Navegando Posts marcados como Lucas Lima

Santos 2 x 0 Corinthians

Data: 10/09/2017, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 23ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 12.567 pagantes
Renda: R$ 649.350,00
Árbitro: Raphael Claus (Fifa-SP)
Auxiliares: Alex Ang Ribeiro (SP) e Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo (Fifa-SP)
Cartões amarelos: Lucas Veríssimo, Victor Ferraz e Lucas Lima (S); Gabriel, Romero, Marciel e Clayson (C).
Gols: Lucas Lima (12-2) e Ricardo Oliveira (47-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique (Luiz Felipe) e Zeca; Renato, Alison (Leandro Donizete) e Lucas Lima; Copete (Thiago Ribeiro), Ricardo Oliveira e Bruno Henrique.
Técnico: Levir Culpi

CORINTHIANS
Cássio; Fagner, Balbuena, Pablo e Marciel (Moisés); Gabriel (Giovani), Maycon, Jadson, Rodriguinho e Romero (Clayson); Jô.
Técnico: Fábio Carille



Goleiros brilham, mas Santos bate o Corinthians e segue vivo no Brasileirão

Vanderlei e Cássio até tentaram, mas não conseguiram fazer com que o clássico deste domingo terminasse em 0 a 0, na Vila Belmiro. No primeiro tempo, o Santos dominou as ações, mas parou no arqueiro do Corinthians, que fez duas defesas extraordinárias. Já na segunda etapa, o Timão foi melhor, mas viu o camisa 1 do Peixe brilhar. Além disso, o time comandado por Fábio Carille sofreu do próprio veneno, quando Bruno Henrique arrancou em contra-ataque e Lucas Lima pegou a sobra para abrir o marcador. No último minuto, ainda deu tempo de Ricardo Oliveira aproveitar mais um contragolpe e decretar a vitória santista por 2 a 0.

Com o triunfo, o Alvinegro Praiano chegou aos 41 pontos e diminuiu a diferença para o Timão, que ficou estacionado com 50, mas segue liderando com folga o torneio nacional.

O jogo

Como era de se esperar, o jogo começou quente na Vila. Dentro de casa, o Santos tomou a iniciativa e se lançou ao ataque. Logo aos seis minutos, Renato arriscou de longe e Cássio deu um tapinha para salvar o Corinthians. Na cobrança de escanteio, Ricardo Oliveira desviou de cabeça e o goleiro corintiano fez linda defesa.

Na jogada seguinte, o Timão aproveitou vacilo de Alison, disparou em contra-ataque e só parou após Vanderlei defender o chute de Rodriguinho.

Após o início quente, o clássico perdeu qualidade no restante do primeiro tempo. Tanto que o lance mais chamativo foi a lesão de Gustavo Henrique. Aos 22 minutos, o defensor sentiu após dividida com Jô, saiu de maca chorando e precisou ser substituído por Luiz Felipe.

Aos 29, porém, o Peixe assustou novamente. Do lado esquerdo, Victor Ferraz cobrou falta na segunda trave, Copete apareceu em velocidade, mas não alcançou a bola.

A boa chance animou os santistas, que passaram a dominar o Corinthians. O único problema é que tinha um tal de Cássio embaixo da meta corintiana. Aos 43 minutos, Ricardo Oliveira aproveitou sobra e chutou cruzado na entrada da área. Porém, a bola foi fraca e o arqueiro pegou sem dificuldade.

No lance seguinte, Zeca tocou para Bruno Henrique, que rolou para Oliveira. Completamente sozinho dentro da área, o atacante bateu forte, mas viu o goleiro corintiano fazer uma defesa extraordinária, mantendo o 0 a 0 no primeiro primeiro.

Na volta do intervalo, Levir trocou Copete por Thiago Ribeiro. O colombiano sentiu dores no músculo adutor da coxa e não conseguiu voltar ao gramado. E logo aos 2 minutos, Alison arriscou de longe e assustou Cássio.

O Corinthians não deixou barato e respondeu no ataque seguinte. Após confusão na entrada da área, Romero chutou com força e Vanderlei salvou. Aos 7 minutos, Fagner cruzou, Jô cabeceou firme e manda a bola raspando o travessão.

Já aos 12, foi a vez de Gabriel mandar chute de longe e o goleiro santistas espalmar. E justamente quando o Timão dominava as ações, foi o Santos quem abriu o placar.

Em contra-ataque, Bruno Henrique deu um verdadeiro baile em Fagner e cruzou para Ricardo Oliveira. Pablo cortou, mas a bola sobrou para Lucas Lima. Livre, o meia encheu o pé para vencer Cássio e fazer 1 a 0 na Vila.

O tento santista fez o Corinthians se lançar com tudo em busca do empate. Aos 18 minutos, Fagner cruzou fechado, Jô cabeceou com força e Vanderlei espalma mais uma. O restante da partida foi resumida em Timão no ataque e Peixe buscando um contragolpe para matar o confronto. E ele veio aos 47 minutos, quando Bruno Henrique serviu Ricardo Oliveira, que só teve o trabalho de bater para garantir a vitória santista.

Bastidores – Santos TV:

Levir se empolga com vitória do Santos no clássico: “Podemos vencer a Libertadores”

Uma vitória em clássico sempre é animadora, ainda mais quando o rival ostenta a fama de ‘adversário a ser batido’ da competição. Após o triunfo do Santos por 2 a 0 sobre o Corinthians, neste domingo, na Vila Belmiro, pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro, o técnico Levir Culpi mostrou muita empolgação e já mira a conquista da Libertadores.

“Você está enfrentando um time que está em primeiro lugar, isso cria uma expectativa e me dá a certeza que podemos vencer a Libertadores. Mas de um jogo para o outro tudo pode mudar. Podemos encarar qualquer time, não tenho a menor dúvida. O problema é administrar”, explicou o comandante em entrevista coletiva após o confronto.

O elenco do Peixe nem terá muito tempo para comemorar o triunfo, afinal, a delegação santista embarcará durante a madrugada desta segunda-feira para o Equador, onde irá encarar o Barcelona de Guayaquil, na próxima quarta, às 21h45 (de Brasília), pela ida das quartas de final da Libertadores.

“Vamos para São Paulo agora, tiramos até o jantar que teríamos na Vila, por conta do problema de trânsito para ir para São Paulo. Vamos rezar para não perder o voo. Vai durar quantos anos? (risos). Cinco horas até Bogotá e mais seis horas até Guayaquil. Depois voltamos para enfrentar o Botafogo. Nossa chance no Brasileiro é agora, mas nosso foco está no Barcelona. Estamos vivos e motivados. A torcida está se apegando ao time e temos que ir assim para almejar um título”, concluiu o treinador.

Herói do Santos, Lucas Lima elogia apoio: “Quando a Vila está cheia, é difícil ganhar de nós”

Como um verdadeiro maestro, Lucas Lima conduziu de forma brilhante o Santos na vitória por 2 a 0 sobre o Corinthians, neste domingo, na Vila Belmiro, pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro. Além do gol que abriu o placar, o camisa 10 do Peixe armou diversos ataques, buscou a bola na defesa e destruiu a marcação corintiana em várias oportunidades.

Mesmo com a atuação de gala, o meia preferiu apenas elogiar o apoio dos mais de 12 mil torcedores que estiveram em Urbano Caldeira neste domingo.

“Não gosto de me avaliar. Vou deixar para vocês. Venho trabalhando desde o começo do ano. Venho fazendo poucos gols, mas sou líder de assistências no ano. Criamos bastante, tivemos muito volume. Por ser um clássico, creio que equipe jogou muito bem hoje, estávamos descansados. E na Vila é assim, quando está cheia, é difícil ganhar de nós”, disse Lucas Lima na saída do gramado.

Com o triunfo, o Alvinegro Praiano chegou aos 41 pontos e diminuiu a diferença para o Timão, que ficou estacionado com 50, mas segue liderando com folga o torneio nacional. Para o meia santista, o título ainda está aberto.

“A campanha que eles vinham fazendo era difícil manter, sabíamos que eles iriam tropeçar. Graças a Deus conseguimos tirar mais três pontos deles. Agora é torcer para que eles tropecem para a gente tirar ainda mais a vantagem deles”, concluiu.


São Bento 0 x 2 Santos

Data: 22/03/2017, quarta-feira, 19h30.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 10ª rodada
Local: Estádio Municipal Walter Ribeiro, em Sorocaba, SP.
Público: 6.690
Renda: R$ 272.535,00
Árbitro: Marcelo Aparecido Ribeiro de Souza
Auxiliares: Alex Ang Ribeiro e Eduardo Vequi Marciano
Cartões amarelos: Giovanni (SB) e Lucas Lima (S).
Cartão vermelho: Bebeto (SB).
Gols: Vitor Bueno (05-2) e Lucas Lima (13-2).

SÃO BENTO
Rodrigo Viana; Bebeto, Pitty, Gabriel Santos e Régis; Fábio Bahia, Itaqui, Renan Mota, Morais (Diego Oliveira) e Giovanni (Guilherme Queiroz); Ricardo Bueno (Lucas Mendes).
Técnico: Paulo Roberto Santos

SANTOS
Vladimir; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, David Braz e Zeca; Renato (Rafael Longuine), Thiago Maia e Lucas Lima; Bruno Henrique (Arthur Gomes), Vitor Bueno (Vladimir Hernández) e Kayke.
Técnico: Dorival Júnior



Santos bate São Bento, afasta pressão e assume liderança no Paulista

O Santos retomou o caminho da tranquilidade nesta quarta-feira. Após a derrota de virada para o Palmeiras, no último domingo, a torcida do Peixe voltou a pressionar a equipe e até pichou os muros da Vila Belmiro. Porém, os comandados de Dorival Júnior não precisaram fazer muito esforço para baterem o São Bento por 2 a 0, em Sorocaba, e findarem com a desconfiança dos santistas. Depois de um primeiro tempo murcho, o alvinegro contou com o brilho de Lucas Lima para marcar duas vezes na segunda etapa e garantir a vitória.

Com o triunfo, o Santos chegou aos 16 pontos e não só voltou para a zona de classificação como assumiu a liderança do grupo D do Campeonato Paulista, ultrapassando Ponte Preta e Mirassol. A Macaca, também com 16, perde no número de vitórias. Já o Leão foi derrotado pelo Palmeiras, nesta quarta-feira, e parou nos 14 pontos.

O São Bento, por sua vez, estacionou nos 10 pontos, é o último do grupo C, viu o sonho de chegar às quartas ficar mais distante e ainda segue com risco de rebaixamento.

O jogo

Desde o ano passado, a torcida do Santos reclama da demora que o time tem para arriscar uma finalização. Tendo como característica a posse de bola, a equipe comandada por Dorival Júnior sempre espera o momento certo para tentar um chute. E na primeira etapa diante do São Bento, a tônica foi a mesma.

Dominando as ações, o Peixe passou praticamente o jogo inteiro no campo de ataque. Porém, os santistas arriscaram poucas finalizações, erraram todas elas e não conseguiram abrir o placar em Sorocaba.

A primeira oportunidade surgiu aos 9 minutos. Após lindo passe de Thiago Maia, Kayke invadiu a área e bateu cruzado. Porém, o atacante acabou tirando demais do goleiro Rodrigo Viana e a bola passou raspando a trave.

Nulo dentro de campo, o São Bento apenas tentou chegar em alguns contra-ataques. O problema é que a equipe comandada por Paulo Roberto demonstrou uma grande dificuldade técnica e pouco assustou na etapa inicial.

O alvinegro, por sua vez, seguiu com a posse, mas não acertou o pé. Aos 32 minutos, Lucas Lima bateu escanteio fechado para dentro da área. David Braz quase conseguiu desviar, mas a bola acabou saindo direto pela linha de fundo, assustando Rodrigo Viana.

Antes do apito final, o volante Thiago Maia apareceu novamente e achou Vitor Bueno dentro da área. O meia, porém, acabou sendo travado e chutou para fora, finalizando um primeiro tempo com poucas emoções em Sorocaba.

O início do segundo tempo serviu para mostrar como o Santos é dependente de Lucas Lima. Na etapa inicial, o meia pouco produziu e o Peixe ficou aquém do esperado. Porém, logo aos 5 minutos após o intervalo, o camisa 10 recebeu de Victor Ferraz dentro da área, não foi fominha, e rolou para Vitor Bueno. O camisa 7, pressionado após perder um gol inacreditável contra o Palmeiras, no último domingo, bateu no canto do goleiro Rodrigo Viana e abriu o placar em Sorocaba, tirando um peso enorme das costas e deixando o alvinegro em vantagem.

O tento também aliviou a pressão sob todo o time comandado por Dorival Júnior. Mais ‘relaxado’, o Santos aproveitou a fragilidade do São Bento e ampliou o marcador sem fazer esforço. Aos 13 minutos, Kayke aproveitou uma saída errada do Bentão, avançou pela esquerda e mandou para Lucas Lima dentro da área. Com muita tranquilidade, o meia limpou o goleiro e anotou o segundo do Peixe.

Avassalador, o alvinegro quase fez o terceiro dois minutos depois. Bruno Henrique escapou no mano a mano e sofreu falta. Inicialmente, o bandeira anotou pênalti. O árbitro, porém, confirmou a falta fora da área. Mesmo assim, o zagueiro Bebeto acabou expulso. Na cobrança, Victor Ferraz bateu com categoria e a bola passou raspando a trave de Rodrigo Viana.

Após os dois gols e a expulsão, o Peixe ‘tirou o pé’ e apenas administrou o resultado, que levou o alvinegro de voltar para a liderança do grupo D.

Bastidores – Santos TV:

Dorival vê Santos maduro e estranha pressão: “Continuo trabalhando”

O início de ano do Santos vem sendo de altos e baixos. Inicialmente, a chegada de reforços e a estreia arrasadora contra o Linense animaram os torcedores. Porém, após uma sequência com apenas uma vitória em cinco jogos, o técnico Dorival Júnior se viu pressionado. O triunfo sobre o The Strongest e a liderança da Libertadores até aliviaram a tensão na semana passada. O problema é que o revés de virada para o Palmeiras, no último domingo, trouxe de volta o clima pesado para os arredores da Vila Belmiro, que chegou a ser pichada na última segunda-feira.

Nesta quarta-feira, porém, o alvinegro bateu o São Bento por 2 a 0, em Sorocaba, e retomou a liderança do grupo D. Com isso, Dorival espera acabar de vez com a ‘estranha’ pressão que vem acontecendo no clube.

“Esse é o futebol brasileiro. Perdemos um jogo para o São Paulo e foi aquela pressão toda. Pressão já se tem todo dia. Quando é excessiva, a gente estranha. Parece que não enxergam o que se faz no clube. Continuo trabalhando. Temos a confiança de quem comanda a equipe. Não vejo essa pressão toda acontecendo. Estranho em determinados momentos. As pessoas que fazem o dia a dia do Santos sabem do que estou falando. Jogadores trabalham com alegria e buscam fazer o melhor. Os resultados não foram o que produzimos”, explicou o comandante, em entrevista coletiva após o duelo diante do Bentão.

Com o triunfo, o Santos chegou aos 16 pontos e ultrapassou Ponte Preta e Mirassol. A Macaca, também com 16, perde no número de vitórias. Já o Leão foi derrotado pelo Palmeiras, nesta quarta-feira, e parou nos 14 pontos.

“Equipe fez boa partida, jogou no campo do São Bento. Jogaram com consistência. O Santos faz um campeonato que joga de maneira superior, porém os resultados não vinham. Espero que voltemos à normalidade. A equipe mostra maturidade grande. A derrota no domingo apagou muita coisa. Temos mostrado comportamento maduro”, concluiu Dorival.

Bueno ‘esquece’ gol perdido no clássico e agradece confiança de Dorival

Os últimos três dias não foram nada fáceis para Vitor Bueno. Após perder um gol inacreditável contra o Palmeiras, no último domingo, na Vila Belmiro, o meia foi alvo de críticas através de redes sociais e a torcida chegou a pedir para o técnico Dorival Júnior sacá-lo da equipe. Porém, o comandante bancou a permanência do camisa 7 e ele correspondeu na noite desta quarta-feira, quando abriu o placar para o Peixe na vitória por 2 a 0 sobre o São Bento, em Sorocaba.

Artilheiro do alvinegro no Campeonato Paulista, com quatro gols, Bueno agradeceu a confiança do treinador e também acredita que a chance perdida contra o Verdão já é página virada em sua carreira.

“Aquele lance foi infeliz, não pode errar, assumo, peço desculpas, ninguém merece. Não foi porque errei o gol que perdemos, jogamos bem. Já passou. Vamos esquecer. Fui contestado nas redes sociais. Procuro absorver tudo e no jogo pude mostrar o valor. Agradeço ao Dorival pela confiança, sempre me ajudou. Nunca falou que eu estava ameaçado no time. Acho que fiz uma boa partida hoje e fui premiado com o gol. Mas o importante foi ter saído com os três pontos”, ressaltou o camisa 7 na saída do gramado.

Destaque na vitória santista, Lucas Lima dedica gol a irmão internado

A vitória de 2 a 0 sobre o São Bento, nesta quarta-feira, em Sorocaba, serviu para mostrar como o Santos é dependente de Lucas Lima. No primeiro tempo, o meia pouco produziu e o Peixe ficou aquém do esperado. Porém, em apenas 13 minutos da etapa final, o camisa 10 deu assistência para Vitor Bueno marcar e logo depois anotou o seu gol, decretando o triunfo alvinegro.

Decisivo, Lucas Lima comemorou a aliviada na pressão em cima da equipe e ainda revelou um drama familiar. O irmão mais novo do meia possui autismo e está internado por ter sofrido um acidente. O camisa 10, inclusive, dedicou o gol à família.

“Sem dúvida (alivia a pressão). Uma partida onde tínhamos que sair com o resultado, contra uma equipe difícil, com jogadores rodados. Essa vitória é para o meu irmão, que está internado. Não foi uma semana tranquila, mas a minha família me deu todo o suporte para vir a campo”, explicou o santista.

Frágil na Vila, Santos alcança topo do Paulista com vitórias fora de casa

O Santos sempre foi conhecido pela força que tem dentro da Vila Belmiro. Porém, o estádio centenário não vem ajudando o Peixe nesta temporada. Afinal, foram três derrotas em cinco jogos, número superior a temporada inteira de 2016, quando o alvinegro perdeu apenas duas vezes durante todo o ano. Em contrapartida, a equipe comandada por Dorival Júnior foi buscar bons resultados fora de casa, como o triunfo sobre o São Bento, nesta quarta-feira, em Sorocaba, e alcançou a liderança do grupo D do Campeonato Paulista.

Ao todo, os santistas conquistaram três vitórias longe de seus domínios, contra Red Bull Brasil, São Bernardo e São Bento, respectivamente. Além disso, o clube ainda arrancou um empate diante do Ituano. A única derrota fora da Vila foi para o rival Corinthians, em Itaquera, no último dia 4 de março.

E para seguir no topo do grupo D e alcançar a vagal nas quartas de final do Paulista, o Santos terá mais um compromisso longe da Baixada. No próximo sábado, o Peixe visita o Santo André, às 15h (de Brasília), no estádio Bruno José Daniel, no ABC.

Já na última rodada da primeira fase, os comandados de Dorival Júnior recebem o Novorizontino, na quarta-feira, às 21h45. Teoricamente, o alvinegro conta com a força da Vila Belmiro para concretizar a classificação. Porém, o retrospecto recente pode deixar o torcedor santista apreensivo.

DESEMPENHO DO PEIXE NO PAULISTÃO:

Santos na Vila (duas vitórias e três derrotas: seis pontos conquistados)
Santos 6 x 2 Linense
Santos 1 x 3 São Paulo
Santos 0 x 1 Ferroviária
Santos 2 x 0 Botafogo
Santos 1 x 2 Palmeiras

Santos fora (três vitórias, um empate e uma derrota: 10 pontos conquistados)
Red Bull Brasil 2 x 3 Santos
Ituano 0 x 0 Santos
Corinthians 1 x 0 Santos
São Bernardo 1 x 4 Santos
São Bento 0 x 2 Santos

Santos 6 x 2 Linense

Data: 03/02/2017, sexta-feira, 21h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 1ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 10.567 pagantes
Renda: R$ 294.515,00
Árbitro: Thiago Duarte Peixoto
Auxiliares: Marcelo Carvalho Van Gasse e Daniel Paulo Ziolli.
Cartões amarelos: Thiago Maia (S) e Zé Antônio (L).
Gols: Rodrigão (12-1) e Rodrigão 14-1); Thiago Santos (08-2), Lucas Lima (13-2), Arthur Gomes (31-2), Gabrielzinho (34-2), Vitor Bueno (44-2) e Thiago Ribeiro (47-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Yuri e Zeca; Renato, Thiago Maia (Léo Cittadini) e Lucas Lima; Vitor Bueno, Copete (Thiago Ribeiro) e Rodrigão (Arthur Gomes).
Técnico: Dorival Junior

LINENSE
Edson Kölln; Bruno Moura, Bruno Costa, Rodrigo Lobão e Carleto; Zé Antônio, Caíque, Diego Felipe e Thiago Humberto (Gabrielzinho); Joãozinho e Thiago Santos.
Técnico: Guilherme Alves.



Santos massacra Linense na Vila, faz 6 a 2 e estreia bem no Paulistão

O Campeonato Paulista começou em grande estilo. Os torcedores que foram para a Vila Belmiro acompanharam uma grande partida, com oito gols anotados em 90 minutos. Apesar da valentia do Linense, o Santos não deu chances para a equipe do interior e aplicou uma sonora goleada por 6 a 2, nesta sexta-feira, na estreia da equipe no Paulistão.

Os destaques do jogo ficaram por conta de Rodrigão. Substituindo Ricardo Oliveira, que ainda realiza a pré-temporada, o atacante marcou dua vezes no primeiro tempo e saiu aplaudido na Vila. O meia Lucas Lima também deixou sua marca e mostrou que está disposto a dar uma resposta aos críticos. Arthur Gomes, Vitor Bueno e Thiago Ribeiro fecharam a goleada. Pelo lado do Linense, Thiago Santos e Gabrielzinho anotaram os tentos.

Com a vitória, o Peixe assume a liderança do grupo D do Paulistão, com três pontos. O Linense, por sua vez, não conquistou nenhum ponto e deve terminar a rodada na última colocação do grupo B.

O jogo

O Santos começou o Campeonato Paulista a todo vapor. Sem dar chance para o Linense respirar, os comandados de Dorival Júnior se lançaram ao ataque e criaram diversas oportunidades logo no início da partida. A mais clara saiu dos pés de Zeca, aos 11 minutos. O lateral-esquerdo cobrou falta com veneno e a bola bateu na trave do goleiro Edson Kölln.

No minuto seguinte, porém, o arqueiro do Linense não conseguiu segurar. Após ter deixado sua marca no amistoso contra o Kenitra, do Marrocos, no último sábado, o atacante Rodrigão apareceu novamente e anotou o primeiro gol do Paulistão de 2016. O centroavante recebeu cruzamento de Thiago Maia na pequena área e só teve o trabalho de empurrar para o fundo das redes.

Mesmo após ter aberto o placar, o Peixe continuou sufocando o time do interior e ampliou logo na sequência. O meia Lucas Lima acertou um lançamento primoroso para Vitor Bueno. O camisa 7 saiu na cara do gol e dividiu com o Edson Köll. A bola, porém, sobrou para Rodrigão. Com estrela, o centroavante bateu firme e marcou seu segundo tento na partida.

Quem não entrou na Vila atrasado e não viu o placar pode ter achado que o alvinegro estava perdendo. Mesmo com dois gols de vantagem, o Santos não tirou o pé e seguiu pressionando durante todo o primeiro tempo. Aos 25 minutos, Lucas Veríssimo deu lindo lançamento para Vitor Bueno. O meia cruzou e Rodrigão, sempre ele, bateu firme. Desta vez, porém, o goleiro Edson Kölln conseguiu desviar.

Após aparecer várias vezes, Rodrigão cometeu um belo garrancho na Vila Belmiro. Aos 39 minutos, Lucas Lima encontrou Copete na ponta direita. O colombiano cruzou rasteiro para o camisa 22, que furou feio. O atacante, porém, estava com crédito após anotar dois tentos e saiu aplaudido ao final do primeiro tempo.

Com a vantagem de dois gols anotada na primeira etapa, o Santos diminuiu o ritmo no início do segundo tempo. E foi castigado por isso. Aos 8 minutos, Carleto acertou belo lançamento para Thiago Santos. Nas costas da linha defensiva do Santos, atacante soltou uma pancada no ângulo e diminuiu o marcador na Vila.

Após o susto, o Peixe acordou e ampliou logo na sequência. Aos 12 minutos, Thiago Maia tocou para Lucas Lima. Com facilidade, o camisa 10 entrou na área e finalizou para fazer o terceiro do Peixe.

Novamente com o placar tranquilo, o alvinegro tirou o pé mais uma vez e a partida ficou monótona na Vila. Tanto que o momento de maior êxtase foi quando Rodrigão saiu para a entrada de Arthur Gomes, aos 25 minutos. Autor de dois gols, o atacante foi aplaudido por toda a torcida presente.

E se Rodrigão foi um dos nomes do jogo, seu substituto também roubou a cena. Mostrando personalidade, Arthur Gomes pedalou dentro da área, aos 31 minutos e tentou o cruzamento. A bola desvia no goleiro Edson Kölln e morreu no fundo do gol, anotando o quarto do Peixe.

Mesmo com a goleada, o Linense mostrou ser valente e diminuiu mais uma vez. Aos 34 minutos, Gabrielzinho aproveitou a falha defensiva do Santos, recebeu na pequena área e marcou o segundo do time do interior.

Quando o jogo já se encaminhava para o final, Vitor Bueno apareceu livre na área e fez o quinto. E quando parecia que não havia tempo para mais nada, Thiago Ribeiro recebeu lindo passe de Victor Ferraz e anotou o seu para fechar a goleada em 6 a 2 e garantir a primeira boa vitória do alvinegro no Campeonato Paulista de 2017.

Bastidores – Santos TV:

Dorival vê Santos acima do esperado, mas avisa: “Ainda é muito cedo”

O Santos começou o Campeonato Paulista de forma arrasadora. Atual bicampeão, o Peixe deu demonstrações claras de que é um forte candidato para a conquista do tri. De forma arrasadora, principalmente no primeiro tempo, os comandados de Dorival Júnior não deram chances para o Linense respirar e aplicaram uma sonora goleada de 6 a 2, na noite desta sexta-feira, na Vila Belmiro.

Para o técnico santista, o alvinegro apresentou um futebol acima do esperado por ele após os 23 dias de pré-temporada. “É um início de trabalho, algumas dificuldades foram mostradas. Nos leva muito equilíbrio, mas precisaremos arrumar muitas coisas. Em relação à criação, foi muito bom. Foi acima do que imaginávamos para um começo. “Fizemos um primeiro tempo de maneira intensa, principalmente na retomada de bola. Tivemos um jogo ofensivo efetivo, participando das jogadas com todo meio e ataque e boas presenças dos laterais”, ressaltou Dorival, em entrevista coletiva logo após a goleada.

Porém, apesar da ótima impressão deixada no primeiro jogo, o comandante do Santos acredita que os jogadores não devem entrar na onda da empolgação, pois a temporada está apenas começando.

“De modo geral, foi um jogo de criação e boas oportunidades, mas ainda é muito cedo. Temos que melhorar. Foi apenas uma boa partida, nada além disso. Temos que ter os pés no chão. Não foi nada além de um bom resultado. Estou satisfeito, mas amanhã começamos um processo novamente. Repetição, cobrança, mostrando mais os erros que os acertos. É um momento inicial”, concluiu Dorival.

Com gols, Rodrigão supera desconfiança e garante ‘fico’ no Santos

O atacante Rodrigão viveu um período de incertezas nos últimos dois meses. Cobiçado por Grêmio, Vitória, Bahia e Sport, o jogador chegou a ser considerado uma moeda de troca pela diretoria santista, que não o via com ‘tarimba’ suficiente para ser o substituto ideal de Ricardo Oliveira. A desconfiança era tanta que o clube trouxe Kayke para ser a ‘sombra’ do camisa 9. O centroavante de 23 anos, porém, foi bancado pelo técnico Dorival Júnior e não vem decepcionando.

Sem Oliveira, que perdeu duas semanas de pré-temporada por causa de caxumba, Rodrigão foi titular no jogo-treino contra o Nacional-SP, no amistoso diante o Kenitra, no Pacaembu, e na estreia do Campeonato Paulista, nesta sexta-feira, frente ao Linense, na Vila Belmiro. E em apenas três duelos, o atacante anotou quatro gols.

Os dois últimos tentos foram os mais importantes, pois serviram para abrir a goleada de 6 a 2 sobre o Elefante do interior. O técnico Dorival Júnior mostrou-se satisfeito com a atuação do centroavante.

“O Rodrigo é assim: fez um número grande de gols no ano passado e não teve um trabalho mais intenso com a nossa equipe. Queria ter a oportunidade de mantê-lo e dar um tempo de adaptação. Ele pode produzir mais. Foram gols importantes os de hoje. Ele tem que ter a noção que a intensidade de trabalho dele fará com que as coisas melhorem”, explicou o comandante do alvinegro.

Já Rodrigão, por sua vez, credita a boa fase com o trabalho intenso que realizou desde a reapresentação do Peixe, no último dia 11 de janeiro. “Isso é fruto do trabalho, da pré-temporada que a gente fez, sendo bem dedicado. Temos que mostrar o nosso ritmo, o nosso futebol, e mostramos nossa parte. Feliz pelos gols”, resumiu o jogador.

Debutante na Vila, Arthur Gomes vibra com primeiro gol: “Emoção grande”

Desconhecido de boa parte da torcida santista no ano passado, o atacante Arthur Gomes vem galgando seu espaço aos poucos no Santos e começou 2017 com tudo. Após mostrar personalidade e dar uma assistência no amistoso contra o Kenitra, no último sábado, o jovem de 18 anos entrou aos 25 do segundo tempo e precisou de apenas seis minutos para marcar seu primeiro gol com a camisa do Peixe.

Substituindo Rodrigão, que anotou dois tentos e saiu aplaudido pela torcida, Arthur Gomes não se intimidou com a Vila Belmiro lotada e partiu para cima dos zagueiros da equipe do interior, pedalou sobre a marcação e tentou o cruzamento. A bola desviou no goleiro do Linense e morreu no fundi das redes. O jogador, inclusive, fez seu primeiro jogo nos profissionais do alvinegro dentro do estádio e vibrou com a boa atuação.

“Emoção muito grande. Primeira vez que jogo aqui na Vila como profissional, na frente da torcida. Estou muito feliz. Glória a Deus por tudo. Meu futebol é assim, alegria. E igual falei ali, dedico o gol a minha mãe, meus irmãos. Gosto de estar aqui. Aqui eu sou feliz, esqueço tudo. Agora quero dar muitas alegrias ao torcedor santista”, resumiu Arthur Gomes na saída do gramado.

Teoricamente, o jovem de 18 anos dificilmente receberia oportunidades na temporada, afinal, além de Copete e Vitor Bueno, que estavam no elenco de 2016, o Peixe contratou os atacantes Vladimir Hernández, Kayke e Bruno Henrique. Porém, se continuar com as boas atuações, será difícil para os ‘medalhões’ competirem com ele.

“Olha… Sou sincero, não tenho problema de idade, ser contratado ou não. O Jogador que tiver pedindo espaço, vai ter preferência. Esse menino, Arthur, vem mostrando em campo. Espero que tenhamos cuidado. Estamos fazendo trabalho de fortalecimento com ele”, disse o técnico Dorival Júnior em entrevista coletiva após o triunfo sobre o Linense.

Longe da depressão e religioso, Thiago Ribeiro quer ser titular do Santos

Quando Dorival Júnior comunicou a diretoria santista que gostaria de contar com Thiago Ribeiro no seu elenco, os próprios dirigentes do clube estranharam a indicação do técnico. O Santos estava preparado para negociar o jogador, usá-lo como moeda de troca ou emprestá-lo novamente para outra equipe. Mas, Dorival se mostrou convicto, independente da reprovação da maior parte dos torcedores santistas, outra ala do clube que não compreendeu os motivos para tal escolha.

‘No sapatinho’, Thiago Ribeiro voltou ao Santos depois de passar o último um ano e meio entre Atlético-MG e Bahia e, em pouco tempo, começou a mudar parte das opiniões antes contrários ao seu aproveitamento.

Empenhado nos treinamentos, o atleta de 30 anos ganhou oportunidade no amistoso diante dos marroquinos do Kenitra e na estreia da equipe no Campeonato Paulista, frente ao Linense. Foram cerca de 20 minutos apenas somando as duas apresentações, mas o bastante para marcar dois gols e provar que está totalmente recuperado da depressão que o atingiu de forma inesperada e colocou sua carreira em risco.

“Eu não falava desse assunto abertamente, porque é muito delicado. Quando saí do Santos, em abril, maio de 2015, eu já estava numa situação complica, mas estava bem melhor do que em outubro de 2014, quando tudo começou. E no Atlético até consegui fazer uma temporada razoável, com gols. Mas eu entrava em campo e não sentia disposição. Muito complicado. Até eu não sabia o que estava acontecendo. Mas, busquei forças em Deus, confiei, tive fé e consegui superar tudo isso”, explicou, ao Sportv, Thiago Ribeiro, sem qualquer vergonha ou receio de expor um problema tão comum entre os brasileiros, mas que ainda esbarra em tabus.

“Eu sempre fui um jogador muito agudo, de partir em velocidade nas costas do zagueiro. Eu perdi totalmente a força, a força física, a resistência que eu tinha. E hoje a parte física conta muito. Você pode ter a técnica, mas se fisicamente você não estiver bem, você não consegue jogar. Me apeguei muito a Deus e sabia que assim eu conseguiria superar. E foi isso que aconteceu”, completou.

Mais apegado a religião e com dificuldade para tirar o sorriso do rosto, Thiago Ribeiro transparece a alegria interna que conta sentir. Sua recuperação não é da boca para fora e o campo também tem servido para provar o que suas palavras tentam explicar, até mesmo para que o torcedor do Peixe considere uma atuação aquém do esperado nos últimos meses antes de sua despedida do clube.

“Recuperei a alegria de viver, de jogar futebol. Estou feliz de poder jogar de novo em alto nível, sei do meu potencial, quero entrar em campo e demonstrar que não quero só fazer parte do elenco. Quero brigar por um lugar entre os 11, porque sei que tenho potencial para isso. Então, é trabalhar, se tiver cinco minutos para entrar, vou entrar. Estou muito feliz com essa volta”.

A titularidade, aliás, claramente é a maior motivação de Thiago Ribeiro no momento. Sempre que questionado o jogador entra no tema e deixa claro a sua determinação em desbancar a concorrência do colombiano Jonathan Copete, uma das principais estrelas da equipe de Dorival Júnior. A empolgação pelos primeiros jogos nesse retorno ao Santos lhe dá a convicção de que ser titular não é uma realidade muito distante.

“Eu não poderia imaginar um recomeço melhor que esse. Entrar no amistoso e fazer gol. Entrar hoje e fazer gol. Agradeço a Deus, às pessoas, ao Dorival, que apostou em mim. Isso é só o começo da temporada. Tenho muito a crescer ainda, mostrar que tenho potencial para brigar com todos. Meu objetivo é passo a passo, mostrar jogo a jogo, para buscar meu espaço entra os 11, e deixar a dúvida para o Dorival”, avisou, à Rádio Globo, minimizando o fato de ter de superar um atleta consolidado e em alta no clube.

“Para mim não é uma novidade ter de brigar por uma posição com vários jogadores de qualidade e, graças a Deus, eu sempre consegui um lugar no time. O segredo é fazer o que venho fazendo. Se tiver cinco minutos, entra e faz o máximo. Graças a Deus eu entrei ali e sobrou a bola para eu fazer o gol. Isso conta muito ponto. Você tem que procurar algo diferente, e quando consegue um lugar no time, tem que se empenhar, porque outro vai entrar e você vai perder espaço. Isso é bom para o Santos”, concluiu.

Lucas Lima vê Santos intenso na estreia, mas lamenta gols sofridos

O Santos conseguiu um ótimo resultado na estreia do Campeonato Paulista. A equipe goleou o Linense, por 6 a 2, e começou o Estadual com o pé direito. O meia Lucas Lima, um dos destaques da vitória, comentou a atuação do Peixe.

“Nosso time foi muito intenso, do começo ao fim do jogo”, comemorou o camisa 10, falando à Santos TV. Ele fez o terceiro do Alvinegro na Vila Belmiro, além de distribuir bons passes ao longo do duelo.

Apesar do ótimo desempenho ofensivo, com os seis tentos marcados, Lucas Lima lamentou os dois gols sofridos, e revelou que o técnico Dorival Júnior não deve ter gostado da situação.

“Tomamos dois gols ali, e com certeza vamos tomar um puxão de orelha do professor Dorival”, declarou o atleta. Ambos os gols tomados pela defesa santista aconteceram no segundo tempo, já com vantagem no placar.

O meia Vitor Bueno, que também deixou sua marca contra o Linense, celebrou a boa vitória, e parabenizou os companheiros. “Tínhamos feito dois bons amistosos, e está todo mundo de parabéns. Agora, é continuar mantendo o foco”, afirmou.

Desde show de Neymar e Ganso, Santos não marcava seis no Paulistão

O Santos fez 6 a 2 no Linense, na partida de abertura do Campeonato Paulista. Além de conquistar a primeira goleada da competição, em 2017, a equipe comandada por Dorival Júnior alcançou um feito que não acontecia há cinco anos, desde 2012: marcar seis gols em uma partida do Estadual.

Na última vez em que o Peixe balançou as redes tantas vezes, as estrelas do time ainda eram Ganso e Neymar. O time, comandado por Muricy Ramalho, fez 6 a 1 na Ponte Preta, no dia 25 de fevereiro de 2012. A partida aconteceu na Arena Barueri.

O camisa 11, que já era titular da Seleção Brasileira, deu show, marcando duas vezes. Na primeira, acertou lindo chute de fora da área. Depois, recebeu na área e, com um toque sutil por cima do goleiro, fez seu segundo.

Paulo Henrique Ganso, que no mesmo ano acabou se transferindo para o rival São Paulo, também fez o seu, em lance de oportunismo na área. O zagueiro Edu Dracena, atualmente no Palmeiras, fez dois, ambos de cabeça. Ferron, contra, completou o placar.

Naquele ano, o Alvinegro Praiano embalou com a goleada e conquistou o título estadual, o terceiro consecutivo, superando outro clube campineiro, o Guarani, na decisão.

Desta vez, frente ao Linense, quem brilhou com dois gols foi o centroavante Rodrigão. Lucas Lima, Arthur Gomes, Vitor Bueno e Thiago Ribeiro completaram o placar, e fizeram o Peixe repetir o número de tentos feitos em 2012. Vale lembrar que, pela Libertadores, no mesmo ano, o time de Muricy fez 8 a 0 no Bolívar, na maior goleada recente do clube.

Em 2017, a competição ainda está no início, e o Santos começa a buscar o tricampeonato do Campeonato Paulista. No próximo domingo, no Pacaembu, os comandados de Dorival Júnior enfrentam o Red Bull Brasil, pela segunda rodada da competição.

Chapecoense 0 x 1 Santos

Data: 23/10/2016, domingo, 19h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 32ª rodada
Local: Arena Condá, em Chapecó, SC.
Público: 7.459 pessoas
Renda: R$ 141.065,00
Árbitro: Nielson Nogueira Dias (PE)
Auxiliares: Marcelino Castro de Nazare e Bruno Cesar Chaves Vieira (ambos de PE).
Cartões amarelos: Gimenez (C); Victor Ferraz, Luiz Felipe e Vanderlei (S)
Gol: Lucas Lima (03-1).

CHAPECOENSE
Danilo; Gimenez (Hyoran), Thiego, Neto e Dener Assunção; Matheus Biteco, Gil, Cleber Santana; Tiaguinho (Arthur Maia), Ananias e Kempes (Bruno Rangel).
Técnico: Caio Júnior

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, David Braz, Luiz Felipe e Zeca; Renato, Thiago Maia e Lucas Lima (Yuri); Jean Mota, Copete (Fabián Noguera) e Ricardo Oliveira (Joel).
Técnico: Dorival Junior



Santos não empolga, mas bate Chapecoense e se consolida no G6

No aniversário de 76 anos de Pelé, seu maior ídolo, o Santos recebeu um belo presente do goleiro Danilo para vencer a Chapecoense por 1 a 0, na noite deste domingo, na Arena Condá, pela 32ª rodada do Campeonato Brasileiro. Logo no início do duelo, o arqueiro saiu mal e deixou Lucas Lima livre para marcar o único gol da partida. Apesar de fazer mais um jogo apático, o Peixe conseguiu recuperar-se da eliminação na Copa do Brasil e segue na briga para entrar no G3 do Brasileirão.

Apesar do triunfo, os santistas seguem em quarto, com 58 pontos, pois o Atlético-MG também bateu o Figueirense neste domingo e chegou aos 59.

O jogo

Para conseguir uma recuperação após ser eliminado pelo Inter na Copa do Brasil, o Santos precisaria vir para cima da Chapecoense mesmo jogando fora de casa. Porém, isso nem foi preciso. Logo aos três minutos de jogo, o goleiro Danilo fez uma verdadeira lambança ao tentar cortar Ricardo Oliveira. Após divida com Jean Mota, a bola ficou livre para Copete. O colombiano deu um passe açucarado para Lucas Lima. Com o arqueiro fora do gol, o meia tocou por cobertura e abriu o placar na Arena Condá.

O tento logo no início aliviou a pressão nas costas dos santistas, que passaram a controlar o jogo e tocar a bola com tranquilidade, sem se expor muito no campo de defesa, mas também sem buscar ampliar o marcador. O Verdão do Oeste, por sua vez, não mostrava força para empatar e pouco assustava a equipe de Vila Belmiro.

Esses fatores fizeram o jogo ficar lento e chato em Chapecó. Tanto que a primeira boa oportunidade após o gol só veio aos 23 minutos. Após cruzamento na área santista, a bola ficou livre para Kempes. Na hora do chute, ele foi travado por Luiz Felipe. Na sequência, Victor Ferraz afasta o perigo de vez.

Apesar de vencer pelo placar mínimo, o Santos sentou na vantagem e não arriscou mais durante todo o primeiro tempo. A única finalização dos santistas foi exatamente no lance do gol, logo no início da partida. Antes do intervalo, a Chape ainda teve uma boa chance de empatar. Aos 45 minutos, Matheus Biteco soltou uma bomba de fora da área, obrigando o goleiro Vanderlei a fazer bela defesa, salvando o alvinegro.

Apesar das entradas de Bruno Rangel e Hyoran nos lugares de Kempes e Gimenez, respectivamente, a Chape seguia sem assustar e o Peixe também não mostrava muita vontade de ampliar o marcador. Sendo assim, o segundo tempo começou na mesma tônica da primeira etapa.

O Verdão do Oeste chegou com contundência mesmo só aos 12 minutos. Após cruzamento pela direita, David Braz desviou sem querer para trás e Vanderlei consegue fazer a defesa. Na sequência, o Santos teve sua primeira boa oportunidade desde a abertura do placar. Ricardo Oliveira recebeu de Victor Ferraz e cruzou com muito perigo para Copete, que por pouco não marcou o segundo.

As duas boas chegadas animaram o jogo e acordaram a Chapecoense. Em quatro minutos, os comandados de Caio Júnior impuseram uma blitz e desperdiçaram três oportunidades. Na primeira, Bruno Rangel recebeu completamente livre dentro da área, mas parou no goleiro Vanderlei. Logo depois, o arqueiro santista trabalhou novamente após lindo chute de Gil. Por último, Cleber Santana soltou uma bomba e bola bateu na rede, mas pelo lado de fora.

Ao contrário do primeiro tempo, a segunda etapa passou a ficar movimentada e com boas chances de gol. O detalhe é que praticamente todas elas foram perdidas pela Chape. O Santos, que perdeu Ricardo Oliveira por lesão aos 20 minutos, limitava-se a ficar no campo de defesa e dependendo da inspiração do goleiro Vanderlei.

Nos minutos finais do duelo, o Peixe seguiu recuado, mas conseguiu segurar o ímpeto do Verdão do Oeste e saiu de Chapecó com mais três pontos na bagagem, mesmo sem convencer.

Bastidores – Santos TV:

Dorival cita Botafogo, admite sofrimento, mas comemora triunfo

A vitória do Santos por 1 a 0 sobre a Chapecoense, no último domingo, na Arena Condá, não convenceu a torcida alvinegra. Na partida, válida pela 32ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Peixe abriu o placar logo aos três minutos, com Lucas Lima, e pouco assustou os donos da casa. Além disso, a equipe foi pressionada em boa parte do segundo tempo e quase saiu de Chapecó sem os três pontos.

O técnico Dorival Júnior, porém, mostrou satisfação com a apresentação do time diante do Verdão do Oeste. Para exemplificar a importância do resultado, o comandante citou a vitória do Alvinegro sobre o Botafogo, também por 1 a 0, no Rio de Janeiro, no dia 14 de setembro.

“Foi um jogo difícil, complicado. Poucas equipes ganharam aqui, como poucas ganharam do Botafogo no Rio (o Santos ganhou). Alcançamos uma recuperação em relação ao meio de semana, quando tivemos um dissabor (eliminação para o Inter na Copa do Brasil). Lá, jogamos com posse de bola e não conseguimos o resultado. Aqui, foi ao contrário e conseguimos o resultado importante para o campeonato”, afirmou o treinador, em entrevista coletiva após a partida em Chapecó.

Acostumado a ter sempre o domínio no meio de campo, o Santos em Chapecó. Tanto que a Chape teve posse de bola de 54% durante toda a partida. Apesar disso, Dorival exaltou a força da equipe, mesmo jogando sem suas principais características.

“A partir de um momento, não conseguimos mais ter a bola. Sofremos, sim, mas soubemos suportar, administrar. Tivemos a consciência de trabalhar a bola no campo defensivo. Naturalmente, tivemos dificuldades. O futebol é assim: quando não encontramos um caminho, temos de ir para o outro. De repente, as coisas se inverteram”, concluiu o comandante.

O triunfo em Chapecó manteve os santistas vivos na luta para ficar entre os três primeiros do Brasileirão. A vitória manteve o Peixe em quarto, com 58 pontos. Na próxima rodada, o alvinegro encara o clássico contra o líder Palmeiras, na Vila Belmiro, no sábado, às 19h30 (de Brasília).

Renato lamenta pressão sofrida, mas vibra com vitória sobre a Chape

Apesar de ter vencido a Chapecoense por 1 a 0, neste domingo, na Arena Condá, pela 32ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Santos ainda não conseguiu animar seu torcedor. Demonstrando a mesma apatia que causou a eliminação do clube na Copa Brasil, na última quarta-feira, o Peixe abriu o placar logo no início, com Lucas Lima, mas foi muito pressionado durante toda a partida.

Porém, o Alvinegro contou com a grande atuação do goleiro Vanderlei para sair do Sul com os três pontos na bagagem. Para o volante Renato, os santistas pecaram em não ampliar o marcador e matar o jogo em Chapecó, evitando a pressão imposta pelo adversário.

“Sabemos que o Brasileiro, no fim, é complicado, então temos de valorizar os três pontos. Infelizmente, não conseguimos fazer o segundo para termos tranquilidade, mas o resultado foi importante”, afirmou o camisa 8, na saída do gramado.

O triunfo na Arena Condá fez o Peixe continuar na cola do Atlético-MG. Com 58 pontos, os santistas seguem na quarta colocação e lutam para ficar entre os três primeiros colocados do Brasileirão. Caso isso aconteça. o Santos entra direto nos grupos da Libertadores. Mas se ficar entre quarto e sexto, o clube precisará disputar a primeira fase da competição continental que, no próximo ano, terá dois duelos de mata-mata.

Segundo Renato, a vitória sobre o Verdão serviu para o Santos dar uma resposta após a eliminação na Copa do Brasil, na última quarta-feira. “Era um jogo complicado. Sabíamos disso. A Chape aperta bastante. Conseguimos apertar no começo, tanto que o gol saiu da pressão que fizemos. A equipe correu e lutou muito. Sabíamos que era importante a vitória, pois vínhamos de contestação”, concluiu.

Na próxima rodada, o Alvinegro encara o clássico contra o líder Palmeiras, na Vila Belmiro, no sábado, às 19h30 (de Brasília), pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Paredão, Vanderlei leva cusparadas da torcida da Chape e desabafa

Se o Santos saiu da Arena Condá com os três pontos na noite deste domingo, muito se deve a Vanderlei. Fechando a meta, o goleiro foi o principal nome do Santos na vitória por 1 a 0 sobre a Chapecoense, em partida válida pela 32ª rodada do Campeonato Brasileiro. Porém, na saída do gramado, o arqueiro santista disse ter levado cusparadas das arquibancadas e reclamou da torcida rival.

“Sempre falo: ‘a torcida pode vaiar e xingar’. Mas cuspiram em mim. É falta de educação. Queremos ver espetáculo. Se não sabem torcer e cospem nas pessoas, ficamos tristes com isso. A gente fica triste com isso”, lamentou Vanderlei.

Apesar de ter aberto o placar logo aos três minutos de jogo, com Lucas Lima, o Santos recuou bastante durante toda a partida e contou com a inspiração de seu goleiro. Com pelo menos três defesas importantes, o Vanderlei salvou o Peixe de levar o empate e até a virada em Chapecó.

“Acho que o Brasileiro é muito difícil, está muito equilibrado. Sabíamos que viriam para a pressão, ainda mais por terem saído atrás. Eles tiveram mais chances em bola parada. Acho que se caprichássemos um pouco mais na bola de linha de fundo, faríamos o segundo, mas na atual situação do campeonato o que vale é a vitória”, concluiu o arqueiro da equipe de Vila Belmiro.

Ricardo Oliveira deixa jogo com dores na coxa e preocupa para o clássico

Apesar da vitória por 1 a 0 sobre a Chapecoense, neste domingo, na Arena Condá, o Santos saiu do Sul com pelo menos um motivo para se preocupar. Aos 20 minutos do segundo tempo, o atacante Ricardo Oliveira sentiu uma fisgada na coxa direita e precisou ser substituído por Joel.

Por conta da lesão, o centroavante começou o tratamento ainda no gramado, colocando uma bolsa de gelo na coxa enquanto estava no banco de reservas da partida, válida pela 32ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O problema é que o próximo compromisso do Peixe no Brasileirão é justamente o clássico contra o Palmeiras. No sábado, às 19h30 (de Brasília), na Vila Belmiro, os santistas entram em campo diante do Verdão, pela 33ª rodada da competição nacional.

Nesta segunda-feira, Ricardo Oliveira irá passar por uma bateria de exames para saber se realmente teve algum tipo de lesão. Caso seja constatado algum problema, o atacante pode desfalcar o alvinegro. Se isso acontecer, Rodrigão é o mais cotado para ser seu substituto. Porém, Joel foi o escolhido para entrar no lugar do centroavante contra a Chapecoense, neste domingo.

O ponto positivo é que Ricardo Oliveira terá a semana livre para recuperar-se. Como o Santos foi eliminado da Copa do Brasil na última quarta-feira, após derrota por 2 a 0 para o Internacional, o clube ficará treinando no CT Rei Pelé até o próximo sábado, visando o clássico contra o Verdão.

Santos 3 x 1 Vasco

Data: 24/08/2016, quarta-feira, 19h30.
Competição: Copa do Brasil – Oitavas de final – Jogo de ida
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 6.130 presentes
Renda: R$ 231.065,00
Árbitro: Heber Roberto Lopes (SC)
Auxiliares: Kléber Lúcio Gil e Nadine Schramm Camara Bastos (ambos de SC).
Cartões amarelos: Lucas Lima (S); Masdon e Diguinho (V).
Gols: Renato (30-1) e Ricardo Oliveira (36-1); Lucas Lima (19-2) e Éder Luiz (50-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Luiz Felipe, Gustavo Henrique e Zeca; Renato, Thiago Maia, Lucas Lima (Léo Cittadini) e Vitor Bueno; Gabriel (Copete) e Ricardo Oliveira.
Técnico: Dorival Junior

VASCO
Martin Silva; Madson (Evander), Rodrigo, Luan e Julio Cesar; Diguinho, William (Yago Pikachu), Andrezinho e Nenê (Éder Luiz); Jorge Henrique e Éderson.
Técnico: Jorginho



Santos atropela o Vasco na Vila, mas leva gol no fim e vaga fica em aberto

O Santos não tomou conhecimento do Vasco da Gama no primeiro confronto entre os alvinegros pelas oitavas de final da Copa do Brasil. Com muita facilidade, o Peixe fez 3 a 0 nos cariocas e parecia encaminhar sua vaga às quartas de final da competição por mata-mata. Mas, um gol dos cariocas aos 50 minutos do segundo tempo deixou a pulga atrás da orelha dos santistas. As duas equipes voltam a se enfrentar dia 21 de setembro, às 21h45, em São Januário, no Rio de Janeiro e, se antes só uma goleada histórica reverteria a situação para colocar os cruzmaltinos na próxima fase, agora uma simples vitória por 2 a 0 classifica o Vasco em casa.

A partida marcou os retornos de Gabriel, Thiago Maia e Zeca ao time santista depois da conquista da medalha de ouro nos Jogos Olímpicos, mas, quem brilhou na noite desta quarta-feira na na Vila Belmiro foi Lucas Lima, que após muitas cobranças, sobrou em campo. O camisa 20 criou muitas jogadas de perigo, cruzou a bola para o gol de cabeça de Renato – outro em noite inspirada – e fechou a vitória. Antes, Ricardo Oliveira deixou ao colocar a bola na gaveta de Martin Silva em cobrança de falta. O gol que manteve o Vasco vivo no confronto saiu no último lance, com Éder Luiz

Apesar do balde de água fria no fim, a vitória contundente pode motivar o Santos a reagir no Campeonato Brasileiro depois da derrota para o Curitiba, que derrubou o time para a 5ª colocação.

O jogo

O público na Vila Belmiro voltou a decepcionar. Nem mesmo o retorno do trio campeão olímpico e o caráter decisivo do confronto com o Vasco motivaram os torcedores do Santos à lotar o velho alçapão. Mas, seja in loco, pela TV, pelo rádio ou pela internet, a torcida do Peixe certamente gostou do que viu.

No primeiro tempo, a equipe de Dorival Júnior foi soberana. Lucas Lima voltou a jogar bem depois de muitas críticas sobre suas últimas apresentações. O meia assustou ao arriscar chute de fora da área logo no início da partida e cruzou uma bola na medida, que Ricardo Oliveira acabou desperdiçando muito em função do quique da bola.

O gol estava maduro e veio com Renato, aos 30, ao aproveitou cobrança de escanteio curta de Gabriel para Lucas Lima. Completamente sozinho no miolo da área, o volante cabeceou sem chance para Martin Silva.

O Peixe não se conteve após abrir o placar. E se Vitor Bueno por pouco não marcou um golaço da intermediária, Ricardo Oliveira teve mais sorte aos 36. O centroavante cobrou falta da entrada da área, o que não é muito comum, e saiu para o abraço depois da bola tocar o travessão e morrer no fundo da rede. Um golaço do centroavante, que chegou à marca dos 299 gols na carreira.

O Vasco parecia perdido diante da movimentação so santistas e das constantes viradas de jogo da equipe da casa. Mesmo assim, os cariocas tiveram duas grandes oportunidades e, em ambas, Vanderlei se sobressaiu diante dos atacantes. A coincidência é que os dois lances foram protagonizados por duas falhas do zagueiro Luiz Felipe.

Na primeira, Éderson se atrapalhou ao sair cara a cara com Vanderlei. E no último lance antes do intervalo, Andrezinho inexplicavelmente demorou a finalizar praticamente dentro da pequena área, com a bola limpa. Quando decidiu concluir, chutou fraco, em cima do camisa 1 do Peixe, para delírio das arquibancadas.

Aos 6 minutos da segunda etapa, uma situação inusitada interrompeu a partida entre Santos e Vasco. Torcedores das duas equipes e policiais entraram em confronto nas ruas do entrono do estádio Urbano Caldeira. A confusão gerou muita correria do lado de fora. A PM disparou diversos tiros de bala de borracha e usou muito spray de pimenta para dispersar o tumulto. E o gás acabou chegando ao campo de jogo, causando dois minutos de interrupção.

Com o recomeço da segunda etapa, Yago Pikachu entrou na vaga de Willian e Jorginho tentou mudar o panorama do jogo. O Santos, mesmo assim, era soberano e controlava o confronto, porém, já sem o mesmo ímpeto. Assim, o ritmo do duelo foi caindo até que Andrezinho resolveu arriscar e acabou carimbando a trave de Vanderlei, que apostou apenas no golpe de vista. Era o Vasco começando a crescer na Vila Belmiro em busca de ao menos um gol que lhe desse uma boa condição para o jogo de volta.

Mas o plano foi por água abaixo aos 19 minutos. O Santos mais uma vez encontrou muito espaço no meio de campo e chegou com facilidade à entrada da área de Martin Silva. Renato, com um lindo toque de calcanhar, deixou Lucas Lima de frente para a meta. O camisa 20, então, só colocou no canto, bola rasteira. 3 a 0 classificação encaminhada.

A festa só não foi completa porque a arbitragem anulou de forma muita duvidosa o que seria o quarto gol do Santos no jogo, o segundo de Ricardo Oliveira, que assim poderia comemorar seu 300º gol na carreira.

Para piorar, no último minuto do jogo, o Vasco tentou sua última investida e foi feliz. Éderson chutou cruzado, Vanderlei espalmou e Éder Luiz mandou para as redes, já de carrinho. É o gol que mantém o Vasco vivo na briga por uma vaga nas quartas de final da Copa do Brasil.

Bastidores – Santos TV:

Santistas tentam evitar abatimento com gol vascaíno no último lance

O Santos construiu uma bela vantagem sobre o Vasco no primeiro confronto das oitavas de final da Copa do Brasil, nesta quarta-feira, na Vila Belmiro. A vitória por 3 a 1, no entanto, não deixou torcedores e jogadores tranquilos depois do gol vascaíno aos 50 minutos do segundo tempo. Se antes os cariocas necessitariam de uma goleada em São Januário, agora se classificam com um simples 2 a 0. O abatimento dos atletas após o apito final foi notório, mas todos fizeram questão de ressaltar a vantagem construída.

“A gente não quer tomar gol nunca. A gente fica com muita raiva. A gente sabe que esse gol tem um peso por ser fora de casa, mas vamos jogar lá para ganhar”, avisou Victor Ferraz, com discurso compartilhado por Vitor Bueno. “Não dá tranquilidade. Tomamos um gol agora no final, mas vamos valorizar. Aqui é o Santos. Nós vamos lá em busca da vitória também. Não vamos nos preocupar se podemos perder de dois ou três”, explicou o meia.

Gabriel e Lucas Lima também fizeram questão de valorizar a vitória independente do gol que a equipe acabou levando segundos antes do apito final. “Claro que esse gol complica um pouco, mas, mesmo se não saísse o gol, ia ser muito complicado jogar lá”, comentou o camisa 10. “Esse gol não vai apagar a partida que fizemos. Sabemos que pudíamos ter evitado, mas estamos no caminho certo. Vamos pensar no Campeonato Brasileiro agora”, completou Lucas Lima, que voltou a fazer uma boa partida após muitas críticas.

“Muita gente me critica, mas minha cabeça é muito tranquila quanto a isso. Eu sabia que com o tempo eu ia fazer uma partida boa”, disse o jogador convocado mais uma vez para defender a Seleção Brasileira. “Eu vinha de contusão, muito tempo parado. Estou muito feliz pela convocação, pela partida, pelo gol. É a consequência do trabalho que venho fazendo, independentemente dessas partidas (ruins), eu não parei de trabalhar”, concluiu.

Luis Felipe, zagueiro do Peixe que acabou “criando” duas chances para o adversário ainda no primeiro tempo, foi o último a deixar o gramado e seguiu o mesmo tom dos companheiros ao analisar a partida. “Sem dúvida (o gol incomoda). Tomamos um gol no fim. Conversamos que isso não poderia acontecer, mas, tudo bem. A gente tem uma vantagem e vamos lá para nos classificarmos”, encerrou.

Dorival admite incômodo com mais um gol no fim, mas valoriza vitória

O técnico Dorival Júnior foi para a coletiva de imprensa depois da vitória do Santos sobre o Vasco na Vila Belmiro preparado para as perguntas sobre o gol que tirou uma larga vantagem que a equipe da Baixada teria para o segundo jogo diante dos cariocas, dia 21 de setembro, na briga por uma vaga às quartas de final da Copa do Brasil. Éder Luiz marcou aos 50 minutos do segundo tempo e definiu o placar de 3 a 1 favorável ao Peixe, mas que manteve o time de São Januário vivo na disputa.

“Futebol é assim. A atenção vai até a última ação. Por outro lado, nos deixa ainda mais atentos. Tem os dois lados. Estamos enfrentando uma grande equipe, que exigiu muito, e construímos um resultado maravilhoso, criando, envolvendo, com jogadas bonitas. Do outro lado há um grande treinador e grandes jogadores, uma equipe bem definida. O gol saiu, fazer o quê? Tenho que olhar muito mais pelo resultado, parabenizar, incentivar, e mostrar que estaremos mais atentos ainda. Já seria complicado com 3 a 0, com 3 a 1 dá outra posição, outra conotação, mas não vou deixar de enaltecer a apresentação”, avaliou o técnico santista.

O maior incômodo é que o problema tem sido recorrente na temporada do Santos. O Alvinegro Praiano já levou gol nos minutos finais em oito oportunidades. Foi assim contra o Figueirense (aos 46 do segundo tempo – placar 2 a 2), frente ao Internacional (aos 38 do segundo tempo – placar 1 a 0), no clássico com o Corinthians (aos 36 do segundo tempo – placar 1 a 0), diante do Atlético-PR (aos 43 do segundo tempo – placar 1 a 0), contra o Grêmio (aos 44 do segundo tempo – placar 3 a 2), contra o América-MG (aos 44 do segundo tempo – placar 1 a 0) e na última rodada do Brasileirão, contra o Cotitiba (aos 41 do segundo tempo – placar 2 a 1).

“Há um momento que sentimos, temos que ter equilíbrio. Não há treinamento para isso. Em alguns instantes é natural que a equipe se retraia para aproveitar o contra-ataque. Mas não podemos perder a agressividade, a combatividade. O Vanderlei fez uma bela defesa e o Éder Luiz fez o gol no rebote, mesmo marcado. Temos que ter consciência que o equilíbrio vai até o minuto final. Tudo isso é discutido, conversado, mas é difícil resolver isso em treinamentos. Procuramos achar o caminho, porque já perdemos vários pontos por causa dos minutos finais”, tentou explicar Dorival Júnior.

Confira os principais trechos da coletiva do treinador do Peixe após a vitória sobre o Vasco, nesta quarta-feira:

Poupar Gabriel
“O descanso vai ser atuando. O Gabriel é importante no esquema. Pode não ter tido uma grande atuação, mas não deixa de ser perigoso, preocupa o adversário. Ele participa da maioria das ações ofensivas, tem espaço na equipe e sabe muito bem o que representa e a sua responsabilidade”.

Boa partida de Renato
“Não tenho nem o que falar do Renato. É assim desde a minha primeira partida. Já havia visto o Paulista anterior à minha chegada e vinha sendo tão importante quanto hoje. Prima pela regularidade, qualidade, leitura, posicionamento, poucos erros em passes. É fantástico e a cada momento passa a ser mais importante, com equilíbrio fantástico à garotada, um time jovem. Fico muito satisfeito de comandar um jogador desse nível, com a idade e o apetite que tem”.

Reabilitação de Lucas Lima
“Fizemos trabalho forte com ele. Ele se dedicou com intensidade nos últimos 15 dias. Sabia da dificuldade que teria no primeiro jogo, e disse para não abaixar a cabeça pela atuação em Coritiba, porque sabíamos que as coisas aconteceriam, e tendem a ser muito melhor do que hoje. Depois desse trabalho, com estabilidade, ele vai voltar a jogar dentro das melhores condições. Com ele em forma, a equipe fica ainda mais segura e fortalecida”.

Briga fora do estádio que paralisou o jogo
“Só temos que lamentar. Não são torcedores, são vândalos. O Ministério Público tem que tomar conta dessa situação. A Polícia deteve algumas pessoas e elas precisam responder. Se estarão soltas, não adianta. Nosso país não pune no mais alto grau e nem aqui embaixo. A sociedade vive nesse dilema. Infelizmente, é uma crescente. Nossas casas a cada dia são mais gaiolas, com grades, ferro.. Triste”.

Importância do retorno dos atletas
“Nós conseguimos desenhar um elenco. Esse é o maior ponto. O fato mais importante. Com a montagem quase completa, natural que torçamos para perder o mínimo possível. Acontecem saídas com a Seleção, que é um reconhecimento. Poderíamos aproveitar para treinamentos, mas não acontece pela falta de dois, três, outro por lesão.. É uma dificuldade grande. A equipe totalmente composta é muito forte, com condições de brigar pelas melhores colocações. O jogo tem 180 minutos e precisamos repetir a grande atuação. Temos que estar preparados, focados e treinados por uma nova grande apresentação”.

Vanderlei e briga no Brasileiro
“O Vanderlei faz um grande ano. Sempre que necessário ele participa da construção de resultados. Até inicia as jogadas com posse de bola e troca de passes, fora defesas importantes. Temos feito bons jogos, podemos contar nos dedos os jogos que jogamos fora do nível. Mas precisamos de algo a mais porque o campeonato é equilibrado. Sempre que tiramos vantagem, perdemos na rodada seguinte. Temos que ter equilíbrio para ter um escape nesse grupo, que queira ou não briga desde o começo do campeonato.”

Gol no final do jogo contra o Santos devolve otimismo a Jorginho

O técnico Jorginho admitiu que chegou a dar a vaga na próxima fase da Copa do Brasil como perdida, mas o gol marcado por Eder Luis nos acréscimos da partida contra o Santos, que venceu por 3 a 1, devolveu a sua confiança. Ele fez questão de convocar a torcida para o jogo da volta, em 21 de setembro, em São Januário.

“O gol foi muito importante, colocou a gente de novo na competição”, definiu Jorginho, que viu o Vasco ser dominado pelo Santos na Baixada Santista. Ainda assim, apostou que, se o seu time abrir o placar no Rio de Janeiro, a torcida irá ajudar a construir uma vitória por dois gols de diferença na volta.

“O torcedor terá que fazer a diferença. É o incentivo que a equipe vai precisar para o jogo de volta”, concluiu o técnico vascaíno.

Santos quita atraso de direitos de imagem com os jogadores

Após o atacante Ricardo Oliveira confirmar que o Santos devia valores referentes aos direitos de imagens para o elenco santista, a diretora do Peixe conseguiu quitar as pendências com os jogadores nesta semana. Os atletas alvinegros conviviam com um mês de atraso em parte do salário.

O atraso no pagamento de direitos de imagem dos jogadores é um problema recorrente no Santos desde dezembro de 2014, quando o presidente Modesto Roma Júnior assumiu o clube. Mesmo assim, os problemas financeiros não impediram o time de conquistar o Campeonato Paulista de 2015 e 2016 e brigar pelo título da Copa do Brasil e do Brasileirão no último ano.

Ainda nesta janela de transferências, existe a possibilidade de o clube ter seu caixa reforçado para as próximas temporadas. O atacante Gabigol já recebeu propostas oficiais de quatro grandes clubes europeus, conforme revelou o empresário Wagner Ribeiro, e deve deixar o Peixe até o início do próximo ano.