Navegando Posts marcados como Henrique


Vídeos: (1) Gols e (2) Melhores momentos.

The Strongest 2 x 1 Santos

Data: 15/02/2012, quarta-feira, 19h45 (horário de Brasília).
Competição: Copa Libertadores – Grupo 1 – 1ª rodada
Local: Estádio Hernando Siles, em La Paz, Bolívia.
Árbitro: Carlos Vera (EQU)
Auxiliares: Christian Lescano e Luis Alvarado (ambos do EQU).
Cartões amarelos: Parada, Lima e González (TS); Arouca, Rafael e Neymar (S).
Gols: Henrique (10-1) e Cristaldo (33-1); Rodrigo Ramallo (45-2).

THE STRONGEST-BOL
Vaca; Parada, Ojeda, Méndez e Torrico; Soliz, Chumacero, Lima e Cristaldo (Rodrigo Ramallo); Pablo Escobar e Melgar (González).
Técnico: Mauricio Soria

SANTOS
Rafael; Fucile, Edu Dracena, Durval e Pará; Henrique, Arouca, Ibson (Elano) e Paulo Henrique Ganso; Neymar e Borges (Alan Kardec).
Técnico: Muricy Ramalho



Santos perde muitos gols, leva castigo no fim e perde na Bolívia

Equipe joga bem e cria chances, mas volta da altitude com derrota na bagagem. Agora, vai pegar o Inter

Em um jogo movimentado, o Santos pecou nas finalizações e viu o The Strongest (Bolívia) sair com a vitória nos minutos finais da partida. O time boliviano ganhou por 2 a 1, na noite desta quarta-feira, no Estádio Hernando Siles, em La Paz, com gols de Cristaldo e Ramallo. Henrique marcou para o Peixe.

O resultado fez os bolivianos se igualarem ao Internacional-RS, que derrotou o Juan Aurich (Peru) no primeiro confronto do grupo 1, na liderança da chave. Os gaúchos levam vantagem no saldo de gols (2 a 1) sobre o The Strongest, apesar dos dois possuírem três pontos ganhos.

Na próxima rodada da do grupo, o Santos recebe o Inter, no dia 8 de março, na Vila Belmiro. Na mesma data, o The Strongest pega o Juan Aurich, em La Paz.

O jogo

Sem poder contar com o lateral esquerdo Juan, que não pôde atuar em virtude de uma suspensão por cartão vermelho na última Copa Sul-americana, defendendo o São Paulo, o Santos iniciou o jogo com Pará na direita e o uruguaio Fucile na esquerda e sofrendo uma pequena pressão do The Strongest.

Apoiado pela torcida local, o time boliviano quase abriu o placar aos seis minutos. Pará falhou e o atacante Pablo Escobar desceu pela esquerda do ataque do Tigre, antes de soltar a bomba. Atento, Rafael fez a defesa, evitando que bola sobrasse para Melgar. No minuto seguinte, Soliz fez bom lance individual, porém, chutou por cima do gol do Peixe.

Apesar de uma tentativa de pressão do The Strongest nos primeiros minutos, os santistas foram mais eficientes e conseguiram chegar ao gol. Aos 10, o meia Paulo Henrique Ganso cobrou falta, Neymar desviou e, aproveitando-se do fato de o goleiro Vaca não ter conseguido interceptar a bola, o volante Henrique pegou o rebote e estufou as redes bolivianas: 1 a 0 para o Alvinegro Praiano.

Melhor em campo e explorando os contra-ataques, o Santos quase ampliou a sua vantagem em duas oportunidades. A primeira, aos 21, com Borges recebendo boa bola e arriscando uma forte finalização da entrada da área. Vaca defendeu. Na segunda, aos 23, Borges apareceu novamente, mas desta vez cruzando a bola para Neymar. A Joia dominou mal e, na hora do arremate, acertou a trave da equipe boliviana.

Um dos jogadores mais perigosos do The Strongest, Pablo Escobar deu bastante trabalho a defesa santista no primeiro tempo, principalmente em chute de fora da área, como aconteceu aos 27. A finalização do atacante do Tigre passou rente a trave de Rafael, assustando o camisa 1 do Peixe.

De tanto insistir, especialmente em lances pelos lados do campo e explorando a velocidade de seus atacantes, o The Strongest chegou ao empate. Aos 33, Parada cruzou da esquerda, Ibson furou na hora do corte, Pará deu espaço na marcação e Cristaldo pegou firme na bola, acertando um belo chute e deixando tudo igual em La Paz.

Após o gol do empate boliviano, a partida ganhou em velocidade, só que as chances de gol ficaram mais raras. A última boa oportunidade antes do intervalo foi santista. Aos 46, Pará iniciou a jogada e tocou para Neymar, que escapou em velocidade e finalizou, exigindo boa defesa de Vaca. Borges não conseguiu aproveitar o rebote e os donos da casa escaparam de sofrer o segundo gol.

Na volta do intervalo, Pablo Escobar continuou dando trabalho à defesa alvinegra e quase deixou a sua marca, aos nove. Em chute de fora da área, com a perna esquerda, o atacante viu a bola passar perto do alvo, mais uma vez.

Logo em seguida, Muricy Ramalgo fez a primeira substituição no Santos. Ibson entrou na vaga de Elano. Na sequência, o The Strongest quase chegou ao seu segundo tento, com Pablo Escobar exigindo grande defesa de Rafael em cobrança de falta, aos 15.

A resposta veio no minuto posterior, com Neymar driblando o goleiro Vaca, que saiu da grande área. O camisa 11 do Peixe tabelou com Ganso e bateu para o gol, só que a zaga boliviana cortou e evitou o gol dos brasileiros.

Bem armado taticamente e com Neymar aparecendo mais, os santistas tiveram outra grande chance de gol, aos 17. Elano começou a jogada roubando a bola, acionando Ganso, que fez a assistência para a Joia. De frente para o gol, na saída de Vaca, Neymar bateu para fora.

Após esse lance, os dois times resolveram mexer. Rodrigo Ramallo entrou na vaga de Cristaldo no The Strongest e Alan Kardec substituiu Borges no Santos.

Só que o panorama do duelo continuou o mesmo e, aos 26, o Alvinegro Praiano desperdiçou mais uma grande oportunidade de gol. Neymar lançou Elano, que acertou o travessão no arremate.

A resposta boliviana veio aos 30. Rodrigo Ramallo cruzou para Melgar tocar de cabeça, assustando Rafael e quase colocando os donos da casa em vantagem no Hernando Siles. Essa foi a última jogada de Melgar, substituído nos minutos seguintes por González.

Mesmo dominando quase por completo o segundo tempo, o Santos continuou esbarrando na sua má pontaria na altitude. Aos 37, Ganso encontrou Neymar, outra vez, só que o atacante fez o giro e disparou por cima do gol de Vaca.

De tanto perder oportunidades, o Santos foi castigado nos minutos finais. O The Strongest armou uma pressão nos últimos instantes da partida e, em cobrança de escanteio aos 45, Rodrigo Ramallo cabeceou para o fundo do gol, decretando a vitória boliviana, por 2 a 1.

Corinthians 1 x 3 Santos

Data: 18/09/2011, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 34.308 pagantes (3.007 não pagantes)
Renda: R$ 1.178.406,00
Árbitro: Wilson Luiz Seneme (Fifa/SP)
Auxiliares: Herman Brumel Vani (SP) e Rogério Pablos Zanardo (SP)
Cartões amarelos: Henrique (S); Ralf (C).
Cartão vermelho: Henrique (S)
Gols: Liédson (13-1) e Henrique (37-1); Borges (08-2) e Alan Kardec (35-2).

CORINTHIANS
Julio Cesar; Alessandro, Chicão, Leandro Castán e Ramon (Weldinho); Ralf (Danilo), Paulinho e Alex; Willian (Jorge Henrique), Emerson e Liedson.
Técnico: Tite.

SANTOS
Rafael; Danilo, Edu Dracena, Durval e Léo; Adriano, Henrique, Ibson (Pará) e Neymar (Bruno Rodrigo); Alan Kardec e Borges (Felipe Anderson).
Técnico: Muricy Ramalho



Santos vence, derruba Corinthians na tabela e torcida protesta

De virada, equipe da Vila Belmiro cala o estádio lotado. Corintianos protestam muito contra técnico e time

De virada, o Santos venceu o Corinthians no Pacaembu lotado por 3 a 1 e fez seu rival despencar da liderança para a 3ª colocação no Brasileiro. Com gols de Henrique, que depois seria expulso, Borges e de Alan Kardec, o time de Muricy Ramalho conseguiu a 9ª vitória no torneio contra um time de Tite que praticamente só ameaçou Rafael na etapa inicial.

A derrota causou protestos por parte dos corintianos, que xingaram muito o trienador: “Tite c…, para fora do Timão”. Outro protesto também dizia que se não “joga por amor, joga por terror”. “Não é mole não, tem que ser homem para jogar no Coringão” também foi outro coro.

A vitória colocou o Santos com 32 pontos, na 11ª colocação. Se vencer as duas partidas que tem atrasadas, o time da Vila Belmiro chega aos 38 pontos e ficaria na 5ª colocação. Já o Corinthians deixa a liderança para a 3ª colocação, continuando com 43 pontos, dois a menos que o agora líder Vasco e um a menos que o vice-líder São Paulo.

No 1º tempo, o Corinthians dominou durante 37 minutos. Com boas jogadas de Émerson e também de Liédson, o time de Tite encurralava o rival e abriu o placar logo aos 13, com Liédson. Com um lado esquerdo pouco efetivo na marcação e no ataque, o Santos incomodou Júlio César em duas ocasiões com cruzamentos vindos da direita. Aos 37, na terceira tentativa santista, Henrique se adiantou à marcação de William e empatou.

Na etapa final, o Santos melhorou bastante e conseguiu a virada logo aos 8 minutos, com jogada de Alan Kardec e finalização do artilheiro Borges, que fez seu 17º gol no Brasileiro. Henrique foi expulso no meio do 2º tempo, fez sua equipe recuar um pouco, mas não o suficiente para o time “dono da casa” conseguirem somar ponto. Em contra-ataque, Chicão acabou fazendo gol contra após cruzamento de Alan Kardec. No fim, Alex acabou tendo convulsão e foi retirado de ambulância do campo.

Na próxima rodada, o Corinthians enfrenta o São Paulo, no Morumbi, às 21h50 de quarta-feira em jogo que vale seis pontos. Já o Santos joga contra o América-MG, também na quarta-fera, mas às 20h30, em Minas Gerais e tenta vencer para brigar pelas posições de cima do Brasileirão.

O jogo

O Corinthians começou o jogo acelerando bastante o ritmo e muito mais ligado do que o Santos. Até por isso, logo aos 13 minutos abriu o placar, com gol de Liédson. A jogada começou nos pés de Émerson, que achou Alessandro aberto pela esquerda. Em posição invertida, o lateral direito cruzou e conseguiu tirar dos pés de Léo, que desviou de leve. A bola sobrou para o camisa 9 que, de esquerda e quase dentro do gol, abriu o placar para o delírio do Pacaembu lotado.

Os gritos de gol acordaram o Santos, que criou duas chances em seguida. Primeiro com Edu Dracena, de cabeça, em cobrança de escanteio. Júlio César fez boa defesa. Depois, o goleiro voltou a trablahar bem, mas a cabeçada foi de Alan Kardec após cruzamento de Danilo. Aos 27, Liédson quase ampliou o placar com belíssimon chute de fora da área pela esquerda da área.

Pouco tempo antes dos 40 minutos, William passou fácil por Léo, levantou a bola e chutou forte. Rafael fez excelente defesa e evitou a festa maior dos corintianos. O Santos tinha levado perigo apenas duas vezes ao gol adversário. Quando Muricy já pensava no que ia fazer no vestiário, aos 37 minutos, Henrique apareceu após escanteio e chutou cruzado para empatar o jogo de pé esquerdo.

No 2º tempo, finalmente Borges resolveu finalizar. Aos 8 minutos, o artilheiro do Brasileirão recebeu passe de Alan Kardec, que estava na direita do campo, e desviou de leve. A bola ainda bateu na trave antes de ir para o fundo das redes de Júlio César. O Santos ampliaria poucos minutos depois se Kardec não fosse individualista. Ele recebeu belíssimo passe de Neymar e preferiu concluir a tocar para Borges, que entrava sozinho na área. A bola passou à esquerda do gol corintiano.

A virada irritou profundamente a torcida corintiana, que reclamou ainda mais quando Tite tirou Willian para colocar Jorge Henrique. Nas cativas, iniciou-se um tímido coro de xingamento a treinador. As reações melhoraram aos 20 minutos, quando Henrique foi expulso por causa de falta em cima de Alex. O time ficou um pouco mais ofensivo, mas errava sempre nos últimos dois passes e acabou deixando o Pacaembu com a derrota ainda maior.

Alan Kardec recebeu bola pela direita, disparou e ficou cara a cara com Júlio César. O atacante perdeu a hora de finalizar e fez o cruzamento. Na hora de desviar a bola, Chicão colocou a bola para dentro das suas próprias redes. Alex tomou uma pancada na nuca no último lance do jogo e foi levado de ambulância para fora do campo.