Navegando Posts marcados como Juventude

Juventude 1 x 1 Santos

Data: 17/05/2003, sábado, 18h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 9ª rodada
Local: Estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul, RS.
Público: 10.231
Árbitro: Heber Roberto Lopes (PR)
Auxiliares: Idelfonso Trombeta e Altemar Roberto Domingues (ambos do PR).
Cartões amarelos: Camazzola. Caibi, Gustavo, Mineiro e Rafael (J), Douglas e Fabiano (S).
Cartão vermelho: Preto (S).
Gols: João Paulo (20-1) e Gustavo (33-1, contra).

JUVENTUDE
Maurício; Mineiro, Neguete, Índio (Ranato) e Caibi; Camazzola, Fernando, Marcelo (Rafael) e Michel; João Paulo e Gustavo (Geufer).
Técnico: Marinho Peres

SANTOS
Fábio Costa (Júlio Sérgio); Reginaldo Araújo, Alex (Preto), André Luís e Léo; Paulo Almeida, Renato, Elano e Nenê; Robinho (Fabiano) e Douglas.
Técnico: Emerson Leão



Santos arranca empate contra Juventude no Sul e coleciona lesões

Numa partida cheia de problemas e diversos jogadores contundidos, o Santos conseguiu sair do Rio Grande do Sul com um ponto ao empatar por 1 a 1 contra o Juventude pela nona rodada do Campeonato Brasileiro. Além de Preto ter sido expulso, a equipe perdeu Fábio Costa e Alex, contundidos.

Mesmo com os desfalques de Diego e Ricardo Oliveira, o Santos dominou as ações da partida na maior parte do tempo e anulou as jogadas de ataque do Juventude, na estréia do técnico Marinho Peres à frente da equipe gaúcha. Douglas, esperança de gol do time santista, teve atuação apagada.

Apesar de ter saído atrás do marcador, o Santos chegou ao empate ainda no primeiro tempo, em jogada confusa dentro da área do Juventude. No segundo tempo, com um jogador a menos e com dois titulares contundidos, o Juventude passou a pressionar o alvinegro paulista, mas não conseguiu chegar à vitória.

O Santos volta a campo na quarta-feira, quando enfrenta o Cruz Azul, no México, pelo jogo de ida das quartas-de-final da Libertadores da América. Alex e Fábio Costa são dúvidas para a partida. Pelo Brasileirão, o Santos recebe o Internacional em casa, no domingo. Já o Juventude viaja para São Paulo, onde enfrenta o Corinthians, no sábado.

Equilíbrio
Com muita marcação, a partida começou truncada, sem espaços para os ataques de Santos e Juventude.

Aos 8min, em contra-ataque do Juventude, Michel foi lançado nas costas de Reginaldo Araújo, invadiu a área e chutou no canto esquerdo de Fábio Costa. O goleiro do Santos esticou-se e fez boa defesa.

O jogo seguia equilibrado até os 19min, quando Mineiro arrancou pela direita e cruzou para a área santista. André Luís não conseguiu cortar e João Paulo cabeceou no canto direito de Fábio Costa, abrindo o placar para o time da casa.

Ambos os times partiram para o ataque, mas desperdiçaram muitos gols. O Santos pressionou e, aos 33min, Elano cobrou falta da esquerda e a bola bateu em dois defensores do Juventude antes de entrar. Apesar do último toque ter sido de Índio, o juiz anotou gol contra de Gustavo.

Alex, aos 37min, cobrou falta de longe, no ângulo esquerdo da meta do Juventude. Maurício esticou-se todo e evitou o gol da virada santista.

Aos 40min, João Paulo aproveitou contra-ataque rápido do Juventude e partiu para cima de Alex. Ele ganhou na velocidade e chutou forte cruzado, para a linha de fundo. No lance, o zagueiro da equipe santista saiu machucado. Preto entrou em seu lugar.

No segundo tempo, o treinador Emerson Leão colocou Fabiano no lugar de Robinho, com o objetivo de poupar o atacante para a partida decisiva contra o Cruz Azul pela Libertadores.

Aos 3min, Marcelo cobrou falta da esquerda e Fábio Costa subiu para fazer boa defesa. O troco veio com Renato, aos 12min. O volante chutou forte, de fora da área, e a bola raspou o travessão de Maurício.

Aos 14min, mais um problema para o Santos. Fábio Costa deixou o campo machucado. Júlio Sérgio, que foi titular da equipe durante toda a campanha rumo ao título brasileiro de 2002, entrou em seu lugar.

No primeiro lance, o goleiro santista evitou o gol do Juventude após defender cabeçada à queima-roupa de João Paulo. Apesar dos problemas, o Santos era melhor na partida.

Mas, aos 23min, Preto atingiu Gustavo fora do lance e foi expulso de campo, desestabilizando o Santos. O Juventude sentiu o bom momento e partiu para cima em busca do segundo gol.

Mas, foi o Santos que chegou com mais perigo na meta adversária. Aos 31min, Fabiano teve boa oportunidade, mas chutou mal. Aos 38min, Michel fez boa jogada pela esquerda e desperdiçou chance.

O Santos conseguiu equilibrar a partida novamente, mas também encontrava dificuldade em chegar ao ataque. As melhores oportunidades eram em cobranças – erradas – de faltas. Com um bom resultado devido às circuntâncias, o Santos passou a tocar a bola e esperar o apito final.


Juventude 2 x 1 Santos

Data: 18/08/2002, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – 2ª rodada
Local: Estádio Alfredo Jaconi, em Caxias do Sul, RS.
Público: 8.168
Renda: R$ 61.910,00
Árbitro: Wagner Tardeli Azevedo
Cartões amarelos: Anderson Luís e Denis (J); Maurinho, Elano, Diego e Robinho.
Cartões vermelhos: André Luis (S) e Mineiro (J).
Gols: Cláudio Pitbull (18-2), Leonardo Manzi (28-2) e William (37-2).

JUVENTUDE
Diego; Mineiro, Paulão, Índio e Filipe Alvim; Anderson Luís, Marcelo (Marcelinho Paulista) Dionatan e Denis (Leonardo Manzi); Michel e Cláudio Pitbull (Itaqui)
Técnico: Ricardo Gomes

SANTOS
Julio Sérgio; Maurinho (Bernardi), André Luis, Preto e Léo; Paulo Almeida, Renato, Elano (Wellington) e Diego; Robinho (William) e Alberto.
Técnico: Emerson Leão



Santos perde para o Juventude em Caxias

O Santos foi até Caxias do Sul e sofreu sua primeira derrota no Campeonato Brasileiro: 2 a 1 para o Juventude. Os gols gaúchos foram marcados por Cláudio Pitbull e Leonardo Manzi. William descontou para o Santos.

Com esse resultado, o Santos permanece com três pontos em dois jogos, enquanto o Juventude pula para sete pontos ganhos em três partidas.

A equipe gaúcha via neste jogo uma espécie de decisão. Dependendo do resultado, no entendimento dos seus dirigentes, traçaria seu destino no torneio: vencendo, conseguiria afastar o fantasma de ter perdido muitos jogos em seu estádio na edição do torneio no ano passado, o que quase o rebaixou.

Por isso, começou a partida pressionando o Santos. Em apenas oito minutos de jogo, já havia desperdiçado três boas oportunidades de gol.
Como o domínio da partida não se converteu em gols, o Santos começou a se adaptar à adversidade de jogar fora de casa.

Aos 13min, após jogada de Robinho, Paulo Almeida chutou na trave -o goleiro Diego chegou a ir em direção à bola, mas o chute seria indefensável.

A partir desse lance e da insistência santista, a partida ficou equilibrada. Mais precisamente, após os 15min do primeiro tempo, o Santos conseguiu impor mais seu bom toque de bola, especialmente com Robinho e Diego.

O Juventude, em uma jogada isolada, teve excelente oportunidade aos 35min, mas Cláudio Pittbul a desperdiçou, chutando a bola para fora.
O não-aproveitamento de oportunidades no início do jogo pelo Juventude e a ânsia do Santos em recuperar o espaço que havia perdido no meio-campo nos primeiros 15 minutos deixaram as duas equipes visivelmente nervosas.

A partida ficou truncada, com excesso de passes no meio-campo. Os momentos mais empolgantes do primeiro tempo ficaram por conta das demonstrações de habilidade do atacante Robinho no domínio de bola.

Aos 44min do primeiro tempo, por exemplo, Robinho fez excelente jogada, passando pelos adversários aos dribles, mas Alberto não aproveitou a chance. O Juventude ainda tentou algumas jogadas no final do primeiro tempo, mas seus atacantes não conseguiam demonstrar objetividade.

Para o segundo tempo, o Santos voltou mais equilibrado, conseguindo impor seu toque de bola. O Juventude, ao contrário do que ocorrera no começo do primeiro tempo, perdeu o controle do meio-campo.

A torcida da equipe gaúcha começou a pedir a entrada do atacante Leonardo Manzi, que poderia tornar seu ataque mais eficiente.

O técnico Ricardo Gomes concordou, mas, em vez de tirar Cláudio Pittbul, tirou o meia Dênis, tornando a equipe mais ofensiva. Com dois atacantes, aos 19min do segundo tempo, Manzi atraiu a marcação santista e Pittbul fez 1 a 0.

Para recompor o meio-campo, Ricardo Gomes tirou o meia Marcelo da equipe e colocou o volante Marcelinho Paulista -mais forte na marcação.

O Santos, com bom toque de bola, não conseguia mais se impor na marcação e voltou a perder terreno. Em um contra-ataque, Manzi, decisivo na partida, fez o segundo gol, desviando do goleiro Diego. William, em bela jogada, fez o gol do Santos, aos 39min do segundo tempo.

Santos 2 x 2 Juventude

Data: 26/08/2001, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – 7ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 7.926 pagantes
Renda: R$ 67.960,00
Árbitro: Giuliano Bozzano (SC).
Cartões amarelos: Fábio Costa e Vagner (S); Sidnei, Fernandão, Sidiney Souza e Edinho (J).
Cartão vermelho: Preto (S).
Gols: Vagner (01-1), Fernando (13-1) e Valdir (28-1); Leonardo Manzi (43-2).

SANTOS
Fábio Costa; Preto, Galván e Cléber; Valdir, Vagner (Elano), Válber, Renato e Léo; Robert e Viola.
Técnico: Geninho

JUVENTUDE
Diego; Edinho (Luciano Fonseca), Fernandão, Márcio Pereira e João Marcelo; Sidiney Souza (Ranielli), Sidnei (Luiz Fernando), Fernando e Michel; Dauri e Leonardo Manzi.
Técnico: Zé Teodoro



Santos empata, e torcida xinga Geninho

Equipe da Vila Belmiro fica duas vezes em vantagem diante do Juventude, mas cede igualdade a 2 minutos do fim

O Santos conseguiu o que o técnico Geninho pretendia (marcar um gol logo no início da partida), sofreu o empate, reagiu, mas, com um jogador a menos devido a uma expulsão, não conseguiu conter a pressão do adversário. No final, cedeu o 2 a 2 ao Juventude, na Vila Belmiro.

Após dois empates consecutivos em casa (no domingo anterior, o jogo contra o Botafogo-RJ terminou 0 a 0), a torcida santista canalizou sua revolta para Geninho, que desde a metade do segundo tempo já ouvia o coro “burro”.

Nos dez minutos iniciais, o Santos deu a impressão de que iria golear. O time marcou logo a 1min. Robert cobrou falta da esquerda, e Vagner, jogador mais alto do time (1,88m), concluiu de cabeça para a rede.

Aos 8min, sozinho diante do goleiro, Viola desperdiçou a chance de quebrar seu jejum de gols no Brasileiro.

O empate do Juventude, aos 13min, esfriou o Santos. O árbitro anotou pênalti de Cléber em Michel, marcação contestada pelos santistas. Fernando colocou no canto direito de Fábio Costa.

Um novo lance de bola parada deu origem ao segundo gol do Santos. Em outra cobrança de Robert, Galván ajeitou de cabeça para Valdir completar para o gol.

Apesar da expulsão de Preto, aos 37min, a equipe da Vila manteve os nervos sob controle.

Na segunda etapa, o Juventude passou a dominar a partida. Aos 24min, Viola foi derrubado, e os santistas pediram pênalti. O juiz marcou falta fora da área.

O técnico Zé Teodoro deu duas cartadas para tentar o empate. Colocou o atacante Leonardo Fonseca e os meias Luiz Fernando e Ranielli nos lugares do lateral Edinho e dos volantes Sidnei e Sidiney Souza, respectivamente. De imediato, as iniciativas de Zé Teodoro não produziram resultado e ainda abriram espaços para o ataque do time da casa.

Mas quase no fim do jogo, aos 43min, a equipe gaúcha conseguiu o que queria. Luciano Fonseca dominou e cruzou da direita, Leonardo Manzi ganhou a disputa de cabeça com a defesa e marcou o gol de empate.

Pacato, técnico tem discussão com torcedores

De comportamento normalmente pacato, Geninho não conteve os nervos devido à pressão da torcida do Santos por causa do terceiro empate em quatro jogos na Vila Belmiro pelo Brasileiro.

“A torcida está muito exigente e tem se manifestado de maneira não condizente com a realidade. Em vez de se manifestar contra o juiz, que errava, se preocupava em pressionar o time e em xingar o técnico. Está cheio de gente torcendo contra.” Ainda no primeiro tempo, o treinador bateu boca com torcedores que o xingavam.

Na segunda etapa, devido aos seguidos erros do time no setor ofensivo, o coro “burro, burro, burro” passou a ecoar pela Vila.


Juventude 1 x 1 Santos

Data: 23/08/2000, quarta-feira.
Competição: Campeonato Brasileiro
Local: Estádio Alfredo Jaconi , em Caxias do Sul, RS.
Público: 3.618 Pagantes
Renda: R$ 21.158,00
Árbitro: Léo Feldman
Cartão vermelho: Rincón (S) e Marcelinho (J) ambos aos 06-2.
Gols: Michel (02-1) e Júlio César (41-2).

JUVENTUDE
Julio Cesar; Maxsandro, Marcos Aurélio, Paulo Cesar e Marcelinho; Edmílson, Luiz Fernando, Michel (Vandick) e Aderaldo; Alex e Luciano Fonseca (Sidnei).
Técnico: Roberto Davino

SANTOS
Pitarelli; Michel (Júlio Cesar), André Luis, Claudiomiro e Rubens Cardoso (Valdo); Anderson Luis (Caio), Rincón, Renato e Robert; Edmundo e Dodô.
Técnico: Giba



Santos chega a empate no fim e revolta Edmundo

Atacante diz que equipe está ressuscitando “times mortos” na Copa JH

Jogando mal, o Santos ainda conseguiu empatar em cima da hora com o Juventude, ontem, jogando em Caxias do Sul (RS).

Mesmo com o time arrancando o 1 a 1 aos 42min do segundo tempo, o santista Edmundo não diminuiu suas críticas ao time.

“É brincadeira. Nosso time não quer jogar futebol. A gente pega tudo quanto é time morto e ressuscita”, disse o atacante, que também deve atuação apagada -perdeu todos os lances diante de seus marcadores.

Após chegar “”manso”, o jogador começa a tirar as mangas de fora. Depois de perder para o Atlético-MG, no último sábado, já havia apontado falhas na zaga. Ontem, ele gritou com vários companheiros durante o jogo, principalmente com o lateral-esquerdo Rubens Cardoso. Razões não faltaram para as reclamações, afinal, a equipe santista mostrava uma defesa muito aberta, um meio-campo que não criava ou destruía e um ataque que não conseguia entrar na área adversária.

Por seu lado, o Juventude, fraco tecnicamente, foi superior ao time visitante, principalmente explorando as falhas do lado esquerdo da defesa contrária.

Os times só chegaram a seus gols no segundo tempo, que foi bem mais movimentado que a primeira metade, quando quem brilhou foi o goleiro santista. Pitarelli protagonizou um lance raríssimo aos 13min: salvou o que seria um gol rival defendendo de bicicleta próximo à linha.

A jogada começou com um cruzamento da esquerda. Michel dominou a bola, driblou a zaga, mas Pitarelli espalmou o chute. Nesse instante, a bola bateu na zaga e ia em direção ao gol, quando o goleiro fez a defesa acrobática. Passados três minutos, ele interceptou uma nova finalização à queima-roupa de Michel.

Depois desses dois lances, o Santos recuou para acertar sua marcação. O Juventude, a partir desse momento, se contentou com chuveirinhos na área e chutes de longa distância.

Já o Santos dependia de lances individuais, como um de Dodô, aos 17min -driblou três defensores, mas chutou para fora.

No segundo tempo, teve duas jogadas decisivas logo nos primeiros minutos.

Aos 3min, o Juventude marcou seu gol. Após cruzamento da esquerda (área de responsabilidade do lateral Rubens Cardoso), Michel dominou e chutou no canto esquerdo de Pitarelli.

Aos 6min, o santista Rincón se desentendeu com o gaúcho Marcelinho -ambos foram expulsos.

O Santos só empatou no final, com um chute de fora da área de Júlio César, que acabara de entrar no lugar de Michel.


Santos 3 x 0 Juventude

Data: 31/05/2000, quarta-feira, 21h40.
Competição: Copa do Brasil – Oitavas de final – Jogo de volta
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 4.621 pagantes
Renda: R$
Árbitro: Jamir Carlos Garcez (DF).
Cartões amarelos: Lauro, Carlão e Luiz Antonio (J).
Gols: Rubens Cardoso (33-1), Valdo (29-2) e Baiano (39-2).

SANTOS
Fábio Costa; Baiano, Preto, André Luis e Rubens Cardoso; Rincón (Márcio Santos), Anderson Luiz, Valdo e Robert (Canindé); Dodô e Deivid (Eduardo Marques).
Técnico: Giba

JUVENTUDE
Wellerson; Denis, Luiz Oscar, Carlão (Clairton), Vanderlei; Mabília (Kiko), Lauro, Wallace, Luiz Antonio; Luciano Fonseca (Cris) e Adriano Chuva.
Técnico: Flávio Campos



Santos vence Juventude e pega o Fla na próxima fase

Jogando com uma equipe quase só formada por reservas, para poupar os titulares para a semifinal do Paulista, o Santos classificou-se às quartas-de-final da Copa do Brasil ao vencer o Juventude por 3 a 0, na Vila Belmiro.

Os gols foram marcados por Wanderley, contra, Valdo e Baiano. Na partida de ida, os santistas haviam vencido por 3 a 1.

Nas quartas-de-final, o Santos irá enfrentar o Flamengo, que ontem empatou com o Bahia em 1 a 1, no Maracanã, após ter vencido o primeiro jogo por 3 a 1.

Dos jogadores que reivindicam um lugar na equipe, os atacantes Dodô e Deivid e os meias Robert e Valdo, só este teve uma atuação destacada. Dodô, o principal insatisfeito com o banco, repetiu suas últimas atuações, com pouca mobilidade e disposição para divididas, sendo vaiado outra vez.
No primeiro tempo, as duas equipes criaram duas chances de gol cada, sempre aproveitando erros dos defensores do adversário -as do Santos em lances de bola parada e as do Juventude na saída para o ataque.

Mas logo o jogo tornou-se mais lento e truncado. O Juventude recuou e o Santos dominava a bola, mas não ameaçava o gol gaúcho. Aos 33min, porém, o zagueiro Wanderley, do Juventude, “resolveu” o problema santista.

Rubens Cardoso foi à linha de fundo e cruzou. O zagueiro se antecipou ao goleiro Wellerson e desviou para as próprias redes.

O Juventude só voltou a ameaçar numa cobrança de falta, aos 41min, que Fábio Costa desviou para escanteio.

No segundo tempo, o jogo ficou no mesmo ritmo morno. O principal momento de emoção aconteceu aos 21min, quando o goleiro Fábio Costa fez duas defesas importantes em poucos segundos, em finalizações dos gaúchos dentro da pequena área.

Aos 29min, Valdo dividiu uma bola na entrada da área do Juventude e bateu, aproveitando a má colocação do goleiro Wellerson, ampliando o placar.

No final, o Juventude desistiu da reação, e o Santos, por meio de um sem-pulo de Baiano, aos 39min, chegou aos 3 a 0.