Navegando Posts marcados como Lucas Veríssimo

Santos 2 x 0 Chapecoense

Data: 01/12/2019, domingo, 19h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 36ª rodada (antepenúltima)
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 6.961 pagantes
Renda: R$ 200.690,00
Árbitro: Marielson Alves Silva (BA)
Auxiliares: Clovis Amaral da Silva (PE) e Jucimas dos Santos Dias (BA).
VAR: Newton dos Reis Barreira (SP)
Cartões amarelos: Marinho e Alison (S); Dalberto (C).
Gols: Lucas Veríssimo (07-1) e Marinho (04-2).

SANTOS
Everson; Pará, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Felipe Jonatan; Alison, Carlos Sánchez e Evandro (Diego Pituca); Marinho, Tailson (Derlis González) e Eduardo Sasha (Kaio Jorge).
Técnico: Jorge Sampaoli

CHAPECOENSE
João Ricardo; Eduardo, Douglas, Hiago (Maurício Ramos) e Roberto; Amaral, Márcio Araújo, Elicarlos (Gustavo Campanharo) e Camilo; Arthur Gomes e Renato (Dalberto).
Técnico: Marquinhos Santos



Santos vence Chapecoense, se isola no 2º lugar e iguala melhor campanha

O Santos venceu a Chapecoense por 2 a 0 na noite deste domingo, na Vila Belmiro, em jogo válido pela 36ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O Peixe ganhou sem fazer força. Marcou no início de cada tempo e ditou o ritmo. Os gols foram de Lucas Veríssimo e Evandro.

Os três pontos levam o Alvinegro aos 71, igualando a melhor campanha da história dos pontos corridos com 20 clubes (em 2016). Além disso, os santistas abrem três de diferença para o Palmeiras na briga pela vice-liderança. A Chapecoense, rebaixada, segue em 19º.

O jogo

Vice-líder, o Santos ditou o ritmo contra a rebaixada Chapecoense desde o primeiro minuto. E o gol não demorou a sair. Evandro fez jogada individual e cruzou para Lucas Veríssimo abrir o placar aos sete jogados.

A vantagem fez o Peixe desacelerar. A equipe não sofreu maiores sustos, mas deixou de atacar como poderia, com certa “preguiça”.

Mesmo assim, Marinho (de fora da área) e Eduardo Sasha (após tabela com Carlos Sánchez) e ficaram perto de ampliar na Vila Belmiro.

O cenário da etapa inicial se repetiu. O Santos começou em cima e fez o segundo logo aos quatro minutos. Carlos Sánchez inverteu, Marinho chutou cruzado e Evandro desviou para marcar seu primeiro gol pelo Peixe.

O Alvinegro administrou o resultado e só teve uma chance clara, em falta perigosa batida por Sánchez. A Chape tentou, porém, esbarrou na falta de qualidade técnica. 2 a 0 tranquilo na Vila.

Bastidores – Santos TV:

Auxiliar elogia desempenho do Santos e despista sobre futuro de Sampaoli

O auxiliar de Jorge Desio comandou o Santos na ausência de Jorge Sampaoli por suspensão e gostou do desempenho na vitória por 2 a 0 sobre a Chapecoense neste domingo, na Vila Belmiro, pela 36ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O Peixe não teve sustos e fez um gol em cada tempo para abrir três pontos em relação ao Palmeiras na briga pela vice-liderança.

“Ocorreu o que Sampaoli falou entre os jogos (Fortaleza e Chapecoense). Jogadores se sentiram confortáveis com o que ele disse durante a semana. Trabalhamos, mas nada sensível, equipe se blindou e lutou até o último minuto. Mérito é deles, jogo travado, batalhado. Merecemos a vitória. Foi digno o da Chapecoense também”, disse Desio.

“Creio que o Santos fez uma partida muito boa. Eles estavam atrás, a forma que saiam é ter a bola com os zagueiros, sem arriscar. Cada vez que tentávamos um passe entrelinhas era fazer o seguro para não sofrer transições. Tivemos 70% da posse de bola, é algo bom. É difícil entrar contra muita gente atrás. Não perder a bola e entrar de forma segura foi o que a equipe pretendeu”, completou.

Algumas perguntas tentaram ganhar dicas sobre o futuro de Sampaoli. Desio, porém, fugiu de todas elas.

“Não sei, é pergunta para Sampaoli. Ele declarou que pensa no Santos até 8 de dezembro, último jogo, e que só responde ao Santos. Isso é bárbaro e o resto não sei, não ouvi nada. Nosso jogo acabou de acabar”, afirmou.

“Respondo o mesmo ao que disse sobre Sampaoli. Ele é o cabeça e toma decisões sobre esse tema. Ele disse que pensa no Santos agora, sempre manifestou que gosta do Brasil e se sente cômodo. Mais do que isso não posso dizer. São três pontos à frente do Palmeiras, restam dois jogos difíceis. Tratamos de somar o que se pode nos dois últimos jogos”, concluiu.

Evandro celebra fim de jejum pelo Santos: “Feliz que saiu”

Autor do gol que garantiu a vice-liderança para o Santos, Evandro ainda não tinha balançado as redes com a camiseta do Peixe. Contratado em julho, o meia já havia explicitado sua insatisfação com o jejum de quase um semestre. Na manhã desta segunda-feira, o jogador concedeu entrevista coletiva celebrou a marca deixada contra a Chapecoense.

“Acho que foi o meu melhor jogo pelo Santos. Estava ansioso. Eu tinha dito que nunca tinha ficado tanto tempo sem um gol. Mas sei que isso é normal, acontece com muitos jogadores. Ontem poderia não ter saído, mas não mudaria a minha maneira de treinar e nem de olhar o jogo. Estou feliz que saiu”, comentou.

Não bastasse ter ido às redes, o meio-campista foi responsável por servir o Lucas Veríssimo, que anotou o seu logo aos quatro minutos da primeira etapa. Muito confiante, Evandro falou sobre a parceria com o outro meia de criação santista, Carlos Sánchez.

“Estou muito feliz de estar jogando ao lado do Sánchez, mas é difícil falar que nós somos inquestionáveis. Precisamos ter paciência. E o que acontece no Brasil é exatamente o contrário. Já vimos isso várias vezes. Quando não encaixa em um jogo, no outro já muda. As coisas deveriam ser feitas com mais calma”, analisou.

Por fim, Evandro comentou explicou como funciona seu contrato com o Santos.

Meu contrata vai até julho, mas o Santos tem prioridade de estender até dezembro de 2020. No entanto, ainda não conversamos sobre isso”, finalizou.

Com 71 pontos somados, o Santos está na segunda colocação do Campeonato Brasileiro. O Peixe pode garantir essa posição se superar o Athletico-PR.


Fluminense 1 x 1 Santos

Data: 26/09/2019, terça-feira, 20h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 21ª rodada
Local: Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 11.032 pagantes
Renda: R$ 141.015,00
Árbitro: Wilton Pereira Sampaoli (GO)
Auxiliares: Fabricio Vilarinho da Silva (GO) e Guilherme Dias Camilo (MG).
VAR: Andre Luiz de Ferreira Castro (GO)
Cartões amarelos: Yuri Lima e Allan (F); Alison, Diego Pituca e Marinho (S).
Cartão vermelho: Digão (F, 26-2), Frazan (F, 47-2) e Marinho (S, 53-2).
Gols: Soteldo (39-1) e Lucas Veríssimo (47-1, contra).

FLUMINENSE
Muriel; Gilberto, Nino, Digão e Caio Henrique; Yuri Lima, Allan, Ganso (Daniel) e Nenê (Frazan); Yony (Wellington Nem) e João Pedro.
Técnico: Oswaldo de Oliveira

SANTOS
Everson; Lucas Veríssimo, Felipe Aguilar (Victor Ferraz) e Gustavo Henrique; Derlis González (Carlos Sánchez), Alison, Diego Pituca e Felipe Jonatan; Eduardo Sasha, Soteldo e Uribe (Marinho).
Técnico: Jorge Sampaoli



Santos fica com dois a mais no fim, mas só empata com o Fluminense em noite de briga de Oswaldo com Ganso

Fluminense e Santos empataram em 1 a 1 na noite desta quinta-feira, no Maracanã, pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro. Os gols foram marcados por Soteldo e Lucas Veríssimo (contra).

O Peixe teve um a mais na segunda metade da etapa final, após a expulsão de Digão, mas não conseguiu desempatar. A noite também contou com discussão áspera entre Oswaldo de Oliveira e Paulo Henrique Ganso. Substituído, o meia chamou o técnico de burro. A resposta foi “vagabundo”. A torcida ficou com o jogador e pediu a saída do treinador.

Com o empate em casa, o Fluminense sai da zona de rebaixamento e é o 16ª, com 19 pontos. O Santos segue em terceiro, com 38, a sete do Palmeiras e a 10 do Flamengo, cada vez mais longe da briga pelo título.

O jogo:

O Santos foi melhor durante a maior parte do primeiro tempo. O Peixe ficou perto de abrir o placar aos 10 minutos, quando Derlis González recebeu de Eduardo Sasha, não viu Uribe sozinho e finalizou em cima de Muriel. Aos 13, Felipe Jonatan invadiu a área, ganhou de Digão e também parou no goleiro do Fluminense.

Após a pressão inicial do Alvinegro, o Tricolor equilibrou as ações e assustou quando o placar marcava 25: Ganso viu Gilberto sozinho e o lateral-direito chutou torto.

E quando tudo parecia caminhar para o empate sem gols no intervalo, Soteldo apareceu. O camisa 10 recebeu pela esquerda, passou por Nino e Gilberto e deslocou Muriel. Um golaço no Maracanã.

O Fluminense sentiu o gol, a torcida passou a protestar e, mesmo assim, os donos da casa empataram. E num acaso. Derlis foi fominha no ataque, puxou o contra-ataque do rival e Nenê cruzou. Lucas Veríssimo cabeceou para trás e balançou as redes de Everson.

A etapa final começou morna e só teve emoção aos 17 minutos – e fora de campo. Ganso foi substituído para a entrada de Daniel e discutiu feio com Oswaldo de Oliveira. O meia chamou o técnico de “burro”. A resposta veio com “vagabundo”.

Aos 19, a primeira chance do Fluminense. Allan arriscou de longe e Everson espalmou para escanteio. E no minuto 26, uma boa notícia para o Santos: Digão deu um chute em Marinho e foi expulso após checagem no VAR.

O Peixe se lançou ao ataque e quase desempatou aos 33: Felipe Jonatan dribla Frazan e para novamente em Muriel, dessa vez com cavadinha na pequena área.

Aos 43, em escapada de Allan, o Tricolor quase virou. No minuto seguinte, Sasha recebeu passe de Sánchez e, livre, bateu por cima. Ainda deu tempo de Veríssimo cabecear para fora aos 46 e Frazan ser expulso aos 47. Marinho recebeu o segundo amarelo no último lance. No fim das contas, porém, o empate no Maracanã persistiu.

Auxiliar de Sampaoli vê ‘posição boa’ do Santos: “Felizes por entregar tudo”

O auxiliar Jorge Desio, responsável por dirigir o Santos contra o Fluminense por causa da suspensão de Jorge Sampaoli, minimizou o empate no Maracanã na noite desta quinta-feira, pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O Peixe venceu uma vez nos últimos oito compromissos, é terceiro colocado e está a 10 pontos do Flamengo. O argentino, porém, nega abatimento do elenco.

“Quando íamos primeiro não pensávamos no título, também não pensamos agora. É dia a dia e pensar no próximo rival. Estamos em terceiro, posição relativamente boa, mas temos que melhorar. E fizemos coisas boas que temos que voltar a fazer”, disse Jorge Desio.

“Não há crise. Quando termina o jogo sempre estamos felizes por entregar tudo na parte anímica, física. E depois temos sempre o que corrigir, até na vitória. Equipe está em posição boa, há coisa a melhorar e isso já ocorria quando éramos os primeiros”, completou o auxiliar.

Desio vê a necessidade de equilibrar a ânsia pelo resultado sem perder a organização tática. O auxiliar, porém, vê lado positivo nesse “amor próprio”.

“O resumo é esse. Santos começa bem e depois se desorganiza um pouco. Santos não ganha há alguns jogos, com ansiedade e um pouco de vontade em buscar o resultado, e acabamos um pouco desorganizados. Desorganização é fruto da busca pelo resultado positivo. Função é equilibrar isso. Temos ansiedade e amor próprio para buscar o resultado”, concluiu.

Gustavo Henrique vê falta de frieza e diz que má fase do Santos é “inexplicável”

Capitão do Santos, Gustavo Henrique não encontrou explicações para o empate do Santos em 1 a 1 com o Fluminense, no Maracanã, e a manutenção da má fase do Peixe no Campeonato Brasileiro: uma vitória nos últimos oito jogos.

O Alvinegro segue na terceira colocação, mas agora está a 10 pontos do Flamengo e cada vez mais distante da briga pelo título.

“É inexplicável. Não é o que queremos. Nos cobramos muito para voltar a ser o time das sete vitórias seguidas. Vamos continuar lutando. Explicação no futebol é complicado. Vamos até o final com a filosofia do nosso treinador”, disse Gustavo, ao Premiere.

“Difícil falar porque não entramos em campo para perder ou empatar. Desde a chegada do Sampaoli implantamos a filosofia dele. Tentamos fazer o máximo. Hoje faltou mais frieza para fazer o gol e trabalhar a bola. Soteldo estava bem e direto livre no um contra um, mas forçamos muito”, completou.


Santos 6 x 1 Goiás

Data: 04/08/2019, domingo, 11h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 13ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 13.462 pagantes
Renda: R$ 510.020,00
Árbitro: Rafael Traci (SC)
Auxiliares: Kleber Lucio Gil e Johnny Barros de Oliveira (ambos de SC).
VAR: Rodrigo D’alonso Ferreira (SC)
Cartões amarelos: Jorge, Soteldo e Uribe (S); Kevin, Yago, Marlone e Kayke (G).
Gols: Carlos Sánchez (08-1), Lucas Veríssimo (14-1) e Gustavo Henrique (36-1); Eduardo Sasha (06-2), Soteldo (26-2) e Soteldo (35-2) e Kayke (45-2).

SANTOS
Éverson; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Jorge; Diego Pituca, Carlos Sánchez e Felipe Jonatan (Evandro); Derlis González (Marinho), Soteldo e Eduardo Sasha (Uribe).
Técnico: Jorge Desio

GOIÁS
Tadeu; Kevin (Yago Rocha), Yago, Rafael Vaz e Jefferson; Geovane, Léo Sena e Marlone (Giovanni Augusto); Michael (Marcinho), Leandro Barcia e Kayke.
Técnico: Claudinei Oliveira



Santos amassa o Goiás na Vila Belmiro e garante liderança do Brasileirão

O Santos goleou o Goiás por 6 a 1 a manhã deste domingo, na Vila Belmiro, pela 13ª rodada do Campeonato Brasileiro. Os gols foram marcados por Carlos Sánchez, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique, Eduardo Sasha e Soteldo (2). O de honra foi de Kayke.

Com a vitória, o Peixe garantiu mais uma rodada na liderança, agora com 32 pontos, e jogou a pressão para o vice-líder Palmeiras. O rival enfrentará o Corinthians também neste domingo, às 19h (de Brasília), na arena em Itaquera. A vantagem atual é de cinco pontos.

O Alvinegro não sentiu a falta de Jorge Sampaoli, suspenso, e dominou os 90 minutos na Vila Belmiro. Diferentemente de outros compromissos, os donos da casa comandados pelo auxiliar Jorge Desio aproveitaram as chances criadas e pouco sofreram na defesa. Aos 14 minutos de jogo, já estava 2 a 0.

O jogo

O Santos amassou o Goiás durante todo o primeiro tempo. O cenário foi o mesmo por 46 minutos: o Peixe criando chances com facilidade; o Esmeraldino tentando, sem sucesso, contra-atacar.

O primeiro gol saiu logo aos 8 minutos, quando Soteldo passou como quis por Kevin e cruzou na entrada da área. Sánchez fez um golaço de voleio.

O segundo saiu na seguida, no minuto 14. Sánchez cobrou falta e Lucas Veríssimo cabeceou no primeiro pau. O gol foi validado depois da consulta no VAR.

Com 2 a 0 no placar, o Alvinegro seguiu em cima e teve oportunidades com Eduardo Sasha e Derlis González, mas o terceiro saiu de outro zagueiro: Gustavo Henrique. Victor Ferraz cruzou, Sasha acertou a trave e o defensor estufou a rede no rebote para encaminhar a vitória.

A situação foi a mesma na etapa final. E não demorou para virar goleada. Sánchez deu linda assistência para Eduardo Sasha passar por Tadeu e marcar o quarto do Santos, aos 6.

O Peixe, insaciável, seguiu em cima do Goiás e o quinto veio com Soteldo, em mais uma pintura na Vila Belmiro, no minuto 26. O camisa 10 aproveitou erro na saída da defesa, conduziu e chutou de fora da área, na lateral da rede. Tadeu nada pôde fazer.

E ainda cabia mais. Quando o placar marcava 35, Marinho arrancou em contra-ataque, contou com o erro na defesa do Goiás e só rolou para Soteldo marcar o segundo dele e o sexto do Santos.

Nos minutos finais, o Goiás torceu para o tempo acabar, fez cera e viu ola” e “olé” na Vila Belmiro, mas ainda fez o de honra, com Kayke, aos 45. Nada suficiente para abalar a atuação quase perfeita do Santos, líder do Campeonato Brasileiro.

Bastidores – Santos TV:

Auxiliar de Sampaoli destaca seriedade do Santos em goleada: “Jogamos até o fim”

Jorge Desio, auxiliar Jorge Sampaoli, destacou a seriedade do Santos na goleada de 6 a 1 sobre o Goiás neste domingo, na Vila Belmiro. O Peixe não teve o técnico, suspenso, na área técnica.

O Alvinegro atacou durante os 90 minutos e parecia a todo momento precisar desesperadamente do gol. A manutenção da intensidade foi um dos pedidos da comissão técnica no intervalo.

“Eu creio que se pode fazer em alguns aspectos, como motivar, nunca se dar por vencido, alta intensidade em todos os minutos. Tivemos um bom jogo, falamos sobre nunca diminuir a intensidade no intervalo. Jogamos até o fim e eles também, descontaram nos acréscimos. Jogadores jogaram como pedimos, concentrados, sérios, fazendo o que planejamos durante a semana”, disse Jorge Desio, em entrevista coletiva.

Desio também comentou sobre o desafio de ver o Santos com essa intensidade também quando o momento não for positivo como o atual.

“Creio que viver os 90 minutos com concentração e manter a intensidade é bom para o Santos e qualquer equipe. É o que o treinador sempre busca. Não quero que interpretem mal, Santos está em posição boa e nós estamos motivados. Temos que fazer essa crença aumentar, que os jogadores participem, peçam a bola… Desafio é ter a mesma aderência se não estivermos nesse bom momento. Que jogadores vivam os 90 minutos com intensidade mesmo que o momento não seja bom”, avaliou.

O Santos abriu cinco pontos de vantagem para o Palmeiras na liderança do Campeonato Brasileiro e aguarda pelo clássico do rival contra o Corinthians, também neste domingo, às 19h (de Brasília), em Itaquera.

Exigente, Marinho cita intensidade e grupo unido no Santos

Líder do Campeonato Brasileiro, o Santos teve um grande desempenho na manhã deste domingo e venceu o Goiás na Vila Belmiro por 6 a 1. No entanto, mesmo com a goleada, o atacante Marinho fez questão de dizer que a partida não foi fácil.

Na saída do gramado, o jogador exaltou a importância da torcida e da união do grupo santista, e destacou sobretudo a entrega da equipe dentro de campo.

“A torcida tem comprado nossa briga. O momento é de união no grupo. Temos criado isso no nosso dia a dia. O resultado foi largo, mas não quer dizer que foi fácil. Fizemos valer nossa força dentro de campo”, disse, em entrevista ao Premiere.

Exigente, Marinho ainda disse que a equipe demorou a acordar, e lembrou da intensidade que o técnico Jorge Sampaoli pede aos jogadores.

“É o que ele (Sampaoli) pede (intensidade). Assim que treinamos e assim que jogamos. Demoramos um pouco para acordar no segundo tempo, mas conseguirmos fazer um resultado bom”, completou.

Lucas Veríssimo fala sobre chegada de Luan e diz ter certeza do Santos na briga pelo título

O zagueiro Lucas Veríssimo, autor de um dos gols na vitória do Santos por 6 a 1 sobre o Goiás neste domingo, na Vila Belmiro, tem a certeza da briga pelo título.

Após 13 rodadas, o Peixe tem 32 pontos, cinco pontos à frente do Palmeiras. O rival enfrentará o Corinthians também neste domingo, às 19h, em Itaquera.

“Tenho certeza que no final vamos brigar pelo título. Passo a passo, jogo a jogo, temos de reservar nossas forças no Brasileiro. É dar a vida, dar o 100% que vamos brigar”, disse Veríssimo.

O defensor também comentou sobre a chegada de Luan Peres, mais um jogador para a defesa, e destacou a possibilidade de ser lateral-direito.

“Estou satisfeito, tem zagueiros bons, o Luan chegou e vai ajudar. A gente vai jogar junto, brigar junto para conquistar o título. Eu treino na lateral também, hoje quem fez foi o Jorge (função de centra-lateral). Se ele precisar, também vou ajudar”, concluiu.


Santos 2 x 0 Estudiantes

Data: 24/04/2018, terça-feira, 21h30.
Competição: Copa Libertadores – Grupo 6 – 4ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 10.969 pagantes
Renda: R$ 409.460,00
Árbitro: Eber Aquino (PAR)
Auxiliares: Dario Gaona e Rodney Aquino (ambos do PAR)
Cartões amarelos: Alison (S); Campi, Braña, Dubarbier, Escobar e Lattanzio (E).
Cartão vermelho: Escobar (E).
Gols: Gabigol (43-1) e Lucas Veríssimo (04-2).

SANTOS
Vanderlei; Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, David Braz e Dodô; Alison, Léo Cittadini (Renato) e Jean Mota; Copete (Arthur Gomes), Rodrygo (Vitor Bueno) e Gabriel.
Técnico: Jair Ventura

ESTUDIANTES DE LA PLATA
Andújar; Sánchez, Desábato; Schunke, Braña, Rodríguez (Escobar), Gómez (Gímenez), Dubarbier (Lattanzio) e Campi; Melano e Otero.
Técnico: Lucas Bernardi



Em noite de redenções, Santos vence o Estudiantes e encaminha classificação

Em noite de redenção para Copete e Gabigol, o Santos venceu o Estudiantes por 2 a 0 na noite desta terça-feira, na Vila Belmiro, chegou a nove pontos no Grupo 6 e ficou bem perto da vaga nas oitavas de final da Libertadores da América. Os gols foram marcados por Gabriel Barbosa e Lucas Veríssimo.

Copete não atuava desde o dia 11 de março, em derrota para o São Bento. Com Eduardo Sasha fora por causa de pancada no tornozelo esquerdo e Arthur Gomes debilitado por conta de um entorse no joelho direito, o colombiano teve chance de ser titular e foi muito bem. Foi dele a assistência para Gabriel no primeiro gol.

E por falar em Gabigol, ele honrou o apelido. Depois de dois meses de jejum, o camisa 10 desencantou. Com a categoria de seus melhores momentos, o Menino da Vila deslocou Andújar e correu para abraçar o técnico Jair Ventura.

O Peixe controlou o jogo desde o primeiro minuto, pouco sofreu e poderia até ter feito mais gols. Rodrygo não fez gol ou deu assistência, mas foi um dos destaques. Em um lance no segundo tempo, quase fez um golaço. A joia voltou a cansar e foi mais uma vez substituída no segundo tempo.

O jogo

O Santos dominou os 46 primeiros minutos de jogo. O Peixe controlou a partida desde o apito inicial e acuou o Estudiantes na Vila Belmiro. O goleiro Vanderlei foi um mero espectador.

As primeiras oportunidades vieram com Rodrygo, pelo lado esquerdo do ataque. Logo aos dois minutos, Copete, de volta ao time após mais de um mês, acertou o travessão.

Com Rodrygo inspirado, Gabigol aceso e Copete melhor do que nas últimas atuações, o Peixe seguiu perto do gol, que quase veio aos 17 minutos, em finalização de chapa do Gabigol rente à trave esquerda de Andújar.

O alvinegro chegava à intermediária ofensiva com facilidade, mas pecava no último passe. Na segunda metade do jogo, o time passou a exagerar nos cruzamentos. Com três zagueiros, o Estudiantes levava a melhor.

E quando parecia mais distante de abrir o placar, o Santos saiu na frente. Copete acertou lindo lançamento de direita para Gabigol, com muita categoria, deslocar Andújar aos 43 minutos. O atacante desencantou depois de dois meses de jejum. Na comemoração, correu para os braços do técnico Jair Ventura. E vários jogadores abraçaram o colombiano.

Na segunda etapa, o cenário não mudou. E logo aos quatro minutos, o Santos ampliou. Jean Mota cobrou falta na cabeça de Lucas Veríssimo. O zagueiro marcou pela terceira vez com a camisa do Peixe.

Aos 14 minutos, o Estudiantes criou sua melhor chance. E na verdade, nem teve mérito. Dubarbier cruzou, David Braz afastou mal, a bola bateu em Otero e quase entrou. Vanderlei nem se mexeu.

Os argentinos se lançaram ao atacante e, enquanto isso, o Santos teve espaço no contra-ataque. E foi dessa forma que o terceiro gol quase veio aos 19 minutos, quando Gabigol recebeu longo lançamento de Jean Mota e chutou bem, para boa defesa de Andújar. Na sequência, em nova ligação direta, agora com Dodô, Rodrygo arrancou, mas errou na hora de cruzar.

Aos 27 minutos, Rodrygo quase fez um golaço. Domínio perfeito em cruzamento de Daniel Guedes, drible para a direita e chute raspando o travessão. E aos 37, veio a resposta, em linda defesa do goleiro Vanderlei em voleio de Sanchéz. Nos minutos finais, os argentinos não esboçaram a reação e o Santos confirmou a vitória.

Melhor em campo, Rodrygo explica vômito em vitória do Santos: “Tranquilo”

Rodrygo foi eleito, pelos organizadores da Libertadores, o melhor jogador na vitória do Santos por 2 a 0 sobre o Estudiantes nesta terça-feira, na Vila Belmiro. A vitória encaminhou a classificação do Peixe às oitavas de final.

E mais do que sua atuação, o atacante chamou a atenção por passar mal em campo. Ele recebeu um chute no estômago e vomitou. Os médicos solicitaram a sua saída, mas ele pediu para permanecer.

“É um campeonato muito difícil, mas tudo está na cabeça, é manter a concentração. Acabei vomitando ali fora, mas só joguei para fora e voltei tranquilo. Já estou pronto para tomar outra, tranquilo (risos)”, disse Rodrygo, à Fox Sports.

No segundo tempo, Rodrygo quase fez um golaço. Ele recebeu um cruzamento de Daniel Guedes no segundo pau, dominou perfeitamente a bola, driblou e chutou rente ao travessão. Ele acabou substituído, ovacionado pelos mais de 10 mil torcedores presentes.

Jair vibra por resgate de Copete no Santos: “Eu não liberei”

Em má fase, Copete vinha brigando por um vaga no banco de reservas do Santos. E nessa terça-feira, a situação mudou. O colombiano aproveitou o problema no tornozelo de Eduardo Sasha e as dores no joelho de Arthur Gomes após entorse para ser titular e se destacar nos 2 a 0 sobre o Estudiantes, na Vila Belmiro.

Copete foi procurado por alguns clubes, como o Vitória, mas Jair Ventura optou por sua permanência. O técnico explica suas motivações e comemora pela decisão aparentemente correta.

“Trabalhamos o Copete para recuperá-lo e hoje deu passe decisivo (na assistência para Gabigol) Ele aproveitou a oportunidade da melhor maneira possível. Ele trabalha demais e não vivia no seu melhor momento. Hoje foi importante. Se eu fizesse o que todos queriam, teria emprestado o Copete”, disse Jair, em entrevista coletiva.

“Tiveram muitas propostas para o Copete e eu não liberei. Quis recuperá-lo, trazê-lo pra gente. Ele não estava em um momento bom, mas temos que recuperar esses atletas. A gente critica as pessoas. A gente julga muito. E julgaram o Copete para nada, o menino entrou e fez um grande jogo”, completou.

A contusão de Eduardo Sasha não preocupa o departamento médico e o atacante deve retornar contra o Nacional, no Uruguai, dia 1º de maio. De qualquer forma, Copete mostrou que pode ser importante na temporada.

Gabigol minimiza jejum, comemora vitória e cita “bronca” de Jair

Depois de dois meses sem marcar, Gabigol quebrou o jejum ao abrir o placar na vitória do Santos por 2 a 0 sobre o Estudiantes nesta terça-feira, na Vila Belmiro. O resultado encaminhou a classificação do Peixe às oitavas de final. O alvinegro precisa de um ponto contra Nacional no Uruguai e Real Garcilaso em casa.

O camisa 10 minimiza o período sem marcar, exalta a vitória, destaca a mobilidade no ataque e cita uma bronca do técnico Jair Ventura.

“A gente procura movimentar bastante, sabemos que temos atacantes leves. Copete e Sasha já jogaram de centroavante, hoje fui eu. Jair fica até meio bravo quando fico saindo da área. Centroavante não tem que fazer só gol. Tem que batalhar, lutar, abrir espaço para os companheiros, o importante é ajudar o time na vitória”, disse Gabriel à Fox Sports.

“Não pesa (o jejum de gols), eu venho fazendo o que sempre treinei. Pude ter calma na hora da fazer o gol, muito bom voltar a marcar. Não me incomoda, o que me incomoda é não ganhar. Hoje conseguimos uma vitória e tem o bônus do gol”, completou.

Léo Cittadini e Vecchio viram novas preocupações no Santos

Depois de entorse no tornozelo de Eduardo Sasha e entorse no joelho de Arthur Gomes, o Santos ganhou novas preocupações no departamento médico: Léo Cittadini e Vecchio

Cittadini sofreu uma entorse durante a vitória por 2 a 0 sobre o Estudiantes, nesta terça-feira, na Vila Belmiro. E Vecchio não foi relacionado por causa de tendinite. O técnico Jair Ventura citou os problemas físicos, mas não deu detalhes dos locais ou da gravidade.

O Santos voltará a campo para enfrentar o Nacional, no Uruguai, dia 1º de maio, pela quinta rodada da fase de grupos da Libertadores. O Peixe espera recuperar todo o elenco para a partida. Se empatar, o alvinegro garante a vaga nas oitavas de final com um jogo de antecedência.

Bruno Henrique, com lesão muscular de grau 2 na coxa esquerda, é desfalque certo. De qualquer forma, o atacante já estaria suspenso na Libertadores por conta de uma expulsão contra o Barcelona de Guayaquil, na edição de 2017 da competição continental.


Novorizontino 2 x 1 Santos

Data: 07/03/2018, quarta-feira, 19h30.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 11ª rodada
Local: Estádio Jorge Ismael de Biasi, em Novo Horizonte, SP.
Público: 5.426
Renda: R$ 152.995,00
Árbitro: Leandro Bizzio Marinho
Auxiliares: Daniel Luis Marques e Luiz Alberto Andrini Nogueira
Cartões amarelos: Alisson Safira, Jean Patrick, Rafael Ratão e Tallyson (N); Gustavo Henrique e Alison (S).
Cartão vermelho: Jean Patrick (N).
Gols: Juninho (19-1), Yuri Alberto (09-2) e Lucas Veríssimo (14-2, contra).

NOVORIZONTINO
Oliveira; Tony, Anderson Salles, Éder e Tallyson; Adilson Goiano, Jean Patrick e Jean Carlos (Lucas Siqueira); Cléo Silva, Juninho (Rafael Ratão) e Alisson Safira (Guilherme).
Técnico: Doriva

SANTOS
Vanderlei; Daniel Guedes, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Dodô; Alison; Arthur Gomes (Diogo Vitor), Léo Cittadini, Vecchio (Vitor Bueno) e Rodrygo (Eduardo Sasha); Yuri Alberto.
Técnico: Jair Ventura



Santos esbarra no gramado e perde para o Novorizontino

O Santos esbarrou na chuva e em um gramado de péssimas condições ao perder por 2 a 1 para o Novorizontino na noite desta quarta-feira, no Estádio Jorge Ismael de Biasi, pela 11ª rodada do Campeonato Paulista. Com time técnico e oito garotos revelados nas categorias de base, o Peixe criou muito pouco. Com a vitória, os donos da casa garantiram a classificação e enfrentarão o Palmeiras nas quartas de final.

O técnico Jair Ventura poupou alguns titulares, como David Braz, Gabigol e Eduardo Sasha, e apostou na velocidade de Rodrygo, Arthur Gomes e Yuri Alberto na frente. Com campo pesado, a alternativa não deu certo.

O Novorizontino abriu o placar com Juninho no primeiro tempo. Na segunda etapa, o Santos esboçou a reação ao empatar com Yuri Alberto aos nove minutos, mas Lucas Veríssimo (contra) desempatou logo na sequência. E mesmo com a expulsão de Jean Patrick aos 21′, o Peixe não teve forças para buscar o empate.

O jogo:

É difícil escrever mais de três parágrafos sobre o primeiro tempo em Novo Horizonte. A chuva e o gramado ruim fizeram com que o futebol fosse impraticável. Em 45 minutos, quatro finalizações foram contabilizadas. Duas para cada lado.

E na primeira, o Novorizontino fez o gol. Aos 19 minutos, Jean Carlos lançou Juninho, que bateu forte, a bola desviou em Lucas Veríssimo e matou o goleiro Vanderlei. Daniel Guedes e Alison, sem a ajuda de Arthur Gomes, foram envolvidos na triangulação.

Aos 21, a equipe da casa quase ampliou. Éder, na pequena área, chutou e Gustavo Henrique, com as costas, debaixo do gol, salvou. No mais, chutões e passes que esbarraram nas poças d’água.

O Santos voltou um pouco melhor para o segundo tempo e deu mostras de que poderia virar. Aos nove minutos, o estreante Dodô cobrou bem uma falta para a área, o goleiro Oliveira não afastou e Yuri Alberto empurrou para as redes. Aos 16 anos, o centroavante marcou pela primeira vez no debute como titular.

Quando o placar marcava 14′, porém, veio a ducha de água fria. Vecchio errou passe na intermediária, o Novorizontino invadiu a área com Alisson Safira e o chute cruzado explodiu em Lucas Veríssimo, que fez contra, retomando a vantagem para o time do interior.

Aos 21 minutos, o Santos teve uma boa notícia. Jean Patrick recebeu dois cartões amarelos em sequência por reclamação e foi expulso. Ele discutiu com o capitão Anderson Salles antes de ser advertido. Mesmo com a vantagem, porém, o Peixe esbarrou em pouca inspiração e gramado ruim.

Nos minutos finais, o alvinegro pressionou, mas não criou chances claras de gol e perdeu por 2 a 1 para o Novorizontino, classificado para as quartas de final do Campeonato Paulista, assim como o Santos.

Jair resume derrota do Santos: “Jogo foi por água abaixo”

Jair Ventura isentou o Santos de críticas após a derrota por 2 a 1 para o Novorizontino nesta quarta-feira, no Estádio Jorge Ismael de Biasi. Para o técnico, as condições ruins do gramado encharcado prejudicam qualquer análise.

“Tentamos, criamos, tivemos mais posse, mais chances. Eles tiveram um chute no gol e fizeram. Foram eficientes e nós não fomos. Não conseguimos colocar a bola para dentro. Qualquer análise hoje seria injusta por conta da chuva. O jogo foi por água abaixo”, resumiu o treinador.

O Peixe poupou alguns jogadores, como David Braz, Gabigol e Eduardo Sasha. A opção por um ataque leve, formado por Rodrygo, Arthur Gomes e Yuri Alberto não deu certo por causa do campo.

“Iniciamos a partida com o nosso ataque mais leve. O time do Santos trabalha bem a posse de bola, time com mais gols com construção no campeonato, mas não teve jogo dentro desta estratégia de primeira e segunda bola e força. Realmente fomos prejudicados e saímos com a derrota”, completou o treinador.

Jair pede chegada de um camisa 9 ao Santos: “Estamos buscando”

Na visão do técnico Jair Ventura, a derrota por 2 a 1 para o Novorizontino, nesta quarta-feira, em Novo Horizonte, mostrou que o Santos precisa de um centroavante clássico, forte e que possa segurar a bola no ataque. Um legítimo pivô.

Em gramado encharcado, o Peixe teve o garoto Yuri Alberto como titular. Ele fez o gol, mas não tem essas características. Rodrigão não tem treinado bem e não foi relacionado por opção técnica.

“O jogo pediu um jogador mais forte, de área. Estamos buscando ainda no mercado. Alguém para jogos pesados, principalmente na Libertadores. Nacional e Estudiantes vão ser jogos pesados. Um jogo de chuva mostrou que teremos dificuldades. Vamos ter que achar alternativas dentro do elenco e mercado para suprir”, disse o treinador.

Gabigol é o centroavante titular. O camisa 10, porém, tem mobilidade e não faz um bom pivô, assim como Yuri Alberto. Com Rodrigão em baixa, o alvinegro buscará soluções no mercado. O clube teve interesse em Barcos, da LDU-EQU, Tréllez, hoje no São Paulo, e Ábila, do Boca Juniors-ARG, mas as negociações não evoluíram.

Dodô aprova estreia pelo Santos e vê “ambiente hostil” como teste

Dodô estreou pelo Santos na derrota por 2 a 1 para o Novorizontino nesta quarta-feira, no Estádio Jorge Ismael de Biasi. Depois de nove meses sem atuar, o lateral-esquerdo teve atuação segura e aguentou os 90 minutos.

O ala superou o gramado ruim e a chuva para não comprometer. A última partida foi em maio de 2017, em derrota da Sampdoria por 7 a 3 contra a Lazio pelo Campeonato Italiano. Dodô entende que as condições adversas foram um bom teste visando a Libertadores.

“Não diria que faltou perna, mas com o campo assim ficou mais difícil de jogar. Nosso time gosta de ficar com a bola no pé, tocar a bola… Campo hoje era impraticável. Um ambiente hostil assim a gente vai encontrar na Libertadores. Foi válida a experiência para o nosso time, ainda mais para os mais jovens. Foi um jogo difícil, um campo difícil. Numa infelicidade fizemos um gol contra. Vale a experiência. Empenho não faltou”, disse Dodô, ao Premiere.

“É difícil avaliar pelo jogo. Estou feliz que consegui aguentar os 90 minutos fisicamente, ainda mais com o campo assim. Não senti nada. Essas duas semanas que fiquei trabalhando forte no CT valeram a pena”, completou.

Yuri Alberto comemora 1º gol pelo Santos: “Felicidade única”

Na estreia como titular, Yuri Alberto, de 16 anos, fez seu primeiro gol pelo Santos na derrota por 2 a 1 para o Novorizontino, nesta quarta-feira, no Estádio Jorge Ismael de Biasi. Triste pelo tropeço, o Menino da Vila comemora o feito.

“Eu e minha família não imaginávamos que seria tudo tão rápido assim. Estou aprendendo e evoluindo a cada dia, a cada treinamento e a cada oportunidade que tenho. Já estava muito feliz em ser titular pela primeira vez. E ainda pude fazer meu gol. Sem dúvidas, foi uma felicidade única e a realização de um sonho meu e de minha família. Só fico triste por termos perdido em um dia tão especial para mim”, diz Yuri Alberto.

Com o gol, Yuri superou Gabigol por dois dias e se tornou o sexto mais novo a marcar na história do Peixe. Veja o ranking completo abaixo.

“É uma honra para mim ter meu nome ligado a números de jogadores que marcaram história aqui no Santos. A minha está apenas começando e eu quero muito seguir os passos de todos esses ídolos, com gols, vitórias e, claro, títulos. Quero muito agradecer
ao Jair Ventura e à comissão técnica pelos ensinamentos e pelas oportunidades que tenho tido. Estão me dando muito confiança, para que eu esteja conseguindo crescer e me superar”, afirmou o centroavante.

1º – Coutinho – 14 anos e 11 meses
17/05/1958 – Santos 7 x 1 Sírio Libanês-GO

2º – Pelé – 15 anos, 10 meses e 15 dias
07/09/1956 – Corinthians-SA 1 x 7 Santos

3º – Edu – 16 anos, 7 meses e 11 dias
17/03/1966 – Santos 4 x 0 Bangu-RJ

4º – Victor Andrade – 16 anos, 10 meses e 9 dias
08/08/2012 – Santos 4 x 2 Cruzeiro

5º – Diego – 16 anos,11 meses e 15 dias
13/02/2002 – Santos 4 x 2 Ji-Paraná-RO

6º – Yuri Alberto – 16 anos, 11 meses e 20 dias
07/03/2018 – Novorizontino 2 x 1 Santos

7º – Gabriel – 16 anos, 11 meses e 22 dias
21/08/2013 – Santos 1 x 0 Grêmio

8º – Rodrygo – 17 anos e 16 dias
25/01/2018 – Ponte Preta 1 x 2 Santos

9º – Neymar – 17 anos, 1 mês e 10 dias
15/03/2009 – Santos 3 x 0 Mogi Mirim

Santos confirma saída de Matheus Jesus rumo ao Japão

O Santos confirmou nesta quinta-feira a saída de Matheus Jesus. O volante será reforço do Gamba Osaka, time do técnico Levir Culpi no Japão. Sem espaço no Peixe, ele foi cedido pelo Estoril-POR até o fim deste ano. A informação foi antecipada pela Gazeta Esportiva nesta quarta-feira.

Matheus tinha contrato com o alvinegro até o fim do ano, mas o clube não teve interesse na permanência em definitivo e aceitou liberá-lo. Em 2018, ele fez apenas quatro jogos, um como titular, e acabou substituído no intervalo contra o Ituano, no Pacaembu.

O volante de 20 nem foi relacionado pelo técnico Jair Ventura para a partida contra o Novorizontino, nesta quarta-feira, às 19h30 (de Brasília), no Estádio Jorge Ismael de Biasi. Ele aguarda pelo “ok” de seus representantes para viajar ao Japão nesta semana.