Navegando Posts marcados como ficha técnica

Cruzeiro 2 x 0 Santos

Data: 18/08/2019, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 15ª rodada
Local: Estádio Mineirão, em Belo Horizonte, MG.
Público: 43.604 pessoas (36.975 pagantes)
Renda: R$ 629.491,00
Árbitro: Anderson Daronco (RS).
Auxiliares: Rafael da Silva Alves e Elio Nepomuceno de Andrade Junior (ambos do RS).
VAR: Caio Max Augusto Vieira (RN).
Cartões amarelos: Fred, Thiago Neves (C); Jorge Sampaoli (S).
Cartão vermelho: Gustavo Henrique (S).
Gols: Fred (43-1) e Thiago Neves (01-2).

CRUZEIRO
Fábio; Orejuela, Fabrício Bruno, Dedé (Cacá), Egídio (Fred); Henrique, Dodô, Marquinhos Gabriel e Thiago Neves; Pedro Rocha e David (Robinho).
Técnico: Rogério Ceni

SANTOS
Everson; Evandro (Pará) (Luiz Felipe), Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Jorge; Diego Pituca, Carlos Sanchez (Alison) e Felipe Jonatan; Derlis González, Soteldo e Eduardo Sasha.
Técnico: Jorge Sampaoli


São Paulo 3 x 2 Santos

Data: 10/08/2019, sábado, 17h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 14ª rodada
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo, SP.
Público: 47.277 torcedores
Renda: R$ 3.103.842,00
Árbitro: Raphael Claus (SP)
Auxiliares: Neuza Ines Back e Daniel Luis Marques (SP).
VAR: Rodrigo Guarizo Ferreira do Amaral (SP)
Cartões amarelos: Raniel, Everton, Bruno Alves, Tchê Tchê, Raniel (SP); Felipe Aguilar (S).
Gols: Sasha (43-1); Alexandre Pato (03-2), Alexandre Pato (25-2) e Reinaldo (11-2) e Raniel (40-2, contra).

SÃO PAULO
Tiago Volpi; Igor Vinícius, Bruno Alves, Arboleda e Reinaldo; Luan (Hernanes) (Hudson), Tchê Tchê e Everton; Toró, Raniel e Pato (Vitor Bueno).
Técnico: Cuca

SANTOS
Éverson; Lucas Veríssimo, Aguilar, Gustavo Henrique e Jorge; Diego Pituca, Carlos Sánchez (Evandro) e Felipe Jonatan (Jean Mota); Derlis González (Marinho), Eduardo Sasha e Soteldo.
Técnico: Jorge Sampaoli



Com 2 gols de Pato, São Paulo vira sobre o Santos e vence 1º clássico no ano

Missão cumprida. O São recebeu o Santos na tarde deste sábado, no estádio do Morumbi, pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro, e não decepcionou os mais de 40 mil torcedores que lotaram as arquibancadas. Tendo pela frente o líder da competição, o Tricolor não se intimidou e venceu o seu primeiro clássico no ano de virada, por 3 a 2, graças aos dois gols de Alexandre Pato e outro de Reinaldo, de pênalti. Sasha e Raniel, contra, balançaram as redes para o Peixe.

O triunfo tricolor foi um presente e tanto não só à torcida, que fez uma bonita festa no Morumbi, mas também a Daniel Alves e Juanfran, que acompanharam o jogo ao lado do presidente Leco. Com o resultado, o São Paulo retomou a quinta colocação, que antes pertencia ao Corinthians, e segue na cola de Flamengo e Atlético-MG.

O Santos, por sua vez, perdeu a oportunidade de assegurar os quatro pontos de vantagem para o vice-líder Palmeiras. O Verdão entra em campo amanhã, contra o Bahia, no Allianz Parque, e pode diminuir a distância para o Peixe para apenas um ponto em caso de vitória.

O jogo

O Santos foi quem chegou pela primeira vez com perigo na partida. Logo aos sete minutos, em contra-ataque, Sasha abriu para Derlis González na direita, que bateu cruzado, mas viu Arboleda aparecer no meio do caminho para interceptar a bola que sobraria livre para Carlos Sánchez no segundo pau. O São Paulo, por sua vez, respondeu aos 12 minutos com Raniel, que se antecipou para completar a cobrança de escanteio de Reinaldo, tirando tinta da trave de Éverson.

A partida era bastante disputada, com ambas equipes propondo o jogo e tentando o gol a todo momento. Aos 19, Felipe Jonatan recebeu sem marcação, de frente para o gol, e arriscou de fora da área, batendo cruzado e assustando o goleiro Tiago Volpi. O Tricolor só voltou a incomodar aos 31 minutos, quando Reinaldo bateu falta na entrada da área e mandou à direita da meta defendida por Éverson.

Na reta final do primeiro tempo, quando o São Paulo subiu de produção e aproveitou a queda de desempenho do Santos para tentar abrir o placar, veio a desilusão dos torcedores que lotaram o Morumbi. Depois de Tiago Volpi salvar a equipe aos 37 minutos fazendo uma defesa à queima-roupa em cruzamento de Sánchez, e Toró desperdiçar uma grande oportunidade em jogada ensaiada aos 40, quando recebeu livre dentro da área, mas mandou por cima do gol, aos 43 não teve jeito. Diego Pituca carimbou a trave com um belo chute de média distância e, no rebote, Sasha apareceu apenas para completar para o fundo do gol e garantir a vantagem ao Peixe antes de as equipes irem para o intervalo.

O São Paulo voltou a campo para a etapa complementar com Hernanes na vaga de Luan e logo no início a pressão dos donos da casa deu certo. Após Éverson defender a cobrança de falta do Profeta e mandar para escanteio, Alexandre Pato aproveitou o cruzamento na área para, depois de um desvio, ficar com a sobra, dominar e bater forte, deixando tudo igual no Morumbi.

Mas a blitz são-paulina não parou por aí. Um pouco depois do empate, aos nove minutos, Hernanes cobrou escanteio pela esquerda, Everton cabeceou, e a bola tocou no braço de Felipe Aguilar dentro da área. Raphael Claus, por sua vez, não titubeou e marcou o pênalti. Reinaldo, que começou a partida como capitão, foi para a cobrança e não desperdiçou, virando o jogo para o Tricolor.

A euforia da torcida deu lugar à tensão aos 15 minutos, quando Hernanes foi ao chão e teve de ser substituído por Hudson. Quatro minutos depois, contudo, os mais de 40 mil são-paulinos que estiveram presentes no Morumbi voltaram a fazer barulho graças a Raniel, que soltou uma bomba de fora da área e viu Éverson voar para fazer grande defesa.

Aos poucos, o Tricolor foi mostrando que a ausência de Hernanes não abalou o time. Aos 25 minutos, Reinaldo fez o desarme pela esquerda e tocou rasteiro para Alexandre Pato, que dominou e bateu forte, mas Éverson novamente salvou o Santos. Entretanto, no minuto seguinte, não deu para o goleiro do Peixe. Pato aproveitou o vacilo do meio-campo adversário, saiu em velocidade, contou com um tombo de Felipe Aguilar no meio do caminho e saiu frente a frente com o arqueiro rival, precisando apenas tocar no alto para fazer o terceiro e praticamente matar a partida no Morumbi.

Só que o jogo, até então tranquilo para os são-paulinos, voltou a ficar dramático com o gol contra de Raniel aos 40 minutos do segundo tempo após o cruzamento de Evandro. Novamente com apenas um gol de vantagem no placar, o Tricolor teve de segurar o ímpeto da equipe comandada por Sampaoli nos instantes finais para somar mais três importantíssimos pontos na tabela.

Sampaoli explica ‘3-2-5’ e lamenta “desconforto” em derrota no San-São

O técnico do Santos, Jorge Sampaoli, lamentou o “desconforto” da equipe na derrota por 3 a 2 para o São Paulo neste domingo, no Morumbi, pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O treinador explicou a opção por Lucas Veríssimo pela direita, com Victor Ferraz no banco, e disse que o time não atuou como está acostumado no clássico.

“Jogamos um jogo de muitas idas e voltas. Treinamos dessa forma, não é a que habitualmente jogamos. Tivemos chances claras, fomos para o intervalo vencendo e depois não encontramos linha de passe e jogo coletivo. Deixamos o jogo cômodo para o São Paulo. Mais do que as intenções, jogo não foi como de costume. Pensamos em transições rápidas, por isso pensamos em três centrais. Ideia era controlar a saída com três centrais e jogar num 3-2-5. Jogo nos levou a que ele (Veríssimo) fosse lateral. Não foi determinante, é coincidência (outras derrotas com três zagueiros). É fácil coincidir pontualmente porque não ganhamos. Não foi por isso, não tocamos muito, não encontramos os livres na pressão, superar o tempo que São Paulo não nos deu para sair com limpeza”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

“Foram dois gols de bola parada e um erro não forçado. São Paulo não criou tanto além da pressão individual. Tivemos chances no primeiro tempo, Volpi defendeu o cabeceio e tivemos aproximações antes do 3-2. Partida não nos deixa muitas coisas porque não jogamos como estamos acostumados”, completou.

Sampaoli espera que o Santos dê a volta por cima no Brasileirão e saiba pontuar mesmo em jornadas ruins.

“Espero que entendamos nossa maneira de jogar e nossos limites. Seguir trabalhando para fortalecer. Não jogaremos bem sempre e temos que seguir adiante. Não jogaremos sempre bem. Hoje não jogamos. Temos que estar cômodos com o jogo, com a bola, não correndo por 90 minutos”, afirmou.

“Temos que trabalhar muito mais para reverter jogos ruins. Temos que resolver jogando, mais além da pressão do rival. Treinamos sempre o jogo. Hoje tivemos uma queda. Ganhamos os sete e não fomos tão bons. Jogamos melhor que o rival e aproveitamos chances. Das sete chances claras do primeiro tempo, poderíamos ter mudado a história do jogo. Esse é o futebol”, concluiu.

O Santos, ainda líder, voltará a campo para enfrentar o Cruzeiro no domingo (18), no Mineirão, pela 15ª rodada do Nacional.

Felipe Aguilar compromete no San-São, recebe 3º cartão e não enfrenta o Cruzeiro

Felipe Aguilar recebeu o terceiro cartão amarelo durante a derrota do Santos por 3 a 2 para o São Paulo neste sábado, no Morumbi, e desfalcará o Peixe contra o Cruzeiro no dia 18, no Mineirão, pela 15ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O colombiano foi um dos piores do Alvinegro. Ele comete o pênalti ao colocar a mão na bola antes de Reinaldo virar o jogo e tropeça no lance do terceiro gol, de Pato.

“Começamos bem, tomamos dois gols e caímos um pouco. Só levantamos depois do terceiro gol. Não fizemos o que trabalhamos”, disse Aguilar, após o apito final.

Sasha lamenta ‘apagão’ do Santos, mas diz: “Essa derrota não tira o que temos feito”

Eduardo Sasha lamentou o “apagão” do Santos na derrota por 3 a 2 para o São Paulo neste sábado, no Morumbi, pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Após gol de Sasha e boa etapa inicial, o Peixe sucumbiu à pressão do rival no segundo tempo e perdeu depois de sete vitórias consecutivas.

“Fiquei feliz pelo gol, mas não jogamos bem no segundo tempo. Essa derrota não vai tirar o que temos feito no campeonato. Temos que trabalhar da mesma forma”, disse Sasha.

“Entramos no segundo tempo não tão ligados como no primeiro. Eles cresceram, em dois lances infelizes… É o futebol, mas estamos no caminho certo. Ninguém pode falar que nosso trabalho não é bem feito”, completou.

Jean Mota desabafa após virar reserva do Santos: “Afeta a confiança”

Jean Mota desabafou no início da noite deste sábado, após a derrota do Santos por 3 a 2 para o São Paulo, no Morumbi, pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O meia disse não entender o motivo de ter virado reserva e criticou a falta de comunicação com a diretoria. O Peixe recusou uma proposta de empréstimo do Al Ahli, dos Emirados Árabes, recentemente.

“Fiz um gol e uma assistência contra o Atlético-MG, depois nem entrei. Eu queria uma resposta. Saem matérias e eu nunca sei de nada. Não sei se a diretoria ou o treinador contam mais comigo, mas afeta a confiança”, disse Jean, na zona mista.

“Presidente manda, mas a gente tem que ter essa conversa. Ele precisa falar o que acontece. Se ele decidiu não me emprestar, não chegou até mim para saber minha intenção. Eu quero estar aqui, tenho contrato”, completou.

Depois de Jean Mota falar, o presidente José Carlos Peres também conversou com os jornalistas e negou qualquer influência da diretoria na decisão de Jorge Sampaoli: “Se chegar proposta, vamos conversar com carinho”.

Melhor jogador do Campeonato Paulista, Jean é atualmente um dos reservas de Sampaoli. O meia tem 25 anos e contrato até 30 de junho de 2022. O Santos detém 80% dos direitos econômicos.

Sampaoli responde a Jean Mota após derrota do Santos: “Colocarei quem está melhor”

O técnico do Santos, Jorge Sampaoli, respondeu ao desabafo de Jean Mota após a derrota por 3 a 2 para o São Paulo neste domingo, no Morumbi, pela 14ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Jean, atualmente reserva, disse não entender o motivo para ter saído da equipe titular depois de ser o melhor do Paulistão. Sampaoli, de forma sucinta, explicou.

“Porque há quem está melhor. Ganhamos sem ele, assim como ganhamos com ele. Colocarei sempre quem creio que está melhor”, disse o treinador.


Santos 6 x 1 Goiás

Data: 04/08/2019, domingo, 11h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 13ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 13.462 pagantes
Renda: R$ 510.020,00
Árbitro: Rafael Traci (SC)
Auxiliares: Kleber Lucio Gil e Johnny Barros de Oliveira (ambos de SC).
VAR: Rodrigo D’alonso Ferreira (SC)
Cartões amarelos: Jorge, Soteldo e Uribe (S); Kevin, Yago, Marlone e Kayke (G).
Gols: Carlos Sánchez (08-1), Lucas Veríssimo (14-1) e Gustavo Henrique (36-1); Eduardo Sasha (06-2), Soteldo (26-2) e Soteldo (35-2) e Kayke (45-2).

SANTOS
Éverson; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Jorge; Diego Pituca, Carlos Sánchez e Felipe Jonatan (Evandro); Derlis González (Marinho), Soteldo e Eduardo Sasha (Uribe).
Técnico: Jorge Desio

GOIÁS
Tadeu; Kevin (Yago Rocha), Yago, Rafael Vaz e Jefferson; Geovane, Léo Sena e Marlone (Giovanni Augusto); Michael (Marcinho), Leandro Barcia e Kayke.
Técnico: Claudinei Oliveira



Santos amassa o Goiás na Vila Belmiro e garante liderança do Brasileirão

O Santos goleou o Goiás por 6 a 1 a manhã deste domingo, na Vila Belmiro, pela 13ª rodada do Campeonato Brasileiro. Os gols foram marcados por Carlos Sánchez, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique, Eduardo Sasha e Soteldo (2). O de honra foi de Kayke.

Com a vitória, o Peixe garantiu mais uma rodada na liderança, agora com 32 pontos, e jogou a pressão para o vice-líder Palmeiras. O rival enfrentará o Corinthians também neste domingo, às 19h (de Brasília), na arena em Itaquera. A vantagem atual é de cinco pontos.

O Alvinegro não sentiu a falta de Jorge Sampaoli, suspenso, e dominou os 90 minutos na Vila Belmiro. Diferentemente de outros compromissos, os donos da casa comandados pelo auxiliar Jorge Desio aproveitaram as chances criadas e pouco sofreram na defesa. Aos 14 minutos de jogo, já estava 2 a 0.

O jogo

O Santos amassou o Goiás durante todo o primeiro tempo. O cenário foi o mesmo por 46 minutos: o Peixe criando chances com facilidade; o Esmeraldino tentando, sem sucesso, contra-atacar.

O primeiro gol saiu logo aos 8 minutos, quando Soteldo passou como quis por Kevin e cruzou na entrada da área. Sánchez fez um golaço de voleio.

O segundo saiu na seguida, no minuto 14. Sánchez cobrou falta e Lucas Veríssimo cabeceou no primeiro pau. O gol foi validado depois da consulta no VAR.

Com 2 a 0 no placar, o Alvinegro seguiu em cima e teve oportunidades com Eduardo Sasha e Derlis González, mas o terceiro saiu de outro zagueiro: Gustavo Henrique. Victor Ferraz cruzou, Sasha acertou a trave e o defensor estufou a rede no rebote para encaminhar a vitória.

A situação foi a mesma na etapa final. E não demorou para virar goleada. Sánchez deu linda assistência para Eduardo Sasha passar por Tadeu e marcar o quarto do Santos, aos 6.

O Peixe, insaciável, seguiu em cima do Goiás e o quinto veio com Soteldo, em mais uma pintura na Vila Belmiro, no minuto 26. O camisa 10 aproveitou erro na saída da defesa, conduziu e chutou de fora da área, na lateral da rede. Tadeu nada pôde fazer.

E ainda cabia mais. Quando o placar marcava 35, Marinho arrancou em contra-ataque, contou com o erro na defesa do Goiás e só rolou para Soteldo marcar o segundo dele e o sexto do Santos.

Nos minutos finais, o Goiás torceu para o tempo acabar, fez cera e viu ola” e “olé” na Vila Belmiro, mas ainda fez o de honra, com Kayke, aos 45. Nada suficiente para abalar a atuação quase perfeita do Santos, líder do Campeonato Brasileiro.

Bastidores – Santos TV:

Auxiliar de Sampaoli destaca seriedade do Santos em goleada: “Jogamos até o fim”

Jorge Desio, auxiliar Jorge Sampaoli, destacou a seriedade do Santos na goleada de 6 a 1 sobre o Goiás neste domingo, na Vila Belmiro. O Peixe não teve o técnico, suspenso, na área técnica.

O Alvinegro atacou durante os 90 minutos e parecia a todo momento precisar desesperadamente do gol. A manutenção da intensidade foi um dos pedidos da comissão técnica no intervalo.

“Eu creio que se pode fazer em alguns aspectos, como motivar, nunca se dar por vencido, alta intensidade em todos os minutos. Tivemos um bom jogo, falamos sobre nunca diminuir a intensidade no intervalo. Jogamos até o fim e eles também, descontaram nos acréscimos. Jogadores jogaram como pedimos, concentrados, sérios, fazendo o que planejamos durante a semana”, disse Jorge Desio, em entrevista coletiva.

Desio também comentou sobre o desafio de ver o Santos com essa intensidade também quando o momento não for positivo como o atual.

“Creio que viver os 90 minutos com concentração e manter a intensidade é bom para o Santos e qualquer equipe. É o que o treinador sempre busca. Não quero que interpretem mal, Santos está em posição boa e nós estamos motivados. Temos que fazer essa crença aumentar, que os jogadores participem, peçam a bola… Desafio é ter a mesma aderência se não estivermos nesse bom momento. Que jogadores vivam os 90 minutos com intensidade mesmo que o momento não seja bom”, avaliou.

O Santos abriu cinco pontos de vantagem para o Palmeiras na liderança do Campeonato Brasileiro e aguarda pelo clássico do rival contra o Corinthians, também neste domingo, às 19h (de Brasília), em Itaquera.

Exigente, Marinho cita intensidade e grupo unido no Santos

Líder do Campeonato Brasileiro, o Santos teve um grande desempenho na manhã deste domingo e venceu o Goiás na Vila Belmiro por 6 a 1. No entanto, mesmo com a goleada, o atacante Marinho fez questão de dizer que a partida não foi fácil.

Na saída do gramado, o jogador exaltou a importância da torcida e da união do grupo santista, e destacou sobretudo a entrega da equipe dentro de campo.

“A torcida tem comprado nossa briga. O momento é de união no grupo. Temos criado isso no nosso dia a dia. O resultado foi largo, mas não quer dizer que foi fácil. Fizemos valer nossa força dentro de campo”, disse, em entrevista ao Premiere.

Exigente, Marinho ainda disse que a equipe demorou a acordar, e lembrou da intensidade que o técnico Jorge Sampaoli pede aos jogadores.

“É o que ele (Sampaoli) pede (intensidade). Assim que treinamos e assim que jogamos. Demoramos um pouco para acordar no segundo tempo, mas conseguirmos fazer um resultado bom”, completou.

Lucas Veríssimo fala sobre chegada de Luan e diz ter certeza do Santos na briga pelo título

O zagueiro Lucas Veríssimo, autor de um dos gols na vitória do Santos por 6 a 1 sobre o Goiás neste domingo, na Vila Belmiro, tem a certeza da briga pelo título.

Após 13 rodadas, o Peixe tem 32 pontos, cinco pontos à frente do Palmeiras. O rival enfrentará o Corinthians também neste domingo, às 19h, em Itaquera.

“Tenho certeza que no final vamos brigar pelo título. Passo a passo, jogo a jogo, temos de reservar nossas forças no Brasileiro. É dar a vida, dar o 100% que vamos brigar”, disse Veríssimo.

O defensor também comentou sobre a chegada de Luan Peres, mais um jogador para a defesa, e destacou a possibilidade de ser lateral-direito.

“Estou satisfeito, tem zagueiros bons, o Luan chegou e vai ajudar. A gente vai jogar junto, brigar junto para conquistar o título. Eu treino na lateral também, hoje quem fez foi o Jorge (função de centra-lateral). Se ele precisar, também vou ajudar”, concluiu.


Santos 3 x 1 Avaí

Data: 28/07/2019, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 12ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 12.787 pagantes
Renda: R$ 461.520,00
Árbitro: Wagner Reway (PB)
Auxiliares: Fabio Pereira (TO) e Ivan Carlos Bohn (PR).
VAR: Adriano Milczvski (PR)
Cartões amarelos: Alison e Uribe (S); Marquinhos Silva e Léo (A).
Gols: Derlis González (08-1), João Paulo (27-1) e Carlos Sánchez (32-1); Felipe Jonatan (32-2).

SANTOS
Everson; Victor Ferraz, Felipe Aguilar, Gustavo Henrique e Jorge; Alison (Felipe Jonatan), Diego Pituca e Carlos Sánchez; Derlis González (Jean Mota), Soteldo (Marinho) e Eduardo Sasha.
Técnico: Jorge Sampaoli

AVAÍ
Lucas Frigeri; Léo, Betão, Marquinhos Silva e Igor Fernandes (Julinho); Pedro Castro, Richard Franco, Lourenço, João Paulo e Gustavo Ferrareis (Caio Paulista); Bruno Sávio (Gegê).
Técnico: Alberto Valentim



Com estrela de Sampaoli, Santos vence o Avaí na Vila e é líder do Brasileirão

O Santos venceu o Avaí por 3 a 1 na tarde deste domingo, na Vila Belmiro, e assumiu a liderança isolada do Campeonato Brasileiro, com dois pontos à frente do Palmeiras após 12 rodadas. É a primeira vez na liderança desde agosto de 2016.

O Peixe construiu a vitória com gols de Derlis González, Carlos Sánchez e Felipe Jonatan. O gol dos catarinenses foi de João Paulo. O técnico Jorge Sampaoli mostrou que tem estrela: Derlis foi a surpresa na escalação e Felipe entrou no intervalo, no lugar de Alison, improvisado no meio-campo.

O Alvinegro não teve vida fácil para vencer o lanterna. Os donos da casa abriram o placar, sofreram o empate e desempataram ainda no primeiro tempo. Na etapa final, o jogo ficou aberto, com chances para os dois lados.

O jogo

O Santos foi para cima desde o primeiro minuto, empurrando o Avaí no campo de defesa. E o gol não demorou a sair. Aos 8 minutos, Sánchez cruzou, a zaga afastou mal e a bola sobrou no pé de Derlis. O uruguaio bateu forte e abriu o placar.

Empurrado pela torcida, o Peixe seguiu na pressão e teve duas chances com Sasha. Na sequência, porém, diminuiu o ritmo e o Avaí equilibrou as ações.

No minuto 23, Aguilar salvou em chute de Ferrareis. E aos 27, o Avaí se aproveitou do atendimento médico a Diego Pituca, tocou bem a bola e encontrou João Paulo, livre, para deslocar Everson e empatar.

O Alvinegro “acordou” e logo desempatou. Soteldo, melhor em campo na primeira etapa, entortou a defesa e cruzou na cabeça de Sánchez na pequena área. O uruguaio deslocou Lucas Frigeri e colocou os donos da casa de volta à frente quando o placar marcava 32′ jogados.

O Santos passou a ter maior controle do jogo no segundo tempo e o Avaí ofereceu menos perigo nos contra-ataques. A primeira chance real, porém, só veio aos 23 minutos.

Felipe Jonatan arriscou de fora da área, Lucas Frigeri rebateu e Sasha, sozinho, bateu na trave depois do goleiro tocar na bola. Após dois minutos, Felipe deu um chapéu e deixou Marinho sozinho. O atacante chutou nova grande defesa de Frigeri.

No minuto 25, o Avaí respondeu. Pedro Castrou lançou Gegê e o atacante girou e bateu para intervenção providencial de Everson, a primeira do goleiro santista.

E depois de dar emoção ao jogo, o Santos garantiu a vitória e liderança do Brasileirão aos 32 minutos. E foi um golaço de Felipe Jonatan. O lateral-esquerdo deu um chapéu em Betão e chutou, com desvio em Pedro Castro, para encobrir o goleiro Lucas.

Nos minutos finais, o Avaí esteve entregue. O Santos seguiu no ataque e poderia até ter construído uma goleada. O Peixe é líder pela primeira vez desde agosto de 2016.

Bastidores – Santos TV:

Sampaoli contém euforia após liderança do Santos e diz: “Nosso maior adversário é a gente”

O técnico Jorge Sampaoli tenta conter a euforia após o Santos assumir a liderança do Campeonato Brasileiro com a vitória por 3 a 1 sobre o Avaí, neste domingo, na Vila Belmiro. Sampaoli vê a dificuldade de lidar com a liderança como maior adversário do Santos na sequência do Brasileirão.

“Nosso maior adversário é a gente mesmo. Se não entendermos isso nesse bom momento, não melhoraremos. Talvez em duas semanas o assunto seja outro. Temos que estar concentrados para melhorarmos, aprofundar o conceito e a ideia. Que joguemos como no segundo tempo hoje, sem se importar com o resultado. Temos que usar esse estado de ânimo a favor”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

“É o que veremos daqui para frente. Se podemos gerar superioridade mesmo com a pressão da liderança. O mais difícil é manter, atrás da gente há equipes com jogadores muito conhecidos, com processos de maior tempo. Sabemos que nosso desafio é o que vem. Pode durar muito pouco. Nosso maior desafio é contra nós mesmos no próximo domingo”, completou.

Jorge Sampaoli vê a “confusão” e durante o primeiro tempo contra o lanterna Avaí como exemplo para a dificuldade de se manter líder.

“O que eu disse naquela coletiva eu sigo pensando. Veremos onde estaremos em novembro. Tudo custa muito para gente. No primeiro tempo custou, empataram e tivemos uma pequena confusão. Temos que tratar de ver como hierarquizamos o funcionamento da equipe para lidar também com a adversidade. Depois de 12 jornadas, nos consolidamos na briga contra equipes de grandes contratações. Cada partida vai ser mais difícil, ainda mais pela pressão do primeiro lugar”, concluiu.

Soteldo “raro” e Felipe Jonatan bem como volante: Sampaoli analisa dupla do Santos

O técnico do Santos, Jorge Sampaoli, vê poucos jogadores como Yeferson Soteldo no mundo. O argentino se impressiona com a facilidade do venezuelano no um contra um.

O camisa 10 foi um dos destaques do Peixe na vitória por 3 a 1 sobre o Avaí, neste domingo, na Vila Belmiro, com a liderança do Campeonato Brasileiro após 12 rodadas.

“Tamanho não é referência. Soteldo é um extremo que eu não conheço muitos que proponham tanto no 1×1. Importante que esteja bem. Não estava 100% por causa de uma pancada, mas a jogada do segundo gol é de um jogador desequilibrante e raro. Temos que fazer ele melhorar, é jovem. Se não fosse pelo físico, talvez não fosse tão rápido. Brasil tem muitos extremos baixos e hábeis”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

Sampaoli também analisou Felipe Jonatan e vê chance do lateral-esquerdo ser utilizado mais vezes no meio-campo. Ele fez o terceiro gol diante do Avaí.

“Ele tem muita força, segura bem a bola e Jorge por dentro gerou muito dano com um extremo como Soteldo e Marinho. Felipe pode nos dar muito mais nessa posição. É um lateral mais profundo e agudo que Jorge, com características mais internas”, completou.

Sampaoli chama Sasha de “incrível” e cobra maior “sintonia” de Marinho no Santos

O técnico do Santos, Jorge Sampaoli, está entusiasmado com o momento de Eduardo Sasha. O atacante chama a atenção não apenas pela produção na área, mas principalmente pelo entendimento de jogo e chances criadas desde trás.

Sasha ganhou a disputa com Uribe e deixou o colombiano no banco de reservas na vitória por 3 a 1 sobre o Avaí, neste domingo, na Vila Belmiro.

“Treinamos com os dois (Sasha e Uribe) e eu precisava escolher um. Sasha vive grande momento, é difícil tirá-lo. Equipe funciona muito bem com ele, quando ele volta, nos faz jogador. É incrível para mim. Sasha gera muitas situações. Joga muito bem para o companheiro. Quando jogarmos só com um 9, Uribe vai esperar”, disse Sampaoli.

O treinador santista também comentou sobre Marinho e quer maior sintonia do atacante com os companheiros para que se firme como titular – atualmente, tem sido opção no banco de reservas.

“Marinho tem muitas condições, temos que trabalhar muito com ele e disse pessoalmente. Ele é incisivo, profundo, e tem que jogar mais para a equipe. Ele precisa aprender, jogar mais com os do redor atrás e na frente, com triangulações e ultrapassagens. Hoje fez segundo tempo muito bom, outro dia nos deu a vitória (contra o Botafogo). Ele tem o gol, explosão, individualmente muito bom. Precisa entender a sintonia da equipe e trabalhamos isso todos os dias”, completou o técnico.

Líder, Sampaoli mantém pedido por reforços no Santos: “Diretoria sabe”

O Santos é líder do Campeonato Brasileiro, mas o técnico Jorge Sampaoli mantém o pedido por reforços. A prioridade é um volante para substituir Jean Lucas – um lateral-direito e outro ponta seriam bem-vindos.

Sampaoli pediu as contratações à diretoria e aguarda respostas. A maior dificuldade é o encerramento da janela de transferências na próxima quarta-feira.

“Avaliamos o elenco e diretoria sabe das necessidades. Depende deles. Torneio será largo, seria bom que chegassem, mas depende mais da diretoria do que de mim”, disse Jorge Sampaoli, em entrevista coletiva.

Sampaoli vê “exagero” no carinho da torcida do Santos e diz que precisa se controlar

O técnico Jorge Sampaoli vê “exagero” no carinho da torcida do Santos desde a sua chegada. O argentino virou um ídolo e é o mais aplaudido em todos os jogos na Vila Belmiro ou Pacaembu.

O treinador ainda destacou a Vila lotada na vitória por 3 a 1 sobre o Avaí neste domingo, pela 12ª rodada do Campeonato Brasileiro.

“O carinho do torcedor é um pouco exagerado. Futebol gera autopressões pela exigência. Torcida tem muita ilusão. Hoje enchemos o estádio, algo pendente entre torcida e a gente. Que tenhamos a possibilidade de desfrutar a equipe. No próximo jogo certamente lotaremos também. Isso depende do que fazemos no campo e sustentar isso. Fico feliz pela aceitação da torcida, em um país que não é o meu”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

Sampaoli também comentou sobre os excessos na área técnica. O técnico recebeu o terceiro cartão amarelo e não poderá dirigir o Santos contra o Goiás no domingo, às 11h, novamente na Vila.

“Terei que aprender a me cuidar. Receber o terceiro me deixa fora do jogo e é incômodo. Tenho que controlar minhas emoções”, concluiu.

Soteldo diz que pode fazer muito mais pelo Santos: “Agora vou mostrar meu futebol”

Soteldo ganhou a camisa 10 do Santos, se firmou como titular e fez quatro gols e cinco assistências na temporada. Mesmo assim, o venezuelano promete muito mais.

O meia-atacante foi um dos destaques do Peixe na vitória por 3 a 1 sobre o Avaí neste domingo, na Vila Belmiro. O Alvinegro assumiu a liderança do Campeonato Brasileiro.

“Todos acabam tendo confiança. Estamos fazendo as coisas bem com o Sampaoli. Falei que os primeiro seis meses foram de adaptação. Agora vou mostrar meu futebol”, disse Soteldo.


Botafogo 0 x 1 Santos

Data: 21/07/2019, domingo, 11h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 11ª rodada
Local: Estádio Nilton Santos, o Engenhão, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 16.248 presentes (13.505 pagantes).
Renda: R$ 480.278,70
Árbitro: Heber Roberto Lopes (SC).
Assistentes: Bruno Boschilia (PR) e Daiane Caroline Muniz dos Santos (MS).
VAR: Caio Max Augusto Vieira (RN)
Cartões amarelos: Gilson e Joel Carli (B); Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Marinho (S).
Cartão vermelho: Lucas Veríssimo (S) e Gilson (B).
Gol: Marinho (29-2).

BOTAFOGO
Gatito Fernández; Marcinho, Joel Carli, Gabriel e Gilson; Alex Santana (Victor Rangel), João Paulo, Cícero; Diego Souza (Jonathan), Erik e Luiz Fernando (Rodrigo Pimpão).
Técnico: Eduardo Barroca

SANTOS
Everson; Lucas Veríssimo, Felipe Aguilar e Gustavo Henrique; Jorge, Diego Pituca, Carlos Sánchez e Jean Mota (Victor Ferraz); Eduardo Sasha (Felipe Jonatan), Soteldo e Uribe (Marinho).
Técnico: Jorge Sampaoli