Navegando Posts marcados como Léo Lima

Data: 02/04/2006
Competição: Campeonato Paulista – 18ª rodada (penúltima)
Local: estádio do Morumbi, em São Paulo, SP.
Árbitro: Rodrigo Martins Cintra
Auxiliares: Carlos Augusto Nogueira Júnior e Osny Antônio Silveira
Público: 51.520 pagantes
Renda: R$ 924.426,00
Cartões amarelos: Edcarlos (SP), Fabão (SP), Maldonado (S), Luiz Alberto (dois) (S), Aloísio (SP), Manzur (S), Lugano (SP), Domingos (S), Geílson (S), Fabinho (S)
Cartão vermelho: Luiz Alberto (S)
Gols: Léo Lima, de pênalti, aos 25min, e Rogério Ceni, de pênalti, aos 45min do primeiro tempo; Thiago, aos 27min, e Alex Dias, aos 47min do segundo tempo.



Com arbitragem confusa, São Paulo vence Santos e adia decisão

Em clássico marcado por polêmicas da arbitragem, o São Paulo venceu o Santos de virada, por 3 a 1, neste domingo, no Morumbi, e adiou para a última rodada a decisão de quem será o campeão paulista deste ano.

Com o triunfo, o São Paulo, que ainda sonha com o bi do Estadual, chega aos 39 pontos, apenas um a menos que o Santos, que precisava de um simples empate para acabar com o jejum de conquistas regionais que se arrasta desde 1984.

No próximo domingo, o São Paulo joga contra o Ituano, em Mogi Mirim, enquanto o Santos joga contra a ameaçada Portuguesa, na Vila Belmiro.

A arbitragem, que voltou a usar o polêmico ponto eletrônico para comunicação entre o juiz e os auxiliares, foi destaque negativo no clássico deste domingo. Os três primeiros gols aconteceram em jogadas duvidosas –além de um gol legal são-paulino ter sido anulado.

“Se não houvesse tantos erros, o São Paulo poderia ter vencido de forma mais fácil”, reclamou Rogério Ceni.

No gol do Santos, marcado de pênalti por Léo Lima, o São Paulo reclamou que Reinaldo teria se jogado na área. O primeiro do São Paulo, também de pênalti, convertido por Rogério Ceni, foi questionado pelos santistas, que não concordaram com a marcação de mão na bola de Maldonado dentro da área.

O gol da virada são-paulina, anotado por Thiago, também teria sido irregular. Antes de cruzar para o atacante, o ala-esquerdo Junior estaria em posição irregular, após receber passe de Aloísio.

Se não bastassem esses três lances, o árbitro Rodrigo Cintra beneficiou o Santos, no início do jogo, ao anotar impedimento equivocado do volante Josué, que abriria o placar.

O jogo

O treinador santista Vanderlei Luxemburgo deixou para dar a escalação momentos antes do início clássico. E surpreendeu. Sacou Rodrigo Tabata e o zagueiro Ronaldo. Para os seus lugares, o treinador santista escalou Magnum, que havia anotado dois gols na vitória sobre o Bragantino, e Domingos.

Do outro lado, Muricy Ramalho manteve o tradicional esquema 3-5-2. Leandro continuou na ala-direita, enquanto Edcarlos substituiu André Dias, contundido, na zaga.

Logo aos 4min, o Santos foi beneficiado após o árbitro Rodrigo Martins Cintra anotar equivocadamente impedimento do volante Josué, que completou para o fundo da rede após cruzamento de Danilo.

Até quase metade da etapa inicial, o Santos quase não conseguiu passar do meio-campo. Magnum e Léo Lima estavam bem marcados. Com isso, Reinaldo estava isolado no ataque e pouco criava.

Para piorar, o time da Vila Belmiro esteve muito recuado. Com isso, o São Paulo foi para o ataque e quase abriu o placar. Aos 18min, Thiago fez boa jogada e chutou em cima de Fábio Costa. Após defender com a perna, o goleiro santista deu um tapa na bola, que bateu no travessão e na trave do lado esquerdo, antes de Maldonado evitar o gol adversário.

Apesar de pressionado, o Santos foi eficiente em um de seus primeiros ataques. Novamente com participação da arbitragem. Aos 23min, Rogério Ceni não conseguiu segurar a falta cobrada por Léo Lima.

No rebote, em um lance duvidoso, o árbitro viu um empurrão de Edcarlos em Reinaldo e anotou pênalti. Léo Lima bateu e fez o gol santista.

Aos 40min, outra jogada polêmica. Aloísio foi derrubado dentro da área, e o árbitro Rodrigo Cintra anotou pênalti. Só que ele se esqueceu de olhar para o assistente, que havia marcado posição irregular do atacante são-paulino. O juiz voltou atrás e deu impedimento.

Quatro minutos mais tarde, mais uma penalidade, desta vez a favor do São Paulo. E novamente numa jogada duvidosa. O árbitro viu mão de Maldonado dentro da área. Rogério Ceni cobrou e empatou a partida.

Ao contrário da primeiro tempo, o Santos voltou ofensivo para etapa final. O São Paulo já não encontrava muitos espaços. Mesmo assim, essa aparente melhora foi prejudicada com a expulsão do zagueiro Luiz Alberto, aos 11min, que fez falta em Josué e recebeu o segundo cartão amarelo.

O São Paulo voltou a pressionar. E aos 28min, Aloísio rolou para Junior, que, em posição duvidosa, cruzou para Thiago fazer o gol da virada são-paulina.

Já nos acréscimos, aos 47min, Júnior cruzou da esquerda para Alex Dias chutar forte e marcar o terceiro, adiando a decisão do Estadual para a próxima semana.

URT 1 x 3 Santos

Data: 22/03/2006, quarta-feira, 21h45.
Competição: Copa do Brasil – 1ª fase – Jogo de ida.
Local: Estádio Zama Maciel, em Patos de Minas, MG.
Público e renda: N/D
Árbitro: Sérgio da Silva Carvalho (DF)
Cartões amarelos: Ditinho (U); Magnum (S).
Cartão vermelho Mantena (U).
Gols: Renianldo (21-1); Ditinho (04-2), Léo Lima (30-2) e Reinaldo (31-2).

URT
Williams; Bráulio, Valdemir, Germano (Fernando) e Adriano; Rodrigo, Mantena, Ivan Carlos (Saulo) e Thiago Vieira; Ditinho e Carioca (André).
Técnico: Souza

SANTOS
Fábio Costa; Manzur, Ronaldo Guiaro (Léo Lima) e Luiz Alberto; Fabinho, Wendel (Magnum), Cléber Santana, Heleno e Kléber; Geílson (Rodrigo Tabata) e Reinaldo.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Com dois gols de Reinaldo, Santos vence a URT e se classifica na Copa do Brasil

O Santos venceu a URT por 3 a 1, nesta quarta-feira, em jogo de ida da segunda fase da Copa do Brasil. Com o resultado, o time santista eliminou o jogo de volta e garantiu vaga nas oitavas-de-final da competição nacional.

Na próxima fase da Copa do Brasil, o Santos enfrenta o Brasiliense, que passou pelo Remo.

O Santos teve dificuldade para criar oportunidades de gol no início do jogo. As grandes chances do time da Vila Belmiro aconteceram em bolas paradas: faltas e escanteios.

Em um destes lances, aos 21min, depois de um escanteio, a defesa mineira cortou mal, Luís Alberto ganhou o rebote e, de cabeça, tocou para Reinaldo dominar, bater e abrir o placar.

O Santos só atacava pela esquerda, principalmente com avanços constantes de Kléber. E foi exatamente nos buracos deixados pelo lateral que a URT passou a dominar a partida. Por duas vezes, aos 28min e aos 34min, a URT entrou na defesa santista e o empate só não aconteceu graças ao goleiro Fábio Costa.

Aos 43min, quando a URT parecia perto do empate, Mantena deu uma cotovelada em Wendel. O árbitro Sérgio Carvalho expulsou o meia da equipe mineira.

Apesar de estar com um jogador a menos, a URT voltou para a etapa final disposta a empatar o jogo. Logo aos 3min, Ditinho recebeu um lançamento, outra vez entre Ronaldo e Kléber, e tocou na saída de Fábio Costa.

O técnico Vanderlei Luxemburgo, então, utilizou atletas que estavam sendo poupados. Com Rodrigo Tabata e Léo Lima, o Santos cresceu e fez o placar que lhe interessava.

Aos 30min, Rodrigo Tabata tocou para o meio da área. Léo Lima, que acabara de entrar, empurrou para o fundo das redes.

Um minuto depois, Reinaldo driblou o goleiro e garantiu a classificação santista.

Data: 19/03/2006
Competição: Campeonato Paulista – 15ª rodada
Local: estádio Urbano Caldeira, a Vila Belmiro, em Santos (SP)
Público: N/D
Renda: N/D
Árbitro: Alex Sander da Rosa Lefeu
Auxiliares: Marcelo Carvalho Van Gasse e Hérman Brúmel Vani
Cartões amarelos: Pierre (I), Samuel (I)
Gols: Luiz Alberto, aos 4min, e Léo Lima, aos 22min.

SANTOS
Fábio Costa; Fabinho, Manzur, Luiz Alberto e Kléber; Maldonado, Wendel, Léo Lima (Magnum) e Rodrigo Tabata (Renatinho) e Ronaldo; Reinaldo.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

ITUANO
André Luís; Ricardo Lopes, Erivélton, Samuel e Kauê; Adriano, Pierre, Juliano (Reginaldo) e Paulo Santos; Cris e Rômulo (Gílson).
Técnico: Leandro Campos



Santos vence o Ituano e continua na liderança do Paulista

O Santos não teve dificuldades para vencer o Ituano por 2 a 0, neste domingo. Com esta vitória, o time da Baixada chegou aos 34 pontos, dois a mais que o Palmeiras, e continua na liderança do Campeonato Paulista.

A equipe de Vanderlei Luxemburgo também manteve o aproveitamento de 100% em casa pelo Estadual –Antes, já havia vencido Mogi Mirim, Marília, Santo André, Noroeste, Ponte Preta, Rio Branco e Palmeiras.

Pressionado pela vitória do rival (4 a 2 contra a Ponte Preta) –o triunfo palmeirense pouco antes obrigava a vencer sua partida para terminar a rodada na liderança–, o Santos partiu para cima e tratou de resolver logo a partida diante do time de Itu.

Aos 4min do primeiro tempo, o meia Léo Lima bateu falta pelo lado esquerdo e o zagueiro Luiz Alberto, de cabeça, abriu o marcador para os donos da casa.

Apesar do gol, o Santos manteve o ritmo e não demorou para ampliar. Aos 22min, mais uma falta pela esquerda. De novo, Léo Lima chutou. Porém, desta vez, ninguém desviou. Mesmo assim, a bola entrou: 2 a 0.

O Ituano estava encurralado e via o time santista trocar belos passes e criar inúmeras chances de gol.

Aos 27min, o meia Rodrigo Tabata fez grande jogada e tentou encobrir o goleiro André Luís. A bola acertou no travessão e, no rebote, o atacante Reinaldo perdeu grande chance.

Na segunda etapa, o Santos diminuiu o ritmo e o Ituano conseguiu atacar um pouco mais. Aos 17min, Gílson bateu de fora da área, mas o goleiro Fábio Costa fez boa defesa.

A chance do time de Itu acordou o Santos. Aos 23min, Tabata pedalou pelo lado esquerdo e cruzou para Fabinho, que cabeceou na mão do zagueiro Samuel. Pênalti que Rodrigo Tabata bateu e André Luís defendeu.

Data: 05/03/2006
Competição: Campeonato Paulista – 13ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 17.375
Renda: R$ 279.490,00
Árbitro: N/D
Gol: Léo Lima (40-2)



Santos leva a melhor sobre o Palmeiras na “decisão” do Paulista-06

O Santos derrotou o Palmeiras por 1 a 0, neste domingo, na Vila Belmiro, e levou a melhor sobre o adversário no clássico que foi considerado como uma espécie de “final” antecipada do Campeonato Paulista.

Com gol de Léo Lima, aos 40min do segundo tempo, o Santos segue na liderança, agora com 31 pontos, e ficou mais próximo de conquistar o título que não alcança desde 1984.

O Palmeiras segue com 26 pontos. No entanto, tem um jogo a mais para disputar –na próxima quarta-feira enfrenta o América, no Parque Antarctica.

O lado positivo do Palmeiras foi o retorno aos gramados do meia Juninho, que não atuava desde o ano passado por causa de uma contusão.

O jogo

O início do clássico na Vila Belmiro foi marcado pelo número excessivo de faltas. Foram sete em apenas sete minutos. Nesse período, o árbitro Luis Marcelo Cansian distribuiu três cartões amarelos –Cléber Santana e Maldonado, pelo Santos, e Juninho, pelo Palmeiras.

Os cartões e a chuva que caiu em boa parte do primeiro tempo acalmaram o ânimo dos atletas. Porém, o que se viu foi muita marcação dos dois lados, com congestionamento no meio-campo, e pouca qualidade técnica. Mesmo assim, não faltaram oportunidades de gol.

O Santos até criou algumas chances, principalmente no começo da partida. Duas com o atacante Geílson, nos primeiros cinco minutos de jogo, e o chute na trave de Cléber Santana, aos 8min.

O Palmeiras optou por explorar os contra-ataques. Com Edmundo praticamente anulado, Marcinho se destacou com duas chances. Na primeira, aos 26min, chutou perto da trave de Fábio Costa. Aos 42min, foi travado pelo volante Maldonado dentro da área quando se preparava para bater.

Para etapa final, o técnico Vanderlei Luxemburgo abandonou o esquema 3-5-2. Tirou o zagueiro Ronaldo e colocou o meia Léo Lima. Reinaldo, recuperado de contusão, entrou no lugar de Magnum.

Com essas mudanças, o Santos ficou mais ofensivo. Aos 8min, Maldonado acertou a trave. Um minuto mais tarde, aos 9min, Reinaldo chutou de fora da área e exigiu uma difícil defesa de Sérgio, que espalmou para escanteio.

Aos 10min, ocorreu o lance mais polêmico da partida. Os jogadores santistas reclamaram um pênalti sofrido por Geílson, que teria sido derrubado por Márcio Careca. O árbitro disse que a jogada foi normal, provocando a irritação do treinador santista.

O jogo caminhava para 0 a 0, quando Sérgio atingiu com a mão o volante Wendel, do Santos, aos 37min, dentro da área. Três minutos mais tarde, Léo Lima cobrou a penalidade e fez o gol vitória santista.

Santos 3 x 0 Sergipe

Data: 22/02/2006, quarta-feira, 21h45.
Competição: Copa do Brasil – 1ª fase – Jogo de volta
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 6.564 pagantes
Renda: R$ 34.455,00
Árbitro: Luis Carlos da Silva (MG)
Cartões amarelos: Cléber Santana (S); Chicão e Márcio (SER).
Gols: Cléber Santana (10-1) e Magnum (45-1); Léo Lima (15-2).

SANTOS
Fábio Costa; Fabinho, Manzur, Luís Alberto, Kléber; Maldonado, Léo Lima, Cléber Santana (Wendel), Rodrigo Tabata (Galvão); Magnum e Geílson.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

SERGIPE
Genílson; Cesco, Toninho, Daniel (Felipe) e Flávio; Chicão, Márcio, Harley e Mica; Alex Paulista, Fabinho (Rafael).
Técnico: V. Saldanha



Santos vence o Sergipe e avança à 2ª fase da Copa do Brasil

O Santos venceu o Sergipe por 3 a 0, nesta quarta-feira, no estádio da Vila Belmiro, na partida de volta da primeira fase da Copa do Brasil-2006, e garantiu a classificação para a próxima etapa da competição.

Na partida de ida, os santistas haviam empatado por 0 a 0. Na próxima fase, a equipe de Vanderlei Luxemburgo enfrenta o URT-MG, que eliminou o Londrina-PR após uma vitória (3 a 2) e um empate (1 a 1).

O Santos abriu o placar logo aos 6min do primeiro tempo em chute do meia Cléber Santana. Aos 46min, o atacante Magnum recebeu lançamento na área e chutou no canto esquerdo para ampliar: 2 a 0.

O time paulista definiu a vitória em cobrança de pênalti aos 15min. O meia Léo Lima foi derrubado na área, e o árbitro Luiz Carlos da Silva marcou pênalti. O próprio Léo Lima chutou e fechou o placar: 3 a 0.

Apesar da derrota, o Sergipe vai tentar a vaga na Justiça esportiva, pois alega que o zagueiro Domingos não poderia ter atuado na partida de ida, pois foi punido, no ano passado, com dois jogos de suspensão.

Na época, Domingos estava no Grêmio disputando a Série B. Como a segunda suspensão teria ficado pendente, ele não poderia jogar na estréia na Copa do Brasil, competição diferente, mas também organizada pela CBF.

O clube da Vila Belmiro alega que recebeu documento da CBF confirmando que o jogador tinha condições para atuar naquela partida. No entanto Luxemburgo não usou o zagueiro Domingos nesta quarta.

Com a vaga garantida na próxima fase da competição nacional, o time de Luxemburgo volta agora suas atenções para o Campeonato Paulista. No sábado, joga contra o Rio Branco, na Vila Belmiro, pela 11ª rodada.