Navegando Posts marcados como Mogi Mirim


Vídeos: (1) Gols e (2) melhores momentos

Santos 2 x 0 Mogi Mirim

Data: 22/04/2012, domingo, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista – Quartas de final – Jogo único
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 10.635 pagantes
Renda: R$ 307.540,00
Árbitro: Flávio Rodrigues Guerra
Auxiliares: Daniel Paulo Ziolli e Mauro André de Freitas
Adicionais: Antonio Rogério Batista do Prado e Leonardo Ferreira Lima
Cartões amarelos: Maranhão e Juan (S); Roni, Edson Ratinho, Renê Júnior (MM).
Gols: Maranhão (21-1); Neymar (26-2).

SANTOS
Rafael; Maranhão, Edu Dracena, Durval e Juan; Adriano, Arouca (Elano), Ibson e Paulo Henrique Ganso; Neymar e Alan Kardec.
Técnico: Muricy Ramalho

MOGI MIRIM
Anderson, Edson Ratinho (Luis Felipe), Tiago Alves, Lucas Fonseca e João Paulo; Val, Baraka, Renê Junior e Felipe; Roni (Jefferson Maranhão) e Hernane.
Técnico: Guto Ferreira



Neymar dá assistência, faz 99º gol pelo Santos e time bate o Mogi

Mesmo muito marcado, atacante é destaque nas quartas de final do Paulistão e garante classificação para semifinal contra São Paulo

O Santos viu seu grande astro brilhar mais uma vez e se garantiu nas semifinais do Campeonato Paulista. Com uma assistência de Neymar para Maranhão e um gol do próprio atacante, o time fez 2 a 0 no Mogi Mirim e, no próximo fim de semana vai enfrentar o São Paulo, que no sábado bateu o Bragantino por 4 a 1 no Morumbi.

Desde o início do jogo, Neymar foi “perseguido” em campo pelos marcadores do Mogi Mirim. Ao longo da partida, quatro jogadores do Mogi receberam cartões amarelos, todos eles em faltas sobre o atacante. A forte marcação, porém, não impediu que ele fosse decisivou.

No primeiro tempo, aos 22 minutos, o camisa 11 apareceu como garçom, fazendo belo lançamento para Maranhão. O lateral-direito acertou belo cabeceio e abriu o placar. Na etapa final, 10s 25, Neymar resolveu sozinho, ao receber na direita e carregar até a marca do pênalti para chutar e fechar o placar. O gol foi o de número 99 do atacante com a camisa do Santos.

Na próxima semana, o time do técnico Muricy Ramalho segue sua rotina de decisões. Na quarta-feira, inicia a disputa das oitavas de final da Copa Libertadores contra o Bolívar, na altitude de La Paz. Depois, com apenas três dias de descanso, enfrenta o São Paulo na semifinal do Paulistão, em jogo que deve acontecer no próximo domingo.

O jogo

Os donos da casa dominaram a posse de bola desde o início do jogo, dando poucas chances de ataque ao Mogi Mirim. Ainda assim, o Santos só começou a ameaçar a partir dos doze minutos, quando Ganso recebeu de Neymar e cruzou par a pequena área, de onde Alan Kardec cabeceou. A bola, porém, saiu acima do gol da equipe do interior.

Aos 18, a melhor chance santista até então. Neymar recebeu passe de calcanhar do lateral-esquerdo Juan e tentou o chute colocado no canto, mas a bola saiu rente à trave defendida por Anderson. No minuto seguinte, o Mogi teve sua única oportunidade nos 45 minutos iniciais. O meia Felipe recebeu na intermediária e chutou forte, mas viu Rafael espalmar para escanteio sem dificuldade.

Perseguido pela marcação forte dos defensores do Mogi, Neymar encontrou espaço para brilhar como “garçom” e, aos 22, iniciou a jogada que abriria o placar para o Santos. O atacante recebeu na esquerda, levantou a cabeça e fez lançamento perfeito para Maranhão, que entrava pela direita da grande área. O lateral-direito cabeceou bem, colocando a bola longe do alcance de Anderson e abrindo o placar na Vila.

À frente no placar, o Santos foi para cima na metade final do primeiro tempo tentando liquidar a partida, mas parou na boa atuação do goleiro rival. Aos 30 e aos 35 minutos, o goleiro foi o principal responsável por evitar o segundo gol santista, primeiro ao defender chute de Neymar e, depois, ao espalmar para escanteio um chute de Juan. Assim, o intervalo chegou mesmo com o 1 a 0 para os anfitriões.

No início da segunda etapa o Mogi pareceu entrar mais ligado e equilibrou as disputas no meio de campo, dificultando a chegada do Santos no ataque. O que não mudou foi a pegada na marcação, que aos 20 minutos resultou em muita reclamação de Ganso após mais uma falta em Neymar.

Esse equilíbrio, porém, durou pouco. Aos 25, Neymar decidiu novamente, e dessa vez como artilheiro. Ele recebeu a bola na direita, avançou cortando em direção à meia-lua da área do Mogi, invadiu a área, driblou o último marcador e empurrou para o fundo das redes.

Foi o gol número 99 de Neymar com a camisa do Santos. E o gol da tranquilidade do time na busca pela vaga para enfrentar o São Paulo na semifinal. No último lance, ele ainda teve a chance de fazer o terceiro do Santos e seu centésimo, mas acabou chutando na trave e o placar ficou mesmo em 2 a 0.

Bastidores – Santos TV:

Neymar apanha e é provocado, mas manda beijinhos para rival e diz estar amadurecido

O Santos venceu o Mogi Mirim por 2 a 0 e se garantiu na semifinal do Campeonato Paulista para enfrentar o São Paulo. Mais uma vez, Neymar foi o principal nome do ataque santista e teve que conviver com as provocações dos rivais. O craque santista disse estar amadurecido, mas teve um difícil teste de paciência.

“Ele está empolgado. Eu só quero jogar o meu futebol, ele fala muito e eu pouco. E agora ele está pendurado. Estou acostumado com isso, é normal”, disse o camisa 11 santista sobre o lateral Edson Ratinho, que durante toda a primeira etapa tentou tirar a concentração do atacante e, pendurado, ficou no vestiário já no intervalo.

Foi o lateral quem teve o primeiro embate com Neymar. Ele ganhou uma dividida e provocou o santista, que no lance seguinte o driblou e foi derrubado. Cartão amarelo e vez de Neymar provocar com gestos dando a entender que os rivais falavam demais.

Ainda no primeiro tempo, Neymar teve que conviver com as cornetadas do capitão Tiago Alves e chegou a mandar um beijinho para os rivais em troca dos ‘elogios’.

“Eu falei pra um deles que o time é muito bom, mas tem uns jogadores que usam demais a perna e isso acaba prejudicando o time. Não sei se é excesso ou empolgação”, disse, reclamando de ter levado um tapa na cara. “Eu tomei, todo mundo viu”.

Além do tapa reclamado, Neymar foi parado sete vezes com falta, deu 16 dribles, seis finalizações e participou da partida em 65 oportunidades, segundo os números do Datafolha.

Neymar ainda deu uma de defensor de Ganso e comprou a briga do camisa 10 com o volante Baraka. Ele foi para cima e não se intimidou com o tamanho dos rivais e até chegou a ser repreendido pelo árbitro.

Mesmo com tudo isso, ele achou espaço para fazer o que melhor sabe. No primeiro tempo, deu um passe à la Ganso e encontrou Maranhão, que na grande área marcou o primeiro.

O gol que sacramentou a vitória foi todo dele. Ele recebeu na direita, saiu da marcação de três jogadores e de pé esquerdo marcou seu gol número 99 com a camisa do Santos. De quebra, tornou-se o artilheiro da competição ao lado de Hernane do Mogi com 13 gols e provocou os rivais: “fala muito”, gritou.

Após o jogo, Neymar falou sobre o São Paulo, o próximo rival no Paulistão e elogiou o amigo Lucas. “É só não dar espaço para ele. Se der um metrinho, ele acaba com o jogo”.

Com apenas três gols sofridos nas últimas nove partidas, Santos implementa estilo Muricy

Entre muitos os elogios que Muricy Ramalho recebeu quando chegou ao Santos, talvez o principal era de que o comandante seria o homem ideal para dar um jeito na inconstante defesa santista. Pouco mais de um ano a frente do time, o estilo do treinador já pode ser notado. Prova disso são os últimos nove jogos, nos quais Rafael só foi vazado em três oportunidades.

Além disso, neste domingo, o Santos chegou ao seu terceiro jogo seguido sem levar gol e foi elogiado pelo comandante. “O Santos jogou muito bem. Não demos espaço ao Mogi. Nossa marcação foi excelente, principalmente no primeiro tempo”, avaliou o treinador, que só perdeu duas das últimas dez partidas. Um dos reveses foi justamente contra o São Paulo, adversário na semi, quando o time sofreu três gols.

O que chama atenção é que Muricy utiliza a mesma dupla de zaga de seus antecessores. Durval e Edu Dracena chegaram ser criticados em algumas oportunidades, mas tem credibilidade com o treinador e o elenco.

A nova postura do time tem outra explicação. Uma delas é a fixação do volante Adriano na cabeça de área, fundamental na proteção dos zagueiros e responsável pelo primeiro combate. Nem mesmo a lesão do volante, que só voltou a jogar no início deste ano, alterou o jeito do time jogar.

Na ausência de Adriano, Henrique era o escolhido para atuar e hoje os dois brigam por uma posição no time, podendo até mesmo jogarem juntos em algumas oportunidades.

Diante do Mogi, o time fez 71 desarmes, segundo os números do Datafolha. O principal ladrão de bolas foi justamente Adriano com 11, seguido por Juan (10), Maranhão (9) e Arouca (8).

Ao contrário da zaga, quando Muricy chegou ao Santos, os laterais eram outros. Danilo, deu lugar a Fucile, muito mais defensivo do que o antecessor e a vaga ocupada antes por Léo, hoje é de Juan. O veterano já não aguentava mais subir ao ataque com o mesmo ímpeto de outrora e, por vezes, deixava uma lacuna no setor esquerdo da defesa.

Arouca continua sendo o motor do time, mas Ganso e Ibson/Elano deixaram de ser peças importantes apenas para atacar e passaram a ajudar mais na marcação, assim como Borges e Neymar.

Contra o Mogi, Muricy optou por escalar Alan Kardec com a camisa 9 e a postura do grandalhão chamou atenção. Brigou por todas as jogadas e deu um sufoco na saída de bola do time do interior.

ÚLTIMOS 10 JOGOS:
2 x 3 São Paulo
2 x 0 Juan Aurich
2 x 0 Bragantino
5 x 0 Guaratinguetá
2 x 0 Portuguesa
1 x 1 Internacional
1 x 2 São Caetano
5 x 0 Catanduvense
2 x 0 The Stronguest
2 x 0 Mogi Mirim

Mogi Mirim 3 x 1 Santos

Data: 10/03/2012, sábado, 18h30.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 13ª rodada
Local: Estádio Romildo Ferreira, o “Romildão”, em Mogi Mirim, SP.
Público: 3.422 pagantes
Renda: R$ 109.255,00
Árbitro: Leandro Bizzio Marinho
Auxiliares: Rafael Ferreira da Silva e Fausto Augusto Viana Moretti
Adicionais: Leonardo Ferreira Lima e Júnior César Lossávaro
Cartões amarelos: Vinícius Simon, Bruno Rodrigo e Elano (S).
Gols: Dimba (03-1), Val (06-1); Felipe (09-2) e Val (14-2).

MOGI MIRIM
Anderson; Edson Ratinho, Tiago Alves, Fonseca e Piauí; Baraka (Rodrigão), Val, Gil e Felipe (Marcelo Macedo); Roni (Jefferson Maranhão) e Hernane.
Técnico: Guto Ferreira

SANTOS
Aranha; Maranhão, Bruno Rodrigo, Vinicius Simon e Paulo Henrique; Adriano (Alan Santos), Anderson Carvalho (Tiago Alves), Elano e Felipe Anderson (Breitner); Dimba e Alan Kardec.
Técnico: Muricy Ramalho



Com reservas, Santos tem sequência positiva quebrada pelo Mogi

Muricy escalou os reservas na partida disputada em Mogi Mirim. De virada, time da casa venceu por 3 a 1

O Santos vinha de uma série de sete vitórias consecutivas no Campeonato Paulista. Mas o time da Vila Belmiro viu a sua sequência positiva dentro da competição ser interrompida pelo Mogi Mirim, neste sábado, no Estádio Romildão. Os donos da casa ganharam por 3 a 1, com dois gols de Val e um de Felipe. Dimba descontou para o Peixe, em confronto válido pela 13° rodada do Estadual.

O triunfo do Mogi levou a equipe aos 26 pontos, saltando provisoriamente para a terceira colocação, com um ponto a menos que os santistas, vice-líderes do Paulistão. A posição dos dois clubes só será definida após o complemento da rodada, neste domingo.

Depois de utilizar os reservas no duelo com o Sapão, o Alvinegro Praiano agora volta a campo diante do Juan Aurich (Peru), na próxima quinta-feira, em Chiclayo, pela Copa Libertadores da América.

O jogo

A partida começou em ritmo acelerado. Tanto que, logo aos três minutos, o Santos abriu o placar. Elano fez o lançamento para Felipe Anderson, que ajeitou a bola e tocou para Dimba concluir com precisão colocar o Peixe em vantagem.

Mas a alegria santista durou pouco tempo. Isto porque, aos seis, o Mogi Mirim chegou ao empate. A cobrança de falta partiu da direita e o volante Val se antecipou a zaga alvinegra para cabecear no canto de Aranha, deixando tudo igual: 1 a 1.

Após o empate, o Sapão passou a pressionar em busca do segundo gol e criou boas chances para chegar a virada. Aos 16, em um cruzamento despretensioso do lateral Piauí. A bola saiu fechada e, rápida, quase surpreendeu Aranha. Atento, o goleiro do Santos espalmou, evitando o segundo gol dos donos da casa.

O Peixe respondeu mais tarde, em um bate-rebate dentro da grande área, aos 28. A bola sobrou para o lateral esquerdo Paulo Henrique, após cobrança de escanteio, e o zagueiro Bruno Rodrigo quase marcou para a sua equipe, de cabeça. O goleiro Anderson evitou o gol santista.

O Mogi Mirim voltou a assustar aos 37, quando Roni começou a jogada, Ratinho cortou Bruno Rodrigo e encontrou Hernane, dentro da área. O centroavante fez o giro e soltou a bomba, mas Aranha fez grande defesa e evitou o gol adversário.

Dois minutos depois, o Sapão teve mais uma boa oportunidade para virar o jogo. Elano errou o passe e gerou o contra-ataque do Mogi, que quase culminou com um gol de Roni. Porém, Aranha estava atento mais uma vez e defendeu o chute de Roni.

Melhor em campo e criando várias chances de gol antes do intervalo, o time da casa quase balançou as redes novamente no final do primeiro tempo. Aos 42, Felipe lançou Val, que dominou a bola e bateu para mais uma boa defesa de Aranha, principal figura do Alvinegro Praiano na etapa inicial.

Na volta para o segundo tempo, o técnico do Mogi Mirim, Guto Ferreira,foi obrigado a sacar Baraka, que sentiu lesão e ficou nos vestiários da equipe, não retornando para o duelo. Rodrigão entrou em seu lugar.

O Sapão quase alcançou a virada, aos quatro minutos, mas Aranha apareceu bem mais uma vez, em boa cobrança de falta de Felipe.

Só que, de tanto insistir, o Mogi Mirim chegou ao seu segundo gol. Aos nove, Vinícius Simon falhou e Felipe disparou em velocidade, antes de chutar forte, rasteiro, sem chances para Aranha, desta vez.

Desnorteado, o Santos viu os donos da casa anotarem o terceiro gol, com Val. Aos 14, Felipe fez grande lance individual, driblando facilmente o meia santista Felipe Anderson, antes de encontrar Val livre, na entrada da área, para soltar a bomba e balançar as redes alvinegras novamente.

Logo após o gol, o técnico do Peixe, Muricy Ramalho, começou a mexer na sua equipe, visando buscar pelo menos o empate. Aos 16, Felipe Anderson foi substituído por Breitner. Cansado, o volante Adriano, que voltou a jogar neste sábado, depois de pouco mais de três meses afastado dos gramados, se recuperando de uma cirurgia no tornozelo direito, deu lugar ao jovem Alan Santos.

Com o terceiro gol do Mogi, a equipe da casa passou administrar a sua vantagem, deixando o ritmo da partida mais lento. Por isso, Muricy queimou a sua última alteração aos 37, quando o atacante Tiago Alves substituiu o volante Anderson Carvalho. No Mogi, Roni saiu para a entrada de Jefferson Maranhão e Felipe que cedeu a sua vaga para Marcelo Macedo.

O Santos ainda desperdiçou uma grande oportunidade de pressionar os donos da casa nos minutos finais, quando Dimba mandou para a fora o rebote de uma cabeçada de Bruno Rodrigo na trave. Aos 40, sem goleiro, o jovem atacante isolou a bola, naquela que foi a última boa chance de gol da partida, antes do apito final do árbitro.

São Paulo 4 x 1 Santos

Data: 04/12/2011, domingo, 17h00
Competição: Campeonato Brasileiro – 38ª rodada (última)
Local: Estádio Romildo Ferreira, em Mogi Mirim, SP.
Público: 4.948 pagantes
Renda: R$ 101.915,00
Árbitro: Rodrigo Braghetto (SP)
Auxiliares: Vicente Romano Neto e Carlos Nogueira Junior (ambos de SP)
Cartões amarelos: Felipe Anderson e Bruno Aguiar (S).
Gols: Luis Fabiano (12-1), Cícero (33-1) e Lucas (38-1); Elano (16-2) e Luis Fabiano (35-2).

SÃO PAULO
Rogério Ceni; Jean, João Filipe, Rhodolfo e Juan; Wellington, Denílson, Cícero (Ivan Piris) e Lucas (Henrique); Fernandinho (Marlos) e Luis Fabiano.
Técnico: Emerson Leão.

SANTOS
Vladimir; Pará, Bruno Aguiar, Vinícius Simon e Éder Lima; Anderson Carvalho, Ibson, Elano e Felipe Anderson (Breitner); Diogo e Alan Kardec.
Técnico: Tata (interino).



São Paulo goleia reservas do Santos, mas fica fora da Libertadores

Vitória do Internacional no Rio Grande do Sul tira equipe do Morumbi da principal competição continental de 2012

Se aproveitando da fragilidade dos reservas do Santos, o São Paulo fez a sua parte e goleou o rival por 4 a 1, na tarde deste domingo, no Estádio Romildo Ferreira, o Romildão, em Mogi Mirim. Apesar do grande resultado, o time do Morumbi não conseguiu se classificar para a próxima edição da Copa Libertadores da América e terminaram o Nacional em 6º, com 59 pontos. O Santos terminou em 10º.

Os são paulinos conseguiram assistir a dois dos três resultados que precisava. O Figueirense empatou com o Avaí, o Coritiba perdeu para o Atlético-PR, mas o Internacional venceu o Grêmio.

Agora, depois de encerrar a sua participação no Brasileirão, o time de Muricy Ramalho inicia nesta segunda-feira a sua viagem rumo ao Japão, onde irá disputar o Mundial de Clubes da Fifa. Já os comandados de Émerson Leão entram de férias e só voltam a jogar na próxima temporada.

O jogo

Com chances matemáticas de se classificar para a Copa Libertadores da América 2012, o São Paulo começou o jogo pressionando os reservas do Santos e criando boas oportunidades de gol. Logo aos sete minutos, o atacante Luis Fabiano teve uma boa chance de marcar, mas o seu arremate foi bem defendido por Vladimir, que venceu a disputa com Aranha e foi escalado no gol santista neste clássico.

Mas, se na primeira jogada Vladimir levou a melhor sobre o atacante, na segunda, o centroavante não perdoou. Aos 12, Fernandinho cruzou da esquerda para Luis Fabiano que, levou a melhor sobre a zaga e tocou de cabeça no contrapé do goleiro: 1 a 0 para os são-paulinos.

Com o domínio total das ações e com o Santos pouco produzindo no ataque, o São Paulo quase ampliou a sua vantagem aos 26. Denílson lançou Jean, que soltou a bomba e acertou o travessão de Vladimir. Na sobra, a zaga afastou o perigo.

Porém, os santistas não conseguiram resistir por muito mais tempo. Aos 33, Cícero arriscou de fora da área, de pé esquerdo, no ângulo, aumentando a vantagem da equipe do Morumbi.

Com o Santos desnorteado em campo, o São Paulo ainda chegou ao seu terceiro gol antes do intervalo. Lucas, aos 38, fez boa jogada individual e, em outro chute de fora da área, ampliou o placar para o seu time.

Antes do final do primeiro tempo, o São Paulo esteve próximo do quarto gol, com Fernandinho. Aos 40, o atacante levou a melhor sobre Pará e bateu rasteiro, no canto esquerdo de Vladimir. Na volta do intervalo, aos quatro, os são paulinos quase chegaram ao quarto. No entanto, Cícero tentou toque de “letra”, após completar chute de Luis Fabiano, facilitando a defesa de Vladimir.

Mesmo sem muita inspiração, o Santos reagiu e conseguiu descontar. Aos 16, Elano acertou boa cobrança de falta, no meio do gol, superando Rogério Ceni e anotando o primeiro de sua equipe em Mogi Mirim.

Só que o São Paulo continuava melhor e, novamente com Luis Fabiano, aos 35, balançou as redes. O centroavante são-paulino fez bom lance individual e chutou cruzado, sem força, mas Vladimir não conseguiu evitar o quarto gol do adversário.

Depois do segundo gol de Luis Fabiano na partida, o que se viu foi um clássico no qual os dois times somente aguardavam o apito final do árbitro, para encerrarem suas participações no campeonato deste ano.

Santos FC x Mogi Mirim EC
Santos Futebol Clube x Mogi Mirim Esporte Clube


Retrospecto:

40 jogos
20 vitórias
13 empates
07 derrotas
70 gols pró
37 gols contra
33 saldo

Resultados:

06/04/1986 – Santos 1 x 2 Mogi Mirim – Paulista – Vail Chaves
03/07/1986 – Santos 0 x 0 Mogi Mirim – Paulista – Vila Belmiro
25/03/1987 – Santos 2 x 1 Mogi Mirim – Paulista – Vila Belmiro
19/07/1987 – Santos 0 x 2 Mogi Mirim – Paulista – Vail Chaves
04/05/1988 – Santos 1 x 0 Mogi Mirim – Paulista – Vila Belmiro
26/03/1989 – Santos 0 x 0 Mogi Mirim – 5 x 3 pênaltis – Paulista – Vail Chaves
31/05/1989 – Santos 1 x 0 Mogi Mirim – Paulista – Vila Belmiro
15/06/1989 – Santos 1 x 1 Mogi Mirim – Paulista – Vail Chaves
02/05/1990 – Santos 1 x 1 Mogi Mirim – Paulista – Vail Chaves
27/06/1990 – Santos 1 x 1 Mogi Mirim – Paulista – Vail Chaves
01/08/1990 – Santos 0 x 0 Mogi Mirim – Paulista – Vila Belmiro
31/08/1991 – Santos 1 x 1 Mogi Mirim – Paulista – Wilson de Barros
18/09/1991 – Santos 3 x 0 Mogi Mirim – Paulista – Vila Belmiro
03/03/1993 – Santos 2 x 2 Mogi Mirim – Paulista – Vila Belmiro
28/03/1993 – Santos 0 x 1 Mogi Mirim – Paulista – Wilson de Barros
12/02/1994 – Santos 1 x 0 Mogi Mirim – Paulista – Vila Belmiro
08/05/1994 – Santos 1 x 1 Mogi Mirim – Paulista – Wilson de Barros
02/03/1996 – Santos 0 x 2 Mogi Mirim – Paulista – Wilson de Barros
05/05/1996 – Santos 3 x 1 Mogi Mirim – Paulista – Vila Belmiro
30/03/1997 – Santos 4 x 2 Mogi Mirim – Paulista – Vila Belmiro
03/05/1997 – Santos 2 x 0 Mogi Mirim – Paulista – Wilson de Barros
21/04/1999 – Santos 2 x 0 Mogi Mirim – Paulista – Wilson de Barros
16/05/1999 – Santos 1 x 1 Mogi Mirim – Paulista – Vila Belmiro
09/04/2000 – Santos 0 x 1 Mogi Mirim – Paulista – Wilson de Barros
13/04/2000 – Santos 3 x 1 Mogi Mirim – Paulista – Vila Belmiro
28/04/2001 – Santos 5 x 1 Mogi Mirim – Paulista – Wilson de Barros
28/01/2004 – Santos 4 x 0 Mogi Mirim – Paulista – Vila Belmiro
27/01/2005 – Santos 4 x 2 Mogi Mirim – Paulista – Wilson de Barros
15/01/2006 – Santos 2 x 0 Mogi Mirim – Paulista – Vila Belmiro
15/03/2009 – Santos 3 x 0 Mogi Mirim – Paulista – Pacaembu
24/01/2010 – Santos 1 x 2 Mogi Mirim – Paulista – Papa João Paulo II
23/03/2011 – Santos 3 x 1 Mogi Mirim – Paulista – Vila Belmiro
10/03/2012 – Santos 1 x 3 Mogi Mirim – Paulista – Romildo Ferreira
22/04/2012 – Santos 2 x 0 Mogi Mirim – Paulista – Vila Belmiro
28/03/2013 – Santos 2 x 2 Mogi Mirim – Paulista – Vila Belmiro
05/05/2013 – Santos 1 x 1 Mogi Mirim – 5 x 4 pênaltis – Paulista – Romildo Ferreira
06/03/2014 – Santos 5 x 2 Mogi Mirim – Paulista – Romildo Ferreira
04/02/2015 – Santos 0 x 0 Mogi Mirim – Paulista – Romildo Ferreira
25/02/2016 – Santos 4 x 1 Mogi Mirim – Paulista – Pacaembu


Data: 23/11/2011
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 15ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público e renda: N/D
Árbitro: Antonio Rogério Batista do Prado.
Auxiliares: Rafael Ferreira da Silva e Maiza Teles Paiva.
Cartões amarelos: Pará, Durval, Zé Eduardo (S), Val, Denilson (MM).
Gols: Zé Eduardo (06-1); Keirrison (02-2), Cristiano (26-2) e Edu Dracena (29-2).

SANTOS
Rafael, Bruno Rodrigo, Edu Dracena, Durval; Jonathan (Crystian), Possebon, Felipe Anderson (Alan Patrick), Paulo Henrique Ganso e Pará; Zé Eduardo e Keirrison (Tiago Alves).
Técnico: Marcelo Martelotte

MOGI MIRIM
João Paulo, Audálio, Tiago e Everton Dias; Niel, Baraka, Val, Paulo Isidoro (Ytalo) e Maisena (Cleidson); Roberto Jacaré (Cristiano) e Denílson.
Técnico: Guto Ferreira



Ganso participa de gols, evita pressão e ajuda Santos a vencer Mogi por 3 a 1

Paulo Henrique Ganso escapou das vaias com participação fundamental nos três gols santistas na vitória por 3 a 1 contra o Mogi Mirim, na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro, pela 15ª rodada do Campeonato Paulista. Ganso, extremamente criticado por ter o desejo de transferência externado pelo presidente Luis Alvaro de Oliveira Ribeiro, deu a assistências para os gols de Zé Eduardo e Edu Dracena, e iniciou a jogada do gol marcado por Keirrison.

O camisa 10 precisou de poucos minutos para evitar a pressão do baixo público santista presente (apenas 3.785 torcedores) na Vila. Com sete minutos de jogo, ela já tranquilizou o torcedor colocando Zé Eduardo na cara do gol para marcar o primeiro.

Como estrela solitária em campo, o meia ajudou o Santos a superar os diversos desfalques, nove no total, incluindo os selecionáveis Elano e Neymar, e conseguiu minimizar a crise vivida pelo clube.

Com o triunfo, o Santos pula para 31 pontos, mas segue na quarta colocação do campeonato, já que Corinthians, o líder, e Palmeiras, o vice, venceram na rodda. O Mogi segue com 18 pontos, na 12ª colocação.
Na próxima rodada, o Santos pode antecipar a classificação e enfrenta o Ituano, em Itu, domingo, às 18h30. Já o Mogi-Mirim encara a Portuguesa jogando em casa, sábado, às 18h30.

O Santos iniciou o jogo impondo pressão no adversário e com Paulo Henrique Ganso sabendo aproveitar bem o espaço para distribuir as jogadas. O meia teve um início brilhante com passes precisos, deixando no mesmo minuto, Felipe Anderson, e posteriormente Zé Eduardo na cara do gol. O primeiro desperdiçou ótima chance, enquanto o segundo abriu o placar para o Santos.

O ritmo santista diminuiu bruscamente na medida em que o futebol de Ganso também foi decaindo. O camisa 10 ainda armou boas jogadas, com longas enfiadas de bola, mas os erros de passes minaram a atuação.

Com o passar do tempo, Ganso ganhou a ‘sombra’ do volante Val em campo. O marcador do Mogi Mirim foi viril, e não poupou o camisa 10. Após uma entrada dura, o meia chegou a levar a mão no joelho esquerdo recém operado deixando os santistas apreensivos.

“Não foi nada. É apenas um mal-estar. Estou pronto para o segundo tempo”, disse Ganso no intervalo.

Ganso escapou das vaiais direcionadas para si no intervalo do jogo. No entanto, elas vieram para o Santos em geral. A torcida reclamou da exibição santista na primeira etapa.