Navegando Posts marcados como Guga

Santos 4 x 1 Cruzeiro

Data: 18/09/1994, domingo
Competição: Campeonato Brasileiro – Grupo C – 9ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 8.441 pagantes
Renda: R$ 43.476,00
Árbitro: Luis Cunha Martins (RS)
Cartões amarelos: Dinho, Gallo e Ranielli (S); Cleison e Arley (C).
Gols: Ranielli (26-1), Macedo (43-1); Cleison (50s-2), Macedo (23-2) e Guga (26-2, de pênalti).

SANTOS
Edinho, Índio, Júnior, Marcelo Fernandes e Silva; Dinho, Gallo, Ranielli e Paulinho Kobayashi (Carlinhos); Guga e Macedo (Serginho Fraldinha).
Técnico: Serginho Chulapa.

CRUZEIRO
Dida; Arley, Célio Lúcio, Luisinho e Nonato; Lelei, Ademir, Jean Carlo (Sorato) e Roberto Gaúcho; Macalé (Mário Tilico) e Cleison.
Técnico: Palhinha



Goleada dá chance de ponto extra ao Santos

O Santos manteve a sua invencibilidade de um ano na Vila Belmiro ao ganhar do Cruzeiro ontem por 4 a 1. Com o resultado, a equipe do técnico Serginho mantém a esperança de conseguir a liderança do Grupo C.

O último jogo do Santos na primeira fase é no próximo domingo, contra o Remo, em Belém. Para terminar líder do seu grupo, o time precisa vencer e torcer para o Guarani não ganhar do Cruzeiro, no Mineirão.

“O objetivo hoje foi cumprido. Continuamos no páreo pelo ponto extra na próxima fase e contribuímos para que a crise na diretoria fique sempre longe do time”, disse Serginho. No primeiro tempo, o Cruzeiro –que teve a estréia do ex-jogador Palhinha como técnico– começou melhor.

A equipe mineira teve duas chances desperdiçadas, primeiro por Roberto Carlos e depois por Macalé.

O meio-campo do Santos, com Ranielli substituindo Neto –suspenso– começou a se acertar aos 14min, com o atacante Macedo perdendo a primeira chance de gol da equipe.

Aos 25min, Macedo cruzou e o meia Ranielli, dentro da área adversária, marcou o primeiro gol do Santos.

Com a vantagem, o time santista recuou e começou a explorar os contra-ataques.

Aos 43min, o centroavante Guga lançou Macedo, que driblou o goleiro Dida e tocou para marcar o segundo gol santista.

No segundo tempo, o Cruzeiro voltou assustando, com um gol aos 50s, marcado pelo meia Cleisson. O Santos não se abalou e, nos contra-ataques, marcou o terceiro gol aos 22min, o segundo de Macedo.

Dois minutos depois, o meia Paulinho Kobayashi sofreu pênalti. Guga cobrou e fez o quarto gol do Santos, sem chance de defesa para Dida.

O meia Ranielli –substituto de Neto e destaque do jogo– disse que a boa atuação pode significar a sua continuação como titular. “Sei que quem vai decidir isso é o Serginho, mas procurei fazer de tudo hoje para continuar no time”, afirmou. Após o jogo, Serginho disse que não tem como escalar Ranielli e Neto juntos.

“Taticamente, dentro do esquema que eu venho tentando implantar, não há espaço para os dois. Mas é muito bom ter esse tipo de problema. O pior seria não ter quem escalar”, afirmou Serginho.

O técnico Palhinha, do Cruzeiro, classificou a derrota como humilhante. “O time não apresentou um pingo de objetividade. Desse jeito, será difícil reverter essa má fase a curto prazo”, afirmou.

Clima entre diretores é tenso

Nem a goleada contra o Cruzeiro diminuiu a tensão entre a diretoria do Santos, os conselheiros do clube e ex-presidentes.

O ex-presidente do Santos entre 90 e 91, Antonio Aguiar, disse que o atual ocupante do cargo, Miguel Kodja, “irá levar o Santos à ruína caso continue na direção do clube”.

Para Marcelo Teixeira, que ocupou a presidência em 92 e 93, “existem dúvidas sérias que Kodja precisa urgentemente esclarecer”.

O atual presidente não quis responder às afirmações feitas por Aguiar e Teixeira. “Eu assumi o clube quando ninguém queria. Agora que não venham perturbar. Eu não tenho telhado de vidro. Acho melhor pararem com essas futricas”, disse.

Segundo Kodja, “todos terão uma grande surpresa” quando ele “provar que as contas do clube estão em ordem”.

Kodja disse que a diretoria não apresentou os balanços dos meses de abril, maio e junho “devido à ausência do diretor de finanças, Luís Mogo” –ele sofreu um infarto no final de abril.

O clima tenso entre membros da diretoria e conselheiros provocou antes do início do jogo uma discussão entre o ex-diretor de futebol Clodoaldo Tavares Santana e o conselheiro Roberto Diz Torres. Torres acusou Clodoaldo de ter aproveitado o cargo para alugar imóveis para jogadores do Santos. Clodoaldo possui uma imobiliária em Santos.

“Já tinha ouvido essa história. Aproveitei para dizer para ele que, para falar mal de mim, precisa ter muita moral”, afirmou.

O presidente do Conselho Deliberativo do Santos, Edmon Atik, marcou para o próximo dia 27 a reunião do Conselho que deverá analisar os possíveis problemas administrativos do clube.


Santos 2 x 0 Vasco

Data: 20/08/1994, sábado, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – Grupo C – 3ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 13.440 pagantes
Renda: R$ 73.838.00
Árbitro: José Mocelin (RS).
Cartões amarelos: Silva e Narciso (S); Yan, Leandro, Alexandre Torres e Ricardo Rocha (V).
Gols: Guga (09-2, de pênalti) e Gallo (44-2).

SANTOS
Edinho; Índio, Júnior, Narciso e Silva; Dinho, Gallo, Neto (Nenê) e Paulinho Kobayashi (Cerezo); Macedo e Guga.
Técnico: Serginho Chulapa

VASCO
Carlos Germano; Pimentel, Torres, Ricardo Rocha e Sidnei; França, Leandro Ávila e Vítor (Jean); Yan, Valdir e João Paulo (Pedro Renato).
Técnico: Sebastião Lazaroni



Santos espanta início de crise com vitória sobre Vasco na Vila Belmiro

A vitória contra o Vasco anteontem por 2 a 0 espantou um início de crise que começou a rondar a Vila Belmiro na sexta-feira.

Nesse dia, o técnico Serginho deveria comandar um treino coletivo como preparação para o jogo contra o Vasco. Ele não apareceu. O motivo era o atraso no pagamento de seu salário.
“Resolvi não dar o treino para não explodir com quem não tinha culpa”, afirmou o treinador.

Após a vitória contra o time carioca, Serginho disse que as dívidas da diretoria com ele “estavam resolvidas”.

Hoje, Serginho comanda o primeiro treino visando o jogo contra o Bahia, quarta-feira, às 21h, na Vila Belmiro. Ele se diz satisfeito com o desempenho da equipe, líder do Grupo C com cinco pontos e afirma que mantém a mesma equipe contra o time baiano.

“Somos os líderes em pontos ganhos, estamos invictos e a nossa defesa não tomou nenhum gol”, afirmou.

Serginho quer vencer o Bahia e buscar um empate no próximo sábado, quando o Santos enfrenta o Guarani, em Campinas.


Santos 3 x 1 Parma (ITA)

Data: 22/05/1994, domingo, 15h00 (Preliminar).
Competição: Torneio Internacional Brasil-Itália
Local: Estádio Parque Antártica, em São Paulo, Brasil.
Público: 6.335 pagantes
Renda: Cr$ 48.230.00,00
Árbitro: Dionísio Roberto Domingos
Cartões vermelhos: Melli (P) e Maurício Copertino (S).
Gols: Guga (12-1) e Guga (32-1); Guga (11-2, de pênalti) e Crippa (30-2).

SANTOS
Edinho (Róbson); Índio, Marcelo Fernandes, Maurício Copertino e Silva (Piá); Dinho (Sérgio Santos), Gallo, Ranielli e Paulinho Kobayashi (Zé Renato); Macedo (Neizinho) e Guga (Demetrius).
Técnico: Serginho Chulapa

PARMA
Ferrari; Ballieri, Cláudio, Matrecano e Di Chiara (Franchini); Pin, Zoratto (Collonesi), Crippa e Cherubini (Sorce); Melli e Sorato.
Técnico: Nevio Scala



Santos vence Parma com três gols de Guga

Com três gols de Guga, o Santos venceu o Parma e ficou com o terceiro lugar do Torneio Internacional Brasil-Itália. O Palmeiras venceu a Lazio na final por 3 a 0 e ficou com o título.

Enaquanto esteve com a maior parte de seus titulares em campo o Santos dominou. O Parma, reforçado com os brasileiros Cláudio (zagueiro do União) e Sorato (Palmeiras), perdia o meio-campo.
Aos 12′ Kobayashi foi à linha de fundo e cruzou. A bola encobriu o goleiro e Guga cabeceou para abri o placar.

Aos 32′, Ranielli foi à linha de fundo pela esquerda e cruzou para Kobayashi que chutou sobre Ferrari. No rebote, Gga fez 2 a 0.

Aos 44′, Marcelo Fernandes fez pênalti em Di Chiara e o juiz não marcou.

Aos 11′ da segunda etapa, Macedo sofreu pênalti que Guga converteu: 3 a 0. Aos 30′, Crippa diminuiu, após passe de Sorato.



Créditos:
Vídeo: Wesley Miranda (Assophis)
Matéria: Jornal Folha de SP – http://acervo.folha.uol.com.br/fsp/1994/05/23/20//4956824

Jogos inesquecíveis


Santos 4 x 3 Corinthians

Data: 24/04/1994
Competição: Campeonato Paulista
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo, SP.
Público: 26.271 pagantes
Renda: CR$ 145.250.000,00
Árbitro: Oscar Roberto de Godoy
Gols: Marcelinho Carioca (08-1), Casagrande (21-1), Guga (23-1), Guga (41-1) e Dinho (26-1); Guga (41-2) e Casagrande (43-2).

SANTOS
Edinho; Índio, Marcelo Fernandes, Cerezo e Silva; Dinho, Gallo, Ranielli (Sérgio Santos) e Paulinho Kobayashi (Zé Renato); Macedo e Guga.
Técnico: Serginho Chulapa

CORINTHIANS
Ronaldo; Valdo, Gralak, Wilson Mano e Daniel (Elias); Zé Elias, Embu (Marques), Casagrande e Rivaldo; Marcelinho Carioca e Viola.
Técnico: Carlos Alberto Silva



Créditos:
Vídeo #1: TVs Band, Cultura e Globo
Vídeo #2: TV Gazeta

Bragantino 1 x 1 Santos

Data: 20/03/1994, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista
Local: Estádio Marcelo Stéfani, em Bragança, SP.
Público: 3.297 pagantes
Renda: CR$ 5.139,400
Árbitro: Dagoberto Teixeira
Cartão vermelho: Marcelo (B) e Edinho (S).
Gols: Ciro (41-1) e Guga (45-1).

BRAGANTINO
Marcelo; Walmir, Remerson, Ney e Da Guia; Pires (João Henrique), Marcão, Carlos Augusto (Ludo) e Marcelo Prates; Ciro e Nando.
Técnico: Dusan Drascovic

SANTOS
Edinho; Indio, Junior, Marcelo Fernandes e Luciano Carlos; Sérgio Santos, Cerezo, Ranielli (Zé Renato) e Carlinhos (Paulinho Kobayashi); Macedo e Guga.
Técnico: Serginho Chulapa



Santos e Bragantino empatam em 1 a 1

Bragantino e Santos fizeram um jogo fraco e empataram em 1 a 1 ontem à tarde no estádio Marcelo Stéfani, em Bragança Paulista. Os gols foram marcados por Ciro, para o Bragantino, e Guga, para o Santos.

No primeiro tempo, os dois times ficaram muito concentrados no meio-campo, mais preocupados em não sofrer do que em fazer gols. Aos 41min, o centroavante Ciro pôs o time da casa em vantagem. Mas a torcida nem pôde comemorar. Aos 45min, o centroavante Guga, de pênalti, empatou.

Aos 36min do segundo tempo, o goleiro Marcelo fez uma falta em Guga e foi expulso. Como já tinha feito duas substituições, Drascovic foi obrigado a improvisar o centroavante Nando no gol. Aos 40min, o goleiro Edinho também foi expulso, só que por agredir um gandula que retardava a reposição da bola. Como também já tinha feito duas alterações, o técnico Serginho colocou Guga no gol.