Navegando Posts marcados como Joinville

Joinville 0 x 0 Santos

Data: 08/11/2015, domingo, 18h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 34ª rodada
Local: Arena Joinville, em Joinville, SC.
Público: 9.679 torcedores
Renda: R$ 194.945,00
Árbitro: Wagner Reway (MT)
Auxiliares: Eduardo Goncalves da Cruz (MS) e Fabio Rodrigo Rubinho (MT).
Cartões amarelos: Marcelinho Paraíba, Danrlei e Fernando Viana (J); Lucas Lima e Daniel Guedes (S).
Cartão vermelho: Rogério (J).

JOINVILLE
Agenor; Mário Sérgio, Domingues, Guti e Diego; Danrlei, Anselmo, Silvinho (Edigar Junio) e Marcelinho Paraíba (Italo); Fernando Viana (Trípodi) e Kempes.
Técnico: PC Gusmão

SANTOS
Vanderlei; Daniel Guedes, Werley, David Braz e Chiquinho; Renato, Thiago Maia e Lucas Lima (Alison); Marquinhos Gabriel (Geuvânio), Gabriel (Nilson) e Ricardo Oliveira.
Técnico: Dorival Júnior



Na lama, Santos fica no zero com o Joinville, mas se mantém no G4

Há quase 50 dias convivendo com muita chuva, o gramado da Arena Joinville foi o grande obstáculo na partida da noite deste domingo, pela 34ª rodada do Campeonato Brasileiro, entre o time da casa e o Santos. Sem condições de apresentar o famoso futebol de toque de bola e velocidade que o caracterizou neste segundo semestre, o alvinegro praiano teve de entrar em um jogo com muitos lançamentos, de mais disposição do que de técnica. Desta forma, apesar da entrega das duas equipes em campo, a partida terminou sem gols em Santa Catarina.

O resultado foi pior para o JEC, que agora é o lanterna da competição com apenas 31 pontos e vê o retorno à Série A2 cada vez mais próximo. Já o Santos foi beneficiado pela derrota do São Paulo e se manteve na quarta colocação com 54 pontos conquistados.

Agora, as duas equipes terão um longo período sem jogos por causa da paralisação em função dos jogos da Seleção Brasileira pelas Eliminatórias Sul-americanas da Copa do Mundo. O Joinville fará clássico com Avaí, no estádio da Ressacada, em Florianópolis, dia 18 (quarta-feira), às 21 horas. O Peixe entrará em campo no dia seguinte, contra o Flamengo, às 22 horas, na Vila Belmiro.

O jogo

Assim como se esperava, o jogo em Santa Catarina foi duro de assistir em função das condições precárias do campo da Arena Joinville. Encharcado e com muita lama, o gramado impossibilitou o bom toque de bola da equipe do Peixe e forçou uma disputa com muitos ‘bicões’.

No primeiro tempo, as duas equipes tiveram poucas chances de gol. Mesmo assim, a vontade de vencer era notória. Tanto que Rogério, lateral reserva do JEC, acabou sendo expulso aos 9 minutos de jogo, por reclamação.

Aos 18, Marcelinho Paraíba cobrou falta na área e David Braz afastou contra seu gol, com perigo. Mas a grande oportunidade veio aos 21, quando Werley afastou mal e a bola sobrou limpa para Fernando Viana. O atacante bateu forte, rasteira e viu Vanderlei fazer grande defesa, evitando o gol dos mandantes.

Em seguida, outro lance inusitado na partida. Chiquinho foi afastar o perigo perto da lateral esquerda e acabou acertando uma gandula. O jogador santista, junto com outros atletas, tentaram prestar socorro para a mulher que ficou caída no chão. Depois de alguns minutos, a gandula foi levada por um médico, sem maiores problemas.

Com o reinício do jogo, o Santos quase marcou com Ricardo Oliveira aos 37. Gabriel avançou pela esquerda e cruzou rasteira para o centravante, que escorou para o gol, mas errou o alvo.
“Infelizmente, não dá pra tocar a bola. Estamos tentando outro tipo de jogo, com ligação direta e em busca da segunda bola. Não é nossa característica, mas estamos tentando buscar o gol”, comentou Renato, o jogador mais experiente do elenco alvinegro.

Na segunda etapa, Dorival Júnior surpreendeu ao sacar Lucas Lima para a entrada de Alison. A alteração, apenas de ordem tática, foi mais uma tentativa do técnico de encontrar uma nova forma do time jogar, já que a técnica de seus jogadores sucumbia ao péssimo estado do gramado.

E logo no primeiro minuto, Ricardo Oliveira teve uma chance rara. Depois de bom passe de Renato, camisa 9 saiu cara a cara com o goleiro Agenor. O chute rasteiro de esquerda, porém, parou nas mãos do camisa 1.

Dorival Júnior ainda colocou Geuvânio e Nilson nas vagas de Marquinhos Gabriel e Gabriel, respectivamente, mas o panorama da partida não mudou muito. O Joinville tentava ditar o ritmo, com o apoio de seu torcedor, mas também abusava das bolas aéreas. Em uma delas, aos 23, Edigar Junio aproveitou sobra dentro da área e chutou de primeira, mas Vanderlei mais uma vez trabalhou bem.

Bastidores – Santos TV:

Ricardo Oliveira culpa o gramado por empate com o lanterna Joinville

Durante toda a preparação para o confronto deste domingo, contra o Joinville, Dorival Júnior avisou que seus jogadores estavam alertas sobre o problema que enfrentariam com o castigado gramado da Arena Joinville. Mas, mesmo cientes de tudo, os santistas tiveram muitas dificuldades em Santa Catarina e não passaram de um 0 a 0 com o time da casa, que assume a lanterna do Campeonato Brasileiro com este empate.

Ricardo Oliveira, que desperdiçou a melhor chance de gol do jogo, aos sair cara a cara com o goleiro Agenor a 1 minuto do segundo tempo, negou a satisfação com o ponto conseguido depois de muita luta, mas não deixou de culpar o gramado pelo futebol apresentado.

“Não (foi bom). Santos não pode jogar por empate. Mas é claro que com um campo desse fica impraticável, difícil de pôr nossa qualidade. Mas é o que se deu hoje para o jogo, e saímos com um ponto”, comentou o artilheiro do Brasil em 2015.

Agora, Ricardo Oliveira, assim como Lucas Lima, que neste domingo foi sacado por Dorival Júnior no intervalo da partida de forma surpreendente, se apresenta à Seleção Brasileira para os jogos contra Argentina e Peru, pelas Eliminatórias Sul-americanas da Copa do Mundo de 2018.

“Seleção Brasileira. Agora é procurar se apresentar amanhã lá e foco total nos jogos que vamos ter pela frente”, encerrou o capitão do Peixe.

Lucas Lima não encara o Flamengo e Dorival explica substituição

O Santos não terá um de seus principais jogadores, se não for o principal, no dia 19, contra o Flamengo, na Vila Belmiro. Lucas Lima foi advertido ainda no primeiro tempo por uma falta no campo de ataque e terá de cumprir suspensão. O cartão recebido neste domingo, durante o empate por 0 a 0 com o Joinville, também explicou um pouco da substituição feita por Dorival Júnior ainda no intervalo, quando o técnico sacou o camisa 20 e colocou o volante Alison em campo.

“(Eu o tirei) Porque a área central do campo estava muito mais pesada. E o detalhe importante é que ele já estava com o cartão amarelo. Eu fiquei com receio de perdê-lo por mais tempo. Eu ia tirar um dos dois meias e essas duas razões acabaram pesando”, comentou o treinador santista, evitando muita lamentação pela perda de seu articulador contra o rubro-negro carioca.

“A ausência do Lucas é natural que, em razão do momento que ele vive, da própria situação que a equipe apresenta jogando com Lucas. Mas já fizemos isso em outras oportunidades e os jogadores responderam a altura”, disse.

Mas quando questionado sobre o fato de não ter Lucas Lima e Ricardo Oliveira durante os 10 dias de pausa no Campeonato Brasileiro, já que ambos servirão à Seleção Brasileira, Dorival Júnior, aí sim, mostrou toda sua chateação.

“Eu lamento, porque perderemos quatro (atletas). Dois para a Seleção olímpica. Serão peças importantes em um momento de definição de competição, por estarmos brigando por G4 no Brasileiro, finais da Copa do Brasil. Seria importante para continuarmos o trabalho, buscando uma melhora da equipe. Mais uma vez, em função das convocações, mas temos que entender”, conformou-se, lembrando também das ausências de Zeca e Gabriel.

O elenco santista deixa Santa Catarina apenas neste segunda-feira e terá a terça de folga. O grupo só volta aos trabalhos no CT Rei Pelé na quarta-feira à tarde.

Dorival vê briga e não futebol, e aprova atuação “dentro do possível”

O empate por 0 a 0 diz bem o que foi a partida entre Joinville e Santos na noite deste domingo, em Santa Catarina. Com um gramado que impossibilitava o toque de bola, as duas equipes tiveram de recorrer aos lançamentos durante todo o jogo, prejudicando demais a qualidade do confronto válido pela 34ª rodada do Campeonato Brasileiro. Para Dorival Júnior, o que se viu na Arena local não pode nem ser chamado de futebol.

“Hoje jogamos um jogo muito brigado, disputado. Na realidade não foi um jogo, não foi uma partida de futebol. Foi uma briga constante durante 90 minutos. Mesmo assim, a equipe, dentro das circunstâncias, ainda se comportou muito bem”, opinou o comandante santista.

Sem deixar de lembrar a máxima que diz que se o campo é ruim ele é ruim para os dois lados, Dorival observou que, quer queira quer não, seu time acabou sendo mais prejudicado pelo gramado encharcado e com muita lama do que seu adversário deste domingo, já que o toque de bola é a principal característica da equipe.

“Natural o Joinville mais adaptado a este tipo de jogo. É natural que eles já estejam numa outra condição, principalmente aqui dentro, mas a equipe do Santos foi valente, guerreira, vibrante e fez um ponto importante aqui dentro”, comentou.

Diante de toda essa situação, o treinador valorizou a manutenção do Peixe dentro do G4, já que o São Paulo acabou perdendo para o Cruzeiro, em Minas. A vantagem para o Tricolor do Morumbi até aumentou, agora é de um ponto (53 a 54). Antes da rodada começar, os rivais paulistas eram separados apenas pelos critérios de desempate.

“ (O gramado) Prejudicou demais a qualidade do espetáculo e não tivemos a partida a altura daquilo que gostaríamos, nem Santos nem eles ficaram satisfeitos. No fim de tudo isso, o resultado de empate foi importante pela manutenção na tabela. Diminuiu uma rodada no campeonato. Seria importante um resultado positivo, mas, dentro das circunstâncias, não vejo razão para lamentar”, encerrou Dorival.

Jogo brigado e feio em Joinville mantém jejum do Santos fora de casa

Como bem avaliou Dorival Júnior depois da partida com o Joinville, em Santa Catarina, o que se viu em campo neste domingo pouco lembra futebol, propriamente dito. E esta constatação fica mais evidente quando se analisa o desempenho do Santos no Campeonato Brasileiro. O gramado encharcado e com muita lama forçou o alvinegro praiano fugir de suas características e, quando isso aconteceu, a equipe não se encontrou, sofrendo muito mais perigo atrás do que chegando próximo ao gol de seu rival.

Em função de tudo isso, Dorival Júnior resolveu inclusive sacar Lucas Lima já no intervalo do jogo, justamente porque o meio de campo era a parte mais crítica do gramado da Arena Joinville. Muito por isso, cada uma das equipes errou 35 passes, chegando ao elevado número de 70 tentativas mal-sucedidas no jogo.

E se não dava pelo chão, o jeito foi usar e abusar dos ‘bicões’. Ao todo foram impressionantes 138 lançamentos em pouco mais de 90 minutos. O Peixe foi quem mais executou o fundamento, errando em 56 oportunidades da 85 tentativas. O JEC também não ficou muito atrás, com 38 lançamentos errados e apenas 15 bem feitos.

Esse número de bolas alçadas ainda aumenta quando se soma os cruzamentos e os escanteios. E o que chama mais atenção é a ineficiência dos dois times. O Tricolor catarinense errou 20 de 23 cruzamentos à área, enquanto o Santos falhou em 9 de 12 vezes que optou por essa jogada. Também foram 11 escanteios dos mandantes contra 7 dos visitantes paulistas em um confronto que teve 39 faltas, 21 feitas pelo JEC contra 18 dos santistas.

No quesito finalizações, Vanderlei foi quem mais sofreu. Apesar do Peixe ter chutado mais a gol, 10 vezes, apenas 4 acertaram o alvo. Por outro lado, o Joinville só errou o gol em duas e sete tentativas de abrir o marcador.

Tudo isso fez com que o Santos mantivesse sua péssima campanha como visitante neste Campeonato Brasileiro. Assim como o Joinville, o time da Baixada só venceu uma vez fora de casa, e já faz tempo. Foi no dia 30 de agosto, contra o Cruzeiro, no Mineirão, em duelo válido pela 21ª rodada. Ricardo Oliveira definiu o placar de 1 a 0 naquela ocasião. Com o empate sem gols deste domingo, o Peixe chegou apenas ao seu décimo ponto conquistado longe da Vila Belmiro (nove derrotas e sete empates). Desde que a competição é jogada em formato de pontos corridos (2003), a atual campanha é a pior do clube como visitante. Inferior, por enquanto, até mesmo em comparação ao Brasileiro de 2008, quando o Santos se livrou do rebaixamento apenas na penúltima rodada e obteve 12 pontos fora de casa.

Como o clube está dentro do G4, apesar da dificuldade como vistante, Dorival Júnior ainda tem tempo para pelo menos amenizar esse problema da equipe, pois ainda o Peixe ainda fará mais duas partidas fora de casa. Contra o Coritiba e diante do Vasco, ambos brigando para não descer à Série A2 do Brasileiro.

Santos 2 x 0 Joinville

Data: 26/07/2015, domingo, 11h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 15ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 12.974 pagantes
Renda: R$ 335.725,00
Árbitro: Ricardo Marques Ribeiro (MG)
Auxiliares: Marcio Eustaquio Sousa Santiago e Marcus Vinicius Gomes (ambos de MG)
Cartões amarelos: Zeca e David Braz (S); Fabrício e Anselmo (J).
Gols: Gabriel (03-1) e Gabriel (17-1).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Werley, David Braz e Zeca; Renato, Paulo Ricardo e Marquinhos Gabriel; Geuvânio (Elano), Gabriel (Marquinhos) e Nilson (Serginho).
Técnico: Dorival Junior

JOINVILLE
Agenor; Arnaldo, Guti, Douglas Silva e Rogério; Anselmo, Fabrício (Luis Meneses) e Naldo (Marcelo Costa); William Popp (Kempes), Marion e Silvinho.
Técnico: Adilson Baptista



Com show de Gabriel, Santos vence JEC e deixa a zona de rebaixamento

Tirado da cama mais cedo neste domingo, o torcedor do Santos poderá curtir o restante do dia com alívio e tranquilidade. Na Vila Belmiro, o Peixe bateu o lanterna Joinville por 2 a 0 em jogo iniciado às 11 horas e deixou a zona de rebaixamento para trás nesta 15ª rodada.

Sem Ricardo Oliveira e Lucas Lima, os gols foram marcador pelo garoto Gabriel aos três e aos 17 minutos do primeiro tempo. Sob muitos aplausos, o atacante deixou o gramado com dores na coxa ainda aos 41 da etapa inicial, substituído por Marquinhos.

Com o triunfo, o Alvinegro Praiano é o 15º colocado na tabela da Série A do Campeonato Brasileiro com 16 pontos somados. São sete a mais do que o próprio JEC, lanterna com apenas nove. Vale destacar que Goiás, Vasco e Coritiba ainda entram em campo na tarde deste domingo, mas seus resultados não podem devolver o Santos à degola.

O jogo

Se a ideia do técnico Dorival Júnior era vencer e convencer na Vila Belmiro, o treinador tem muito a agradecer ao garoto Gabriel. Logo aos três minutos de jogo, Zeca – que vinha desacreditado antes da chegada do treinador – trabalhou com Geuvânio e cruzou fechado, encontrando o atacante no segundo pau. Com um carrinho, Gabriel empurrou para o fundo da rede e abriu o placar para o Santos.

Nervoso com a situação na lanterna, o atual campeão da Série B reagiu com agressividade após o gol. Aos 13, Fabrício aplicou um carrinho perigoso sobre Nilson, que por pouco não tirou o santista da partida. Do mesmo modo, Gabriel passou a ser caçado em campo, já antecipando as pancadas na coxa que o tirariam do jogo mais tarde.

Do outro lado, o Santos respondeu aos 17 minutos, quando Marion bobeou na intermediária e entregou a posse da bola de presente para Marquinhos Gabriel. Substituto de Lucas Lima na partida, o meia lançou o “xará” Gabriel, que reagiu às pancadas invadindo a área e tocando na saída do goleiro para ampliar o placar na Vila Belmiro.

Aos 39, o Peixe ainda chegou com Geuvânio, que driblou a marcação tricolor e concluiu para meta, exigindo uma bela defesa de Agenor. Dois minutos depois, a coxa de Gabriel recebeu o último toque deste domingo, quando o atacante enfim sentiu dores musculares na região e, sob muitos aplausos, foi substituído por Marquinhos.

Sem a velocidade de Gabriel, o Santos tratou de encontrar alternativas ofensivas para o segundo tempo, uma vez que o técnico Dorival Júnior não tinha atacantes no banco de reserva. Deste modo, o zagueiro David Braz surpreendeu ao aparecer na área em mais de uma oportunidade. Na primeira delas, foi flagrado em posição de impedimento.

Na segunda, entretanto, protagonizou um dos lances mais polêmicos do jogo. Alvo de um lançamento pelo alto, o beque se aproximava do domínio quando o goleiro Agenor fez o corte com as mãos – fora da área, segundo a torcida santista. Para a frustração da Vila Belmiro, a arbitragem não viu nenhuma irregularidade na saída do arqueiro.

Talvez o lance mais perigoso do Joinville em todo o confronto tenha ocorrido aos seis minutos, quando Zeca interrompeu o contra-ataque de Silvinho com uma falta na entrada da grande área. Mas a expectativa de Adilson Batista não se tornou realidade, uma vez que a cobrança de Marcelo Costa deixou a desejar e não assustou o goleiro Vanderlei ao passar à esquerda da meta.

Se o ritmo santista já estava lento sem Gabriel, a equipe desacelerou ainda mais após a saída de Geuvânio, que deixou o campo para a entrada de Elano. Mais experiente, o meio-campista auxiliou na contenção das poucas investidas do Joinville, que não voltou à área alvinegra. Melhor para o Peixe, que agora pode curtir o restante do domingo com a garantia de não voltar à degola da Série A.

Bastidores – Santos TV:

Capitão no triunfo sobre o JEC, Renato avisa: “Falta vencer fora da Vila”

Com o artilheiro Ricardo Oliveira suspenso, a faixa de capitão coube a Renato. Para a felicidade do volante, o Santos conseguiu a vitória por 2 a 0 sobre o Joinville, na Vila Belmiro, e deixou a zona de rebaixamento nesta 15ª rodada. Mesmo assim, o atleta deixou o alerta: falta uma vitória fora de casa.

“Temos que continuar buscando os pontos que a gente deixou escapar aqui em casa. Claro que essa vitória traz alivio, mas ainda estamos brigando para manter distância da zona de rebaixamento. É uma situação incomoda para qualquer clube e vamos brigar jogo a jogo por isso. Nós ainda não conseguimos vencer fora de casa, falta essa regularidade”, alertou o volante.

“Falta buscar os pontos fora de casa, não só dentro da Vila. O grupo mostrou maturidade e a gente espera crescer e somar pontos a cada jogo para subir na tabela. Nenhum clube gosta de trabalhar na zona de rebaixamento, ainda mais um time como o Santos, que sempre briga por coisas mais importantes”, completou Renato. Até o momento, o Santos disputou oito partidas fora de casa, empatando duas e perdendo seis.

Mais uma vez não vazado, o goleiro Vanderlei celebrou o triunfo. “A gente sabe que se não tomar gols ali atrás, os atacantes ganham mais tranquilidade na frente. O nosso time é muito técnico e capaz de fazer gols. Com as vitórias, vem a tranquilidade e a confiança, que são fundamentais”, avaliou o arqueiro, em sintonia com o centroavante Nilson.

“É bom para respirarmos mais aliviados na competição. A gente vem treinando muito forte para aguentar jogar os dois tempos, mas as pernas cansaram um pouco agora no finalzinho devido ao horário (a partida ocorreu às 11 horas) e o calor. O centroavante vive de gols, mas sou muito solidário quando estou jogando. Procuro ver quem está melhor posicionado para passar a bola. O time está unido e brigando para deixar essa situação incomoda”, finalizou Nilson.

Dorival aponta desgaste físico por jogo contra o Sport e novo horário

Embora o Santos tenha selado o placar de 2 a 0 com 17 minutos de jogo, o técnico Dorival Júnior conseguiu apontar as dificuldades enfrentadas pela sua equipe na vitória sobre o Joinville. Segundo o treinador, o Peixe sofreu por não estar plenamente recuperado do duelo contra o Sport, na última quarta-feira, pela Copa do Brasil.

“Hoje eu senti que o desgaste do jogo com o Sport ainda não havia sido plenamente recuperado, estávamos bem abaixo do vigor físico necessário em razão do desgaste nos 90 minutos anteriores”, avaliou Dorival, que ainda viu seu time tendo que se adaptar ao horário das 11h.

“Para nós, fora de campo, o horário é um pouco diferente do habitual. Imagine então para quem está dentro, altera muita coisa. Tentamos nos adaptar a essa nova rotina, mas é difícil”, desabafou.

Pelo menos, o Alvinegro Praiano também havia vencido a desgastante partida contra os rubro-negros por 3 a 1 com dois gols de Gabriel – que também marcou uma dobradinha neste domingo, na Vila – e um de Geuvânio.

“Não posso me esquecer dessa garotada. Alguns saíram da equipe titular, mas estão trabalhando forte e esperando o momento oportuno para aparecer e corresponder. Estou satisfeito, até porque nessas ultimas apresentações nós sofremos muito pouco e conseguimos criar um pouco mais”, celebrou o treinador.

“O Zeca realmente teve um bom início, vem crescendo bastante com a gente. Hoje fez uma bela partida, assim como o Marquinhos Gabriel. São jogadores que ainda podem dar muito mais. Espero que esse crescimento continue acontecendo, acho que vai ser muito importante”, finalizou Dorival Júnior, que dará folga ao elenco santista nesta segunda-feira.

Otimista por reforços, Dorival ressalta nova “noção tática” de Gabriel

O bom desempenho do atacante Gabriel contra Sport e Joinville agradou ao professor Dorival Júnior. Mesmo assim, os quatro gols marcados pelo garoto nas duas partidas não são prioridade para o treinador.

“Tomara que ele continue mantendo essa postura. Para mim não importa se são cinco, quatro, três ou nenhum gol. Para mim, importa a presença que ele tem tido dentro de campo e o interesse em nos ajudar. Isso é o mais importante”, exaltou Dorival.

“O que eu vejo é coletivo, o Gabriel está trabalhando muito nesse sentindo e ganhando uma noção tática maior. Tenho certeza que os treinadores anteriores também pegaram no pé dele”, avaliou o comandante, que perdeu Gabriel por uma lesão na coxa aos 41 minutos do primeiro tempo e se viu sem atacantes no banco de reservas.

Por isso, o treinador santista já admite dar atenção ao mercado. “Nós realmente não tínhamos atacantes no banco, e essa é uma carência que estamos buscando resolver. O meu banco era formado praticamente em cima de jogadores de meio e retaguarda. Nós estamos em busca desses atletas para que possamos dar um suporte ofensivo maior”, revelou Dorival.

“Estou otimista em relação à chegada de reforços, a diretoria vem trabalhando de forma intensa em busca de alguns nomes. Dentro das nossas condições, não tenho dúvida de que chegarão dois ou três atletas”, concluiu o técnico, que não pôde contar com o artilheiro e capitão Ricardo Oliveira na vitória sobre o Joinville.

Gabriel retoma confiança com Dorival e decola em dois jogos no Santos

Santista declarado e com fome de bola, Gabriel viu do banco de reservas o título paulista do Santos ano e trabalhou à sombra de Robinho durante o primeiro semestre de 2015. Situação alterada com a chegada de Dorival Jr ao comando técnico da equipe e a saída do camisa 7, rumo à China. O jovem de 18 anos marcou quatro gols nos últimos dois jogos.

O bom futebol de Gabriel voltou à Baixada junto com Dorival, também reincidente. Na estreia do novo técnico, o garoto balançou as redes contra o Figueirense, e contribuiu para a vitória santista.

Passou em branco contra o Palmeiras, no Palestra Itália, mas não sem ter uma boa atuação, bem como grande parte do time escalado na capital. As pazes com as redes foram seladas de vez na partida seguinte.

Pela Copa do Brasil, na última quarta-feira, o camisa 10 marcou dois na vitória por 3 a 1 sobre o Sport, e foi fundamental na classificação do Santos às oitavas de final da competição na partida da Vila Belmiro.
Mais uma vez em casa, Gabriel precisou de 18 minutos para sacramentar o triunfo santista contra o lanterna do Brasileirão, Joinville, neste domingo. O primeiro gol saiu aos três e o segundo aos 18 da etapa inicial.

Substituído aos 41 com dores musculares na coxa direita, o camisa 10 garantiu sua permanência em campo no sacrifício, se preciso fosse. Dorival não arriscou perder seu atacante para os próximos compromissos.

São sete gols na temporada com a camisa do Peixe, cinco nos últimos quatro jogos. Gabriel terá a semana livre para se recuperar e mostrar no Maracanã, no próximo sábado, que merece de fato ser titular do Santos, justamente contra o Flamengo, time contra o qual estreou em maio de 2013, no Mané Garrincha, em Brasília, na despedida de Neymar.

Santos 0 x 0 Joinville (SC)

Data: 22/05/2013, quarta-feira, 22h00.
Competição: Copa do Brasil – 2ª fase – Jogo de volta
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 4.758 pagantes
Renda: R$ 142.200,00
Árbitro: Dewson Fernando Freitas da Silva (PA)
Auxiliares: Dibert Pedrosa Moisés e Jackson Massara dos Santos (ambos do RJ).
Cartões amarelos: Renê Júnior e Durval (S); Martín Ligüera e Rafael (J).

SANTOS
Rafael; Bruno Peres (Alan Santos), Edu Dracena, Durval e Léo; Renê Júnior, Arouca, Cícero e Felipe Anderson (Patito Rodriguez); Neymar e Henrique (Miralles).
Técnico: Muricy Ramalho

JOINVILLE
Ivan; Carlos Alberto, Sandro, Rafael e Rafinha; Augusto Recife, Marcus Vinícius, Artur Maia, Marcelo Costa e Martín Ligüera (Matheus Carvalho); Lima (Ronaldo).
Técnico: Arturzinho



Em jogo fraco, Santos empata sem gols na Vila Belmiro, mas elimina o Joinville

Na próxima etapa da Copa do Brasil, os santistas enfrentam o CRAC-GO. Antes, porém, no fim de semana que vem, a equipe estreia no Brasileirão contra o Flamengo

Em um jogo com poucos lances de perigo, Santos e Joinville empataram por 0 a 0, na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro. Com a vitória no primeiro jogo, por 1 a 0, o Peixe conseguiu garantir a sua classificação para a terceira fase da Copa do Brasil.

Diretoria santista se reúne e recusa segunda oferta do Barcelona por Neymar

Na próxima etapa da competição, os santistas enfrentam o CRAC-GO. As datas dos duelos ainda serão confirmadas pela Confederação Brasileira de Futebol (CBF).

O próximo desafio do time praiano é contra o Flamengo, domingo, às 16 horas (horário de Brasília), no Estádio Nacional Mané Garrincha. O embate marca a estreia alvinegra no Campeonato Brasileiro.

O jogo

Com a vantagem de jogar pelo empate, o Santos começou a partida mais cauteloso, enquanto o Joinville tentou adiantar a marcação para dificultar a saída de bola dos donos da casa. O JEC foi o primeiro a criar uma boa chance de gol. Aos 18, o uruguaio Martín Ligüera chegou com velocidade, arriscou o chute da entrada da área, exigindo boa defesa do goleiro santista Rafael.

O time da casa respondeu e quase chegou ao gol, aos 24. Cícero ajeitou a bola de cabeça, Henrique fez o giro e, na hora que se preparava para a conclusão, foi travado por Carlos Alberto. No mais, as duas equipes fizeram um jogo pouco movimentado, sem maiores oportunidades de gol. Antes do intervalo, o uruguaio Martín Ligüera se contundiu e teve de deixar o gramado. Matheus Carvalho o substituiu no Joinville.

Na volta para o segundo tempo, os alvinegros quase abriram o placar. Aos quatro, Felipe Anderson cobrou escanteio rasteiro, a zaga não cortou e Cícero jogou para a pequena área, com Edu Dracena tentando o desvio, mas a bola foi na rede, pelo lado de fora.

Melhor no retorno para a etapa complementar, o Santos perdeu o lateral-direito Bruno Peres, lesionado. Aos 13, o volante Alan Santos entrou no seu lugar para atuar improvisado no setor. Um minuto depois, Ronaldo substituiu Lima, no JEC.

Aos 20, Neymar apareceu, com boa jogada individual, limpando a marcação e arriscando de fora da área, mas a bola não ganhou força. Atento, o goleiro Ivan defendeu com segurança, evitando o gol da Joia santista. Dois minutos após a chance criada por Neymar, o técnico Muricy Ramalho trocou o companheiro de ataque do seu camisa 11. O estreante Henrique, contratado junto ao Mogi Mirim, saiu para a entrada do argentino Miralles.

Aos 30, o treinador do time catarinense, Arturzinho, tirou Artur Maia para promover a entrada de Jaílton em seu lugar, na última alteração do Joinville no confronto. Na tentativa de marcar o gol que levaria a disputa da vaga para as cobranças de pênaltis, o JEC levou perigo ao gol de Rafael. Aos 37, Jaílton chutou forte, o camisa 1 do Peixe espalmou e, no rebote, Matheus Carvalho furou, desperdiçando uma boa chance para os visitantes.

No entanto, a melhor chance dos catarinenses aconteceu aos 43. Em escanteio pelo lado esquerdo, o zagueiro Sandro subiu sozinho e, de cabeça, quase balançou as redes, na última grande oportunidade de gol da partida.

Na última chance de gol do jogo, o argentino Patito Rodriguez, que havia entrado na vaga de Felipe Anderson, cruzou para Miralles errar a finalização. Com isso, o placar ficou no 0 a 0 até o apito final, para vaias de alguns torcedores santistas.

Bastidores – Santos TV:

Goleiro do Joinville entrega “confissão” de Neymar: “Ele falou que não dá mais”

Depois da eliminação de seu time da Copa do Brasil, Ivan disse que conversou com o camisa 11 e Neymar indicou que deixará o Santos

Após a partida entre Santos e Joinville, que terminou em 0 a 0 , na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro, o goleiro Ivan, do JEC, atraiu os holofotes dos jornalistas que transmitiram o jogo. Isto porque, o arqueiro do time catarinense entregou uma “confissão” do atacante sobre o seu futuro: Neymar deve sair do clube praiano.

“Após o jogo, ele falou que não dá mais”, disse Ivan, que pediu a camisa do atacante, logo após o apito final que decretou a classificação do Peixe para a terceira fase da Copa do Brasil.

Sobre a equipe que Neymar irá defender, o goleiro do Joinville falou que não sabe qual será o destino do atacante. “Ele não citou nada de times. Apenas disse que não dá mais”, completou.

Se por um lado Ivan revelou a conversa com o camisa 11 do Santos, Neymar preferiu se esquivar das perguntas sobre a sua possível saída e pediu licença aos repórteres ao ser questionado sobre o assunto. O atacante limitou-se a falar sobre a atuação santista: “Todos sabemos que está faltando algo a mais para sairmos vencedores”.


Joinville 0 x 1 Santos

Data: 08/05/2013, quarta-feira, 22h00.
Competição: Copa do Brasil – 2ª fase – Jogo de ida
Local: Arena Joinville, em Joinville, SC.
Público e renda: N/D
Árbitro: Márcio Chagas da Silva (RS)
Auxiliares: João Monteiro de Souza Júnior e Jorge Eduardo Bernardi (ambos do RS).
Cartões amarelos: Matheus Carvalho, Marcelo Costa, Rafael e Carlos Alberto (J); Renê Júnior e Marcos Assunção (S).
Gol: Durval (37-2).

JOINVILLE
Ivan; Carlos Alberto, Sandro, Rafael e Rafinha; Marcus Vinícius, Augusto Recife, Ricardinho (Martín Liguera) e Marcelo Costa; Matheus Carvalho (Somália) e Lima (Ronaldo).
Técnico: Arturzinho

SANTOS
Rafael; Neto, Edu Dracena e Durval; Felipe Anderson, Renê Júnior (Marcos Assunção), Arouca, Cícero e Emerson Palmieri; Miralles (André) e Neymar.
Técnico: Muricy Ramalho



Santos derrota Joinville com gol de Durval, mas não evita segunda partida

Zagueiro marca gol da vitória santista por 1 a 0, em duelo pela segunda fase da Copa do Brasil. Segundo confronto será no dia 22

Embalado pela classificação para a final do Campeonato Paulista, o Santos conquistou uma importante vitória pela Copa do Brasil. Nesta terça-feira, bateu o Joinville por 1 a 0 na Arena Joinville, em jogo válido pela segunda fase da competição nacional. O zagueiro Durval marcou o gol da vitória santista.

O resultado não elimina o segundo confronto. Agora, os dois times voltam a se enfrentar no próximo dia 22, na Vila Belmiro. Antes disso, o Santos decide o Estadual, em dois confrontos com o Corinthians – no próximo domingo, no Pacaembu, e no dia 19, na Vila.

O jogo

Empurrado pela sua torcida, o Joinville começou melhor e ameaçou o gol de Rafael, logo aos três minutos. Rafinha fez o cruzamento na área, Lima dividiu com Durval e a bola ficou com Carlos Alberto. O lateral emendou um chute forte, mas o goleiro do Santos estava atento, espalmando a bola e salvando a sua equipe do perigo.

O Santos respondeu, aos 16, em jogada de Cícero. O meia santista arriscou de fora da área, a bola caiu próxima ao gol e pingou, exigindo boa defesa de Ivan. No rebote do arqueiro do JEC, o lateral-esquerdo alvinegro, Emerson Palmieri, fez falta e o lance acabou sendo interrompido pela arbitragem.

O time paulista aproveitou o melhor momento e voltou a assustar o goleiro Ivan, aos 28, quando o meia Felipe Anderson passou pelo zagueiro Rafael e soltou a bomba, que saiu pela linha de fundo, balançando a rede pelo lado de fora.

Com o Santos pressionando, os catarinenses voltaram a se aventurar no campo de ataque e levaram perigo ao gol defendido por Rafael. Aos 31, Marcus Vinícius arriscou de longe e a bola passou perto do ângulo da meta do camisa 1 do Peixe.

O volante Renê Júnior, com cartão amarelo, foi sacado antes do intervalo, para a entrada do experiente Marcos Assunção.

Mas, antes do fim do primeiro tempo, os santistas criaram a última chance de gol. Aos 41, Cícero tocou para Miralles, que dentro da área, conseguiu o arremate, mas a bola desviou na zaga do Joinville e saiu pela linha de fundo, em escanteio. Neymar, que acompanhava a jogada, não conseguiu chegar a tempo de completar para o gol.

Na volta para a etapa complementar, o JEC criou uma boa oportunidade para abrir o placar. Aos cinco, Lima aproveitou cobrança de falta pelo lado direito, subiu mais alto do que a zaga santista, mas viu Rafael fazer grande defesa e evitar o gol catarinense.

Aos 17, com o uruguaio Martín Liguera já em campo, na vaga de Ricardinho, o Joinville teve a melhor chance de gol da partida, até então. Lima cruzou pela esquerda, a bola passou por toda a grande área e sobrou para Carlos Alberto. O lateral desviou a bola para dentro, só que Martín Liguera errou a finalização, desperdiçando a oportunidade de marcar para os donos da casa.

O JEC teve mais uma boa chance para marcar, aos 36, com Ronaldo, que havia entrado no lugar de Lima. Depois de bate-rebate, o goleiro santista faz grande defesa no arremate do atacante, impedindo o gol do adversário.

No minuto seguinte, os alvinegros foram mais felizes e abriram o placar. Marcos Assunção cobrou falta para a área, Durval desviou de cabeça e abriu o placar para a equipe praiana.

Nos minutos finais, o Santos ainda tentou chegar ao segundo gol, que eliminaria o duelo de volta contra o Joinville, mas o placar se manteve no 1 a 0 a favor do Peixe, até o último apito do árbitro.

Bastidores – Santos TV:

Muricy justifica saída de Renê Jr. e defende Santos “competitivo”

Técnico destaca que o fato de Renê estar pendurado, por ter recebido o cartão amarelo na etapa inicial, contribuiu para a decisão de sacá-lo durante a partida

Titular do Santos , o volante Renê Júnior foi substituído nos minutos finais do primeiro tempo, para a entrada do experiente Marcos Assunção, na vitória sobre o Joinville, na noite desta quarta-feira, na Arena Joinville. O técnico Muricy Ramalho destacou que o fato de Renê estar pendurado, por ter recebido o cartão amarelo na etapa inicial, contribuiu para a decisão de sacá-lo durante a partida.

“O Renê tomou o cartão amarelo e, pelo fato de o jogo estar muito ‘pegado’, seguramente ele seria expulso. Ele tem que ter calma em algumas jogadas. Não é a primeira vez que isso acontece, ele está fazendo algumas faltas no meio, sem necessidade. Ele joga muito bem, não precisa dessas faltas”, afirmou Muricy.

Com Assunção no time, a equipe praiana perdeu um pouco em poder de marcação, mas ganhou uma arma importante: a bola parada. E foi em uma jogada deste gênero que, aos 37 minutos do segundo tempo, o zagueiro Durval aproveitou cruzamento do veterano meio-campista para, com um toque de cabeça, decretar o triunfo alvinegro sobre o JEC, pela segunda fase da Copa do Brasil.

“O Renê Júnior saiu ‘amarelado’ e o Marcos Assunção, pela qualidade dele na bola parada, nos ajudou bastante. Temos que aproveitar esse tipo de jogada e hoje (quarta) aconteceu”, comentou o treinador.

Muricy Ramalho ainda se irritou com um repórter, ao ser indagado se o Santos não precisaria evoluir, para as finais do Campeonato Paulista.

Vale lembrar que o Peixe enfrenta o Corinthians, no próximo domingo, no Pacaembu, na partida de ida da decisão do Estadual. O segundo e decisivo confronto será no dia 19, na Vila Belmiro.

“Os dois tiveram chances. Criamos no primeiro tempo, mas futebol é assim. O time foi competente na hora certa e ganhou. Mas você (jornalista) vai sempre pensar assim. Podemos ganhar de 5 a 0, que vai falar a mesma coisa. Somos um time competitivo e continuaremos sendo assim”, finalizou o comandante santista.

Muricy reconhece dificuldades do Santos em meio às finais do Paulistão

Segundo o treinador, não é uma tarefa simples “trocar o chip” do campeonato estadual para jogar a Copa do Brasil

Com um gol aos 37 minutos do segundo tempo, do zagueiro Durval, o Santos derrotou o Joinville, na noite desta quarta-feira, na Arena Joinville. O técnico Muricy Ramalho reconheceu as dificuldades enfrentadas pela sua equipe, diante do JEC, no confronto de ida da segunda fase da Copa do Brasil, e valorizou o fato de o Peixe estar dividido entre a competição nacional e a decisão do Campeonato Paulista.

Segundo o treinador, não é uma tarefa simples “trocar o chip” do Paulistão, no qual o time praiano tem a possibilidade de conquistar o tetracampeonato estadual, para jogar contra os catarinenses, que são fortes atuando dentro de casa, com o apoio da torcida.

“A gente está vindo de decisões seguidas, no mata-mata do Paulista, que é duríssimo. Não é fácil desligar um botão e ligar o outro. Não é assim que funciona. Nós esperávamos um jogo corrido, pois o Joinville só tem essa competição. Felizmente, o nosso time foi competitivo, mais uma vez, e ganhou”, disse Muricy, que por outro lado, garantiu que os santistas estarão inteiros para enfrentar o Corinthians.

Santos FC x Joinville EC
Santos Futebol Clube x Joinville Esporte Clube


Retrospecto:

10 jogos
04 vitórias
04 empates
02 derrotas
08 gols pró
03 gols contra
05 saldo

Resultados:
10/06/1978 – Santos 3 x 0 Joinville – Brasileiro – Vila Belmiro
20/04/1980 – Santos 0 x 2 Joinville – Brasileiro – Ernesto Sobrinho
27/04/1980 – Santos 2 x 0 Joinville – Brasileiro – Vila Belmiro
26/11/1981 – Santos 0 x 1 Joinville – Amistoso – Ernesto Sobrinho
13/11/1986 – Santos 0 x 0 Joinville – Brasileiro – Ernesto Sobrinho
14/12/1986 – Santos 0 x 0 Joinville – Brasileiro – Vila Belmiro
08/05/2013 – Santos 1 x 0 Joinville – Copa do Brasil – Arena Joinville
22/05/2013 – Santos 0 x 0 Joinville – Copa do Brasil – Vila Belmiro
26/07/2015 – Santos 2 x 0 Joinville – Brasileiro – Vila Belmiro
08/11/2015 – Santos 0 x 0 Joinville – Brasileiro – Arena Joinville