Navegando Posts marcados como Fluminense

Fluminense 3 x 2 Santos

Data: 14/05/2017, domingo, 11h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª rodada
Local: Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 9.880 pagantes
Renda: R$ 305.610,00
Árbitro: Wagner Reway (MT)
Auxiliares: Fabio Rodrigo Rubinho e Marcelo Grando (ambos do MT)
Cartões amarelos: Léo (F); Victor Ferraz, Bruno Henrique, Lucas Veríssimo, Lucas Lima e Ricardo Oliveira (S).
Gols: Henrique Dourado (03-1), Victor Ferraz (38-1), Henrique Dourado (47-1); Sornoza (12-2) e Vladimir Hernández (42-2).

FLUMINENSE
Diego Cavalieri; Lucas, Renato Chaves, Henrique e Léo; Orejuela, Wendel e Sornoza (Gustavo Scarpa); Wellington Silva (Marcos Júnior), Richarlison (pierre) e Henrique Dourado.
Técnico: Abel Braga

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Yuri e Jean Mota (Léo Cittadini); Renato, Thiago Maia e Lucas Lima; Vitor Bueno (Vladimir Hernández), Ricardo Oliveira (Kayke) e Bruno Henrique.
Técnico: Dorival Junior



Com dois gols de Dourado, Fluminense mostra força e vence o Santos

Após ter suas últimas atuações questionadas, o Fluminense mostrou força e venceu por 3 a 2 o Santos, neste domingo, no Maracanã, na estreia do Campeonato Brasileiro. Com o resultado, os tricolores conquistam a primeira vitória na competição, já que os jogos de sábado terminaram empatados. Já os santistas tiveram finalizada a sequência de bons resultados.

Os donos da casa souberam aproveitar melhor os as chances criadas, principalmente no primeiro tempo. Henrique Dourado abriu o placar para o Fluminense, mas viu o Santos empatar com Victor Ferraz. Antes do intervalo, novamente Henrique Dourado deixou os cariocas a frente. Na etapa final, os tricolores chegaram ao terceiro, com Sornoza. Já no fim, os visitantes diminuíram com Hernandez, mas não tiveram tempo para igualar o placar.

O jogo

O Fluminense começou a partida pressionando o Santos e conseguiu abrir o placar logo aos três minutos. Após boa jogada de Léo pela esquerda, Henrique Dourado se antecipou a Yuri e tocou para a rede.

Com a vantagem no placar, os tricolores diminuíram o ritmo e permitiram que o Santos equilibrasse o confronto. No entanto, os paulistas só criaram sua primeira chance de gol aos 15 minutos. Após troca de passes no ataque, a bola sobrou para Jean Mota, que chutou por cima do travessão.

O equilíbrio marcou boa parte do primeiro tempo. As duas equipes se alternavam na tentativa de atacar, mas erravam muito. Com isso, o jogo ficou sendo disputado em ritmo lento, sem grande emoção. Só que aos 38 minutos, o Santos chegou ao empate no Maracanã. Bruno Henrique cruzou pela esquerda e achou Victor Ferraz, que entrou de surpresa na área. O lateral cabeceou cruzado, sem chance para Diego Cavalieri.

Nos minutos finais, o Fluminense voltou a pressionar em busca do segundo gol. Os tricolores assustaram aos 43 minutos. Após escanteio, a bola sobrou para Henrique. O zagueiro chutou, mas acertou a trave direita de Vanderlei. Só que nos acréscimos, os donos da casa ficaram novamente a frente no marcador. Henrique Dourado foi derrubado por Jean Mota na área e o árbitro marcou pênalti. O próprio atacante cobrou para fazer seu segundo gol na partida e deixar os cariocas com a vantagem no intervalo.

O segundo tempo começou movimentado. O Fluminense quase ampliou aos três minutos, quando Richarlison foi lançado, mas viu Vanderlei se antecipar a fazer a defesa. A resposta do Santos veio quatro minutos depois. Bruno Henrique ganhou na raça de Lucas e finalizou para boa defesa de Cavalieri.

Com espaço, os tricolores foram eficientes e chegaram ao terceiro gol aos 12 minutos. Após boa troca de passes, Wendel achou Sornoza na área. O meia dominou e chutou colocado, sem chance para Vanderlei.

O revés não desanimou o Santos, que desperdiçou duas chances no mesmo lance. Após cruzamento, Ricardo Oliveira cabeceou no travessão. No rebote, Bruno Henrique também acertou o travessão de Diego Cavalieri antes da zaga tirar o perigo.

Só que o Fluminense seguia sendo mais perigoso e quase chegou ao quarto aos 20 minutos. Léo tabelou com Henrique Dourado e chutou cruzado para boa defesa de Vanderlei. Depois, foi a vez de Sornoza finalizar, mas parar no goleiro santista.

Com o passar do tempo, o Santos foi obrigado a avançar para tentar diminuir o prejuízo. No entanto, a equipe paulista errava muito na parte ofensiva e pouco incomodava a defesa carioca. Somente aos 39 minutos, os visitantes quase marcaram o segundo. Victor Ferraz fez boa jogada e tocou para Hernandez, mas o colombiano chutou por cima do gol.

De tanto insistir, os paulistas chegaram ao gol aos 42 minutos. Bruno Henrique chutou para o gol, Diego Cavalieri espalmou para frente e Hernandez apareceu para colocar a bola para a rede. Nos minutos finais, o Santos buscou o empate, mas o Fluminense conseguiu segurar a vitória até o apito final.

Bastidores – Santos TV:

Victor Ferraz lamenta derrota para o Flu e prega foco na Libertadores

A estreia do Santos no Campeonato Brasileiro não foi da maneira como os jogadores esperavam. O Peixe foi derrotado por 3 a 2 pelo Fluminense, na manhã deste domingo, no Maracanã. Autor do primeiro gol alvinegro, o lateral direito Victor Ferraz lamentou o resultado e o desempenho defensivo da equipe, que foi vazada por três vezes na partida.

“A gente acabou vacilando no começo, tomando gol, que não era a nossa proposta. Não fomos bem defensivamente, que é o nosso ponto forte. A gente toma poucos gols, nossos números são muito bons, mas hoje tomamos três em um jogo só, o que não é normal”, avaliou Ferraz em entrevista ao canal Premiere no final do jogo.

O camisa 4 santista reconheceu que o calor atrapalhou o Peixe – o jogo foi realizado às 11 horas (de Brasília) e os termômetros registram temperatura na casa dos 30°C – e, aliado ao desgaste do confronto com o Paysandu, na última quarta-feira, pela Copa do Brasil, prejudicaram o estilo de jogo da equipe. Sem muito tempo para lamentar, Victor Ferraz pregou foco no próximo compromisso do Santos, pela Libertadores.

“Hoje fez muito calor e a gente veio de um jogo muito desgastante em Belém, o campo não era bom e a viagem foi muito difícil também. A gente tentou dar o nosso melhor, corremos atrás do resultado. Foi um jogo difícil, queríamos estrear bem, mas não deu. Agora é pensar na Libertadores, que é o nosso principal objetivo da temporada”, declarou.

O Santos volta a campo já na próxima quarta-feira, às 19h30 (de Brasília), para enfrentar o The Strongest, pela quinta rodada da fase de grupos da Copa Libertadores da América, na Bolívia. A equipe viaja nesta segunda-feira para se ambientar à altitude de 3.660 metros da cidade de La Paz e Victor Ferraz confia no trabalho da comissão médica para recuperar os atletas.

“Tem que descasar a partir de agora, voltar para Santos, porque amanhã já viajamos novamente. Mas eu tenho certeza que o pessoal da fisiologia vai fazer um grande trabalho para estarmos com todo mundo 100% lá na Bolívia”, concluiu.

Dorival vê derrota injusta do Santos e reclama de pênalti não marcado

A derrota por 3 a 2 para o Fluminense na estreia do Santos no Campeonato Brasileiro, neste domingo, no Maracanã, não foi um resultado justo na avaliação do técnico alvinegro Dorival Júnior. O treinador viu sua equipe melhor em campo, buscando mais o jogo e criando mais oportunidades.

“O Santos não mereceria uma derrota aqui de maneira nenhuma por tudo aquilo que jogou, que produziu. A vitória do Fluminense é incontestável, porém o Santos não poderia ter saído daqui derrotado por tudo o que fez”, analisou. “Acabamos sofrendo o segundo gol bem na virada no primeiro para o segundo tempo e isso tenha dificultado um pouco mais. Voltamos, tomamos o terceiro gol, continuamos mantendo a posse de bola, criando, buscando os espaços. Jogamos bolas na trave, tivemos lances favoráveis, mas infelizmente não era nossa tarde”, completou o comandante santista.

Dorival lamentou o gol sofrido logo no início da partida, mais precisamente aos três minutos, e condicionou este fato ao modo como o jogo transcorreu no primeiro tempo, com o Fluminense administrando a vantagem e o Santos buscando o empate. O treinador santistas ainda reclamou de um pênalti não marcado a favor de sua equipe nos instantes finais do confronto.

“Eles se aproveitaram sim (dos 15 minutos iniciais) e a partir daí tiveram o jogo sempre na espera, o Fluminense jogou esperando praticamente durante os 90 minutos. Acho que o importante foi que o Santos teve paciência, rodou bola, criou oportunidades, teve um pênalti absurdo não anotado nos últimos momentos da partida”, protestou.

De acordo com o comandante alvinegro, o árbitro Wagner Reway foi avisado de que os zagueiros do Fluminense estavam segurando os atacantes do Santos nas jogadas dentro da área, mas não deu atenção ao aviso. Dorival considerou o pênalti não marcado como um ‘lance capital’, mas exaltou a produção ofensiva do Peixe.

“Ele (o árbitro) foi avisado ao longo dos 90 minutos que os jogadores estavam sendo muito segurados dentro da área do Fluminense. Foi um lance capital, que poderia ter decidido. Nós tivemos 20 chutes no gol do Fluminense, nove deles no Cavalieri. Foi uma grande partida, não temos que ficar buscando fatos negativos. Ao contrário, o Santos teve muito mais coisas positivas do que negativas, apenas não concretizamos o resultado”, finalizou.


Santos 2 x 1 Fluminense

Data: 05/10/2016, quarta-feira, 21h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 29ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 5.253 presentes
Renda: R$ 141.310,00
Árbitro: Igor Júnio Benevenuto (MG)
Auxiliares: Pablo Almeida da Costa e Celso Luiz da Silva (ambos de MG).
Gols: Copete (03-2), Wellington Silva (17-2) e Ricardo Oliveira (34-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, David Braz, Luiz Felipe e Zeca; Renato, Thiago Maia e Vecchio (Rafael Longuine); Jean Mota (Yuri), Copete e Ricardo Oliveira (Rodrigão).
Técnico: Dorival Junior

FLUMINENSE
Júlio César; Wellington Silva, Gum, Henrique e William Matheus; Pierre (Richarlison), Douglas, Cícero e Scarpa; Wellington (Marquinho) e Marcos Junior (Henrique Dourado).
Técnico: Levir Culpi



Atacantes decidem, Santos bate Flu e segue sonhando com título

Quem assistiu só o primeiro tempo de Santos e Fluminense, na Vila Belmiro, pode ter dormido mais cedo na noite desta quarta-feira. Mas após o início fraco, as duas equipes acordaram na segunda etapa e fizeram uma boa partida, válida pela 29ª rodada do Campeonato Brasileiro. Porém, o Peixe contou com o brilho de seus atacantes para sair com a vitória por 2 a 1 e manter-se entre os quatro primeiros da competição nacional. De cabeça, Copete e Ricardo Oliveira, respectivamente, marcaram os tentos santistas. Wellington Silva descontou, mas não evitou a derrota do Flu.

Com o triunfo, o alvinegro chegou aos 51 pontos e ganhou uma ‘gordura’ dentro do G6. Agora, os santistas abriram oito pontos para o Grêmio, sétimo colocado e primeira equipe fora da zona de classificação para a Liberadores. Além disso, os comandados de Dorival Júnior seguem sonhando com o título do Brasileirão.

Já o Fluminense segue na quinta posição, com 46 pontos, mas viu Atlético-PR e Grêmio vencerem e encostarem na briga pelo G6.

O jogo

Estreando seu terceiro uniforme azul, o Santos foi o primeiro a chegar próximo do gol na Vila Belmiro. Aos cinco minutos, Victor Ferraz avançou pela direita e cruzou. A bola chegou no pés de Ricardo Oliveira. O atacante, porém, furou na hora do chute.

Apesar do jogo ter um início equilibrado, o Peixe teve a segunda boa oportunidade. Aos 17 minutos, após cobrança de escanteio, a bola sobrou para Luiz Felipe. Mas o zagueiro, assim como o camisa 9 momentos antes, furou na definição. Logo depois, Ricardo Oliveira tentou de fora da área e Júlio César defendeu sem dificuldade.

Mesmo com poucas chances claras de gol, o Santos mantinha a posse de bola e dominava o meio de campo. Porém, faltava o último passe entrar. Aos 24 minutos, Copete roubou a bola de Wellington Silva e conseguir acertar o toque para Ricardo Oliveira. O centroavante entrou na área em velocidade, bateu rasteiro, mas parou em Júlio César.

Após a boa chance desperdiçada, o alvinegro não mostrava-se muito incisivo e errada muitos passes, assim como o rival carioca. O jogo ficou feio na Vila. Só que aos 36 minutos, o Fluminense ‘acordou’ na partida.

Primeiro, Wellington fez linda jogada individual pela esquerda, driblou quatro jogadores e bateu no gol. Vanderlei espalmou para escanteio. Logo em seguida, William Matheus mandou a bola na área e Cícero desviou de cabeça. A bola ficou livre para Marcos Júnior, que foi travado na hora do chute. A pressão do Flu, porém, não resultou em gol e as equipes foram para o intervalo sem mexer no placar.

Na segunda etapa, o Santos voltou sem Emiliano Vecchio. Cansado, o argentino foi substituído por Rafael Longuine. Mas quem fez a diferença foi Renato. Logo aos três minutos, o volante fez belo cruzamento Copete. O colombiano cabeceou forte, tirando qualquer de defesa de Júlio César. Peixe na frente.

A abertura do placar logo no início animou o duelo. No lance seguinte, o alvinegro quase ampliou o marcador. Após boa troca de passes, Longuine apareceu livre na entrada da área e chutou por cima do gol. O Fluminense não deixou barato e respondeu na sequência. William Matheus cruzou da esquerda, a bola sobrou para Douglas na altura da marca do pênalti. O volante veio com cede e bateu de primeira, mas Zeca interceptou o chute, salvando o Santos.

Ao contrário da primeira etapa, o segundo tempo começou movimentado na Vila. Mesmo com o Peixe seguindo com a posse de bola, o Flu buscou o empate aos 17 minutos. Após cruzamento da esquerda, Marcos Junior desviou de cabeça e Vanderlei fez uma grande defesa. Porém, o arqueiro deu rebote e Wellington Silva apareceu completamente livre para estufar e rede e igualar o marcador.

Os santistas sentiram o tento marcado pelos cariocas. Após o gol, o Peixe viu o tricolor chegar com mais facilidade ao ataque e ter algumas chances para virar o placar. Tanto que o alvinegro só conseguiu uma boa oportunidade com um defensor que se aventurou no ataque. Aos 29 minutos, Luiz Felipe avançou pela lateral direita e ao invés de cruzar, mandou uma bomba de longe, surpreendendo Júlio César, que espalmou no susto e mandou para escanteio.

Porém, o desafogo do alvinegro veio após duas bolas paradas. Primeiro, Rafael Longuine manou uma bola na trave. Na sequência, Ricardo Oliveira aproveitou cobrança de escanteio de Jean Mota, desviou de cabeça e colocou o Santos em vantagem novamente.

Após o gol, o jogo seguiu com boas chances para os dois lados, mas nada que mudasse o marcador na Vila Belmiro.

Bastidores – Santos TV:

Com ‘gordura’ por Liberta, Dorival ainda acredita em título brasileiro

A vitória por 2 a 1 sobre o Fluminense, nesta quarta-feira, na Vila Belmiro, fez o Santos ganhar um fôlego extra na briga por uma vaga na Liberadores de 2017. Com o triunfo, o alvinegro chegou aos 51 pontos e abriu oito para o Grêmio, sétimo colocado e primeira equipe fora do G6. Mesmo com essa ‘gordura’, o técnico Dorival Júnior não quer o Peixe relaxando no torneio e ainda segue sonhando com o título.

“É muito cedo para falar em classificação para a Liberadores. O Brasileiro requer muita atenção e nós temos pretensões no campeonato, não é só Libertadores. Nós temos nove rodadas, se eu não acreditar na minha equipe eu teria que sair do clube. Desde o início foi assim, do ano passado pra cá nós melhoramos em muitos quesitos. Tem coisas boas que estão acontecendo com o Santos”, afirmou o comandante, em entrevista coletiva após o duelo contra o Flu.

O jogo desta quarta-feira, inclusive, foi decisivo na busca do Peixe por uma vaga na Libertadores de 2017. Caso perdesse, o alvinegro seria ultrapassado pelo tricolor carioca. Mesmo seguindo no G6, os santistas ficariam mais longe das três primeiras colocações, principal objetivo da equipe atualmente. Por conta disso, Júnior gostou do ímpeto do alvinegro contra o Flu, principalmente quando foi pressionado.

“Acho que fomos uma equipe corajosa, que buscou o gol a todo instante, mesmo sabendo que tínhamos um contra-ataque deles muito forte. O contra-ataque do Fluminense é mortal. São duas equipes que se conheciam, se respeitaram, mas que foram agressivas na busca pelo gol. O jogo ficou muito franco em determinado momento, poderia ter acontecido tanto de um lado quanto do outro”, completou.

Rei dos escanteios, Jean Mota recebe elogios após nova assistência

Aos 34 minutos do segundo tempo, o Santos vivia seu pior momento na partida contra o Fluminense, nesta quarta-feira, na Vila Belmiro. Após levar o empate dentro da Vila Belmiro, o alvinegro era pressionado e quase levou a virada do Flu. Porém, um escanteio cobrado por Jean Mota fez a diferença. O meia cruzou na cabeça de Ricardo Oliveira, que se antecipou e escorou para o fundo da rede, decretando a vitória santista por 2 a 1, no duelo válido pela 29ª rodada do Campeonato Brasileiro.

A assistência foi a quinta de Jean neste Brasileirão, sendo que quatro foram de escanteios, contra Atlético-MG (duas vezes) e Corinthians, respectivamente. Para o técnico Dorival Júnior, o meia foi um ótimo investimento do clube.

“Das quatro equipes que estão na frente no Brasileirão, o Santos é a que tem o menor volume de investimento. Mesmo assim, nós encontramos alguns atletas que chegaram nesse grupo sem muitos gastos e deram soluções para os nosso problemas. O Jean é um deles”, afirmou o comandante, em entrevista coletiva após o triunfo sobre o Flu.

Indicação direta de Dorival Júnior, o armador chegou ao Peixe em junho após se destacar pelo Fortaleza na Série C, assinando contrato com o Santos até 2020. O atleta de 22 anos pode atuar como lateral-esquerdo, volante, meia e ponta, mas a comissão técnica prefere que ele atue como armador.

“Fico feliz por cobrar o escanteio na cabeça do Ricardo e ajudar o Santos a ganhar os três pontos. Aos poucos estou conseguindo minha vaga na equipe. É um time grande, com vários jogadores de qualidade. Estou buscando aos poucos meu espaço”, afirmou Jean Mota, na saída do gramado.

Na próxima rodada, o Santos provavelmente terá o retorno do meia Lucas Lima. Com isso, a presença de Jean Mota segue sendo dúvida para o clássico contra o São Paulo, no Pacaembu, no dia 13, às 21h (de Brasília).

Dorival se diz orgulhoso por trabalho e critica boatos por Luxemburgo

Nos últimos dias, circularam nos arredores da Vila Belmiro alguns boatos nos bastidores de que conselheiros do clube apoiavam a troca de Dorival Júnior por Vanderlei Luxemburgo no comando técnico da equipe.

Com o Santos na quarta colocação do Campeonato Brasileiro e disputando uma vaga na semifinal da Copa do Brasil, o presidente Modesto Roma Júnior, negou ter recebido uma carta de conselheiros do clube pedindo a saída do comandante e a contratação de Luxemburgo. E após a vitória por 2 a 1 sobre o Fluminense na noite desta quarta-feira, o próprio Dorival afirmou não se importar com “matérias infundadas” e se vê tranquilo no cargo até o atual momento.

“Esse conselheiro deve estar muito preocupado com o Santos, porque há tempos não via o Santos se firmar entre os primeiros, e agora tem o desprazer de conviver com isso. Eu tenho pena dele. Não merece meu respeito. Nunca me foi colocada situação nenhuma do presidente e do clube, que sempre foi correto comigo. Não precisa de conselheiros tomarem qualquer iniciativa, mas que venham para torcer pelo Santos, porque estamos merecendo mais apoio do que quem tenta infiltrar”, desabafou Dorival.

Durante a declaração do presidente na última segunda-feira, ele chegou a afirmar que o trabalho realizado pelo treinador é “aceitável”. O treinador preferiu não entrar em polêmica e disse ter orgulho do trabalho no clube.

“Cada um faz a colocação que ache conveniente, não vou questionar. Acredito que seja realmente um trabalho aceitável, e que tenho orgulho do que o grupo tem feito. Me orgulha estar à frente disso”, completou.

Com o triunfo sobre o Fluminense, nesta quarta-feira, na Vila Belmiro, o Santos chegou aos 51 pontos e ganhou uma ‘gordura’ dentro do G6. Agora, os santistas abriram oito pontos para o Grêmio, sétimo colocado e primeira equipe fora da zona de classificação para a Liberadores.

Mesmo com desgaste, Dorival deve escalar titulares contra o Benfica

O técnico Dorival Júnior bem que tentou, mas o Santos deve ir com força máxima no amistoso contra o Benfica, neste sábado, às 16h05 (de Brasília), na Vila Belmiro. O comandante chegou a afirmar que pretendia poupar alguns atletas, mas um acordo prevê que as equipes utilizem os titules no encontro. A partida marca as festividades pelos 100 anos do estádio, além de homenagear os ídolos Léo e Giovanni, que estarão em campo.

“O amistoso serve também como um treinamento de excelente nível. Porém, tenho de respeitar outra situação, caso cheguemos ao limite de um ou outro atleta. Do contrário, não, colocarei em campo a melhor equipe possível, até porque é um compromisso que exige uma seriedade”, afirmou o treinador santista.

A principal preocupação de Dorival é com o desgaste físico dos atletas, pois o amistoso acontece entre a vitória por 2 a 1 sobre o Fluminense, na última quarta, e clássico contra o São Paulo, no próximo dia 13. Caso o embate diante dos portugueses não acontecesse, o treinador poderia aproveitar a semana livre para preparar a equipe.

“Sequência de jogos é um complicador, alguns jogadores ressentem falta de recuperação melhor. Teria que ter tirado um ou outro jogador contra o Fluminense, mas com a bola parada tive que segurar um pouco. Temos que repensar, porque precisamos do time bem postado contra o São Paulo”, disse.

O único desfalque certo é Lucas Lima. Convocado para a Seleção Brasileira, o meia participa dos jogos contra a Bolívia, nesta quinta-feira, às 21h45 (de Brasília), na Arena das Dunas, e diante da Venezuela, na próxima terça, às 21h30 (de Brasília), em Mérida. Já o Benfica pode ter a ausência de até 15 jogadores, entre convocados e lesionados.

Gustavo Henrique passa por cirurgia no joelho e começará tratamento

O primeiro passo para a recuperação de Gustavo Henrique foi dado nesta quinta-feira. Após romper o ligamento cruzado anterior do joelho esquerdo, o zagueiro passou por uma cirurgia de reconstrução no Hospital do Coração (HCor), em São Paulo.

O procedimento foi realizado pelo Dr. Rene Abdala, reconhecido por operações deste tipo em atletas, e supervisionada pelo médico do próprio clube, Mauricio Zenaide. Seguindo as projeções dos médicos, o atleta deve voltar a jogar apenas entre abril e maio de 2017.

O camisa 6 do Peixe deve receber alta do hospital já nesta sexta-feira, um dia após a cirurgia. Assim que for liberado, o defensor seguirá segue direto para o CT Rei Pelé, onde dará início aos trabalhos de fisioterapia no Cepraf do clube.

O zagueiro se lesionou na derrota do Santos para o Sport por 1 a 0, no último dia 24 de setembro, na Ilha do Retiro, logo aos três minutos do primeiro tempo, após dividir uma bola com o meia Diego Souza. A realização da cirurgia somente duas semanas após a lesão foi necessária para que acontecesse uma diminuição do inchaço no local.

É a segunda vez que Gustavo Henrique passa por cirurgia ligamentar no joelho. Em 2014, o zagueiro rompeu o ligamento do joelho direito. Sem o defensor, Dorival Júnior deve manter David Braz como titular até o final deste ano.

Por conta da ausência de Gustavo Henrique, a diretoria do Peixe pensa em contratar mais um zagueiro para compor o elenco em 2017. O ídolo Alex, inclusive, já voltou a entrar na mira do alvinegro.

Fluminense 2 x 4 Santos

Data: 22/06/2016, quarta-feira, 21h45.
Competição: Campeonato Brasileiro – 10ª rodada
Local: Estádio Kleber Andrade, em Cariacica, ES.
Público: 4.721 pagantes (5.310 presentes)
Renda: R$ 177.312,00
Árbitro: Rodolpho Toski Marques (PR)
Auxiliares: Fabiano da Silva Ramires e Vanderson Antonio Zanotti (ambos do ES).
Cartões amarelos: Giovanni (F); Luiz Felipe (S).
Gols: Marcos Júnior (13-1), Luiz Felipe (27-1), Rodrigão (38-1) e Gabriel (47-1); Gabriel (05-2), Marcos Júnior (20-2).

FLUMINENSE
Diego Cavalieri, Jonathan (Giovanni), Gum, Henrique e Wellington Silva; Pierre (Maranhão), Douglas, Cícero e Gustavo Scarpa; Marcos Júnior (Oswaldo) e Magno Alves.
Técnico: Levir Culpi

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Gustavo Henrique, Luiz Felipe e Zeca; Renato, Thiago Maia, Léo Cittadini (Lucas Lima) e Vitor Bueno (Yuri); Gabriel e Rodrigão (Joel).
Técnico: Dorival Junior



Peixe goleia o Flu, quebra marca de 2015 e cola no G4 do Brasileirão

O Santos precisou de dez rodadas para superar a marca do ano passado e alcançar a segunda vitória fora de casa no Campeonato Brasileiro. Se em 2015 o alvinegro era o visitante que todos os adversários queriam, na atual temporada o Peixe promete fazer diferente. E, nesta quarta, os três pontos vieram em grande estilo, com direito a virada e goleada em cima do Fluminense, que sem o Maracanã e o estádio Nilton Santos, antigo Engenhão, mandou o jogo no Kleber Andrade, em Cariacica, no Espírito Santo.

Marcos Júnior abriu o placar no primeiro tempo, mas Rodrigão e Gabriel viraram ainda antes do intervalo. O camisa 10 santista ampliou logo nos primeiros minutos do segundo tempo, até Marcos Júnior colocar fogo na partida de novo. Mas, o zagueiro Luiz Felipe também deixou o seu e decretou a goleada a favor dos paulistas.

Desta forma, o alvinegro praiano se beneficiou da derrota do Corinthians para o Atlético-MG, também nesta quarta, e chegou à 5ª colocação, com 16 pontos, um a menos que o Flamengo, agora novo integrante do G4. Já o Tricolor Carioca cai para a 13ª colocação, estacionado nos mesmos 13 pontos.

O jogo

O primeiro tempo de Fluminense e Santos foi mais uma prova de que no futebol a eficiência é o que importa no fim das contas. O Tricolor carioca, em campo como mandante, apesar do jogo em Cariacica, partiu para cima desde o início e ditou o ritmo da partida praticamente o tempo todo. A primeira chance de gol veio ainda aos 7 minutos, em cobrança de falta de Cícero. Três minutos depois, Scarpa cruzou da esquerda e o meia do Flu só não marcou de cabeça porque Gustavo Henrique travou a bola no alto.

A pressão surtiu efeito aos 13 minutos em lance polêmico. Gustavo Henrique espanou um cruzamento da direita e, na sequência, cabeceou a bola para o meio da área. Luiz Felipe perdeu para Magno Alves no alto e a bola ficou para Marcos Júnior, que dividiu com Vanderlei e ainda teve a sorte da bola tocar na trave de voltar em sua direção. Mesmo caído, o atacante abriu o placar com o joelho.

No replay do lance, foi possível perceber que o autor do gol estava com uma pequena parte de seu corpo a frente do último homem santista, o que caracteriza o impedimento na jogada, mesmo que por tão pouco.

O Peixe encontrava muita dificuldade para organizar uma jogada de ataque. Como os jogadores passavam a maior parte do tempo atrás da linha da bola, marcando, os atacantes acabavam ficando isolados quando tinham a bola sob domínio. E a situação só não ficou pior graças a dois milagres de Vanderlei.

Depois de cobrança de falta na área e toque de Gustavo Henrique, Marcos Júnior testou com consciência, no ângulo, e viu o camisa 1 do Peixe voar e jogar a bola na trave. No rebote, Magno Alves bateu forte e Vanderlei voltou para executar outro milagre. Gum foi o último a ter uma chance, mas cabeceou para fora. Lance incrível no estádio Kléber Andrade.

Mas, é como diz o velho ditado: Quem não faz, toma! E no caso do Fluminense, a pena foi dobrada. Primeiro Rodrigão, estreante na noite, aproveitou passe de Léo Cittadini, girou e bateu rasteiro, de pé esquerdo, para empatar o jogo. E antes do intervalo, aos 47, praticamente no mesmo espaço de campo, Vitor Bueno enfiou para Gabriel repetir o companheiro e virar o jogo com chute rasteiro, cruzado. 2 a 1 Santos.

Peixe fatal
Na segunda etapa, o confronto continuou movimentado, com o Fluminense tendo de correr atrás do resultado. Mas, o balde de água fria veio logo aos 5 minutos. O Peixe saiu rápido em contra-ataque. Léo Citaddini lançou Rodrigão, em posição duvidosa, no meio da zaga carioca. Wellignton Silva tentou afastar, mas acabou tirando Cavallieri e dando uma assistência para Gabriel, que só colocou a bola para o fundo do gol, já vazio.

Levir Culpi então mandou o meia-atacante Maranhão para campo no lugar do volante Pierre. E o jogo ganhou características de ataque contra defesa, com o alvinegro sendo perigoso a cada contra-ataque, enquanto o Flu tentava diminuir o prejuízo a qualquer custo, principalmente com bolas aéreas.

E o duelo pegou fogo de vez aos 20 minutos. Magno Alves deu uma linda assistência para Marcos Júnior, que entrou com liberdade na área do Peixe e tocou com cima de Vanderlei para diminuir. Belo gol e 3 a 2 no placar.

Mas, de novo quando parecia perto de igual o jogo, o Fluminense tomou o segundo balde de água fria. Cobrança de escanteio na área, Rodrigão rocou de cabeça para o meio e Luiz Felipe, livre entre tantos defensores cariocas, fez o quarto gol do Santos, de cabeça.

Desta vez, o Flu não conseguiu reagir e o time de Dorival Júnior só teve o trabalho de administrar o resultado até o apito final, consumando a segunda vitória fora de casa do Alvinegro Praiano neste Campeonato Brasileiro. Ainda deu tempo de Lucas Lima acertar a trave de Cavalieri, mas o placar não foi amis alterado.

Bastidores – Santos TV:

Dorival admite pressão do Flu, mas comemora virada e elogia estreante

A vitória do Santos sobre o Fluminense na noite desta quarta-feira, em Cariacica, no Espírito Santo, é uma daquelas que o placar não diz exatamente o que foi o jogo. No fim, 4 a 2 para o Peixe, que agora é quinto colocado no Campeonato Brasileiro, com 16 pontos. Mas, os gols em contra-ataques foram os responsáveis por ofuscar a pressão imposta pelo Tricolor Carioca, principalmente no primeiro tempo, quando Vanderlei operou dois milagres e ainda contou com a ajuda da trave. Dorival Júnior, técnico santista, soube reconhecer isso após o confronto.

“Nós não começamos bem a partida, tivemos muitas dificuldades, o Fluminense predominou no início. Tivemos a felicidade de conseguirmos os dois gols na primeira etapa, melhoramos no segundo (tempo), jogamos em uma característica que a equipe produz bem. Jogo difícil, mas valorizamos o que o Santos fez em campo. Foi um jogo franco, um campo pesado. As duas equipes procuraram o resultado, um jogo de seis gols. Acima de tudo, um grande espetáculo”, avaliou, sem deixar de ressaltar o que sua equipe fez de bom para sair de campo com a vitória.

“O primeiro tempo foi complicado. O Santos conseguiu encontrar dois gols na primeira etapa. Eu também viria para cima tentar o resultado, reverter o placar. Isso aí proporciona uma condição que as duas equipes sabem aproveitar muito bem. Colocamos velocidade, dinâmica muito grande, troca de passes com frequência. Isso começou a esfriar o Fluminense. Foi fundamental e espero que a equipe mantenha essa postura. Deixamos pontos importantes no meio do caminho”, completou.

A estreia de Rodrigão também mereceu comentários do treinador alvinegro. Titular nesta quarta, o centroavante, que marcou 18 gols no Campeonato Paraibano, deixou o seu ainda no primeiro tempo, participou da jogada do terceiro e deu assistência para o quarto gol do Peixe no jogo, praticamente desbancando de vez a concorrência de Joel, que vive má fase e não tem sido perdoado pelos torcedores.

“Foi uma boa estreia, sim. Assim como o gol, a movimentação, a aproximação com os jogadores de frente. Realmente foi uma boa estreia, precisamos que ele mantenha tudo isso. O Joel também entrou no segundo tempo e manteve o nível, criando boas condições para quem chegasse de trás, prendendo a bola. É isso que nós queremos, essa competição saudável, que nos leva a uma melhora na classificação geral”, disse Dorival, sem desprestigiar o camaronês. “Importante continuar pontuando. Conseguir pontos fora que perdemos em casa. Valorizo isso. O restante vai ser uma troca constante de posições. Caso pontue, não pontue, naturalmente essas oscilações continuarão acontecendo. Temos de ter tranquilidade, pensar em classificação num momento oportuno do campeonato”.

Gabriel brinca com Rodrigão, pede maturidade e cabeça no clássico

Gabriel mais uma vez mostrou que vive grande fase e, nesta quarta, marcou dois dos quatro gols do Santos na vitória por 4 a 2 em cima do Fluminense, em Cariacica, no Espírito Santo. “Conseguimos uma virada importante contra um grande time. Nosso time é competitivo, independente de quem jogue”, comentou o camisa 10, que apesar de 19 anos, lembrou da derrota na rodada anterior para o Atlético-PR e pediu “maturidade” para a equipe seguir brigando na parte de cima da tabela. “Às vezes falta maturidade. Contra o Atlético-PR, fizemos um bom jogo. Precisava de calma, somar ponto. Tomamos um gol bobo”.

Ao falar sobre seu novo companheiro de ataque, Gabriel brincou com Rodrigão. “É meu companheiro de quarto, por isso fez gol”, contou, elogiando o centroavante, que fez uma estreia em grande estilo. “O Santos precisa de jogadores de personalidade, sem medo, sem se esconder. Nosso time deu confiança ao Rodrigão”, concluiu o atacante.

A timidez do reforço santista não o deixava transparecer a felicidade pela sensação de dever cumprido. Rodrigão saiu de campo já de olho no clássico contra o São Paulo, no próximo domingo. “Agora tem que manter a pegada e vamos pensar no São Paulo para fazer bom jogo”, resumiu, minimizando a disputa pela titularidade com Joel. “Não pensamos nisso. O professor decide. Trabalhamos no dia a dia”.

Zeca, já calejado com a camisa alvinegra, foi outro atleta a citar o San-São do fim de semana logo após a goleada em cima do Tricolor Carioca nesta 10ª rodada do Campeonato Brasileiro. “Parabéns à equipe e vamos em busca de mais uma (vitória). O Santos sempre jogou bola. Tem que entrar com raça para ganhar esse clássico”, avisou.

Santos 3 x 1 Fluminense

Data: 04/10/2015, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 29ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 7.491 pagantes
Renda: R$ 298.780,00
Árbitro: Sandro Meira Ricci (SC)
Auxiliares: Helton Nunes e Thiago Americano Labes (ambos de SC).
Cartões amarelos: Daniel Guedes, Thiago Maia e Neto Berola (S); Pierre e Marlon (F).
Gols: Lucas Lima (05-1) e Marquinhos Gabriel (11-1); Neto Berola (38-2) e Robert (48-2).

SANTOS
Vanderlei; Daniel Guedes, David Braz, Gustavo Henrique (Werley) e Chiquinho; Thiago Maia, Renato e Lucas Lima; Marquinhos Gabriel (Neto Berola), Gabriel (Leandro) e Ricardo Oliveira.
Técnico: Dorival Júnior

FLUMINENSE
Diego Cavalieri; Higor Leite, Gum, Marlon e Victor Oliveira (Robert); Pierre, Jean e Gerson; Marcos Junior (Lucas Gomes), Osvaldo (Magno Alves) e Wellington Paulista.
Técnico: Eduardo Baptista



Santos domina o Fluminense, vence com facilidade e entra no G4

Em mais uma boa atuação coletiva, o Santos conseguiu derrotar o Fluminense por 3 a 1 na tarde deste domingo, na Vila Belmiro. O Peixe dominou a partida desde o primeiro minuto e soube controlar até os poucos bons momentos do adversário, anotando seus gols com Lucas Lima, Marquinhos Gabriel e Neto Berola. Já nos acréscimos, Robert descontou para os cariocas.

O resultado faz o time da Baixada entrar no G4 da competição. Com 46 pontos, os alvinegros foram beneficiados na rodada pela derrota do Palmeiras e seguem em vantagem sobre o São Paulo no saldo de gols, diminuindo a desvantagem para o Grêmio, terceiro colocado, que tem 52. O Tricolor carioca, por sua vez, fica estacionado nos 37 pontos, ainda correndo risco de rebaixamento no Campeonato Brasileiro.

Agora, ambos os times terão de dias de treinamento até voltarem a campo. Também envolvidas nas semifinais da Copa do Brasil, as equipes terão duelos difíceis no retorno do Brasileiro. Enquanto o Flu recebe o São Paulo no Maracanã, no dia 14, os comandados de Dorival Júnior têm um confronto direto com o Grêmio, na casa do adversário, às 21h do dia 15.

O jogo

O primeiro tempo começou com o Peixe mostrando por que é avassalador quando atua em seus domínios. Logo aos cinco minutos de bola rolando, o alvinegro apostou na pressão na saída de bola e conseguiu abrir o placar. Marlon recuou para Diego Cavalieri, no lado esquerdo da área, e o goleiro demorou a chutar. Lucas Lima, que chegou a ser dúvida pelo cansaço físico, mostrou disposição para acreditar no lance e travar a jogada. A redonda bateu nele, pegou uma curva e entrou rente à trave direita.

Logo depois, o ritmo continuou alucinante por parte dos santistas, enquanto os tricolores pareciam não entender o que estava acontecendo dentro de campo. Gabriel, em grande fase, conseguiu fintar dois marcadores com o corpo e invadiu a área pela direita. Cheio de confiança, o avante bateu de canhota, cruzado, mas a bola acabou desviando na perna direita de Marlon e, apesar de sair do caminho do gol, ficou limpa para Marquinhos Gabriel, na pequena área, que só empurrou para a rede.

Feliz com o placar e claramente poupando energias, já que o Dorival tem reclamado há algumas semanas da falta de descanso para os jogadores, o Peixe passou a trocar passes no meio-campo e se aproveitou da má performance do adversário para administrar a vantagem. Até o intervalo, ainda poderia ter ampliado a vantagem com Gabriel e Daniel Guedes, mas Cavalieri se redimiu e fez duas grandes defesas. Nos visitantes, apenas um chute de Wellington Paulista, por cima do gol, assustou Vanderlei.

O retorno para o segundo tempo foi o pior momento dos anfitriões durante toda a partida. Animado pela entrada do experiente Magno Alves, o clube carioca criou duas boas oportunidades, mas deu azar de elas caírem no pé de Wellington Paulista. Na primeira, livre na área, ele furou feio. Na segunda, pôde se redimir ao disparar belo chute de esquerda, que Vanderlei foi buscar.

Ciente do perigo que correria se levasse um gol, o treinador dos donos da casa sacou Marquinhos Gabriel, cansado, e apostou na velocidade de Neto Berola nos contra-ataques. Após duas boas subidas em contragolpes, o Santos conseguiu conter o ímpeto do adversário e retomou o controle das ações em campo, podendo administrar a vantagem com tranquilidade.

Até o apito final, ainda conseguiu balançar a rede do adversário outras três vezes, mas apenas uma delas foi válida. Primeiro Gabriel foi pego em impedimento ao desviar bola dentro da área. Depois, Werley ganhou pelo alto e cabeceou o no canto direito, mas o Sandro Meira Ricci pegou falta do defensor santista. O tento só veio quando Neto Berola apareceu livre na grande área, subiu bem após cruzamento de Daniel Guedes e testou firme, para o chão, vencendo Cavalieri.

Quase que como um prêmio por ter corrido durante todo momento, o garoto Robert, do Flu, acertou belo chute da entrada área e mandou a bola no ângulo direito, sem chances para Vanderlei. Foi a deixa para o encerramento da partida.
Bastidores – Santos TV:



Fluminense 2 x 1 Santos

Data: 02/07/2015, quinta-feira, 21h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 10ª rodada
Local: Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 13.002 presentes (11.437 pagantes)
Renda: R$ 325.100,00
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (MG)
Auxiliares: Marcus Vinicius Gomes (MG) e Ivan Carlos Bohn (PR)
Cartão amarelo: Wagner e Gerson (F); Werley, Thiago Maia e Daniel Guedes (S).
Gols: Fred (39-1); Ricardo Oliveira (08-2) e Lucas Gomes (35-2).

FLUMINENSE
Diego Cavalieri; Wellington Silva, Henrique, Antônio Carlos e Giovanni; Edson, Jean, Wágner (Pierre) e Gerson (Gustavo Scarpa); Marcos Junior (Lucas Gomes) e Fred.
Técnico: Enderson Moreira

SANTOS
Vladimir; Daniel Guedes (Caju), Werley, Paulo Ricardo e Victor Ferraz; Thiago Maia, Rafael Longuine (Serginho) e Lucas Lima; Geuvânio (Nilson), Gabriel e Ricardo Oliveira.
Técnico: Marcelo Fernandes



Fluminense bate Santos no Maracanã e retorna ao G4

O Fluminense confirmou a boa fase e derrotou o Santos por 2 a 1, em partida disputada na noite desta quinta-feira, no Maracanã, no encerramento da 10ª rodada do Campeonato Brasileiro. O resultado fez o Tricolor das Laranjeiras chegar aos 20 pontos ganhos e assumir a terceira posição. O Peixei, que ainda não conseguiu vencer fora de casa, segue com nove pontos ganhos e ocupa a 16ª posição.

O time dirigido por Enderson Moreira não fez uma partida brilhante, mas realizou o suficiente para superar o adversário na maior parte do tempo. Muito desfalcado, o Santos voltou a mostrar irregularidade e não conseguiu quebrar o jejum que o acompanha desde o início da competição. Fred e Lucas Gomes marcaram os gols da equipe carioca, enquanto Ricardo Oliveira anotou o gol solitário do Peixe.

O jogo

O Fluminense começou a partida com a marcação adiantada, com a intenção de não permitir que os jogadores do Santos tivessem liberdade para organizar as jogadas. Mesmo assim, o primeiro ataque perigoso foi da equipe paulista. Ricardo Oliveira desarmou Edson e lançou Gabriel que chutou rasteiro para uma boa defesa de Diego Cavalieri.

Aos seis minutos, o Tricolor criou seu primeiro momento de perigo em cobrança de falta de Jean que passou muito perto da trave direita de Vladimir. Logo depois, Fred, de calcanhar, colocou Marcos Junior em excelente posição. O cruzamento encontrou Gerson que se atrapalhou e deixou a bola sair, perdendo uma boa oportunidade.

Os dois times mantinham a postura ofensiva, mas a equipe das Laranjeiras ficava mais tempo com a bola, embora encontrasse dificuldades para chegar na área paulista. Marcos Junior se movimentava por todos os lados, mas Gerson e Wagner demoravam a encostar em Fred, o que acabava retardando as ações ofensivas da equipe.

Aos 15 minutos, uma tabela de Jean e Gerson quase surpreendeu a zaga, mas Gerson não entendeu o passe do companheiro e acabou deixando a bola sair. Depois dos 20 minutos, a partida caiu de ritmo porque o Fluminense não conseguia chegar na área paulista, enquanto o Santos, muito retraído, quase não aparecia na área de Diego Cavalieri. Só aos 25 minutos é que o time da Vila chegou com relativo perigo. Após cobrança de escanteio, Geovânio pegou de voleio, mas a bola saiu.

O time dirigido por Enderson Moreira ficava mais tempo com a bola nos pés, mas encontrava dificuldades para penetrar na defesa do time paulista. Aos 39 minutos, o Fluminense marcou o primeiro gol. Após lançamento na área, Gerson deu um toque preciso para a entrada de Fred que cabeceou sem defesa para o goleiro Vladimir. Foi o primeiro gol marcado pelo artilheiro tricolor contra a equipe santista.

O Santos tentou partir para o ataque, mas seguiu encontrando dificuldades para penetrar na defesa carioca e não conseguiu criar qualquer jogada de perigo, até o final do primeiro tempo.

Os dois times voltaram sem modificações para o segundo tempo. O Santos retornou com uma postura mais ofensiva, com os meias mais avançados. Aos quatro minutos, o Fluminense quase marcou o segundo gol. Wellington Silva investiu pela direita e cruzou para Gerson completar, com muito perigo para o gol de Vladimir.

A resposta da equipe paulista veio através de Geuvânio que recebeu de Daniel Guedes e chutou com perigo. Mais agressivo, o Santos acabou marcando o gol de empate, aos oito minutos. Geuvânio fez ótima jogada, se livrou de três marcadores e lançou Ricardo Oliveira que precisou chutar duas vezes para colocar a bola nas redes de Diego Cavalieri.

Insatisfeito com a produção da equipe tricolor, o técnico Enderson Moreira trocou Marcos Junior por Lucas Gomes que passou a jogar aberto pela direita. O Santos, por sua vez, voltou ao esquema cauteloso do primeiro tempo, mais preocupado em defender, o que permitia que o Fluminense aumentasse a pressão.

Aos 25 minutos, o Tricolor perdeu uma chance incrível. Wellington Silva arrancou em velocidade e cruzou para Fred que, de dentro da pequena área, e sem goleiro, conseguiu acertar o travessão. A resposta do Peixe veio em chute de Rafael Longuine que Diego Cavalieri espalmou para escanteio.

Aos 30 minutos, os zagueiros da equipe carioca se atrapalharam e a bola sobrou limpa para Gabriel bater e assustar a torcida tricolor.

O Fluminense desempatou aos 35 minutos. Gustavo Scarpa fez ótimo lançamento para Lucas Gomes que entrou por trás da zaga e cabeceou para marcar. O goleiro Vladimir ainda tocou na bola, mas não conseguiu fazer a defesa.

O Santos partiu para buscar o gol do empate e quase alcançou o objetivo, aos 45 minutos, mas Diego Cavalieri praticou duas grandes defesas e garantiu a vitória.

Ricardo Oliveira lamenta “erros coletivos” e se incomoda com situação

A derrota para o Fluminense na noite desta quinta-feira voltou a colocar o Santos na briga contra o rebaixamento. Em 16º lugar na tabela de classificação, o Peixe está a apenas um ponto da zona da degola. Ao fim do jogo, abatido, Ricardo Oliveira tentou mostrar serenidade, mas não escondeu que a situação começa a ficar mais complicada, já que a equipe segue sem vencer fora de casa.

“É o Campeonato Brasileiro. Quando começa com alguns erros, você acaba pagando por isso. Não tem outra meta a não ser continuar trabalhando, manter a seriedade, saber que o Campeonato Brasileiro é longo, mas não podemos mais cometer erros coletivos, senão fica difícil recuperar. Temos que começar a ganhar para não ficar perto da zona (de rebaixamento)”, analisou o camisa 9, que mais uma vez deixou sua marca, mas não evitou a derrota por 2 a 1, no Maracanã.

“Nós já conversamos muito a respeito. A gente tem feito grandes jogos fora de casa, foi assim contra o Atlético-MG, contra o Inter, e temos perdidos pontos. Hoje não foi uma grande noite. Não fizemos um bom jogo fora de casa e acabamos pagando por isso”, completou.

Victor Ferraz, que iniciou o jogo na lateral esquerda e terminou pelo lado direito, saiu de campo irritado com o revés. “Mais uma vez não deu certo. A gente tentou fazer o resultado. Tomamos uns gols de muito vacilo nosso. Mais uma vez foi um jogo muito igual, muito parelho. Foram momentos cruciais que eles acabaram fazendo os gols”.

O centroavante Nilson, que entrou na segunda etapa para buscar o gol de empate a qualquer custo, lembrou o jogo parelho que o Peixe conseguiu fazer com o Tricolor Carioca e explicou a grande chance perdida por ele.

“Concluí em gol. Infelizmente, saímos com a derrota, mas o jogo foi parelho. Acho que um empate seria mais justo. Na minha chance, a bola ficou pipocando, fui dominar e acabei escorregando”, disse.

Fernandes reclama de primeiro tempo e falha da zaga no segundo gol

O Santos chegou a sua quarta derrota no Campeonato Brasileiro. Todas fora de casa. A equipe da Vila Belmiro não consegue vencer longe de seus domínios e, nesta quinta, sucumbiu ao Fluminense e acabou perdendo por 2 a 1, no Maracanã. Após o jogo, Marcelo Fernandes fez sua análise do confronto da 10ª rodada.

“O Santos que costuma jogar é o do segundo tempo. O primeiro tempo nós não jogamos. Muito abaixo do que esperávamos, não era aquilo que queríamos. Depois, no segundo tempo, o time voltou bem, conseguiu empate e tomamos um gol que a bola passou a um metro e meio de altura, no meio da nossa zaga. Só temos a lamentar”, disse o treinador, em entrevista coletiva.

“A bola estava queimando muito no pé. Teve um lance no primeiro tempo, eu falei para eles no vestiário, que nós trocamos 18 passes. Tocamos, a torcida (do Flu) reclamou e quase chegamos ao gol. Acabou em um escanteio. É isso que a gente precisa fazer mais. Mas não dá tempo de ficar lamentando, o campeonato não permite lamentação”, explicou.

Na próxima rodada, o Peixe recebe o Grêmio na Vila Belmiro. Apesar de atuar em casa, a partida não será nada fácil, já que os gaúchos estão embalados pelas quatro vitórias seguidas. Porém, na 16ª colocação, o Santos não pode pensar em outro resultado a não ser a vitória, se não quiser entrar na zona do rebaixamento.

“O lugar que o Santos está não é o nosso (lugar). Provou nos nove jogos e hoje, tirando no primeiro tempo. Nós vínhamos fazendo jogos bons com essa molecada. Nós sabemos que temos condições de brigar na parte de cima. Agora, realmente a Vila é importante. Nós vamos necessitar do apoio do torcedor. A equipe tem coragem, tem luta e vai dar a volta por cima”, afirmou o comandante alvinegro.