Navegando Posts marcados como Ituano

Ituano 0 x 0 Santos

Data: 21/02/2017, terça-feira, 21h30.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 5ª rodada
Local: Estádio Novelli Júnior, em Itu, SP.
Público: 3.564
Renda: R$ 153.120,00
Árbitro: Luiz Flavio de Oliveira
Auxiliares: Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo e Alberto Poletto Masseira.
Cartões amarelos: Claudinho e Mateus (I); Lucas Veríssimo e Leandro Donizete (S).

ITUANO
Fábio; Arnaldo, Lima, Mateus e Peri; Wellignton Simião, Walfrido, Guilherme (Romarinho) e Morato (Bassani); Claudinho (Lucas Crispim) e Igor.
Técnico: Tarcísio Pugliese

SANTOS
Vladimir; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Yuri e Zeca; Leandro Donizete, Thiago Maia e Léo Cittadini (Thiago Ribeiro); Vitor Bueno, Copete e Kayke (Bruno Henrique).
Técnico: Dorival Junior



Em jogo de dar sono, Santos não sai do zero contra o Ituano

Os mais de 3 mil espectadores e outros milhões de torcedores acompanhando pela TV, Internet ou rádio devem ter tirado pelo menos um cochilo durante o duelo entre Ituano e Santos, nesta terça-feira, pela quinta rodada do Campeonato Paulista. Em partida com praticamente nenhuma emoção, as equipes equipes fizeram jus ao mal futebol apresentado e não saíram do 0 a 0 no estádio Novelli Júnior, em Itu.

O resultado não foi bom para nenhum dos clubes. O Peixe acumulou seu terceiro jogo seguido sem vitória e chegou aos sete pontos. Os comandados de Dorival até voltaram para a segunda colocação do grupo D, mas só ficarão nela se a Ponte Preta perder para o Linense, nesta quarta-feira, em Lins.

Já o Ituano, por sua vez, segue em segundo no grupo A, com oito pontos. Porém, o Galo Rubro-Negro pode cair de posição caso o São Bernardo vença o Mirassol, também nesta quarta.

O jogo

Com nenhuma chance clara de gol, os primeiros momentos entre Ituano e Santos foram marcados por duas lesões no Novelli Júnior. Logo aos três minutos, o meia Guilherme, da equipe de Itu, tirou uma bola de Victor Ferraz, sentiu o joelho e precisou ser substituído por Romarinho. Pelo lado do Peixe, Léo Cittadini recebeu uma entrada forte de Claudinho. O santista chorou durante o atendimento médico, chegou a voltar para o jogo, mas acabou saindo para a entrada de Thiago Ribeiro. Com isso, Vitor Bueno foi recuado e virou o armador do time comandado por Dorival Júnior.

Pressionado após as derrotas para São Paulo e Ferroviária, respectivamente, o alvinegro começou tentando implantar seu estilo de jogo, com toque de bola e tranquilidade para chegar dentro da área adversária. Porém, os santistas não mostravam a velocidade e criatividade de outrora. Com isso, a equipe ficou lenta e previsível.

O Ituano, por sua vez, esperava os contra-ataques teve a primeira boa chance do embate. Aos 18 minutos, Morato recebeu na entrada da área, driblou dois marcadores e bateu rasteiro. O goleiro Vladimir defendeu bem e salvou o Santos.

O duelo seguiu o mesmo ritmo do Peixe e foi completamente monótono em Itu. Tanto que a única oportunidade da equipe comandada por Dorival Júnior surgiu apenas aos 46 minutos, em chute fraco de Victor Ferraz, facilmente defendido por Fábio. Logo depois, o árbitro Luiz Flávio de Oliveira apitou o fim do primeiro tempo e deve ter acordado os torcedores que dormiram durante a fraca partida no interior paulista.

Se a etapa inicial foi sonolenta, a volta do intervalo não começou muito animadora, principalmente para o lado do Santos. Ao contrário do que aconteceu no primeiro tempo, o alvinegro viu o Ituano adiantar a marcação, pressionar a saída de bola e voltar ligeiramente melhor. Tanto que aos 18 minutos, Romarinho avançou, cortou para o meio e soltou uma bomba da entrada da área. A bola passou por cima da trave e assustou Vladimir.

Na sequência, o goleiro operou um milagre no estádio Novelli Júnior. Após furada da defesa, Igor rolou para Lucas Crispim. Mesmo desequilibrado, o atacante, emprestado pelo Santos, bateu no ângulo. Porém, Vladimir apareceu, fez linda defesa e evitou o gol do Ituano.

O Santos seguiu muito fraco durante boa parte do segundo tempo. Tanto que a equipe só voltou a assustar o goleiro Fábio aos 38 minutos. Após boa jogada de Copete, Thiago Ribeiro recebeu cruzamento e completamente livre, pegou mal na bola e desperdiçou uma ótima chance.

A oportunidade animou o Peixe. Os comandados de Dorival Júnior até esboçaram alguma reação no final do duelo, mas nada que conseguisse alterar o marcador em Itu, que terminou em um 0 a 0 modorrento.

Bastidores – Santos TV:

Dorival nega pressão e vê torcida do Santos ‘mal acostumada’

O Santos chegou ao terceiro jogo seguido sem vitória no Campeonato Paulista. Previsível e pouco criativo, o time comandado por Dorival Júnior não conseguiu assustar o Ituano e ficou no 0 a 0, nesta terça-feira, no estádio Novelli Júnior, em Itu, pela quinta rodada do torneio estadual. O alvinegro, inclusive, tem seu pior início de Paulistão em cinco anos. Motivo para pressão? Não para o técnico santista.

“Turbulência não existe. Convivemos com harmonia no CT. Buscando melhorar, resultados. A diretoria sempre abraçou a equipe. Não sinto essa pressão que se fala. Cobrança vai existir. A torcida do Santos está mal acostumada em razão dos bons resultados na Vila Belmiro por longo tempo e natural que uma derrota ou outra ocasione nisso. É questão de tempo para recuperarmos. Está iniciando o campeonato. Será o mais difícil dos últimos anos. Estamos vivendo isso. A equipe vem evoluindo, sim”, ressaltou o treinador do Peixe, em entrevista coletiva após o duelo desta terça.

Com a igualdade em Itu, o Santos acumulou seu terceiro jogo seguido sem vitória e chegou aos sete pontos. Os santistas até voltaram para a segunda colocação do grupo D, mas só ficarão nela se a Ponte Preta perder para o Linense, nesta quarta-feira, em Lins.

Mesmo com o pouco futebol apresentado diante do Ituano, Dorival crê que o alvinegro está no caminho certo e que os erros na conclusão das jogadas foram fundamentais para o empate no estádio Novelli Júnior.

“O que ficou faltando foi o último passe. Tivemos produção ofensiva condizente com o que o time faz. Na hora de colocar alguém em condição de definir, falhamos. Fizemos jogo bem seguro em razão de mudança de postura. Foi jogo pesado, complicado. Tivemos mais coisas positivas do que negativas. Natural que o resultado não acontecendo, existam questionamentos. A equipe vai readquirir confiança”, concluiu o técnico santista.

Ferraz vê erro no último passe e diz: “Tem bastante coisa para acertar”

O Santos foi nulo contra o Ituano, nesta terça-feira, no estádio Novelli Júnior, em Itu. Mesmo mantendo a posse de bola, principalmente no primeiro tempo, o Peixe não conseguiu criar oportunidades de gol, ficou no 0 a 0 e chegou ao terceiro jogo seguido sem vitória no Campeonato Paulista. Apesar das pouquíssimas oportunidades criadas, o lateral-direito Victor Ferraz acredita que a equipe não esteve tão abaixo do esperado.

“Fizemos um primeiro tempo bom, faltou acertar o último passe. No segundo tempo deixamos cair, eles tiveram chances. A gente tem uma forma de jogar, e as equipes jogam fechadas. Por isso, a gente acaba não encontrando espaços. Precisamos caprichar o último passe para que possamos dar a alegria para o torcedor”, explicou o santista na saída do gramado.

Mesmo crendo que o alvinegro fez uma apresentação razoável diante do Galo Rubro-Negro, Ferraz também acredita que a equipe comandada por Dorival Júnior precisa melhorar para alcançar a recuperação no Campeonato Paulista.

“Temos bastante coisa para acertar, principalmente no que a gente deseja. Temos que treinar e conversar mais, na próxima partida vamos voltar a jogar o que a gente deseja. Não está faltando confiança. É ter a última bola com clareza. Mas vamos acertar. Logo mai , voltaremos apresentar o futebol que estamos acostumados”, completou.

Cittadini fará exames nesta quarta e pode ser desfalque no Santos

A lista de desfalques do Santos não para de aumentar. Sem Vanderlei, Renato, Lucas Lima e Ricardo Oliveira, o Peixe pode perder mais um jogador para o departamento médico. O meia Léo Cittadini saiu de campo lesionado no empate contra o Ituano, válido pela quinta rodada do Campeonato Paulista, nesta terça-feira, no estádio Novelli Júnior. O jovem fará exames nesta quarta-feira para detectar a gravidade da contusão.

Ainda no início do primeiro tempo em Itu, o santista recebeu uma entrada forte de Claudinho. O camisa 19 chorou durante o atendimento médico, chegou a voltar para o jogo, mas acabou saindo para a entrada de Thiago Ribeiro. Com isso, Vitor Bueno foi recuado e virou o armador do time comandado por Dorival Júnior.

“Ele não tinha mais condições. Sofreu uma pancada forte na lateral do joelho e aí trava, perde completamente a mobilidade. Ele ficou chateado porque tinha uma nova oportunidade”, explicou o técnico Dorival Júnior após a partida.

Como Lucas Lima não deve ser liberado para entrar em campo contra o Botafogo-SP, no próximo sábado, às 17h (de Brasília), na Vila Belmiro, Cittadini seguiria na equipe titular. Porém, caso uma lesão grave seja constatada, Dorival precisará quebrar a cabeça durante a semana para encontrar um substituto.

Sem Jean Mota, que tem a mesma lesão de Lucas Lima (estiramento no ligamento colateral lateral do joelho), mas na perna esquerda, o técnico do Peixe tem apenas Vitor Bueno e Rafael Longuine como meias de origem.

A tendência é que o comandante repita o que foi feito nesta terça, recuando o camisa 7 e promovendo a entrada de um atacante de beirada. Como opões, Dorival conta com Bruno Henrique, Arthur Gomes e Thiago Ribeiro.

Santos 2 x 1 Ituano

Data: 06/02/2016, sábado, 11h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 3ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 5.501 pagantes
Renda: R$ 215.590,00
Árbitro: Douglas Marques das Flores
Auxiliares: Marcelo Carvalho Van Gasse e Miguel Cataneo Ribeiro da Costa
Cartões amarelos: Elano e Lucas Lima (S); Luiz Felipe, Claudinho e Peri (I).
Cartão vermelho: Raul Prata (I).
Gols: Gustavo Henrique (47-1); Naylhor (37-2) e Ricardo Oliveira (52-2, de pênalti).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Gustavo Henrique, Lucas Veríssimo e Zeca; Renato (Vitor Bueno), Thiago Maia e Lucas Lima; Paulinho (Ronaldo Mendes), Gabriel (Elano) e Ricardo Oliveira.
Técnico: Dorival Júnior

ITUANO
Diego Neto; Raul Prata, Naylhor, Luiz Felipe e Peri; Jonathan Lima, Welington Simião e Marcelinho (Fernando Viana); Claudinho, Ruan (Igor) e Edinho (Marcão).
Técnico: Tarcísio Pugliese



Com erro de arbitragem e pênalti aos 52 minutos, Santos bate Ituano na Vila

O forte calor e o cansaço atrapalharam o bom futebol na Vila Belmiro, mas com um erro da arbitragem, o Santos saiu vencedor em partida pela terceira rodada do Campeonato Paulista. Gustavo Henrique abriu o placar para o Peixe ainda no primeiro tempo e, na segunda etapa, Marcão teve um gol anulado incorretamente e Naylhor fez o de empate da equipe de Itu. No final, aos 52 minutos, Raul Prata derrubou Ronaldo Mendes dentro da área e o juiz marcou pênalti. Na cobrança, Ricardo Oliveira converteu a penalidade para dar a segunda vitória do Alvinegro neste Paulistão, em partida realizada na “matinê” deste domingo, às 11h (de Brasília).

Além dos três pontos, o técnico Dorival Júnior teve mais um motivo especial para comemorar o resultado. O jogo marcou o centésimo do treinador à frente do Peixe, que pode comemorar sua 61ª vitória pelo clube. No Alvinegro, Dorival já conquistou um título da Copa do Brasil e um título Paulista, ambos em 2010.

Com o resultado, o Santos abriu vantagem na liderança do Grupo A e já não pode ser mais alcançado nesta rodada. O peixe chegou aos sete pontos, quatro a mais do que o segundo colocado Oeste, que recebe o Palmeiras nesta quarta-feira. A equipe de Itu, por sua vez, mantem-se com dois pontos ganhos, na quarta colocação do Grupo B.

O jogo

Apesar de estar jogando fora de casa, foi o Ituano quem teve a primeira chance de perigo. Claudinho, que era festejado pelos poucos torcedores visitantes na Vila Belmiro por estar completando seu 50º jogo, arriscou um bom chute de fora da área, mas a bola foi pela linha de fundo, próxima à trave, assustando o goleiro Vanderlei.

O Peixe respondeu dez minutos depois com um rápido contra-ataque, característico da equipe. Após um passe errado do Ituano na intermediária, Thiago Maia deu passe para Lucas Lima, que demonstrou muita visão de jogo para abrir a bola na esquerda com Ricardo Oliveira. O camisa 9 inverteu papéis com Gabriel e cruzou para o jovem dentro da área, mas Naylhor fez o corte no momento da finalização.

O Santos tentava pressionar, mas com o ituano fazendo uma boa marcação, o Alvinegro tinha dificuldade em assustar o gol de Diego Neto. Aos 25, foi em uma bela jogada ensaiada entre Lucas Lima e Victor Ferraz pela direita, que o Peixe teve outra boa chance. Já na linha de fundo, o lateral tocou para atrás, mas Gabriel finalizou mal e a bola subiu. Renato tentou aproveitar de cabeça, mas a zaga afastou.

Logo em seguida, o árbitro paralisou a partida por quatro minutos para que os jogadores pudessem se reidratar no forte calor de Santos. A pausa melhorou o futebol na Vila, apesar de o Peixe parecia não apenas ter dificuldades com a temperatura, como também com o cansaço pelo pouco descanso desde a partida de quarta-feira à noite, contra a Ponte Preta.

Se o Santos não conseguia balançar as redes com jogadas de criação, coube ao zagueiro Gustavo Henrique abrir o placar em lance de bola parada. Após cobrança de escanteio de Lucas Lima, o beque subiu mais que a defesa e mandou no canto esquerdo de Diego Neto, que ainda tocou na bola, mas sem conseguir evitar o gol do Peixe.

No segundo tempo, o Ituano dava mostras que complicaria o jogo do Santos. Logo aos seis minutos, Peri arriscou de fora da área e Vanderlei fez boa defesa. No entanto, foi o Santos quem teve as melhores chances antes de outra pausa para reidratação. Aos 12, Lucas Lima tocou para Victor Ferraz, que bateu cruzado e obrigou boa defesa de Diego Neto. Cinco minutos depois, foi a vez de Gabriel receber na esquerda, pedalar e bater cruzado para boa defesa do goleiro do Ituano.

Aos 33, o Ituano chegou ao empate, mas a arbitragem anulou o lance incorretamente. Após cobrança de falta de Peri, Simão desviou, a bola bateu em Marcão e entrou no cantinho de Vanderlei.

Menos de cinco minutos depois, a equipe de Itu colocou mais uma bola nas redes e, desta vez, a arbitragem não interferiu no lance. Novamente Peri cobrou bola parada e, após o escanteio, Naylhor apareceu sozinho na área e marcou de cabeça. Com isso, os dois tentos da partida foram marcados por zagueiros.

Aos 50 minutos, com o árbitro tendo assinalado seis de acréscimo devido a pausa para reidratação, Raul Prata fez pênalti claríssimo em Ronaldo Mendes dentro da área. Na cobrança, Ricardo Oliveira não titubeou e bateu no canto esquerdo, deslocando o goleiro Diego Neto e fazendo o gol salvador.

Bastidores – Santos TV:

Dorival admite pedido da diretoria, mas Ricardo Oliveira fala em horário “desumano”

O horário da partida entre Santos e Ituano neste domingo não parece ter agradado a ninguém. Durante a partida – vencida pelo Peixe por 2 a 1 com Ricardo Oliveira marcando o gol decisivo, de pênalti, aos 51 minutos – a arbitragem foi obrigada a parar o jogo em duas oportunidades para que os jogadores pudessem se reidratar em campo.

O forte calor das 11h claramente prejudicou o desempenho das equipes e o técnico Dorival Júnior, criticou a opção pelo horário. O treinador, no entanto, admitiu que a mudança – a partida ocorreria quarta-feira à noite – foi um pedido da diretoria santista.

“Nós teríamos o desfile de domingo pra segunda e a partida na quarta. A diretoria pediu a antecipação, mas não imaginávamos que o horário fosse esse (11h). Pedimos a antecipação em razão de um compromisso assumido (representação da cidade e do Santos no Carnaval carioca com a Grande Rio). Cai o espetáculo. Se tivesse o jogo dentro da normalidade, parte da tarde, recuperação seria um pouco melhor, temperatura mais amena, e situação melhor para desempenhar o futebol”, disse o treinador

Autor do gol da vitória, Ricardo Oliveira foi mais duro nas críticas e afirmou que é “desumano” atuar neste horário. “Acho que a partida se desenhou de forma difícil. Acabei de falar, mas desculpa, é desumano jogar nesse horário, não somos máquinas. O torcedor não entende isso, a gente corre, tenta fazer o melhor, não dá, é difícil, não temos escolha. O pessoal do poder manda e temos que acatar”, disse o camisa 9.

O atacante ainda pediu por uma mobilização nacional para que jogos neste horário não se repitam. “Acho que precisamos de mobilização nacional, falarmos que não dá para praticar. De repente, mudaria alguma coisa”, finalizou o centroavante.

Dorival agradece homenagem em 100º jogo e pede sequência no clube por títulos

As homenagens ao técnico começaram desde a entrada em campo. A diretoria santista convidou 100 pessoas (em referência ao número de jogos no comando do Peixe), entre sócios, conselheiros e até jogadores do clube, para recepcionar o treinador no gramado. Dorival também recebeu uma placa homenageando o feito.

O treinador falou sobre a marca alcançada, sem se esquecer dos resultados e profissionais envolvidos em sua primeira passagem pelo clube. “Agradeço (pela homenagem dos 100 jogos) pelo carinho e por todos que trabalharam comigo nas duas passagens. Santos tem riqueza humana e um ambiente muito bom para trabalhar. É um número que marca minha carreira. Fico satisfeito e vou trabalhar para merecer esta confiança”, disse o comandante.

Em 2010, Dorival Júnior foi campeão da Copa do Brasil e do Campeonato Paulista antes de deixar a equipe que venceria a Copa Libertadores da América em 2011. Agora, o treinador não pensa em deixar o cargo e pede por uma sequência para alcançar mais títulos no Alvinegro.

“É uma equipe que eu tenho tempo para desenvolver um trabalho. Em todas as equipes que eu tive tempo, atingimos os resultados. Alcance de títulos. Identificação é porque havíamos tido as duas conquistas em 2010, poderíamos ter tido uma sequência e foi interrompida daquela maneira. Jogamos uma nova final (Copa do Brasil, em 2015), eu me identifico muito com o trabalho do Santos”, afirmou o treinador.

Por fim, Dorival falou sobre a marca para sua carreira, sem se esquecer da sequência do trabalho no Santos, que o treinador avaliou como positiva. “Profissionalmente também é uma marca importantes, fico feliz com isso e espero que consigamos manter os bons resultados para dar sequência no trabalho. Espero poder retribuir a toda essa confiança com muito trabalho e que busquemos melhores situações que tivemos até esse momento, que já foram muito boas”, concluiu. No Santos, Dorival Júnior soma 61 vitórias,16 empates, 23 derrotas.

De saída para carnaval do Rio, Dorival atribui vitória á “heróis em campo”

Em partida que marcou o centésimo jogo de Dorival Júnior à frente do Peixe, o treinador fez questão de exaltar os “heróis” alvinegros em campo, que superaram o calor de quase 30°C em Santos e venceram o Ituano por 2 a 1. Agora, o treinador já sabe onde passará o restante do feriado de Carnaval e como será a comemoração pela marca alcançada.

“Uma equipe buscou o resultado a todo momento. Temos apenas 20 dias de preparação e os jogadores foram heróis campo. Até o último momento, estavam se entregando, se doando e correndo. Agora teremos um tempo maior de descanso e podemos recuperar os atletas”, disse o treinador.

Apesar do cansaço por terem atuado na quarta-feira à noite, em partida contra a Ponte Preta, e chego de madrugada em Santos, os atletas alvinegros deram seu máximo em campo e conseguiram bater o Ituano por 2 a 1, com o gol da vitória saindo apenas aos 51 minutos, em pênalti convertido por Ricardo Oliveira. O treinador agora está focado em aproveitar o feriado de Carnaval.

“Não sei se eu vou desfilar. Vou para ver. Gosto muito do Carnaval carioca. Sempre acompanhei desde garoto em Araraquara. Conhecia os enredos e as histórias. Sempre me identifiquei porque vejo muita riqueza no que se mostra pelas escolas. Acho bonito e me dá prazer. Vou poder ver de perto mais uma vez”, disse o treinador.

A cidade de Santos será homenageada pela escola de samba Acadêmicos do Grande Rio e, no desfile, um dos carros terá como tema o futebol na cidade litorânea.

Santos 3 x 0 Ituano

Data: 01/02/2015, domingo, 19h30.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 9.121 torcedores
Renda: R$ 269,839,00
Árbitro: Antonio Rogério Batista do Prado
Auxiliares: Paulo de Souza Amaral e Vitor Carmona Metestaine
Cartões amarelos: Gustavo Henrique e Chiquinho (S); Clayson, Leonardo, Ricardinho (I).
Gols: Geuvânio (06-1), Chiquinho (29-1) e Geuvânio (10-2).

SANTOS
Vladimir, Victor Ferraz, Gustavo Henrique, David Braz e Chiquinho; Alison, Renato e Lucas Lima; Geuvânio (Ricardo Oliveira), Robinho (Lucas Crispim) e Thiago Ribeiro (Elano).
Técnico: Enderson Moreira

ITUANO
Diego, Dick, Léo, Leonardo (Naylhor) e Zé Carlos; Josa, Clayson (Jheimy), Cristian e Jackson Caucaia (Gercimar); Misael e Ricardinho.
Técnico: Tarcísio Pugliese



Peixe “se vinga” e bate o Ituano com facilidade na Vila

Carrasco santista na grande final do Campeonato Paulista de 2014, o Ituano desta vez não foi capaz de segurar o alvinegro praiano. Neste domingo, na estreia de ambas as equipes no Paulistão de 2015, o Peixe passou com facilidade pelo time do interior do Estado com uma vitória por 3 a 0, na Vila Belmiro. Geuvânio, grande revelação do último Paulistão, marcou duas vezes e Chiquinho, logo em seu primeiro jogo com a camisa do Santos, fechou o placar.

O resultado levou os donos da casa à liderança do Grupo D, empatado com o Bragantino. Capivariano, XV de Piracicaba e Penapolense completam a chave. Enquanto isso, o Ituano segura a lanterna do Grupo A ao lado do São Bernardo e vê a disputa com São Paulo, Mogi Mirim e RB Brasil ficar complicada.

O jogo

O Campeonato Paulista do Santos começou do jeito que o torcedor gosta. Assim que soou o apito do árbitro, o time partiu para cima do adversário, em uma tentativa de surpreender e se impor em seu território. Principalmente no caso deste domingo, já que o adversário era o Ituano, clube que derrotou o Peixe na final do Estadual ano passo e ficou entalado na garganta tanto do elenco quando do torcedor.E a estratégia deu certo. Logo ao 6 minutos de jogo, Geuvânio recebeu na entrada da área, pela direita. Cortou para dentro e acertou um lindo chute de canhota. Golaço e festa na Vila Belmiro. O Galo de Itu, porém, não se abateu e chegou a calar o estádio santista por alguns segundos. Logo após a saída de bola, os visitantes buscaram o empate e, após bela jogada pela esquerda, a bola sobra para Ricardinho que, dentro da área, bateu forte, no contrapé de Vladimir. A trave salvou o Santos e Misael foi interceptado por Chiquinho no rebote.

Depois de um início de jogo eletrizante, a partida caiu de rendimento. Os times pareciam sentir o gramado alto e em más condições da Vila Belmiro. Por alguns instantes, a agitação maior aconteceu nas arquibancadas, quando policiais militares agiram e retiraram algumas faixas de protestos da torcida contra a antiga diretoria do Peixe. “Cadê o dinheiro que tava aqui”, dizia uma das faixas.

De volta ao campo, o Santos ampliou sua vantagem com mais um belo gol, desta vez de Chiquinho, único reforço desta temporada a começar como titular na equipe de Enderson Moreira. Lucas Lima bateu falta na barreira e o lateral esquerdo pegou a sobra de primeira, acertando um petardo de fora da área, no ângulo. 2 a 0 antes dos 30 minutos.

A partir daí, a chuva passou a acompanhar o confronto e acabou esfriando o ânimo dos atletas. O Ituano, muito aquém do que o esperado, mal trocava três passes seguidos e deixou o primeiro tempo, talvez, mais preocupado em não levar uma goleada.Para não dar chance

Ainda sob chuva, até um pouco mais intensa, o Santos voltou para o segundo tempo senhor do jogo. O Ituano, aparentando um certo conformismo com a inferioridade técnica e física, era incapaz de esboçar uma reação.

Aos 6 minutos, Chiquinho quase marcou seu segundo gol no jogo após bela cobrança de falta. Aos 9, Geuvânio penetrou na área e pediu pênalti, mas o juiz mandou seguir.

Mas era questão de tempo. E aos 10 minutos da etapa complementar não teve jeito. Geuvânio girou bem em cima da marcação após receber cobrança de lateral, pela direita, tabelou com Lucas Lima e bateu firme, já dentro da área, para estufar as redes mais uma vez, marcando o terceiro do Peixe no jogo.

Com o resultado nas mãos, Enderson Moreira deu o gosto especial para Geuvânio deixar o campo aplaudido e com seu nome entoado pelas arquibancadas. Ricardo Oliveira entrou em seu lugar e voltou a pisar na Vila Belmiro com a camisa santista após 13 anos.O Ituano também realizou substituições, aliás, três de uma só vez, e, com as equipes já bastante modificadas e com o placar de 3 a 0, a partida esfriou o ímpeto dos dois times, que fizeram apenas o primeiro jogo no ano.

Neste momento, então, os torcedores passaram a pedir a entrada de Elano. E foram atendidos prontamente por Enderson Moreira. Com a camisa 22, o meia também retornou neste domingo ao local onde se consagrou para o futebol, agora com 33 anos. Essa é a terceira passagem de Elano pelo Peixe.

Robinho também deixou o jogo antes do término para descansar e deu lugar para o jovem Lucas Crispim, mais uma revelação da base santista. Mas o cansaço já preponderava e o confronto chegou ao fim sem mais grandes emoções.

Bastidores – Santos TV:

Após conversa e dedicação, Geuvânio começa bem o ano no Santos

O Santos bateu o Ituano por 3 a 0 com dois belos gols de Geuvânio. O jovem atacante mostrou que inicia a temporada em grande forma e começa a se destacar na briga por uma vaga entre os titulares. “A gente valoriza quem faz gol, é fundamental”, admitiu Enderson Moreira, neste domingo, após a estreia da equipe no Paulistão.

O técnico, aliás, é um profundo admirador do futebol de Geuvânio. Em 2014, o atacante recebeu o prêmio de revelação do Campeonato Paulista e chegou a receber a mítica camisa 10 do Peixe. Porém, seu rendimento acabou caindo e alguns problemas extra-campo atrapalharam sua ascensão. Com isso, Geuvânio perdeu espaço na equipe e só voltou a ter novas oportunidades no segundo turno do Campeonato Brasileiro.

Com ânimo renovado e com respaldo do treinador, Geuvânio terminou a temporada bem, marcando gols e sendo importante para o time. Agora, mesmo com Robinho, Ricardo Oliveira, Thiago Ribeiro e Gabriel, o camisa 45 quer garantir seu espaço no time e mostrou que está preparado para isso.

“Percebemos nos treinos o destaque dele. Foi uma conversa. O Luiz, meu auxiliar, foi importante nesse aspecto. Vimos no dia a dia que ele voltou a buscar espaço. Isso foi importante. Ele tem demonstrado isso. Onde ele vai chegar depende do que ele conseguir na temporada”, explicou Enderson Moreira.

Enderson elogia Chiquinho e aprova estreia do Peixe na Vila Belmiro

Chiquinho chegou sem badalação e até mesmo sob certa desconfiança. Porém, neste domingo, foi o único dos sete reforços contratados pelo Santos nesta temporada a iniciar no time titular. Além disso, o estreou um golaço de fora da área, criou perigo em cobrança de falta e sustentou bem a lateral esquerda. Ao fim do jogo, a torcida aplaudiu o atleta, que estava claramente feliz com a situação. No entanto, Enderson Moreira garante que não foi pego de surpresa.

“Esses problemas são interessantes no futebol. Poucos deram valor a ele quando chegou. Fez uma temporada boa no Fluminense. Não é lateral. Foi meu jogador com 16 anos, no Atlético-MG. É meia. Tem essa versatilidade. Consegue jogar na segunda linha também, sei do potencial”, comentou o técnico santista, sem cravar quem será o lateral esquerdo da equipe após o retorno de Caju, que está com a seleção brasileira Sub-20, na disputa do Sul-Americano. “É um primeiro jogo. A briga de posição vai ser boa, tomara que seja acirrada. Assim que se faz grupo competitivo”, salientou Enderson.

Ao comentar sobre o desempenho da equipe na vitória por 3 a 0 contra o Ituano nesta 1ª rodada do paulistão, Enderson também ficou satisfeito com o que viu.

“A gente sabe que é um primeiro jogo, muita coisa evolui, mas foi positivo. Dentro do que colocamos e cobramos, foi bom. O fato do campo estar molhado fez a gente perder o timing, apesar de ter qualidade e competir. Fico feliz. Era um jogo especial, difícil, jogadores que estão juntos há um tempo. As dificuldades eram grandes e a equipe se comportou bem”, avaliou.

Importância dos veteranos

O Santos começou o confronto contra o Ituano com Renato e Robinho em campo. No segundo tempo, Ricardo Oliveira e Elano também foram a campo e ajudaram a equipe a vencer na estreia. E a experiência, além da qualidade, desses jogadores já identificados com a torcida podem ser cruciais para o Peixe neste ano, segundo Enderson Moreira.

“O Robinho e o Renato vêm do ano passado, o Elano e o Ricardo vão nos ajudar muito. Vão nos ajudar fora também. Teve a ansiedade da estreia e deram palavras muito sábias. Eles podem ajudar os mais jovens a trilharem esse caminho. Vamos viver cada jogo. A partir de agora, pensamos no Mogi Mirim”, explicou o treinador.

Ituano 0 x 1 Santos

Data: 26/01/2014, domingo, 19h30.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 3ª rodada
Local: Estádio Novelli Júnior, em Itu, SP.
Público: 2.527 pagantes
Renda: R$
Árbitro: Marcelo Rogério
Auxiliares: Daniel Luis Marquese e Patricia Carla de Oliveira
Cartões amarelos: Josa e Cristian (I); Gabriel, Alan Santos, Mena e Thiago Ribeiro (S).
Gol: Cícero (46-2).

ITUANO
Vagner; Dick, Alemão, Anderson Salles e Dener; Josa, Paulinho (Rafael Silva), Jackson Caucaia e Cristian (Esquerdinha); Marcinho (Clayson) e Jean Carlos.
Técnico: Doriva

SANTOS
Aranha; Cicinho, Neto, Jubal e Mena; Alan Santos (Leandrinho), Arouca e Cícero; Thiago Ribeiro. Geuvânio e Gabriel (Victor Andrade)
Técnico: Oswaldo de Oliveira



Santos sofre pressão, Aranha salva e Cícero decide vitória sobre o Ituano

Peixe vai mal, mas faz 1 a 0 com gol de falta do meia nos minutos finais. Time do interior cria e finaliza mais, mas para em boa atuação do goleiro

Aos 45 minutos do segundo tempo, uma falta cobrada por Cícero deu a vitória ao Santos por 1 a 0 sobre o Ituano, neste domingo, no Novelli Júnior. A equipe do interior jogou melhor, exigiu grandes defesas de Aranha, mas foi castigada em uma bola parada que desviou na barreira e enganou seu goleiro. O Peixe venceu, mas terá de tirar lições se quiser melhorar e brigar em condições de igualdade com seus adversários pelo título paulista.

Com um meio-campo dominado durante toda a partida, o Peixe assistiu à pressão do Ituano no segundo tempo. Não fosse Aranha, a trave e o zagueiro Jubal, o Santos sairia derrotado de Itu. E a vitória do time da casa seria até o placar mais justo. O resultado levou o Santos aos sete pontos, na segunda posição do Grupo C do Campeonato Paulista. O Ituano tem apenas um ponto somado no Grupo B.

O jogo

À vontade e vestindo uma bermuda para amenizar o calor de Itu, Oswaldo de Oliveira apostou no retorno de Cícero para dar vitalidade ao meio-campo santista. Nem ele foi capaz de efetuar a necessária ligação até o ataque. Assim, o Santos viveu da ligação direta vinda da defesa e de alguns lampejos de Geuvânio, arisco, cheio de dribles, mas sem ajuda de Gabriel e Thiago Ribeiro, muito bem marcados.

Oswaldo terá trabalho para suprir a ausência de Montillo, que costumava fazer com eficácia a armação de jogadas. Sem o argentino, o Peixe perde muita qualidade e precisa de jogadas individuais para criar. Foi assim nas poucas chances que o time teve.

O Ituano não se limitou a defender e tentou agitar um jogo monótono, finalizando mais do que o rival e buscando o ataque. Nas bolas paradas, Anderson Sales deu trabalho. Com a bola rolando, os ex-palmeirenses Marcinho e Cristian tiveram chances de abrir o placar. Ambos pararam no goleiro Aranha, melhor santista em campo no primeiro tempo.

A vantagem física do Ituano foi decisiva para o formato do jogo, que teve a equipe do interior no comando das ações durante todo o segundo tempo. O Ituano passou a trocar passes, abrir espaços e colocar o Santos para correr. Aranha continuou fazendo o que pôde – e quando não pôde, contou com valiosa ajuda da sorte, com no chute de Paulinho que acertou a trave.

Oswaldo trocou Gabriel por Victor Andrade – seis por meia dúzia, já que a formação do ataque não mudou, e o substituto, assim como o titular, mal tocou na bola. O Santos pareceu satisfeito com o empate na maior parte da segunda etapa. Do outro lado, o técnico Doriva percebeu as intenções do rival e não teve medo de colocar seu time para pressionar.

O empate sem gols era lucro para o Santos, que passou os últimos minutos dentro de sua área, se segurando para evitar a derrota. No lance mais perigoso, Jubal se jogou na frente da bola para salvar o time. Oswaldo de Oliveira demorou muito para mexer, colocou Leandrinho nos minutos finais, mas não conseguiu fazer o Peixe jogar.

Mesmo satisfeito, o Santos teve uma falta aos 45 minutos e arriscou. Cícero bateu, a barreira abriu, e o goleiro Vágner não pôde fazer nada: 1 a 0. Insatisfeito com a atuação e as vaias da torcida, o meia desabafou e levou a mão ao ouvido, querendo uma resposta da torcida. A vitória veio, mas Oswaldo terá muito trabalho para fazer esse time jogar mais.

Bastidores – Santos TV:







Vídeos: (1) Gol e (2) melhores momentos.

Ituano 0 x 1 Santos

Data: 30/01/2013, quarta-feira, 22h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 4ª rodada
Local: Estádio Novelli Júnior, em Itu, SP.
Público e renda: N/D
Árbitro: Leonardo Ferreira Lima
Auxiliares: Fabrício Porfírio de Moura e Claudenir Donizeti Gonçalves da Silva.
Cartões amarelos: Durval (S).
Cartões vermelhos: Leandro Silva (I).
Gol: Cícero (03-2).

ITUANO
Anderson; Leandro Silva, Cléber, Vitor Hugo e Patrick; Marcinho Guerreiro, Luciano (Kleiton Domingues), Cambará e Fernando Gabriel; Marcão (Adaílton) e Michel (Tiago Bezerra).
Técnico:Roberto Fonseca.

SANTOS
Rafael; Bruno Peres, Jubal, Durval e Guilherme Santos; Adriano, Cícero e Montillo (Pinga); Miralles, André (Felipe Anderson) e Neymar.
Técnico: Muricy Ramalho



Com gol de Cícero, Santos bate Ituano e segue líder do Paulistão

Com a terceira vitória em quatro jogos, time da Vila Belmiro chega a dez pontos e segue em primeiro lugar na tabela de classificação

Sem uma atuação brilhante, o Santos conseguiu derrotar o Ituano, por 1 a 0, na noite desta quarta-feira, no Estádio Novelli Júnior. O meia Cícero marcou o gol da vitória, no começo do segundo tempo.

O triunfo fora de casa manteve o Santos na liderança do Campeonato Paulista, após quatro jogos. O time chega aos 10 pontos ganhos na tabela. Já o Ituano segue sem vencer, com dois pontos, na 15ª posição.

O Santos enfrenta o São Paulo, em clássico marcado para o próximo domingo, às 17 horas (horário de Brasília), na Vila Belmiro. Já o Ituano visita o Mirassol, no dia anterior.

O jogo

Logo no primeiro minuto da partida, Cambará sobe mais alto que a zaga santista, após cobrança do escanteio, e a sua cabeçada passa por cima do gol, assustando o goleiro Rafael.

O Peixe respondeu, em cobrança de falta com Neymar, aos 18. A Joia bateu a infração por cima da barreira, exigindo boa defesa de Anderson, que espalmou a bola, afastando o perigo.

Sem conseguir furar o bloqueio montado pelo Ituano, o time alvinegro precisou das orientações do técnico Muricy Ramalho no intervalo para voltar melhor e abrir o placar.

Com o meia Felipe Anderson no lugar do centroavante André, que mais uma vez não deixou a sua marca e foi substituído, o Santos melhorou e chegou ao gol, aos três minutos, com um forte chute de Cícero, de fora da área. Anderson não conseguiu fazer a defesa e a bola balançou as redes.

Melhor na etapa complementar, a equipe praiana quase marcou o segundo, logo em seguida. Aos sete, após confusão na área, a bola sobrou para Miralles, que tirou o goleiro e bateu desequilibrado, na direção do gol. Antes de a bola entrar, a zaga do Galo de Itu salvou aquele que seria mais um gol do Peixe.

No minuto seguinte, Bruno Peres se lançou ao ataque e arriscou um chute de longa distância, com a bola passando perto da trave de Anderson.

Com a vantagem no placar, os santistas passaram a jogar com maior segurança, neutralizando o adversário e apostando nos contra-ataques. Em um deles, aos 37, Neymar recebeu dentro da área e, cercado por um zagueiro, encontrou espaço para dar um leve toque por baixo da bola, encobrindo o goleiro Anderson e acertando o travessão.

Antes do apito final, o lateral-direito Leandro Silva, que já tinha cartão amarelo, fez falta dura em Neymar e foi expulso pelo árbitro, deixando o seu time com um a menos nos últimos minutos do confronto.

Os santistas souberam administrar a vantagem nos minutos finais e alcançaram a terceira vitória no Paulistão.

Muricy valoriza vitória: “É importante mesmo não jogando bem”

Técnico do Santos valorizou a vitória magra diante do Ituano que garantiu o time na liderança do Paulista

Com um gol do meia Cícero, no início do segundo tempo, o Santos derrotou o Ituano por 1 a 0, na noite desta quarta-feira, no Estádio Novelli Júnior. O técnico Muricy Ramalho não ficou totalmente satisfeito com a exibição de sua equipe, ressaltando que alguns aspectos ainda precisam ser melhorados. Apesar disso, o treinador valorizou o resultado obtido fora de casa, que garantiu ao Peixe a permanência na liderança do Campeonato Paulista.

“O placar foi justo. O time enfrentou dificuldades, pois ainda não se encontra bem fisicamente. Por isso, é importante marcar pontos, mesmo quando não jogamos bem”, disse Muricy, nos vestiários do clube praiano.

Na partida contra o Galo de Itu, o comandante santista não pôde contar com o zagueiro Neto, além dos volantes Renê Júnior e Arouca, todos vetados pelo departamento médico. Na zaga, o jovem Jubal estreou. No meio, Adriano substituiu Renê Júnior e o argentino Miralles entrou na vaga de Arouca, modificando o esquema tático alvinegro para o 4-3-3.

Mesmo assim, Muricy Ramalho viu a sua equipe sofrer com a marcação adversária na primeira etapa e o Santos só melhorou após o intervalo, com a saída do centroavante André para a entrada do meia Felipe Anderson, que melhorou a qualidade da posse de bola do time da Vila Belmiro.

“O número de atacantes não significa ofensividade. Não agredimos no primeiro tempo. No segundo, fomos melhores e tivemos mais chances. Ficamos mais com a bola no pé e tivemos o controle do jogo”, concluiu.

Neymar questiona suposta ofensa de técnico: “Me chamou de macaco?”

Atacante do Santos reclama de suposto ato de racismo de treinador do Ituano, que nega ter feito qualquer tipo de ofensa

O Santos venceu o Ituano por 1 a 0 nesta quarta-feira, no Estádio Novelli Júnior. O atacante Neymar não marcou gol, mas nem por isso deixou de ser o centro das atenções. Isto porque, durante o primeiro tempo, teria sido vítima de um ato de racismo do técnico adversário, Roberto Fonseca. Os dois bateram boca e, só após a intervenção da arbitragem, os ânimos esfriaram.

“Me chamou de macaco?”, indagou Neymar ao se dirigir para o treinador adversário. “Você viu isso aqui? Isso é o que?”, completou o camisa 11, em pergunta direcionada ao quarto árbitro.

Na saída para o intervalo, Neymar evitou acusar Fonseca e saiu rapidamente para os vestiários. “Não sei, não sei. Eu não entendi (o que ele falou). Tanto que voltei para perguntar. Ele falou que eu era surdo”, disse.

O comandante do Ituano, por sua vez, negou qualquer tipo de ofensa racista ao atacante. “Acho que ele deve estar surdo. Eu disse que ele era cai-cai, estava se jogando toda hora, os nossos atletas indo na bola, e o árbitro estava apitando. A não ser que ele esteja até fazendo adivinhação agora”, comentou.

Como o quarto árbitro não ouviu a suposta agressão verbal de Roberto Fonseca, tampouco o juiz principal do jogo, a acusação não deve ser registrada na súmula do duelo pelo delegado da Federação Paulista de Futebol.