Grêmio - Acervo Santista

Navegando Posts marcados como Grêmio

Grêmio 5 x 1 Santos

Data: 06/05/2018, domingo, 19h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 3ª rodada
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre, RS.
Público: 27.844
Renda: R$ 822.966,00
Árbitro: Pericles Bassols Pegado Cortez (PE)
Auxiliares: Cleberson do Nascimento Leite e Marcelino Castro de Nazare (ambos do PE).
Cartões amarelos: Lucas Veríssimo, Dodô e Alison (S).
Gols: Maicon (30-1), Jean Mota (32-1) e Everton (46-2); Maicon (09-2), André (24-2) e Arthur (34-2).

GRÊMIO
Marcelo Grohe; Léo Moura (Madson), Pedro Geromel, Kannemann e Bruno Cortez (Marcelo Oliveira); Maicon, Arthur, Ramiro, Luan e Everton; André (Jael).
Técnico: Renato Gaúcho

SANTOS
Vanderlei; Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, David Braz e Dodô; Alison, Léo Cittadini (Copete) e Jean Mota; Eduardo Sasha, Rodrygo (Vitor Bueno) e Gabriel (Arthur Gomes).
Técnico: Jair Ventura



Retranca não funciona, e Santos é goleado pelo Grêmio

O Grêmio goleou o Santos por 5 a 1 na noite deste domingo, em sua arena, pela quarta rodada do Campeonato Brasileiro. O Tricolor superou a retranca do Peixe com tranquilidade e marcou com Maicon (2), Everton, André e Arthur. O de honra foi de Jean Mota.

Os gaúchos dominaram o jogo desde o início e viram um alvinegro de certa forma covarde, tentando se defender e se desfazendo da bola com rapidez. No primeiro tempo, o Santos perdeu “apenas” por 2 a 1. Na segunda etapa, com a mesma postura, os visitantes sucumbiram à pressão.

O Grêmio, insaciável, tentou aumentar a goleada a todo tempo. O Santos, nocauteado, tentou não ser humilhado. A derrota teve gritos de olé desde cedo e até uma discussão calorosa entre os companheiros Vanderlei e Alison.

O jogo:

O Grêmio teve domínio total nos primeiros 48 minutos de jogo. A postura do Santos, desde o pontapé inicial, ficou clara: defender e tentar se contra-atacar. O problema foi uma retranca incompetente e a dificuldade para trocar três passes consecutivos quando a bola, poucas vezes, ficou nos pés dos alvinegros.

Com o Peixe quase todo na defesa, o Tricolor teve calma para rodar a bola e tentar encontrar espaços. Em boa parte da etapa inicial, a saída foi finalizar de fora da área. Com o tempo, porém, os atalhos foram encontrados, principalmente depois do primeiro gol. E um golaço. Aos 30 minutos, Maicon recebeu na intermediária ofensiva. O capitão teve tempo para dominar, olhar pensar e… brilhar. Um chute indefensável, no ângulo de Vanderlei.

Ao tomar o gol, o alvinegro teve que abdicar de sua postura conservadora. Mas durou pouco. Dois minutos depois, Rodrygo acelerou e Léo Cittadini tocou para Jean Mota achar um gol. O meia chutou fraco, com a perna direita (ruim) e contou com o desvio em Kannemann para pegar Marcelo Grohe no contrapé.

Com a igualdade no placar, o Santos poderia ter tentado incomodar mais o Grêmio, mas voltou para a estratégia inicial: se defender. E não deu certo: O Grêmio empilhou chances, viu Luan acertar o travessão, e aos 46 minutos, a justiça foi feita, quando Everton recebeu de Léo Moura na área e deslocou Vanderlei. Alison e Lucas Veríssimo não foram bem na jogada.

Depois de perder por pouco no primeiro tempo, o Santos sucumbiu na segunda etapa. A conversa no vestiário deve ter sido a mesma da preleção e, mesmo com a desvantagem, a postura foi a mesma: tentar se defender e atacar quando der.

O Grêmio, insaciável, ampliou novamente com Maicon, em cobrança de falta perfeita aos 9 minutos. Sem qualquer indício de reação, o Peixe tinha um novo objetivo: não ser goleado. E a missão não foi alcançada. Depois de várias chances criadas, André fez valer a ‘Lei do Ex’ e empurrou após passe de Luan aos 24 minutos. E aos 34′, Arthur, com todo o espaço do mundo, deslocou Vanderlei em mais uma tentativa de fora da área.

Em todo esse tempo relatado acima, o Santos foi incapaz de criar uma chance clara de gol. E a jogada do quarto do Grêmio resume o que foi a partida, com gritos de olé desde cedo: Daniel Guedes invadiu a área e chutou o chão. Na sequência, contra-ataque concluído por André.

Nos minutos finais, o Peixe, nocauteado, correu o risco de uma goleada histórica. O Grêmio, melhor time do futebol brasileiro, teve o luxo de preservar Léo Moura, Bruno Cortez e André. O alvinegro tentou melhorar com as entradas de Copete, Arthur Gomes e Vitor Bueno, mas não melhorou. Nem perto disso.

Jair nega vexame, mas admite noite ruim do Santos após goleada

O Santos foi goleado por 5 a 1 pelo Grêmio neste domingo, em Porto Alegre, mas Jair Ventura não acredita que tenha sido um vexame. O técnico, porém, admitiu a noite ruim do Peixe.

“Foi um jogo onde uma equipe fez uma excelente partida e nós não fizemos. Todo mundo tem a liberdade de expressão, mas vejo placar elástico de uma equipe com treinador há muito tempo, e em contrapartida o Santos longe de seu melhor jogo. Não acho que seria essa palavra (vexame), mas você (repórter) tem total liberdade de falar”, disse Jair, em entrevista coletiva.

O treinador não achou que errou em sua estratégia de jogo, de marcar bem e buscar contra-ataque. Na visão de Jair, o Peixe já venceu assim em outras oportunidades.

“Sobre a estratégia, foi a mesma de quando ganhamos, mas hoje não deu certo por uma noite muito boa do Grêmio e uma não boa do Santos. Poderíamos ter saído com outro placar, poderia ter sido diferente, agora é fácil falar. Temos que fazer diferente na próxima oportunidade”, completou.

Braz “elogia” discussão entre Vanderlei e Alison após goleada e critica arbitragem

A goleada por 5 a 1 para o Grêmio neste domingo, em Porto Alegre, causou até uma discussão entre companheiros do Santos. Vanderlei e Alison bateram boca de forma calorosa pouco antes do apito final.

Capitão, David Braz viu o lado bom da discussão entre os santistas. A reportagem do SporTV tentou ouvir Vanderlei, mas o zagueiro pediu para falar no lugar do camisa 1.

“Às vezes acontece isso pelo resultado e jogo ruim. Faz parte. São grandes amigos. É até bom por ninguém estar contente com o resultado. Vamos nos cobrar e o resultado diz tudo”, disse o camisa 14.

Braz elogiou o futebol do Grêmio e admitiu a inferioridade do Santos nessa partida, mas também reclamou da arbitragem de Pericles Bassols Pegado Cortez (PE).

“Grêmio vem jogando bem, tem o fator casa, mas tem a ajudinha da arbitragem também. Pelo amor de Deus. Gol de falta no Maicon não foi. André grita e é falta. Grêmio se animou com esse gol e a gente saiu para a frente, tentou ir para cima e aproveitaram o contra-ataque. Agora tem que ter cabeça fria, é difícil, e teremos decisão na Copa do Brasil”, concluiu o defensor.

Presidente do Santos apoia Jair e promete reforços para ajudá-lo

A derrota por 5 a 1 para o Grêmio não faz o Santos cogitar a demissão de Jair Ventura. Pelo contrário. O presidente José Carlos Peres e os demais dirigentes aprovam o trabalho do técnico e veem parcela de culpa nas dificuldades neste início de temporada.

A principal dívida com Jair é a ausência de um meia para substituir Lucas Lima. E esse armador só virá depois da Copa do Mundo, a partir de julho, na reabertura da janela internacional de transferências e a retomada do futebol no país.

“Não há nenhuma possibilidade de demissão”, disse Peres, em rápido contato com a reportagem da Gazeta Esportiva, antes de responder o que pode fazer para ajudar Jair Ventura.

“Reforços! Mas dependemos da janela se desejarmos qualidade”, completou o presidente, indicando que as soluções não virão do mercado nacional.

O Comitê de Gestão do Santos se reunirá na noite desta segunda-feira, na Vila Belmiro, para tratar de reforços e outros assuntos. A ideia é definir os alvos e encaminhar as negociações. Um volante, um meia e um centroavante estão nos planos. Até o momento, Dodô, Gabigol e Eduardo Sasha, três titulares, foram contratados.

Uma das preocupações do Peixe é a postura do elenco nas derrotas para o Nacional-URU e Grêmio. A apatia é vista como incomum, além da discussão em campo entre Vanderlei e Alison e a cera feita pelos atletas desde os primeiros minutos. Uma conversa da diretoria com os jogadores está prevista para os próximos dias.


Santos 1 x 0 Grêmio

Data: 19/11/2017, domingo, 19h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 36ª rodada (antepenúltima)
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 4.206 pagantes
Renda: R$ 120.160,00
Árbitro: Pericles Bassols Pegado Cortez (PE)
Auxiliares: Cleberson do Nascimento Leite e Marcelino Castro de Nazare (ambos de PE).
Cartões amarelos: Alison e Lucas Veríssimo (S); Jael e Kaio (G).
Gol: Copete (31-1).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Luiz Felipe, Lucas Veríssimo e Jean Mota; Alison, Renato e Vecchio (Daniel Guedes); Bruno Henrique, Copete (Arthur Gomes) e Ricardo Oliveira (Orinho).
Técnico: Elano Blumer

GRÊMIO
Paulo Victor; Leonardo, Bressan, Rafael Thyere e Conrado; Cristian, Machado, Kaio (Pepê) e Patrick (Batista); Dionathã (Lucas Poleto) e Jael.
Técnico: Alexandre Mendes



Santos vence reservas do Grêmio e se garante na pré-Libertadores

Não foi desta vez que o Santos voltou a encantar seu torcedor. Apresentando um futebol pragmático, o Peixe foi pressionado pelos reservas do Grêmio, mas contou com um gol de Copete para vencer por 1 a 0, na noite deste domingo, na Vila Belmiro, pela 36ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Com o triunfo, o alvinegro chegou aos 59 pontos, manteve-se na quarta colocação e confirmou a classificação para a Libertadores. Porém, como o Flamengo também venceu o Corinthians e ficou com 53, os santistas ainda não garantiram matematicamente a vaga direta na fase de grupos do torneio continental.

O Grêmio, por sua vez, segue em segundo, com 61, mas pode ser ultrapassado pelo Palmeiras, que pega o Avaí nesta segunda-feira, na Ressacada.

O jogo:

Enfrentando os reservas do Grêmio, o Peixe até começou a partida mostrando iniciativa. Aos 8 minutos, Alison pegou rebote de escanteio e deu belo chute. A bola quicou e tinha a direção do ângulo. Porém, Paulo Victor fez grande defesa e afastou o perigo.

Mesmo com um time C, o Tricolor Gaúcho ‘acordou’ aos 16, quando Machado avançou no meio e bateu forte para Vanderlei espalmar. Dois minutos depois, Kaio apareceu dentro da área e cruzou para Patrick. O meia ganhou da marcação e chutou forte, obrigando o goleiro santista a fazer outra grande defesa.

Na sequência, Machado cobrou falta na entrada da área, a bola desviou na barreira e passou raspando a trave.

Os gremistas seguiram melhorem na partida. Aos 30, Dionathã recebeu de Jael e tentou lindo chute colocado de longe. Vanderlei nem se mexeu, mas a bola explodiu na trave esquerda.

Porém, o velho ditado “quem não faz toma” atacou novamente. Em rápido contra-ataque, Vecchio
lançou Copete em velocidade. O colombiano deu um toquinho por cima para vencer Paulo Victor e abrir o placar na Vila.

O tento reanimou o Peixe. Aos 35, Ricardo Oliveira recebeu cruzamento do lado esquerdo e desviou de cabeça no ângulo esquerdo de Paulo Víctor, que voou para encaixar. No lance seguinte, Copete cruzou para Bruno Henrique dentro da área. O atacante ganhou da zaga, mas cabeceou pra fora.

Nos últimos minutos, a partida ficou aberta, com os dois times perdendo oportunidades. Porém, o embate foi para o intervalo com o Santos vencendo por 1 a 0.

O segundo tempo voltou em um ritmo mais lento, tanto que a primeira oportunidade clara surgiu aos 10 minutos, quando o Peixe veio em contra-ataque e Bruno Henrique chutou firme para a defesa de Paulo Victor.

No decorrer da partida, os gremistas, em desvantagem, passaram a ter mais a posse de bola, enquanto o alvinegro esperava um bom contragolpe para ‘matar’ o duelo. Porém, nenhuma das duas equipes conseguiu realizar suas respectivas metas e o Santos acabou com a vitória pelo placar mínimo.

Bastidores – Santos TV:

Elano se coloca à disposição para seguir como técnico do Santos em 2018

Elano é o atual técnico do Santos. Porém, a permanência dele em 2018 ainda é uma incógnita. Após substituir o demitido Levir Culpi, o ex-jogador ainda espera uma definição das eleições presidenciais do clube, que acontecem de dezembro. Mesmo assim, ele já se colocou à disposição para permanecer no cargo e ainda revelou que já iniciou o planejamento para 2018.

“Espero continuar ano que vem para que eu possa começar um trabalho do começo. Contem comigo. Sou Santos sempre. Diretoria não pode contratar ou vender agora por causa da eleição. Mas programação de pré-temporada está montada. Sentei e fiz o planejamento para 2018 com os funcionários. Está pronto. 3 de janeiro seria a reapresentação”, disse o comandante após a vitória por 1 a 0 sobre o Grêmio, na Vila Belmiro, pela 36ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Com o triunfo, o alvinegro chegou aos 59 pontos, manteve-se na quarta colocação e confirmou a classificação para a Libertadores. Porém, como o Flamengo também venceu o Corinthians e ficou com 53, os santistas ainda não garantiram matematicamente a vaga direta na fase de grupos do torneio continental.

“Foram três jogos em sete dias, é um desgaste muito grande. Eu conheço um pouco do trabalho do Renato, e eu sei que ele trabalha todos do mesmo jeito, é um time bem treinado e de muita qualidade e vem totalmente descansado. Os nosso jogadores tem muito mérito. Tiveram dificuldades, mas o objetivo da noite foi alcançado”, comemorou o treinador.

Copete vibra com fim de jejum, mas valoriza trabalho coletivo do Santos

Jonathan Copete passava por uma péssima fase no Santos. Sem marcar desde o dia 26 de julho, quando anotou dois tentos na vitória santista por 4 a 2 sobre o Flamengo, pelas quartas de final da Copa do Brasil, o atacante havia perdido a vaga de titular para Arthur Gomes. Porém, o jovem não foi bem quando entrou e o colombiano acabou voltando ao time contra o Grêmio, neste domingo, na Vila Belmiro, pela 36ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Iluminado, Copete foi o autor do único gol da partida, garantindo a vitória do Peixe por 1 a 0. Após a partida, o atacante comemorou o fim do jejum, mas preferiu destacar o trabalho coletivo da equipe comandada por Elano.

“Entrei e consegui fazer um gol. Foi importante marcar. Sabemos que seria um jogo muito difícil. A gente entra dentro de campo e dá o melhor que tem. É um trabalho em conjunto. Estamos concentrados para fazer as coisas bem”, disse o colombiano na saída do gramado.

Com o triunfo, o alvinegro chegou aos 59 pontos, manteve-se na quarta colocação e confirmou a classificação para a Libertadores. Porém, como o Flamengo também venceu o Corinthians e ficou com 53, os santistas ainda não garantiram matematicamente a vaga direta na fase de grupos do torneio continental.

Gremistas exaltam desempenho dos reservas e focam na final da Liberta

O Grêmio saiu da Vila Belmiro derrotado pelo Santos neste domingo, mas os tricolores passaram longe do discurso de lamentação pelo revés. Após o confronto, os atletas foram unânimes em exaltar o desempenho do time reserva escalado por Renato Gaúcho.

“Acho que tivemos um bom volume de jogo. A primeira oportunidade foi nossa. Pelo pouco que treinamos, uma equipe que nunca jogou junto, acho que tivemos uma boa atuação. O time foi bem, de modo geral. Agora é melhorar e projetar o jogo com o Atlético-GO”, disse o centroavante Joel.

“Acho que está todo mundo de parabéns, mostramos que o Grêmio tem um time muito forte. Se a gente analisar friamente, eles tiveram só uma chance. A gente teve umas três ou quatro. Estamos de parabéns, encurralamos o Santos desde o primeiro tempo. Jogamos o tempo todo no campo deles”, afirmou o volante Cristian.

O Grêmio jogou com o time reserva, já que está totalmente focado na decisão da Libertadores da América. O primeiro jogo contra o Lanús será na quarta-feira, em Porto Alegre.

“Tem que dar os parabéns para todos pela entrega. Os guris foram muito bem, deram conta do recado. Jogar aqui é sempre muito difícil. O grupo está de parabéns, o Grêmio se mostra muito forte. Agora é pensar em quarta-feira”, completou Bressan.

Vice-líder com 61 pontos, o Grêmio soma dois a mais que o Santos, quarto colocado. O Palmeiras é o terceiro com 60 e pode ficar com a segunda colocação nesta segunda-feira, em duelo contra o Avaí em Florianópolis. A disputa é importante pela premiação. O segundo colocado levará R$ 11.373.030,00 da CBF, quanto o terceiro ficará com R$ 7.759.170,00, e o quarto, com R$ 5.633.370,00.


Grêmio 1 x 1 Santos

Data: 30/07/2017, domingo, 19h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 17ª rodada
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre, RS.
Público: 32.251
Renda: R$ 1.059.399,00
Árbitro: Braulio da Silva Machado (SC)
Assistentes: Kleber Lucio Gil e Neuza Ines Back (ambos de SC).
Cartões amarelos: Edílson, Geromel, Maicon e Ramiro (G); David Braz, Yuri, Vanderlei, Thiago Ribeiro e Lucas Lima (S).
Cartões vermelhos: Edílson (G).
Gols: David Braz (44-1) e Fernandinho (47-1).

GRÊMIO
Marcelo Grohe; Edílson, Geromel, Kannemann e Bruno Cortez; Maicon, Ramiro, Fernandinho, Everton (Arroyo, 29’/2ºT; Jailson, 44’/2ºT) e Pedro Rocha; Luan.
Técnico: Renato Portaluppi

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz (Daniel Guedes, 46’/2ºT), Lucas Veríssimo, David Braz e Jean Mota; Yuri, Alison (Leandro Donizete, 35’/2ºT) e Lucas Lima; Copete, Bruno Henrique e Ricardo Oliveira (Thiago Ribeiro, 25’/2ºT).
Técnico: Levir Culpi



Santos segura pressão do Grêmio e arranca empate em Porto Alegre

Grêmio e Santos fizeram um típico duelo de ataque contra defesa neste domingo, em Porto Alegre. O Peixe, atuando fora de casa, até começou bem a partida, mas passou a ser completamente dominado após os minutos iniciais. Mesmo assim, o time comandado por Levir Culpi abriu o placar com David Braz ainda no primeiro tempo. Porém, a alegria dos santistas durou pouco, afinal, Fernandinho empatou na sequência. Já na segunda etapa, mesmo sem fazer um jogo brilhante, o alvinegro conseguiu segurar o ímpeto gremista e arrancou um empate na Arena.

Com a igualdade, Tricolor e Peixe seguem em segundo e terceiro, respectivamente. Porém, as duas equipes não conseguiram diminuir a diferença para o líder Corinthians, que apenas empatou com o Flamengo em Itaquera e parou nos 41 pontos.

O jogo:

Apesar de entrar com Alison no lugar do lesionado Vecchio, o Santos não limitou-se a ficar somente na defesa e até chegou a ter um pequeno domínio do jogo nos primeiros minutos. Porém, após o bom início, o Peixe viu o Grêmio ‘acordar’ e passou a ser completamente dominado na Arena.

Mesmo impondo seu toque de bola com facilidade, a equipe gaúcha só assustou de verdade aos 23 minutos, quando Ramiro soltou uma bomba e Vanderlei defendeu. No rebote, Everton isolou.

Após a chance perdida, o tricolor cresceu de vez e começou a colocar o Santos ‘na roda’. Aos 27, Geromel deu belo lançamento para Pedro Rocha, que deixou escapar. Porém, Everton seguiu na jogada e caiu após divida com Jean Mota. Os gremistas pediram pênalti, mas a arbitragem mandou seguir.

Sufocante, o Grêmio quase abriu o placar no lance seguinte, quando Luan bate cruzado, a bola desviou na zaga santista e passou perto da trave direita de Vanderlei.

Três minutos depois, os gaúchos desperdiçaram mais uma oportunidade clara com Everton, que pegou rebote de Lucas Veríssimo dentro da área, mas mandou para fora.

Mas como dizem no futebol, quem não faz, toma. Apesar da enorme pressão gremista, quem abriu o placar na Arena foi o Santos. Após cobrança de escanteio de Jean Mota, Bruno Henrique desviou e David Braz cabeceou firme para fazer 1 a 0 aos 44 minutos.

Porém, a alegria santista durou pouco. No último lance do primeiro tempo, Pedro Rocha bateu forte de dentro da área e Vanderlei operou um milagre. Mas no rebote, Fernandinho apareceu completamente livre para cabecear e empata o jogo.

A segunda etapa começou do mesmo jeito que a primeira terminou: com o Grêmio dominando. Logo aos sete minutos, Pedro Rocha mandou de fora da área e Vanderlei salvou mais uma. Depois, foi a vez de Everton tentar o chute, mas parar em cima do zagueiro Lucas Veríssimo.

O Santos, por sua vez, seguia tendo muita dificuldade para avançar ao ataque. Sofrendo com a ‘marcação pressão’ dos gremistas, o Peixe não assustou Marcelo Grohe.

Porém, apesar se continuar sendo ineficiente na parte ofensiva, a equipe comandada por Levir conseguiu segurar um pouco o ímpeto do Grêmio com o passar da segunda etapa e ‘esfriou’ o jogo até o apito final de Braulio da Silva Machado.

Lucas Lima vê Santos ‘muito recuado’, mas comemora empate

Apesar de ter começado o duelo arriscando algumas jogadas no ataque, o Santos foi completamente dominado pelo Grêmio em grande parte do duelo deste domingo, em Porto Alegre, pela 17ª rodada do Campeonato Brasileiro. Mesmo assim, a equipe comandada por Levir Culpi conseguiu arrancar o empate em 1 a 1.

O meia Lucas Lima admitiu que o Peixe entrou em campo com a proposta de atuar mais recuado, porém, ele lamentou as falhas na marcação.

“A gente veio muito recuado, mas tivemos dificuldade na marcação. Eu, particularmente, joguei muito atrás. Tentamos nos adaptar ao jogo deles. Mas conseguimos segurar a pressão e esse pontinho pode fazer muita diferença lá na frente”, explicou o camisa 10 na saída do gramado.

Santistas acreditam em queda do Corinthians no Brasileiro: “Vamos lutar”

Após a eliminação na Copa do Brasil, o Santos concentra suas forças apenas no Campeonato Brasileiro e na Libertadores. E como o Peixe volta a jogar pelo torneio mata-mata apenas no próximo dia 10, quando encara o Atlético-PR, na Vila Belmiro, os santistas terão três rodadas para encostarem no Corinthians, líder da competição nacional.

Atualmente, o Alvinegro da Vila, que ocupa a terceira posição no Brasileiro, está a 10 pontos de distância para o rival na tabela. A distância, porém, não preocupa os comandados de Levir Culpi, que acreditam na queda de rendimento do Timão nos próximos jogos.

“São 10 pontos, o equivalente a quatro jogos, contando com tropeços deles. Nem terminou o primeiro turno ainda. O Brasileiro é muito disputado, complicado. Respeitamos os adversários. Futebol é dinâmico, as coisas podem mudar e talvez não sejam tão favoráveis a eles. Nós temos uma única convicção: vamos lutar até o final. Temos capacidade no elenco. E depois vemos o que está reservado para a gente. Vamos brigar pelo título, com certeza”, decretou o capitão Ricardo Oliveira.

O camisa 9, inclusive, será titular do Peixe no duelo decisivo contra o Grêmio, neste domingo, às 19h (de Brasília), em Porto Alegre, pela 17ª do Brasileirão. Caso vença o Tricolor Gaúcho, o Santos alcança a vice-liderança do torneio.

“Jogo contra o Grêmio é confronto direto, equipe muito bem qualificada. Vamos usar todo o nosso poderio ofensivo, poderio como equipe, para buscarmos um ótimo resultado lá dentro. Vamos nos preparar nesses poucos dias”, concluiu o centroavante.

Gremistas reclamam de retranca do Santos; Arroyo se machuca

O discurso dos jogadores do Grêmio após o empate por 1 a 1 com o Santos na noite desse domingo foi no mínimo repetitivo. A retranca santista irritou os atletas do Tricolor Gaúcho, que tentaram valorizar o ponto conquistado, mas não deixaram de condenar a estratégia da equipe de Levir Culpi.

“O time deles só se defendeu, não chutaram no gol praticamente. Tivemos muitas chances, mas infelizmente não conseguimos ganhar o jogo”, comentou Geromel. “A equipe tentou de todas as maneiras, equipe deles ficou com os 11 dentro da área praticamente. No segundo tempo eles se fecharam de uma maneira que era quase impossível entrar. Tentamos com tabelas, cruzamentos, chutes de longa distância. Dominamos os 90 minutos”, reforçou Ramiro, que foi ainda mais longe.

“Foi o time que veio mais fechado desde que estou no Grêmio, e olha que cheguei em 2013. Tentamos de todas as maneiras e não teve jeito da bola entrar”, comentou o atacante.

O capitão Maicon foi outro a lamentar o empate, mas evitou disparar críticas sobre a arbitragem, alvo de muitos questionamentos durante o jogo, inclusive do volante, um dos mais irritados no gramado.

“Deixar que a diretoria tome as providências, reclame do jeito que tem que reclamar. Valeu pelo nosso empenho. A equipe ficou em cima e o Santos fez o gol em uma bola parada. Paciência”, disse. “Se uma equipe merecia ganhar o jogo era a nossa”, completou Fernandinho.

Suspeita de fratura

Michael Arroyo estreou pelo Grêmio nesse domingo e já se tronou uma preocupação para a comissão técnica. O atacante equatoriano de 30 anos substituiu Jailson aos 44 minutos do segundo tempo e, em sua primeira jogada, levou a pior na dividida com Victor Ferraz. Com o rosto sangrando, o atleta foi levado ao hospital com suspeita de fratura no local.

Renato Gaúcho poupa árbitro, mas avisa: “Não quero padre em campo”

O árbitro catarinense Braulio da Silva Machado teve muito trabalho na Arena do Grêmio na noite desse domingo. O jovem juiz foi muito questionado tanto por gremistas quanto por santistas durante o confronto em Porto Alegre, precisou dar dez minutos de acréscimo e acabou expulsando o lateral Edílson nos minutos finais, quando ainda disparou cartões amarelos para tentar conter as reclamações.

Após o apito final, o clima continuou quente, com os jogadores brigando entre si. Renato Gaúcho entrou no gramado para afastar seus atletas da confusão e cumprimentou Braulio normalmente. Posteriormente, em entrevista coletiva, o treinador mandou seu recado.

“Sobre arbitragem eu não gosto de comentar, não falo, deixo para vocês, diretoria, não cabe a mim. Tenho de analisar minha equipe dentro de campo. Não falo de arbitragem. Procuro treinar minha equipe”, disse, sem deixar, porém, de comentar o lance que gerou o cartão vermelho a Edilson.

“Não quero que minha equipe seja freira, não quero padre em campo. Na hora de chegar junto, tem de chegar junto. Meu time é de homens, não vai aceitar tudo, cabisbaixo, mãozinha para trás. Eu falo para ter respeito com árbitros e adversários. O Edílson queria bater rápido (a falta), empurrou o jogador (Thiago Ribeiro), o juiz quis dar o cartão vermelho, isso eu não comento, foi escolha dele, mas meu time vai chegar junto, sim. Sempre com respeito, mas vai chegar junto”, avisou.

Sobre o jogo em si, Renato Gaúcho mais uma vez disparou elogios a sua equipe e evitou lamentar o fato do Grêmio ter desperdiçado a chance de ficar a seis pontos do líder Corinthians na tabela de classificação. A vantagem dos paulistas segue em oito pontos.

“Normal no futebol, nem sempre você vai ganhar, mas o que me deixa feliz é que minha equipe jogou bem de novo, criou, o Vanderlei estava em uma noite feliz, faz parte. A gente cria para fazer os gols, mas nem sempre consegue. Enfrentamos uma grande equipe, terceira colocada, mas o Grêmio foi bem superior, jogou o tempo todo no campo do Santos. Infelizmente tomamos um gol no fim do primeiro tempo, empatamos, mas a bola não entrou mais”, analisou.

Para o próximo duelo, quarta-feira, contra o Atlético-GO, fora de casa, Renato não poderá contar com Geromel, Arroyo, Edílson e ainda pode perder Barrios mais uma vez. Mesmo assim, nada de lamentações. “É um grupo. Confio em todos. Vamos com o que temos de melhor”.


Santos 1 x 1 Grêmio

Data: 16/10/2016, domingo, 19h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 31ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 7.969 pagantes
Renda: R$ 230.510,00
Árbitro: Pablo dos Santos Alves (PB)
Auxiliares: Oberto Santos da Silva e Tomaz Diniz de Araújo (ambos de PB).
Cartões amarelos: Lucas Lima (S); Lincoln, Guilherme Amorim, Bruno Grassi, Kannemann, Maicon, Rafael Thyere e Lincoln (G).
Gols: Everton (09-1) e Noguera (20-1).

SANTOS
Vanderlei, Victor Ferraz, Fabián Noguera, David Braz (Yuri) e Zeca; Renato, Thiago Maia (Paulinho), Lucas Lima e Jean Mota (Vitor Bueno); Copete e Ricardo Oliveira.
Técnico: Dorival Junior

GRÊMIO
Bruno Grassi; Wallace Oliveira, Rafael Thyere, Fred (Kannemann) e Iago; Guilherme Amorim, Jailson, Kaio (Maicon) e Lincoln; Guilherme (Bolaños) e Everton.
Técnico: Renato Gaúcho



Santos tropeça nos reservas do Grêmio e perde chance de subir na tabela

A derrota do Atlético-MG para o Botafogo daria a chance de o Santos assumir a terceira posição do Campeonato Brasileiro, porém o Peixe tropeçou no time reserva do Grêmio e ficou no empate por 1 a 1, neste sábado, na Vila Belmiro. O Tricolor gaúcho saiu na frente com Everton, mas Noguera deixou tudo igual.

Priorizando a Copa do Brasil, Renato Gaúcho surpreendeu ao escalar o Grêmio com uma formação totalmente alternativa. Os reservas da equipe gaúcha corresponderam e conseguiram sair na frente, mas depois sofreram o empate. O jogo foi bastante movimentado e terminou com chances para os dois times nos instantes finais.

O jogo

Atuando em casa contra a equipe reserva do Grêmio, o Santos começou no ataque e chegou pela primeira vez logo aos três minutos. Victor Ferraz apareceu na frente, cruzou para a área e Jean Mota finalizou em cima de Rafael Thyere. Na sequência da jogada, o Grêmio saiu em contra-ataque rápido e Everton por pouco não saiu cara a cara com Vanderlei. David Braz fez o desarme providencial.

O Peixe apostava nos ataques pelo lado direito. Aos cinco minutos, Victor Ferraz foi à linha de fundo e cruzou. A bola passou por toda a área e ficou com Lucas Lima, que tentou ajeitar para o meio, mas Thyere cortou. O Tricolor gaúcho respondeu quatro minutos depois, com gol. Everton recebeu na direita, girou em cima de Thiago Maia e bateu cruzado de pé esquerdo, sem chances para Vanderlei.

O gol sofrido obrigou o Santos a atacar, enquanto o Grêmio recuou o time. Aos 13 minutos, Jean Mota abriu pela lateral e arriscou a finalização, mas mandou nas mãos de Bruno Grassi. Na sequência, Victor Ferraz encontrou Ricardo Oliveira na área e o atacante caiu em disputa com Rafael Thyere. Os santistas reclamaram de pênalti, porém o árbitro nada marcou.

De tanto insistir, o Peixe chegou ao empate na marca de 20 minutos. Lucas Lima cobrou escanteio da esquerda e Noguera cabeceou com liberdade no meio da área. A bola ainda tocou na trave antes de entrar. Aos 28, quase veio a virada alvinegra. Copete recebeu lançamento nas costas da zaga e ficou frente a frente com Bruno Grassi, mas o goleiro gremista saiu bem do gol e evitou.

Melhor na partida, o Santos sufocava o Grêmio e criava chances de marcar. Aos 31, Ricardo Oliveira pegou sobra na área, girou e bateu forte. A bola desviou na zaga tricolor e saiu à direita de Bruno Grassi. Na cobrança de escanteio, Noguera novamente cabeceou livre, mas desta vez mandou por cima. Aos 35, Victor Ferraz cruzou para Copete, mas o colombiano furou. Zeca pegou a sobra e bateu de primeira da entrada da área, assustando o goleiro.

Mesmo acuado pelo poder ofensivo do adversário, o Grêmio não deixava de atacar. No final do primeiro tempo, aos 45 minutos, os gaúchos quase fizeram o segundo gol. Iago avançou pela esquerda, percebeu que tinha espaço e bateu forte rasteiro. Vanderlei se esticou todo e espalmou para escanteio.

O segundo tempo começou truncado, com as duas equipes cometendo mais faltas. O árbitro mostrou três cartões amarelos nos seis primeiros minutos. Santos e Grêmio tinham dificuldades para construir as jogadas, em especial no momento do passe que antecede a finalização. A primeira chance de perigo aconteceu apenas aos 18 minutos e foi do time da casa. Após boa trama pela esquerda entre Lucas Lima e Copete, o colombiano cruzou para a área. Thiago Maia chegou desviando de primeira, mas mandou na rede pelo lado de fora.

O Santos voltou a assustar a meta defendida por Bruno Grassi na marca de 21 minutos. Kannemann afastou mal e jogou a bola para a própria área. Ricardo Oliveira protegeu e Copete bateu de primeira, porém pegou muito embaixo da bola e mandou por cima. Aos 35, Vitor Bueno bateu forte da entrada da área e obrigou o arqueiro gremista a fazer grande defesa.

A partida ganhou em emoção nos minutos finais. Na marca de 38 minutos, o Grêmio desperdiçou grande chance. Everton arrancou com liberdade e deu uma cavadinha na cara de Vanderlei, que desviou a bola. O atacante pegou o rebote e tocou por cima, mas a bola bateu no travessão e saiu pela linha de fundo. O Santos respondeu na sequência com finalização de Vitor Bueno que carimbou o poste esquerdo de Bruno Grassi. Apesar das tentativas, o placar não foi mais alterado.

Bastidores – Santos TV:

Dorival lamenta empate do Santos, mas comemora ponto conquistado

O empate por 1 a 1 contra o Grêmio, neste domingo, na Vila Belmiro, não era o resultado que o Santos queria. O Tricolor gaúcho jogou com uma equipe alternativa e trouxe problemas para o Peixe, que saiu atrás no marcador, mas conseguiu buscar a igualdade. Dorival Júnior lamentou o empate, mas comemorou o ponto conquistado.

“Nós nos desgastamos muito para tentar procurar o empate e depois disso tivemos algumas dificuldades. No fim o jogo ficou muito franco, muito aberto de uma maneira desnecessária e os riscos foram muito claros para as duas equipes. Então não tem essa de que o sabor é de derrota. Nós sabíamos das dificuldades”, disse o treinador santista.

“Fizemos um ponto, nos aproximamos mais do que estão na nossa frente e a ideia é que continuemos assim a cada rodada, sempre pontuando. Naturalmente seria importante uma vitória, mas nem sempre ela acontece”, completou.

A decisão de Renato Gaúcho de mandar a campo uma formação alternativa para enfrentar o Santos na Vila Belmiro não surpreendeu Dorival. O comandante alvinegro defendeu a utilização dos jogadores reservas quando os titulares estão desgastados fisicamente.

“Não, ele já tinha dado um sinal desse tipo em uma das entrevistas dele. O ano passado nós fizemos errado e esse ano o Renato fez certo. É para vocês verem que o futebol não tem mágica. Quando um efetivo está cansado é muito melhor ter uma suplência descansada e em condições de poder brigar, de poder correr de igual para igual com uma equipe”, finalizou.

Dorival não descarta fazer mudanças no time para o duelo contra o Inter

Depois do empate por 1 a 1 com o Grêmio, no domingo, as atenções do Santos se voltam para o duelo de volta das quartas de final da Copa do Brasil contra o Internacional, nesta quarta-feira, às 19h30 (de Brasília), no Beira-Rio. Apesar da importância da partida, Dorival Júnior ainda não sabe se poderá contar com todos os titulares e não descartou utilizar alguns reservas, assim como fez Renato Gaúcho na Vila Belmiro.

“Não dá para saber. É isso que é difícil e as pessoas não conseguem entender. Nós ficamos sabendo internamente, não sei se procede, que a própria equipe do Grêmio, alguns jogadores, chegaram para o Renato e pediram para que não atuassem em razão do excessivo desgaste que estavam tendo e, de repente, o Renato modifica completamente a equipe. O nosso desgaste foi excessivo, foi um desgaste absurdo. O jogo do meio de semana já foi muito desgastante e você não consegue uma recuperação completa. Aí eu deixo a pergunta, qual é a decisão a ser tomada? O que é correto e o que não é?”, questionou Dorival em entrevista à TV Gazeta.

O treinador santista ressaltou que a decisão de escolher o time não é tão fácil como parece, mesmo diante de uma partida decisiva na reta final da segunda competição mais importante do futebol brasileiro.

“É muito complicado e nós temos de ter o discernimento a partir do momento que nós ouvimos o departamento médico, o departamento físico e a fisiologia para saber qual posição tomar. Mas nós precisamos de uma equipe forte e competitiva para o jogo forte e difícil de quarta-feira contra o Inter”, completou.

Com dois gols, Noguera vê bola aérea como ‘arma’ para ser titular

Acostumado a sofrer com as bolas aéreas, o Santos ganhou uma boa opção para ajudar a equipe pelo alto. No alvinegro desde julho, o zagueiro Fabián Noguera demorou para ganhar uma oportunidade, mas correspondeu quando entrou em campo. Em apenas três jogos, o defensor já tem dois gols marcados de cabeça. O primeiro veio em amistoso diante do Benfica, no dia 8, enquanto o segundo foi contra o Grêmio, neste domingo, pela 31ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Mostrando força pelo alto, o argentino vê esta jogada como sua principal arma dentro de campo e acredita que essa virtude pode lhe dar mais chances entre os titulares. Com 1,93 metros de altura, Noguera ainda vê o jogo aéreo como um problema no futebol brasileiro.

“Eu falava quando eu cheguei que olhava muito os times brasileiros, e muitos têm dificuldade em bolas de cabeça. Como minha especialidade é essa, com a cabeça, quero ajudar mais o time na bola parada”, afirmou o defensor, em entrevista coletiva nesta segunda-feira, no CT Rei Pelé.

Apesar de ser seu terceiro jogo com o camisa do Santos, o duelo contra o Grêmio foi a primeira vez que Noguera atuou durante os 90 minutos de uma partida. Afastado do Banfield desde quando assinou um pré-contrato com o Peixe, no começo do ano, o zagueiro acredita que isso atrapalhou seu ritmo de jogo e afirma ainda não estar 100% dentro de campo.

“Fisicamente eu cheguei bem. Fiz um trabalho especial quando cheguei aqui, mas ainda não estou 100% futebolisticamente, tanto que os últimos 10 minutos contra o Grêmio eu senti um pouco mais. Não tive pré-temporada este ano, e todo jogador precisa dos seus 15 dias de preparação para entrar bem. Finalizei o torneio na Argentina e ficava com seis meses de contrato, aí apareceu a proposta do Santos eu não renovei para assinar. Por conta disso, o Banfield me fez treinar à parte. Dorival achou que era melhor uma adaptação. Eles (Banfield) queriam fazer um novo contrato comigo, mas quando escutei a proposta do Santos, eu larguei tudo e só pensei em vir pra cá”, concluiu.

Vitor Bueno sente lesão novamente e vira dúvida contra o Inter

Após ficar 22 dias parado com uma lesão no músculo adutor da coxa esquerda, o meia Vitor Bueno voltou ao Santos neste domingo e participou dos minutos finais do empate por 1 a 1 contra o Grêmio, pela 31ª rodada do Campeonato Brasileiro. Porém, na reapresentação do elenco, nesta segunda-feira, o jogador sentiu uma fisgada no mesmo local e precisou sair do treino mais cedo, no CT Rei Pelé.

Treinando com bola desde o fim da última semana, Bueno estava sendo preparado para ser titular no confronto diante do Internacional, nesta quarta-feira, às 21h45 (de Brasília), no Beira-Rio, pelo duelo de volta das quartas de final da Copa do Brasil. Porém, o atleta passará por alguns exames para saber se terá condições de entrar em campo.

Artilheiro da equipe na competição nacional com 10 gols, o meia sentiu a lesão na derrota santista para o Sport, no último dia 24 de setembro, na Ilha do Retiro. Com previsão inicial de pelo menos um mês fora dos gramados, Bueno surpreendeu os médicos e retornou antes do tempo estipulado.

Na partida contra o Grêmio, neste domingo, o jogador entrou aos 32 minutos do segundo tempo e agradou ao técnico Dorival Júnior. Apesar do tempo parado, o meia participou de alguns lances e quase virou o jogo para o Santos em duas oportunidades. Na primeira, ele arriscou um chute de fora da área e obrigou o goleiro Bruno Grassi a fazer boa defesa. Depois, o jogador apareceu dentro da área e acertou a trave do arqueiro gremista.

Após o empate diante do Tricolor Gaúcho, o técnico Dorival Júnior comandou uma atividade só com os reservas e os atletas que entraram no segundo tempo da partida deste domingo. Enquanto isso, os titulares fizeram um treino regenerativo, visando o duelo contra o Internacional. Se Vitor Bueno não puder atuar, abaixa será dupla, já que o meia Jean Mota, substituto natural da posição, já atuou pelo Fortaleza na Copa do Brasil e não poderá jogar na competição

A equipe que deve encarar o Inter será formada por: Vanderlei; Victor Ferraz, Luiz Felipe, David Braz e Zeca; Thiago Maia, Renato e Lucas Lima; Vitor Bueno (Vecchio); Copete e Ricardo Oliveira.

Dorival nega gosto de derrota em empate do Santos: “Sabor de ponto”
Técnico valoriza ponto conquistado no 1 a 1 contra os reservas do Grêmio, na Vila Belmiro. Peixe poderia assumir a terceira colocação se vencesse

O Santos empatou por 1 a 1 contra o time reserva do Grêmio neste domingo, na Vila Belmiro. Sabor de derrota? Não. Resultado tem “sabor de ponto” para o técnico Dorival Júnior.

O treinador valorizou a atuação do Tricolor, que teve jogadores descansados em campo, e lamentou os erros no último passe e o azar para não chegar à vitória.

– Não tem essa de sabor de derrota. É um empate com sabor de ponto. Nós criamos, lutamos, tivemos chances de vencer. Jogamos contra um adversário difícil, descansado, focado. Renato (Gaúcho) foi bem na escolha – analisou o treinador em entrevista coletiva, na Vila Belmiro.

– Deixamos de acertar no último passe, ficamos ansiosos em busca do resultado, e tivemos azar também. No lance em que a bola bate na trave (chute do Vitor Bueno), sobra para Paulinho, que não consegue dominar, e Ricardo Oliveira estava sozinho. São coisas do jogo – completou.

Mesmo com a vantagem de nove pontos para o líder Palmeiras, Dorival não joga a toalha na disputa pelo título. Faltam sete rodadas para o término do Campeonato Brasileiro.

– Continuamos brigando até o último momento. Por que não o título? Temos sete jogos, 21 pontos. Há uma diferença considerável, ninguém aqui é insano de pensar diferente, mas estamos motivados e vamos até o fim. Não vamos mudar o pensamento por causa do resultado. Futebol é cíclico, muda muito. Temos confronto (direto) ainda – concluiu.

Grêmio 3 x 2 Santos

Data: 29/06/2016, quarta-feira, 19h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 12ª rodada
Local: Arena do Grêmio, em Porto Alegre, RS.
Público: 13.088 pagantes (14.865 presentes)
Árbitro: Eduardo Tomaz de Aquino Valadão (GO)
Auxiliares: Alessandro A Rocha de Matos (BA) e Bruno Raphael Pires (GO).
Cartões amarelos: Edilson, Douglas e Wallace (G); Lucas Lima, Zeca e Yuri (S).
Gols: Giuliano (02-1) e Douglas (44-1); Copete (19-2), Zeca (38-2) e Marcelo Hermes (44-2).

GRÊMIO
Marcelo Grohe; Edílson, Fred, Rafael Thyere (Marcelo Hermes) e Marcelo Oliveira; Walace, Jaílson, Giuliano, Douglas e Éverton (Guilherme); Luan (Bobo).
Técnico: Roger Machado

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Zeca; Renato (Jean Mota), Thiago Maia, Vitor Bueno (Jonathan Copete) e Lucas Lima; Gabriel e Rodrigão.
Técnico: Dorival Junior



Grêmio vence confronto direto na Arena e toma vaga do Santos no G4

O Grêmio reagiu diante de seu torcedor após duas derrotas seguidas e interrompeu a ascensão momentânea do Santos no Campeonato Brasileiro. Em confronto direto pela briga no topo da tabela, nesta quarta-feira, o Tricolor levou a melhor com uma vitória emocionante e dramática por 3 a 2 em cima do alvinegro praiano. Além de acabar com a chance do Peixe de assumir a liderança do nacional nesta 12ª rodada após 10 anos e 2 meses, os gaúchos ainda tomaram a vaga santista dentro do G4, independentemente dos resultados dos outros jogos.

O Santos pagou pela falta de concentração em momentos cruciais do duelo na Arena, em Porto Alegre. Logo aos 3 minutos, o time de Dorival Júnior levou o primeiro gol depois de Giuliano aproveitou rebote dado por Vanderlei. E quase nos acréscimos da primeira etapa, em lance muito parecido, foi a vez de Douglas aproveitar rebatida do goleiro alvinegro. O Peixe descontou no segundo tempo com o atacante Jonathan Copete, que fez sua estreia ao entrar no intervalo e não desperdiçou desvio de Gustavo Henrique em escanteio pela esquerda. Nos minutos finais, Zeca marcou um golaço de fora da área e empatou tudo, mas Lucas Lima perdeu uma bola dominada no campo de defesa e Hermes levou os gremistas ao delírio já aos 44 do segundo tempo.

O jogo

A expectativa antes da bola rolar era de jogão em Porto Alegre devido as duas equipes estarem tão próximas na tabela de classificação. Mas, enquanto o Grêmio entrou em campo preparado para uma decisão, o Santos acabou pagando pela desatenção nos minutos iniciais. Os defensores de Dorival Júnior não resistiram a pressão na saída de bola e foram surpreendidos. Éverton recebeu pela esquerda, limpou e bateu forte. Vanderlei espalmou e Giuliano não perdoou no rebote: 1 a 0 Tricolor com apenas 2 minutos de jogo.

O Peixe demorou para entrar no ritmo da partida e por pouco não viu o prejuízo ficar ainda pior no minuto seguinte. Douglas dominou dentro da área, após escanteio e cruzou na cabeça do zagueiro Rafael, que jogou por cima do travessão e por pouco não ampliou a vantagem.

Só a partir daí os santistas, até então atordoados, conseguiram ter calma e colocar a bola no chão. Aos 7 minutos, Lucas Lima serviu Victor Ferraz na direita. O lateral cruzou para trás e Rodrigão bateu com perigo. Era o início do domínio alvinegro, ao menos no quesito posse de bola, já que o chute do centroavante foi a única jogada furou a defesa gremista em todo o primeiro tempo.

Com a nevoa de volta à Arena, como vem ocorrendo em muitos jogos do Grêmio em sua casa, o ritmo diminuiu e as disputas passaram a ficar concentradas no meio de campo. Apenas Giuliano conseguiu se sobressair ao sistema defensivo aos 28 minutos, nas costas de Victor Ferraz, mas Vanderlei salvou com uma bela defesa a queima roupa.

E quando todos pareciam aguardar o apito do árbitro para descansar nos vestiários, os gaúchos marcaram de novo em lance muito parecido com o primeiro gol. Aos 44, Éverton passou por Luis Felipe e Victor Ferraz e bateu cruzado. Vanderlei voltou a rebater a finalização e Douglas ‘pregou’ o goleiro, sem deixar a bola cair, em amis um rebote.

Com o placar de 2 a 0 contra, Dorival Júnior resolveu mexer já no intervalo e promoveu a estreia do atacante colombiano Jonathan Copete. Vitor Bueno foi sacado. Em campo, porém, as coisas continuaram ruim para os paulistas. O Grêmio repetiu a dose de pressionar nos primeiros minutos e Éverton quase marcou depois de receber cruzamento de Marcelo Oliveira e bater cruzado. A bola raspou a trave de Vanderlei.

O goleiro preciso trabalhar ainda mais duas vezes nos primeiros 10 minutos em finalizações de Giuliano e Edilson. O Santos não conseguia ser criativo, apesar de ter Lucas Lima na armação e três atacantes na frente.

Só aos 19 minutos o Peixe chegou. Gabriel fez jogada individual pela direita e encheu o pé. Marcelo Grohe evitou o gol santista. Mas, na cobrança do escanteio, o goleiro gremista nada pôde fazer. Gustavo Henrique ganhou no alto e a bola sobrou para Copete, que teve liberdade para dominar e estufar as redes. 2 a 1 e um novo jogo na Arena.

A pressão mudou de lado e o Santos se lançou de vez ao ataque. Dorival, para isso, ainda colocou Yuri no lugar de Gustavo Henrique para que o ex-jogador do Audax pudesse fazer o papel de zagueiro, mas usar sua técnica refinada para ajudar na saída de bola. O Grêmio só respondeu aos 27 minutos, quando Luan recebeu cruzamento de Douglas e desperdiçou uma grande chance, de cabeça.

E quem não faz, toma. Já diria o ditado popular. E mais uma vez foi assim dentro de campo. Aos 37 minutos, Zeca apareceu na diagonal e arriscou de fora da área. O lateral esquerdo, que é destro, ‘pegou na veia’, sem chance para o goleiro gremista, e decretou a igualdade no placar. Desta forma, o Santos mantinha sua vaga dentro do G4 e deixava o rival de fora.

Mas, para concluir uma partida emocionante e digna de duas equipes que prometem brigar pelo título nesta temporada, um gol aos 44 minutos mudou todo o cenário. Lucas Lima perdeu a bola no campo de defesa e complicou a zaga santista. Giuliano serviu Hermes, que bateu de primeira na saída de Vanderlei e fez os quase 15 mil torcedores nas arquibancadas explodirem de alegria, principalmente depois do apito final, que veio após quatro minutos dramáticos de acréscimo.

Santistas não culpam Lucas Lima e valorizam postura ousada em derrota

O Santos fez o mais difícil nesta quarta-feira. Buscou o empate na casa do adversário depois do Grêmio abrir 2 a 0 no placar. Mas, já nos minutos finais, Lucas Lima prendeu excessivamente a bola no campo de defesa e acabou dando o contra-ataque ao Tricolor Gaúcho, que foi fatal. Marcou o terceiro gol e decretou a vitória nesta 12ª rodada do Campeonato Brasileiro. Após o apito final, ao invés de frustração, veio a surpresa. Os jogadores do Peixe estavam orgulhosos do que fizeram em campo, apesar da derrota.

“Não (frustração), o time jogou bem, no segundo tempo impôs o jogo, mas infelizmente não conseguimos o empate ou a vitória, perdemos por 3 a 2. Saímos de cabeça erguida e vamos trabalhar para poder conseguir o próximo resultado”, comentou Zeca, autor do segundo gol alvinegro, ao Sportv.

“Fomos ousados e valentes. Se fosse outro time, ia tentar segurar o empate, mas é o nosso estilo de jogo e fomos para cima. Tentamos a vitória e acabamos levando o gol”, avaliou Gabriel, antes de eximir Lucas Lima de qualquer culpa pelo terceiro gol gremista. “Uma infelicidade nossa. Tentamos o terceiro gol jogando para frente, para vencer e, em um lance bobo, eles fizeram o gol. Queríamos a vitória, fizemos um bom jogo, mas perdemos”, completou.

O lateral esquerdo também fez questão de sair em defesa de Lucas Lima. “Foi uma bola que a gente treina isso, de sair tocando a bola, treinamos diariamente, toque de bola, mas infelizmente perdemos a bola e eles fizeram o gol. Temos certeza que vamos nos encaixar e ganhar o próximo jogo”, explicou.

Talvez o jogador que mais lamentou os pontos perdidos em Porto Alegre foi o experiente e capitão Renato. O volante não se abateu, mas não conseguiu esconder a decepção com o gol levado nos minutos finais depois de uma reação surpreendente. “Sabíamos que era um jogo difícil, buscamos o empate, eles (Grêmio) fizeram o terceiro. Brasileirão é isso. Era importante fazer um ponto. Infelizmente fomos castigados”, concluiu o volante.

Dorival rasga elogios ao Santos e fala em cabeça erguida após revés

Nem parece que o Santos perdeu na noite desta quarta-feira. Depois dos próprios atletas enaltecerem a postura da equipe no revés para o Grêmio por 3 a 2, em Porto Alegre, em seguida foi a vez do técnico Dorival Júnior não poupar elogios aos seus comandados pela forma como o time de comportou nesta 12ª rodada do Campeonato Brasileiro. Nem mesmo a saída do Peixe do G4 fez com que o treinador se preocupasse.

“O Santos jogou perante uma equipe competitiva. Grêmio teve competência no início e no fim. Conseguiu definir a partida. Gol no primeiro momento. O Santos foi guerreiro e não se abateu em momento nenhum. Procurou penetração e encontrou movimentação. Poderíamos sair para o terceiro na jogada em que eles fizeram o último gol. Estou satisfeito com a equipe e com o espetáculo de futebol”, disse Dorival. “O Santos não sai daqui com a cabeça baixa. Buscamos o resultado, e era isso que eu queria ver”, completou.

O comandante santista entendeu o gol gremista nos minutos finais como uma fatalidade do esporte e preferiu, a cada resposta, valorizar o que sua equipe fez de bom no jogo, principalmente no segundo tempo, quando buscou um resultado surpreendente.

“Alcançamos o empate e queríamos o terceiro gol. Nos abrimos, fomos para cima, jogamos com a intensidade de sempre, criamos, com posse de bola, e infelizmente fomos penalizados nesse último minuto. Paciência. temos de trabalhar, reequilibrarmos nossas melhores condições já para o jogo de domingo”, avaliou.

“Até porque eu não tenho o que lamentar. Eu tenho que enaltecer aquilo que a equipe fez dentro de campo, saindo de um 2 a 0, um resultado muito complicado, frente uma grande equipe, mesmo assim, a equipe procurou a todo instante o gol que nos daria uma condição muito favorável”.

A análise final de Dorival Júnior não fez com que o técnico não enxergasse aquilo que seus jogadores não fizeram tão bem nesta quarta. E a maior crítica veio pelo desempenho do time do primeiro tempo, quando o Peixe teve mais posse de bola, mas pouco entrou na área adversária.

“Nós tínhamos a posse de bola, mas faltava a penetração, as trocas de passes com um pouco mais de dinâmica acima de tudo e as movimentações para que um companheiro pudesse estar em condições de finalizar a jogada. Isso que faltou”, concluiu Dorival.