sasha (Derlis González).
Treinador: Jorge Sampaoli

CSA
Jordi; Apodí, Luciano Castán, Gerson e Carlinhos (Armero); Naldo (Victor Paraiba), Bruno Ramires (Dawhan), Madson, Matheus Savio e Didira; Cassiano.
Treinador: Marcelo Cabo



Santos não joga bem e só empata com o CSA em Maceió

O Santos não jogou bem e empatou em 0 a 0 com o CSA na tarde deste sábado, no Estádio Rei Pelé, em Maceió, pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro.

O Peixe não demonstrou a intensidade habitual e teve muita dificuldade para criar chances diante da retranca do CSA em casa.

Com o resultado, o Alvinegro perdeu o 100% de aproveitamento, mas segue por ora na terceira colocação, com sete pontos. O CSA, ainda sem vencer no Brasileirão, agora tem dois pontos e está 16º lugar.

O jogo

É difícil escrever sobre o primeiro tempo de CSA x Santos. O resumo é o seguinte: Peixe inteiro no campo de ataque, até com os zagueiros, mas sem ser criativo.

O Peixe, com intensidade abaixo do habitual, só foi incisivo uma vez. Rodrygo bateu, Jordi espalmou. No rebote, da entrada da área, Jorge acertou a trave, aos 34 minutos.

O CSA só conseguiu um contra-ataque, na velocidade de Apodi. O lateral-direito atravessou o campo e bateu cruzado – Vanderlei espalmou no minuto 25.

O Santos voltou mais ligado para o segundo tempo, mas ainda com dificuldade para abrir espaços contra a retranca do CSA.

Aos 15, Sampaoli foi para o tudo ou nada. Tirou Cueva e Lucas Veríssimo para as entradas de Soteldo e Jean Mota, desfazendo a linha de três zagueiros e abrindo o time.

No minuto 19, Jean Mota teve a primeira boa participação em chute forte da entrada da área, para defesa segura de Jordi. Aos 28, Soteldo cruzou bem para Derlis, mas Gerson travou na hora certa.

Melhor em campo, o Santos ficou perto do gol novamente aos 31, quando Jorge cruzou no segundo pau para Rodrygo finalizar e Jordi defender de novo. No rebote, Derlis foi novamente travado.

No minuto 33, um susto. Didira encontrou Victor Paraiba sozinho na área depois de falha de Gustavo Henrique. O meio-campista driblou Vanderlei, mas chutou na rede pelo lado de fora. E aos 41, Paraíba recebeu sozinho de novo, mas dessa vez o goleiro santista saiu bem para defender.

Nos minutos finais, o Santos buscou a pressão, mas não conseguiu abrir o placar. Soteldo, aos 46, esteve perto em chute da entrada da área. O CSA seguiu se defendendo bem e garantiu mais um empate.

Sampaoli cita dificuldades e vê falta de “contundência” em CSA 0 x 0 Santos

O técnico Jorge Sampaoli viu a falta de contundência como principal defeito do Santos no empate em 0 a 0 com o CSA na tarde deste domingo, no Estádio Rei Pelé.

O argentino citou o calor de 30º em Maceió e o campo “lento” como dificuldades, não como justificativas para o tropeço na terceira rodada do Campeonato Brasileiro.

“No primeiro tempo, equipe foi muito superior. Não gerou tantas situações pelo domínio. Jogamos quase todo o tempo no campo deles. No segundo tempo, variamos e sofremos alguns contra-ataques pela vontade de ganhar. Faltou contundência em um jogo com muitas chances. Buscamos por todos os lados, com muita gente, e não concretizamos. Temos que seguir melhorando”, disse o técnico.

“Mesclar jogadores é colocar quem estão mais frescos e lúcidos em jogo de gramado lento, com muito calor. Jogamos há menos de 72 horas e com viagem larga. Será assim em todo o ano, depende da forma dos que terminam os jogos. Podemos fazer diferentes variações de nomes pensando no gol rival. Foi um ataque sustentado no campo rival, mas não completamos. Calor não é desculpa por não termos ganhado. Não ganhamos pois não concretizamos as chances. Levamos empate e buscamos a vitória. Calor e gramado não são justificativas”, completou.

O Santos volta de Maceió nesta segunda-feira, folga na terça e treina na quarta à tarde. A próxima partida será contra o Vasco, domingo, no Pacaembu, pela quarta rodada do Brasileirão.

Sampaoli vê “descanso mais importante que o trabalho” antes de Santos x Vasco

Após uma maratona de três jogos em uma semana, de Porto Alegre a Maceió, o Santos terá uma semana de preparação antes de enfrentar o Vasco, domingo, no Pacaembu, pela quarta rodada do Campeonato Brasileiro.

O Peixe venceu o Grêmio no dia 28 de abril, o Fluminense no último dia 2 e empatou com o CSA neste domingo. O técnico Jorge Sampaoli vê o descanso como fundamental neste momento.

“O mais importante é o descanso. Que o jogador possa diminuir a adrenalina. Descanso será mais importante que o trabalho. Daremos um dia e meio para se recuperarem bem e depois trabalharemos duro para enfrentar o Vasco. Esperamos grande jogo contra uma equipe muito difícil.

O Santos volta de Maceió nesta segunda-feira, folga na terça e só volta a treinar na quarta à tarde. O Peixe não tem desfalques para enfrentar o Vasco.

Jorge Sampaoli tem rodado o elenco. Para enfrentar o CSA, por exemplo, Jean Lucas e Cueva foram as novidades.

“Escalamos quem pensamos que eram melhores para esse jogo. Uns são melhores em um jogo, outros em outro. Jogamos num cenário difícil. Uns foram melhores que o outro, normal”, concluiu o treinador.

Jean Mota cita erro principal do Santos contra o CSA, mas exalta “entrega”

Jean Mota viu a falta de “lateralidade” como principal problema do Santos no empate em 0 a 0 com o CSA na tarde deste domingo, no Rei Pelé, pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro.

Para o meia, que foi poupado e entrou no segundo tempo, o Peixe mudou pouco de lado e teve dificuldade para furar a retranca do CSA.

“Pelo que críamos, não queríamos empatar. Era girar rápido, demoramos a girar e eles faziam a recomposição. Quando giramos, tivemos chances. Mas time está de parabéns pela entrega”, disse Jean Mota, ao Premiere.

Cueva volta a jogar mal pelo Santos e se irrita; veja números

Cueva foi escalado na sua função de origem, como meia armador e sem grande responsabilidade defensiva, em CSA 0 x 0 Santos. E decepcionou.

O meia chegou ao 12º jogo pelo Peixe, sem fazer gol ou dar uma assistência. Neste domingo, em Maceió, ele foi burocrático e acabou substituído aos 15 minutos do segundo tempo, para a entrada de Jean Mota.

De acordo com o relato do repórter Thiago Crespo, do Premiere, o peruano não gostou da substituição e discutiu com membros da comissão técnica. As imagens da TV mostraram o atleta conversando e gesticulando bastante com o preparador físico Pablo Fernández.

Os números do Footstats comprovam a atuação apagada de Cueva: ele não finalizou e nem deu uma assistência para finalização. De 42 passes, errou cinco. Uma falta foi cometida. O mapa de calor o mostra com maior movimentação pelo lado esquerdo.

O Santos pagará, a partir de 2020, R$ 26 milhões por Cueva, em quatro parcelas anuais, ao Krasnodar-RUS. O contrato irá até dezembro de 2022.

Santos 2 x 1 Fluminense

Data: 02/05/2019, quinta-feira, 19h15.
Competição: Campeonato Brasileiro – 2ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 10.564 pagantes
Renda: R$ 294.075,00
Arbitragem: Wilton Pereira Sampaio (GO)
Auxiliares: Bruno Raphael Pires e Leone Carvalho Rocha (ambos de GO).
VAR: André Luiz de Freitas Castro (GO)
Cartões amarelos: Soteldo, Rodrygo e Diego Pituca (S); Airton e Allan (F).
Gols: Eduardo Sasha (19-2) e Carlos Sánchez (27-2) e Pedro (42-2).

SANTOS
Vanderlei; Lucas Veríssimo, Felipe Aguilar (Victor Ferraz) e Gustavo Henrique; Carlos Sánchez (Cueva), Diego Pituca e Jorge; Rodrygo, Jean Mota (Jean Lucas), Eduardo Sasha e Soteldo.
Técnico: Jorge Sampaoli

FLUMINENSE
Rodolfo; Gilberto, Matheus Ferraz, Nino e Caio Henrique; Airton (Pedro), Bruno Silva e Allan (Pablo Dyego); Everaldo, Luciano e Yony (Léo Artur).
Técnico: Fernando Diniz



Santos leva susto, mas vence o Fluminense na Vila e segue 100% no Brasileirão

O Santos venceu o Fluminense por 2 a 1 na noite desta quinta-feira, na Vila Belmiro, pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro. O gols foram marcados por Eduardo Sasha e Carlos Sánchez, na etapa final. Pedro descontou no fim.

Com 100% de aproveitamento após dois jogos, o Peixe ocupa a terceira colocação, atrás de São Paulo e Atlético-MG por causa dos critérios de desempate. O Tricolor das Laranjeiras é o penúltimo, depois de duas derrotas.

O jogo

No duelo de duas equipes na busca por um futebol bem jogado e com a posse de bola, faltou o gol no primeiro tempo.

O Santos foi melhor, mas desperdiçou chances e sofreu nos contra-ataques. Tanto o Peixe quanto o Fluminense erraram nas tomadas de decisão e desperdiçaram os espaços encontrados.

Sánchez e Eduardo Sasha tiveram as melhores chances do Alvinegro. Aos 7, o uruguaio recebeu lançamento de Gustavo Henrique e cabeceou torto. No minuto 45, o atacante perdeu tempo de bola após cruzamento de Sánchez.

A melhor oportunidade do Flu veio com Luciano. Gilberto chutou cruzado, mas o atacante chegou atrasado no segundo pau.

O segundo tempo começou morno, mais truncado, com cara de zero a zero. Mas Rodrygo, o melhor do Santos, seguia tentando tirar o zero do placar. E conseguiu, aos 19 minutos.

Depois de boa jogada do camisa 11 pelo lado direito, a bola sobrou para Eduardo Sasha bater de primeira, no ângulo, para fazer o primeiro no jogo e o segundo no Campeonato Brasileiro.

O Peixe não parou de atacar. Aos 26, Jean Lucas acertou a trave de fora da área. No minuto 27, Pituca também acertou a trave, mas Sánchez aproveitou o rebote e fez o segundo.

Insaciável, o Alvinegro quase fez o terceiro com Jorge, em chute colocado para boa defesa de Rodolfo, aos 32, e novamente com Rodrygo, no minuto 37, em outra grande intervenção do goleiro tricolor.

E quando o cenário parecia de uma goleada, Pedro apareceu. O centroavante do Flu voltou a marcar depois de grave lesão no joelho, e colocou fogo no jogo aos 39. Everaldo cruzou, Gustavo Henrique vacilou e o centroavante guardou.

Nos minutos finais, a partida ficou aberta. Aos 43, Jean Lucas chutou para nova defesa de Rodolfo. Na sequência, o Santos administrou o resultado e voltou a conseguir três pontos.

Sampaoli explica rodízio no Santos e elogia Jorge, Rodrygo e Sasha

O técnico Jorge Sampaoli é adepto do rodízio no Santos. A ideia é mudar os jogadores a cada partida para não perder a intensidade.

Na vitória por 2 a 1 sobre o Fluminense, nesta quinta-feira, o argentino deixou Victor Ferraz, Alison e Jean Lucas. no banco de reservas.

“Estamos em formação. Não planejamos nada. Campeonato é exigente, temos viagem de cinco, seis horas. Temos que ver quem estão melhores. Quem estão 100%. Quem não estiver 100% não pode jogar. Verão modificações porque vejo a intensidade”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

O treinador aproveitou para elogiar três dos titulares: Jorge, Rodrygo e Eduardo Sasha.

Jorge

“Jorge é de seleção, pela carreira, qualidade. Precisamos do seu compromisso, que nos ofereça o que ofereceu hoje. Ir e voltar, pensar no corredor rival e não só no próprio. Jogador que pode nos dar muita coisa nesse talento normal de um lateral do futebol brasileiro”.

Rodrygo

“Rodrygo nos dá muito, mesmo jovem. Teremos que encontrar um substituto, que nos dê essa refrescância no um contra um. Encontrar dentro ou fora um extremo assim”.

Eduardo Sasha

“Sasha teve dois grandes jogos. Vinha treinando bem, custou um pouco no começo a forma de treinar e entender o jogo de posse, mas hoje nos dá muita satisfação. Mais do que o gol, nos coloca de frente, é generoso, pressiona. Nos ajuda muito”.

Sampaoli cita Pelé e Neymar para agradecer apoio dos santistas

A torcida do Santos ovacionou Jorge Sampaoli na noite desta quinta-feira, na Vila Belmiro, durante a vitória por 2 a 1 sobre o Fluminense.

Antes e depois do jogo, os santistas gritaram o nome do treinador. Ele agradeceu em coletiva de imprensa.

“É uma alegria, gosto muito dessa cidade, me sinto muito bem. Torcida do Santos gritar meu nome é ótimo. Gritam Pelé, Neymar e agora gritam a mim. É uma alegria muito grande”, disse Sampaoli.

Sampaoli também falou sobre a vocação ofensiva do time. O Peixe abriu 2 a 0, mas seguiu atacando e acabou levando um susto com o gol do Pedro no fim.

“Futebol tem que ser maneira de viver. Coincidir com que o torcedor quer. Mais do que ganhar ou perder, que saibamos quem somos. Sem modificar essa forma. Com 2 a 0, seguimos atacando, tivemos oito chances e Pedro converteu. E poderia ter sido 2 a 2. Mas é isso o que somos. Nos reconhecemos assim. Não podemos renunciar o que somos”, completou o comandante.

Victor Ferraz fala sobre assumir uma responsabilidade de Renato no Santos: “Termômetro”

Victor Ferraz assumiu uma responsabilidade de Renato, ex-capitão e hoje executivo de futebol afastado no Santos.

O lateral-direito diz que precisa saber quando acalmar o time em campo, assim como ocorreu na vitória por 2 a 1 sobre o Fluminense, nesta quinta-feira, na Vila Belmiro. Ele entrou no intervalo e fez a equipe melhorar.

“Eu, além de jogar, tenho responsabilidade de fazer o que Renatinho fez por muito tempo. Ser um termômetro também. Não precisamos atacar sempre. Procurei fazer isso, rodar a bola. Participei no primeiro gol, acho que foi bom. Sampaoli tem adotado esse rodízio, eu não ficava fora há muito tempo. Acho que 10. Descansei um pouco e entrei na minha melhor forma”, disse Victor Ferraz.

Jorge Sampaoli explicou o rodízio como forma de manter a intensidade no elenco.

“Estamos em formação. Não planejamos nada. Campeonato é exigente, temos viagem de cinco, seis horas (para Maceió, contra o CSA). Temos que ver quem estão melhores. Quem estão 100%. Quem não estiver 100% não pode jogar. Verão modificações porque vejo a intensidade”, explicou Sampaoli.

Pituca revela apoio de Sampaoli para acabar com novela e renovar com o Santos

Diego Pituca, enfim, acertou sua renovação de contrato com o Santos. O polivalente jogador recebeu um reajuste salarial e estendeu seu vínculo até 2023 com o Alvinegro Praiano. As negociações, porém, se arrastaram por cerca de nove meses.

“Fico feliz de poder estar renovando. Eu falei que não me via com outra camisa a não ser do Santos. Tira um peso das costas, jogar mais leve. É continuar nesta pegada e que possamos conquistar coisas boas”, disse, em entrevista coletiva na tarde dessa sexta-feira.

É inegável a influência de Jorge Samapoli para o fim da novela. Titular seja no meio ou na lateral, Pituca recebeu o apoio de seu técnico nos bastidores para convencer o presidente José Carlos Peres.

“Quando ele chegou, a gente teve uma conversa sobre a renovação. Ele falou que ia me apoiar, ia me ajudar. Acho que ele ajudou um pouco, fico feliz por isso”, contou, antes de dar mais detalhes.

“Foi no começo, ele sabia que tinha essa novela. Ele chegou para mim e disse que tentaria me ajudar, que viu meus vídeos e todos estavam comentando sobre isso. Ele disse que me ajudaria o mais rápido possível. Demorou um pouco, mas ainda bem que já acabou isso”, concluiu o jogador, ainda tímido diante das câmeras.


Grêmio 1 x 2 Santos

Data: 28/04/2019, domingo, 11h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª rodada
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre, RS.
Público: 32.318 pagantes (34.291 presentes)
Renda: R$ 1.371.049,00
Árbitro: Bruno de Araújo (RJ)
Assistentes: Rodrigo Corrêa (Fifa) e Thiago Henrique Neto (RJ).
VAR: Rodrigo Carvalhaes de Miranda, auxiliado por Marcelo de Lima Henrique e Michael Correia (todos do RJ).
Cartões amarelos: Kanemmann e Maicon (G); Alison, Diego Pituca e Derlis Gonzáles (S).
Cartão vermelho: Derlis Gonzáles (S).
Gols: Eduardo Sasha (05-1); Felipe Jonatan (34-1); Everton (47-2).

GRÊMIO
Paulo Victor; Léo Gomes, Geromel, Kannemann e Cortez, Maicon, Matheus Henrique, Alisson (Diego Tardelli) e Jean Pyerre (Luan), Everton e André.
Técnico: Renato Portaluppi

SANTOS
Vanderlei; Felipe Aguilar, Gustavo Henrique e Lucas Veríssimo; Victor Ferraz, Diego Pituca, Jean Lucas (Carlos Sánchez), Felipe Jonatan; Jean Mota (Alison); Soteldo e Eduardo Sasha (Derlis González).
Técnico: Jorge Sampaoli



Vanderlei brilha, Santos vence Grêmio e inicia Brasileiro com pé direito

O Santos derrotou neste domingo o Grêmio por 2 a 1 na Arena pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro. Usando o esquema 3-5-2, o técnico Jorge Sampaoli impôs muitas dificuldades ao Tricolor Gaúcho, que não soube marcar a boa movimentação de Soteldo e Eduardo Sasha. Apesar das mudanças, o time da casa não teve forças para reagir e parou nas mãos do goleiro Vanderlei. Sasha e Felipe Jonatan fizeram para o Peixe, enquanto Everton descontou para os gaúchos.

O jogo

Antes do jogo uma homenagem do Grêmio ao superintendente do clube, Antônio Carlos Verardi, que faleceu nessa semana. Houve aplausos de pé da torcida gremista ao dirigente que trabalhou por 54 anos no Tricolor Gaúcho.

Um começo de partida muito truncado na Arena. Na sua primeira chegada ao ataque o Peixe surpreendeu os donos da casa, aos 5, o ex-atacante do Internacional, Eduardo Sasha, marcou um lindo gol em uma finalização sem chance para Paulo Victor.

O Peixe teve domínio das ações do jogo e continuou chegando com perigo ao gol de Paulo Victor. Aos 10, Jean Mota arriscou de fora da área e o arqueiro defendeu. Por sua vez, os donos da casa não conseguiram se encontrar em campo. Sasha e Soteldo se movimentaram muito no setor ofensivo e confundiram a marcação gremista.

Na tentativa de buscar o empate, o Tricolor Gaúcho levantou muita bola na área, porém a defesa do Santos se portou bem. Finalmente o Grêmio fez o goleiro Vanderlei trabalhar. Aos 25, Jean Pyerre mandou uma bomba de área e o arqueiro santista faz linda defesa. Dois minutos depois a resposta do Peixe, Soteldo driblou Maicon e finalizou rasteiro. Paulo Victor segurou firme. Aos 29, Léo Gomes chutou na grande área, e Vanderlei defendeu. Felipe Jonatan mandou para escanteio.

Se aproveitando de uma bobeira do sistema defensivo dos mandantes, aos 34, Soteldo cobrou escanteio, Paulo Victor saiu de soco, e Felipe Jonatan pegou o rebote e finalizou para o fundo da rede. O ataque gremista está bem vigiado pelos defensores do Peixe. Aos 44, André marcou para o Grêmio, mas o impedimento foi marcado. Avisado pelo árbitro de vídeo, Bruno Araújo confirmou anulação do gol.

A etapa inicial mostrou um Santos que jogou de forma ofensiva principalmente através de Sasha e Soteldo que deram trabalho a Geromel e Kannemann. O Peixe soube controlar o ímpeto gremista anulando as suas principais jogadas.

Com objetivo de reagir no confronto, o Grêmio avançou a marcação nesse retorno do segundo tempo. Apesar disso, os visitantes se mostram perigosos quando chegam à frente. Aos 06, Felipe Jonatan aproveitou o rebote e mandou uma bomba de fora da área. Paulo Victor defendeu com tranquilidade.

Para ganhar mais força ofensiva o técnico Renato Portaluppi sacou Alisson para a entrada de Diego Tardelli. No contra-ataque, aos 13, Tardelli cobrou escanteio, Jean Pyerre se atrapalhou e Soteldo acionou Jean Lucas que finalizou por cima, perdendo a chance de ampliar.

Liso e rápido, Soteldo levou vantagem pelo direito de defesa do Grêmio. Aos 16, Tardelli finalizou de fora da área e Vanderlei fez ótima defesa. Passado mais de 20 minutos, o Santos conseguiu controlar as ações ofensivas do Grêmio. Aos 26, Luan finalizou da entrada da área e fez ótima intervenção. Renato partiu para o tudo ou nada sacou o lateral-esquerdo Cortez para a entrada do centroavante Felipe Vizeu.

Não conseguindo entrar na área santista, o Tricolor Gaúcho apostou nas cobranças de falta e bola parada. Aos 29, Luan cobrou falta e Vanderlei espalmou. Aos 30, cruzamento na área, Lucas Veríssimo cortou para trás e quase fez contra.

Com espaços generosos no contra-ataque por pouco o Peixe não fez o terceiro, aos 36, Felipe Jonatan recebeu de Alison e finalizou. A bola passou por cima do gol e levou muito perigo para Paulo Victor. Realmente hoje não está sendo o dia do Grêmio, aos 37, Everton finalizou e Vanderlei segurou firme. Aos 38, Felipe Vizeu cabeceou na pequena área, mandou para fora. Aos 39, sensacional o arqueiro do Santos. Três defesas sem sequência nos chutes de Tardelli e André(duas vezes).

Mesmo com a insistência a bola não entrou em favor do Grêmio. Aos 43, André dá uma bicicleta, a bola bateu na trave. Na sequência, Tardelli chutou e Vanderlei defendeu. Assim o Peixe segurou o resultado estreando com pé direito na competição. No apagar das luzes o atacante Everton passou por Gustavo Henrique, finalizou cruzado e bateu sem chance para Vanderlei.

Bastidores – Santos TV:

Sampaoli explica estratégia contra o Grêmio e elogia atuação do Santos

Jorge Sampaoli se mostrou bastante satisfeito com a atuação do Santos na vitória sobre o Grêmio, em Porto Alegre, na estreia do Campeonato Brasileiro. Depois de promover uma mudança no time e entrar em campo com três defensores, o treinador argentino não só elogiou a atuação, principalmente no primeiro tempo, como rasgou elogios ao time do Grêmio.

“Nós nos adiantamos no jogo, primeiro tempo tivemos controle do jogo, não sofremos. Fomos contundentes na hora de atacar. Se eles tivessem feito o gol antes, nos obrigaria a dar espaço, mas jogamos dentro da nossa ideia”, disse. “Feliz por eles e porque começamos com uma vitória num lugar muito difícil contra o melhor time do Brasil”, completou Sampaoli.

“O Santos tem mostrado que possui um grande grupo e grande jogadores em todas as posições. Hoje tivemos mudanças e todos que entraram em campo deram conta do recado. A gente propôs, fizemos um grande jogo. Acho que poderíamos ter sofrido menos até, porque tivemos chances de matar o jogo. Mas o importante é somar os três pontos e começar bem o campeonato fora de casa”, disse Vanderlei.

Escolhido por Sampaoli para ser o titular na estreia do Brasileiro, depois de um rodízio com Everson entre Campeonato Paulista e Copa do Brasil, Vanderlei desconversou sobre a titularidade. “A gente faz o nosso melhor dia a dia e trabalha muito”, completou.

Após vitória do Santos, Sampaoli fala em “romper paradigmas” no futebol

“Romper paradigmas”. Esse é o objetivo de Jorge Sampaoli no Santos e no futebol brasileiro. Neste domingo, após a vitória do Peixe sobre o Grêmio por 2 a 1 pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro, o treinador argentino explicou suas motivações para trabalhar em solo brasileiro e exaltou o alto nível do duelo com o Tricolor Gaúcho, considerado pelo próprio o melhor time do Brasil.

“Chegamos ao Santos e não importa que jogadores venham, nossa característica é ser um time valente, onde quer que seja e em qualquer circunstância. Nós sabíamos com que equipe iríamos jogar hoje. Demos um passe importante. Ganhar aqui torna possível ganhar em todos os lados”, disse Sampaoli.

“Temos que seguir insistindo (na ideia). Não quero renunciar a um estilo que me fez vir ao Brasil. A ideia é de muito tempo atrás, quero repetir e aproveitar o futebol brasileiro para submeter o rival. Todo o tempo tem de ser para aliviar a pressão e pensar no gol adversário para ter êxito. Romper paradigmas é o que me traz aqui”, completou o treinador do Santos.

Sasha comemora primeiro gol no ano contra o “velho conhecido” Grêmio

Grande novidade de Jorge Sampaoli na escalação do Santos que venceu o Grêmio por 2 a 1 pela estreia do Campeonato Brasileiro, Eduardo Sasha desencantou em 2019 justamente contra o Tricolor Gaúcho, seu velho conhecido dos tempos em que vestia a camisa do Internacional. Ainda na Arena, o atacante comemorou o reencontro com as redes depois de ser preterido no início da temporada.

“Fazer gol sempre é bom, sempre positivo. Fico feliz de voltar a marcar. O professor (Sampaoli) viu bastante vídeos deles e fez uma estratégia para a gente anular. A gente vem sendo feliz e aproveitando as oportunidades”, disse Sasha, que marcou seu primeiro gol em 12 jogos que foi escalado na atual temporada.

E o gol de Sasha saiu justamente contra um time que o próprio conhece muito bem: o Grêmio. Com passagem pelo Internacional e com um histórico de polêmicas com o Tricolor, o atacante teve seu nome vaiado quando anunciado pelo sistema de som e teve de sobreviver com as provocações vindas das arquibancadas até abrir o placar ainda no primeiro tempo.

O estopim para a relação conturbada entre o Grêmio e o agora atacante do Santos começou em 2016, na conquista do Campeonato Gaúcho pelo Internacional. Na época, Sasha comemorou um dos gols na decisão, contra o Juventude, dançando valsa com a bandeira de escanteio, em alisão ao jejum que o Tricolor vivia na época de 15 anos sem conquistar um título nacional.

“Com certeza a gente ouve vaias, xingamentos. Pelo jeito eles ficaram magoados até hoje com o que aconteceu”, brincou Sasha.

Sampaoli confirma Vanderlei como titular no Brasileiro

A indefinição quanto ao goleiro titular do Santos para o Campeonato Brasileiro permaneceu até a escalação divulgada por Jorge Sampaoli para o confronto com o Grêmio, no último domingo, que terminou com vitória do Peixe por 2 a 1. E Vanderlei, o escolhido do treinador, fez valer a titularidade, sendo o herói do triunfo ao ponto de ser confirmado como o dono da meta no restante da competição.

Após a partida, em sua entrevista coletiva, Sampaoli elogiou muito a atuação e confirmou a escolha por Vanderlei em relação a Everson, mas anunciou a permanência do rodízio, com o recém-chegado atuando nas partidas da Copa do Brasil.

“Temos de tomar decisões todo tempo. Seguramente Everson seguirá na Copa do Brasil, e Vanderlei estará no Brasileirão. Vanderlei teve uma atuação que ajudou muito o time. Isso o consolida como o goleiro de sua história”, disse o treinador argentino.

No duelo em Porto Alegre, o Santos teve um primeiro tempo de domínio sobre o Grêmio, controlando as principais ações ofensivas e abrindo 2 a 0. Na segunda etapa, no entanto, os donos da casa melhoraram, principalmente depois das mudanças promovias por Renato Portaluppi, e passaram a assustar. Foi aí que Vanderlei deu início a sua atuação de gala, fazendo no mínimo cinco grandes intervenções.

“A gente tentou situar os jogadores que estavam com mais capacidade, vinculado ao esforço do jogo anterior. Não sei se o Renato se surpreendeu pelos jogadores ou pelo sistema. A ideia era jogar a partida com a valentia que fez o time, mas fizeram ainda melhor”, analisou Sampaoli, que ainda explicou as mudanças na equipe e a entrada com três zagueiros.

“Sobre as mudanças, tem de ver os atletas preparados para cada partida. O plantel que a gente tem, temos 25 jogadores preparados para jogar. Hoje o Felipe Jonatan jogou porque precisávamos dessa característica. Hoje descobri que posso contar com todos”, finalizou.


Vasco 2 x 1 Santos

Data: 24/04/2019, quarta-feira, 19h15.
Competição: Copa do Brasil – 4ª fase – Jogo de volta
Local: Estádio São Januário, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 8.859 pagantes
Renda: R$ 181.098,00
Árbitro: Rafael Traci (SC)
Assistentes: Helton Nunes e Henrique Neu Ribeiro (ambos de SC).
Cartões amarelos: Cáceres e Lucas Mineiro (V); Alison, Soteldo e Yuri Lima (S).
Expulsão: Jorge Sampaoli (S).
Gols: Raul (12-1) e Ricardo Graça (38-1); Jorge (08-2).

VASCO
Fernando Miguel (Alexander); Raul Cáceres, Werley, Leandro Castán (Ricardo Graça) e Danilo Barcelos; Raul (Yan Sasse), Lucas Mineiro, Yago Pikachu e Lucas Santos; Marrony e Maxi López.
Técnico: Marcos Valadares

SANTOS
Everson; Victor Ferraz, Felipe Aguilar, Gustavo Henrique e Jorge; Alison (Soteldo), Diego Pituca e Carlos Sánchez (Jean Lucas); Derlis, Jean Mota (Yuri) e Rodrygo.
Técnico: Jorge Sampaoli



Santos leva sustos contra o Vasco, mas avança às oitavas da Copa do Brasil

O Santos perdeu por 2 a 1 para o Vasco na noite desta quarta-feira, em São Januário, mas avançou às oitavas de final da Copa do Brasil. Os gols dos donos da casa foram de Raul e Ricardo Graça. Jorge fez o da classificação.

Depois dos 2 a 0 de vantagem na Vila Belmiro, o Peixe viu o Cruzmaltino abrir dois gols de diferença no primeiro tempo. Na segunda etapa, o Alvinegro voltou um pouco melhor, diminuiu e conseguiu administrar o resultado. Nos acréscimos, o Vasco teve outro gol de Ricardo Graça bem anulado. No último segundo, Gustavo Henrique falhou e Maxi López perdeu chance clara.

Vasco e Santos agora têm a primeira rodada do Campeonato Brasileiro pela frente. Os cariocas visitarão o Atlético-PR, enquanto o Peixe enfrentará o Grêmio, em Porto Alegre. Ambas as partidas serão no domingo.

O adversário do Santos nas oitavas de final da Copa do Brasil será decidido por meio de sorteio. Para a próxima fase, entrarão os brasileiros classificados para a Libertadores da América.

O jogo

O Santos, com 2 a 0 de vantagem da Vila Belmiro, começou o jogo no ataque. Linhas adiantadas, posse de bola e pressão na defesa adversária. Aos oito minutos, Jean Mota acertou um bonito chute na trave.

Aos 12, porém, tudo mudou. Aguilar errou na saída de bola, Lucas Mineiro tocou para Maxi rolar de calcanhar para Raul deslocar Everson e abrir o placar. Com o gol, o Peixe entrou em parafuso.

Muito mais intenso e concentrado, o Vasco acreditou na virada, foi mais perigoso e reverteu o 0-2 aos 38, em escanteio. Ricardo Graça fugiu da marcação de Derlis, contou com saída ruim de Everson e cabeceou para o fundo das redes.

O Santos voltou a campo mais ligado. Jorge Sampaoli tirou Alison, pendurado, e colocou Soteldo. A alteração não demorou a surtir efeito.

Aos oito minutos, Soteldo tabelou com Jorge e cruzou, a bola desviou e sobrou para o próprio lateral bater forte, de fora da área, e vencer o jovem Alexander.

Com a formação ofensiva do Peixe, o jogo ficou ainda mais aberto. No minuto 13, Marrony recebeu em profundidade, Everson saiu todo errado do gol, e o jovem do Vasco tentou encobrir, mas errou o alvo.

Dali em diante, as chances cessaram. Sampaoli recompôs a equipe com a entrada de Jean Lucas e os espaços diminuíram.

Aos 34 minutos, Jorge Sampaoli foi expulso por reclamação. Segundos depois, Diego Pituca escapou com espaço, conduziu e bateu forte, por cima do gol.

O jogo ficou aberto até o fim, mas, nervoso, o Vasco não conseguia reagir. Quando tudo parecia calmo, Ricardo Graça marcou em nova falha de Everson, mas a arbitragem assinalou o impedimento aos 47. E no último segundo, Gustavo Henrique furou e Maxi López perdeu chance claríssima.

Vitória merecida do Vasco, mas eliminação para o Santos na quarta fase da Copa do Brasil.

Após sufoco, Sampaoli cobra melhora do Santos e admite erro por expulsão

O técnico do Santos, Jorge Sampaoli, está preocupado depois da derrota por 2 a 1 para o Vasco na noite desta quarta-feira, em São Januário. O Peixe se classificou às oitavas de final por causa do 2 a 0 da ida, na Vila Belmiro.

O argentino vê muita coisa a melhorar no Alvinegro antes do Campeonato Brasileiro.

“Temos que corrigir um monte de coisas. Temos que ter mais controle do jogo. Complicamos uma classificação que pareceu que estava muito mais tranquila. Temos que corrigir as coisas que prejudicaram hoje. Encontramos uma linha de cinco com os extremos avançada. Temos que nos plantar no campo adversário e que eles se preocupem com a gente. Tomamos um gol e encontramos momentos. Com certeza poderíamos ter empatado ou ganhado a partida. Tentamos jogar num 4-4-2, mas como o Vasco estava se impondo, me passou pela cabeça de corrigir (no intervalo, com Soteldo na vaga de Alison)”, disse Sampaoli.

“Esta noite não tivemos controle do jogo e quando tomamos o segundo gol entramos em desconserto. No segundo tempo, consertamos um pouco e a equipe teve chance de empatar a partida, mas terminamos o jogo sofrendo”, completou.

O treinador admitiu o erro pela expulsão no segundo tempo após reclamação acintosa com a arbitragem.

“Foi minha responsabilidade. A partida estava muito intensa e eu fui expulso merecidamente. Sofri muito. Me expulsaram por reclamação e tive que passar um momento muito difícil porque não pude ajudar os jogadores. O ímpeto deles jogarem a bola na área me deixou um pouco nervoso”, concluiu.

O Santos voltará a campo para enfrentar o Grêmio, domingo, em Porto Alegre, pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro.

Sampaoli fala em dúvida entre Vanderlei e Everson e volta a pedir Ricardo Oliveira

O técnico do Santos, Jorge Sampaoli, diz que ainda não sabe qual goleiro será titular contra o Grêmio, domingo, em Porto Alegre, pela primeira rodada do Campeonato Brasileiro.

Depois do rodízio com Vanderlei no Paulistão e Everson na Copa do Brasil, Sampaoli vai analisar como proceder daqui para frente. O camisa 22 não foi bem na derrota por 2 a 1 para o Vasco na noite desta quarta-feira, em São Januário.

“Ainda não (sei). Temos de pensar em uma análise de cada posição. São dois goleiros importantes. Vamos ver quem vai jogar no domingo já no início do Brasileirão, em um jogo muito difícil contra o Grêmio”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

Sampaoli também voltou a pedir a contratação de Ricardo Oliveira, do Atlético-MG. A negociação foi intensificada nesta quarta-feira.

“Estamos procurando, insistindo, mas o presidente e as pessoas do clube sabem minha necessidade para um torneio muito duro e competitivo. A petição está formalizada e agora é esperar”, concluiu.

Herói na classificação, Jorge admite erros e diz que “Santos vai longe”

Jorge foi o herói da classificação do Santos para as oitavas de final da Copa do Brasil. O Peixe perdeu por 2 a 1 para o Vasco na noite desta quarta-feira, mas avançou por causa do 2 a 0 na ida, na Vila Belmiro.

Novidade na escalação, o lateral-esquerdo fez o gol decisivo no início do segundo tempo. Ele admitiu os erros e falou que o Peixe irá longe.

“Sabíamos que seria difícil, contra equipe bem montada. Sabíamos que seria difícil por causa da derrota na final. Entrariam com tudo. Não queríamos perder, mas classificamos e temos que acertar o que erramos. Esse time vai longe”, disse Jorge, ao SporTV.

O goleiro Everson destacou a vitória em casa e diz não ter se surpreendido com a pressão do Vasco nos acréscimos. Os cariocas tiveram gol bem anulado de Ricardo Graça e perderam chance incrível com Maxi López no último minuto.

“Foi por conta do nosso primeiro tempo. Nas duas chegadas, fizeram gol em erros coletivos nossos. Resolvemos no vestiário. Nos últimos minutos, imaginávamos o sufoco. Tivemos oportunidade de matar, mas não concluímos. São dois jogos. No primeiro fomos melhor. No primeiro tempo de hoje, jogamos mal, depois melhoramos, jogamos de igual para igual e nos classificamos”, analisou Everson.

Após 25 jogos, Sampaoli ainda não repetiu escalação no Santos

Após 25 jogos, o técnico Jorge Sampaoli ainda não repetiu um time titular no Santos. Contra o Vasco, na noite da última quarta-feira, o argentino surpreendeu e escalou Jorge na vaga de Soteldo.

Desde o amistoso contra o Corinthians, ainda na pré-temporada, Sampaoli levou a campo 24 escalações. 24 diferentes da anterior.

A atual comissão técnica estuda o adversário e define o esquema e os titulares de acordo com as características esperadas. Diante do Vasco, na decisão pela Copa do Brasil, a opção foi por reforçar o meio-campo com Diego Pituca e deixar Jorge pelo lado. Para a segunda etapa, Soteldo entrou na vaga de Alison.

O próximo desafio do Peixe será diante do Grêmio, domingo, na arena em Porto Alegre, pela estreia no Campeonato Brasileiro. Uma das indefinições está no gol: depois do rodízio entre Vanderlei no Campeonato Paulista e Everson na Copa do Brasil, o treinador ainda não definiu o titular.

O aproveitamento de Sampaoli é de 60% após 14 vitórias, cinco empates e cinco derrotas na temporada.

Sampaoli “volta no tempo” ao usar esquema do Século 19 no Santos

Depois de vários testes ao longo do Campeonato Paulista, Jorge Sampaoli parece ter encontrado um esquema ideal para o Santos: o 2-3-5, com dois zagueiros, um volante, dois “laterais-volantes” e cinco à frente: dois pela ponta, dois pelo meio e um falso 9.

Em evento da CBF na última segunda-feira, Sampaoli admitiu o tédio pelo futebol atual e revelou o desejo de ver o Santos como no futebol antigo. “Quero que meu time volte no tempo”, disse. E, ao menos na teoria, o Peixe realmente voltou.

O argentino levou a “pirâmide” a campo pela primeira vez na vitória por 1 a 0 sobre o Corinthians, pela semifinal do Campeonato Paulista, no Pacaembu. O Santos amassou o rival com mais de 70% e 33 finalizações, mas acabou eliminado nos pênaltis. A formação foi repetida nos 3 a 0 sobre o Atlético-GO e 2 a 0 diante do Vasco, na Vila Belmiro, e no primeiro tempo da derrota por 2 a 1 em São Januário.

A pirâmide teve origem no fim do século 19, no Reino Unido, em tentativa de organizar o esporte em campo. De acordo com o multicampeão Carlos Alberto Parreira, o esquema 2-3-5 “foi a primeira forma de noção tática registrada por um time. O início da inteligência no futebol”.

A criação do 2-3-5 gera dúvida entre escritores. O jornalista Jonathan Wilson, no livro “A Pirâmide Invertida: A História da Tática no Futebol”, afirma que o primeiro registro ocorreu em março de 1878, com o título do Wheham Football Club na Copa de País de Gales. O técnico húngaro Árpad Csanádi, na obra “Soccer”, relata a primeira pirâmide na Universidade de Cambridge, em 1883.

Independentemente da estreia, o 2-3-5 se disseminou e virou a formação da moda no século 20, como no título do Uruguai na primeira Copa do Mundo, em 1930. Daí em diante, as variações táticas tiveram início. 3-2-5, depois o 3-5-2, 5-3-2, e assim sucessivamente.

Argentina e Sevilla

Sampaoli surpreendeu os torcedores do seu país ao utilizar o 2-3-5 em um 6 a 0 sobre a seleção de Cingapura, no amistoso em 2017, quando chegou a alcançar 90% de posse de bola.

Depois de usar a pirâmide, o treinador criou o 2-3-3-2, repetido no Sevilla, com dois zagueiros, três meio-campistas defensivos, três meio-campistas ofensivos e dois atacantes.