Navegando Posts marcados como Maracanã

Fluminense 1 x 1 Santos

Data: 26/09/2019, terça-feira, 20h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 21ª rodada
Local: Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 11.032 pagantes
Renda: R$ 141.015,00
Árbitro: Wilton Pereira Sampaoli (GO)
Auxiliares: Fabricio Vilarinho da Silva (GO) e Guilherme Dias Camilo (MG).
VAR: Andre Luiz de Ferreira Castro (GO)
Cartões amarelos: Yuri Lima e Allan (F); Alison, Diego Pituca e Marinho (S).
Cartão vermelho: Digão (F, 26-2), Frazan (F, 47-2) e Marinho (S, 53-2).
Gols: Soteldo (39-1) e Lucas Veríssimo (47-1, contra).

FLUMINENSE
Muriel; Gilberto, Nino, Digão e Caio Henrique; Yuri Lima, Allan, Ganso (Daniel) e Nenê (Frazan); Yony (Wellington Nem) e João Pedro.
Técnico: Oswaldo de Oliveira

SANTOS
Everson; Lucas Veríssimo, Felipe Aguilar (Victor Ferraz) e Gustavo Henrique; Derlis González (Carlos Sánchez), Alison, Diego Pituca e Felipe Jonatan; Eduardo Sasha, Soteldo e Uribe (Marinho).
Técnico: Jorge Sampaoli



Santos fica com dois a mais no fim, mas só empata com o Fluminense em noite de briga de Oswaldo com Ganso

Fluminense e Santos empataram em 1 a 1 na noite desta quinta-feira, no Maracanã, pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro. Os gols foram marcados por Soteldo e Lucas Veríssimo (contra).

O Peixe teve um a mais na segunda metade da etapa final, após a expulsão de Digão, mas não conseguiu desempatar. A noite também contou com discussão áspera entre Oswaldo de Oliveira e Paulo Henrique Ganso. Substituído, o meia chamou o técnico de burro. A resposta foi “vagabundo”. A torcida ficou com o jogador e pediu a saída do treinador.

Com o empate em casa, o Fluminense sai da zona de rebaixamento e é o 16ª, com 19 pontos. O Santos segue em terceiro, com 38, a sete do Palmeiras e a 10 do Flamengo, cada vez mais longe da briga pelo título.

O jogo:

O Santos foi melhor durante a maior parte do primeiro tempo. O Peixe ficou perto de abrir o placar aos 10 minutos, quando Derlis González recebeu de Eduardo Sasha, não viu Uribe sozinho e finalizou em cima de Muriel. Aos 13, Felipe Jonatan invadiu a área, ganhou de Digão e também parou no goleiro do Fluminense.

Após a pressão inicial do Alvinegro, o Tricolor equilibrou as ações e assustou quando o placar marcava 25: Ganso viu Gilberto sozinho e o lateral-direito chutou torto.

E quando tudo parecia caminhar para o empate sem gols no intervalo, Soteldo apareceu. O camisa 10 recebeu pela esquerda, passou por Nino e Gilberto e deslocou Muriel. Um golaço no Maracanã.

O Fluminense sentiu o gol, a torcida passou a protestar e, mesmo assim, os donos da casa empataram. E num acaso. Derlis foi fominha no ataque, puxou o contra-ataque do rival e Nenê cruzou. Lucas Veríssimo cabeceou para trás e balançou as redes de Everson.

A etapa final começou morna e só teve emoção aos 17 minutos – e fora de campo. Ganso foi substituído para a entrada de Daniel e discutiu feio com Oswaldo de Oliveira. O meia chamou o técnico de “burro”. A resposta veio com “vagabundo”.

Aos 19, a primeira chance do Fluminense. Allan arriscou de longe e Everson espalmou para escanteio. E no minuto 26, uma boa notícia para o Santos: Digão deu um chute em Marinho e foi expulso após checagem no VAR.

O Peixe se lançou ao ataque e quase desempatou aos 33: Felipe Jonatan dribla Frazan e para novamente em Muriel, dessa vez com cavadinha na pequena área.

Aos 43, em escapada de Allan, o Tricolor quase virou. No minuto seguinte, Sasha recebeu passe de Sánchez e, livre, bateu por cima. Ainda deu tempo de Veríssimo cabecear para fora aos 46 e Frazan ser expulso aos 47. Marinho recebeu o segundo amarelo no último lance. No fim das contas, porém, o empate no Maracanã persistiu.

Auxiliar de Sampaoli vê ‘posição boa’ do Santos: “Felizes por entregar tudo”

O auxiliar Jorge Desio, responsável por dirigir o Santos contra o Fluminense por causa da suspensão de Jorge Sampaoli, minimizou o empate no Maracanã na noite desta quinta-feira, pela 21ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O Peixe venceu uma vez nos últimos oito compromissos, é terceiro colocado e está a 10 pontos do Flamengo. O argentino, porém, nega abatimento do elenco.

“Quando íamos primeiro não pensávamos no título, também não pensamos agora. É dia a dia e pensar no próximo rival. Estamos em terceiro, posição relativamente boa, mas temos que melhorar. E fizemos coisas boas que temos que voltar a fazer”, disse Jorge Desio.

“Não há crise. Quando termina o jogo sempre estamos felizes por entregar tudo na parte anímica, física. E depois temos sempre o que corrigir, até na vitória. Equipe está em posição boa, há coisa a melhorar e isso já ocorria quando éramos os primeiros”, completou o auxiliar.

Desio vê a necessidade de equilibrar a ânsia pelo resultado sem perder a organização tática. O auxiliar, porém, vê lado positivo nesse “amor próprio”.

“O resumo é esse. Santos começa bem e depois se desorganiza um pouco. Santos não ganha há alguns jogos, com ansiedade e um pouco de vontade em buscar o resultado, e acabamos um pouco desorganizados. Desorganização é fruto da busca pelo resultado positivo. Função é equilibrar isso. Temos ansiedade e amor próprio para buscar o resultado”, concluiu.

Gustavo Henrique vê falta de frieza e diz que má fase do Santos é “inexplicável”

Capitão do Santos, Gustavo Henrique não encontrou explicações para o empate do Santos em 1 a 1 com o Fluminense, no Maracanã, e a manutenção da má fase do Peixe no Campeonato Brasileiro: uma vitória nos últimos oito jogos.

O Alvinegro segue na terceira colocação, mas agora está a 10 pontos do Flamengo e cada vez mais distante da briga pelo título.

“É inexplicável. Não é o que queremos. Nos cobramos muito para voltar a ser o time das sete vitórias seguidas. Vamos continuar lutando. Explicação no futebol é complicado. Vamos até o final com a filosofia do nosso treinador”, disse Gustavo, ao Premiere.

“Difícil falar porque não entramos em campo para perder ou empatar. Desde a chegada do Sampaoli implantamos a filosofia dele. Tentamos fazer o máximo. Hoje faltou mais frieza para fazer o gol e trabalhar a bola. Soteldo estava bem e direto livre no um contra um, mas forçamos muito”, completou.


Flamengo 1 x 0 Santos

Data: 14/09/2019, sábado, 17h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1º turno – 19ª rodada – (última)
Local: Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 62.510 pagantes (68.243 total)
Renda: R$ 3.328.050,95
Árbitro: Braulio da Silva Machado (SC)
Auxiliares: Kleber Lucio Gil e Henrique Neu Ribeiro (ambos de SC).
VAR: Rafael Traci (SC)
Cartões amarelos: Gustavo Henrique, Lucas Veríssimo, Marinho, Jorge Sampaoli, Cueva e Soteldo (S); Gabriel, Bruno Henrique e Jorge Jesus (F).
Gol: Gabriel (43-1).

FLAMENGO
Diego Alves; Rafinha, Rodrigo Caio, Pablo Marí e Filipe Luis (Renê); Willian Arão, Gerson, Éverton Ribeiro e Arrascaeta (Berrio); Bruno Henrique e Gabriel.
Técnico: Jorge Jesus

SANTOS
Everson; Lucas Veríssimo, Lucas Peres (Uribe) e Gustavo Henrique; Victor Ferraz, Alison, Carlos Sánchez (Felipe Jonatan) e Jorge; Marinho, Eduardo Sasha (Cueva) e Soteldo.
Técnico: Jorge Sampaoli



Santos sofre com Gabigol e Flamengo disparara na ponta do Brasileirão

Gabriel Barbosa ganhou o apelido de Gabigol ainda nas categorias de base do Santos. Na tarde/noite desse sábado, o atacante colocou toda sua categoria em prática para reforçar a fama de matador justamente contra o clube que o criou para o futebol.

Com uma batida cavada, de fora da área, a la Ronaldo Fenômeno contra o mesmo Santos, o artilheiro do Campeonato Brasileiro encobriu Everson, chegou a 16 gols na competição – 30 no ano – e garantiu a vitória do Flamengo por 1 a 0 frente a 68.243 pessoas no estádio do Maracanã.

O triunfo também deu ao Rubro-Negro o título simbólico do primeiro turno. Com 42 pontos, os cariocas deixaram o Santos para trás, agora estacionados com 37 pontos depois de 19 rodadas e com a segunda colocação a perigo.

No próximo sábado, o líder do Brasileirão visita o Cruzeiro, no Mineirão, às 17h (de Brasília), enquanto os santistas recebem o Grêmio na Vila Belmiro no mesmo dia, mas às 21 horas.

O triunfo flamenguista nesse sábado saiu de um confronto marcado pelo equilíbrio. A etapa inicial teve os donos da casa com mais posse de bola, mas os visitantes com contra-ataques perigosos. Em oportunidades claras de gol, porém, os dois ficaram devendo.

O intervalo se aproximava quando Sasha deu a bola de presente para Éverton Ribeiro ainda no meio de campo. O meia rapidamente ligou Gabriel na ponta direita. Sem muita companhia e com Gustavo Henrique na marcação, o camisa 9 limpou para a canhota e bateu por cima de Everson, que estava adiantado no lance. Caprichosamente, a bola ainda tocou o travessão antes de balançar as redes.

“É uma vergonha tomar um gol desse. A gente tem que ter mais atenção no jogo”, cobrou o lateral Jorge, logo após acusar seu xará, técnico do Flamengo de lhe ter dado tapas no rosto. O princípio de confusão foi resolvido na sequência, com Jorge Jesus se desculpando e explicando que não teve má intenção.

Com os ânimos quentes, mas sem exageros dessa vez, o segundo tempo teve cartões para os dois técnicos gringos, muitas substituições, mas pouco a se falar sobre lances de gol. Uma jogada de futsal de Bruno Henrique em cima de Victor Ferraz e que acabou com a defesa de Everson foi o máximo que se viu de brilho nesse sentido.

O último apito do árbitro surgiu para pôr fim ao jogo e dar de vez a liberação para uma enorme festa dos flamenguistas, tanto dentro quanto fora de campo. O Santos, restou lamentação pelo resultado negativo em uma das ‘finais’ do Campeonato Brasileiro.

Everson atribui gol por cobertura a estilo de jogo do Santos

Everson levou um dos gols mais bonitos do Campeonato Brasileiro nesse sábado. Adiantado, o goleiro do Santos foi surpreendido por Gabigol, que de fora da área encobriu o arqueiro e, assim, deu a vitória ao Flamengo no Maracanã.

Famoso pela capacidade em jogar com os pés, Everson reconheceu que poderia defender o arremate, caso estivesse posicionado sem se preocupar em ter de sair.

“Se eu tivesse debaixo do gol, com certeza seria defensável, mas temos um estilo de jogo. Eu tenho que jogar adiantado pelo nosso estilo de jogo, tinha um jogador deles fazendo o facão e que poderia receber (a bola), mas se eu tivesse debaixo do gol seria defensável, sim. Mas mérito do Gabigol”, disse, ao Premiere, na saída do campo.

“Agora é colocar as coisas no lugar, sabíamos que seria difícil aqui, tomamos um gol no detalhe, viemos de dois empates na Vila, sabemos que somos fortes na Vila, nada melhor que descansar e voltar à Vila contra o Grêmio para retomar as vitórias”, concluiu, já projetando a próxima rodada do Campeonato Brasileiro.

Jorge Sampaoli aprova atitude do Santos em derrota para o Flamengo

O técnico do Santos concedeu uma tranquila entrevista coletiva após perder para o Flamengo em um confronto direto na briga pelo título do Campeonato Brasileiro. A postura do treinador argentino teve total relação com o que a equipe alvinegra apresentou no Maracanã, apesar da derrota.

“Enfrentamos um rival com muita moral, fora de casa. Não nos apequenamos, não tivemos medo, tentamos jogar. Competimos de maneira intensa. A forma que a equipe se portou me deixa tranquilo. Existem formas de perder, mas a de hoje não me preocupa. Santos perdeu o jogo, mas não perdeu sua identidade”, analisou, reforçando a tese de que o Peixe não teve um resultado melhor no Rio de Janeiro por causa do poder de decisão individual.

“Diante da igualdade que se deu hoje, apareceu um jogador que fez um gol que ninguém esperava. Foi muito equilibrado. Existem individualidades que resolvem, não tínhamos muito o que fazer. Nosso time foi valente, não teve medo. Fizemos o que correspondia. Faltou mais pensar na última jogada para tentar um resultado melhor. Viemos buscar a ponta do campeonato e não conseguimos. Foi um jogo igual contra uma equipe que vive um grande momento”, concluiu.

Capitão do Santos já projeta reencontro com Flamengo: “Na Vila o bicho pega”

O Santos saiu de campo derrota pelo Flamengo nesse sábado. O revés causou um distanciamento da liderança justamente na última rodada do primeiro turno. Ainda assim, o capitão santista, Victor Ferraz, preferiu enxergar o lado positivo que o confronto direto apresentou para os paulistas no Maracanã.

“Foi um grande jogo. Eles jogaram muito bem, estão confiantes, com ritmo forte. A gente veio com a proposta de atacar bastante também, pode ver que eles não tiveram muitas chances claras, foi um jogo parelho, de líderes”, analisou o lateral, ao Premiere.

“A gente sai chateado, porque queria ganhar, mas vamos melhorar. Claro que nosso objetivo era acabar (o primeiro turno) em primeiro. Deixamos alguns ‘pontos ganhos’, mas foi um grande primeiro turno e o torcedor pode ficar tranquilo, porque vamos fazer um grande segundo turno e, quem sabe, a gente não pode encontrar o Flamengo na última rodada de novo, e a gente sabe que lá na Vila o bicho pega também”, avisou.

Santos faz melhor turno no Campeonato Brasileiro desde 2016

Com a derrota para o Flamengo, o Santos não conseguiu terminar a primeira metade do Campeonato Brasileiro na liderança. No entanto, o clube ainda alcançou uma marca importante. Com 37 pontos conquistados nas 19 rodadas iniciais, este foi o melhor turno do Peixe desde o Brasileirão de 2016, vencido pelo Palmeiras.

Na ocasião, o Alvinegro Praiano somou 38 pontos no segundo turno da competição, em campanha que culminou no vice-campeonato. Em relação apenas à pontuação do primeiro turno, o desempenho do Santos é o melhor desde 2004, quando a equipe conseguiu 41 pontos. No entanto, o Brasileirão da época era composto por 24 times na primeira divisão, com 23 rodadas por turno.

Desse modo, o aproveitamento nas 19 rodadas iniciais do Campeonato Brasileiro de 2019 é o melhor do Peixe na primeira metade da competição em toda a história dos pontos corridos. Com 64,91% de eficiência, a equipe comandada por Jorge Sampaoli ultrapassou os 59,42% de 2004 e os 63,76% de 2003, quando o Alvinegro Praiano fez 44 pontos nas 23 primeiras rodadas.


Flamengo 1 x 0 Santos

Data: 15/11/2018, quinta-feira, 17h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 34ª rodada
Local: Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 46.067
Renda: R$ 1.136.024
Árbitro: Paulo Roberto Alves Junior (PR)
Auxiliares: Luciano Roggenbaun e Luiz H Souza Santos Renesto
Cartões amarelos: Rodinei (F); Yuri, Alison, Gabriel, Jean Mota e Gustavo Henrique (S).
Gol: Henrique Dourado (27-2).

FLAMENGO
César, Rodinei, Réver, Léo Duarte e Pará; Cuellar, Rômulo (Jean Lucas), Diego e Everton Ribeiro; Vitinho (Berrío) e Uribe (Henrique Dourado).
Técnico: Dorival Júnior

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Yuri, Gustavo Henrique e Dodô (Renato); Alison (Eduardo Sasha), Pituca e Arthur Gomes (Jean Mota); Rodrygo, Bruno Henrique e Gabriel.
Técnico: Cuca



Gabigol vacila, e Santos perde para o Flamengo no Maracanã

O Flamengo venceu o Santos por 1 a 0 na tarde desta quinta-feira, no Maracanã, pela 34ª rodada do Campeonato Brasileiro. O gol foi marcado por Henrique Dourado, ex-Peixe, no segundo tempo.

O maior “vilão” foi Gabigol. Pouco antes do Rubro-Negro abrir o placar, Gabigol vacilou ao desperdiçar chance incrível na pequena área para defesa de César. E no fim, aos 43, o camisa 10 teve pênalti defendido pelo goleiro flamenguista.

Com a vitória, o Flamengo ainda sonha com o título. Os cariocas pulam para a segunda colocação, com 63 pontos, sete atrás do Palmeiras, a quatro rodadas do fim. O Peixe estaciona nos 46 depois de três derrotas seguidas e agora é o nono, mais longe da Libertadores de 2019.

O jogo

O cenário do primeiro minuto foi o mesmo do último: Flamengo com a posse de bola e o controle do jogo. O Santos todo no campo de defesa, à espera do contra-ataque.

O Rubro-Negro, porém, não conseguiu infiltrar na defesa do Peixe e só levou perigo em finalizações de fora da área, principalmente com Vitinho e Diego. O Alvinegro não encaixou um bom contra-ataque sequer.

Antes da bola rolar, o técnico Cuca falou sobre a expectativa de um “jogão”. Na prática, a etapa inicial deu sono.

O segundo tempo foi diferente. Sem Arthur Gomes e com Jean Mota no meio-campo, o Santos passou a ser mais organizado, com maior participação no campo de ataque.

O Peixe foi ganhando campo, “gostando do jogo” e teve a melhor chance da partida aos 20. Diego Pituca encontrou Bruno Henrique livre pela esquerda, o atacante cruzou bem e Gabigol, sozinho na pequena área, chutou em cima do goleiro César.

E, na sequência, duas máximas do futebol entraram em ação: “o quem não faz toma” e a “Lei do Ex”. O Flamengo aproveitou a primeira grande oportunidade, quando Diego quebrou o sistema defensivo com lançamento para Berrío aos 27. Jean Mota e Victor Ferraz cochilaram antes de Henrique Dourado, ex-Santos, abrir o placar.

E aos 43, Gabigol teve a chance de se redimir. O atacante sofreu e bateu pênalti, mas parou no goleiro César. O Flamengo venceu o Santos em dia ruim do artilheiro do Campeonato Brasileiro.

Gabigol minimiza erros em derrota do Santos: “Joguei bem”

Gabigol minimizou seus erros decisivos para a derrota do Santos por 1 a 0 para o Flamengo neste sábado, no Maracanã, pela 34ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Mesmo com uma chance clara na pequena área e um pênalti desperdiçados, o camisa 10 entende que fez um bom jogo.

“Ao meu ver joguei bem, tentei ajudar meus companheiros. Infelizmente a bola não entrou, tem dias que não entra. Bati como sempre treino (o pênalti), há mérito dos dois lados”, disse Gabigol, ao Premiere.

O artilheiro do Campeonato Brasileiro não vê a Libertadores de 2019 mais distante, mesmo com o Santos perdendo três jogos consecutivos e agora na nona colocação.

“Creio eu que não (ficou mais difícil a Libertadores), temos quatro jogos. Podemos e temos totais condições de vencer dentro e fora de casa. Temos jogo muito perto no domingo. É descansar e trabalhar bem para conseguir a vitória”, completou.

Cuca valoriza atuação do Santos em derrota e mira “quatro decisões”

O técnico Cuca gostou da atuação do Santos, principalmente no segundo tempo da derrota por 1 a 0 para o Flamengo, neste sábado, no Maracanã, pela 34ª rodada do Campeonato Brasileiro.

Cuca diz que o tropeço serve de aprendizado e tira a responsabilidade de Gabigol – o artilheiro perdeu chance clara e um pênalti no segundo tempo.

“Tem 12 meninos (relacionados) e jogaram seis, sete. É um aprendizado em jogo decisivo. Dos males, pelo menos tirar lição do que aconteceu. Que sirva de aprendizado e experiência. Jogaram muito bem mesmo na derrota, controlaram no segundo tempo, mas infelizmente perdemos as chances. No fundo, se torcedor ver atuação com meia dúzia da base, estarão satisfeitos”, disse Cuca, em entrevista coletiva.

“Não é ele (Gabigol) o culpado, somos nós. Nessa hora temos que entender que o jogador não perde pênalti porque quer, nem o gol antes, tão fácil quanto o pênalti pela distância. Hoje não era o dia dele, tem que levantar a cabeça e trabalhar ainda mais para dar a volta por cima. Não é todo dia que vai ser fácil, fazer gol… Hora ruim vem, agora é a hora do grande homem e goleador. Se preparar ainda melhor e terminar o ano goleador, fazendo gols que precisamos para ir à Libertadores. Que sirva de aprendizado”, completou.

Cuca agora mira os próximos quatro jogos do Brasileirão em busca da vaga na Libertadores da América em 2019.

“Quero muito classificar. Jogamos bem contra o Palmeiras e perdemos, assim como hoje, e no detalhe também. Poderíamos ter empatado ou vencido, mas temos quatro jogos e não penso em qualquer coisa a não ser ganhar domingo. Depois fazer quarta e sábado com tudo que pudermos em casa. Depois levar as coisas para Recife (contra o Sport), não sei se vai ter se salvado ou não. São quatro decisões e vamos tentar de tudo pelo objetivo. Para quem estava em 17º, estar em oitavo não é de todo ruim. Ruim é chegar no 17º”, concluiu.

Caso perca para o América-MG, Santos pode ter pior sequência de derrotas no ano

O Santos vive momento complicado no Campeonato Brasileiro. Mesmo ocupando a nona colocação, com 46 pontos, e a apenas quatro pontos do Atlético-MG, primeira equipe na zona de classificação para a Libertadores, o clube foi derrotado nas últimas três partidas, algo inédito na temporada. Caso perca novamente no final de semana, para o América-MG, o Peixe irá conhecer o quarto revés consecutivo. Pior marca no ano.

Depois de perder por 3 a 2 para o Palmeiras, no Allianz Parque, o clube da Baixada Santista foi derrotado para a Chapecoense pelo placar de 1 a 0, no Pacaembu, e, na última rodada, por 1 a 0 para o Flamengo, no Maracanã.

Mesmo quando viveu um jejum de cinco partidas sem vitória, com o técnico Jair Ventura, o Peixe não foi derrotado tantas vezes de forma consecutiva. Naquela ocasião, o Santos perdeu para o Luverdense e São Paulo, empatou com o Real Garcilaso, e voltou a ser derrotado pelo Cruzeiro e Atlético-PR.

Para não se distanciar do G6 e atingir o pior retrospecto negativo no ano, os comandos do técnico Cuca terão a missão de vencer o América-MG, fora de casa.


Vasco 0 x 3 Santos

Data: 01/09/2018, sábado, 19h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 22ª rodada
Local: Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 33.646 presentes
Renda: R$ 871.670,00
Árbitro: Braulio da Silva Machado (SC)
Auxiliares: Kléber Lúcio Gil e Henrique Neu Ribeiro (ambos de SC).
Cartões amarelos: Maxi Lopez (V) e Dodô (S).
Gols: Gabriel (04-1); Gabriel (21-2) e Gabriel (36-2).

VASCO
Martín Silva; Lenon, Luiz Gustavo, Bruno Silva e Henrique; Andrey (Andrés Rios), Yago Pikachu, Raul e Wágner; Kelvin (Thiago Galhardo) e Maxi López.
Técnico: Alberto Valentim

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Robson Bambu, Gustavo Henrique e Dodô; Alison, Diego Pituca e Carlos Sánchez (Jean Mota); Eduardo Sasha (Derlis González), Rodrygo (Copete) e Gabriel.
Técnico: Cuca



Com três de Gabriel, Santos bate Vasco e foge do grupo da degola

Com Gabriel inspirado, o Santos alcançou sua terceira vitória consecutiva no Campeonato Brasileiro na noite deste sábado. No Estádio do Maracanã, o time comandado pelo técnico Cuca contou com gols do atacante para ganhar do Vasco por 3 a 0 e se distanciar da zona de rebaixamento.

Com 27 pontos ganhos, o Santos dorme na nona colocação do torneio nacional. Já o Vasco fica com os mesmos 24 pontos, no 16º posto. A Chapecoense, primeiro integrante da zona de rebaixamento, tem 21 pontos e ainda recebe o Palmeiras neste domingo.

O jogo

O Santos saiu na frente logo aos 4 minutos do primeiro tempo. Em uma boa trama pelo lado esquerdo do campo de ataque, Dodô recebeu de Rodrygo e cruzou rasteiro. Da entrada da área, sem ser incomodado pela marcação, Gabriel completou para o gol com precisão.

Após sofrer o logo no início, o Vasco conseguiu equilibrar as ações e chegou a ditar o ritmo da partida durante algum tempo, mas não conseguiu criar chances de gol. Na tentativa de confundir a marcação santista, o técnico Alberto Valentim trocou Pikachu e Kelvin de lado, sem sucesso.

Após um primeiro tempo de poucas emoções e raras chances de gol no Estádio do Maracanã, sem muito trabalho para o goleiro Vanderlei, a torcida local vaiou o Vasco. Nos instantes finais da etapa inicial, Gabriel e Bruno Silva se estranharam no gramado.

O Santos voltou aceso para o segundo tempo e quase ampliou logo aos 5 minutos da etapa complementar. Em um contra-ataque, Sanchez tocou para Gabriel e recebeu de volta. O uruguaio cabeceou e viu a bola caprichosamente tocar do lado de dentro da trave de Martin Silva.

O time visitante aumentou sua vantagem no marcador aos 21 minutos do primeiro tempo, desta vez em uma descida pelo lado direito. Sanchez recebeu de Victor Ferraz na linha de fundo e cruzou na medida para Gabriel, novamente sozinho, completar com categoria.

Aos 36 minutos, o paraguaio Derlis Gonzalez desceu pela direita e cruzou rasteiro para Gabriel igualar Pedro, do Fluminense, como artilheiro do Brasileiro com 10 gols . No recomeço do jogo, o atacante aproveitou uma falha de Luiz Gustavo e quase aumentou. Com mais de 33 mil torcedores no Maracanã, o Vasco acabou novamente vaiado.

Bastidores – Santos TV:

Cuca vê “grande partida” do Santos e já visualiza Libertadores

A vitória sobre o Vasco, alcançada na noite deste sábado, deixou o técnico Cuca satisfeito no Estádio do Maracanã. Com o terceiro triunfo consecutivo pelo Campeonato Brasileiro, o comandante santista começa a vislumbrar a possibilidade de brigar por uma vaga na Copa Libertadores.

“O time está de parabéns pelo jogo e pela maneira que venceu, sem correr muitos riscos e aproveitando as oportunidades”, afirmou. “Foi uma grande partida. Especialmente no segundo tempo, um jogo perfeito. Fomos precisos, a dupla de zaga fez um trabalho precioso”, acrescentou.

Com 27 pontos ganhos em 21 partidas, o Santos dorme na nona colocação do Campeonato Brasileiro. Atualmente, com 35 pontos, o Atlético-MG figura no sexto lugar, o último entre os classificados para a seletiva da próxima edição da Copa Libertadores.

“Hoje, você já consegue visualizar a Libertadores. Estamos a três pontos de Cruzeiro e Corinthians. Com um jogo a menos, podemos alcançar. Vamos evoluir ainda, mas temos que estar atentos também à zona de rebaixamento, porque, se você relaxar, daqui a pouco estão querendo pegar seu calcanhar”, ponderou Cuca.

Pela 23ª rodada do Campeonato Brasileiro, às 19 horas (de Brasília) desta quinta-feira, o Santos volta a campo para enfrentar o Grêmio, no Estádio do Pacaembu. Diante do adversário gaúcho, um dos envolvidos na briga pelo G4, o time dirigido por Cuca buscará a quarta vitória seguida no torneio nacional.

“A equipe está encorpando, melhorando jogo a jogo. Pegando mais confiança e padrão. As coisas tendem a melhorar até o final do ano. Tomara que a gente consiga nosso objetivo, que é uma vaga na Libertadores para, no ano que, vem fazer um torneio melhor do que nesse ano”, reiterou o treinador.

Após 10 jogos em um mês, Cuca valoriza tempo para trabalhar

O primeiro mês do técnico Cuca no comando do Santos foi intenso. Após uma sequência de 10 partidas em apenas 30 dias, o treinador lamenta as quedas na Copa do Brasil e na Copa Libertadores, mas valoriza a possibilidade de enfim ganhar tempo para trabalhar sua equipe.

“Fecho meu primeiro mês no comando do Santos com 10 jogos. É muita coisa. Ainda não trabalhei. Meu trabalho vai começar depois do jogo contra o Paraná. Terei uma semana para começar a trabalhar melhor a parte tática, as jogadas, a defesa, a criação ofensiva. Sinto que temos coisas a evoluir”, enumerou.

Sob o comando de Cuca, o time antes treinado por Jair Ventura melhorou significativamente, apesar das duas eliminações. Com três vitórias consecutivas no Campeonato Brasileiro, o Santos se distanciou da zona de rebaixamento e passou a sonhar com a Copa Libertadores.

“Nos últimos seis jogos, tomamos um gol e não perdemos. Então, as coisas vêm encaixando bem e estamos pegando corpo. Lamentamos estar fora da Copa do Brasil e da Libertadores, porque, quando você pega corpo, acaba virando candidato ao título”, ponderou Cuca.

“Agora, temos 17 partidas do Brasileiro para trabalhar bem e evoluir. O jogador vai estar mais descansado, não temos um elenco grande. Então, se Deus quiser, poderemos terminar o Brasileiro de uma forma honrosa, de acordo com o que o Santos merece”, projetou.

Artilheiro, Gabriel guarda bola e celebra primeiros gols no Maracanã

Embalado por três gols de Gabriel, o Santos bateu o Vasco na tarde deste sábado e ganhou fôlego na luta para se distanciar da zona de rebaixamento do Campeonato Brasileiro. Com a bola do jogo nas mãos, o atacante celebrou seus primeiros tentos no Maracanã.

Logo no começo da partida, Dodô recebeu na esquerda e cruzou para Gabriel finalizar da entrada da área. No segundo tempo, após receber passe de Sanchez da direita, ele aumentou. O terceiro veio com uma assistência de Derlis Gonzalez, em mais uma jogada pela direita.

“Com certeza, é uma noite especial. Na quinta-feira, fiz 22 anos e confesso que meu pedido era a vitória com gols, porque nunca tinha marcado no Maracanã”, contou Gabriel ao Sportv, segurando a bola do jogo. “Com três gols, levo sempre para a casa”, sorriu.

Após balançar as redes do mítico estádio de forma inédita, Gabriel chegou aos 10 gols e igualou Pedro, do Fluminense, na artilharia do Campeonato Brasileiro. Com a atuação de gala, o atacante honrou a tatuagem do Maracanã que traz na perna, em alusão aos Jogos do Rio de Janeiro 2016.

“Já tinha sido campeão olímpico aqui e o Maracanã é algo especial para mim. Tenho tatuado na minha perna. Então, conseguir essa vitória com três gols é muito importante. Só tenho que agradecer a Deus, aos meus companheiros e minha família”, celebrou.

Santos evolui com Cuca e já soma cinco partidas sem sofrer gols

Contratado para suceder Jair Ventura, Cuca tem apenas um mês de trabalho no comando do Santos, mas já conseguiu melhorar o time de maneira significativa. Uma das marcas da equipe atual, que não sofre gols há cinco partidas consecutivas, é a solidez defensiva.

Pelas quartas de final da Copa do Brasil, na vitória do Santos por 2 a 1, o cruzeirense Thiago Neves foi o último a vazar o goleiro Vanderlei. Desde então, o time dirigido por Cuca passou com a zaga intacta por Sport (3 x 0), Independiente (0 x 0), Bahia (2 x 0), Independiente (0 x 0) e Vasco (3 x 0).

Diante do Vasco, protegido por Robson Bambu e Gustavo Henrique, o goleiro Vanderlei praticamente não foi exigido no Estádio do Maracanã. O jovem de apenas 20 anos de idade, inclusive, ganhou elogios do técnico Cuca por sua atuação diante do rival cruzmaltino.

Embalado por uma série de três vitórias consecutivas no Campeonato Brasileiro, o Santos chegou aos 27 pontos ganhos em 21 partidas e assumiu a 10º colocação. Com um jogo a mais, o Atlético-MG tem 35 pontos e fecha o grupo de classificados à seletiva da Copa Libertadores.

Antes de pegar o São Paulo pela 25ª rodada do torneio nacional, Cuca enfim terá uma semana cheia para trabalhar sua equipe. O experiente treinador sabe como aproveitar os dias livres e projeta uma evolução ainda maior, a ponto de participar da briga por uma vaga na Libertadores.

Confira a série de jogos do Santos sem sofrer gols:

Vasco 0 x 3 Santos (Campeonato Brasileiro) – Maracanã
Santos 0 x 0 Independiente Copa Libertadores) – Pacaembu
Santos 2 x 0 Bahia (Campeonato Brasileiro) – Vila Belmiro
Independiente 0 x 0 Santos (Campeonato Brasileiro)* – Libertadores de América
Santos 3 x 0 Sport (Campeonato Brasileiro) – Vila Belmiro

Punido pela Conmebol, o Santos oficialmente perdeu o jogo por 3 a 0.


Fluminense 0 x 1 Santos

Data: 13/06/2018, domingo, 19h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 12ª rodada
Local: Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 7.438 presentes (6.745 pagantes)
Renda: R$ 173.580,00
Árbitro: Rafael Traci (PR)
Auxiliares: Ivan Carlos Bohn e Rafael Trombeta (PR)
Cartões amarelos: Matheus Norton e Douglas (F); Alison, Diego Pituca, Renato (S).
Gol: Bruno Henrique (40-2).

FLUMINENSE
Julio Cesar; Ibañez (Sornoza), Nathan e Luan Peres; Matheus Norton, Gilberto, Richard, Jadson (Dodi), Marlon e Douglas; Pablo Dyego (Dudu) e Pedro
Técnico: Abel Braga

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Gustavo Henrique, David Braz e Dodô; Diego Pituca, Alison (Copete), Léo Cittadini e Jean Mota (Renato); Bruno Henrique e Gabigol (Vitor Bueno)
Técnico: Jair Ventura



Sem Rodrygo, B. Henrique salva o Santos em retorno ao time titular

Enquanto dirigentes se reuniam para tratar sobre a venda de Rodrygo, o Santos tentava, em campo, vencer o Fluminense no Maracanã para ao menos amenizar a crise instaurada no clube. O problema é que sem a jovem promessa, o que já estava difícil ficou ainda mais complicado. O pragmatismo e a falta de criatividade voltaram a assolar o Santos no último compromisso antes da pausa para a Copa do Mundo.

Mas se por um lado o Peixe está prestes a perder umas de suas promessas e o desempenho do time está longe de honrar seu dito DNA, a partida dessa quarta-feira serviu para resgatar uma das grandes apostas do elenco santista: Bruno Henrique. Enfim, o atacante voltou a iniciar um jogo como titular depois de sofrer com duas lesões sérias, e foi justamente dele o gol da vitória por 1 a 0, marcado já aos 40 minutos do segundo tempo. Jair Ventura, que nem assim deixa de correr risco de demissão, extravasou à beira do campo, Bruno Henrique chorou, e a noite, que parecia desastrosa, terminou com sentimento de alívio.

A situação ficou feia mesmo foi para Abel Braga, outro que está na berlinda e teve de ouvir vaias e xingamentos após o apito final. Apesar do tricolor não ter podido contar com uma Gilberto, Ayrton Lucas, Léo, Gum, Renato Chaves, Marcos Junior e Matheus Alessandro, a tolerância com a má fase parece ter se esgotado diante da quarta derrota seguida, o quinto jogo consecutivo sem sair de campo com uma vitória.

A situação na tabela do Campeonato Brasileiro ainda é um pouco pior para os paulistas depois de 12 rodadas – o Santos tem um jogo a menos, a fazer com o Vasco –. O resultado levou o Santos aos 13 pontos, na provisória 15ª colocação, e ao menos livrou o clube do risco de passar todo o período de Copa do Mundo na zona de rebaixamento. Em 11º, também enquanto a rodada não termina, com 14 pontos, o Flu não vive situação mais cômoda, na prática.

No dia 19 de julho, os dois times voltam a campo para retomar a competição por pontos corridos. O Peixe, logo de cara, terá o clássico com o Palmeiras, no Pacaembu. Em São Januário, o Fluminense também fará clássico regional com o Vasco.

Bastidores – Santos TV:

Jair exalta Bruno Henrique, diz viver “loucura” e comemora pausa

A vitória do Santos em cima do Fluminense nessa quarta-feira esteve longe de mostrar uma nova cara do Peixe, ou de agradar com um desempenho vistoso. Mesmo assim, os três pontos, quer queira quer não, aliviam um pouco da pressão em cima da equipe e, principalmente sobre o técnico Jair Ventura, que no Maracanã voltou a falar sobre a situação de pressão que tem vivido no comando do Alvinegro Praiano.

“É a situação de todos os treinadores do Brasil. Eu me preparei bastante para isso. Tento fazer o mesmo e ser a mesma pessoa sempre. A minha permanência não depende de mim. Não vou pedir demissão. Sigo fazendo o meu melhor. Quando a bola entra, as coisas aliviam um pouco para a vida do treinador”, comentou o carioca, dono do retrospecto de 14 vitórias, 14 derrotas e sete empates.

“Um marco nosso foi a goleada contra o Vitória (goleada por 5 a 2). Fizemos um grande jogo, mas não conseguimos vencer o Corinthians. Aí perdemos em casa e hoje a gente retoma. Torcedor é paixão. Quando não vence, querem te matar, mas quando vence e joga bem, vem para o seu lado. Vida de treinador é essa loucura, sempre pressionado”, completou.

Nessa quarta, o herói do jogo para os santistas foi Bruno Henrique, atacante que não iniciava uma partida como titular ou ficava em campo por 90 minutos desde dezembro do ano passado por causa de duas lesões, uma no olho e outra na coxa esquerda.

“Um jogo bem equilibrado. Acho que o Santos teve as melhores chances. Aquela cabeçada do Bruno… Depois de tudo o que passamos contra o Corinthians, de jogar melhor e criar as melhores chances na casa do adversário, e a bola não entra, volta aquele filme. Falei para ele que a gente não poderia se abater. E acabou fazendo um lindo gol. É o primeiro jogo do ano dele (como titular). É um cara que eu falo desde que cheguei aqui, de quanto o Santos cresceria com ele. Ainda não está na melhor forma, mas foi importantíssimo”, comemorou.

Os elogios se estenderam ao grupo, já que mesmo sem tempo para treinar, Jair Ventura posicionou seu time em um novo sistema tático, no 4-2-2, diferente do que seus jogadores estão acostumados, muito em função dos desfalques de Rodrygo, Yuri Alberto, Sasha e Arthur gomes.

“Foi (mudança) tática. Perdemos quatro atacantes para esse jogo. Tive de fazer uma mudança tática. Tivemos de mudar por ordem de tudo que aconteceu. Mostra a força do grupo. Mesmo com tantas perdas, tivemos as melhores chances. Importante conseguir jogar no campo do adversário. Vitória estava batendo na trave algumas vezes e agora primeira vitória jogando fora”.

Agora, o Santos terá toda a intertemporada pela frente. Com a realização da Copa do Mundo, o elenco alvinegro ganhará dez dias de folga antes de voltar aos trabalhos, de olho no segundo semestre, que começará, na prática, dia 19 de julho, contra o Palmeiras, no Pacaembu, pela 13ª rodada do Campeonato Brasileiro. Para Jair, a pausa vem em boa hora.

“Positivo (parada), porque tivemos 12 jogos sem pausa. Praticamente não treina. Fiz mudança hoje sem treinar, essa é a verdade… Nossos melhores resultados foram com a semana cheia. Mas sabemos que não é só o Santos. Só vejo como benéfico (o tempo sem jogos). Muitos desfalques por conta dessa loucura do calendário e pela intensidade que se tornaram os jogos. A importância dessa paralisação é voltar com mais energia. Agora, vem os grandes jogos, os grandes momentos… Eliminatórias da Libertadores, e esperamos conseguir os objetivos”, concluiu.

Bruno Henrique se emociona com gol e comenta drama pessoal

Assim que soou o apito final no Maracanã, Bruno Henrique se entregou à emoção. E não é para menos. O herói do Santos nessa quarta-feira viveu uma noite especial na partida contra o Fluminense, a última antes da pausa para a Copa do Mundo, e ficou até meio perdido, sem saber ao certo o que fazer no gramado carioca com uma clara alegria que transbordava do seu interior.

“Todos sabem o que aconteceu, minha lesão, que me deixou afastado bastante tempo. Sempre fiquei falando: ‘Será que vou conseguir jogar?’ E os médicos que me trataram me incentivaram muito”, comentou, ao Sportv, para em seguida citar o momento de irritação pessoal pelo gol perdido minutos antes de balançar as redes.

“Hoje fui glorificado. O Gabriel falou ‘vai aparecer mais’ depois que perdi o gol. Na outra, tive calma e consegui mandar entre as pernas do goleiro. Dedico o gol à minha mulher, Gisele, e ao meu filho que vai nascer, Lorenzo”, concluiu.

Desde sua estreia na temporada, dia 17 de janeiro, Bruno Henrique não iniciava um jogo como titular do Peixe. Naquele fatídico dia, em Lins, com apenas oito minutos de bola rolando, o atleta de 27 anos sofreu cinco lesões na retina de seu olho esquerdo por causa de uma bolada.

Cirurgia, tratamento no exterior, receio de ser obrigado a deixar o futebol e, enfim, pouco mais de três meses depois, Bruno Henrique voltou a vestir a camisa alvinegra. Entrou no segundo tempo contra o Bahia, na Fonte Nova. Substituiu Rodrygo, ficou cerca de 20 minutos em campo e acabou sofrendo uma lesão no músculo posterior da coxa esquerda.

Lá se foram mais 36 dias afastado, no departamento médico. Aos poucos, Jair Ventura foi colocando Bruno Henrique no ritmo de seus companheiros. Até que nessa quarta, o treinador não só bancou a titularidade do camisa 27, como o deixou na partida até o fim, o que não acontecia desde 3 de dezembro do ano passado, pela última rodada do Campeonato Brasileiro.

A recompensa de Jair, a alegria de Bruno Henrique e o alívio para os torcedores santistas foram concretizados com o gol salvador marcado aos 40 minutos da etapa final. O tento livra o Peixe do risco de passar o período de Copa do Mundo da zona de rebaixamento e enche de esperança um dos principais jogadores do elenco alvinegro para o restante da temporada.

Diego Pituca e Alison vão desfalcar o Santos contra o Palmeiras

O Santos terá 35 dias para se preparar para a sequência da temporada por causa da pausa para a disputa da Copa do Mundo da Rússia. Mas, é bom o time ficar esperto, pois o primeiro desafio na retomada do Campeonato Brasileiro será logo contra o Palmeiras, no Pacaembu, dia 19 de julho.

Jair Ventura, se estiver no cargo até lá, já sabe que terá problemas para escalar sua equipe, pois nessa quarta-feira, durante a vitória em cima do Fluminense, Diego Pituca e Alison receberam cartões amarelos. Como estavam pendurados, ambos são desfalques certos no clássico.

Ex-jogador do Botafogo-SP, Pituca foi integrado ao time principal do Peixe depois de chamar atenção no Santos B. Desde a goleada em cima do Vitória, o volante vinha sendo titular absoluto.

Já Alison voltou ao time nessa quarta-feira ao se recuperar de um entorse no joelho direito, sofrido no clássico com o São Paulo, dia 20 de maio. Dessa forma, a dupla só fica à disposição para o confronto com a Chapecoense, fora de casa, dia 22 de julho.