Navegando Posts marcados como Marília

Data: 22/01/2006
Competição: Campeonato Paulista – 4ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Árbitro: Rodrigo Martins Cintra
Auxiliares: Felippe Cirillo Penteado e Nilson de Souza Monção
Cartões amarelos: Fábio Costa (S), Jefferson (M), Sandro Gaúcho (M), Guto (M), Celsinho (M)
Gols: Rodrigo Tabata (06-1), Sandro Gaúcho (35-1) e Jonas (44-1); Sandro Gaúcho (11-2) e Manzur (26-2).

SANTOS
Fábio Costa; Neto, Manzur, Luiz Alberto e Kléber; Fabinho (Galvão), Maldonado, Cléber Santana (Wendel) e Rodrigo Tabata; Geílson (Gilmar) e Jonas
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

MARÍLIA
Guto; Téio, Fernando e Gum; João Marcos (Zumbi), Gabriel (Celsinho), Jefferson (Juninho), Danilo e Michael; Sandro Gaúcho e Wellington Amorim
Técnico: Wladimir Araújo



Reforços, enfim, garantem vitória do Santos na Vila

Os reforços do Santos para 2006 começaram a corresponder aos investimentos. Na tarde deste domingo, três dos 15 novos jogadores contratados pelo clube alvinegro fizeram a diferença e garantiram a vitória por 3 a 2 sobre o Marília, na Vila Belmiro, pela quarta rodada do Campeonato Paulista.

Titular pela primeira vez e já ostentando a faixa de capitão, o meia Rodrigo Tabata marcou o primeiro gol dos anfitriões e comandou a armação das jogadas ofensivas. Jonas, autor do segundo, estufou as redes pela primeira vez com a camisa do Santos e acabou com o jejum do ataque, que ainda não havia marcado gols neste ano.

Sandro Gaúcho, do Marília, empatou duas vezes e ameaçou estragar a festa dos reforços, assim como Fábio Costa, que falhou feio na etapa final. No entanto, o paraguaio Julio Manzur aproveitou cobrança de falta de Tabata e garantiu a tarde dos anfitriões, anotando o terceiro gol de cabeça.

Mas para que os reforços brilhassem, um remanescente de 2005 teve participação fundamental. Contestado por parte da torcida alvinegra, o lateral-esquerdo Kléber deu as assistências para os dois primeiros gols santistas em belos cruzamentos.

A vitória sobre o Marília foi a segunda do Santos na Vila Belmiro, onde mantém 100% de aproveitamento. A equipe de Vanderlei Luxemburgo se recupera da derrota na rodada passada, para o Paulista, e chega aos sete pontos na classificação.

O Marília, por sua vez, segue com três pontos na tabela, sofrendo com a série de jogos fora de casa. Esse foi o segundo duelo seguido do time do interior longe de seus domínios. Na partida anterior, caiu diante do Ituano por 2 a 1.

As duas equipes voltam a campo apenas no próximo domingo. O Marília vai até São Paulo enfrentar o Juventus, na Rua Javari, às 16h. O Santos, por sua vez, viaja para São José do Rio Preto, onde encara o América às 18h10, na conclusão da quinta rodada.

O jogo
Vindo de derrota, o Santos começou a partida com uma postura bastante ofensiva. Tanto que, aos 15min, a equipe alvinegra já vencia por 1 a 0 e havia desperdiçado duas grandes chances. O gol saiu com seis minutos de bola rolando, quando Kléber lançou na área e Rodrigo Tabata completou de cabeça, com categoria.

Pouco depois, Cléber Santana assustou em chute perigoso defendido por Guto. Geílson também chegou perto de ampliar a vantagem. Jonas pegou sobra dentro da área, pela direita, e cruzou com força para o meio. Geílson, porém, cabeceou para fora, sobre o travessão.

O Marília não deixou por menos e também levou perigo com Sandro Gaúcho, aos 15min, e Gabriel, após passe de calcanhar de Wellington Amorim. Ele bateu cruzado e Fábio Costa fechou o ângulo para fazer a defesa.

E, de tanto insistir, o Marília alcançou a igualdade. Após cobrança de escanteio da esquerda, Gum desviou de cabeça, Wellington Amorim tocou para o meio e Sandro Gaúcho, oportunista, mandou para o fundo das redes, aos 35min.

O lateral-esquerdo Kléber, no entanto, voltou a desequilibrar. O camisa 3 levantou a bola na área com precisão, mas desta vez para Jonas. O ex-atacante do Guarani escapou da marcação e cabeceou com precisão, recolocando os anfitriões na frente aos 44min.

Na etapa final, o Santos seguiu com bom volume de jogo, mas acabou surpreendido aos 11min. Fábio Costa se esforçou para evitar que a bola saísse pela linha de fundo, mas deixou ela no pé de Sandro Gaúcho. O camisa 9, com o gol vazio, só teve o trabalho de mandar pra o fundo das redes.

O empate fez Luxemburgo colocar sua equipe no ataque. O treinador tirou o volante Fabinho e promoveu a estréia do atacante Galvão, que já atuou pelo Paraná e veio do futebol japonês. Com isso, o jogo ficou ainda mais aberto, com chances para os dois lados.

Aos 23min, Fábio Costa se redimiu da falha no segundo gol e fez grande defesa em chute de Wellington Amorim. Três minutos mais tarde, Manzur foi à área do Marília e, depois de falta cobrada por Rodrigo Tabata, marcou o terceiro gol de cabeça do Santos na partida, fechando a vitória em casa.

Marília 1 x 1 Santos

Data: 17/04/2005, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista – 19ª rodada
Local: Estádio Bento de Abreu, em Marília, SP.
Público: 2.893 pagantes
Renda: R$ 26.084,00
Árbitro: Paulo José Danelon
Auxiliares: Evandro Luiz Silveira e Osny Antonio Silveira
Cartões Amarelos: Marcelão e João Marcos (M); Cadu (S).
Gols: Geilson (07-1) e Beto (11-1).

MARÍLIA
Bruno; Marcelão, Beto e César; Jorginho (Bruno Soares), João Marcos, Umberto, Éder (Ricardinho) e Tidão; Frontini e Wellington Amorim.
Técnico: Roberval Davino

SANTOS
Mauro; Zé Leandro, Preto, Domingos e Leandro; Beto, Rogério (Welder), Cadu (Edmilson) e Luís Augusto; Douglas e Geílson.
Técnico: Alexandre Gallo



Com time reserva, Santos fica apenas no empate com Marília

Com as atenções voltadas para a partida contra o Danubio pela Taça Libertadores, o Santos entrou em campo neste domingo apenas para cumprir tabela no Campeonato Paulista e acabou emapatando com o Marilia por 1 a 1. Os gols foram marcados por Geílson e Beto.

O Santos abriu o placar logo no começo da partida, mas o Marília descontou pouco depois. A partir daí, a equipe do interior passou a criar as melhores chances e pressionar, enquanto a equipe santista tentava se defender e apostava no atacante Geílson.

Com esse resultado, o Santos foi a 37 pontos, perdendo a segunda colocação para o Corinthians. O alvinegro da capital venceu a Portuguesa Santista somando o mesmo número de pontos. A equipe corintiana, porém, levou vantagem no número de vitórias. Já o Marília somou 23 pontos e conseguiu escapar do rebaixamento.

Demonstrando total desinteresse pelo jogo, o técnico da equipe santista, Gallo, preferiu escalar um time apenas com reservas e atletas do Santos “B”. Entre os destaques, estiveram as voltas de Mauro ao gol santista e do zagueiro Preto.

O goleiro era o titular do Santos no início do Paulista, mas, com a chegada do técnico Gallo, acabou perdendo a posição para o colombiano Henao. Já o zagueiro Preto fez sua primeira partida como titular após uma fratura no tornozelo em 2003, contra o São Caetano, que o deixou fora dos gramados por dezoito meses.

Já pelo Marilia, Frontini foi novamente o grande nome do time. O jogador, que voltou à equipe depois de três jogos se recuperando de uma contusão no rosto, foi a principal referência nas jogadas ofensivas da equipe do interior.

O camisa 9 do Marília, inclusive, pode ter feito o seu último jogo pela equipe do interior. O seu destino deverá ser o Santos.

Um fato negativo foi a reação do meia Éder, do Marília, ao ser substituído. Enquanto caminhava para fora do gramado, parte da torcida começou a xingar o jogador, que retribuiu fazendo o gesto característico de “banana”.

O Santos volta a campo agora na próxima quarta-feira, quando irá até o Uruguai para enfrentar o Danúbio pela Taça Libertadores. A equipe paulista precisa vencer para ficar mais perto da classificação para a próxima fase do torneio.

Já o Marília terá uma semana para se preparar para a sua próxima partida, que acontecerá apenas no próximo sábado, quando o time do interior recebe em casa o Vitória, em jogo válido pela Série B do Campeonato Brasileiro.

O jogo

Apesar da partida ter uma importância maior para o Marília, quem começou pressionando foi o Santos. E, logo aos 7min, a equipe santista abriu o placar. Zé Leandro cruzou da direita, o zagueiro Beto se atrapalhou e a bola sobrou para o atacante Geílson chutar e marcar.

Mas, no lance seguinte, o zagueiro do Marília se redimiu. Aos 11min, Jorginho cruzou da direita e Beto se antecipou à zaga santista e cabeceou forte para empatar a partida.

Com o gol, a equipe do interior melhorou no jogo e passou a levar mais perigo ao gol do goleiro Mauro. As principais jogadas ofensivas aconteceram com os alas e tinham como referência no ataque o jogador Frontini.

Já o Santos apostou nos contra-ataques, puxados pelos laterais Zé Leandro e Leandro. Geílson continuou dando trabalho à defesa do Marília.

A partir dos 25min, a pressão da equipe do interior aumentou, mas o segundo gol não saiu graças ao goleiro Mauro. Aos 27min, Tidão fez ótima jogada pela esquerda, entrou na área e cruzou para trás, mas o arqueiro santista conseguiu espalmar para fora da área.

No lance seguinte foi a vez de Frontini chutar rasteiro da entrada da área. Novamente Mauro apareceu para mandar para fora.

O Marília continuou criando chances com Frontini e Tidão, mas o jogadores do time do interior acabaram desperdiçando.

As duas últimas oportunidades do primeiro tempo foram do Santos, através de Geílson. Na primeira, o jovem atacante ganhou de Marcelão, mas acabou cruzando em cima da zaga adversária. Na seqüência, o atleta tentou fazer jogada pela linha de fundo, mas César conseguiu evitar o lance.

Na segunda etapa, a equipe do Marília continuou pressionando o Santos. Logo aos 2min, quase que a equipe do interior conseguiu virar o placar. Tidão cruzou para a área e o zagueiro santista Preto tocou para trás, quase marcando contra. Logo em seguida, Jorginho cobrou falta da esquerda e Frontini subiu para desviar de cabeça com muito perigo.

Após o susto inicial, o Santos voltou a equilibrar a partida. Mas o técnico Roberval Davino demonstrou interesse em vencer para não depender de outros resultados para não ser rebaixado no Paulista.

Assim, o treinador apostou no atacante Ricardinho, que substituiu o meia Éder. Na substituição, o jogador acabou se irritando com a torcida e fez o gesto de “banana” para os torcedores.

Mas, apesar do Marília adotar uma postura mais ofensiva, foi o Santos que assustou. Aos 24min, Edmilson, que havia entrado no lugar de Cadu, fez um lançamento para Geílson na direita. O atacante dominou dentro da área e chutou para defesa de Bruno. Na seqüência foi a vez de Douglas desperdiçar de cabeça, após bom passe de Geílson.

A partir dos 30min a partida ficou mais lenta, com as duas equipes tentando administrar o placar e tocando a bola no campo de defesa.

Até que aos 41min o Santos teve chance de liqüidar o jogo. O goleiro Bruno saiu mal da área e deixou a bola nos pés do atacante Renatinho. O jogador, de apenas 17 anos, tentou fazer um gol por cobertura, mas a bola foi por cima da meta.

Santos 3 x 1 Marília

Data: 21/02/2004
Competição: Campeonato Paulista – Primeira Fase – Grupo B – 7ª rodada
Local: Estádio do Parque Antártica, em São Paulo, SP.
Renda e Público: N/D.
Árbitra: Silvia Regina Oliveira (SP).
Cartões amarelos: Adilson, Márcio Griggio, Jaiminho, Romildo (M).
Gols: Robinho (12-1), Éder (20-1), Robinho (14-2), Renato (43-2).

SANTOS
Doni; Paulo César, Pereira, André Luís, Léo; Claiton, Renato, Diego; Basílio (Elano), Robinho (Luís Augusto), Róbson (Lopes).
Técnico: Emerson Leão.

MARÍLIA
Marcelo Cruz; Ednélton, Romildo, Vladimir; Jaiminho (Juninho), Da Silva, Adilson, Márcio Griggio (Cleison), Éder; Sorato (Lobão) e Andradina.
Técnico: Flávio Lopes.



Com dois gols de Robinho, Santos vence o Marília no Parque Antarctica

Com um bom público no estádio do Parque Antarctica, neste sábado, o Santos venceu o Marília por 3 a 1 e se manteve na liderança do Grupo 2 do Campeonato Paulista. O destaque do jogo foi o atacante Robinho, que marcou dois gols para a equipe da Baixada Santista.

Mesmo contra a vontade dos jogadores, a diretoria do Santos, que tinha o mando da partida, resolveu levar o jogo para o estádio do Palmeiras, na capital paulista. Segundo os dirigentes do clube, a transferência foi uma forma de “presentear” os seus torcedores paulistanos.

Com este resultado, a equipe comandada pelo técnico Emerson Leão segue na ponta do Grupo 2, com 17 pontos, contra 16 do Paulista, que venceu o União São João por 2 a 0. O Marília segue com dez, na quinta colocação.

O Santos abriu o marcador aos 14min do primeiro tempo. O atacante Robinho recebeu um lançamento de Diego e chutou no canto esquerdo. Mas, seis minutos depois, o Marília chegou ao empate. O meia Éder recebeu a bola, na entrada da área, e chutou no canto direito do gol de Doni.

A equipe da Baixada Santista voltou a ficar na frente no placar aos 13min da segunda etapa. Robinho foi lançado, livrou-se do defensor adversário, com uma bola entre as pernas do atleta do Marília, e chutou na saída do goleiro Marcelo Cruz.

O Santos ampliou a vantagem aos 43min. Após uma cobrança de escanteio, pela esquerda, o meia Renato subiu mais que a defesa do Marília e cabeceou para o fundo das redes, selando a vitória.

Santos 4 x 2 Marília

Data: 13/02/1993, sábado, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista – Grupo A – 7ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 9.374 pagantes
Renda: Cr$ 425.525.000,00
Árbitro: Dagoberto Teixeira
Cartão vermelho: Tosin (M)
Gols: Guga (13-1, de pênalti), Cilinho (27-1) e Vitor Hugo (44-1, de pênalti); Guga (23-2), Guilherme (24-2) e Cuca (41-2)

SANTOS
Maurício; Dinho, Júnior, Rogério Trivelato e Silva; Axel, Darci e Cuca; Almir (Ranielli), Guga e Cilinho.
Técnico: Evaristo de Macedo

MARÍLIA
Denilton; Luís Carlos, Miranda, Tosin, Vitor Hugo e Edílson; Amauri, Nei e Guilherme; Paulo César (Gersinho) e Zó (Vladimir).
Técnico: José Carlos Serrão



Blitz do Santos funciona e equipe goleia o Marília

Time faz dois gols antes dos 30min e depois explora contra-ataques

Fontes:
Jornal Folha de SP
Estadão

Santos 2 x 2 Marília

Data: 24/08/1985, sábado, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista – 2º turno – 1ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 4.111 pagantes
Renda: Cr$ 41.670.000,00
Árbitro: Joel Teixeira Caires
Cartões amarelos: Gersinho e Nunes (S); Ademir (M).
Gols: Campos (21-1) e Zé Sérgio (25-1); Zé Sérgio (11-2) e Bernardo (21-2).

SANTOS
Rodolfo Rodríguez (Nilton); Paulo Roberto, Davi (Amauri), Pedro Paulo e Jaime Boni; Serginho Carioca, Lino e Humberto; Gersinho, Nunes e Zé Sérgio.
Técnico: Carlos Castilho

MARÍLIA
Luís Andrade; Valdir, Fernando, Foguinho e Carlos; Bernardo, Serginho e Roberlei; Ademir, Campos e Fagundes.
Técnico: Neuri



Santos e Marília empatam em 2 a 2 na Vila Belmiro

Estréia do centroavante Nunes no Santos.

Fonte: Jornal Folha de SP