Navegando Posts marcados como Fonte Nova

Bahia 2 x 2 Santos

Data: 23/01/2016, sábado, 19h30.
Competição: Amistoso
Local: Arena Fonte Nova, em Salvador, BA.
Público: 10.429 pagantes
Renda: R$ 250.561,50
Árbitro: Diego Pombo Lopez (BA)
Auxiliares: Dijalma Silva Ferreira Júnior e Marcos Welb Rocha de Amorim (ambos da BA).
Cartões amarelos: Paulo Roberto, Gustavo, Hayner e Paulo Roberto (B); Victor Ferraz, Alison, Lucas Lima e Caju (S).
Cartão vermelho: Caju (S)
Gols: Gabriel (24-1); Hernane (03-2), Hernane (10-2) e Serginho (46-2).

BAHIA
Marcelo Lomba; Cicinho (Hayner), Robson (Dedé), Gustavo (Éder) e João Paulo (Júnior); Paulo Roberto (Yuri), Danilo Pires (Gustavo Blanco) e Juninho (Rômulo); Luisinho (Mario), Hernane (Jeam) e Edgar Junio (Zé Roberto)
Técnico: Doriva

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz (Caju), Gustavo Henrique, Lucas Veríssimo e Zeca (Léo Cittadini); Alison (Rafael Longuini), Thiago Maia (Lucas Otávio) e Lucas Lima (Ronaldo Mendes); Paulinho (Vitor Bueno), Gabriel (Marquinhos) e Joel (Serginho).
Técnico: Dorival Júnior



Bahia e Santos empatam em amistoso comemorativo na Fonte Nova

A festa pelos 85 anos do Bahia foi quase completa. Neste sábado, o amistoso comemorativo com o Santos terminou empatado por 2 a 2. Gabriel abriu o placar para o Peixe, no primeiro tempo. O Bahia virou o jogo com dois gols de Hernane Brocador, no início da etapa final, mas nos últimos minutos, o Santos igualou o marcador com Serginho.

A partida marcou a apresentação oficial do uniforme e do elenco do Bahia para a temporada de 2016, além de celebrar o aniversário do clube. Antes de a bola rolar, teve jogo entre o time máster do Bahia e o Ypiranga e show da banda Ara Ketu.

O jogo

A partida começou equilibrada, com as duas equipes marcando forte e dificultando as ações ofensivas do adversário. Os donos da casa controlavam a posse de bola no início e buscavam o ataque, principalmente pelo lado direito. Aos seis minutos, Luisinho fez boa jogada e deixou com Cicinho, que cruzou para a área. A zaga do Santos afastou o perigo, mas a bola sobrou para Danilo Pires, que chutou de primeira. A bola desviou na marcação santista e ficou tranquila para a defesa de Vanderlei.

O Santos se fechava na defesa e apostava no contra-ataque. Na marca de sete minutos, Gabriel puxou o contragolpe e acionou Joel, que caiu pela direita. O camaronês cruzou rasteiro para a área e Marcelo Lomba interceptou, mandando para escanteio. Paulinho aparecia na segunda trave pronto para empurrar para o gol.

O Bahia seguia mais presente no campo de ataque, criando oportunidades de marcar. Aos oito minutos, Hernane avançou pelo meio e tocou em profundidade para Luisinho, que se projetou na área. Vanderlei saiu nos pés do atacante tricolor e abafou a jogada. Em outra jogada dos donos da casa, Cicinho recebeu de Luisinho na direita, foi à linha de fundo e cruzou rasteiro. Hernane chegou batendo, mas mandou por cima do gol.

O Santos suportava a pressão do adversário e também chegava ao ataque. Aos 18 minutos, Thiago Maia recebeu pelo meio, se livrou da marcação e chutou no canto de Marcelo Lomba, que defendeu com firmeza. O Bahia respondeu na sequência, com Juninho. O meia arriscou de longa distância e carimbou o travessão de Vanderlei.

O Santos mantinha a estratégia de dar campo ao Bahia e avançar em velocidade nos contra-ataques. Na marca de 21 minutos, Lucas Lima avançou pelo meio e acionou Paulinho na esquerda. O atacante puxou para dentro e bateu forte. Marcelo Lomba fez a defesa. A marcação forte do Peixe deu resultado aos 24 minutos, quando Lucas Lima desarmou Paulo Roberto e lançou para Joel, que foi em direção ao gol e, na saída de Lomba, rolou para Gabriel empurrar para o fundo das redes.

O gol sofrido não mudou a maneira do Bahia atuar, que teve duas boas chances de empatar a partida em sequência. Aos 25, João Paulo desceu pela esquerda e cruzou na medida para Juninho, que cabeceou forte buscando o canto esquerdo de Vanderlei. A bola bateu no chão e encobriu a meta alvinegra. Dois minutos depois, Luisinho finalizou de fora da área e a bola passou perto da trave esquerda do arqueiro santista.

O Bahia voltou para o segundo tempo com a mesma intensidade no ataque e rapidamente conseguiu o empate. Logo com três minutos de bola rolando, Hayner passou por Caju, foi à linha de fundo e cruzou para Hernane, que bateu de primeira no canto direito de Vanderlei, que nada pôde fazer para evitar o gol.

A virada do Tricolor do Aço não demorou a acontecer. Aos nove minutos, Danilo Pires fez jogada individual pela esquerda, invadiu a área e foi derrubado por Caju. O árbitro marcou pênalti. Hernane deslocou Vanderlei na cobrança e colocou o Bahia em vantagem na partida.

O segundo tempo foi marcado por muitas alterações em ambas as equipes, que serviram os técnicos avaliarem o restante do elenco. Com isso, a partida perdeu em intensidade e não teve tantos lances de perigo quanto na etapa inicial. O Peixe conseguiu o empate nos acréscimos, com Serginho. O volante fez jogada individual, girou sob o marcador e chutou de longe, de perna esquerda, no ângulo de Marcelo Lomba, que se esticou todo, mas não conseguiu fazer a defesa.

Bastidores – Santos TV:

Serginho comemora primeiro gol como profissional do Santos

O amistoso de pré-temporada contra o Bahia, neste sábado, na Arena Fonte Nova, em Salvador, consagrou o volante Serginho, que marcou seu primeiro gol como profissional vestindo a camisa do Santos. O jogador entrou no segundo tempo e empatou o jogo já nos acréscimos, acertando um chute de fora da área no ângulo direito do goleiro Marcelo Lomba.

“Estou muito feliz por fazer esse gol muito lindo, meu primeiro gol como profissional e só tenho a agradecer a Deus por tudo”, disse Serginho ao Esporte Interativo no final da partida.

O jogador revelou que está de contrato novo com o Peixe e agradeceu ao clube pela extensão do vínculo. “Eu renovei até 2018 e fico muito feliz pelo Santos acreditar no meu potencial”, disse Serginho, que ainda comentou sobre uma possível volta de Robinho à Vila Belmiro.

“O Robinho é um ídolo no Santos. A equipe vai recebe-lo de braços abertos, estamos trocendo para ele vir para o time para dar uma amadurecida no time, temos muitos garotos novos e estamos esperando ele. Só depende dele e o Santos está de braços abertos”, concluiu.

O gol de Serginho rendeu elogios de Lucas Lima, o maestro do time, que iniciou a jogada do primeiro gol santista, marcado por Gabriel no primeiro tempo. O camisa 20 do Peixe viu o gol do companheiro do banco de reservas, pois deu lugar a Ronaldo Mendes.

“Foi um golaço do Serginho, jogador muito promissor que vem mostrando sua qualidade. Fico feliz pelo gol dele, porque conseguimos o empate no final do jogo”, disse Lucas Lima.

Dorival aponta falhas do Santos, mas aprova desempenho no amistoso

Dorival Júnior avaliou positivamente o desempenho do Santos no amistoso de pré-temporada contra o Bahia, neste sábado, na Arena Fonte Nova, em Salvador. De acordo com o treinador santista, a partida foi boa, pois as duas equipes procuraram jogar a todo o momento, buscando sempre o ataque e os gols.

“Acima de tudo foi um belo espetáculo, com as duas equipes procurando jogar. Era isso que nós queríamos ver. O resultado não tem muita importância, a não ser para o torcedor que comparece. O que nós queríamos ver era isso, duas equipes exigindo uma da outra e fizemos um espetáculo a altura”, pontuou Dorival ao Esporte Interativo, após o término do jogo.

Apesar de aprovar a atuação do Santos no amistoso, o comandante alvinegro fez questão de apontar o que considerou como falhas no jogo santista. Para Dorival, o Peixe começou a partida devagar, apresentando dificuldades na criação das jogadas ofensivas. O técnico santista cobrou mais participação dos zagueiros, dos volantes e dos laterais na transição da defesa para o ataque.

“Nossa transição esteve muito lenta no primeiro tempo em razão da pouca saída de bola que tivemos com os volantes e a necessidade do Lucas Lima vir buscar essa bola, praticamente precisando tirar a bola dos pés dos volantes. A equipe precisa ter uma transição mais alta, fora do campo de defesa. Esse início de jogada tem que passar obrigatoriamente pelos pés dos volantes ou dos zagueiros ou dos laterais para aí sim começarmos a abastecer os jogadores de meio e de frente. E isso não aconteceu. Mas no geral nosso desempenho teve mais aspectos positivos do que negativos”, avaliou.

Santos 0 x 0 Bahia

Data: 18/08/2013, quarta-feira, 18h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 15ª rodada
Local: Arena Fonte Nova, em Salvador, BA.
Público: 12.909 presentes, sendo 10.247 pagantes.
Renda: R$ 389.850,00
Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva (PA)
Auxiliares: Dibert Pedrosa Moisés (RJ) e Carolina Romanholi Melo (CE).
Cartões amarelos: Aranha, Cicinho e Mena (S); Raul e Titi (B).
Cartões vermelhos: Titi (B).

BAHIA
Marcelo Lomba; Madson, Lucas Fonseca, Titi e Raúl; Fahel, Rafael Miranda e Hélder; Marquinhos (William Barbio), Wallyson (Anderson Talisca) e Fernandão.
Técnico: Cristóvão Borges

SANTOS
Aranha; Cicinho, Edu Dracena, Durval e Mena; Alison (Alan Santos), Marcos Assunção, Cícero e Léo Citadini (Leandrinho); Montillo e Willian José (Thiago Ribeiro).
Técnico: Claudinei Oliveira



Em jogo fraco tecnicamente, Bahia e Santos não saem do zero

Bahia volta a somar e agora aparece com 20 pontos, enquanto o Santos não conseguiu se afastar da zona de rebaixamento, com 16 pontos

Em uma partida fraca tecnicamente, Bahia e Santos ficaram no 0 a 0 na Arena Fonte Nova, em jogo válido pela 15ª rodada do Campeonato Brasileiro. Com o resultado, as equipes aumentaram a série de jogos sem vencer na competição nacional.

O Bahia, que vinha de três derrotas consecutivas, conseguiu ao menos voltar a somar, e agora aparece com 20 pontos na tabela de classificação. Já o Santos, que não vence desde a 7ª rodada, chegou ao quarto empate consecutivo e não conseguiu se afastar da zona de rebaixamento. Os santistas agora têm 16 pontos somados.

A partida marcou o retorno de Marcos Assunção à equipe santista. Pouco utilizado durante esta temporada, o experiente volante de 38 anos tinha feito seu último jogo contra o Atlético-MG, dia 12 de junho, quando o Santos venceu por 1 a 0 na Vila Belmiro. Segundo o técnico Claudinei Oliveira, Assunção foi premiado pela boa exibição nos treinamentos.

As duas equipes sofreram baixas para os próximos compromissos no Brasileirão. O Bahia não terá Titi, que foi expulso por reclamação no fim do jogo. Pelo lado do Santos, Cicinho recebeu o terceiro cartão amarelo e também cumprirá suspensão.

O jogo

A primeira chance do jogo foi dos donos da casa. Após boa troca de passes do ataque tricolor, a bola sobrou para Hélder, que chutou de perna esquerda para o gol, obrigando Aranha a fazer boa defesa e ceder escanteio ao Bahia.

A primeira finalização santista foi do experiente Marcos Assunção, que voltou ao time neste domingo depois de longo período sem jogar. O volante aproveitou uma sobra de bola e arriscou de primeira, mas o chute passou longe de gol defendido por Marcelo Lomba. Uma boa oportunidade de abrir o placar foi perdida pelo Santos aos 27 minutos. A equipe paulista saiu rápido em contra-ataque, William José avançou sozinho e chutou de longe, para defesa de Marcelo Lomba. Cicinho, livre de marcação na ponta direita, reclamou muito com o companheiro.

Aos 34 minutos, Montillo avançou pela esquerda, livrou-se da marcação de Lucas Fonseca, invadiu a área e chutou cruzado, mas nenhum santista apareceu para finalizar o lance.

O Bahia respondeu com perigo aos 40 minutos. Madson avançou pela direita e cruzou para Wallyson, que cabeceou para o gol. Aranha espalmou para a frente, Wallyson teve nova chance no rebote, mas o goleiro santista se recuperou da falha e evitou o gol tricolor.

O panorama do primeiro tempo se manteve na segunda etapa, com as duas equipes valorizando a marcação. A primeira chance de perigo saiu somente aos 12 minutos, quando Titi apareceu livre na pequena área após cobrança de escanteio. O zagueiro do Bahia não conseguiu desviar para o gol, e a bola só pegou de raspão em sua cabeça, saindo pela linha de fundo.

O Tricolor chegou novamente com perigo aos 18, quando Rafael Miranda apareceu livre na área após cruzamento da esquerda. O meio-campista tricolor dominou mal a bola, e acabou proporcionando a chegada de Aranha, que fechou o ângulo e evitou o gol do adversário.

Recém-contratado, Thiago Ribeiro foi o autor da melhor chance de gol do Santos até então. Aos 23 minutos, o atacante recebeu belo passe de Cícero na ponta esquerda, cortou para o meio da área e chutou, acertando a trave direita de Marcelo Lomba.

O Bahia respondeu da mesma forma seis minutos depois. Raul encontrou uma brecha na defesa santista, avançou pela esquerda e arriscou de fora da área, obrigando Aranha a se esticar para dar um toque sutil na bola, que ainda tocou na trave direita antes de sair para escanteio.

A principal arma de Marcos Assunção quase deu resultado para o Santos. Aos 45, o volante cobrou escanteio e Alan Santos, livre de marcação, subiu e cabeceou para o chão. A bola quicou e subiu, passando muito perto do travessão de Marcelo Lomba.

Autor de bola na trave pelo Santos, Thiago Ribeiro lamenta chances perdidas

“É complicado, né? Quando a fase não está boa, pega na trave, a gente cabeceia no gol e a bola bate no chão e vai pra fora”, disse o atacante

Após o empate sem gols do Santos contra o Bahia , neste domingo, na Arena Fonte Nova, o atacante santista Thiago Ribeiro lamentou as chances de gols perdidas pela equipe paulista no segundo tempo do jogo.

“Tivemos, no meu modo de ver, duas chances muito claras. Aquele meu chute na trave e o escanteio agora, no final. É complicado, né? Quando a fase não está boa, pega na trave, a gente cabeceia no gol e a bola bate no chão e vai pra fora”, disse o atacante.

Aos 23 minutos da etapa final, Thiago Ribeiro, que entrou no lugar de William José, recebeu bom passe de Cícero, puxou para o meio e acertou a trave em chute de direita. No fim da partida, aos 45, o Santos teve nova chance de evitar o quarto empate consecutivo, quando Marcos Assunção cobrou escanteio e Alan Santos, sozinho, cabeceou para o chão, vendo a bola passar muito perto do travessão defendido por Marcelo Lomba.

“Acho que poderíamos ter saído com a vitória, mas empatamos. Estamos empatando muito. Na minha opinião, não jogamos mal. Tivemos chances de gol. Infelizmente, a bola está insistindo em não entrar”, disse Thiago Ribeiro.

Bahia 4 x 7 Santos

Data: 22/10/2003, quarta-feira, 21h40.
Competição: Campeonato Brasileiro – 38ª rodada
Local: Estádio da Fonte Nova, em Salvador (BA).
Público: 17.545 pagantes
Renda: R$ 124.257,50
Árbitro: Jorge Fernando Rabello (RJ)
Cartões amarelos: Ramos, Preto e Guto (B); Alex (S)
Gols: Didi (09-1), Robinho (14-1), Léo (16-1), Didi (22-1), Robinho (27-1) e Cícero (36-1); Preto (07-2), Diego (19-2), Diego (21-2), William (35-2) e Fabiano (46-2, de pênalti).

BAHIA
Émerson; Guto (Paulinho), Accioly, Marcelo Souza e Lino; Neto, Ramos, Preto e Cícero (Danilo); Jean Carlos (Nonato) e Didi
Técnico: Lula Pereira

SANTOS
Fábio Costa; Neném (Reginaldo Araújo), Alex, André Luís e Léo; Paulo Almeida, Renato, Elano (William) e Diego; Robinho e Fabiano
Técnico: Émerson Leão



Santos bate o Bahia em jogo de 11 gols e se aproxima do Cruzeiro

Equipe santista fica a 6 pontos do líder

O Santos está vivo no Campeonato Brasileiro. Nesta quarta-feira à noite, o alvinegro da Vila Belmiro conquistou uma vitória histórica sobre o Bahia, por 7 a 4, no estádio da Fonte Nova, em Salvador.

Somado com a derrota do Cruzeiro para o Internacional, o time santista aproximou-se da equipe mineira, líder do Brasileirão. Após 38 rodadas, o Cruzeiro soma 76 pontos, enquanto o Santos chegou aos 70.

O resultado superou o jogo entre Vasco e Goiás, no primeiro turno da competição, que teve vitória vascaína por 6 a 4. Com os 11 gols, Santos e Bahia proporcionaram o jogo com o maior número de gols do torneio.

A vitória santista foi conquistada em grande estilo. O grande destaque do Santos na partida foi o atacante Robinho, relembrando seus melhores momentos da última temporada. Sem firulas e com um futebol objetvo, jogador marcou dois gols e participou das principais jogadas de sua equipe.

A partida, porém, não foi fácil para o Santos, que só conseguiu abrir dois gols de diferença ao marcar seu sexto gol. Até então, os times alternaram-se na liderança do placar. Só o primeiro tempo terminou com um empate por 3 a 3.

Na próxima rodada, o time do Santos terá outro difícil desafio fora de casa. O alvinegro irá até a capital paranaense para enfrentar o Coritiba, no Couto Pereira. O aliverde paranaense venceu seus últimos quatro jogos em casa.

Se o Santos vive um grande momento, o mesmo não se pode dizer do time do Bahia. Com a derrota e a vitória do Fluminense sobre o Corinthians, o tricolor baiano, com 39 pontos, caiu para a zona de rebaixamento do Brasileirão.

No próximo final de semana, o Bahia terá uma ótima oportunidade para ultrapassar novamente o time do Rio de Janeiro. Bahia e Fluminense irão se enfrentar na Fonte Nova, pela 39ª rodada do torneio.

O jogo

Logo aos 9min de partida, Preto cruzou da direita e Didi, bem colocado, subiu mais que a defesa santista e fez o primeiro gol da equipe baiana na partida.

Com as duas equipes indo ao ataque, o empate santista não demorou para acontecer. Aos 14min, em uma linda jogada, Robinho, da intermediária e marcado por três jogadores, surpreendeu o goleiro Emerson, que estava adiantado e marcou.

Ainda baqueada pelo gol de empate do Santos, a equipe baiana nem respirou e levou mais um. Aos 15min, Robinho, que tinha acabado de fazer um golaço, cruzou na cabeça de Léo, que virou para a equipe da baixada santista.

Perdido na partida, o time baiano passou a assistir o Santos tocar a bola. Mas, justamente num momento ruim em campo, o Bahia empatou novamente. Aos 22min, Preto arriscou ao gol, a bola resvalou na zaga santista e sobrou para Didi que, de primeira, empatou novamente para os tricolores.

Após o empate a partida continuou em ritmo alucinante. Mais uma vez a torcida nem respirou e novamente a bola balançou a rede. Aos 29min, Neném cruzou da direita e Robinho não desperdiçou. Santos mais uma vez na frente.

Se cinco gols já era muito para apenas 45 minutos, o sexto gol fez da etapa a mais movimentada de todo o Campeonato Brasileiro até então. Aos 37min, Cícero passou nas costas de Renato, aproveitou cruzamento e, de cabeça, empatou novamente para a equipe do técnico Lula Pereira.

Para quem esperava um segundo tempo morno após seis gols, a segunda etapa começou como a primeira. Aos três minutos, Jean Carlos obrigou Fábio Costa a uma bela defesa e que, parcialmente, garantiu o empate para a equipe paulista.

Mais uma vez o ataque levou a melhor sobre a defesa. Aos 7min, Preto bateu falta, a bola quicou na frente de Fábio Costa e enganou o goleiro. Bahia 4 a 3.

Após sete gols, até quem não tinha feito nenhum gol de bola rolando no campeonato resolveu aparecer. Aos 19min, Diego recebeu bom passe de Robinho e chutou forte, no canto direito do goleiro Emerson, que aceitou.

No que pode ser considerado o jogo das viradas, Diego fez mais um. Aos 21min, Robinho fez ótima jogada pela esquerda e cruzou para Diego, sozinho, empurrar para a rede no nono gol da partida.

O décimo gol foi o que tranqüilizou a equipe santista na partida. Fabiano deu de calcanhar para Diego, que chutou forte. O goleiro Emerson fez a defesa parcial e, no rebote, Willian fez o sexto do Santos.

Mesmo após 10 gols o jogo continuou movimentado. Aos 47min, o Santos chegou ao sétimo gol. Robinho tentou encobrir o goleiro Emerson, que defendeu. Na volta, a bola foi cruzada na área do Bahia e sobrou para William tocar para o gol. Marcelo Souza cortou com a mão. Fabiano cobrou a penalidade e fechou o placar.

Mesmo assim, Leão deixou o campo furioso após a vitória –havia 11 anos o Santos não vencia na Fonte Nova. “É inadmissível um time como o Santos tomar quatro gols em uma partida.”

Léo disse que foi uma das melhores atuações do ano. “O Santos repetiu uma atuação dos tempos de Pelé. A defesa tomou quatro gols, mas o ataque fez sete.”

Bahia 1 x 1 Santos

Data: 30/10/2002, quarta-feira, 21h40.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – 22ª rodada
Local: Estádio da Fonte Nova, em Salvador, BA.
Público: 41.063
Renda: R$ 215.035,00
Árbitro: Wagner Tardeli Azevedo (RJ)
Cartões amarelos: Alberto, Preto, Júlio Sérgio e André Luís (S).
Gols: Robson (11-2) e Léo (46-2).

BAHIA
Emerson; Daniel, Marcelo Souza, Valdomiro e Calisto; Ramalho, Jair, Bebeto Campos (Carlinhos) e Geraldo; Robson (Nilson) e Nonato (Gil Baiano).
Técnico: Candinho.

SANTOS
Júlio Sérgio; Maurinho, Preto, André Luís e Léo; Paulo Almeida, Renato, Elano (Robert) e Diego; Robinho e Alberto (Douglas).
Técnico: Emerson Leão.


Santos consegue empate com o Bahia no final

Com um gol do lateral-esquerdo Leo nos acréscimos do jogo, o Santos alcançou o objetivo traçado por seu treinador para o confronto de ontem, em Salvador, contra o Bahia.

Numa partida em que seu ataque não repetiu a produção de outras rodadas, mesmo diante de uma equipe que pouco precisou apelar às faltas, o time de Emerson Leão empatou em 1 a 1.

Na véspera do jogo, o comandante santista disse que já se contentaria com o empate, que colocou seu time na quinta colocação do Brasileiro-02.

Agora, para ir à segunda fase, o time do litoral de São Paulo, segundo os cálculos de sua própria comissão técnica, precisa ganhar cinco pontos nos três confrontos que ainda vai realizar.

Ontem, principalmente no primeiro tempo, o Santos não foi o mesmo time do resto do Brasileiro. Segundo o Datafolha, o time só finalizou cinco vezes nos 45 minutos iniciais. Na média, o time consegue concluir dez vezes em cada tempo no certame.

Isso mesmo sem enfrentar uma marcação dura. Em todo o jogo, o Bahia cometeu apenas 13 faltas, praticamente metade da média geral da competição.

Na primeira etapa, os dois times priorizaram as laterais. Pelo Bahia, o meia-atacante Geraldo e o lateral Calisto, pela esquerda, envolviam frequentemente a marcação santista, enfraquecida com a contusão de Elano _uma torção no tornozelo_ logo aos 3min.

O meia ainda tentou permanecer em campo, mas acabou substituído no meio do primeiro tempo por Robert.

Foi justamente em uma jogada pelo setor esquerdo, aos 13min, que o time da casa criou sua melhor chance, em uma cabeçada de Nonato defendida pelo goleiro Júlio Sérgio. Para o Santos, a única grande chance da etapa aconteceu depois de jogada individual pela direita de Diego, que cruzou para Renato cabecear para fora.

O time paulista voltou para o segundo tempo novamente recuado. Dessa vez, entretanto, o castigo não demorou. Aos 10min, o atacante Robson foi derrubado por Júlio Sérgio. O juiz marcou o pênalti, convertido um minuto depois pelo próprio Robson.

Descontente com o desempenho de sua equipe, Leão tirou Diego para dar lugar a William. Anteontem, o treinador já havia ameaçado barrar o jovem astro de seu time, que não repete mais a boa fase de antes e comete seguidos atos de indisciplina.

A mudança melhorou o time santista. Com Robinho se movimentando mais, o Bahia passou a ter sua meta ameaçada.

Mas foi só aos 47min que os paulistas conseguiram o empate. Depois de driblar um adversário, Robinho tocou para Leo, que invadiu a área e tentou um cruzamento. A bola bateu no zagueiro Valdomiro e entrou.

Com o resultado, o Bahia continua ameaçado de rebaixamento. O time, com 25 pontos, é o 17º colocado do Brasileiro agora.



Fontes: Folha de São Paulo e Revista Lance.

Bahia 2 x 0 Santos

Data: 11/04/2001, quarta-feira, 21h40.
Competição: Copa do Brasil – 2ª fase – Jogo de ida
Local: Estádio da Fonte Nova, em Salvador, BA.
Público e renda: N/D
Árbitro: Antonio Pereira da Silva (GO)
Cartões amarelos: Galván e Rincón (S).
Gols: Nonato (24-1) e Róbson (14-2, de pênalti).

BAHIA
Émerson; Jefferson, Carlinhos Paulista, Jean Elias e Japinha; Preto Casagrande, Bebeto Campos, Capixaba (Claiton) e Alex Oliveira; Róbson e Nonato.
Técnico: Evaristo de Macedo

SANTOS
Fábio Costa; Russo, Pereira, Galván e Léo; Paulo Almeida, Rincón, Renato (Elano) e Robert; Dodô (Rodrigão) e Deivid.
Técnico: Geninho



Santos perde para o Bahia e reduz chances

O time do Santos complicou a sua situação na Copa do Brasil ao ser derrotado pelo Bahia por 2 a 0, ontem, em Salvador. Agora a equipe do técnico Geninho precisa vencer a segunda partida por três gols de diferença para ir às oitavas-de-final do torneio, sem depender de uma disputa pênaltis.

O Bahia, que conquistou a sua nona vitória consecutiva, classifica-se até com uma derrota por um gol de diferença.

Com um esquema tático ofensivo armado pelo técnico Evaristo de Macedo, a equipe da casa começou pressionando o Santos. Logo aos 3min, o meia Alex Oliveira desperdiçou uma boa oportunidade de abrir o placar, quando tinha apenas o goleiro Fábio Costa pela frente.

Aos 24min, porém, Nonato desviou de cabeça um cruzamento da direita e fez 1 a 0 para o Bahia.

No segundo tempo, o time baiano continuou melhor e marcou seu segundo gol aos 14min. Em pênalti sofrido pelo meia Luis Carlos Capixaba, o centroavante Róbson, que não marcava havia seis jogos, cobrou e ampliou.

A partir daí, o Bahia recuou para garantir a vitória, mas, mesmo assim, conseguiu mais chances que o Santos para marcar.

Antes da próxima partida contra o Bahia, o time de Geninho volta a jogar no domingo contra Inter de Limeira, pelo Paulista, precisando da vitória.

O time, que tem 20 pontos e divide a quarta posição com Corinthians, Portuguesa Santista e Botafogo, não poderá perder se quiser manter as chances de classificação no torneio.

Fonte: Jornal Folha de SP – http://acervo.folha.com.br/fsp/2001/04/12/20//50288