Navegando Posts marcados como Heriberto Hülse

Criciúma 3 x 0 Santos

Data: 12/10/2014, domingo, 18h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 28ª rodada
Local: Estádio Heriberto Hülse, em Criciúma, SC.
Público: 9.276 pagantes
Renda: R$ 119.875,00
Árbitro: Pericles Bassols Pegado Cortez (RJ-FIFA)
Auxiliares: Rodrigo Pereira Joia (RJ-FIFA) e Luiz Claudio Regazone (RJ-ASP-FIFA).
Cartões amarelos: Cléber Santana, João Vitor, Ronaldo Alves e Rodrigo Souza (C); Cicinho (S).
Gols: Joílson (16-1) e Rodrigo Souza (22-1); Lucca (15-2).

CRICIÚMA
Bruno; Eduardo, Joílson, Ronaldo Alves e Giovanni; Rodrigo Souza, João Vitor (Serginho) e Cléber Santana; Lucca (Ricardinho), Bruno Lopes (Gustavo) e Souza.
Técnico: Gilmar Dal Pozzo

SANTOS
Vladimir; Cicinho, David Braz, Edu Dracena e Caju; Souza, Leandrinho (Renato), Arouca e Lucas Lima (Rildo); Geuvânio e Leandro Damião (Patito Rodríguez).
Técnico: Enderson Moreira



Criciúma se impõe em casa e quebra série de vitórias do Santos

Joílson, Rodrigo Souza e Lucca, melhor jogador da partida, marcaram na vitória por 3 a 0, válida pela 28ª rodada

O Santos não levava gol há três jogos no Brasileirão e vinha de quatro vitórias seguidas, somando o duelo pela Copa do Brasil. Porém, neste domingo, o alvinegro praiano não se encontrou em campo e acabou atropelado pelo Criciúma no estádio Heriberto Hulse, em Santa Catarina. Joílson, Rodrigo Souza e Lucca, melhor jogador da partida, marcaram na vitória por 3 a 0, válida pela 28ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O Santos, que poderia ficar a um ponto do G-4, aumentou a distância para a zona de classificação à Libertadores da América para cinco pontos, na sétima colocação. Já o Tigre, que iniciou a rodada na lanterna, chegou aos 30 pontos, na 18ª posição, ainda dentro da zona de rebaixamento.

Agora, o time de Enderson Moreira se concentra no confronto de quinta-feira, quando o time de Vila Belmiro faz a segunda partida contra o Botafogo, as 21h30, no Pacaembu, de olho na vaga para as semifinais da Copa do Brasil. O primeiro jogo acabou com a vitória de 3 a 2 dos santistas, mas quinta Enderson não contará com Robinho, suspenso, e Mena, com a seleção chilena. Alison, que está servindo a seleção olímpica do Brasil, ainda é dúvida.

O jogo:

Embalado pelas quatro vitórias seguidas, três pelo Brasileirão e uma pela Copa do Brasil, o Santos entrou em campo amis precavido neste domingo. Enderson Moreira optou por tirar Patito Rodriguez e escalar Leandrinho para reforçar o meio de campo do Peixe. Mas, além do time não se encontrar com a bola nos pés, teve problemas defensivos nas jogadas aéreas.

A partida começou quente, logo a 1 minutos e meio, o Criciúma já chegou com perigo. Souza dominou uma bola rebatida e rolou para Bruno, que cara a cara, chutou em cima de Vladimir e perdeu o gol.

Cinco minutos depois, Souza, do Santos, errou na saída de bola e o Tigre quase aproveitou em bola cruzada pela esquerda. E aos 16 não teve jeito. Lucca bateu escanteio baixo e Joílson desviou no primeiro pau. 1 a 0 e muita irritação no banco de reservas santista com a falha na marcação.

O time de Vila Belmiro respondeu na mesma moeda e em uma jogada que tem dado certo para o alvinegro. Escanteio batido por Lucas Lima para David Braz. O zagueiro chegou batendo e viu a bola raspar a trave.

Porém, precisando vencer para seguir na luta contra o rebaixamento, o Tigre ampliou sua vantagem aos 22 e de novo após cobrança de escanteio, agora pelo lado esquerdo. Rodrigo Souza teve até que se abaixar no meio da área para marcar de cabeça.

O Santos sentiu o gol. Apesar de ter mais posse de bola e mais finalizações, o Santos não conseguia criar chances reais de gol e pecava nos passes.

Aos 34, Geuvânio arriscou jogada individual, contou um pouco com a sorte e chutou de fora da área, obrigando o goleiro Bruno a espalmar para escanteio a bola perigosa. Foi a última grande jogada do primeiro tempo, que terminou com a boa vantagem dos donos da casa.

Aos 15 minutos da etapa final, a torcida local fez a festa com mais um gol. Em jogada pela direita, a bola desviou no defensor santista após tentativa de cruzamento e foi no ângulo de Vladimir, que se jogou, mas foi salvo pela trave. No rebote, a bola foi amis uma fez alçada e Lucca, melhor jogador em campo no estádio Heriberto Hulse, só bateu para o gol vazio, já dentro da pequena área.

O Santos mostrou que estava em uma noite de muito pouca inspiração quando Geuvânio recebeu linda enfiada de Arouca e saiu cara a cara com Bruno. Porém, o jovem atacante ficou indeciso no lance, tentou driblar o goleiro, perdeu o ângulo e acabou rolando para Lucas Lima, que também não chutou para o gol quase vazio e preferiu passar para Arouca. Esse sim finalizou buscando o ângulo, mas Bruno voltou para a meta para realizar uma grande defesa.

Daí para frente, o Criciúma passou a administrar o resultado e abdicou de atacar, enquanto o Santos, mesmo após as alterações de Enderson Moreira, já parecia entregue e conformado com o resultado irreversível. Geuvânio, Lucas Lima e Rildo ainda chegaram a assustar o goleiro Bruno, mas o placar não teve mais novidades e os donos da casa ganharam ânimo na luta contra o rebaixamento.

Já o Santos, que vinha de quatro vitórias seguidas, passa a se concentrar no duelo de quinta-feira, contra o Botafogo, pelas quartas de final da Copa do Brasil.

Leandro Damião nega que cavou pênalti ao puxar a própria camisa

Atacante do Santos deu a impressão de estar cavando um pênalti, mas depois do jogo disse que estava apenas tirando a camisa porque estava apertando

Leandro Damião pouco produziu na noite deste domingo, na derrota do Santos para o Criciúma por 3 a 0 , em Santa Catarina. Porém, o camisa 9 protagonizou um lance curioso durante o confronto, ao puxar a própria camisa para trás enquanto corria para tentar aproveitar cruzamento na área. Após o jogo, questionado se teve a intenção de confundir o árbitro e conseguir, quem sabe, um pênalti, Leandro Damião despistou.

“Não, estava tirando ela (a camisa), porque estava apertando, só isso. Um lance normal”, explicou o centroavante. “Nunca tive problema com isso (tentar enganar o árbitro). Todo mundo sabe a pessoa que eu sou”, disse.Ao falar sobre a derrota, que quebrou a série de quatro jogos seguidos do Santos só com vitórias, o jogador se mostrou mexido e espera que o resultado negativo não interfira no rendimento da equipe nos próximos jogos.

“É complicado, a gente sabe como são as coisas, (levamos) dois gols que nós não tomamos (normalmente). Que a gente tenha tranquilidade para conseguir as vitórias”, finalizou o santista.



Vídeo: (1) Gols e (2) melhores momentos.

Criciúma 3 x 1 Santos

Data: 05/06/2013, quarta-feira, 19h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 4ª rodada
Local: Estádio Heriberto Hülse, em Criciúma, SC.
Público: 11.617 pessoas
Renda: R$ 158,100.00
Árbitro: Pablo dos Santos Alves (ES)
Auxiliares: Fabiano da Silva Ramires e Ramires Santos Candido (ambos do ES).
Cartões amarelos: Giancarlo (C); Renê Júnior, Galhardo, Neílton e Durval (S).
Gols: João Vitor (15-1); Giancarlo (11-2), Matheus Ferraz (20-2) e Neílton (45-2).

CRICIÚMA
Bruno; Pacheco, Matheus Ferraz, Ewerton Páscoa e Marlon; Serginho, Elton e João Vitor (Gilson); Lins, Marcel (Giancarlo) e Fabinho (Tartá).
Técnico: Vadão

SANTOS
Rafael; Galhardo, Edu Dracena, Durval e Léo; Renê Júnior (Gabriel), Arouca, Cícero (Pedro Castro) e Felipe Anderson (Leandrinho); Neílton e Willian José.
Técnico: Claudinei Oliveira



Com direito a “olé”, Criciúma faz 3 a 1 e agrava problemas do Santos

Com segunda vitória no Brasileirão, time catarinense já sobe para sexto na tabela. Paulistas ocupam a vice-lanterna

O Santos continua sem vencer no Campeonato Brasileiro. Na noite desta quarta-feira, em mais um jogo após as saídas do astro Neymar e do técnico Muricy Ramalho, a equipe do litoral paulista foi derrotada por 3 a 1 pelo Criciúma. Chegou a ser provocada com gritos de “olé” da torcida adversária, que fez muita festa para os gols de João Vitor, Giancarlo e Matheus Ferraz no Heriberto Hülse. Neílton descontou.

Com mais um tropeço, o Santos do treinador interino Claudinei Oliveira continua com apenas 2 pontos na tabela de classificação do Brasileiro. A última chance de reação antes da paralização para a disputa da Copa das Confederações será contra o Atlético-MG, no sábado, na Vila Belmiro. No mesmo dia, o Criciúma tentará ampliar os seus 6 pontos diante do Flamengo, outra vez em casa.

O jogo

Vadão pisou no gramado do Heriberto Hülse, olhou para a torcida do Criciúma e encaminhou-se para a sua área técnica com um semblante confiante. “Com o pessoal nos apoiando, temos tudo para fazer um grande jogo”, disse. De fato, o seu time iniciou a partida contra o Santos com a mesma disposição de quem cantava e pulava nas arquibancadas.

Para contribuir com o “grande jogo” do Criciúma, o Santos tinha uma postura oposta, apática. A renovada equipe armada por Claudinei Oliveira pecava bastante pela falta de criatividade. Na maioria das vezes, tentava resolver o problema com lançamentos longos. Como aquele que fez Felipe Anderson dividir com o goleiro Bruno, cair na área e pedir pênalti aos três minutos – no único lampejo santista no primeiro tempo.

Reclamar da arbitragem não foi um privilégio dos jogadores do Santos. O time e a torcida do Criciúma também protestavam muito contra a atuação de Pablo dos Santos Alves. A diferença era de que a equipe da casa, além de chiar, buscava o gol com eficiência. Aos 12 minutos, por exemplo, o ex-santista Marcel cabeceou com força na pequena área e obrigou Rafael a fazer bela defesa.

Pouco depois, aos 15, o Criciúma conseguiu abrir o placar. Marcel foi acionado e executou bem a função de pivô, ao proteger a bola da marcação e rolar para João Vitor. O meio-campista arrematou firme para acertar o canto do gol, abalando ainda mais o Santos – que passou a trocar passes no campo de ataque, sob vaias, sem encontrar espaços para explorar.

Dez minutos mais tarde, o Criciúma voltou a colocar a bola na rede. Desta vez, porém, a arbitragem percebeu um duvidoso impedimento de Matheus Ferraz dentro da área. A torcida da casa se lamentou ainda mais quando, aos 33, Fabinho se contundiu e precisou ser substituído por Tartá, que foi a campo no mesmo ritmo acelerado de seus companheiros, apostando na correria e nas conclusões de fora da área.

Para o segundo tempo, Vadão voltou a mexer no Criciúma. Trocou Marcel por Giancarlo. Seu colega Claudinei Oliveira foi obrigado a fazer a primeira alteração quatro minutos depois, já que Felipe Anderson se machucou e cedeu lugar para o também jovem Leandrinho ir a campo com passadas largas, transparecendo muita motivação.Apesar de o Santos ter ganhado um pouco mais de presença ofensiva após a alteração, o time que acertou o gol novamente foi o do Criciúma. Aos nove minutos, Lins caiu em disputa de bola na área com Léo, e o árbitro não hesitou em assinalar o pênalti – para a indignação do veterano. Giancarlo não se importou com as queixas do adversário e bateu com categoria para ampliar o marcador.

De imediato, o Santos mandou mais uma de suas promessas ao gramado: Gabriel, que substituiu o volante Renê Júnior. Àquela altura, contudo, a equipe do litoral paulista já extravasava todo o seu nervosismo. Até o habilidoso Neílton foi punido com cartão amarelo por falta dura. Assim como Durval, próximo de trocar o clube pelo Sport, que poderia até ter sido expulso depois de um carrinho, mas não deu ouvidos à bronca de Giancarlo.

A falta cometida por Durval teve como consequência o terceiro gol do Criciúma. Aos 20, Matheus Ferraz aproveitou o mau posicionamento da defesa do Santos para cabecear para a rede – e pôde comemorar à vontade agora, depois de ter sido frustrado por um impedimento ao balançar a rede na primeira etapa. Era o que faltava para a torcida local começar a gritar “olé” no Heriberto Hülse.

Com larga vantagem no marcador, o Criciúma passou a administrar o resultado, diminuindo sensivelmente o ritmo da partida. O Santos também já não tinha mais forças para reagir, mesmo com a sua última cartada em campo – Pedro Castro ocupou a vaga de Cícero -, e o máximo que conseguia eram algumas triangulações entre os seus novatos candidatos a sucessores de Neymar.

Foi dessa forma, no entanto, que o Santos descontou nos minutos finais. Aos 45 minutos, Gabriel foi à linha de fundo pela esquerda e cruzou para Neílton escorar para a rede, diminuindo um pouco a tristeza (mas não os problemas) de sua equipe.

Arouca entende cobranças, mas pede paciência com o Santos

Um dos mais experientes do elenco, volante se encarrega de pedir calma aos torcedores após derrota por 3 a 1 para o Criciúma pelo Brasileirão

Um dos jogadores mais experiente do elenco do Santos , que deixou de contar com o comando de Muricy Ramalho e com a habilidade de Neymar, o volante Arouca se encarregou de pedir calma à torcida após mais um tropeço no Campeonato Brasileiro. O time perdeu por 3 a 1 para o Criciúma nesta quarta-feira, fora de casa.

“É o momento de ter paciência. Os torcedores estão certos ao cobrar, até porque nós também ficamos chateados. Mas continuamos dando o máximo. O professor Claudinei chegou agora e quer tirar o melhor do grupo”, comentou.

O interino Claudinei Oliveira terá muito trabalho pela frente, até porque conta com o elenco repleto de novatos. Para piorar, o Santos ainda não venceu no Campeonato Brasileiro, somando apenas 2 pontos. Seu último compromisso antes da paralisação para a disputa da Copa das Confederações será contra o Atlético-MG, no sábado, na Vila Belmiro.

“Vamos levantar as cabeças para o próximo jogo, pois a gente não pode ficar vacilando no Brasileiro, um campeonato complicado. Temos que trabalhar bastante”, conscientizou-se Arouca.

Criciúma 1 x 1 Santos

Data: 07/11/2004
Competição: Campeonato Brasileiro – 2º turno – 40ª rodada
Local: Estádio Heriberto Hülse, em Criciúma, SC.
Público: 15.279
Renda: R$ 165.542,00
Árbitro: Elvécio Zequetto (MS)
Cartões amarelos: Ângelo e Geninho (C); Leonardo, Léo, Ricardinho e Zé Elias (S).
Cartão vermelho: Preto Casagrande (S).
Gols: Deivid (06-1) e Ângelo (08-1).

CRICIÚMA
Roberto; Ângelo (Alex), Ronaldo (Laércio), Duílio e Gleidson; Luciano, Cléber Gaúcho, Paulo César, Geninho (Paulinho); Saulo e Marcos Denner.
Técnico: Lori Sandri

SANTOS
Mauro; Paulo César, Leonardo, André Luis e Léo; Zé Elias (Preto Casagrande), Fabinho, Ricardinho e Elano (Luís Gustavo); Deivid e Basílio (Marcinho).
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Sem Robinho, Santos empata no Sul e perde a liderança para Atlético-PR

Sem o atacante Robinho, dispensado horas antes do jogo para resolver problemas pessoais, o Santos cedeu o empate por 1 a 1 para o Criciúma, neste domingo, no Heriberto Hülse, em Santa Catarina, e perdeu a liderança do Brasileiro para o Atlético-PR, que ganhou de virada do Fluminense (2 a 1), no Maracanã. O Santos é o vice-líder agora.

Restando mais seis rodadas para o fim da competição, o time do técnico Vanderlei Luxemburgo tem 73 pontos contra 75 do de Levi Culpi.

Tido como prioridade por Luxemburgo, o Brasileiro é a única das duas competições (a outra é a Copa Sul-Americana) em que o treinador faz questão de contar com todas as suas estrelas. Neste domingo, porém, ele dispensou Robinho, que voltou a Santos por questões particulares.

“O Robinho tem os problemas dele, e o Santos tem o seu problema que é brigar pelo título do Brasileiro. Apesar dele [Robinho] ter dito que queria jogar, eu não o deixei para não comprometer o time”, disse Luxemburgo, que escalou o reserva Basílio ao lado de Deivid.

Sem Robinho –artilheiro do time no Nacional com 21 gols–, o Santos sentiu a falta da sua principal referência no ataque. “Olha eu não vou falar [se ele fez falta], porque é um momento difícil do Robinho e isso tem de ser preservado”, afirmou o lateral Léo.

Apesar de Basílio se movimentar bastante, coube a Deivid inaugurar o marcador no primeiro chute a gol do time da Vila Belmiro no primeiro tempo, aos 6min. O vice-artilheiro do time chegou a 19 gols depois de receber passe do volante Zé Elias pela direita. Livre de marcação, o atacante chutou, já dentro da área, sem chances para o goleiro Roberto: 1 a 0.

Dois minutos depois, o castigo. O meia Saulo lançou o lateral Ângelo –os santistas reclamaram impedimento no lance–, que, sozinho na frente, empatou: 1 a 1. O Santos ainda teve mais duas oportunidades para voltar a comandar o placar, com Deivid e o zagueiro André Luiz.

Com a intenção de tornar o time mais ofensivo, Luxemburgo sacou Zé Elias, aos 38min, para a entrada de Preto Casagrande –expulso aos 18min do segundo tempo, depois de entrada violenta no meia Geninho. Ele prejudicou o Santos, que não não teve mais poder ofensivo e só se defendeu até o fim do jogo.

Na próxima quarta-feira, o Santos voltará a campo para enfrentar a LDU (Liga Deportiva Universitária), na Vila Belmiro, no jogo da volta das quartas-de-final da Copa Sul-Americana. Pelo Brasileiro, o time atua no dia 14, quando receberá o Goiás, em Presidente Prudente (SP).


Criciúma 1 x 3 Santos

Data: 04/05/2003, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 7ª rodada
Local: Estádio Heriberto Hülse, em Criciúma, SC.
Público: 13.946
Renda: R$ 124.685,00
Árbitro: Carlos Eugenio Simon (FIFA RS)
Auxiliares: Altemir Hausmann e Marcos Viana Ibanhez (ambos do RS).
Cartões amarelos: Paulo Baier e Tico (C); André Luís, Alexandre e Paulo Almeida (S).
Gols: Nenê (36-1); Robinho (13-2), Paulo Baier (26-2) e Nenê (48-2).

CRICIÚMA
Fabiano; Paulo Baier, Cametá, Luciano e Luciano Almeida (Alonso); Cléber, Alonso, Juca e Dejair (Jabá); Delmer (Saulo) e Tico.
Técnico: Edson Vallandro

SANTOS
Fábio Costa; Reginaldo Araújo, Alex, André Luís e Léo; Paulo Almeida, Renato, Elano (Alexandre) e Nenê; Robinho (Rubens Cardoso) e Douglas (Fabiano).
Técnico: Emerson Leão



Santos vence Criciúma em Santa Catarina

Desfalcado, o Santos foi a Santa Catarina e conseguiu três importantes pontos fora de casa. Jogando no estádio Heriberto Hülse, na noite deste domingo, o alvinegro santista venceu o Criciúma por 3 a 1. O destaque foi Nenê, autor de dois gols.

O resultado coloca o Santos na terceira posição do Brasileirão, com 14 pontos – três a menos do que o vice-líder Cruzeiro e quatro atrás do Internacional, que lidera o torneio.

Sem Diego e Ricardo Oliveira, o time não sentiu a pressão da torcida local. O maior problema enfrentado foi a violência da equipe catarinense, que não perdoou os atacantes santistas. Uma das vítimas foi Elano, que deixou o campo aos 4min do segundo tempo.

O Santos abriu o placar ainda no primeiro tempo. Nenê dominou a bola na intermediária e chutou sem chance para Fabiano. Robinho ampliou a vantagem na etapa final. O Criciúma descontou em cobrança de pênalti, com Paulo Baier.

A partir daí, o Santos foi pressionado, mas conseguiu chegar à vitória aos 48min da etapa final. Luciano segurou Nenê dentro da área e o árbitro gaúcho Carlos Eugenio Simon marcou pênalti. Nenê cobrou e decretou a vitória santista.

O alvinegro volta a campo pelo Brasileirão no próximo sábado. Apesar de jogar em casa, o Santos tem motivos de sobra para preocupar-se.

Além de enfrentar o Cruzeiro, que está há 31 jogos invicto, o time santista conta com importantes desfalques. André Luís, Paulo Almeida e Alexandre tomaram o terceiro amarelo e não jogam. Outra dúvida é Elano, que deixou o campo em Criciúma de maca.

Antes, entretanto, o time santista tem um importante compromisso no meio de semana. A equipe recebe o Nacional, do Uruguai, em casa, na quarta-feira. Se vencer, o Santos classifica-se às quartas-de-final da Libertadores da América. Na partida de ida, no Uruguai, o jogo terminou 4 a 4. Em caso de novo empate, a vaga será disputada em cobranças de pênalti.

O Criciúma também volta a campo no sábado. Pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro, o time catarinense enfrenta o Corinthians, em São Paulo.

O jogo

A partida iniciou melhor para o Criciúma. Logo aos 2min, Luciano chutou forte, da intermediária, oferecendo perigo ao gol santista. Antes dos 15min, o Santos havia chegado apenas por meio de duas cobranças de falta desperdiçadas.

Aos 17min, Robinho recebeu bola e tentou arriscar de longe. O chute saiu errado e a bola passou por cima do gol do time catarinense. Em uma bobeada da defesa santista, aos 28min, Delmer dominou a bola sozinho na área e perdeu a chance de abrir o placar.

O Santos passou a pressionar o Criciúma e, aos 36min, Nenê recebeu toque de Douglas na entrada da área, dominou a bola e bateu forte no canto esquerdo de Fabiano, sem chances para o goleiro do time catarinense: 1 a 0.

Um minuto depois, a equipe santista quase ampliou a vantagem. Elano entrou livre na área e chutou para a defesa de Fabiano.

O Santos ainda teve um gol invalidado, aos 37min. Douglas, que começou o jogo como titular no lugar de Ricardo Oliveira, suspenso, recebeu cruzamento de Léo e marcou. O bandeirinha gaúcho Altemir Hausmann, porém, anotou impedimento.

Aos 40min, Delmer recebeu a bola na área e chutou, mas a bola saiu muito alta. O Santos deu o troco dois minutos depois. Renato tabelou com Robinho, dominou na esquerda mas pegou mal na bola.

Na etapa final, o Santos voltou melhor. Com jogadas rápidas de ataque, os jogadores eram parados por meio de faltas violentas. Numa destas entradas, aos 4min, Alonso tirou Elano do jogo. Em seu lugar, entrou Alexandre.

O Santos continuou na pressão. Aos 9min, Léo invadiu a área e chutou forte para a defesa de Fabiano. O segundo gol aconteceu aos 13min. Renato tocou para Robinho que, de primeira, acertou um chute forte da esquerda: 2 a 0.

Aos 24min, Alexandre derrubou Jabá dentro da área e fez pênalti no jogador do time catarinense. Paulo Baier cobrou bem e descontou para o Criciúma.

Com o gol, a torcida catarinense sentiu o momento favorável e começou a incentivar seu time, que partiu para cima. O treinador Emerson Leão, tentando garantir o resultado, tirou Robinho e colocou Rubens Cardoso, aos 34min.

O Criciúma apertou e partiu para o ataque. Nervoso, o Santos não conseguia criar jogadas de contra-golpes. Mas, aos 47min, numa das poucas jogadas do time santista, Luciano segurou Nenê dentro da área e o árbitro marcou pênalti. Ele mesmo cobrou para fazer seu segundo gol no jogo e garantir mais três pontos ao Santos.


Criciúma 1 x 1 Santos

Data: 13/10/1996, domingo.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – turno único – 14ª rodada
Local: Estádio Heriberto Hulse, em Criciúma, SC.
Público: 4.506 pagantes
Renda: R$ 45.200,00
Árbitro: Fabiano Gonçalves (RS).
Cartões amarelos: Piá e Marcos Assunção (S); Everaldo e Eraldo (C).
Gols: Marcão (28-1) e Marcos Assunção (45-1).

CRICIÚMA
Isoton; Gílson (Mabília), Wilson, Nielsen e Eraldo; Evair, Marco Aurélio, Nei (Paulo Henrique); Everaldo e Jorge Luís (Toni).
Técnico: Sergio Cosme

SANTOS
Sergio; Ronaldo Marconato, Sandro (Jean), Daniel e Gustavo Nery; Marcos Assunção, Carlinhos, Vágner (Cuca) e Piá; Andradina (Camanducaia) e Alessandro.
Técnico: José Teixeira



José Teixeira coloca a culpa no estado do gramado

Ao final do jogo, o técnico do Santos, José Teixeira, considerou o resultado justo. Ele avaliou que o time foi bem no primeiro tempo e perdeu o domínio no segundo.

“Se eles perderam oportunidades, nós também tivemos as nossas chances”, afirmou Teixeira.

Para o treinador, o time está numa situação em que não pode perder jogos. “Eu acredito que a nossa sorte está mudando e vamos sair dessa posição incômoda.”

Teixeira também criticou o estado do gramado. Com a realização de um jogo preliminar, válido pelo Brasileiro da Série C, e a forte chuva que caiu durante a partida, o campo ficou pesado.

Esse também foi o motivo das bolas largadas pelo goleiro Sérgio durante o primeiro tempo. “Foram muitas defesas com rebotes, mas isso é típico de gramado molhado e pesado”, disse o goleiro.

Apesar de ter sido muito exigido, Sérgio gostou da atuação da defesa. “O sistema defensivo foi bem, mas faltou sorte nas finalizações.”

A próxima partida do Santos será no sábado, contra o Flamengo. Uma vitória é importante para manter as chances de classificação.



Teixeira inicia ‘cruzada’ para manter seu emprego no Santos ( Em 13/10/1996 )

O técnico do Santos, José Teixeira, inicia hoje contra o Criciúma, em Santa Catarina, uma “cruzada” de três jogos que o conduzirá à permanência ou à demissão do cargo. O time terá nesta semana uma série de jogos longe da pressão da torcida, fator que técnico, jogadores e diretoria consideram importante para a reabilitação.

A equipe terá de apresentar um futebol convincente para que o treinador retribua a confiança dos dirigentes, que o mantiveram no cargo após uma sequência de quatro resultados negativos -três derrotas e um empate.

Uma derrota para o Criciúma situará o Santos muito próximo da chamada “zona de rebaixamento” e tornará insustentável a situação do técnico.

Após o jogo em Criciúma, o Santos viajará para São José do Rio Preto (SP), onde enfrentará o Nacional da Colômbia, pela Supercopa, na quarta-feira, e o Flamengo no sábado.

Teixeira foi “prestigiado” em reunião com os jogadores na sexta-feira. No encontro, foi cobrado mais empenho dos atletas.

A reunião também foi uma tentativa de unificar o elenco, “rachado” por brigas entre atletas e o inconformismo de titulares que foram para a reserva, como Camanducaia e Edinho.

Há duas semanas, Marcos Assunção e Juari trocaram pontapés durante um treinamento. Assunção também teve uma discussão ríspida com Marcos Adriano no intervalo do último jogo.

“Na reunião, os jogadores se entenderam e acabaram resolvendo o problema entre eles mesmos”, disse o diretor de futebol, José Paulo Fernandes.

Baez estréia na Supercopa

O atacante paraguaio Edgar “Chito” Baez, 24, deverá viajar nesta semana para São José do Rio Preto (SP) para se juntar ao Santos.

Contratado por US$ 600 mil do Guarani do Paraguai para resolver o problema do ataque do time, Baez poderá estrear na partida contra o Nacional de Medellin (Colômbia), na quarta-feira, pela Supercopa.

A diretoria do Santos tenta inscrever o jogador na competição com a Confederação Sul-Americana, embora o prazo oficial já tenha se encerrado.

O clube argumenta com um precedente: o Independiente (Argentina) utilizou na Supercopa o atacante Usuriaga, inicialmente inscrito pelo Santos.

Criciúma pode contar com todos titulares

Jogando em casa, o Criciúma poderá contar com todos os titulares, hoje, contra o Santos.

O atacante Mabília, artilheiro do time, com seis gols, que não participou dos últimos dois jogos por causa de uma contratura na coxa esquerda, foi liberado pelo departamento médico do clube.

Submetido a um tratamento intensivo nas últimas duas semanas, Mabília ficará na reserva, mas deve ser aproveitado durante a partida pelo técnico Sérgio Cosme. O jogador treinou normalmente com a equipe na sexta-feira.

Segundo Cosme, o Criciúma, penúltimo colocado no Campeonato Brasileiro, com sete pontos, não terá nenhum esquema especial para enfrentar o Santos.

“O time não vai fugir de suas características, 50% de marcação e 50% de ataque”, disse.