Navegando Posts marcados como golaço

Santos 4 x 1 Cruzeiro

Data: 25/09/2010, sábado, 18h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 25ª rodada
Local: Arena Barueri, em Barueri, SP.
Público: 9.542 pagantes
Renda: R$ 192.530,00
Árbitro: Péricles Pegado Cortez (Fifa-RJ)
Auxiliares: Ricardo de Almeida e Marco Aurélio Pessanha (ambos do RJ)
Cartões amarelos: Roberto Brum e Zé Eduardo (S); Jonathan, Edcarlos, Fabinho, Montillo e Farías (C).
Cartão vermelho: Zé Eduardo (S).
Gols: Marcel (09-2), Edu Dracena (24-2), Thiago Ribeiro (35-2), Alex Sandro (43-2), e Neymar (46-2).

SANTOS
Rafael; Danilo, Edu Dracena, Durval e Léo (Zezinho); Roberto Brum, Arouca e Marquinhos (Adriano); Neymar, Zé Eduardo e Marcel (Alex Sandro).
Técnico: Marcelo Martelotte (interino)

CRUZEIRO
Fábio; Jonathan, Caçapa, Edcarlos e Diego Renan (Robert); Fabrício (Roger), Everton, Fabinho (Elicarlos) e Montillo; Ernesto Farías e Thiago Ribeiro.
Técnico: Cuca



Com show de Neymar, Santos goleia o Cruzeiro por 4 a 1 na Arena Barueri e ajuda Corinthians

Atacante voltou a apresentar um grande futebol e ajudou o Santos a quebrar a invencibilidade do Cruzeiro, que não perdia há nove rodadas

Com show de Neymar, o Santos venceu o Cruzeiro por 4 a 1, neste sábado, na Arena Barueri, pela 24ª rodada do Campeonato Brasileiro. O camisa 11 voltou apresentar um grande futebol, partiu para cima da marcação, driblou, voltou a dar chapéu nos adversários, deu assistências para o primeiro e o terceiro gol do Santos, além de fechar o placar, marcando um bonito gol.

A vitória ainda chamou a atenção pelo golaço marcado por Alex Sandro, que driblou dois marcadores, tabelou com Neymar e encobriu o goleiro Fábio. Além do golaço de Alex Sandro. Marcel, Edu Dracena e Neymar completaram o marcador. Já o Cruzeiro descontou com Thiago Ribeiro.

Com a vitória, a equipe santista continua com esperanças de conquistar o terceiro título na temporada – já venceu o Campeonato Paulista e a Copa do Brasil – além de quebrar uma invencibilidade dos mineiros, que não perdiam há nove rodadas no Brasileiro. O Santos somou 38 pontos e subiu para a quinta colocação. Já o Cruzeiro perdeu a chance de se igualar ao Corinthians na liderança do Brasileiro e agora permanece na terceira colocação, com 45 pontos.

Após o duelo contra o Cruzeiro, o Santos enfrenta o Vasco, na próxima terça-feira, às 21h (de Brasília), no Estádio São Januário, no Rio de Janeiro, pela 26ª rodada do Campeonato Brasileiro. Já o Cruzeiro joga em casa contra o Atlético-GO, às 19h30 (de Brasília), na Arena do Jacaré.

O jogo

O primeiro lance de perigo foi do Santos. Após cobrança de falta de Marquinhos, o zagueiro Edu Dracena tocou para a entrada da pequena área e o volante Fabinho, cortou para escanteio. Na sequência, o Cruzeiro respondeu no contra-ataque. Thiago Luis fez belo drible no zagueiro e finalizou, mas Rafael saiu bem para a defesa.

As duas equipes jogavam em velocidade e buscando o gol. Aos 21 minutos, Thiago Ribeiro recebeu do lado direito, invadiu a área e chutou sobre o travessão. Dois minutos depois, o Santos teve a melhor chance do primeiro tempo. Roberto Brum lançou Marcel que saiu na cara do goleiro Fábio, que salvou com os pés.

Com Marquinhos mais uma vez apagado em campo, a equipe santista tentava criar as jogadas com lançamentos de Brum. O volante lançou Zé Eduardo, que chutou fraco para boa defesa de Fábio. Já o Cruzeiro era mais perigoso nos contra-ataques. Thiago Ribeiro finaliza cruzado. A bola pega na trave, volta na cabeça do goleiro e sai em escanteio.

Aos 40 minutos, Roberto Brum dá outro lançamento para os atacantes. A bola chega a Neymar, que cruzou rasteiro para boa intervenção de Fábio. O Cruzeiro respondeu novamente. Montillo deu uma bela assistência para Thiago Ribeiro, que saiu na frente de Rafael, mas chutou para fora.

Na segunda etapa, a primeira oportunidade foi do Santos. Neymar fez belo drible no marcador e chutou por cima do gol. Aos oito minutos, Brum lançou Neymar novamente. O camisa 11 achou Zé Eduardo dentro da área, o atacante chutou rasteiro e no rebote do goleiro Fábio, Marcel abriu o marcador. Aos 15 minutos, o Santos quase ampliou o marcador. Zé Eduardo deixou Danilo na cara do gol. O lateral finalizou na saída de Fábio, mas Edcarlos tirou quando a bola estava entrando no gol.

Após o gol do Santos, o técnico Cuca fez duas substituições no Cruzeiro. Saíram os volantes Fabrício e Fabinho para as entradas de Roger e Eli Carlos. Já no Santos, Martelotte perdeu Zé Eduardo aos 18 minutos do segundo tempo. O atleta deu um tapa no rosto de Diego Renan, recebeu o segundo amarelo no jogo e foi expulso. Martellote estava pronto para colocar Alan Patrick na vaga do atacante, mas foi obrigado a mudar a substituição. O treinador colocou Alex Sandro na vaga de Marcel.

O Cruzeiro sentiu o gol sofrido e começou a fazer muitas faltas. Em uma delas, Marquinhos cruzou na área e o zagueiro Edu Dracena desviou de cabeça para marcar o segundo gol do Santos. Apesar da desvantagem no placar, o Cruzeiro não desistiu. Aos 35 minutos, Robert chutou forte e Rafael soltou a bola, no rebote Thiago Ribeiro finalizou para diminuir. Temendo sofrer o empate, Martelotte colocou o volante Adriano na vaga de Marquinhos

No entanto, Alex Sandro fez uma grande jogada e viu o goleiro adiantado. O lateral tocou por cima de Fábio para fazer um golaço. No finalzinho, Neymar passou no meio de dois marcadores, driblou Caçapa para dançar e chutou cruzado para vencer o goleiro Fábio e fechar o marcador.


Vídeos: (1) Melhores momentos e (2) Reportagem Fantástico.

Santos 2 x 1 São Paulo

Data: 07/02/2010 – 17h00
Competição: Campeonato Paulista
Local: Arena Barueri, em Barueri, SP.
Público: 14.519 pagantes
Renda: R$ 444.688,75
Árbitro: Marcelo Rogério (SP)
Auxiliares: Vicente Romano Neto e David Botelho Barbosa
Cartões amarelos: Miranda, Xandão (SP); Edu Dracena, Wesley, Zé Eduardo (S).
Gols: Neymar (38-1, de pênalti); Roger (22-2) e Robinho (40-2).

SÃO PAULO
Rogério Ceni; Renato Silva, Xandão e Miranda; Jean, Richarlyson, Hernanes, Marcelinho Paraíba (Léo Lima) e Jorge Wagner; Dagoberto (Roger) e Washington (Cléber Santana)
Técnico: Ricardo Gomes

SANTOS
Felipe; Wesley, Edu Dracena, Durval e Léo; Rodrigo Mancha, Arouca, Marquinhos (Zé Eduardo) e Paulo Henrique Ganso; Neymar (Germano) e André (Robinho)
Técnico: Dorival Júnior



Robinho faz golaço e dá vitória ao Santos contra o São Paulo

Atacante saiu do banco de reservas aos 12 minutos do segundo tempo para decidir o jogo com um gol de letra

O atacante Robinho só entrou em campo depois do intervalo do clássico deste domingo, mas teve tempo para marcar um golaço e garantir a vitória por 2 a 1 do Santos sobre o São Paulo, no fim da ‘turnê’ tricolor na Arena Barueri.

O Peixe abriu o placar com Neymar, que deu uma ‘paradinha’ para converter pênalti, no primeiro tempo. Já na etapa complementar, Roger empatou a partida de cabeça. Porém, nos minutos finais, o ‘Rei das Pedaladas’ mostrou por que é exaltado pela torcida santista. Após cruzamento da direita, o camisa 7 completou de letra para marcar um golaço.

O resultado levou o time de Dorival Júnior para a liderança do Campeonato Paulista, com 16 pontos, enquanto o Tricolor caiu para o quinto lugar, com 11.

Vantagem santista

Para tentar evitar a correria dos garotos do Santos, o Tricolor começou a partida apostando na velocidade de Dagoberto e Marcelinho Paraíba. Por isso, a equipe de Ricardo Gomes concentrou as jogadas em seu campo ofensivo durante os cinco minutos iniciais. Na primeira tentativa, Jorge Wagner encontrou Marcelinho na área, mas a finalização passou ao lado da meta de Felipe.

Na chance seguinte, o camisa 11 chutou rasteiro e viu o goleiro segurar sem problemas. Alternando entre a esquerda e a direita, Dagoberto sentiu a necessidade de buscar jogadas individuais, mas o Peixe conseguiu se segurar sem sustos até o momento de equilibrar a partida.

Com Neymar bem marcado, Paulo Henrique Ganso chamou a responsabilidade e criou boas oportunidades. Em uma amostra de sua habilidade, passou a bola por entre as pernas de Washington dentro da área, mas perdeu a jogada em seguida. Na resposta tricolor, Hernanes dominou pela esquerda, fez bela fila em diagonal e rolou na meia-lua para Marcelinho Paraíba completar. Mas a conclusão foi fraca, e Felipe se posicionou bem para segurar.

Em maioria, a torcida são-paulina se animou nas arquibancadas da Arena Barueri, mas levou sustos logo depois, já que Ganso voltou a arriscar jogadas individuais. O camisa 11 santista passou por Richarlyson pela direita, invadiu a área e fez a assistência para Marquinhos, que errou o alvo.

No lance seguinte, depois de cobrança de escanteio na esquerda, Ganso passou por um defensor e ainda deu dois dribles para se livrar de Jean, antes de cruzar rasteiro para André, que, mesmo livre na marca do pênalti, finalizou para fora, enquanto Rogério Ceni só teve tempo de ficar na torcida.

O Tricolor, por sua vez, voltou a trocar passes no sistema ofensivo, mas pecou duas vezes quando tentou invadir a área. Apesar do forte calor, o Santos puxou novo contragolpe perigoso. Léo recebeu com liberdade pela esquerda e cruzou para André, que ajeitou para Neymar cabecear, mas sem força para ameaçar Rogério.

Sem caprichar nas tentativas de fazer tabela (sua principal jogada das rodadas passadas), o São Paulo continuou esbarrando na defesa santista. Assim, Xandão percebeu a necessidade de chegar como surpresa e fez fila até a entrada da área, quando foi desarmado. Pouco depois, Jean arriscou de longe e observou o trabalho que Felipe teve para segurar em dois tempos.

Curiosamente, o Peixe abriu o placar contando com grande ajuda de um ex-são-paulino. O árbitro Marcelo Rogério assinalou pênalti de Miranda sobre Arouca, que está emprestado pelo Tricolor ao time da Vila Belmiro. Assim, aos 38 minutos, Neymar enganou Rogério Ceni com uma ‘paradinha’ e só empurrou para as redes. Depois de comemorar com a torcida, o garoto correu até o banco de reservas e recebeu os parabéns de Robinho.

Na última jogada de perigo da etapa inicial, o São Paulo levantou a torcida. Hernanes fez ótimo cruzamento da esquerda para Washington, que, livre, quase alcançou.

Robinho volta e brilha

O São Paulo voltou melhor para o segundo tempo e ameaçou com batida perigosa de Jorge Wagner. O Peixe ainda buscou alguns contragolpes sem perigo. Assim, aos dez minutos, a torcida santista vibrou como se tivesse saído um gol: Dorival Júnior chamou Robinho para conversar. Depois de quase cinco anos, o ‘Rei das Pedaladas’ voltou a campo com a camisa alvinegra, na vaga de André.

Mas Ricardo Gomes não perdeu tempo e também fez sua alteração. O ex-santista Cléber Santana entrou no lugar do atacante Washington. Com isso, Marcelinho Paraíba passou a se posicionar mais próximo do gol. A partir daí, as ações de Robinho passaram a ser um termômetro para as arquibancadas. O atacante avançou e pedalou na frente de Miranda, gerando a vibração dos visitantes. Mas o zagueiro se recuperou e tirou a bola, permitindo a resposta da maioria tricolor.

Porém, do outro lado, o time mandante aproveitou boa chance para chegar perto do empate. Jean recebeu assistência de Hernanes, passou por um marcador na área e bateu perto da meta de Felipe. No lance seguinte, na meia-lua, Edu Dracena fez falta para impedir que Richarlyson chegasse livre na área. Antes da batida da falta, Dagoberto deixou o campo para a entrada de Roger.

Na cobrança, Ceni rolou para Jean emendar com força, mas a bola bateu em Marquinhos. E o atacante que tinha acabado de entrar em campo brilhou, mas não foi Robinho. Aos 22, depois de cruzamento da direita, Roger subiu entre a zaga para cabecear para as redes.

Logo depois de sofrer o revés, Dorival Júnior sacou Marquinhos para a entrada de Zé Eduardo. Depois de uma boa defesa de Felipe em cobrança de falta de Marcelinho Paraíba, o Santos teve sua primeira chance com Robinho, que tabelou com Neymar e saiu livre para bater cruzado, mas Rogério Ceni se esticou para salvar o São Paulo.

O jogou ficou aberto e emocionante. Hernanes carregou a bola pela intermediária e arriscou a finalização, perto da meta adversária. Do outro lado, Robinho dominou na meia-esquerda e deu um toque rente à trave. Porém, aos 41 minutos, o ‘Rei das Pedaladas’ recebeu da direita e mandou de letra para dar a vitória do Peixe.

Santos 3 x 0 Universidad de Chile

Data: 25/05/2005
Competição: Copa Libertadores – Oitavas-de-final – Jogo de volta
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP
Árbitro: Horacio Elizondo (ARG)
Auxiliares: Rodolfo Otero e Darío Garcia (ARG)
Cartões amarelos: Carlos Pinto (U), Flávio (S), Ormazábal (U)
Gols: Flávio (34-1), Robinho (26-2) e Robinho (44-2).

SANTOS
Mauro; Flávio (Basílio), Ávalos, Halisson e Léo; Bóvio, Fabinho, Zé Elias (Leonardo) e Ricardinho; Deivid (Tcheco) e Robinho.
Técnico: Gallo

UNIVERSIDAD DE CHILE
Herrera; Nelson Pinto, Lucas, Adrián Rojas e José Rojas; Ormazábal, Figueroa, Iturra (Droguett) e Riveros (Canio); Rivarola (Suazo) e Galaz.
Técnico: Héctor Pinto



Em noite de gala, Santos faz 3 a 0 na Universidad de Chile pela Libertadores

Com mais uma atuação de gala da dupla Robinho e Ricardinho, o Santos garantiu a vaga para as quartas-de-final da Copa Libertadores. Os dois foram decisivos para a vitória da equipe do litoral por 3 a 0 contra a Universidad de Chile, nesta quarta-feira, na Vila Belmiro.

Além dos toques magistrais de Ricardinho e dos dribles desconcertantes de Robinho, o primeiro fez a assistência para o primeiro gol, de Flávio, e o segundo balançou as redes da equipe chilena em duas oportunidades.

Com este resultado, o Santos também fez prevalecer seu melhor retrospecto na primeira fase desta edição da Libertadores. Primeiro em seu grupo, a equipe alvinegra se classificou em terceiro para as oitavas-de-final, enquanto a Universidad chegou até aqui após ficar em 14°.

Além de avançar na competição, o Santos continua invicto na Vila Belmiro nesta Libertadores. Antes da vitória contra a Universidad de Chile, os santistas venceram o Danúbio (3 a 2), a LDU (3 a 1), e o Bolívar (6 a 0). Todos os jogos foram pela fase de classificação.

O Santos segue também como melhor ataque da competição. Até aqui foram 22 gols, com uma média de 2,75 por jogo. Levando em conta apenas os jogos feitos em seu estádio, essa média sobe para 3,75 gols por jogo.

De quebra, o Santos se mantém melhor no retrospecto contra o adversário chileno. Em quatro jogos, a equipe santista venceu três (5 a 1 e 1 a 0, em 1965, e 3 a 0, nesta quarta-feira) e perdeu apenas um jogo (2 a 1, na última semana).

Agora, o Santos poderá ter pela frente um adversário brasileiro. Isso porque a equipe santista enfrenta o vencedor do confronto entre Atlético-PR e Cerro Porteño, que acontece nesta quinta-feira. Na primeira partida, vitória dos paranaenses por 2 a 1.

Mas antes disso, o Santos tem um compromisso difícil pelo Campeonato Brasileiro. Líder na competição, o clube do litoral fará o clássico contra o Palmeiras, no Parque Antarctica, neste domingo.

O jogo
Com o apoio da sua torcida, o Santos começou pressionando a Universidad de Chile. E logo aos 3min, o time santista quase abriu o placar. Robinho fez boa jogada pelo meio e deixou Deivid cara a cara com Herrera. Mas o atacante acabou chutando em cima do goleiro chileno.
Até os 15min, o camisa 9 santista voltou a perder outras duas oportunidades. Primeiro o atacante recebeu lançamento de Ricardinho mas chutou no peito do goleiro da Universidad. Na seqüência, Léo cruzou rasteiro da esquerda e Deivid perdeu o gol embaixo da trave.

Aos 32min, Deivid finalmente mandou a bola para as redes, mas o árbitro Horacio Elizondo anulou. Bóvio invadiu a área pela direita e chutou cruzado. O camisa 9 apareceu para empurrar para as redes, mas estava impedido.

Se Deivid não conseguiu marcar, Flávio, que substituiu neste jogo o lesionado Paulo César, se aventurou no ataque e abriu o placar. Aos 34min, Ricardinho dominou na entrada da área e, de calcanhar, mandou a bola por entre dois zagueiros para o pé do lateral-direito, que apenas teve o trabalho de empurrar para as redes. Cinco minutos depois Robinho também tentou, mas acertou a trave.

“A gente não se contenta com esse placar porque é perigoso. Temos que manter uma postura ofensiva para buscar o segundo gol e ficar mais tranqüilo”, avisou o técnico Gallo, no intervalo do jogo.

Mas o que se viu na segunda etapa foi um Santos menos ofensivo, cadenciando mais o jogo. Tanto que, aos 9min, a Universidad conseguiu seu primeiro chute ao gol. Rivarola fez boa jogada pela esquerda e arriscou de fora da área para defesa de Mauro, que substituiu o contundido Henao.

Mas nada que abalasse o Santos. Tanto que, mesmo sem muita pressão, o time santista ampliou o placar. Bóvio cruzou da esquerda e Robinho, que não marcava pela Libertadores desde o dia 6 de abril, escorou para as redes. Na comemoração, o jogador saiu vibrando e apontando para o seu nome e número em sua camisa.

E ainda tinha mais. Aos 44min, Robinho aplicou um chapéu em um zagueiro, fintou o segundo marcador e foi derrubado dentro da área. Pênalti que o camisa 7 bateu e garantiu a vaga à próxima fase da Libertadores.

Juventude 1 x 2 Santos

Data: 01/09/2004
Competição: Campeonato Brasileiro
Local: Estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul, RS.
Público: 14.165
Renda: R$ 54.656,00
Árbitro: Cléver Assunção Gonçalves (MG)
Assistentes: Marco Antonio Martins e Rodrigo Otavio Baeta (ambos de MG)
Cartões Amarelos: Elano (S) e Deivid (S)
Gols: Elano (11-1) e Naldo (25-1); Ricardinho (43-2).

JUVENTUDE
Eduardo Martini; Neto, Naldo e Thiago; Jancarlos, Lauro, Donizete Amorim, Vanderson (Reinaldo Aleluia) (Leonardo Manzi) e Zé Rodolpho; Da Silva e Lopes.
Técnico: Ivo Wortmann

SANTOS
Mauro; Flávio (Bóvio), Antonio Carlos (Domingos), André Luís e Léo; Zé Elias, Fabinho, Ricardinho e Elano; Deivid e Basílio (Ávalos)
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Com gol de Ricardinho no final, Santos vence e mantém a liderança

Com um gol de Ricardinho aos 44min do segundo tempo, o Santos venceu o Juventude por 2 a 1, no estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul, e garantiu a liderança do Campeonato Brasileiro na 28ª rodada.

Com o resultado, o time paulista chegou a 51 pontos. A equipe gaúcha, concorrente direta pelo topo da tabela, permaneceu com 48.

Mesmo que o Atlético-PR vença o Guarani nesta quinta e atinja os 51 pontos, ficará atrás no número de vitórias.

A vitória ainda redimiu a equipe santista de seu maus resultados no Sul. Até então, a equipe do técnico Vanderlei Luxemburgo havia feito quatro partidas na região e perdido as quatro.

Mesmo sem o atacante Robinho, que está com a seleção brasileira, e o goleiro Tapia, convocado pelo Chile, o Santos saiu na frente.

Aos 11min, Elano chutou da esquerda, a bola desviou no meia Lopes e enganou o goleiro Eduardo Martini.

O empate da equipe da casa veio aos 25min. Naldo cobrou falta e Mauro, substituto de Tapia, deixou a bola entrar.

Aos 44min, Basílio foi lançado e dividiu a bola com Eduardo Martini na entrada da área. O rebote sobrou para Ricardinho, que, com o goleiro adiantado, tocou por cima, marcando um gol antológico. Quando o resultado parecia definido, o meia Ricardinho mostrou a técnica que o levou a seleção brasileira. Lançamento longo para Basílio, que o goleiro Eduardo Martini afastou saindo de carrinho naa meia-lua. A bola sobrou para Ricardinho, que bateu de primeira, por cobertura, de cerca de 40 metros. O chute caprichosamente bateu no travessão, pelo lado de dentro, e entrou, selando a vitória santista. O zagueiro Neto tentou salvar sem sucesso. Esse gol manteve o Santos na ponta, sendo perseguido de perto pelo Atlético-PR.