Navegando Posts marcados como fila

Santos é campeão Paulista após 22 anos

Última conquista na competição havia sido em 1984, com gol de Serginho Chulapa

Em pé: Galvão, Jardel, Heleno Faísca, Cléber Santana, Wendel, Roger, Àvalos, Ronaldo Guiaro e Fabinho. Agachados: Magnum, Maldonado, Geílson, Rodrigo Tabata, Kléber, Neto, Reinaldo, Léo Lima e Fábio Costa.



História:

Por Leonardo Devezas

O Santos não conquista um título Paulista desde 1984 quando Serginho Chulapa mandava para as redes corintianas a bola do décimo quinto título Paulista. Desde o surgimento da segunda geração dos Meninos da Vila em 2002 e a conquista do bicampeonato Brasileiro, a maior sina do Santos é o jejum Paulista.

Estivemos perto da conquista em 2000, 2001 e 2004, mas o título não veio, parece que o Santos não estava destinado a conquistar o Estado mesmo obtendo êxito nas esferas Nacional e Internacional. Visando o projeto da quebra do jejum, o Santos traz de volta o técnico Wanderlei Luxemburgo, recém-saído do Real Madrid. Após a confusão do Campeonato Brasileiro de 2005, com muitos investimentos e poucos resultados, Luxemburgo dispensa diversos jogadores do elenco, inclusive o ídolo Giovanni.

Para o lugar de jogadores como Luizão e Cláudio “Pitbull”, Luxemburgo sugere alguns jogadores do clube paranaense Iraty, que é ligado ao sócio de Luxemburgo, Sérgio Malucceli, e o famoso empresário Juan Figger. Essa atitude gera alguns protestos na Vila Belmiro, principalmente pelos jogadores pouco conhecidos que chegaram a Cidade: Cléber Santana, Gilmar, Galvão, Leandro, entre outros.

Além da parceria Santos-Iraty, chegam ao clube os atacantes: Reinaldo (Kashima Reysol) e Jonas (Guarani); o meia: Rodrigo Tabata (Goiás) e o zagueiro Julio Manzur (Club Guarani-PAR). Outro fato marcante foi o retorno do goleiro Fábio Costa, que havia jogado o Brasileiro pelo Corinthians no ano anterior.

Após a contratação de praticamente um time inteiro, o Santos inicia sob muita desconfiança o Campeonato Paulista, tanto por parte da Imprensa como da própria torcida. Porém, essa desconfiança não dura muito tempo. Depois de um início instável, o Santos engata uma série de vitórias consecutivas pela vantagem mínima, fazendo com que seus torcedores acreditassem na conquista do tão esperado título. Alguns jogadores se destacam na campanha como Manzur e Maldonado pela segurança defensiva e Jonas que chegou fazendo gols logo em seus primeiros jogos.

O sistema tático do Santos era forte e compacto, o time não brilhava, totalmente contrário a sua história, mas encantava pela aplicação e dedicação em campo. Jonas acaba se machucando e um outro atacante assume a posição de jogador decisivo, Reinaldo. O atacante que já havia passado por outros grandes do Brasil, resolve o jogo que seria o do “título”, a vitória sobre o Juventus em um Pacaembú completamente lotado.

Na sequência do campeonato o Santos teria mais três jogos a realizar, contra Bragantino, São Paulo e Portuguesa na Vila. O duelo contra o Bragantino foi mais tranqüilo, vitória por 3 x 1 contra um time arrumado, que no ano seguinte decidiria uma vaga na final contra o próprio Santos. O jogo contra o São Paulo poderia decidir o título antecipadamente, caso o Santos vencesse, abriria larga vantagem e não poderia mais ser alcançado. O São Paulo, tendo a obrigação de vencer, acaba conquistando a vitória e o sentimento dos santistas é de frustração e a sina da “fila” paulista volta a assombrar a Vila Belmiro. Todos se lembram dos confrontos com o São Paulo em 2000, Corinthians em 2001 e São Caetano em 2004, “será que bateremos na trave novamente?”.

Era dia 09/04/2006, o aniversário do Santos se aproximava, apenas cinco dias separavam a celebração dos 94 anos de história para o jogo decisivo do Paulistão 2006. O Santos entra no gramado perto das 16h, a Vila Belmiro lotada com milhares de santistas com o coração na mão e os mais temidos e esperançosos pensamentos vagando nas mentes alvinegras. Dias antes, outro tabu é lembrado pela Imprensa, desde 1965 o Santos não levanta uma taça na Vila. Mais pressão, mais questionamentos e para balancear, mais esperanças, o Santos joga contra a Portuguesa que briga contra o rebaixamento.

O São Paulo joga em Itu, contra o time da casa e não tem outra possibilidade senão vencer. A bola rola, um sol escaldante ilumina o Templo Sagrado do futebol, em campo não são mais “reis” que desfilam, mas súditos dedicados que honram a camisa branca. Após 23 minutos de apreensão, principalmente quando os alto-falantes anunciaram o gol do São Paulo contra o Ituano, uma das contratações contestadas no início do ano abre o caminho para o tão aguardado título santista, Cléber Santana. O Estádio explode em alegria e o temor vai se dissipando pouco a pouco. Não demora muito e o time que durante todo o campeonato fez valer de sua defesa o melhor ataque, conseguiu um gol bem apropriado para o futebol do Santos no ano, em uma bola lançada para Reinaldo o zagueiro da Lusa joga para suas próprias redes.

O São Paulo também amplia e vai fazendo sua parte, mas a Taça já era do Santos. Em uma novidade lançada pela FPF, a taça viria do “céu”. Um helicóptero fica no aguardo dos resultados das partidas de Santos e Itu para saber aonde deverá entregar o tão cobiçado troféu. As emissoras de TV acompanham o trajeto feito pelo representante da FPF enquanto os jogos caminham para o fim, após o apito final, a Taça desce no gramado da Vila, que há 31 anos não via alguém erguê-la em suas terras. Os santistas vêem um título Paulista após 21 anos e era só o começo de uma hegemonia que perdura até então.



Elenco:
Clique aqui e conheça o elenco que conquistou o Paulistão de 2006.



Resultados:

#
Data
Ficha Técnica
Local
Vídeo
1 12/01/2006 São Bento 1 x 1 Santos Walter Ribeiro
2 15/01/2006 Santos 2 x 0 Mogi Mirim Vila Belmiro
3 19/01/2006 Paulista 3 x 1 Santos Jaime Cintra
4 22/01/2006 Santos 3 x 2 Marília Vila Belmiro
5 29/01/2006 América 2 x 3 Santos Teixeirão
6 02/02/2006 Santos 3 x 0 Santo André Vila Belmiro
7 05/02/2006 Port. Santista 2 x 1 Santos Anacleto Campanella
8 08/02/2006 Santos 1 x 0 Noroeste Vila Belmiro
9 12/02/2006 Corinthians 0 x 1 Santos Morumbi
10 19/02/2006 Santos 1 x 0 Ponte Preta Vila Belmiro
11 25/02/2006 Santos 1 x 0 Rio Branco Vila Belmiro
12 01/03/2006 São Caetano 2 x 3 Santos Anacleto Campanella
13 05/03/2006 Santos 1 x 0 Palmeiras Vila Belmiro
14 12/03/2006 Guarani 2 x 1 Santos Brinco de Ouro
15 19/03/2006 Santos 2 x 0 Ituano Vila Belmiro
16 25/03/2006 Juventus 1 x 2 Santos Pacaembu
17 29/03/2006 Santos 3 x 1 Bragantino Vila Belmiro
18 02/04/2006 São Paulo 3 x 1 Santos Morumbi
19 09/04/2006 Santos 2 x 0 Portuguesa Vila Belmiro


Classificação Final
   
PG
J
V
E
D
GP
GC
SG
%
1 Santos
43
19
14
1
4
33
19
14
75.4
2 São Paulo
42
19
13
3
3
46
21
25
73.7
3 Palmeiras
36
19
11
3
5
37
28
9
63.2
4 Noroeste
34
19
10
4
5
34
26
8
59.6
5 São Caetano
32
19
9
5
5
26
23
3
56.1
6 Corinthians
31
19
9
4
6
43
24
19
54.4
7 Rio Branco
30
19
9
3
7
34
28
6
52.6
8 Juventus
27
19
8
3
8
31
28
3
47.4
9 Ituano
27
19
7
6
6
27
23
4
47.4
10 América
25
19
8
1
10
25
30
-5
43.9
11 São Bento
25
19
7
4
8
23
27
-4
43.9
12 Paulista
25
19
7
4
8
28
33
-5
43.9
13 Ponte Preta
25
19
6
7
6
24
24
0
43.9
14 Bragantino
24
19
6
6
7
24
26
-2
42.1
15 Santo André
21
19
6
3
10
26
38
-12
36.9
16 Marília
20
19
5
5
9
25
34
-9
35.1
17 Guarani
19
19
4
7
8
24
31
-7
33.3
18 Portuguesa
18
19
5
3
11
21
30
-9
31.6
19 Portuguesa Santista
17
19
5
2
12
22
38
-16
29.8
20 Mogi Mirim
10
19
2
4
13
18
40
-22
17.5

PG: Pontos – J: Jogos – V: Vitórias – E: Empates – D: Derrotas – GP: Gols pró – GC: Gols contra – SG: Saldo de gols – %: Aproveitamento



Artilharia do Campeonato:
18 gols – Nilmar (Corinthians)
10 gols – Thiago (São Paulo)
09 gols – Marcos Aurélio (Bragantino) e Fabiano Gadelha (Rio Branco)

Artilheiros do Santos FC:
05 gols – Léo Lima
04 gols – Jonas e Luiz Alberto
03 gols – Cléber Santana, Magnum e Reinaldo
02 gols – Fabinho, Geílson, Manzur e Rodrigo Tabata
01 gol – Luciano Henrique e Wendel

Regulamento:
O Campeonato Paulista de 2006 foi disputado por 20 equipes em pontos corridos, num turno único de 19 rodadas em que todas os times jogaram entre si.

Seria campeã a equipe que somasse mais pontos. Em caso de empate entre dois ou mais times, o vencedor seria definido obedecendo os seguintes critérios, nesta ordem: maior número de vitórias, melhor saldo de gols, maior número de gols marcados, vantagem no confronto direto (exclusivo quando o empate ocorrer apenas entre dois clubes), sorteio público na sede da FPF.

Ao final da competição, as quatro equipes que somassem menos pontos seriam rebaixadas à Série A-2 do Campeonato Paulista. Em caso de igualdade em pontos, seriam observados os mesmos critérios de desempate que determinam o campeão.



Galeria de fotos:
Para mais fotos vire as páginas que estão abaixo da galeria.

Créditos:
Fontes: Jornal Diário de Sâo Paulo, Jornal Folha de São Paulo e UOL.
Fotos: internet
Vídeos: Site oficial do Santos, TV Tribuna, Globo e UOL.
Colaborou: Leonardo Devezas

Santos é campeão brasileiro de 2002

Elenco de 2002 antes da primeira final contra o Corinthians (2x0)

Em pé: Fábio Costa, Alexandre, Marcão, Pereira, Alex, Rafael, Renato, Preto e Paulo Almeida; Agachados: Douglas, Alberto, Michel, Robinho, William, Diego, Léo, Robert e Elano.

Com um time basicamente de adolescentes, o Santos reviveu no Brasileiro de 2002 a história dos Meninos da Vila (1978) e saiu da fila após 18 anos. O último título “de expressão” era o Campeonato Paulista de 1984.

O primeiro semestre de 2002 foi triste para o Santos. A participação pífia no Torneio Rio São Paulo fez com que o clube ficasse três meses sem atividade. Foi aí que o técnico Émerson Leão teve tempo de sobra para avaliar os jogadores que tinha em mãos. Apesar de não haver dinheiro no caixa do Clube, o Presidente Marcelo Teixeira ofereceu para o técnico Leão 2 ou 3 reforços, daqueles chamados de “medalhões”, receoso que o jovem time fizesse feio no Nacional. Leão bancou a molecada e o que o Brasil todo viu foi um Santos rápido, ofensivo e obediente taticamente.

Como qualquer equipe com muitos jovens, houve momentos em que o time foi irregular, oscilou bastante. Basta lembrar que após a vitória contra o Guarani, na antepenúltima rodada da fase de classificação, o Santos estava com a mão numa das oito vagas para as Quartas-de-finais. O que a torcida santista não contava era com as duas derrotas nas últimas rodadas. O Santos, que figurou entre os oito melhores desde a 13ª rodada, obteve a milagrosa classificação graças ao Gama, que goleou o Coritiba no DF, ficando o Peixe então em 8º com a última vaga.

Arrasador:
Nas três fases do mata-mata o Santos liqüidou o adversário na partida de ida. Como foi o 8º colocado na primeira fase, o Santos sempre teve que enfrentar os adversários em desvantagem. Sabendo disso, partiu para cima de São Paulo (3×1) e Grêmio (3×0) na Vila e do Corinthians na primeira partida da final (2×0 no Morumbi).

Troféu Fair Play:
Todos os titulares do Santos receberam ao menos um cartão amarelo na competição, até mesmo o goleiro Fábio Costa que só entrou na fase dos mata-matas. Todos, menos o volante Renato. O camisa 8 bem que merecia o Troféu Fair Play do Brasileiro pela conduta exemplar. Renato participou de todos os jogos do Santos na competição, sendo substituído apenas uma vez. E não pense que ele aliviava o pé, que fugia de divididas ou se escondia em campo. Muito pelo contrário, com um fôlego incansável ele sempre chegava primeiro na maioria das jogadas. Com todo o gás ele deu um pique no penúltimo minuto da final contra o Corinthians para fazer o 2×0.

Base mantida:
Dos 11 jogadores que entraram em campo para a primeira partida do Brasileiro contra o Botafogo, apenas o goleiro Julio Sérgio e o zagueiro Preto não chegaram à final como titulares. Leão manteve a coerência apostando na base de garotos que foi se lapidando a cada rodada. E aumentou a segurança na defesa com as entradas do zagueiro Alex, a partir da terceira rodada e do goleiro Fábio Costa, que entrou nas quartas-de-final. Entrosamento total.

Molecagem:
Diego, de 17 anos, aprontou de tudo neste Brasileiro. Liderou o rime na goleada de 4×1 sobre o Cruzeiro em pleno Mineirão. Sambou em cima do símbolo do São Paulo no duelo da primeira fase e acabou eliminando o tricolor, considerado favorito ao título, nas quartas-de-final, fazendo gols nos dois jogos. Contra o Grêmio , junto com o amigo Robinho, tirou o goleiro Danrlei do sério. No primeiro jogo da final, revoltou os corintianos, que o acusaram de insultar o lateral esquerdo Kléber com provocações racistas. Diego tirou tudo de letra: fugiu das polêmicas mas continuou aprontando das suas.

Goleiros:
O Santos teve três goleiros neste Brasileirão. Júlio Sérgio fez 22 jogos e sofreu 31 gols. Machucou-se no jogo contra a Ponte e não voltou mais. Rafael, seu substituto, fez 4 jogos e levou 6 gols. Para a fase decisiva, leão escalou Fábio Costa, recuperado de contusão. Ele entrou nas Quartas-de-final, fez 6 jogos e levou 5 gols.

Leão manso:
O técnico Émerson Leão precisou mudar o seu estilo para que o jovem time funcionasse. Leão foi se ajustando as brincadeiras dos garotos, soube dividir os méritos com seus meninos e no final conseguiu o que mais perseguia: o reconhecimento nacional de que era mesmo um técnico de ponta, apesar da passagem rápida e fugaz pela seleção brasileira.

Bola de Prata:
A Revista Placar premiou os seguintes santistas na competição: Alex e Robinho. Quase conseguiram o troféu também: Julio Sérgio e Léo (ficaram em 2º lugar), Renato e Alberto (ficaram em 3º).


O vídeo da direita acima é exibido no Memorial das Conquistas, o museu do Santos FC.

Regulamento:

O regulamento do Campeonato Brasileiro de 2002 é bastante parecido com o do torneio disputado no ano anterior.

O número de clubes na primeira divisão caiu para 26. Na primeira fase, todos jogam contra todos, em turno único. Os oito primeiros colocados se classificam para as quartas-de-final.

Em caso de empate em pontos ganhos entre duas ou mais equipes ao final da primeira fase, o desempate será efetuado observando-se os critérios abaixo, considerando-se todas as partidas realizadas na fase:
1 – maior número de vitórias;
2 – melhor saldo de gols;
3 – maior número de gols pró;
4 – confronto direto (empate entre dois times);
5 – sorteio.

Nas quartas-de-final, os oito clubes classificados são emparceirados em quatro confrontos: A (1º x 8º), B (2º x 7º), C (3º x 6º) e D (4º x 5º). Os times jogam duas partidas, e quem fizer o maior número de pontos se classifica. Os times de melhor campanha disputam a partida de volta em casa.

Na fase semifinal, que será disputada nos moldes das quartas-de-final, o vencedor do confronto A enfrenta o vencedor do confronto D, e o vencedor do B pega o vencedor do C. As duas equipes ganhadoras se classificam para a decisão.

Para as partidas de quartas-de-final e semifinais, os estádios deverão ter a capacidade mínima de 20.000 espectadores. Para as partidas da final, os estádios deverão ter a capacidade mínima de 30.000 espectadores.

Os dois finalistas estarão automaticamente classificados para a Copa Libertadores da América 2003. Os quatro clubes de pior campanha na primeira fase serão rebaixados para a Série B.

Elenco:
Clique aqui e conheça o elenco que foi campeão do Campeonato Brasileiro de 2002.

Campanha:

Fase de Classificação
# Data Ficha Técnica Local
Vídeo
1 10/08/2002 Santos 2 x 1 Botafogo Vila Belmiro
2 18/08/2002 Juventude 2 x 1 Santos Alfredo Jaconi
3 21/08/2008 Santos 3 x 0 Figueirense Vila Belmiro
4 25/08/2002 Fluminense 1 x 1 Santos Maracanã
5 28/08/2002 Santos 2 x 1 Paraná Vila Belmiro
6 31/08/2002 Internacional 3 x 0 Santos Beira-Rio
7 05/09/2002 Santos 3 x 0 Vitória Vila Belmiro
8 08/09/2002 Santos 2 x 2 Atlético-PR Vila Belmiro
9 11/09/2002 Coritiba 4 x 2 Santos Couto Pereira
10 14/09/2002 Santos 2 x 0 Grêmio Vila Belmiro
11 18/09/2002 Vasco 1 x 2 Santos São Januário
12 21/09/2002 Santos 1 x 1 Goiás Vila Belmiro
13 26/09/2002 Gama 0 x 0 Santos Bezerrão
N/D
14 29/09/2002 Santos 1 x 1 Palmeiras Vila Belmiro
15 03/10/2002 Corinthians 2 x 4 Santos Pacaembu
16 09/10/2002 Santos 3 x 2 Atlético-MG Vila Belmiro
17 13/10/2002 Cruzeiro 1 x 4 Santos Mineirão
18 16/10/2002 São Paulo 3 x 2 Santos Morumbi
19 19/10/2002 Santos 1 x 2 Portuguesa Vila Belmiro
20 23/10/2002 Paysandu 2 x 1 Santos Mangueirão
21 26/10/2002 Santos 3 x 0 Flamengo Vila Belmiro
22 30/10/2002 Bahia 1 x 1 Santos Fonte Nova
23 02/11/2002 Guarani 0 x 2 Santos Jaime Cintra
24 09/11/2002 Santos 1 x 3 Ponte Preta Vila Belmiro
25 17/11/2002 São Caetano 3 x 2 Santos A. Campanella


Quartas-de-final
#   Ficha Técnica Local
Vídeo
1 24/11/2002 Santos 3 x 1 São Paulo Vila Belmiro
2 28/11/2002 São Paulo 1 x 2 Santos Morumbi


Semifinais
#   Ficha Técnica Local
Vídeo
1 01/12/2002 Santos 3 x 0 Grêmio Vila Belmiro
2 04/12//2002 Grêmio 1 x 0 Santos Olímpico


Finais
#   Ficha Técnica Local
Vídeo
1 08/12/2002 Santos 2 x 0 Corinthians Morumbi
2 15/12//2002 Corinthians 2 x 3 Santos Morumbi



Classificação da 1ª Fase:

Classificação Geral – 1ª Fase
Pos.
PG
J
V
E
D
GP
GC
SG
%
1 São Paulo
52
25
16
4
5
57
35
22
69.3
2 São Caetano
47
25
14
5
6
42
28
14
62,7
3 Corinthians
43
25
12
7
6
37
35
2
57.3
4 Juventude
41
25
12
5
8
34
30
4
54.7
5 Grêmio
41
25
11
8
6
39
29
10
54.7
6 Atlético-MG
40
25
12
4
9
49
43
6
53.3
7 Fluminense
40
25
12
4
9
43
46
-3
53.3
8 Santos
39
25
11
6
8
46
36
10
52
9 Cruzeiro
39
25
11
6
8
40
39
1
52
10 Vitória
37
25
11
4
10
46
42
4
49.3
11 Coritiba
36
25
11
3
11
34
34
0
48
12 Goiás
36
25
10
6
9
42
39
3
48
13 Ponte Preta
34
25
10
4
11
35
34
1
45.3
14 Atlético-PR
34
25
9
7
9
39
33
6
45.3
15 Vasco
33
25
10
3
12
37
38
-1
44
16 Guarani
33
25
9
6
10
32
35
-3
44
17 Figueirense
31
25
9
4
12
34
43
-9
41.3
18 Flamengo
30
25
8
6
11
38
39
-1
40
19 Bahia
30
25
8
6
11
35
38
-3
40
20 Paysandu
29
25
9
2
14
35
46
-11
38.7
21 Internacional
29
25
7
8
10
36
37
-1
38.7
22 Paraná
28
25
8
4
13
37
42
-5
37.3
23 Portuguesa
27
25
7
6
12
26
40
-14
36
24 Palmeiras
27
25
6
9
10
37
46
-9
36
25 Gama
25
25
7
4
14
30
39
-9
33.3
26 Botafogo
25
25
6
7
12
24
39
-15
33.3


  Zona de classificação para Quartas-de-final
  Rebaixados para Série B 2003



Classificação Geral Final:


Classificação Geral Final
Pos.
PG
J
V
E
D
GP
GC
SG
%
1 Santos
54
31
16
6
9
59
41
18
58.1
2 Corinthians
52
31
15
7
9
50
46
4
55.9
3 Grêmio
48
29
13
9
7
41
32
9
55.2
4 Fluminense
46
29
14
4
11
49
51
-2
52.9
5 São Paulo
52
27
16
4
7
59
40
19
64.2
6 São Caetano
50
27
15
5
7
44
31
13
61.7
7 Juventude
42
27
12
6
9
34
31
3
51.9
8 Atlético-MG
40
27
12
4
11
52
51
1
49.4
9 Cruzeiro
39
25
11
6
8
40
39
1
52
10 Vitória
37
25
11
4
10
46
42
4
49.3
11 Coritiba
36
25
11
3
11
34
34
0
48
12 Goiás
36
25
10
6
9
42
39
3
48
13 Ponte Preta
34
25
10
4
11
35
34
1
45.3
14 Atlético-PR
34
25
9
7
9
39
33
6
45.3
15 Vasco
33
25
10
3
12
37
38
-1
44
16 Guarani
33
25
9
6
10
32
35
-3
44
17 Figueirense
31
25
9
4
12
34
43
-9
41.3
18 Flamengo
30
25
8
6
11
38
39
-1
40
19 Bahia
30
25
8
6
11
35
38
-3
40
20 Paysandu
29
25
9
2
14
35
46
-11
38.7
21 Internacional
29
25
7
8
10
36
37
-1
38.7
22 Paraná
28
25
8
4
13
37
42
-5
37.3
23 Portuguesa
27
25
7
6
12
26
40
-14
36
24 Palmeiras
27
25
6
9
10
37
46
-9
36
25 Gama
25
25
7
4
14
30
39
-9
33.3
26 Botafogo
25
25
6
7
12
24
39
-15
33.3


  Finalistas e clasificados à Copa Libertadores
  Eliminado nas Semifinais e classificado à Copa Libertadores
  Eliminado nas Semifinais
  Eliminados nas Quartas de final
  Eliminados na Primeira Fase
  Zona de rebaixamento



Artilheiros do Campeonato:
19 gols – Luis Fabiano (São Paulo) e Rodrigo Fabri (Grêmio)
17 gols – Dimba (Gama)
16 gols – Romário (Fluminense)
15 gols – Mancini (Atlético-MG) e Ramón (Vasco)
14 gols – Liédson (Corinthians) e Maurílio (Paraná)
13 gols – Guilherme e Deivid (Corinthians)
12 gols – Alberto (Santos), Fábio Júnior (Cruzeiro), Magno Alves (Fluminense), Sérgio Alves (Guarani), Márcio (Paraná) e Reinaldo (São Paulo)



Artilheiros do Santos:
12 gols – Alberto
10 gols – Robinho e Diego
09 gols – Elano
06 gols – Léo
03 gols – Alex e William
02 gols – Renato e Robert
01 gol – André Luis e Douglas



Galeria de fotos:
Para mais fotos vire as páginas que estão abaixo da galeria.

Áudio da Rádio Globo:
Ouça na janela abaixo a campanha completa do Santos na conquista do título de campeão Brasileiro de 2002. O arquivo em mp3 está hospedado no 4shared.