Navegando Posts marcados como Lucas Veríssimo

Santos 2 x 2 Vasco

Data: 02/09/2020, quarta-feira, 21h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 7ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: fechado devido a pandemia de Covid-19.
Árbitro: Rodrigo Dalonso Ferreira (SC)
Auxiliares: Helton Nunes e Éder Alexandre (ambos de SC).
VAR: Heber Roberto Lopes (SC)
Cartões amarelos: Jobson e Diego Pituca (S); Miranda e Guilherme Parede (V).
Gols: Lucas Veríssimo (20-1) e Fellipe Bastos (45-1); Marinho (13-2) e Cano (22-2).

SANTOS
João Paulo; Pará, Lucas Veríssimo, Alison (Lucas Braga) e Felipe Jonatan (Jean Mota) (Arthur Gomes); Jobson (Luan Peres), Diego Pituca e Carlos Sánchez; Marinho, Soteldo e Raniel (Kaio Jorge).
Técnico: Cuca

VASCO
Fernando Miguel; Yago Pikachu, Miranda, Marcelo Alves e Henrique; Juninho (Ribamar), Fellipe Bastos (Carlinhos), Andrey e Benitez (Neto Borges); Ygor Catatau (Bruno César) e Cano (Guilherme Parede).
Técnico: Ramon Menezes



Santos sofre novamente com o VAR e empata com o Vasco na Vila

O Santos empatou em 2 a 2 com o Vasco na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro, pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro. Os gols do Peixe foram de Lucas Veríssimo e Marinho. O Cruzmaltino empatou com Fellipe Bastos e Cano.

O Alvinegro sofreu novamente com o VAR – contra o Flamengo, dois gols foram anulados. O gol de Fellipe Bastos foi invalidado corretamente por impedimento. A consulta ao vídeo fez o lance ser validado após cinco minutos.

No segundo tempo, os visitantes empataram com pênalti convertido por Cano. O juiz não havia marcado a penalidade. Ao olhar a tela, apontou toque no braço de Alison – a bola bateu antes na cabeça do volante.

Com mais um tropeço em casa, o Santos vai para a 11ª colocação, com oito pontos. O Vasco é o terceiro, com 11 somados na tabela.

O jogo

O Vasco criou a primeira chance do jogo. E com menos de um minuto! Felipe Jonatan errou na saída de bola, Cano invadiu a área e acertou o travessão.

O Santos só teve uma oportunidade de gol quando abriu o placar. Soteldo recebeu uma sobra de escanteio, entortou a marcação e cruzou na cabeça de Lucas Veríssimo aos 20 minutos. 1 a 0.

O jogo estava truncado e com pouco espaço nas defesas. Até que o Cruzmaltino aproveitou bem a bola parada. Fellipe Bastos recebeu no segundo pau e marcou. A princípio, a arbitragem marcou impedimento. Cinco minutos depois, o VAR confirmou o empate dos visitantes.

O Santos voltou para a etapa final com Luan Peres na vaga de Jobson. Cuca “corrigiu” a escalação após entrar com Alison como zagueiro.

O Peixe teve um início melhor. Aos dois minutos, Pará bateu de fora da área com perigo. No minuto 4, Soteldo cobrou falta e Fernando Miguel fez boa defesa.

Aos 13 minutos, o Santos desempatou. Marinho cobrou falta com perfeição. O goleiro Fernando Miguel nem se mexeu. 2 a 1 na Vila.

Quando o placar marcava 22, Alison afastou cobrança de escanteio com toque na braço (antes ele tocou com a cabeça). Após nova consulta no VAR, a arbitragem marcou pênalti. Cano converteu aos 17. 2 a 2.

Pilhado com os gols sofridos e bem marcado, o Santos não criou nenhuma chance clara até o apito final. O Vasco administrou o empate e quase virou no fim, com Carlinhos.

Cuca, do Santos, desabafa contra o VAR: “P… Dá uma a favor pelo menos”

Cuca voltou a criticar a arbitragem e, principalmente, o VAR, após o empate do Santos em 2 a 2 com o Vasco nesta quarta-feira, na Vila Belmiro, pela sétima rodada do Campeonato Brasileiro.

O Peixe teve dois gols anulados na derrota para o Flamengo. E viu o Vasco ter dois gols a favor depois de consulta ao árbitro de vídeo: Fellipe Bastos em posição legal e pênalti de Alison convertido por Cano.

“Acho que éramos para ter vencido, até pelo tamanho da posse de bola, mas não tem como vir aqui e não falar do VAR. Eu nem queria vir aqui falar. Temos tanta falta de sorte. Se está o Heber (Roberto Lopes, árbitro de vídeo) no domingo, ele dava gol nosso, porque ele não considerou ombro do Vasco impedido, coisa que o André (Luiz Ferreira de Castro), VAR do jogo passado, considerou ombro do Raniel. O frame do VAR é colocado na hora que querem, não temos certeza do momento do toque, e não é reta, pega outro ângulo. No domingo tem dois gols dentro da casa na dúvida cruel. Dois desfavoráveis. E hoje tem dois lances em casa, na dúvida cruel. E hoje favoráveis contra outro time. P…, dá uma a favor de nós pelo menos. Está chato falar do VAR. Não virei falar mais de arbitragem, desgasta muito e fico marcado. Isso aqui é minha vida, não há outra defesa, sou eu. Não vem o vice ou presidente, não podem, vem eu defender. E brincou de novo, agora o Heber”, disse Cuca.

“Falta coerência, não adianta. Árbitro diz que não tem culpa, que vem de cima. Falta tudo, sei lá. A gente fica batendo na mesma tecla, fica chato vir na entrevista e falar, mas vou falar. Assim como árbitro contra o Sport fez arbitragem preciosa, deixou todo mundo tranquilo, rápido no VAR. Não porque ganhamos, mas porque foi tudo calmo. Tudo está tenso. Temos que ajudar, de repente dar uma acalmada, entender que vão demorar. Jogador também entender. Mas não pode perder interpretação de campo, vai ficar robotizado. É para chamar por coisas grandes. Árbitro está a poucos metros, há o lance real e o do vídeo. O real entendeu que é interpretativo, não precisa chamar. Não é porque foi pênalti contra, mas a favor também deixa interpretação do juiz em campo”, completou.

Cuca diz que Santos não pode vender Marinho: “Tem sido fundamental”

Cuca não trabalha com a possibilidade do Santos negociar Marinho, principal destaque da equipe desde a retomada do futebol no Brasil.

“Marinho é muito importante, tem sido fundamental. Momento financeira é difícil, não podemos contratar. Mas não podemos vender também. Enfraqueceríamos o time. Campeonato é duro, quarta e domingo. Vai ser assim até fevereiro, com Libertadores e Copa do Brasil. Pretendo fazer com que todo mundo fique inteiro. É na conta do chá, não daremos conta sem lesões. Temos que tomar cuidado. Mesmo com proposta, não podemos vender”, disse Cuca, em entrevista coletiva.

Marinho tem quatro gols no Campeonato Brasileiro, um a menos que Cano, Fellipe Bastos, do Vasco, e Thiago Galhardo, do Internacional.

Cuca admite poupar no Santos: “Não se aguenta assim”

O Santos pode ter alguns jogadores poupados para a partida contra o Ceará, sábado, no Castelão, pela oitava rodada do Campeonato Brasileiro.

O técnico está preocupado com o desgaste físico e analisa a sequência de jogos pela frente: Ceará (fora), Atlético-MG e São Paulo (em casa) e Olímpia-PAR (na Vila Belmiro, pela Libertadores da América). Tudo em 10 dias.

“Amanhã vamos reavaliar o grupo, mas não se aguenta assim, com essa intensidade domingo e quarta, com viagens. Não conseguimos. Por isso temos que rodar plantel. Vamos avaliar com calma. Não conseguimos fazer os caras renderem tudo com muitos jogos em poucos dias. Jogador é igual um carro, tem hora que carro precisa de reparo, revisão, checagem geral. Para não te deixar na mão. Jogador precisa de treino, dar uma parada, se recuperar. Não conseguem nessa batida”, disse Cuca.

“Difícil. Os elencos são fortes, né? A maioria tem elenco forte. E a gente tem nosso elenco com meninos. Vamos tirar o máximo deles, dar oportunidade, revisar. Para fazer um time forte para enfrentar o Ceará, depois Atlético-MG, São Paulo e terça o Olímpia. Quatro jogos em 10 dias, não sei qual é o mais difícil. Se não der pra estarem 100%, que estejam perto disso. Temos que ter muito cuidado”, completou.

O Santos não vence há três jogos: perdeu para Palmeiras e Flamengo e empatou com o Vasco.

Cuca pede Santos mais “encorpado” e diz não saber sobre desbloqueio na Fifa

Cuca quer um Santos mais “encorpado”. O técnico aposta na ascensão de jogadores jovens, mas vê a necessidade de atletas experientes para a maratona entre Campeonato Brasileiro, Copa do Brasil e Libertadores da América.

Cuca admite que as reposições para titular não são das melhores neste momento.

“Nós, santistas, sabemos da necessidade de encorpar o elenco, pela importância das competições. A gente tem que encorpar. Se perder um Soteldo ou Marinho, reposição não é do mesmo nível. É difícil encontrar esse tipo de reposição no mercado. Perder um Lucas (Veríssimo) também… São fundamentais, o próprio Sánchez. Jogam quarta e domingo sem o mesmo rendimento pelo desgaste”, disse Cuca.

Para contratar, o Santos precisa fazer acordo com o Hamburgo, da Alemanha. A dívida de quase R$ 30 milhões fez a Fifa proibir o Peixe de registrar reforços.

“Para isso tem que desbloquear, não sei como está o desbloqueio na Fifa…”, afirmou o técnico santista.

Mesmo com o transfer ban, Santos está perto de trazer Elias, ex-Atlético-MG. O Peixe ainda negocia com Cazares, também do Galo, e Matheusinho, do América-MG.

Alison assume a responsabilidade pelo pênalti em empate do Santos

O VAR foi protagonista em mais uma partida do Santos na Vila Belmiro. Nesta quarta-feira, o Peixe levou o gol de empate em pênalti polêmico, que só foi confirmado através do árbitro de vídeo, que viu toque de mão de Alison dentro da área. Apesar das reclamações, o próprio volante chamou a responsabilidade pelo lance.

“A gente precisava muito da vitória. Entramos com esse pensamento. Buscamos a vitória o tempo todo. Infelizmente, não conseguimos. Com a participação do VAR novamente. Não estou aqui para reclamar de arbitragem. No lance, a bola realmente tocou no meu braço. Assumo essa responsabilidade. Tínhamos a chance de sair daqui com a vitória. Claro que não foi intencional, mas a bola acabou batendo no meu braço. Não podemos ficar nos lamentando. Temos jogo no fim de semana”, declarou o jogador à TV Globo.

O Santos viu o VAR ser decisivo em mais uma partida. O primeiro gol do Vasco só foi validado pela checagem no vídeo, que confirmou a posição legal de Fellipe Bastos. Já no segundo tento dos cariocas, Alison tentou o corte de cabeça, mas a bola pegou em seu braço. Depois de nova checagem, a arbitragem confirmou o pênalti, convertido por Germán Cano.

No último domingo, o Santos acabou derrotado por 1 a 0 pelo Flamengo, em jogo que o VAR foi crucial para anular dois gols do Peixe. O que mais causou irritação nos jogadores e na torcida santista, tanto na última partida como nesta quarta-feira, foi a demora para a avaliação dos lances.

Jean Mota sente a coxa, é substituído e preocupa Cuca no Santos

Jean Mota pode ser desfalque do Santos nas próximas rodadas do Campeonato Brasileiro em função de possível problema na coxa esquerda.

O meia entrou no segundo tempo do empate com o Vasco na última quarta-feira, na Vila Belmiro, e saiu dois minutos depois. Jean será reavaliado nesta quinta.

O técnico Cuca admite o camisa 41 como desfalque.

“Sentiu um desconforto muscular na coxa esquerda. Será reavaliado amanhã”, disse o treinador.

Jean Mota não é titular, mas entrou no segundo tempo de três das últimas quatro rodadas do Brasileirão.


Santos 1 x 0 Delfín-EQU

Data: 10/03/2020, terça-feira, 19h15.
Competição: Copa Libertadores – Grupo G – 2ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público e renda: portões fechados
Árbitro: Kevin Ortega (PER)
Auxiliares: Michael Orue e Jesus Sánchez (ambos do PER).
Cartões amarelos: Luan Peres, Jobson, Lucas Veríssimo, Felipe Jonatan e Jesualdo Ferreira (S); Cangá, Calderón e Alaníz (D).
Gol: Lucas Veríssimo (29-1).

SANTOS
Everson; Pará, Lucas Veríssimo, Luan Peres e Felipe Jonatan; Jobson, Diego Pituca e Carlos Sánchez (Evandro); Kaio Jorge (Yuri Alberto), Soteldo e Eduardo Sasha.
Técnico: Jesualdo Ferreira

DELFÍN SC (EQU)
Baroja; Jonathan González, Luis Canga, Agustín Ale, Nazareno; Noboa, Calderón (Benítez), Martin Alaníz, Rojas (Cifuentes), Corozo (Valencia) e Garcés.
Técnico: Carlos Ischia



Santos joga para o gasto e vence Delfín com gol de Veríssimo na Vila vazia

Nesta terça-feira, o Santos derrotou o Delfín-EQU por 1 a 0 e manteve o 100% de aproveitamento na Libertadores após duas rodadas disputadas. Respeitando a punição da Conmebol, o Peixe atuou sem o apoio de sua torcida e não precisou de uma atuação de destaque para bater os equatorianos. O único gol da partida foi marcado por Lucas Veríssimo.

O Alvinegro Praiano não contou com sua torcida, já que foi punido pela Conmebol com portões fechados por conta da confusão no Pacaembu em 2018, na eliminação da competição continental para o Independiente-ARG.

Com o resultado, o Santos se isolou na liderança do grupo G, com seis pontos somados. Na próxima rodada, a equipe recebe o Olímpia, na Vila Belmiro, na terça-feira que vem, às 21h30. Enquanto isso, o Delfín permaneceu com apenas um ponto, na terceira colocação. O próximo compromisso dos equatorianos será contra o Defensa y Justicia, na Argentina.

O jogo

O Santos iniciou a partida explorando principalmente o lado esquerdo, com Soteldo. A primeira chance perigosa do Peixe saiu dos pés do venezuelano, que levantou na cabeça de Kaio Jorge e o atacante testou pouco acima do travessão.

Aos 29 minutos da primeira etapa, o Santos abriu o placar com Lucas Veríssimo. Sánchez bateu falta pela esquerda e Veríssimo aproveitou a saída atabalhoada do goleiro do Delfín para cabecear para as redes.

Após balançar as redes, o Peixe teve duas boas oportunidades para ampliar. Primeiro, Sánchez puxou contra-ataque e encontrou Pituca, que finalizou de fora da área e exigiu defesa de Baroja. Na sequência, depois de jogada pela esquerda, Sánchez recebeu de frente para o gol e finalizou, parando novamente no goleiro. No entanto, o Delfín também assustou: após rebote de escanteio, Alaníz soltou a bomba e a bola tirou tinta da trave.

O Santos voltou em ritmo lento no segundo tempo e tomou um susto logo no início. Nazareno cruzou na entrada da área e Alaníz chegou batendo de primeira à direita da meta defendida por Everson. O meia voltou a assustar em novo chute de frente para o gol, dessa vez parando no goleiro do Peixe.

A primeira chance de gol do Santos na segunda etapa veio nos pés de Yuri Alberto, que entrou no lugar de Kaio Jorge no intervalo. Soteldo desceu pela esquerda e encontrou o atacante dentro da área, que finalizou cruzado de esquerda e a bola passou próxima da trave. Na sequência, Sánchez tentou cruzamento pela esquerda, ninguém tocou na bola e Baroja teve que cair para evitar o gol do Alvinegro.

O Delfín ensaio uma pressão no final da partida, porém não conseguiu ser efetivo e o Peixe saiu de campo com os três pontos, apesar de uma atuação apagada.

Bastidores – Santos TV:

Veríssimo minimiza atuação sem brilho do Santos e destaca 100% de aproveitamento

O Santos não esteve em uma de suas noites mais inspiradas, porém conseguiu vencer o Delfín por 1 a 0, na Vila Belmiro, com um gol marcado por Lucas Veríssimo. O zagueiro marcou de cabeça ainda no primeiro tempo, após cruzamento de Sánchez.

Na opinião do defensor, o mais importante neste momento é a pontuação do Peixe. Veríssimo reconhece que o Alvinegro Praiano “pode mais”, porém destaca o 100% de aproveitamento da equipe na Libertadores.

“Buscamos a vitória do início ao fim do jogo, infelizmente não fizemos uma grande exibição, mas o que importa na Libertadores é vencer. Conseguimos somar seis pontos em dois jogos, acredito que seja importante para a sequência do campeonato. A gente sabe que a equipe pode mais, vamos trabalhar para melhorar”, afirmou o zagueiro.

“Não em termos de concentração, mas perde a graça. O torcedor é muito importante, principalmente dentro de casa, mas infelizmente aconteceu de não poder vir. A gente entrou concentrado, mas infelizmente não fizemos um grande jogo”, completou.

Com o resultado, o Santos se isolou na liderança do grupo G, com seis pontos somados. Na próxima rodada, a equipe recebe o Olímpia, na Vila Belmiro, na terça-feira que vem, às 21h30. Antes disso, o Peixe visita o São Paulo, pelo Campeonato Paulista, no sábado, às 19h.

Lucas Veríssimo cita propostas e cobra “valorização” no Santos

Lucas Veríssimo foi o responsável por garantir a vitória do Santos sobre o Delfín, nesta terça-feira, na Vila Belmiro. O zagueiro marcou o único gol do Peixe na partida, completando de cabeça cruzamento de Sánchez em batida de falta.

Após o jogo, o defensor foi perguntado sobre um suposto interesse do Atlético-MG em sua contratação, já que Jorge Sampaoli assumiu o comando dos mineiros. Veríssimo não negou a sondagem do Galo, citou propostas já recebidas desde que passou a se destacar pelo Peixe e aproveitou para reivindicar uma valorização no clube.

“Trabalhei com o professor (Jorge Sampaoli), trabalhei bem. Ouvi esses rumores, a única coisa que peço é uma valorização, já tive propostas aqui no clube e ainda não fui valorizado. Digo isso diretamente para o Peres, mas aqui quero falar sobre o jogo”, afirmou o zagueiro ao Premiere.

Desde que se firmou na zaga do Santos, Veríssimo recebeu propostas do futebol europeu em 2017 e 2018. No entanto, o clube esperava receber ofertas vantajosas pelo jogador no final do ano passado, o que não aconteceu. Dessa forma, o defensor permaneceu no plantel do Peixe.

Luan Peres critica exposição desnecessária do Santos ao fim da partida

Se por um lado a vitória sobre o Delfín nesta terça-feira foi importante para o futuro do Santos na Libertadores, por outro o Peixe apresentou um futebol sem brilho na Vila Belmiro. Além de Jesualdo Ferreira, Luan Peres também reconheceu que o Alvinegro Praiano não mostrou o brilho dos últimos jogos.

O zagueiro concedeu entrevista coletiva ao lado do treinador e destacou a exposição desnecessária do Santos ao fim da partida desta terça. Mesmo com a vantagem de 1 a 0 no placar, o Peixe cedeu espaços para contra-ataques do Delfín na reta final do jogo.

“É um ponto que tocamos no jogo, estávamos cobrando o meio-campo. Não podemos tomar contra-ataque aos 40 minutos do segundo tempo em Libertadores. Estávamos mais preocupados em fazer o gol do que defender faltando pouco tempo. Faltou um pouco de equilíbrio, experiência, não precisava se expor. E faltando cinco minutos seria difícil”, analisou o zagueiro.

“Cansaço bateu também, claro, mas terminamos inteiros para a próxima partida. É o detalhe de ter mais experiência, são lances capitais. Professor colocou o Evandro para dar mais substância, ganhamos mais o meio-campo. Tentamos segurar a bola com Arthur e Yuri, mas era difícil, defesa forte, e no próximo jogo vamos entrar mais ligados”, completou.

Jesualdo destaca falta de controle e reconhece jogo abaixo da média do Santos

O Santos chegou a sua terceira vitória consecutiva ao derrotar o Delfín por 1 a 0, nesta terça-feira, na Vila Belmiro. Apesar do bom momento vivido pelo Peixe, a equipe não teve uma atuação de destaque e jogou apenas o suficiente para bater os equatorianos.

Na entrevista após a partida, Jesualdo Ferreira reconheceu que o Santos não esteve em uma noite inspirada e vitou a falta de controle como o principal problema na apresentação do Peixe na Vila Belmiro.

“Equipe nunca teve o jogo controlado, não controlou a bola como fizemos em outros jogos. Então passamos por problemas. Houve falta de controle e isso nós fazemos bem. Mas é preciso destacar a importância da vitória e a liderança do grupo”, pontuou o treinador.

Jesualdo destacou o cansaço acumulado das últimas partidas e a ausência de torcedores na Vila Belmiro como fatores que dificultaram a vida do Santos contra o Delfín.

“São três jogos a ganhar. Copo cheio ou vazio… São três vitórias. Não foi um jogo fácil, não atingimos o nível de outros jogos, com nossa qualidade. Jogadores sentiram uma pressão muito grande, com responsabilidade do jogo. Se sentiram mais à vontade na Argentina. Mas uma vitória, mais uma e num espaço curto de três dias, há o cansaço, claro, e outra parte que tem a ver com a pressão. Tenho experiência de jogar sem público e não é bom. É um campo neutro, sem pressão”, comentou o técnico.

Apesar do descontentamento com a atuação de sua equipe, Jesualdo ressaltou a boa pontuação do Santos nas duas competições que disputa nesta temporada. O treinador ainda lembrou que tem sofrido com desfalques nas últimas partidas.

“É nosso 11º jogo, Santos lidera o Campeonato Paulista e a Libertadores. Isso que é importante valorizar. Outra coisa: perdemos opções para mexer, valorizar os jogadores e ganhar até por mais. Tivemos que nos sujeitar ao jogo, e isso não é bom, mas fica a vitória. Tempo curto, difícil recuperar e estamos próximos de situação muito boa na Libertadores e Paulista. Tenho que dar os parabéns aos jogadores pela forma que trabalharam, lutaram, sofreram, nesse e em outros jogos. Sabem o quanto admiro e quanto espero que essa equipe pode chegar e fazer”, finalizou.


Santos 2 x 0 Chapecoense

Data: 01/12/2019, domingo, 19h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 36ª rodada (antepenúltima)
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 6.961 pagantes
Renda: R$ 200.690,00
Árbitro: Marielson Alves Silva (BA)
Auxiliares: Clovis Amaral da Silva (PE) e Jucimas dos Santos Dias (BA).
VAR: Newton dos Reis Barreira (SP)
Cartões amarelos: Marinho e Alison (S); Dalberto (C).
Gols: Lucas Veríssimo (07-1) e Marinho (04-2).

SANTOS
Everson; Pará, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Felipe Jonatan; Alison, Carlos Sánchez e Evandro (Diego Pituca); Marinho, Tailson (Derlis González) e Eduardo Sasha (Kaio Jorge).
Técnico: Jorge Sampaoli

CHAPECOENSE
João Ricardo; Eduardo, Douglas, Hiago (Maurício Ramos) e Roberto; Amaral, Márcio Araújo, Elicarlos (Gustavo Campanharo) e Camilo; Arthur Gomes e Renato (Dalberto).
Técnico: Marquinhos Santos



Santos vence Chapecoense, se isola no 2º lugar e iguala melhor campanha

O Santos venceu a Chapecoense por 2 a 0 na noite deste domingo, na Vila Belmiro, em jogo válido pela 36ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O Peixe ganhou sem fazer força. Marcou no início de cada tempo e ditou o ritmo. Os gols foram de Lucas Veríssimo e Evandro.

Os três pontos levam o Alvinegro aos 71, igualando a melhor campanha da história dos pontos corridos com 20 clubes (em 2016). Além disso, os santistas abrem três de diferença para o Palmeiras na briga pela vice-liderança. A Chapecoense, rebaixada, segue em 19º.

O jogo

Vice-líder, o Santos ditou o ritmo contra a rebaixada Chapecoense desde o primeiro minuto. E o gol não demorou a sair. Evandro fez jogada individual e cruzou para Lucas Veríssimo abrir o placar aos sete jogados.

A vantagem fez o Peixe desacelerar. A equipe não sofreu maiores sustos, mas deixou de atacar como poderia, com certa “preguiça”.

Mesmo assim, Marinho (de fora da área) e Eduardo Sasha (após tabela com Carlos Sánchez) e ficaram perto de ampliar na Vila Belmiro.

O cenário da etapa inicial se repetiu. O Santos começou em cima e fez o segundo logo aos quatro minutos. Carlos Sánchez inverteu, Marinho chutou cruzado e Evandro desviou para marcar seu primeiro gol pelo Peixe.

O Alvinegro administrou o resultado e só teve uma chance clara, em falta perigosa batida por Sánchez. A Chape tentou, porém, esbarrou na falta de qualidade técnica. 2 a 0 tranquilo na Vila.

Bastidores – Santos TV:

Auxiliar elogia desempenho do Santos e despista sobre futuro de Sampaoli

O auxiliar de Jorge Desio comandou o Santos na ausência de Jorge Sampaoli por suspensão e gostou do desempenho na vitória por 2 a 0 sobre a Chapecoense neste domingo, na Vila Belmiro, pela 36ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O Peixe não teve sustos e fez um gol em cada tempo para abrir três pontos em relação ao Palmeiras na briga pela vice-liderança.

“Ocorreu o que Sampaoli falou entre os jogos (Fortaleza e Chapecoense). Jogadores se sentiram confortáveis com o que ele disse durante a semana. Trabalhamos, mas nada sensível, equipe se blindou e lutou até o último minuto. Mérito é deles, jogo travado, batalhado. Merecemos a vitória. Foi digno o da Chapecoense também”, disse Desio.

“Creio que o Santos fez uma partida muito boa. Eles estavam atrás, a forma que saiam é ter a bola com os zagueiros, sem arriscar. Cada vez que tentávamos um passe entrelinhas era fazer o seguro para não sofrer transições. Tivemos 70% da posse de bola, é algo bom. É difícil entrar contra muita gente atrás. Não perder a bola e entrar de forma segura foi o que a equipe pretendeu”, completou.

Algumas perguntas tentaram ganhar dicas sobre o futuro de Sampaoli. Desio, porém, fugiu de todas elas.

“Não sei, é pergunta para Sampaoli. Ele declarou que pensa no Santos até 8 de dezembro, último jogo, e que só responde ao Santos. Isso é bárbaro e o resto não sei, não ouvi nada. Nosso jogo acabou de acabar”, afirmou.

“Respondo o mesmo ao que disse sobre Sampaoli. Ele é o cabeça e toma decisões sobre esse tema. Ele disse que pensa no Santos agora, sempre manifestou que gosta do Brasil e se sente cômodo. Mais do que isso não posso dizer. São três pontos à frente do Palmeiras, restam dois jogos difíceis. Tratamos de somar o que se pode nos dois últimos jogos”, concluiu.

Evandro celebra fim de jejum pelo Santos: “Feliz que saiu”

Autor do gol que garantiu a vice-liderança para o Santos, Evandro ainda não tinha balançado as redes com a camiseta do Peixe. Contratado em julho, o meia já havia explicitado sua insatisfação com o jejum de quase um semestre. Na manhã desta segunda-feira, o jogador concedeu entrevista coletiva celebrou a marca deixada contra a Chapecoense.

“Acho que foi o meu melhor jogo pelo Santos. Estava ansioso. Eu tinha dito que nunca tinha ficado tanto tempo sem um gol. Mas sei que isso é normal, acontece com muitos jogadores. Ontem poderia não ter saído, mas não mudaria a minha maneira de treinar e nem de olhar o jogo. Estou feliz que saiu”, comentou.

Não bastasse ter ido às redes, o meio-campista foi responsável por servir o Lucas Veríssimo, que anotou o seu logo aos quatro minutos da primeira etapa. Muito confiante, Evandro falou sobre a parceria com o outro meia de criação santista, Carlos Sánchez.

“Estou muito feliz de estar jogando ao lado do Sánchez, mas é difícil falar que nós somos inquestionáveis. Precisamos ter paciência. E o que acontece no Brasil é exatamente o contrário. Já vimos isso várias vezes. Quando não encaixa em um jogo, no outro já muda. As coisas deveriam ser feitas com mais calma”, analisou.

Por fim, Evandro comentou explicou como funciona seu contrato com o Santos.

Meu contrata vai até julho, mas o Santos tem prioridade de estender até dezembro de 2020. No entanto, ainda não conversamos sobre isso”, finalizou.

Com 71 pontos somados, o Santos está na segunda colocação do Campeonato Brasileiro. O Peixe pode garantir essa posição se superar o Athletico-PR.


Fluminense 1 x 1 Santos

Data: 26/09/2019, terça-feira, 20h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 21ª rodada
Local: Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 11.032 pagantes
Renda: R$ 141.015,00
Árbitro: Wilton Pereira Sampaoli (GO)
Auxiliares: Fabricio Vilarinho da Silva (GO) e Guilherme Dias Camilo (MG).
VAR: Andre Luiz de Ferreira Castro (GO)
Cartões amarelos: Yuri Lima e Allan (F); Alison, Diego Pituca e Marinho (S).
Cartão vermelho: Digão (F, 26-2), Frazan (F, 47-2) e Marinho (S, 53-2).
Gols: Soteldo (39-1) e Lucas Veríssimo (47-1, contra).

FLUMINENSE
Muriel; Gilberto, Nino, Digão e Caio Henrique; Yuri Lima, Allan, Ganso (Daniel) e Nenê (Frazan); Yony (Wellington Nem) e João Pedro.
Técnico: Oswaldo de Oliveira

SANTOS
Everson; Lucas Veríssimo, Felipe Aguilar (Victor Ferraz) e Gustavo Henrique; Derlis González (Carlos Sánchez), Alison, Diego Pituca e Felipe Jonatan; Eduardo Sasha, Soteldo e Uribe (Marinho).
Técnico: Jorge Sampaoli



Santos fica com dois a mais no fim, mas só empata com o Fluminense em noite de briga de Oswaldo com Ganso

Fluminense e Santos empataram em 1 a 1 na noite desta quinta-feira, no Maracanã, pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro. Os gols foram marcados por Soteldo e Lucas Veríssimo (contra).

O Peixe teve um a mais na segunda metade da etapa final, após a expulsão de Digão, mas não conseguiu desempatar. A noite também contou com discussão áspera entre Oswaldo de Oliveira e Paulo Henrique Ganso. Substituído, o meia chamou o técnico de burro. A resposta foi “vagabundo”. A torcida ficou com o jogador e pediu a saída do treinador.

Com o empate em casa, o Fluminense sai da zona de rebaixamento e é o 16ª, com 19 pontos. O Santos segue em terceiro, com 38, a sete do Palmeiras e a 10 do Flamengo, cada vez mais longe da briga pelo título.

O jogo:

O Santos foi melhor durante a maior parte do primeiro tempo. O Peixe ficou perto de abrir o placar aos 10 minutos, quando Derlis González recebeu de Eduardo Sasha, não viu Uribe sozinho e finalizou em cima de Muriel. Aos 13, Felipe Jonatan invadiu a área, ganhou de Digão e também parou no goleiro do Fluminense.

Após a pressão inicial do Alvinegro, o Tricolor equilibrou as ações e assustou quando o placar marcava 25: Ganso viu Gilberto sozinho e o lateral-direito chutou torto.

E quando tudo parecia caminhar para o empate sem gols no intervalo, Soteldo apareceu. O camisa 10 recebeu pela esquerda, passou por Nino e Gilberto e deslocou Muriel. Um golaço no Maracanã.

O Fluminense sentiu o gol, a torcida passou a protestar e, mesmo assim, os donos da casa empataram. E num acaso. Derlis foi fominha no ataque, puxou o contra-ataque do rival e Nenê cruzou. Lucas Veríssimo cabeceou para trás e balançou as redes de Everson.

A etapa final começou morna e só teve emoção aos 17 minutos – e fora de campo. Ganso foi substituído para a entrada de Daniel e discutiu feio com Oswaldo de Oliveira. O meia chamou o técnico de “burro”. A resposta veio com “vagabundo”.

Aos 19, a primeira chance do Fluminense. Allan arriscou de longe e Everson espalmou para escanteio. E no minuto 26, uma boa notícia para o Santos: Digão deu um chute em Marinho e foi expulso após checagem no VAR.

O Peixe se lançou ao ataque e quase desempatou aos 33: Felipe Jonatan dribla Frazan e para novamente em Muriel, dessa vez com cavadinha na pequena área.

Aos 43, em escapada de Allan, o Tricolor quase virou. No minuto seguinte, Sasha recebeu passe de Sánchez e, livre, bateu por cima. Ainda deu tempo de Veríssimo cabecear para fora aos 46 e Frazan ser expulso aos 47. Marinho recebeu o segundo amarelo no último lance. No fim das contas, porém, o empate no Maracanã persistiu.

Auxiliar de Sampaoli vê ‘posição boa’ do Santos: “Felizes por entregar tudo”

O auxiliar Jorge Desio, responsável por dirigir o Santos contra o Fluminense por causa da suspensão de Jorge Sampaoli, minimizou o empate no Maracanã na noite desta quinta-feira, pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O Peixe venceu uma vez nos últimos oito compromissos, é terceiro colocado e está a 10 pontos do Flamengo. O argentino, porém, nega abatimento do elenco.

“Quando íamos primeiro não pensávamos no título, também não pensamos agora. É dia a dia e pensar no próximo rival. Estamos em terceiro, posição relativamente boa, mas temos que melhorar. E fizemos coisas boas que temos que voltar a fazer”, disse Jorge Desio.

“Não há crise. Quando termina o jogo sempre estamos felizes por entregar tudo na parte anímica, física. E depois temos sempre o que corrigir, até na vitória. Equipe está em posição boa, há coisa a melhorar e isso já ocorria quando éramos os primeiros”, completou o auxiliar.

Desio vê a necessidade de equilibrar a ânsia pelo resultado sem perder a organização tática. O auxiliar, porém, vê lado positivo nesse “amor próprio”.

“O resumo é esse. Santos começa bem e depois se desorganiza um pouco. Santos não ganha há alguns jogos, com ansiedade e um pouco de vontade em buscar o resultado, e acabamos um pouco desorganizados. Desorganização é fruto da busca pelo resultado positivo. Função é equilibrar isso. Temos ansiedade e amor próprio para buscar o resultado”, concluiu.

Gustavo Henrique vê falta de frieza e diz que má fase do Santos é “inexplicável”

Capitão do Santos, Gustavo Henrique não encontrou explicações para o empate do Santos em 1 a 1 com o Fluminense, no Maracanã, e a manutenção da má fase do Peixe no Campeonato Brasileiro: uma vitória nos últimos oito jogos.

O Alvinegro segue na terceira colocação, mas agora está a 10 pontos do Flamengo e cada vez mais distante da briga pelo título.

“É inexplicável. Não é o que queremos. Nos cobramos muito para voltar a ser o time das sete vitórias seguidas. Vamos continuar lutando. Explicação no futebol é complicado. Vamos até o final com a filosofia do nosso treinador”, disse Gustavo, ao Premiere.

“Difícil falar porque não entramos em campo para perder ou empatar. Desde a chegada do Sampaoli implantamos a filosofia dele. Tentamos fazer o máximo. Hoje faltou mais frieza para fazer o gol e trabalhar a bola. Soteldo estava bem e direto livre no um contra um, mas forçamos muito”, completou.


Santos 6 x 1 Goiás

Data: 04/08/2019, domingo, 11h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 13ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 13.462 pagantes
Renda: R$ 510.020,00
Árbitro: Rafael Traci (SC)
Auxiliares: Kleber Lucio Gil e Johnny Barros de Oliveira (ambos de SC).
VAR: Rodrigo D’alonso Ferreira (SC)
Cartões amarelos: Jorge, Soteldo e Uribe (S); Kevin, Yago, Marlone e Kayke (G).
Gols: Carlos Sánchez (08-1), Lucas Veríssimo (14-1) e Gustavo Henrique (36-1); Eduardo Sasha (06-2), Soteldo (26-2) e Soteldo (35-2) e Kayke (45-2).

SANTOS
Éverson; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique e Jorge; Diego Pituca, Carlos Sánchez e Felipe Jonatan (Evandro); Derlis González (Marinho), Soteldo e Eduardo Sasha (Uribe).
Técnico: Jorge Desio

GOIÁS
Tadeu; Kevin (Yago Rocha), Yago, Rafael Vaz e Jefferson; Geovane, Léo Sena e Marlone (Giovanni Augusto); Michael (Marcinho), Leandro Barcia e Kayke.
Técnico: Claudinei Oliveira



Santos amassa o Goiás na Vila Belmiro e garante liderança do Brasileirão

O Santos goleou o Goiás por 6 a 1 a manhã deste domingo, na Vila Belmiro, pela 13ª rodada do Campeonato Brasileiro. Os gols foram marcados por Carlos Sánchez, Lucas Veríssimo, Gustavo Henrique, Eduardo Sasha e Soteldo (2). O de honra foi de Kayke.

Com a vitória, o Peixe garantiu mais uma rodada na liderança, agora com 32 pontos, e jogou a pressão para o vice-líder Palmeiras. O rival enfrentará o Corinthians também neste domingo, às 19h (de Brasília), na arena em Itaquera. A vantagem atual é de cinco pontos.

O Alvinegro não sentiu a falta de Jorge Sampaoli, suspenso, e dominou os 90 minutos na Vila Belmiro. Diferentemente de outros compromissos, os donos da casa comandados pelo auxiliar Jorge Desio aproveitaram as chances criadas e pouco sofreram na defesa. Aos 14 minutos de jogo, já estava 2 a 0.

O jogo

O Santos amassou o Goiás durante todo o primeiro tempo. O cenário foi o mesmo por 46 minutos: o Peixe criando chances com facilidade; o Esmeraldino tentando, sem sucesso, contra-atacar.

O primeiro gol saiu logo aos 8 minutos, quando Soteldo passou como quis por Kevin e cruzou na entrada da área. Sánchez fez um golaço de voleio.

O segundo saiu na seguida, no minuto 14. Sánchez cobrou falta e Lucas Veríssimo cabeceou no primeiro pau. O gol foi validado depois da consulta no VAR.

Com 2 a 0 no placar, o Alvinegro seguiu em cima e teve oportunidades com Eduardo Sasha e Derlis González, mas o terceiro saiu de outro zagueiro: Gustavo Henrique. Victor Ferraz cruzou, Sasha acertou a trave e o defensor estufou a rede no rebote para encaminhar a vitória.

A situação foi a mesma na etapa final. E não demorou para virar goleada. Sánchez deu linda assistência para Eduardo Sasha passar por Tadeu e marcar o quarto do Santos, aos 6.

O Peixe, insaciável, seguiu em cima do Goiás e o quinto veio com Soteldo, em mais uma pintura na Vila Belmiro, no minuto 26. O camisa 10 aproveitou erro na saída da defesa, conduziu e chutou de fora da área, na lateral da rede. Tadeu nada pôde fazer.

E ainda cabia mais. Quando o placar marcava 35, Marinho arrancou em contra-ataque, contou com o erro na defesa do Goiás e só rolou para Soteldo marcar o segundo dele e o sexto do Santos.

Nos minutos finais, o Goiás torceu para o tempo acabar, fez cera e viu ola” e “olé” na Vila Belmiro, mas ainda fez o de honra, com Kayke, aos 45. Nada suficiente para abalar a atuação quase perfeita do Santos, líder do Campeonato Brasileiro.

Bastidores – Santos TV:

Auxiliar de Sampaoli destaca seriedade do Santos em goleada: “Jogamos até o fim”

Jorge Desio, auxiliar Jorge Sampaoli, destacou a seriedade do Santos na goleada de 6 a 1 sobre o Goiás neste domingo, na Vila Belmiro. O Peixe não teve o técnico, suspenso, na área técnica.

O Alvinegro atacou durante os 90 minutos e parecia a todo momento precisar desesperadamente do gol. A manutenção da intensidade foi um dos pedidos da comissão técnica no intervalo.

“Eu creio que se pode fazer em alguns aspectos, como motivar, nunca se dar por vencido, alta intensidade em todos os minutos. Tivemos um bom jogo, falamos sobre nunca diminuir a intensidade no intervalo. Jogamos até o fim e eles também, descontaram nos acréscimos. Jogadores jogaram como pedimos, concentrados, sérios, fazendo o que planejamos durante a semana”, disse Jorge Desio, em entrevista coletiva.

Desio também comentou sobre o desafio de ver o Santos com essa intensidade também quando o momento não for positivo como o atual.

“Creio que viver os 90 minutos com concentração e manter a intensidade é bom para o Santos e qualquer equipe. É o que o treinador sempre busca. Não quero que interpretem mal, Santos está em posição boa e nós estamos motivados. Temos que fazer essa crença aumentar, que os jogadores participem, peçam a bola… Desafio é ter a mesma aderência se não estivermos nesse bom momento. Que jogadores vivam os 90 minutos com intensidade mesmo que o momento não seja bom”, avaliou.

O Santos abriu cinco pontos de vantagem para o Palmeiras na liderança do Campeonato Brasileiro e aguarda pelo clássico do rival contra o Corinthians, também neste domingo, às 19h (de Brasília), em Itaquera.

Exigente, Marinho cita intensidade e grupo unido no Santos

Líder do Campeonato Brasileiro, o Santos teve um grande desempenho na manhã deste domingo e venceu o Goiás na Vila Belmiro por 6 a 1. No entanto, mesmo com a goleada, o atacante Marinho fez questão de dizer que a partida não foi fácil.

Na saída do gramado, o jogador exaltou a importância da torcida e da união do grupo santista, e destacou sobretudo a entrega da equipe dentro de campo.

“A torcida tem comprado nossa briga. O momento é de união no grupo. Temos criado isso no nosso dia a dia. O resultado foi largo, mas não quer dizer que foi fácil. Fizemos valer nossa força dentro de campo”, disse, em entrevista ao Premiere.

Exigente, Marinho ainda disse que a equipe demorou a acordar, e lembrou da intensidade que o técnico Jorge Sampaoli pede aos jogadores.

“É o que ele (Sampaoli) pede (intensidade). Assim que treinamos e assim que jogamos. Demoramos um pouco para acordar no segundo tempo, mas conseguirmos fazer um resultado bom”, completou.

Lucas Veríssimo fala sobre chegada de Luan e diz ter certeza do Santos na briga pelo título

O zagueiro Lucas Veríssimo, autor de um dos gols na vitória do Santos por 6 a 1 sobre o Goiás neste domingo, na Vila Belmiro, tem a certeza da briga pelo título.

Após 13 rodadas, o Peixe tem 32 pontos, cinco pontos à frente do Palmeiras. O rival enfrentará o Corinthians também neste domingo, às 19h, em Itaquera.

“Tenho certeza que no final vamos brigar pelo título. Passo a passo, jogo a jogo, temos de reservar nossas forças no Brasileiro. É dar a vida, dar o 100% que vamos brigar”, disse Veríssimo.

O defensor também comentou sobre a chegada de Luan Peres, mais um jogador para a defesa, e destacou a possibilidade de ser lateral-direito.

“Estou satisfeito, tem zagueiros bons, o Luan chegou e vai ajudar. A gente vai jogar junto, brigar junto para conquistar o título. Eu treino na lateral também, hoje quem fez foi o Jorge (função de centra-lateral). Se ele precisar, também vou ajudar”, concluiu.