Navegando Posts marcados como Maringá FC

Santos 1 x 0 Maringá

Data: 13/05/2015, quarta-feira, 19h30.
Competição: Copa do Brasil – 2ª fase – Jogo de volta
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 4.068 pagantes
Renda: R$ 108.600,00
Árbitro: Wagner Reway (MT)
Auxiliares: Eduardo Goncalves da Cruz e Leandro dos Santos Ruberdo (ambos do MS).
Cartões amarelos: Valencia, Werley, Leandrinho (S); Eurico (2), Gerônimo, Edinho, Ítalo, Fabiano, Rhuan (M).
Cartão vermelho: Eurico (M)
Gol: Ricardo Oliveira (46-2).

SANTOS
Vladimir; Cicinho, David Braz, Werley e Victor Ferraz; Valencia (Elano), Leandrinho e Lucas Lima (Gabriel); Geuvânio, Robinho e Ricardo Oliveira.
Técnico: Marcelo Fernandes

MARINGÁ
Ednaldo; Gerônimo, Fabiano, Marcelo Xavier e Edinho; Ítalo, Eurico, Rhuan e Max (Alex); Rodrigo Dantas (Serginho Paulista) e Gabriel Barcos (Rafael Santiago).
Técnico: Claudemir Sturion



Sonolento, Peixe avança com vitória conquistada nos acréscimos

De forma arrastada e até preguiçosa, o Santos avançou à terceira fase da Copa do Brasil na noite desta quarta-feira. Diante de um público de apenas 4.068 pessoas, na Vila Belmiro, o Peixe fez um magro 1 a 0 contra o Maringá e garantiu sua vaga, já que o primeiro duelo, disputado no Paraná, foi marcado pelo empate em 2 a 2. Ricardo Oliveira, aos 46 minutos do segundo tempo, marcou o único gol do jogo

Marcelo Fernandes mandou o que tinha de melhor a campo nesta quarta. Porém, mesmo com Lucas Lima, Robinho, Geuvânio e Ricardo Oliveira, o alvinegro praiano teve uma atuação para ser esquecida. Nem mesmo quando teve um jogador a mais no confronto, já que Eurico acabou expulso aos 16 minutos do segundo tempo, o Santos conseguiu engrenar seu futebol.

De uma forma ou de outra, agora o Peixe aguarda o vencedor do duelo entre Sport e Chapecoense. Os times se enfrentam também nesta quarta, às 22 horas, em Pernambuco. No primeiro jogo, o time de Chapecó fez 2 a 0, em casa.

Pelo Campeonato Brasileiro, o Santos se prepara para encarar o Cruzeiro, atual bicampeão, neste domingo, às 16 horas, de novo na Vila. Já o Maringá não tem mais competição para disputar nesta temporada e, assim, nenhum atleta do elenco terá o contrato renovado.

O jogo

Poucos minutos antes do jogo começar na Vila Belmiro, o clima era oposto ao que se imagina de um estádio de futebol. Com as arquibancadas vazias e pouca motivação por parte do torcedor, o time do Santos não engrenando durante os primeiros 45 minutos.

O Maringá, apesar de precisar marcar gols, fez o que se esperava. Marcou forte, com todos os jogadores atrás do meio campo e se aventurou em poupas oportunidades. O lance mais perigoso dos visitantes veio com o meia Max, que recebeu em boa condição de finalização, mas acertou apenas a rede pelo lado de fora já aos 39 minutos.

O Peixe reclamou muito da arbitragem por causa do excesso de força dos jogadores do time do Paraná. Foram quatro cartões amarelos em menos de 35 minutos.

Quando esteve com a bola, a equipe de Marcelo Fernandes não chegou a manter uma pressão em cima do adversário e pouco criou. A melhor oportunidade aconteceu aos 6 minutos, quando Geuvânio recebeu na direita e cruzou para David Braz chegar batendo. Porém, a trave evitou a abertura do placar.

Após o apito do árbitro, os atuais campeões paulistas desceram para o vestiário prometendo uma mudança de postura.

“São jogadores fortes, a gente tem que jogar mais pelo lado. Pelo lado do Vcitor (Ferraz) está um pouco melhor, tem que aproveitar. Mas eu tenho certeza que a gente vai chegar lá”, disse Cicinho, que completou 100 jogos com a camisa santista nesta quarta.

“Temos que caprichar mais um pouco, a gente está ansioso e eles estão se fechando bem. Temos que ter atenção, em uma bola parada eles podem fazer um gol”, avisou o zagueiro Werley.

No retorno para o segundo tempo, o clima sonolento persistiu na partida. No Santos, Robinho passou a ser mais participativo, atuando quase como meia. Desta forma, logo aos 3 minutos o camisa 7 assustou com um chute no centro do gols e em pouco mais de 10 minutos chegou a criar três boas jogadas de ataque. No entanto, em nenhuma delas o time conseguiu concluir bem.

O Maringá assustou em um lance de bola parada. A bola ficou pipocando dentro da área santista, mas David Braz afastou o perigo.

O jogo ganhou um novo panorama à partir dos 16 minutos. Robinho pedalou e driblou o Eurico. O marcador puxou a camisa do capitão santista, que parou e pediu cartão. O árbitro, muito rigoroso com o lance apenas na intermediária e que configurava qualquer chance de gol, sacou o cartão e expulsou o atleta do time paranaense.

Com um a mais, o Peixe passou a ter ainda mais posse de bola e buscou o gol com toques rápidos e tabelas perto da área. Ricardo Oliveira, pagado teve uma boa chance, mas acabou perdendo o tempo da bola. Na sequência, Leandrinho apareceu na área e pediu pênalti depois de uma disputa de bola. Mas, além de não ser correspondido pelo juiz, ainda recebeu o cartão amarelo por simulação.

Buscando ao menos um gol, Marcelo Fernandes colocou Elano, que entrou em campo com a camisa de número 300, em alusão a marca alcançada em partidas pelo Peixe.

E só aos 46 minutos do segundo tempo o gol saiu. Ricardo Oliveira aproveitou lançamento de Cicinho, dominou bonito e estufou as redes no último lance antes do apito final.

Bastidores – Santos TV:

Maringá 2 x 2 Santos

Data: 06/05/2015, quarta-feira, 22h00.
Competição: Copa do Brasil – 2ª fase – Jogo de ida
Local: Estádio Willie Davids, em Maringá (PR).
Público: 16.142 pagantes
Renda: R$ 677.255,00
Árbitro: Thiago de Alencar Gonzaga
Auxiliares: Leandro dos Santos Ruberdo e Claysson Vieira de Morais.
Cartões amarelos: Ítalo, Rafael Santiago, Rhuan (M); Gabriel, Elano, Paulo Ricardo, Gustavo Henrique (S).
Gols: Elano (24-1), Marquinhos Gabriel (10-2), Fabiano (37-2) e Rodrigo Dantas (46-2)

MARINGÁ
Ednaldo; D. Gerônimo, Fabiano, Marcelo Xavier e E. Edinho; Ítalo, Eurico, Serginho Paulista (Rhuan) e Max (Alex); Rodrigo Dantas e Gabriel Barcos (Rafael Santiago).
Técnico: Claudemir Sturion

SANTOS
Vladimir, Cicinho, Gustavo Henrique, Paulo Ricardo e Caju; Lucas Otávio, Leandrinho, Elano (Serginho) (Thiago Maia) e Marquinhos Gabriel; Lucas Crispim (Diego Cardoso) e Gabriel.
Técnico: Marcelo Fernandes



De ressaca e com reservas, Santos leva gol no fim e empata com o Maringá

No primeiro jogo após o título paulista, time vencia até o fim, mas levou dois gols em nove minutos e deixou escapar a classificação para a terceira fase da Copa do Brasil

O Santos curtiu a ressaca do título paulista sem Robinho, Lucas Lima, Ricardo Oliveira e seus principais astros, sem bom futebol e também sem vitória. Poupando titulares, o Peixe vencia até os 46 minutos do segundo tempo, mas cedeu o empate por 2 a 2 ao Maringá, fora de casa. O jogo da volta acontece na próxima quarta-feira, na Vila Belmiro.

Depois de tanta adrenalina e tensão na final do Paulistão, o torcedor alvinegro merecia um descanso para o coração e os nervos. Mesmo assim, não teve uma noite lá muito tranquila. O primeiro susto veio no segundo minuto da partida, quando Gabriel Barcos marcou para os paranaenses, mas teve gol anulado. Depois, com os gols de Elano e Marquinhos Gabriel, a partida se desenrolava tranquila, mas dois gols dos paranaenses em oito minutos (Fabiano e Rodrigo Dantas) colocaram água no chopp santista.

Mesmo sem seus principais jogadores, o Santos dominou a partida – embora não tenha tido uma grande atuação. O desentrosamento, a má qualidade do gramado e até a limitação técnica de alguns atletas proporcionaram jogadas feias e fizeram com que, mesmo tendo maior posse de bola, o Peixe pouco criasse.

Com dificuldades para criar, também pelos buracos no campo do Estádio Willie Davids, a solução alvinegra veio pelo alto. Cicinho cruzou e Elano, assim como já havia feito contra o Londrina, na última fase da competição, testou firme para as redes. O Peixe então passou a controlar o jogo, foi pouco ameçado e ampliou a vantagem com Marquinhos Gabriel, no ínicio do segundo tempo.

Com a classificação encaminhada, Marcelo Fernandes começou a observar os reservas dos reservas do Peixe, e os garotos, pouco acostumados a jogar, sentiram o cansaço. Apoiado pela torcida que lotou o estádio, o Maringá, limitadíssimo, mas valente, cresceu, diminuiu a vantagem aos 38 minutos e conseguiu o empate aos 46 minutos da etapa final.

Agora, o time da Vila Belmiro se foca no Brasileirão, competição na qual estreia domingo, contra o Avaí, na Ressacada, às 18h30. Se espantar a zebra e avançar à terceira fase da Copa do Brasil, o Santos pegará Sport ou Chapecoense. A equipe catarinense venceu a primeira partida por 2 a 0, em Chapecó, e abriu boa vantagem para a volta em Pernambuco.

Bastidores – Santos TV:

Capitão dos reservas, Elano critica queda de produção: ‘É nisso que dá’

Camisa 22 foi substituído aos 27 minutos do segundo tempo e assistiu do lado de fora ao Maringá marcar dois gols e garantir o jogo de volta na Vila Belmiro, quarta-feira

Substituído aos 27 minutos do segundo tempo, Elano viu do banco de reservas o Santos levar dois gols do Maringá, empatar em 2 a 2 e não conseguir eliminar o jogo de volta da segunda fase da Copa do Brasil. Com gols marcados aos 37 e aos 46, o clube paranaense garantiu a partida da próxima quarta-feira, na Vila Belmiro ao igualar o placar aberto pelo próprio Elano, aos 23 do primeiro tempo, e ampliado por Marquinhos Gabriel já na etapa complementar.

Na saída do gramado do Willie Davids, o capitão do Peixe criticou a queda de rendimento da equipe sem associar este fato à sua saída de campo. Para o camisa 22, falta de atenção foi o motivo para a equipe sofrer dois gols em nove minutos e deixar Maringá com gosto de derrota.

– Infelizmente aconteceu, mas não foi só pela minha saída. Tem que ter um pouquinho mais de atenção para que isso não aconteça. Não pode baixar o volume de jogo, tem que manter uma consistência de jogo e quando você não faz isso no futebol de hoje, é nisso que dá. A gente vai embora triste, tínhamos que fazer o resultado para o torcedor que veio até aqui – afirmou Elano.

Agora, o Santos foca atenções na primeira rodada do Brasileirão, quando enfrentará o Avaí na Ressacada, em Florianópolis, domingo, às 18h30. Nesta partida, os titulares estarão de volta ao time do técnico Marcelo Fernandes. O jogo de volta da segunda fase da Copa do Brasil será no meio da semana seguinte, na Vila Belmiro.

Caso entre em campo contra o Avaí, Elano fará seu jogo de número 300 com a camisa do Santos. Esta é a terceira passagem do camisa 22 pela Vila Belmiro, e o atual contrato acaba no fim de maio.

Santos FC x Maringá FC






Santos Futebol Clube x Maringá Futebol Clube


Retrospecto:

02 jogos
01 vitória
01 empate
00 derrota
03 gols pró
02 gols contra
01 saldo

Resultados:

06/05/2015 – Santos 2 x 2 Maringá – Copa do Brasil – Willie Davids
14/05/2015 – Santos 1 x 0 Maringá – Copa do Brasil – Vila Belmiro