Navegando Posts marcados como Marcel

Corinthians 4 x 2 Santos

Data: 30/05/2010, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 5ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP
Público: 27.681 pagantes (30.103 total)
Renda: R$ 825.707,50
Árbitro: Sálvio Spinola Fagundes Filho (Fifa-SP)
Auxiliares: Ednilson Corona (Fifa-SP) e Vicente Romano Neto (SP).
Cartões amarelos: William, Bruno César e Chicão (C); Neymar (S).
Gols: Jorge Henrique (01-1); André (07-2), Bruno César (08-2), Ralf (21-2), Paulinho (40-2) e Marcel (41-2).

CORINTHIANS
Felipe; Jucilei, Chicão, William e Roberto Carlos; Ralf, Elias, Bruno César (Paulinho) e Danilo; Jorge Henrique (Iarley) e Dentinho (Paulo André).
Técnico: Mano Menezes

SANTOS
Felipe; Pará (Marcel), Edu Dracena (Zezinho), Durval e Léo; Arouca, Wesley, Marquinhos e Paulo Henrique Ganso; Neymar (Madson) e André.
Técnico: Dorival Júnior



Corinthians para meninos da Vila, faz 4 no Santos e se mantém na liderança

O clássico entre Corinthians e Santos foi apimentado antes do duelo com a polêmica envolvendo Chicão e Neymar. A possibilidade de o vencedor ficar com a liderança do Brasileiro deixou ainda mais acirrado o duelo. Neste domingo, porém, não houve discussões, apenas futebol. O Corinthians confirmou a condição de líder e venceu o time da Vila por 4 a 2, no Pacaembu.

Com esta vitória, o Corinthians se manteve na liderança do torneio, somando 13 pontos. O Santos permanece com oito pontos.

O triunfo do Corinthians amplia a série invicta do time atuando no Pacaembu em clássicos paulistas. São sete vitórias e um empate. A última derrota corintiana foi contra o próprio Santos, 3 a 0, em 2006.

Quem cogitou uma nova rusga entre Chicão e Neymar se enganou. No duelo anterior, vencido pelo Santos, pelo Paulista, o atacante aplicou chapéu no zagueiro com o jogo parado, gerando bate-boca. Neste domingo, não houve provocações ou polêmicas.

“Tiraram muita onda da gente. Falaram que iam dar chapeuzinho dentro de campo. Vencemos”, desabafou Jucilei. Neymar negou ter havido menosprezo antes do clássico. “Ninguém falou isso [tentar o chapéu em Chicão]. A imprensa que botou fogo”, rebateu o atacante.

Sem a estrela Robinho, o Santos montou seu ataque com André e Neymar. O Corinthians mudou a estratégia para o clássico contra o Santos, abdicando de um jogador de área para apostar na velocidade e marcação forte. A ideia era conter o ímpeto dos “Meninos da Vila”. Com a presença de dois atacantes rápidos (Dentinho e Jorge Henrique), o time impediria os avanços dos laterais santistas, dizia Mano.

O Corinthians não deu tempo para o Santos respirar, marcando logo aos 2 min. Bruno César arriscou de fora da área. Felipe espalmou, sobrando para Jorge Henrique. Parte da torcida corintiana sequer viu o gol, pois estava embaixo da enorme bandeira estendida pela Gaviões da Fiel, como acontece no começo dos jogos do time.

Em desvantagem, o Santos concentrou as jogadas no setor intermediário, mas pecava nos passes e infiltrações, principalmente com Ganso na primeira etapa. Sem ser acionados, Neymar e André pouco produziram.

Após o gol, o Corinthians recuou, apostando na interceptação da bola no meio-campo para formular os contra-ataques. Dessa maneira, Jorge Henrique quase ampliou o marcador, aos 15 min. A bola acertou o travessão.

No primeiro lance em que o Santos conseguiu envolver o Corinthians no ataque, o time da Vila até chegou a comemorar o gol, mas a arbitragem anulou, apontando impedimento de Marquinhos.

“Não estava em impedimento! Todo o jogo o Corinthians está sendo ajudado pela arbitragem. Não sei se é coincidência ou se estão puxando o saco”, esbravejou Marquinhos.

Desde então, o Santos empurrou o Corinthians para a defesa. O corintiano Felipe, entretanto, realizou boas defesas nos 45 minutos iniciais, frustrando o ataque santista. Na vez em que o camisa 1 foi vencido, Chicão evitou o empate, tirando de cabeça a bola após bela jogada de Neymar.

No intervalo, os jogadores do Santos foram cobrar Sálvio Spinola pela anulação do gol de Marquinhos.

Apagado no primeiro tempo, o atacante André justificou a condição de “homem-gol”. Ele recebeu na área e chutou cruzado, aos 7 min do segundo tempo. O gol inspirou os santistas, que fizeram a tradicional dancinha.

O 1 a 1, porém, não durou muito. Dois minutos depois, Bruno César recebeu a bola na área e chutou com força, recolocando o Corinthians na frente.

Pouco participativo, Neymar deixou a partida aos 20 min da segunda etapa. Madson o substituiu. Com o gol de Bruno César, o Corinthians cresceu no jogo. Notando a evolução do rival, Dorival Junior tratou de alterar o desenho tático, colocando um jogador de área no ataque (Marcel) na vaga de Pará.

Mas o terceiro gol corintiano não tardou. Em linda jogada de Ralf, o volante invadiu a área, chutando rasteiro no canto. Na comemoração, os corintianos fizeram gestos de que estavam pescando.

O Santos avançou para o ataque. O corintiano Felipe, assim como no primeiro tempo, fez boas intervenções na etapa complementar.

Para desespero dos santistas, Madson perdeu gol incrível, frente a frente com Felipe. A última cartada de Dorival foi sacar um zagueiro (Dracena) para a entrada de um meia (Zezinho).

Atirado no ataque, o Santos deu espaço para os contragolpes corintianos. E numa dessas jogadas nasceu o quarto gol do time do Parque São Jorge. Paulinho, de cabeça, ampliou.

De cabeça, Marcel, aos 42 min, descontou para o Santos. O atacante quase fez o terceiro do Santos, mas Felipe se atirou para defender.

Santos 3 x 1 Guarani

Data: 26/05/2010, quarta-feira, 21h50.
Competição: Campeonato Brasileiro – 4ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 5.146 pagantes
Renda: R$ 143.715,00
Árbitro: Wilson Luiz Seneme (Fifa-SP)
Auxiliares: Carlos Augusto Nogueira Júnior e Dante Mesquita Júnior (ambos de SP).
Cartões amarelos: Léo, Pará, Edu Dracena (S); Roger, Preto, Rodrigo Heffner (G).
Gols: Neymar (02-1), Baiano (39-1); Marcel (41-2) e André (43-2).

SANTOS
Felipe; Pará, Edu Dracena, Durval e Léo; Arouca, Wesley (Rodriguinho), Marquinhos (Zé Eduardo) e Paulo Henrique; Neymar (Marcel) e André.
Técnico: Dorival Júnior

GUARANI
Douglas; Rodrigo Heffner, Fabão, Aílson e Márcio Careca; Renan, Baiano (Fabinho), Preto (Heverton) e Paulo Roberto; Mazola (Ricardo Xavier) e Roger.
Técnico: Vágner Mancini



Na volta dos ‘meninos’, Santos marca dois gols no fim e vence Guarani na Vila

No jogo que marcou a volta dos “meninos” santistas após a punição por indisciplina, o Santos só conseguiu vencer o Guarani, na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro, em jogo válido pela quarta rodada do Campeonato Brasileiro, nos minutos finais. Marcel, aos 41 minutos, e André, aos 43, garantiram a vitória do alvinegro por 3 a 1.

Neymar e Baiano marcaram os gols na primeira etapa, e substituídos, já não estavam mais em campo quando o jogo foi decidido. Com o resultado, o Santos alcançou a vice-liderança da competição, com 8 pontos, ao lado do Cruzeiro. Já o Guarani caiu para a 12º colocação, com 5 pontos.

Com a segunda vitória consecutiva, o Santos ganha moral para o clássico contra o Corinthians, domingo, no Pacaembu. No mesmo dia, o Guarani recebe o São Paulo, em Campinas.

O Santos deu a impressão de que conseguira reviver o incrível 8 a 1 no confronto entre as duas equipes, dia 14 de abril, pela Copa do Brasil, marcando o primeiro logo aos 2 minutos. Neymar encarou a marcação de Ailson, fintou para trás e encontrou espaço para bater de perna direita. A bola foi fraca, mas entrou no contrapé do goleiro Douglas. Em nítida demonstração de rancor, o jovem santista, assim como André e Paulo Henrique Ganso não realizaram a tradicional dancinha na comemoração.

Aos poucos, o Bugre foi se encontrando na partida ao ponto de passar a criar as melhores oportunidades. Em jogadas de bola parada, nasceram boas chances, e a rapidez de Mazolla incomodou a defesa santista.

O ataque alvinegro seguiu sem dar trabalho ao adversário, e o Guarani continuou mais próximo de marcar. O empate aconteceu aos 37 minutos, em uma cobrança de falta de longa distância. O ex-santista Baiano bateu por cima da barreira, e a bola entrou no canto esquerdo de Felipe.

A pequena torcida santista presente na Vila Belmiro começou a reclamar do comportamento do time. O autor do gol, Neymar, só voltou a chamar a atenção após cair de mau jeito no gramado e sair de maca, reclamando de dores no ombro. O lance aconteceu nos acréscimos da primeira etapa, e o atacante não voltou a campo.

“Vou voltar para o segundo tempo. Está tudo legal, garantiu Neymar, que também aproveitou para reclamar do árbitro Wilson Seneme. “Nosso Primeiro tempo foi bom, mas o juiz marcou uma falta que não existiu e eles empataram”, disse.

“O Santos vai voltar a ser o Santos no segundo tempo”. Essa foi a frase de Dorival Júnior ao retornar do intervalo. O treinador deu uma bronca nos jogadores no intervalo e garantiu uma equipe ofensiva nos 45 minutos finais. Não foi o que aconteceu.

O Guarani seguiu melhor em campo e chegou perto do gol logo no início. Durval evitou o gol certo de Mazola mandando a bola para a linha de fundo. A jogada deixou Dorival irritado, e logo Dorival fez a primeira mudança: Marquinhos saiu para a entrada de Zé Eduardo.

A modificação logo surtiu efeito. E o segundo gol santista só não saiu, aos 11 minutos, pois o goleiro Douglas fez três defesas consecutivas nos chutes de Zé Eduardo, Neymar e André. O goleiro do Guarani voltou a se destacar segundos depois ao fazer boa defesa em chute de Léo.

Ousado, Vagner Mancini tratou de também deixar sua equipe mais ofensiva. O atacante Fabinho entrou no lugar de Baiano, e a alteração voltou a deixar a partida equilibrada.

Santos e Guarani passaram a se revezar na chegada ao ataque. Finalizações, porém, foram poucas. Nos minutos finais, Mancini tratou de segurar o resultado e colocou o zagueiro Heverton no lugar de Preto. A alteração não deu certo, e o Santos chegou a vitória com os gols de Marcel e André nos minutos finais.


Vídeos: (1) Melhores momentos e (2) Reportagem do Globo Esporte.

Santos 8 x 1 Guarani

Data: 14/04/2010, quarta-feira.
Competição: Copa do Brasil – Oitavas de final – Jogo de ida
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 8.131 pagantes
Renda: R$ 205.435,00
Árbitro: Francisco Carlos Nascimento (AL)
Auxiliares: Ednilson Corona (Fifa-SP) e Márcio Luiz Augusto (SP).
Cartões amarelos: Léo, Marcel, Neymar e Durval (S) ; Cléber Goiano, Anderson Costa, Valdir e Maycon (G).
Cartão vermelho: Cléber Goiano (G)
Gols: Neymar (02-1), Neymar (30-1), Robinho (31-1) e Neymar (38-1); Marcel (11-2), Robinho (14-2), Moreno (28-2), Neymar (36-2) e Neymar (40-2).

SANTOS
Felipe; Wesley, Edu Dracena (Pará), Durval e Léo (Madson); Arouca, Marquinhos e Paulo Henrique Ganso; Robinho, Neymar e André (Marcel)
Técnico: Dorival Júnior

GUARANI
Juliano; Valdir, Cássio e Dão; Cléber Goiano, Maycon, Alex Cruz (Leo Mineiro), Walter Minhoca (Moreno), Fabinho e Fábio Almeida; Anderson Costa (Da Silva).
Técnico: Waguinho Dias.



Neymar comanda festa de aniversário, faz cinco e Santos goleia o Guarani na Vila

Neymar foi o dono da festa de aniversário do Santos na Vila Belmiro. No dia em que o clube completou 98 anos de fundação, o jovem atacante presenteou a torcida com cinco gols, e conduziu o time a uma nova goleada. O alvinegro “atropelou” o Guarani, por 8 a 1, na noite desta quarta-feira, no duelo de ida das oitavas-de-final da Copa do Brasil, e ficou próximo de conquistar a vaga para a próxima fase da competição.

Robinho com outros dois gols, e Marcel completaram a goleada. Moreno descontou para o Guarani. O jogo de volta acontece na próxima quarta-feira, às 19h30min, no Brinco de Ouro, em Campinas. O alvinegro pode perder por até seis gols de diferença que mesmo assim garante classificação às quartas de final.

O Guarani armou uma retranca para evitar uma goleada. Com apenas um atacante em campo, pouco conseguiu atacar. Na primeira tentativa, no minuto inicial, a equipe sofreu um rápido contra-ataque puxado por Arouca. O volante tocou para Robinho, recebeu a bola dentro da área, e foi derrubado por Cléber Goiano. O árbitro marcou pênalti, e na cobrança, Neymar executou a tradicional “paradinha” e converteu.

O Santos seguiu atacando sem dó do adversário, e Neymar perdeu duas boas oportunidades nos minutos seguintes. O jovem chegou a sair de campo para ser atendido após um choque com um oponente. Era só um susto. Sorte do Santos.

Quase 30 minutos passaram sem que o alvinegro conseguisse ampliar a vantagem. Desta forma, o adversário se animava, porém, em menos de dez minutos o Santos marcou mais três gols. Neymar fez o segundo, aos 31, viu Robinho marcar no minuto seguinte, e voltou a balançar a rede aos 38. A goleada planejada não estava mais desenhada. Já estava praticamente selada.

A tendência de ampliação na vantagem no placar ainda ficou latente quando o volante do Guarani Cléber Goiano foi expulso nos minutos finais da primeira etapa.

Antes do intervalo, Ganso quase marcou um golaço por cobertura. A bola tocou no travessão, e no rebote André cabeceou também no travessão.

“Vamos trabalhar para fazer mais gols no segundo tempo, e chegar na segunda partida com uma tranquilidade maior” comentou Léo, que atuou com a camisa 98 como homenagem ao clube.

Na volta para o segundo tempo, ambos os treinadores mexeram duplamente na equipe. Dorival aproveitou para fazer testes, e avançar ainda mais o time ao colocar Madson e Marcel, nos lugares de Léo e André, respectivamente. Já o treinador interino do Bugre, Waguinho Dias, colocou Moreno no lugar de Walter Minhoca, e Da Silva na vaga de Anderson Costa.

As alterações não modificaram em nada o panorama da partida. Ou seja, o Santos seguiu massacrando. Neymar e Madson perderam ótimas oportunidades no início, e aos 10 minutos, o camisa 17 foi derrubado na área. Outro pênalti foi marcado e desta vez Marcel cobrou e ampliou a vantagem.

O sexto gol saiu aos 14 minutos, com Robinho marcando de cabeça. Um feito raro que mais uma vez fez Dorival Júnior ser cobrado por sua promessa – O treinador garantiu que pagaria um churrasco ao elenco caso o atacante santista marcasse um gol de cabeça.

Bravamente, o Guarani não deixou de lutar. Novamente, o time de Campinas ficou um bom tempo sem sofrer gol, e desta vez, ainda conseguiu marcar o seu, aos 28 minutos, com Moreno em cobrança de falta. Entretanto, a equipe sofreu o quarto gol de Neymar, o sétimo do Santos, aos 36 minutos.

O jovem atacante santista estava inspirado, e ainda marcou o último gol da partida, aos 38 minutos, ao aproveitar passe de Robinho e bater no canto de Juliano.

O Santos ficou com a vaga às quartas de final praticamente garantida. Na próxima fase, o adversário sai do confronto entre Atlético-MG e Sport. No jogo de ida, no Mineirão, o Galo venceu por 1 a 0.

Santos 4 x 2 Sertãozinho

Data: 07/04/2010, quarta-feira.
Competição: Campeonato Paulista – Primeira fase – 19ª rodada (última)
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 2.060 pagantes
Renda: R$ 61.005,00
Árbitro: Paulo Roberto Ferreira
Auxiliares: Fabio Luiz Freire e Marco Antonio Monteiro Bagatella.
Cartões amarelos: Luciano Castan (S); Marcus Vinícius, Rodriguinho e Muller (SER).
Cartões vermelhos: Luciano Castan (S)
Gols: Germano (06-1), Alex Sandro (32-1), Zé Eduardo (37-1) e Thiago Silvy (40-1); Thiago Silvy (09-2) e Marcel (48-2).

SANTOS
Felipe; George Lucas, Bruno Aguiar, Luciano Castan, Alex Sandro; Roberto Brum, Germano, Rodriguinho, Zezinho (Rodrigo Mancha); Madson (Maikon Leite) e Zé Eduardo (Marcel).
Técnico: Dorival Júnior

SERTÃOZINHO
Gilberto; Rafael Mineiro, Erivélton, Rodrigo e Élder; Everton, Adoniran, Alex Maranhão (Muller) e Marcus Vinícius (Léo Mineiro); Rodriguinho (Lucas) e Thiago Silvy.
Técnico: Paulo Comelli



‘Santos B’ vence Sertãozinho na Vila em teste para as semifinais

Os reservas do Santos demonstraram eficiência para Dorival Júnior. Os jogadores buscam espaço no time titular que disputará as semifinais do Campeonato Paulista. Na noite desta quarta-feira, eles foram os responsáveis pela vitória, por 4 a 2, contra o rebaixado Sertãozinho, na Vila Belmiro, no encerramento da primeira fase. O duelo foi marcado pela expectativa no estádio santista.

A pequena torcida presente na Vila (apenas 2.060 pagantes) se preocupava mais em ouvir os gols da rodada anunciados pelo alto-falante do que com a própria partida. Durante os 90 minutos, Grêmio Prudente e São Paulo se revezaram como o adversário da semifinal. No fim das contas, o posicionamento não foi alterado e o time da Capital terminou com a quarta colocação.

A equipe reserva do Santos entrou em campo determinada. Nos primeiros segundo de jogo, Germano desperdiçou boa oportunidade. O volante, no entanto, não perdeu a segunda chance. Aos 6 minutos, ele aproveitou cruzamento de George Lucas e desviou para o fundo da rede.

Após o gol, o Santos seguiu dominando o jogo, e encontrando enorme facilidade para chegar ao gol adversário. O segundo gol, porém, saiu em uma tentativa de finalização de longa distância, aos 32 minutos. O lateral-esquerdo Alex Sandro acertou um belo chute no canto esquerdo de Gilberto e ampliou o placar.

O alvinegro seguiu avassalador, e deu a impressão de que aplicaria uma nova goleada na competição quando Zé Eduardo, aos 37 minutos, marcou o terceiro ao aproveitar um rápido contra-ataque puxado por Rodriguinho. O atacante comemorou a marcação de seu sexto gol em um dos camarotes térreos da Vila Belmiro. Lá estavam presentes todos os titulares do Santos.

“Estamos mostrando para todo mundo que aqui não titular e reservas, e sim um grupo que trabalha junto” comentou Zé Eduardo, ao sair de campo no intervalo da partida.

Antes do encerramento da primeira metade do jogo, o time visitante ainda diminuiu. Aos 37minutos, Thiago Silvy aproveitou cruzamento rasteiro pela esquerda, se antecipou aos defensores santistas, e diminuiu o placar.

Na segunda etapa, o jogo teve um início extremamente empolgante. Zé Eduardo acertou um chute na trave, logo aos 2 minutos, e pouco depois, o Sertãozinho teve um pênalti assinalado a seu favor. O zagueiro santista Luciano Castan empurrou Rodriginho na área, e foi expulso. Na cobrança, Thiago Silvy marcou.

A empolgação momentânea fez o treinador da equipe interiorana apostar em uma virada histórica do time. Mas apesar da vantagem numérica, isso não esteve nem perto de acontecer.

O Sertãozinho não conseguiu criar boas oportunidades, e Dorival Júnior aproveitou para testar mais jogadores. Rodrigo Mancha, Maikon Leite e Marcel entraram em campo. Este último marcou o quarto gol, aos 48 minutos, em cobrança de pênalti.

A preocupação dos santistas era mesmo saber os resultados no andamento da rodada. Tanto que os titulares presentes no camarote questionavam os repórteres em campo a respeito do placar da partida entre Grêmio Prudente x São Caetano. A vitória do Prudente, por 1 a 0, impediu o Santos de encarar o Corinthians, na semifinal, já que o rival terminou na quinta colocação, com 35 pontos.

O Santos finaliza a primeira fase na liderança da competição, com 47 pontos, em 19 jogos. Aproveitamento de 83,5%. Já o Sertãozinho terminou na penúltima colocação, com 14 pontos. Pífio aproveitamento de 26%.

Com a pontuação alcançada, o time da Vila garante também o mando de campo na segunda partida da final – o regulamento determina o direito de mandar o segundo jogo a equipe com o maior número de pontos na somatória da primeira fase com a semifinal- .Antes de desfrutar dessa vantagem, a equipe precisa superar o São Paulo.

Santos 2 x 1 África do Sul

Data: 03/04/2010, sábado.
Competição: Jogo-treino preparatório para Copa do Mundo de 2010
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 0 (jogo realizado com portões fechados)
Gols: Mphela (10-1), Marcel (20-1) e Breitner (38-1).

SANTOS
Fábio Costa (Rafael); George Lucas (Ricardo Lopes), Diego Monar, Luciano Castán (Alemão) e Wesley Santos; Germano, Rodrigo Mancha (Jéfferson), Alan Patrick e Breitner (Rogério); Gil (Renan Mota) e Marcel (Elton Ricardo).
Técnico: Ivan Izzo

ÁFRICA DO SUL
Khune; Gaxa (Nthethe), Booth (Sangweni), Khumalo e Mdledle (Thwala); Letsholonyane (Moriri), Khuboni, Modise e Tschabalala (Mbuyane); Schalkwyk (Cale) e Mphela.
Técnico: Carlos Alberto Parreira



Reservas do Santos vencem África do Sul de virada

Foi o último jogo de uma série de nove partidas que os anfitriões da Copa fizeram na América do Sul

De virada, o Santos venceu por 2 a 1 a seleção da África do Sul na Vila Belmiro neste sábado (03), na última da série de nove partidas que o time de Carlos Alberto Parreira veio realizar na América do Sul. Os “Bafana Bafana” abriram o placar com Mphela aos 10 minutos de jogo, mas o Santos virou com gols de Breitner e Marcel, aos 20 e 38 minutos do primeiro tempo.

O Peixe entrou em campo com uma equipe formada apenas por reservas, que deveriam servir de “sparring” da seleção da África do Sul, já que os visitantes têm feito um estágio de treinamento com equipes brasileiras das mais diversas qualidades para que seus jogadores aprendam a “gostar de ganhar”, segundo palavras do próprio Parreira.

Só que os Bafana Bafana parecem ainda estar bem longe do nível exigido para que não façam feio em seu complicado grupo na Copa do Mundo. Apesar de terem ficado oito jogos invictos em sua excursão pelo Brasil e Paraguai, os anfitriões do próximo Mundial não conseguiram segurar o resultado contra uma equipe santista formada só por suplentes e desentrosada.

O destaque do Peixe esteve na presença de Fábio Costa, que se recuperou de uma lesão e agora busca uma vaga de titular para a fase final do Paulistão.

O jogo foi realizado com portões fechados, evitando gastos para a diretoria do Santos, que resolveu tratar a partida como um “jogo-treino”. O acesso foi permitido a somente alguns poucos sócios e à imprensa.

Rolé

A seleção sul-africana passou grande parte do mês de março no Brasil para a realização de uma série de jogos. Além da derrota para os reservas do Santos, os duelos foram contra o Cruzeiro (dois jogos: 0 a 0 e vitória por 2 a 0), Botafogo (vitória por 1 a0) , Ponte Preta (vitória por 2 a 1), Volta Redonda (empate por 0 a 0), Boavista (vitória por 2 a 0) e o Fluminense-sub20 (vitória por 8 a 0).

Além disso, na última quarta-feira, os sul-africanos foram ao Paraguai e empataram por 1 a 1 com os reservas do selecionado local, no estádio Defensores del Chaco.

A anfitriã da Copa do Mundo de 2010 está no grupo A, ao lado de Uruguai, México e França. A seleção estreia diante dos mexicanos, dia 11 de junho. No dia 16, o duelo será com os sul-americanos. O encerramento da primeira fase será contra os europeus, no dia 22.