Navegando Posts marcados como Juventude

Juventude 3 x 1 Santos

Data: 08/10/2005, sábado, 18h10.
Competição: Campeonato Brasileiro – 31ª rodada
Local: Estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul (RS)
Público: 4.142 pagantes
Renda: R$ 10.168,00
Árbitro: Elvécio Zequeto (MS).
Auxiliares: Alécio Aparecido Lezzo (MS) e Celso Barros da Silva (MS)
Cartões amarelos: Antônio Carlos, Ramalho, Enílton e Juliano (J); Luizão, Fabinho, Luís Alberto, Giovanni e Bóvio (S).
Cartão vermelho: Flávio (S)
Gols: Cláudio Pitbull (08-2), Enílton (10-2), Caíco (20-2) e Enílton (40-2).

JUVENTUDE
Fabiano; Índio, Daniel e Antônio Carlos; Juliano, Ramalho, Lauro, Caíco (Tucho) e Roger; Enílton (Magal) e Marcelinho (Marlon).
Técnico: Valteir Gomes (interino)

SANTOS
Saulo; Flávio, Ávalos, Luís Alberto e Kleber; Fabinho, Heleno (Basílio), Élton (Bóvio) e Giovanni; Cláudio Pitbull e Luizão (Geílson).
Técnico: Nelsinho Baptista



Juventude derruba o Santos em Caxias

Não foi neste sábado que o Santos conseguiu fazer sua primeira boa apresentação sob o comando de Nelsinho Baptista. No início da noite, a equipe paulista foi até o estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul, e perdeu por 3 a 1, de virada, para o Juventude, pela 31ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O resultado prejudica o objetivo alvinegro de se manter próximo ao líder Corinthians e de embalar justamente para enfrentar o arqui-rival, em seu próximo compromisso. Com 48 pontos, o Santos cai para o sétimo lugar na classificação geral.

Essa é a primeira derrota do time alvinegro desde a chegada de Nelsinho, que tinha obtido uma vitória sobre o São Caetano (2 x 0) e um empate sem gols com o Fortaleza.

Como consolo, o atacante Cláudio Pitbull desencantou e marcou o único gol dos visitantes, seu primeiro em três jogos desde a chegada à Vila Belmiro. Luizão, que também estreou há duas rodadas, teve atuação apagada e acabou substituído ainda no intervalo.

No Juventude, o resultado acabou com um jejum de seis rodadas sem triunfo, seqüência que culminou com a demissão de Sebastião Lazaroni. A equipe gaúcha não vencia desde o dia 7 de setembro, quando superou o Paraná por 2 a 0. Desde então, foram quatro derrotas e dois empates.

Comandado pelo interino Valteir Gomes, o Juventude chega aos 38 pontos e se distancia um pouco da zona de rebaixamento. O time gaúcho se mantém na briga por uma vaga na Copa Sul-Americana de 2006 e alivia um pouco o ambiente enquanto a diretoria busca um novo treinador no mercado.

As duas equipes voltam a campo na próxima semana, quando disputam jogos remarcados devido ao escândalo da arbitragem. Na quarta-feira, o Juventude recebe o Fluminense no Alfredo Jaconi, enquanto o Santos, no dia seguinte, pega o Corinthians na Vila Belmiro, no litoral paulista.

O jogo

Em momento complicado no Brasileiro, o Juventude tentou desde o início pressionar o Santos em seu campo de defesa. Apostando principalmente na velocidade do atacante Marcelinho, a equipe gaúcha não deu sossego aos defensores adversários e criou algumas chances.

Depois de dois disparos cruzados de Marcelinho, o meia Caíco perdeu grande oportunidade aos 6min. Ele recebeu passe rasteiro da direita e, quase na pequena área, bateu de primeira, mandando a bola sobre o travessão de Saulo.

O Santos respondeu com Cláudio Pitbull, duas vezes. Na primeira, ele tentou ajeitar para Luizão em vez de chutar e acabou errando o passe. Depois, aos 24min, recebe assistência de Giovanni e, desequilibrado, bateu prensado pela marcação, conseguindo escanteio. Na cobrança, Fabiano deu sorte e fez a defesa após a bola tocar a trave em cabeceio.

Saulo também teve trabalho, sobretudo em novo chute de longa distância que quase surpreendeu o goleiro adiantado, e em finalização forte de Marcelinho, da entrada da área. Em termos ofensivos, o Santos mostrou sentir falta de Ricardinho, na seleção brasileira. A equipe de Nelsinho Baptista pecou constantemente na aproximação à dupla Cláudio Pitbull e Luizão.

Após o intervalo, o técnico interino Valteir Gomes mexeu no Juventude, colocando Marlon no lugar de Marcelinho. “Criamos algumas oportunidades no primeiro tempo, mas faltou um pouco de capricho na finalização”, comentou. “Estamos precisando de uma referência na área e o Marlon é especialista nisso”, explicou ele na volta do vestiário.

Antes mesmo que a alteração pudesse surtir efeito, o time gaúcho teve grande oportunidade de abrir o placar. Luís Alberto cortou cruzamento com a mão e o árbitro marcou pênalti. No entanto, Caíco, aos 3min, cobrou muito mal e mandou a bola sobre o travessão do goleiro Saulo.

O erro custou caro aos anfitriões. Cinco minutos mais tarde, Cláudio Pitbull foi lançado em velocidade, tirou Fabiano da jogada com um toque de peito e empurrou a bola para o gol vazia, colocando o Santos em vantagem. A festa paulista, porém, durou pouco.

Aos 10min, Luís Alberto não soube cortar cruzamento da esquerda e se desentendeu com Saulo. Enílton, então, aproveitou o vacilo e completou sem dificuldades para o fundo das redes, deixando tudo igual no Alfredo Jaconi.

Após acertar a trave santista, o Juventude conseguiu virar o marcador aos 20min. Enílton fez bela jogada pela esquerda e cruzou para Caíco, que desviou de primeira para colocar os mandantes em vantagem no marcador.

O Santos, então, partiu para o ataque colocando Basílio em campo. Mas, logo após a expulsão de Flávio, foi o time gaúcho que marcou. Aos 40min, Enílton recebeu cruzamento da esquerda e cabeceou com estilo para fechar o placar.

Santos 0 x 0 Juventude

Data: 03/07/2005, domingo, 18h10.
Competição: Campeonato Brasileiro – 10ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 15.414 pagantes
Renda: R$ 130.000,00
Árbitro: Djalma José Beltrami Teixeira (RJ)
Auxiliares: Eurivaldo de Farias Lima (RJ) e João Luiz Ribeiro Magalhães (RJ)
Cartões amarelos: Giovanni (S); Antônio Carlos e Magal (J).

SANTOS
Mauro; Paulo César, Ávalos, Altair e Léo; Wendel, Tcheco (Xuxa), Ricardinho e Luciano Henrique (Danilo); Basílio (Douglas) e Giovanni.
Técnico: Gallo

JUVENTUDE
Doni; Chicão, Antônio Carlos e Joel; Magal (Valentim), Bruno Lança, Leandro Moreno, Lauro e Jaílson; Túlio (Jardel) e Zé Carlos.
Técnico: Ivo Wortmann



Em meio ao episódio Robinho, Santos fica no 0 a 0

Maior ídolo santista desde a Era Pelé, Robinho começou a sentir sua relação com a torcida ficar estremecida. Desfalque no empate por 0 a 0 com o Juventude neste domingo por ter faltado aos últimos dois treinos, o jogador não foi aclamado nas arquibancadas com os gritos de “Fica, Robinho”.

Assim como uma faixa com a mesma mensagem foi retirada da Vila Belmiro. Reflexos da polêmica envolvendo eventual transferência do atacante para o Real Madrid, assunto que dominou o noticiário esportivo nos últimos dias.

Para o técnico Gallo, porém, a questão está encerrada. “A informação definitva que recebi do presidente do Santos (Marcelo Teixeira) é que o Robinho vai ficar. As coisas continuam iguais”, comentou.

Sobre as conseqüências da polêmica envolvendo o futuro do jogador, Gallo acredita que o único prejudicado será o próprio atacante. “Tudo isso só atrapalha um pouco a situação dele”.

Caso Robinho à parte, o Santos completa quatro rodadas invicto (são três empates e uma vitória) e chega aos 18 pontos na classificação, mantendo-se próximo aos líderes. A Ponte Preta está na ponta com 23 pontos. A equipe gaúcha, que não vence há quatro rodadas, vai a 16 pontos.

Se o resultado não agradou em nada à torcida alvinegra, que vaiou o time no segundo tempo e entoou o nome de Emerson Leão, o Santos pelo menos continua sem perder na Vila Belmiro no Brasileiro (três triunfos e dois empates) e sem sofrer nenhuma derrota em casa na história do confronto com o Juventude.

O duelo contra o time gaúcho também marcou alguns reencontros. O principal deles foi entre Túlio e Giovanni. Quando defendia o Botafogo, o polêmico atacante se tornou o algoz da equipe da Baixada no Brasileirão de 1995. Sagrou-se campeão sobre o time então liderado por Giovanni.

Quem também lembra muito bem da final de dez anos atrás é o técnico Gallo. Ele era o volante do Santos no vice-campeonato nacional e hoje viu o time de Túlio complicar a vida de seus comandados em plena Vila Belmiro.

O próximo compromisso do Santos pelo Brasileirão será no próximo domingo, contra o Goiás, no estádio Serra Dourada. Já o Juventude volta a campo no sábado para receber o Brasiliense no Alfredo Jaconi, pela 11ª rodada.

O jogo

O Juventude começou o jogo tentando apertar a saída de bola dos paulistas para evitar uma pressão inicial. A equipe gaúcha deu o primeiro susto aos 5min, quando Mauro não achou nada em saída do gol e por pouco Zé Carlos não completou.

A resposta santista foi rápida. Giovanni logo chamou a responsabilidade e armou as primeiras jogadas de perigo do Santos, acertando dois bons lançamentos para Basílio. Em um deles o atacante estava impedido e no outro a zaga conseguiu afastar o perigo.

Aos 19min, em lance parecido, o time alvinegro quase abriu o placar. Ricardinho tocou em profundidade para Ávalos, que cruzou rasteiro na direção de Giovanni, mas o passe foi interceptado por Doni no meio do caminho.

O lance mais bonito do primeiro tempo saiu dos pés de Giovanni. Aos 22min ele dominou a bola no peito após lançamento longo, aplicou belo drible dentro da área e tocou de calcanhar para Basílio. O camisa 7, porém, acabou prensado na hora do arremate.

Os gaúchos só voltaram a ameaçar aos 32min, com o experiente Zé Carlos. Ele recebeu passe na esquerda e bateu com força. A bola saiu próxima à trave direita de Mauro.

Mas quem chegou mais perto do gol foi Léo, aos 37min. O lateral-esquerdo roubou a bola de Magal no ataque, driblou Doni e chutou rasteiro. A defesa se recuperou e salvou quase sobre a linha. No final do primeiro tempo, Giovanni também teve boa chance, mas parou nas mãos de Doni.

Após o intervalo, o Juventude voltou mais ligado que os anfitriões. Primeiro foi um chute de Jaílson que assustou Mauro. Pouco depois, Zé Carlos desperdiçou duas oportunidades claras, chutando para fora em ambas.

O Santos melhorou aos poucos. Basílio e Wendel tentaram passar por Doni, mas não tiveram sucesso. Zé Carlos, por sua vez, não cansava de perder chances pelo time de Caxias do Sul.

Sob vaias, o time alvinegro começou a ficar nervoso com o resultado. Gallo, impaciente no banco, mexia no ataque da equipe enquanto ouvia os torcedores gritarem o nome de Emerson Leão.

Satisfeito com a igualdade, o Juventude se fechou e só se arriscou nos contra-ataques. O Santos permaneceu em busca do gol, mas ou falhou nos arremates, ou parou nas mãos de Doni. Aos 41min, quase o time gaúcho calou a Vila Belmiro em chute de Leandro Moreno que bateu na trave.

No final, o tom dramático aumentou para os lados da equipe santista. Até Mauro, no último lance do jogo, foi para o ataque tentar resolver em jogada aérea, mas a partida terminou sem gols.

Juventude 1 x 2 Santos

Data: 01/09/2004
Competição: Campeonato Brasileiro
Local: Estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul, RS.
Público: 14.165
Renda: R$ 54.656,00
Árbitro: Cléver Assunção Gonçalves (MG)
Assistentes: Marco Antonio Martins e Rodrigo Otavio Baeta (ambos de MG)
Cartões Amarelos: Elano (S) e Deivid (S)
Gols: Elano (11-1) e Naldo (25-1); Ricardinho (43-2).

JUVENTUDE
Eduardo Martini; Neto, Naldo e Thiago; Jancarlos, Lauro, Donizete Amorim, Vanderson (Reinaldo Aleluia) (Leonardo Manzi) e Zé Rodolpho; Da Silva e Lopes.
Técnico: Ivo Wortmann

SANTOS
Mauro; Flávio (Bóvio), Antonio Carlos (Domingos), André Luís e Léo; Zé Elias, Fabinho, Ricardinho e Elano; Deivid e Basílio (Ávalos)
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Com gol de Ricardinho no final, Santos vence e mantém a liderança

Com um gol de Ricardinho aos 44min do segundo tempo, o Santos venceu o Juventude por 2 a 1, no estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul, e garantiu a liderança do Campeonato Brasileiro na 28ª rodada.

Com o resultado, o time paulista chegou a 51 pontos. A equipe gaúcha, concorrente direta pelo topo da tabela, permaneceu com 48.

Mesmo que o Atlético-PR vença o Guarani nesta quinta e atinja os 51 pontos, ficará atrás no número de vitórias.

A vitória ainda redimiu a equipe santista de seu maus resultados no Sul. Até então, a equipe do técnico Vanderlei Luxemburgo havia feito quatro partidas na região e perdido as quatro.

Mesmo sem o atacante Robinho, que está com a seleção brasileira, e o goleiro Tapia, convocado pelo Chile, o Santos saiu na frente.

Aos 11min, Elano chutou da esquerda, a bola desviou no meia Lopes e enganou o goleiro Eduardo Martini.

O empate da equipe da casa veio aos 25min. Naldo cobrou falta e Mauro, substituto de Tapia, deixou a bola entrar.

Aos 44min, Basílio foi lançado e dividiu a bola com Eduardo Martini na entrada da área. O rebote sobrou para Ricardinho, que, com o goleiro adiantado, tocou por cima, marcando um gol antológico. Quando o resultado parecia definido, o meia Ricardinho mostrou a técnica que o levou a seleção brasileira. Lançamento longo para Basílio, que o goleiro Eduardo Martini afastou saindo de carrinho naa meia-lua. A bola sobrou para Ricardinho, que bateu de primeira, por cobertura, de cerca de 40 metros. O chute caprichosamente bateu no travessão, pelo lado de dentro, e entrou, selando a vitória santista. O zagueiro Neto tentou salvar sem sucesso. Esse gol manteve o Santos na ponta, sendo perseguido de perto pelo Atlético-PR.

Santos 2 x 1 Juventude

Data: 08/05/2004
Competição: Campeonato Brasileiro – 1º Turno – 5ª rodada
Local: Estádio Vila Belmiro, em Santos (SP)
Público: 4.154
Renda: R$ 48.552,00
Árbitro: Heber Roberto Lopes (PR)
Assistentes: Roberto Braatz (PR) e Francisco Aurélio Prado (PR)
Cartões amarelos: Diego e Léo (S); Jancarlo (J)
Cartão vermelho: Jancarlo (J)
Gols: Basílio (35-1) e Thiago (38-1); Deivid (42-2).

SANTOS
Júlio Sérgio; Marco Aurélio, Narciso, André Luís e Léo; Paulo Almeida, Claiton (Diego), Elano e Luís Augusto (Deivid); Basílio e Lopes (Robinho)
Técnico: Márcio Fernandes (interino)

JUVENTUDE
Eduardo Martini; Thiago (Jancarlo), Índio, Neto e Ronildo; Evandro, Donizete Amorim, Camazzola e Marcelo; Leonardo Manzi (Da Silva) e Michel
Técnico: Ivo Wortmann



Com gol de Deivid e “dedo” de Luxemburgo, Santos vence o Juventude

Com um gol de pênalti convertido pelo estreante Deivid e com Wanderley Luxemburgo comandando seu novo time das tribunas de honra, o Santos venceu o Juventude por 2 a 1, neste sábado, na Vila Belmiro, e se reabilitou das três derrotas seguidas (duas pelo Brasileiro-04 e uma pela Libertadores), que culminaram com a demissão de Emerson Leão.

Apesar de ter sido anunciado oficialmente como treinador horas antes da partida, Luxemburgo não se conteve apenas em assistir o confronto do alto e de posse de um rádio transmissor dava ordens ao interino Márcio Fernandes no banco de reservas.

Além de dar uma palestra aos jogadores antes do jogo e participar da preleção, Luxemburgo também teve papel direto no resultado do jogo. Ele pediu para o interino mexer no time no intervalo da partida –Claiton, Luís Augusto e Lopes saíram para as entradas de Robinho, Diego e Deivid.

Outra novidade na nova equipe de Luxemburgo foi a presença de Narciso substituindo Alex (contundido) na defesa ao lado de André Luís. Renato e Leandro Machado, machucados, não jogaram.

Foi a segunda vitória santista na competição, que agora soma seis pontos ganhos. Até então, o único resultado positivo havia sido contra o vice-lanterna Botafogo (2 a 0, na Vila). De quebra, o Santos quebrou a sina de não vencer equipes do Sul neste Brasileiro-04. Antes foram dois jogos e duas derrotas –para Figueirense e Paraná.

O jogo:

Sem Robinho, Diego e Deivid, o Santos teve muitas dificuldades no primeiro tempo para chegar ao gol. Mas, depois de um contra-ataque, Léo cruzou da esquerda para Basílio abrir o placar aos 35min. A alegria santista, entretanto, durou pouco. Três minutos depois, Tiago empatou em cobrança de falta.

Na segunda etapa, Luxemburgo ordenou a entrada do trio santista, que mudou a cara do jogo. Deivid sofreu o pênalti e converteu a cobrança em gol aos 43min, decretando a vitória do time. O Juventude ainda perdeu um jogador expulso.

Apesar de ter comandado das tribunas, Luxemburgo estréia oficialmente no Santos na próxima terça-feira, no jogo da volta pelas oitavas-de-final da Libertadores, contra a LDU (Liga Desportiva Universitaria), na Vila.

Para passar a próxima fase do torneio sul-americano, o Santos precisa vencer por uma diferença de três gols. Se ganhar por dois, a vaga será definida nos pênaltis. O primeiro jogo terminou com a vitória por 4 a 2, de virada, do time equatoriano e provocou o pedido de demissão de Leão.

Santos 1 x 1 Juventude

Data: 24/09/2003, quarta-feira, 21h40.
Competição: Campeonato Brasileiro – 32ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 3.557 pagantes
Renda: R$ 40.445,00
Arbitro: Clever Assunção Gonçalves (MG)
Auxiliares: Marco Antônio Martins (MG) e Marco Antônio Gomes (MG)
Cartões amarelos: Preto e Elano (S); Renatinho, Raone e Camazzola (J).
Gols: Índio (10-1) e William (30-2).

SANTOS
Fábio Costa; Reginaldo Araújo (Marcelo), Preto, Alex e Léo; Daniel (Alexandre), Renato, Elano e Jerri (Wellington); Robinho e William
Técnico: Emerson Leão

JUVENTUDE
Márcio; Donizete Amorim, Índio, Neto e Raone; Evandro, Léo Ignácio, Marcelo e Hugo; Geufer (Felipe) e Renatinho (Camazzola)
Técnico: José Luiz Plein



Santos só empata na Vila e perde terreno na luta pelo bicampeonato

O Santos não fez uma apresentação de gala nesta quarta-feira e sofreu para conseguir o empate por 1 a 1 diante do Juventude, na Vila Belmiro, em partida válida pela 32ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Com o empate, o time santista, que vinha de uma derrota por 3 a 0 para o Cruzeiro, chega aos 59 pontos e permanece na segunda colocação, já que a equipe mineira passou pelo Corinthians e agora soma 64.

Mesmo com a igualdade no placar, o Santos mantém um bom retrospecto em partidas disputadas na Vila Belmiro. No Brasileiro deste ano, foram 16 jogos em casa, com 11 vitórias, quatro empates e duas derrotas.

Já o Juventude permanece em situação difícil na tabela de classificação. A equipe gaúcha, que na última rodada goleou o Atlético-PR por 4 a 0, contabiliza 33 pontos ganhos, apenas dois à frente do 23º colocado, o Fluminense, que nesta quinta enfrenta o Figueirense.

Na próxima rodada, a 33ª do Brasileiro, o Santos terá pela frente o Internacional, sábado, no estádio Beira-Rio, em Porto Alegre. O Juventude buscará um resultado positivo contra o Corinthians, domingo, no estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul.

O jogo

O Santos deu pinta de que iria massacrar o time gaúcho. Logo no primeiro minuto, Alex soltou a bomba em cobrança de falta da intermediária. O goleiro Márcio rebateu, mas Robinho não conseguiu alcançar.

No entanto, o time santista não conseguia fazer a bola chegar ao ataque e levou o primeiro aos 10min. Depois de escanteio cobrado da esquerda por Renatinho, Índio ganhou no alto de Preto e desviou de cabeça no canto esquerdo de Fábio Costa.

Aos 20min, Elano cruzou da direita e a bola desviou na zaga. William aproveitou o rebote e, mesmo sem ângulo, bateu forte, com perigo, para fora. O Juventude deu o troco aos 30min: em jogada semelhante à do gol, Renatinho bateu escanteio e Geufer cabeceou rente à trave esquerda.

Mesmo sem empolgar e sendo vaiado pela torcida, o Santos desperdiçou grande chance para empatar aos 43min. Elano lançou Robinho, que invadiu a área, se livrou de dois marcadores apenas na ginga de corpo e tocou para William. O atacante, livre na marca do pênalti, bateu de pé esquerdo na saída de Márcio e mandou por cima do gol.

No intervalo, o técnico Emerson Leão tirou Daniel e Jerri e colocou em campo Alexandre e Wellington. O time cresceu de produção e, logo aos 5min, Elano cobrou falta da direita e Renato cabeceou com perigo, rente à trave esquerda de Márcio.

Dois minutos depois, Wellington partiu para o ataque pelo meio e lançou para William, que tocou na saída de Márcio. O goleiro conseguiu a defesa parcial e, no rebote, Robinho tentou bater, mas o arqueiro fez nova intervenção e salvou o Juventude.

Aos 15min, Renato fez boa jogada individual pela direita e cruzou com efeito, mas Léo, dentro da pequena área, mandou por cima. Elano, aos 18min, cobrou falta da meia-direita e acertou o travessão.

O Santos seguiu pressionando, mas o gol só saiu aos 30min. Elano recebeu na esquerda e cruzou no segundo pau. William entrou sozinho e, de cabeça, desviou na saída de Márcio, empatando a partida.

Depois do gol, a equipe santista seguiu pressionando o Juventude, que por todo o segundo tempo apenas se defendeu. Mesmo mantendo a posse de bola, o Santos não conseguiu finalizar com perigo e marcar o gol que daria a vitória na Vila Belmiro.