Navegando Posts marcados como Fortaleza

Fortaleza 2 x 1 Santos

Data: 28/11/2019, quinta-feira, 20h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 35ª rodada
Local: Arena Castelão, em Fortaleza, CE.
Público: 33.925 pagantes
Renda: R$ 271.260,00
Árbitro: Diego Pombo Lopez (BA)
Auxiliares: Eduardo Gonçalves da Cruz (MS) e Elicarlos Franco de Oliveira (BA).
VAR: Rodrigo D’Alonso Ferreira (SC)
Cartões amarelos: Felipe, Juninho e Rogério Ceni (F); Luan Peres, Pará, Derlis González, Eduardo Sasha, Lucas Veríssimo, Jorge Sampaoli, Evandro, Jean Mota e Soteldo (S).
Cartão vermelho: Soteldo (S).
Gols: Edinho (04-2), Osvaldo (19-2) e Carlos Sánchez (23-2).

FORTALEZA
Felipe Alves; Gabriel Dias, Paulão, Quintero e Bruno Melo; Felipe (Araruna) e Juninho; Romarinho, Edinho (Tinga), Osvaldo (Kieza) e Wellington Paulista.
Técnico: Rogério Ceni

SANTOS
Everson; Pará, Lucas Veríssimo, Luiz Felipe (Jean Mota) e Luan Peres (Evandro); Alison, Carlos Sánchez e Diego Pituca (Felipe Jonatan); Derlis González, Soteldo e Eduardo Sasha.
Técnico: Jorge Sampaoli



Sánchez perde pênalti no fim, e Fortaleza acaba com invencibilidade do Santos

Em jogo muito movimentado do início ao fim, o Fortaleza venceu o Santos por 2 a 1 na noite desta quinta-feira, no Castelão, em jogo válido pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Os donos da casa abriram 2 a 0 no segundo tempo com Edinho e Osvaldo. O Peixe diminuiu com Carlos Sánchez e teve chance para pontuar quando o uruguaio desperdiçou pênalti perto do fim.

O Fortaleza acaba com uma invencibilidade de sete jogos do Alvinegro no Brasileirão. A última derrota santista havia sido contra o Atlético-MG, em 20 de outubro. Além disso, foi a primeira vitória diante desse adversário na história, depois de 14 encontros.

O Tricolor assume a 10ª colocação do Nacional, com 46 pontos. O Santos segue na vice-liderança, com 68. O Palmeiras perdeu para o Fluminense no Maracanã.

O jogo

O Santos quase abriu o placar antes mesmo do placar marcar um minuto. Eduardo Sasha roubou a bola do goleiro Felipe Alves e ela sobrou limpa para Carlos Sánchez, de canhota, errar o gol aberto.

No minuto 10, novamente Sánchez: o uruguaio recebeu na direita, cortou e tentou de novo com a perna esquerda. Felipe Alves espalmou de mão trocada.

O Fortaleza equilibrou as ações e só voltou a levar susto aos 33, quando Derlis González foi acionado por Diego Pituca no contra-ataque e cruzou. Quintero fez corte providencial antes de Sánchez aparecer para marcar o gol.

Na sequência, os donos da casa ficaram perto de abrir o placar. Edinho ganhou de Luan Peres e cruzou, Luiz Felipe cortou mal e Osvaldo tentou voleio. A bola pintou, encobriu Everson e raspou o travessão.

Ainda deu tempo do Peixe, mais perigoso na etapa inicial, obrigar Felipe Alves a fazer outra boa intervenção em cabeceio de Luan Peres no minuto 33.

O Fortaleza voltou mais agressivo para a etapa final e foi recompensado logo aos quatro minutos, em cobrança de falta bem batida por Edinho. Everson foi mal no lance, tocou na bola e não conseguiu evitar o gol.

O Santos buscou a reação e esteve perto no minuto 8, quando Sánchez foi derrubado na área e o árbitro marcou pênalti. O uruguaio, porém, estava impedido. Aos 12, Derlis perdeu enorme oportunidade depois de cruzamento de Pituca.

E depois das chances perdidas pelo Peixe, o Fortaleza ampliou no minuto 19. Romarinho fez boa jogada pela direita e cruzou, Luiz Felipe falhou e Osvaldo deslocou Everson. 2 a 0.

O Alvinegro mostrou poder de reação e diminuiu aos 23. Diego Pituca botou a bola na cabeça de Sánchez e o uruguaio foi preciso para marcar o primeiro.

O Santos se lançou inteiro ao ataque e quase foi surpreendido em contragolpe aos 30. Osvaldo tabelou com Romarinho, adiantou demais e chutou para fora. Na sequência, o Peixe ficou perto de buscar o empate.

Evandro roubou a bola de Juninho na área e sofreu o pênalti confirmado depois do auxílio do vídeo. Carlos Sánchez bateu e acertou a trave de Felipe Alves. O Santos insistiu nos minutos finais, mas não conseguiu fazer o gol. 2 a 1 para o Fortaleza no apito final.

Sampaoli se irrita, despista sobre futuro no Santos e reclama de “vergonha” em Fortaleza

Jorge Sampaoli concedeu uma entrevista coletiva no “modo pistola” após a derrota do Santos por 2 a 1 para o Fortaleza na noite desta quinta-feira, no Castelão, pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Na primeira pergunta, ele interrompeu o repórter durante fala sobre as escolhas de Sampaoli: Luan Peres na lateral, depois Diego Pituca e por fim Felipe Jonatan.

“Você está me contando do jogo? Me pergunte… Coloquei o primeiro Luan, depois Pituca e depois Felipe Jonatan. Isso se responde sozinho”, disse o técnico.

No segundo questionamento, despistou sobre o futuro no Peixe e reclamou da “vergonha do século passado” com as bolas murchas no estádio.

“Expliquei mil milhões de vezes. Penso em ganhar cada jogo. Hoje se escapou resultado em cenário difícil, perdemos sem merecer. Parecia jogo do século passado, murcharam bolas. Uma vergonha. É como atrasar o jogo em 50 ou 100 anos”, disse Sampaoli, antes de interromper mais pergunta, dessa vez sobre a ausência de Jorge, cortado por “incômodo no joelho direito.

“Não está em condições. Se estiver recuperado, sim (joga). Hoje não está em condições”, afirmou.

Na sequência, o suposto interesse do Palmeiras foi levado em pauta. E mais uma resposta seca do argentino.

“Especulações midiáticas. Não falaria com nenhum clube estando nessa instituição”, concluiu.

Jean Mota diz que gandulas murcharam bolas em derrota do Santos

Jean Mota disse que gandulas furaram bolas nos minutos finais da vitória do Fortaleza por 2 a 1 sobre o Santos na noite desta quinta-feira, no Castelão.

O Peixe reclamou demais da arbitragem por causa dos cartões amarelos recebidos. Pará e Soteldo foram expulsos no fim da partida.

“O jogo parou seis minutos e ele deu seis de acréscimo. O Felipe Alves ficou quatro minutos para ser atendido, e os gandulas murcharam as bolas e a gente ficou mais três minutos parados. Aí ele deu mais um minuto. Não existe. Essa foi a reclamação”, disse Jean Mota, ao Premiere.

Sánchez admite nervosismo do Santos por causa da falta de “categoria” do árbitro

Carlos Sánchez admitiu o nervosismo do Santos e justificou com a “falta de categoria” do árbitro Diego Pombo Lopez (BA) na derrota por 2 a 1 sobre o Fortaleza na noite desta quinta-feira, no Castelão, pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O Peixe reclamou demais da arbitragem por causa dos cartões amarelos recebidos e falta de acréscimos. Pará e Soteldo foram expulsos no fim da partida.

“Sim, ficamos nervosos. Árbitro não tem categoria e não pode trabalhar neste jogo. Era só amarelo para nós. Tomou muito o protagonismo”, disse Sánchez, ao Premiere.

O uruguaio diminuiu o placar, mas perdeu pênalti aos 39 minutos do segundo tempo.

Santos tem cinco desfalques por suspensão para enfrentar a Chape: “Arbitragem horrível”, diz Pará

O técnico Jorge Sampaoli, o zagueiro Luan Peres, o lateral-direito Pará, o meia Jean Mota e o atacante Soteldo desfalcarão o Santos na partida contra a Chapecoense, domingo, na Vila Belmiro, pela 36ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Sampaoli, Luan e Jean Mota receberam o terceiro cartão amarelo na partida contra o Fortaleza desta quinta-feira, no Castelão. Sampaoli, mais uma vez, por reclamação. Luan e Jean por faltas fortes na defesa. Soteldo e Pará levaram duas advertências e foram expulsos.

“Arbitragem horrível. Não disse nada, ele só fez uma arbitragem horrível”, disse Pará, ao Premiere.

O auxiliar Jorge Desio substituirá Sampaoli mais uma vez na área técnica. Na defesa, Gustavo Henrique retorna depois de cumprir suspensão e Victor Ferraz deve atuar. Jean Mota seria provável reserva. Soteldo tem Felipe Jonatan, Tailson, Derlis González e Venuto como possíveis suplentes.

Outra novidade do Peixe será Marinho. Em ótima fase, o atacante também foi desfalque em Fortaleza por causa dos cartões.


Santos 3 x 3 Fortaleza

Data: 25/08/2019, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 16ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, Santos, SP.
Público: 12.515 pagantes
Renda: R$ 434.275,00
Árbitro: Rodrigo D’alonso Ferreira (SC)
Auxiliares: Helton Nunes e Alex dos Santos (ambos de SC).
VAR: Rafael Traci (SC)
Cartões amarelos: Carlos Sánchez, Marinho e Jorge (S); Juninho, Carlinhos e Felipe (F).
Gols: Marinho (01-1), Jorge (09-1) e Eduardo Sasha (31-1); Wellington Paulista (14-2), Wellington Paulista (22-2) e Tinga (49-2).

SANTOS
Everson; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Felipe Aguilar e Jorge; Alison, Diego Pituca e Evandro (Carlos Sánchez); Marinho, Soteldo (Derlis González) e Eduardo Sasha (Jean Mota).
Técnico: Jorge Sampaoli

FORTALEZA
Felipe Alves; Tinga, Quintero, Jackson e Carlinhos; Felipe, Gabriel Dias (André Luis) e Juninho; Edinho (Osvaldo), Romarinho (Felipe Pires) e Wellington Paulista.
Técnico: Zé Ricardo



Santos abre 3 a 0, mas sofre empate do Fortaleza e perde a liderança

O Santos abriu 3 a 0, mas permitiu o empate do Fortaleza na tarde deste domingo, na Vila Belmiro, pela 16ª rodada do Campeonato Brasileiro. Os gols do Peixe, ainda no primeiro tempo, foram marcados por Marinho, Jorge e Eduardo Sasha. O Tricolor reagiu com dois de Wellington Paulista e outro de Tinga.

O Alvinegro dominou os primeiros 45 minutos por completo, porém, caiu de rendimento na segunda metade. O Fortaleza se aproveitou, procurou o empate até o fim e foi coroado aos 49.

Com o resultado, o Santos caiu para a vice-liderança do Brasileirão, agora com 33 pontos, levando desvantagem em relação ao Flamengo nos critérios de desempate.

O jogo

O Santos dominou o primeiro tempo por completo. Sem Carlos Sánchez e com Alison na cabeça de área, o técnico Jorge Sampaoli liberou Victor Ferraz e Jorge no ataque e acuou o Fortaleza.

O primeiro gol veio logo no minuto 1, quando Jorge lançou Evandro, o meia ajeitou e Sasha viu Marinho sozinho para deslocar o goleiro Felipe Alves.

O Peixe seguiu em cima e ampliou aos 9, quando Felipe socou a bola em escanteio e Jorge fez um golaço, de primeira, de fora da área. A vitória estava encaminhada antes do placar chegar aos 10 minutos.

O Alvinegro diminuiu o ritmo, mas nunca perdeu o controle do jogo e pouco sofreu na defesa. O terceiro veio naturalmente, aos 31. Jorge (de novo ele) lançou e deixou Sasha sozinho. O atacante encobriu Felipe Alves e viu o auxiliar levantar o bandeira. A arbitragem, porém, validou o gol com o auxílio do VAR.

Insaciável, o Santos faria o quarto gol logo aos cinco minutos, com Soteldo, mas a arbitragem anulou o lance por impedimento após o cruzamento de Evandro.

Aos 14 minutos, o VAR foi acionado novamente. Aguilar derrubou Edinho na área e o juiz marcou pênalti depois de conferir pelo vídeo. Wellington Paulista converteu.

O Fortaleza se animou com o gol e diminuiu aos 22. Carlinhos cruzou, Aguilar não marcou, Everson saiu mal do gol e Wellington Paulista, de novo, fez o segundo.

O Santos sentiu a reação dos visitantes e parou de criar. O Peixe só melhorou quando Jean Mota e Sánchez entraram, entre os minutos 25 e 30. Aos 34, Jean recebeu sozinho de Pituca e perdeu chance claríssima.

O Fortaleza não desistiu e chegou ao empate aos 49 minutos do segundo tempo, em nova falha de Felipe Aguilar. O zagueiro não cortou cruzamento e Tinga deslocou Everson.

Bastidores – Santos TV:

Sampaoli vê empate injusto do Santos: “Resultado angustiante pelo domínio”

O técnico Jorge Sampaoli vê como “injusto” o empate do Santos em 3 a 3 com o Fortaleza neste domingo, pela 16ª rodada do Campeonato Brasileiro, na Vila Belmiro.

O Peixe abriu 3 a 0 no primeiro tempo, mas caiu de rendimento e viu o empate do Tricolor aos 49 minutos do segundo tempo.

“Estamos avaliando isso. Essa vulnerabilidade precisa ser corrigida. No primeiro tempo tivemos muita intensidade e pressão, rival mal chutou, e no segundo foi pouco. São erros pontuais e temos que analisar bem. Fico com o primeiro tempo e os 15 do segundo tempo. Equipe arrojada, que atacou bem um time que estava na defesa. Resultado é angustiante pelo domínio e superioridade. Empatar não passava na minha cabeça. Vi tanta superioridade que imaginei um resultado melhor para nós, por isso não corrigi (não fez substituições durante a reação”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

“Tudo tem a ver com o estilo. Quando pressionamos, fizemos os gols, criamos, depois diminuímos a pressão inicial. Fortaleza fez gol em jogada estranha de pênalti, antes fizemos um gol válido para mim. Seguimos buscando, pênalti diminuiu nosso ritmo. Eles converteram um contra-ataque e levaram empate no fim. Foi injusto, tivemos uma grande superioridade”, completou.

Com o resultado, o Santos segue na liderança do Brasileirão, agora com 33 pontos, mas pode ser ultrapassado por Flamengo e Palmeiras.

Sampaoli explica Sánchez no banco e defende Aguilar após empate do Santos

O técnico do Santos, Jorge Sampaoli, explicou a opção por Carlos Sánchez no banco de reservas no empate em 3 a 3 com o Fortaleza neste domingo, na Vila Belmiro, pela 16ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Sampaoli armou o Peixe com Alison, Diego Pituca e Evandro no meio-campo. Após pedidos do torcedor, o uruguaio entrou no segundo tempo e não evitou a reação do Tricolor.

“Evandro tem treinado muito bem, escolhemos um pelo outro (Evandro na função de Sánchez). Alison foi mais pelo equilíbrio no meio-campo. Não vi segundo tempo irregular. Os que entraram não modificaram muito a equipe. São momentos e o rival aproveitou. O segundo gol nos golpeou. Nos colocou no terreno de imprecisão. E quando não jogamos, mostramos certa vulnerabilidade”, disse Sampaoli.

O treinador argentino também defendeu Felipe Aguilar. O zagueiro falhou nos três gols do Fortaleza – cometeu um pênalti, não acompanhou Wellington Paulista e deu “assistência” para Tinga.

“São momentos. Aguilar fez um jogo muito bom, mas teve erros pontuais que interferiram no resultado. Isso desfigura um pouco a atuação. Confio muito nele, é nobre, que deixa tudo e se entrega totalmente. Ele está no último terço e erros aparecem mais. Ainda mais quando se convertem em gols. Temos que levantar quem não vive o melhor momento”, completou Sampaoli.

Marinho se irrita com empate do Santos: “Conseguiram devido ao sono do time”

Marinho teve a chance de ser titular, fez um dos gols do Santos e tinha tudo para terminar o domingo feliz. No fim das contas, porém, o Peixe permitiu o empate do Fortaleza em 3 a 3 na Vila Belmiro e, para piorar, o atacante recebeu o terceiro cartão amarelo e não enfrentará a Chapecoense no sábado, na Arena Condá, pela 17ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O camisa 11 se irritou demais com o tropeço. No terceiro gol dos visitantes, chegou a se socar de raiva. Em entrevista ao Esporte Interativo, desabafou.

“No segundo tempo não entramos em campo. Fortaleza conseguiu o pênalti, falamos ‘vamos acordar’, ‘vamos acordar’, e deixar para acordar no fim do jogo não dá. Conseguiram fazer gol devido ao sono do time. Quem briga pela liderança não pode fazer isso. Temos que conversar, rever, não podemos dar essa brecha. Com todo respeito, eles vão brigar na parte de baixo. Nós temos que brigar por título e temos que fazer três, quatro. Matar o jogo! Poderíamos ter feito mais e não jogamos. Demoramos muito para acordar”, disse Marinho.

Sem vencer há três jogos, o Santos perdeu a liderança do Brasileirão para o Flamengo nos critérios de desempate.

Victor Ferraz diz que Santos “pagou pela ofensividade” em empate na Vila

Victor Ferraz acha que o Santos “pagou pela ofensividade” no empate em 3 a 3 com o Fortaleza neste sábado, na Vila Belmiro, pela 16ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O Peixe fez 3 a 0 no primeiro tempo e permitiu o empate na etapa final. O último gol saiu aos 49 minutos do segundo tempo.

“Tivemos chances e não fizemos, poderíamos ampliar. A gente paga pelo estilo de jogo ofensivo. Inexplicável. A gente quer fazer mais e mais. O importante é não deixar cair, ainda somos líderes do campeonato”, disse Victor Ferraz, à Globo.

“Não vou dizer que faltou atenção, todo mundo se cobra, futebol às vezes acontece isso. A gente quer atacar o tempo inteiro, o treinador que fala, a gente poderia ter posicionado um pouco mais, não ter dado certas brechas, mas isso é coisa para falar depois”, completou.

Sampaoli se preocupa com Aguilar e pode blindar zagueiro no Santos

O técnico Jorge Sampaoli está preocupado com Felipe Aguilar. O zagueiro do Santos perdeu a confiança após sucessão de erros no Campeonato Brasileiro.

O colombiano fez um pênalti e escorregou em gol de Alexandre Pato no clássico contra o São Paulo. Suspenso, não enfrentou o Cruzeiro e retornou diante do Fortaleza no último domingo, quando comprometeu novamente – mais uma penalidade e erros de marcação nos outros dois gols.

Aguilar estava abatido no vestiário e recebeu o apoio dos companheiros. Sampaoli costuma optar pela sequência de jogos para reabilitar um atleta, mas no caso do defensor o caminho pode ser não atuar diante da Chapecoense no sábado, na Arena Condá, pela 17ª rodada do Campeonato Brasileiro. A decisão será tomada após o treinador analisar a reação do jogador durante a semana no CT Rei Pelé.

“São momentos. Aguilar fez um jogo muito bom, mas teve erros pontuais que interferiram no resultado. Isso desfigura um pouco a atuação. Confio muito nele, é nobre, que deixa tudo e se entrega totalmente. Ele está no último terço e erros aparecem mais. Ainda mais quando se convertem em gols. Temos que levantar quem não vive o melhor momento”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.


Santos FC x Fortaleza EC
Santos Futebol Clube x Fortaleza Esporte Clube


Restrospecto:

17 jogos
08 vitórias
08 empates
01 derrota
36 gols pró
14 gols contra
22 saldo

Resultados:

29/12/1946 – Santos 4 X 1 Fortaleza – Amistoso – Presidente Vargas
01/01/1947 – Santos 4 X 0 Fortaleza – Amistoso – Presidente Vargas
18/07/1959 – Santos 2 x 2 Fortaleza – Amistoso – Presidente Vargas
23/01/1974 – Santos 5 x 1 Fortaleza – Brasileiro/73 – Castelão
15/05/1974 – Santos 2 x 0 Fortaleza – Brasileiro – Castelão
18/07/1974 – Santos 1 x 1 Fortaleza – Brasileiro – Pacaembu
21/02/1981 – Santos 2 x 1 Fortaleza – Brasileiro – Castelão
11/03/1984 – Santos 1 x 1 Fortaleza – Brasileiro – Vila Belmiro
30/03/1984 – Santos 4 x 1 Fortaleza – Brasileiro – Castelão
27/04/2003 – Santos 4 x 0 Fortaleza – Brasileiro – Vila Belmiro
30/08/2003 – Santos 0 x 0 Fortaleza – Brasileiro – Castelão
19/06/2005 – Santos 0 x 0 Fortaleza – Brasileiro – Castelão
01/10/2005 – Santos 0 x 0 Fortaleza – Brasileiro – Vila Belmiro
07/05/2006 – Santos 2 x 0 Fortaleza – Brasileiro – Bruno José Daniel
10/09/2006 – Santos 1 x 1 Fortaleza – Brasileiro – Presidente Vargas
25/08/2019 – Santos 3 x 3 Fortaleza – Brasileiro – Vila Belmiro
28/11/2019 – Santos 1 x 2 Fortaleza – Brasileiro – Castelão


Fortaleza 1 x 1 Santos

Data: 10/09/2006
Competição: Campeonato Brasileiro – 23ª rodada
Local: Estádio Presidente Vargas, em Fortaleza, CE.
Público: 10.207
Renda: R$ 113.607,00
Árbitro: Lourival Dias Lima Filho (BA)
Cartões amarelos: Alan e Chicão (F); Dênis, Manzur, Domingos, Rodrigo Tabata e Cléber Santana (S).
Cartões vermelhos: Finazzi (F); Maldonado (S).
Gols: Dênis (39-1) e Rinaldo (14-2).

FORTALEZA
Albérico; Dezinho, Alan, Wendel e Ramalho; Chicão (André Cunha), Mazinho Lima, Jorge Mutt (Patrick) e Bruno Barros (Rinaldo); Lúcio e Finazzi.
Técnico: R. Davino

SANTOS
Felipe; Dênis, Manzur (Domingos), Luiz Alberto e Kléber; Maldonado, André Luís (Rodrigo Tabata), Cléber Santana e André Belezinha; Rodrigo Tiuí (Leandro) e Wellington Paulista.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Santos perde chance de encostar no São Paulo e só empata com o Fortaleza

O Santos perdeu uma valiosa chance de encostar na liderança do Campeonato Brasileiro-06 neste domingo, quando empatou com o Fortaleza por 1 a 1, fora de casa, pela 23ª rodada do torneio.

Com o resultado, o time de Vanderlei Luxemburgo chegou a 39 pontos e continua a quatro do líder São Paulo, que, mesmo com dois jogadores a mais durante grande parte da partida, não conseguiu sair do 0 a 0 diante do Corinthians.

Ciente do tropeço são-paulino e disposto a aproveitar o deslize do rival, o Santos iniciou o confronto de hoje no campo de ataque e teve boa chance de abrir o marcador logo aos 4min, quando Kléber cruzou pata André, que não conseguiu concluir. A bola sobrou para Cléber Santana, que desperdiçou a oportunidade.

Após o começo promissor, os paulistas diminuíram o ritmo e viram o rival levar perigo à meta do jovem goleiro Felipe em três oportunidades, sempre com o meia Jorge Mutt.

Na primeira, o jogador recebeu passe de Lúcio e arriscou de longe, tentando tirar proveito da má colocação do arqueiro santista, que estava adiantado. Porém, a bola foi para fora.

Nos outros dois lances, Jorge Mutt entrou na defesa do Santos e arriscou batidas cruzadas. No entanto, Felipe, no primeiro lance, e Maldonado, no segundo, salvaram os gols.

Mesmo mal na partida, a equipe de Luxemburgo chegou ao seu gol aos 39min, quando o lateral-direito Dênis, um dos destaques da partida, fez jogada individual e levou a bola para o meio antes de chutar forte e acertar o canto direito de Albérico

Pouco depois, foi a vez de André arriscar chute de fora da área. Desta vez, no entanto, o goleiro do Fortaleza se esticou bem e conseguiu espalmar para escanteio.

Precisando somar pontos para deixar a zona de rebaixamento –ocupa a 19ª posição, com 23 pontos–, o time do Ceará foi ao campo de ataque e conseguiu empatar a partida aos 14min da etapa final, com Rinaldo, que recebeu passe de Lúcio e, de dentro da área, finalizou forte.

Aos 20min, Rodrigo Tabata, que tinha acabado de substituir André Luís, fez boa jogada individual ao driblar os seus adversários e chutou na trave direita de Albérico.

Na seqüência, Felipe salvou o Santos de sofrer a virada ao defender uma bela finalização de Rinaldo, que aproveitou cruzamento da esquerda e chutou de primeira.

Aos 25min, o Fortaleza perdeu outra grande chance. Rinaldo fez boa jogada individual pela esquerda e rolou para Finazzi. O centroavante dominou e venceu o goleiro santista com um chute cruzado, mas Dênis conseguiu o desvio e salvou o gol.

Depois de onze minutos do lance anterior, Finazzi e Maldonado trocaram agressões dentro da área santista. O árbitro Lourival Dias Lima Filho consultou um de seus assistentes e expulsou os dois atletas.


Santos 2 x 0 Fortaleza

Data: 06/05/2006
Competição: Campeonato Brasileiro – 4ª rodada
Local: Estádio Bruno José Daniel, em Santo André, SP.
Público: portões fechados
Árbitro: Luiz Antonio Silva Santos (RJ)
Auxiliares: Dibert Pedrosa Moisés e José Cláudio Paranhos (ambos do RJ).
Cartões amarelos: Galeano e Gláuber (F); Magnum (S).
Gols: Rodrigo Tabata (39-1) e Rodrigo Tiuí (45-1).

SANTOS
Fábio Costa; Domingos, Ronaldo e Manzur; Neto, Maldonado, Wendel, Rodrigo Tabata (Magnum) e Kléber; Wellington Paulista (Galvão) e Rodrigo Tiuí (Léo Lima).
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

FORTALEZA
Maizena; Ivan, Alan (Galeano), Gláuber e Mazinho Lima; Dude, Rabicó, Bechara e Maurílio (Chicão); Rinaldo (Teles) e Finazzi.
Técnico: Márcio Bittencourt



Santos se recupera de eliminação, vence e segue líder do Nacional

O Santos mostrou já estar recuperado da eliminação da Copa do Brasil e venceu o Fortaleza por 2 a 0, neste sábado, em Santo André, em partida válida pela quarta rodada do Campeonato Brasileiro.

A vitória mantém o time da baixada na liderança da competição, com dez pontos, mesmo número que o Fluminense –o Santos leva vantagem no saldo de gols. O Fortaleza tem seis pontos.

No meio de semana, o time do técnico Vanderlei Luxemburgo foi eliminado da Copa do Brasil ao ser derrotado pelo Ipatinga-MG, nos pênaltis, depois de empatar o jogo em 1 a 1.

A partida de hoje foi disputada em Santo André, com portões fechados, devido a uma punição imposta pelo STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) pelos objetos atirados no gramado da Vila Belmiro na partida contra o Botafogo, pelo Campeonato Brasileiro do ano passado.

Por este mesmo motivo, a equipe já havia enfrentado o Atlético-PR, em Mogi Mirim, no dia 23 de abril, quando venceu o jogo por 2 a 0.

No jogo de hoje, o Santos não contou com o atacante Reinaldo, com o zagueiro Luiz Alberto e com o volante Fabinho, todos machucados. Rodrigo Tiuí ganhou vaga no ataque e fez sua estréia pela equipe.

A falta de emoção nas arquibancadas parece ter influenciado os jogadores dos dois times, já que a partida teve pouca movimentação e foram raros os lances perigosos.

O Santos só chegou a dar seu primeiro susto aos 23min, quando Kléber lançou Wendel na esquerda e o volante cruzou para Rodrigo Tabata, que chutou para fora.

A equipe cearense incomodou três minutos depois, em uma jogada de bola parada. Aos 26min, Bechara chutou forte falta e Fábio Costa espalmou.

Mesmo em um ritmo lento, o time da Baixada conseguiu abrir o marcador. Aos 39min, Rodrigo Tabata cruzou da esquerda e o zagueiro Gláuber acabou cortando a bola contra o próprio gol: 1 a 0. O árbitro Luiz Antônio Silva Santos marcou gol para Tabata.

O gol deixou a partida mais movimentada e o Santos conseguiu ampliar ainda na primeira etapa. Aos 46min, após cruzamento da direita, o estreante Rodrigo Tiuí cabeceou e contou com a ajuda do goleiro Maizena: 2 a 0.

Atrás no marcador, o Fortaleza voltou mais ousado na segunda etapa. Aos 7min, Ivan recebeu bola dentro da área e bateu cruzado. A bola furou a rede, mas pelo lado de fora.

O Santos conseguiu encontrar espaços e criou boa chance aos 14min. Após troca de passes, Kléber cruzou e a zaga cearense quase marcou contra. Na seqüência do lance, Wellington Paulista chutou para boa defesa do goleiro Maizena.

Depois disso, o jogo seguiu morno até o final, com o Santos sem muita inspiração e o Fortaleza não criando grandes chances.

Sem torcida, Santos se mantém na ponta

Time bate Fortaleza no ABC e obtém 100% de aproveitamento nas 7 vezes em que ficou de “castigo” por causa do STJD

Para quê jogar na Vila Belmiro? O Santos provou ontem, pela sétima vez que recebeu uma punição para jogar fora de casa no Brasileiro, que o fator casa e até os torcedores são dispensáveis. Bateu o Fortaleza por 2 a 0, no Bruno José Daniel, no ABC, com portões fechados para o público, e de quebra manteve a ponta do Nacional.

O time do técnico Vanderlei Luxemburgo chegou aos dez pontos -mesma pontuação do Fluminense, que bateu o Paraná (2 a 1), mas tem pior saldo que o Santos.

Pelo retrospecto, o time santista obteve 100% de aproveitamento em todas as vezes em que foi obrigado a ficar de “castigo” devido a uma punição do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva).

“A torcida faz falta, mas, se ela não se comporta, é melhor que não venha”, falou Luxemburgo, aprovando a medida.

Dessa vez, o Santos teve de atuar como mandante e inquilino no ABC por conta de duas punições aplicadas pelo tribunal ao clube no Brasileiro de 2005. A punição havia sido imposta em razão dos incidentes ocorridos na Vila Belmiro após a vitória por 2 a 1 sobre o Botafogo, pela penúltima rodada daquela competição.

Na ocasião, os torcedores santistas atiraram ovos contra os jogadores em protesto pela má campanha da equipe naquela temporada.

O Santos inquilino começou em 2004, quando ainda não havia a exigência de estádios vazios, só a designação de uma sede a 150 km da “cena do crime”. Naquele ano foram quatro punições:

1) Santos 5×0 Fluminense (Benedito Teixeira, em São José do Rio Preto);
2) Santos 2×1 Goiás (Eduardo José Farah, em Presidente Prudente);
3) Santos 5×1 Grêmio (Benedito Teixeira);
4) Santos 2×1 Vasco (Benedito Teixeira).
Em 2005, já longe de casa e sem torcida, houve um jogo: 5) Santos 4×1 Paysandu (Anacleto Campanella, em São Caetano do Sul).
E neste ano, também com portões fechados e fora da Vila, mais duas aplicações de pena: 6) Santos 2×0 Atlético-PR (Mogi Mirim).

E a sétima foi a vitória de ontem, em Santo André, e chegou num momento importante para o Santos e Luxemburgo. Três dias antes, o time havia sido eliminado pelo Ipatinga da Copa do Brasil, em cobranças de pênaltis.

Já o Fortaleza continua com seis pontos. Além disso, nunca venceu o Santos no Campeonato Brasileiro. Foram seis derrotas e cinco empates contra o time da Vila.

Ontem, o técnico santista escalou o time com cinco desfalques, sendo quatro por contusão: o zagueiro Luiz Alberto, o volante Fabinho e os atacantes Reinaldo -artilheiro do time no Brasileiro, com dois gols, e na temporada, com oito- e o mexicano De Nigris. Já o volante Cléber Santana cumpriu suspensão por expulsão.

Levou oito minutos para o Santos chegar com perigo à meta do goleiro Maizena, do Fortaleza. O meia santista Rodrigo Tabata arriscou de longe, mas a bola, caprichosa, não entrou.

Segundo o Datafolha, os santistas chutaram oito bolas na primeira etapa, contra cinco do Fortaleza. E foi pressionando que o time do litoral abriu o placar aos 39min. O meia Rodrigo Tabata avançou pela esquerda cruzou para a área, e o zagueiro Gláuber, do Fortaleza, na tentativa de cortar o cruzamento, marcou contra -o juiz deu o gol para o santista.

O segundo gol seguiu a mesma toada. Bola dentro da área rival. Mas, dessa vez, o tento teve a marca santista. Aos 46min, o lateral-direito Neto cruzou da direita para o atacante estreante Rodrigo Tiuí ampliar de cabeça.

“Estou muito feliz, mas não acabou ainda”, falou Tiuí no intervalo. Antes, o Fortaleza só havia assustado numa falta cobrada pelo meio-campista Bechara, que fez o goleiro Fábio Costa se esticar todo para tirar a bola da meta.

No segundo tempo, o Fortaleza tentou insistir, mas sem muito perigo. O Santos passou a administrar o resultado até o apito final do juiz. O time volta a jogar pelo Nacional no próximo sábado, quando receberá a Ponte Preta, já na Vila Belmiro. O Fortaleza jogará no dia seguinte ante o Flamengo.