Navegando Posts marcados como Montillo

Goiás 0 x 3 Santos

Data: 08/12/2013, domingo, 17h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 38ª rodada (última)
Local: Estádio Serra Dourada, em Goiânia, GO.
Público: 25.238 pagantes
Renda: R$ 354.655,00
Árbitro: Jean Pierre Goncalves Lima (RS)
Auxiliares: Kléber Lúcio Gil e Carlos Berkenbrock (ambos de SC)
Cartões amarelos: Gustavo Henrique e Durval (S).
Cartão vermelho: Hugo (G)
Gols: Cícero (05-1) e Montillo (44-1); Montillo (32-2).

GOIÁS
Renan; Vítor, Ernando, Rodrigo e William Matheus; Amaral, Dudu Cearense (Ramon), Eduardo Sasha (Roni), Hugo e Renan Oliveira (Welinton Júnior); Walter (Léo Bonatini).
Técnico: Luís Fernando Flores (auxiliar)

SANTOS
Aranha; Cicinho, Gustavo Henrique, Durval e Eugenio Mena (Emerson); Alison (Alan Santos), Arouca, Cícero e Montillo; Geuvânio e Thiago Ribeiro (Everton Costa).
Técnico: Claudinei Oliveira



Goiás é derrotado pelo Santos e perde chance de chegar à Libertadores

Dois gols de Montillo e outro de Cícero deram a vitória ao time paulista, que deixa goianos fora do G4 do Brasileiro

Em partida disputada neste domingo no Estádio Serra Dourada, válida pela 38ª rodada do Campeonato Brasileiro, o Goiás foi derrotado pelo Santos, por 3 a 0 (um de Cícero e dois de Montillo) e perdeu, além da quarta colocação na tabela de classificação, a oportunidade de disputar a Copa Libertadores em 2014.

O Goiás, que só precisava da vitória para se garantir na quarta colocação, foi prejudicado pelo resultado do Botafogo, que venceu o Criciúma e entrou no G4. A equipe comandada por Enderson Moreira permaneceu com 59 pontos e terminou a competição na sexta posição.

Por sua vez, o Santos, que não brigava por mais nada, ganhou uma posição e terminou o Brasileirão na sétima colocação, com 57 pontos. Esta é a melhor campanha da equipe paulista desde 2007, quando o time comandado por Vanderlei Luxemburgo ficou com o vice-campeonato, atrás apenas do campeão e arquirrival São Paulo.

O jogo

Antes do pontapé inicial, foi respeitado um minuto de silêncio, em homenagem ao ex-presidente sul-africano Nelson Mandela, que faleceu na última quinta-feira. Nos primeiros instantes da partida, os jogadores das duas equipes ficaram trocando passes, dando sequência aos protestos orquestrados pelo movimento Bom Senso FC, que pleiteia, entre outras melhorias, a mudança do calendário do futebol brasileiro.

O Santos abriu o placar aos cinco minutos de jogo. Após jogada pela direita, a defesa tirou mal e Arouca ficou com a sobra. O volante levantou na medida para Cícero, que cabeceou para baixo, marcando seu 16º gol no Campeonato Brasileiro.

No lance seguinte, o Goiás teve a chance de empatar. Dudu Cearense arriscou da entrada da área e a bola passou perto da trave direita defendida por Aranha, que já desistira do lance. Aos 18, Dudu cobrou falta na cabeça de Rodrigo, que cabeceou tirando de Aranha. Cicinho, em cima da linha, salvou o que seria o gol de empate.

Aos 33 minutos, após sobra de escanteio, o zagueiro Rodrigo lançou Hugo na grande área. Em posição duvidosa, o meia apareceu livre atrás dos zagueiros santistas, mas colocou muita força na finalização e mandou a bola por cima do gol.

O segundo gol santista saiu aos 44 minutos. Emerson avançou pela esquerda e tocou na área para Thiago Ribeiro. O atacante santista protegeu da marcação e rolou para Montillo, que aparecia atrás. O argentino acertou forte chute de primeira no canto direito de Renan.

Uma falha de Aranha, aos seis minutos da segunda etapa, quase proporcionou o primeiro gol ao Goiás. Rodrigo bateu falta com força no meio do gol, o goleiro santista espalmou para o meio da área e, no rebote, Vítor, dentro da pequena área, chutou por cima do travessão.

Aos 14 minutos, Cícero dominou na entrada da área, iludiu a marcação da defesa esmeraldina e finalizou de direita, acertando a trave de Renan. No contra-ataque seguinte, Thiago Ribeiro dominou na ponta esquerda, puxou para o meio e finalizou. A bola passou muito perto do poste esquerdo adversário.

O terceiro gol santista foi marcado aos 32 minutos. Em rápido contra-ataque, Geuvânio recebeu no meio e viu Montillo invadindo a área pela direita livre de marcação. Com um chute cruzado, de primeira, o argentino venceu o goleiro Renan e marcou seu segundo tento na partida.

Aos 45 minutos, Hugo se desentendeu com o meia Roni, seu companheiro de equipe, e recebeu o cartão vermelho de forma direta.

Em sua despedida, Durval comemora vitória com ‘honra e dignidade’

Zagueiro não terá seu contrato renovado e fez sua última partida pelo Santos no triunfo diante do Goiás

A partida entre Goiás e Santos, disputada neste domingo, no Estádio Serra Dourada, e vencida pelos paulistas por 3 a 0, marcou a despedida do zagueiro Durval. O jogador de 33 anos, que não terá seu contrato renovado pela diretoria, deixou o gramado comemorando o resultado, que garantiu ao Santos a sétima colocação no Campeonato Brasileiro, com 57 pontos.

“Não tínhamos nada a perder. Precisávamos terminar (o Brasileiro) com honra e dignidade. O 3 a 0 ficou de bom tamanho”, declarou Durval.

Contratado no começo de 2010, Durval fez neste domingo sua 249ª partida com a camisa do Santos. Em quatro anos, o zagueiro conquistou seis títulos – três Paulistas (2010, 2011 e 2012), uma Copa do Brasil (2010), uma Libertadores (2011) e uma Recopa Sul-Americana (2012).

A chegada da delegação santista a São Paulo deverá ocorrer nesta madrugada. A reapresentação do elenco está marcada para o próximo dia 6, no CT Rei Pelé, quando o Santos iniciará a preparação para o Campeonato Paulista, que começa dia 18 de janeiro.


Santos 3 x 0 Bahia

Data: 14/11/2013, quinta-feira, 19h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 34ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 15.273 presentes (13.597 pagantes e 1.676 não pagantes)
Renda: R$ 133.102,00
Árbitro: Felipe Gomes da Silva (RJ).
Auxiliares: Bruno Boschilia e Ivan Carlos Bohn (ambos do PR).
Cartão amarelo: Helder (B).
Gols: Montillo (36-1); Cícero (20-2) e Cícero (25-2).

SANTOS
Aranha; Bruno Peres, Edu Dracena, Gustavo Henrique e Emerson Palmieri; Alison (Alan Santos), Arouca (Renato Abreu), Cícero e Montillo (Marcos Assunção); Thiago Ribeiro e Geuvânio.
Técnico: Claudinei Oliveira

BAHIA
Marcelo Lomba; Fabrício (Madson), Titi, Demerson e Raul; Hélder, Rafael Miranda, Fahel (Souza) e Marquinhos (Talisca); Wallyson e Obina.
Técnico: Cristóvão Borges



Com dois gols de Cícero, Santos se recupera e complica Bahia

Depois de série de dois empates e uma derrota, o time da Vila Belmiro fez 3 a 0 nos baianos e chegou aos 48 pontos, na parte intermediária da tabela

O Santos acabou com a série de três rodadas sem vitórias no Campeonato Brasileiro. Na noite desta quinta-feira, no estádio do Pacaembu, o time do técnico Claudinei Oliveira fez 3 a 0 sem sustos contra o Bahia , que se complicou na parte de baixo da classificação.

O destaque santista foi o meio-campista Cícero, que marcou o segundo e o terceiro gols da partida. Já quem abriu o placar foi o argentino Montillo. Apesar de não ter balançado as redes, Thiago Ribeiro também brilhou, participando dos gols de Cícero.

Depois de uma série de dois empates e uma derrota, o Santos volta a vencer e chegou aos 48 pontos, na parte intermediária da tabela. Já o Bahia acumula agora sete partidas seguidas sem ganhar no Brasileirão, permanecendo com 39 pontos, muito perto do perigo.

Assim como aconteceu nas partidas de quarta, o jogo no Pacaembu teve protesto dos jogadores no início. Os dois times entraram em campo carregando faixa com a seguinte mensagem: “Por um futebol melhor para todos”. Depois, quando o árbitro autorizou o início, os dois times trocaram passes, sem qualquer disputa, por pouco menos de um minuto. Só depois da manifestação o confronto realmente começou.

O jogo:

Apesar da necessidade dos dois times de voltar a vencer, ambos iniciaram a partida desorganizados em campo. O Bahia se concentrou apenas em buscar jogadas pela esquerda, com o lateral Raul e o atacante Wallyson. Já o Santos mostrou dependência por Montillo, com Geuvânio tentando arriscar também alguns lances.

O Peixe chegou a ter duas oportunidades em cobranças de faltas, mas desperdiçou ambas. Assim, a partida demorou a ter emoção. O primeiro lance de perigo saiu apenas aos 25 minutos, depois que Edu Dracena não conseguiu cortar lançamento. A bola sobrou para Wallyson, que rolou na direita para Obina arrematar cruzado, rasteiro. Aranha se esticou para salvar o time paulista.

A jogada acordou o Santos, que respondeu cinco minutos depois. Geuvânio dominou pela direita, cortou para o meio e bateu de pé esquerdo. Marcelo Lomba espalmou, e a bola ainda acertou o travessão antes de sair pela linha de fundo. Aos 36, o Peixe abriu o placar. Emerson pegou a bola pela esquerda, em rebote de Fabrício, e fez a assistência na meia-lua para Montillo, que driblou o marcador e bateu cruzado para fazer o gol.

Antes do fim do primeiro tempo, o Bahia desperdiçou boa chance de empatar. Marquinhos recebeu cruzamento da esquerda nas costas da zaga, com liberdade, mas não conseguiu dominar, quase na linha da pequena área, e Aranha ficou com a bola.

No segundo tempo, o Santos voltou melhor. Em cobrança de falta de Montillo da intermediária, Gustavo Henrique cabeceou, a bola desviou em Cícero e passou perto da trave. Depois do revés, Cristóvão Borges tirou o volante Fahel para colocar o atacante Souza, que, em sua primeira oportunidade, desperdiçou chance de frente para o gol.

Já o Santos não falhou na oportunidade seguinte. Aos 25, Thiago Ribeiro roubou a bola no meio-campo e lançou para Montillo, que ajeitou de cabeça para Cícero arrematar para as redes. A partir daí, o Santos só teve de administrar o resultado, sem ser incomodado pelo cada vez mais preocupado Bahia.

Bastidores – Santos TV:

Cícero divide méritos com colegas e mantém sonho por G-4

O meio-campista Cícero se destacou com dois gols na vitória por 3 a 0 do Santos sobre o Bahia, mas não assumiu a condição de herói do Santos na noite desta quinta-feira, no estádio do Pacaembu. O artilheiro do confronto preferiu manifestar seu reconhecimento aos colegas pela ajuda nos gols.

“Voltamos para o segundo tempo com a proposta de contra-ataque, porque sabíamos que eles sairiam para o jogo. Mas nosso time fez umas jogadas que eram ‘sacanagem’, com Montillo, Thiago Ribeiro e Geuvânio. É mérito de todo mundo”, afirmou.

O Santos abriu o placar com o meia argentino, que recebeu de Emerson, passou pela marcação e mandou para as redes. No segundo tempo, Thiago Ribeiro avançou pela direita e cruzou atrás da zaga para Cícero completar para o gol.

Pouco depois, o mesmo atacante roubou a bola no meio-campo e lançou para Montillo, que ajeitou de cabeça para Cícero marcar mais uma vez. Depois da vitória, o autor dos dois tentos manifestou seu sonho de chegar à zona de classificação para a Copa Libertadores.

“Nós queríamos o título e não conseguimos, mas estamos vivos pelo G-4 e vamos continuar lutando”, completou o atleta, lembrando que o Santoschegou aos 48 pontos, na parte intermediária da tabela da tabela do Campeonato Brasileiro. O quarto colocado é o Goiás, que tem 56.

‘Falso nove’, Montillo elogia Cícero e se apega a mínima chance de entrar na Libertadores

Ao lado de Cícero, o meia Montillo foi o destaque da vitória do Santos sobre o Bahia, por 3 a 0, na noite desta quinta-feira, no Pacaembu. O argentino explicou o posicionamento como ‘falso nove’,as dificuldades que encontra nesta posição, as chances pelo G-4 e também elogiou a fase do companheiro de equipe.

“Graças a Deus o time foi bem. O primeiro tempo foi equilibrado, mas depois do gol, a equipe ficou mais tranquila e conseguimos jogar muito bem. O Claudinei gosta de jogar com dois caras bem aberto e eu tento fazer esse falso nove. Tento entrar mais na área, confundir a marcação dos zagueiros. Quando dá certo, sempre sai jogadas muito boas. Às vezes, com a marcação mais forte, fica difícil. Mas a gente tem uma equipe com muita qualidade no meio campo. E temos o Cícero, que está acima da média, fazendo muitos gols”, afirmou o camisa 10.
O argentino comentou a boa atuação que teve no triunfo santista, elogiou o elenco e evitou fazer projeções caso não tivesse se lesionado com frequência na temporada.

“Jogando com jogadores qualidade ao lado, fica muito mais fácil para mim. É claro que ninguém quer se machucar. Não tem como saber se eu não estivesse machado. O nosso presente é esse, com 48 pontos. Ainda temos uma mínima chance de entrar no G-4. Espero que no nordeste (contra o Vitória), a gente consiga mais três pontos para continuar sonhando”, disse Montillo.

“Temos que ganhar todas as partidas. Começando por hoje. Já demos um passo. Tomara que a gente consiga. Enquanto tivermos chances, temos que acreditar. Obviamente, temos que fazer a nossa parte”, finalizou o meia à respeito sobre as chances de classificação para a Libertadores.



Santos 2 x 1 Ponte Preta

Data: 12/10/2013, sábado, 21h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 28ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 8.607 presentes (7.230 pagantes e 1.377 não pagantes)
Renda: R$ 241.720,00
Árbitro: Marcelo Aparecido R. de Souza (SP)
Auxiliares: Gustavo Rodrigues de Oliveira e Fabricio Porfirio de Moura (ambos de SP).
Cartões amarelos: Edu Dracena, Alison, Cicinho e Leandrinho (S); Elias, Ferron e Edson Bastos (PP).
Cartão vermelho: Cicinho (S).
Gols: Everton Costa (44-1), Montillo (23-2) e Rafael Ratão (44-2).

SANTOS
Aranha; Cicinho, Edu Dracena, Gustavo Henrique, Emerson, Alison (Alan Santos), Arouca, Cícero, Montillo (Leandrinho), Thiago Ribeiro e Everton Costa (Victor Andrade).
Técnico: Claudinei Oliveira.

PONTE PRETA
Roberto; Régis, Ferron, Diego Sacoman, Uendel, Baraka, Alef (Leonardo), Fellipe Bastos, Elias (Adrianinho), Rildo (Rafael Ratão) e Willian.
Técnico: Jorginho.



Com golaço de Montillo, Santos vence Ponte Preta no Pacaembu

Com gols de Everton Costa e Montillo, time santista bate campineiros por 2 a 1 e chega ao sexto lugar na classificação. Já a Ponte Preta permanece na zona de rebaixamento

Na primeira partida que mandou fora da Vila Belmiro neste Campeonato Brasileiro , o Santos derrotou a Ponte Preta , vice-lanterna da competição, no Pacaembu, por 2 a 1, e terminou este sábado na sexta colocação do Campeonato Brasileiro, com 39 pontos conquistados. O time campineiro estacionou nos 26 pontos e pode ver a distância para a saída da zona de rebaixamento aumentar até o fim da 28ª rodada.

Everton Costa, aos 45 minutos do primeiro tempo, abriu o caminho para a vitória santista, em seu primeiro gol com a camisa do time alvinegro. Montillo, aos 24 da segunda etapa, marcou o segundo. Rafael Ratão, aos 44 do segundo tempo, diminuiu para a Ponte.

Esta foi a primeira vitória do Peixe sobre a Ponte Preta em 2013. Até então, haviam sido duas derrotas: uma na fase de classificação do Campeonato Paulista, por 3 a 1, e outra no primeiro turno do Brasileirão, por 1 a 0.

O Santos volta a campo na próxima quarta-feira, quando recebe o Internacional na Vila Belmiro, sem o lateral direito Cicinho, que foi expulso neste sábado após retardar cobrança de lateral e receber o segundo cartão amarelo. No mesmo dia, a Macaca enfrenta o Coritiba no Moisés Lucarelli, desfalcada do meia Elias, que recebeu o terceiro cartão amarelo diante do Peixe.

O jogo

A Ponte começou a partida tentando surpreender o Santos. Logo na saída de bola, Rildo recebeu na esquerda, avançou contra a marcação de Cicinho e sofreu falta. Além da cobrança da bola parada, a Macaca teve uma sequência de dois escanteios, em que levou perigo ao gol de Aranha.

A primeira chance clara de gol foi criada pelo time de Campinas, aos 26 minutos. Após cruzamento de escanteio, Ferron subiu e cabeceou a bola com força no meio do gol. Aranha teve de se esticar para mandar a bola por cima do travessão e salvar o Santos.

Também pelo alto o Santos quase abriu o placar. Livre de marcação, Gustavo Henrique aproveitou cruzamento de Montillo e cabeceou forte. Bola passou por cima do gol, triscando o travessão.

Aos 45 minutos, no último lance de ataque do primeiro tempo, o placar foi aberto. Montillo cobrou falta da intermediária na cabeça de Everton Costa, que, com um sutil desvio de cabeça, tirou o goleiro Roberto da jogada e marcou para o Santos. Foi o primeiro gol do atacante pelo Alvinegro Praiano.

Aproveitando-se da vantagem no marcador, o Santos voltou para a segunda etapa com uma postura diferente, e passou a defender com todos os jogadores posicionados no campo de defesa, esperando o melhor momento para contra-atacar.

A primeira boa chegada da equipe santista na segunda etapa foi somente aos 21 minutos. Em rápida jogada, Cicinho recebeu de Montillo e finalizou de primeira. Roberto, bem colocado, agarrou a bola sem dificuldades.

O esperado contra-ataque para o Santos surgiu aos 24 minutos, e foi mortal. Cícero dominou a bola atrás do meio de campo, deu um chapéu em Ferron, ganhou de Diego Sacoman na velocidade e rolou para Montillo, que, com categoria, completou para o gol.

Algumas das melhores oportunidades da Macaca no segundo tempo surgiram dos pés de Fellipe Bastos. Três chutes de falta e um remate de fora da área assustaram o goleiro Aranha. Aos 32 minutos, William perdeu a chance mais clara. O vice-artilheiro do Campeonato Brasileiro recebeu livre na pequena área, dominou tirando de Aranha, mas viu Cicinho evitar o gol com um carrinho providencial.

Aos 44 minutos, a Ponte conseguiu diminuir o prejuízo. Rafael Ratão se aproveitou de falha geral da defesa santista, saiu cara a cara com Aranha e só teve o trabalho de tocar para o fundo das redes.

A Ponte ainda quase chegou ao gol de empate. Aranha salvou o Santos em lance frente a frente com William. Pouco depois, o time de Campinas teve nova chance em bola aérea.

Bastidores – Santos TV:

Montillo rejeita rótulo de ‘salvador’ no Santos e Aranha comemora boa fase

Meia argentino voltou de contusão e teve papel decisivo na vitória sobre a Ponte Preta, assim como o goleiro, que salvou a equipe de levar o empate no final

De volta à equipe do Santos neste sábado, após se recuperar de lesão na panturrilha direita, o argentino Montillo deu assistência para Everton Costa abrir o placar e marcou o segundo gol santista contra a Ponte Preta, na vitória por 2 a 1 . Apesar da boa atuação, o meia disse não acreditar que seja o principal jogador do time.

“Tento fazer o melhor dentro de campo. Hoje (sábado) conseguiu uma assistência e um gol, mas parabenizo todo o time, porque sem eles seria difícil. Me acho uma peça importante, mas não me acho o salvador”, declarou Montillo.

Outro destaque do Santos na partida foi o goleiro Aranha. Além das boas defesas ao longo da partida, o arqueiro salvou a equipe santista no final do jogo, quando viu William sair livre na sua frente e, com grande defesa, evitou o empate da Ponte Preta.

“Vou fazer meu trabalho e, se for do agrado de todo mundo, vou continuar até quando for necessário. Mesmo antes de ser titular, já tinha entrado em umas 30 partidas pelo Santos. E nunca fui criticado, sempre tive a confiança da diretoria”, disse o experiente goleiro, de 32 anos.




Vídeos: (1) Gols e (2) melhores momentos.

Botafogo 2 x 1 Santos

Data: 29/05/2013, quarta-feira, 19h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 2ª rodada
Local: Estádio Raulino de Oliveira, em Volta Redonda, RJ.
Público: 1.186 pagantes / 2.344 presentes
Renda: R$ 37.945,00
Árbitro: Jailson Macedo Freitas (BA).
Auxiliares: Luiz Carlos Silva Teixeira e Elicarlos Franco de Oliveira (ambos da BA).
Cartão amarelo: Durval (S).
Gols: Fellype Gabriel (14-1) e Rafael Marques (21-1); Montillo (26-2).

BOTAFOGO
Renan, Lucas, Antônio Carlos, Bolívar e Julio Cesar; Marcelo Mattos, Gabriel, Fellype Gabriel (Vitinho), Andrezinho (Renato) e Lodeiro (André Bahia); Rafael Marques.
Técnico: Oswaldo de Oliveira

SANTOS
Rafael; Rafael Galhardo, Gustavo Henrique, Durval e Emerson Palmieri; Renê Júnior (Neilton), Arouca, Cícero e Montillo; Patito Rodriguez (Gabriel) e William José.
Técnico: Muricy Ramalho



No primeiro jogo sem Neymar, Santos perde para o Botafogo em Volta Redonda

Campeão carioca não contou com Seedorf, mas não teve problemas para vencer em casa

O Botafogo não realizou uma grande exibição, mas conseguiu derrotar o Santos por 2 a 1 ,em partida disputada na noite desta terça-feira, no Raulino de Oliveira, em Volta Redonda, pela segunda rodada do Campeonato Brasileiro. Com o resultado, a equipe de General Severiano que chegou ao 18º jogo invicto, agora soma quatro pontos ganhos, na competição. O Santos, ainda sem vitórias, segue com apenas um ponto ganho.

Mesmo sem Seedorf, vetado por problemas médicos, o Botafogo jogou o suficiente para merecer a vitória. O Santos se ressentiu da ausência de Neymar, vendido ao Barcelona, e se mostrou uma equipe sem criatividade no ataque, além de cometer muitos erros no sistema defensivo.

O time dirigido por Muricy Ramalho melhorou de produção na segunda etapa, mas desperdiçou as chances que poderiam evitar a derrota. Fellype Gabriel e Rafael Marques anotaram para o Botafogo, enquanto Montillo descontou para o Santos. Na próxima rodada, o Botafogo receberá o Cruzeiro, em Volta Redonda. O Santos vai encarar o Grêmio, na Vila Belmiro.

O jogo

O Santos começou a partida no ataque. E logo aos dois minutos, o lateral-esquerdo Emerson cruzou para a área. Willian José completou para o gol, mas a zaga carioca salvou. Dois minutos depois foi a vez de Cícero arriscar da entrada da área, com grande perigo.

O Botafogo não conseguia se encontrar em campo e, aos cinco minutos, a defesa da equipe de General Severiano passou por outro problema. Galhardo cobrou falta da direita, mas ninguém conseguiu alcançar a bola que passou na pequena área e acabou saindo, sem que ninguém a tocasse.

O time dirigido por Oswaldo de Oliveira chegou, pela primeira vez, com perigo à área santista, aos dez minutos, em cobrança de falta de Andrezinho. Antônio Carlos completou, mas mandou para fora. Mesmo sem jogar bem, o Botafogo acabou marcando o primeiro gol aos 14 minutos. Depois de receber passe de calcanhar de Júlio César, Lodeiro bateu com força e Rafael defendeu parcialmente. Fellype Gabriel aproveitou e tocou, de cabeça, para o gol vazio.

Depois de sofrer o gol, a equipe paulista partiu para tentar o empate e aos 16 minutos, William José cruzou da direita e Cícero completou, mas Renan defendeu com segurança. No minuto seguinte, foi a vez do goleiro Rafael evitar o segundo gol do Botafogo. Ele mandou para escanteio um chute forte de Rafael Marques. Na cobrança, Antônio Carlos cabeceou e o goleiro do Peixe voltou a fazer grande defesa.

Aos 21 minutos, o Botafogo ampliou. Rafael Marques arriscou de fora da área, a bola desviou na zaga e encobriu o goleiro Rafael. Foi o segundo gol do atacante na competição. Depois de sofrer mais um gol, o Santos se perdeu em campo. O argentino Patito Rodriguez que substituiu Neymar, encontrava dificuldades para criar jogadas nas proximidades da área carioca e provocava muita reclamação por parte do técnico Muricy Ramalho. O argentino parece ter ouvido os protestos do treinador e aos 28 minutos, se livrou da marcação da zaga e chutou para defesa de Renan. Logo depois, Patito fez ótima jogada e lançou William José que concluiu mal.

Aos 36 minutos, Arouca bateu lateral para Galhardo que penetrou pela direita e cruzou para a conclusão de William José que se livrou da marcação e chutou, mas a bola saiu, sem levar muito perigo para Renan. No minuto seguinte foi a vez de Montilo obrigar o goleiro botafoguense a defender com segurança. O time dirigido por Muricy Ramalho tentava pressionar em busca do primeiro gol, enquanto o Botafogo se preocupava em administrar a vantagem.

O Santos voltou sem modificações, para o segundo tempo, mas assumiu uma atitude mais ofensiva. Logo no primeiro minuto, depois de boa troca de passes, Cícero concluiu fraco e Renan defendeu sem dificuldades. Nos minutos seguintes, Galhardo e Patito Rodriguez criaram boas jogadas, mas as conclusões dos dois jogadores santistas não levaram perigo para o gol defendido por Renan.

A equipe da Vila Belmiro continuava melhor e, aos nove minutos, após cobrança de escanteio executada por Montillo, Arouca dominou na área e bateu com grande perigo. Um minuto depois, o Botafogo organizou uma boa jogada e Andrezinho foi lançado na área. O armador se chocou com o goleiro Rafael e caiu pedindo a marcação de um pênalti, mas a arbitragem considerou o lance como normal.

Aos 12 minutos, um susto para a torcida. Ao tentar afastar o perigo, o zagueiro Bolívar chuta a bola sobre William José e quase que o Santos marca o primeiro gol, mas a bola saiu. O Botafogo pouco se arriscava no ataque e nem a entrada de Vitinho no lugar de Fellype Gabriel, mudou a forma de atuar da equipe comandada por Oswaldo de Oliveira.

O Peixe continuava melhor e aos 15 minutos, Galhardo fez boa jogada individual, derivou para o meio e bateu forte de perna esquerda, mas a bola saiu, depois de tocar na trave. Logo depois, o técnico Muricy Ramalho trocou o volante Renê Júnior pelo atacante Neilton. E a persistência do time paulista acabou dando resultado. Aos 26 minutos, Montillo recebeu ótimo passe de Neilton e chutou forte para marcar o primeiro gol do Santos. Logo depois, o goleiro Renan teve que se virar para impedir o empate, depois de chute certeiro do lateral Emerson Palmeiri.

Preocupado, o técnico Oswaldo de Oliveira decidiu trocar o meia Andrezinho pelo volante Renato. Aos 30 minutos, Montillo perdeu uma chance incrível de empatar. O argentino tabelou com William José, entrou livre na área e, ao tentar deslocar o goleiro Renan, acabou botando a bola para fora. A torcida botafoguense não escondia a irritação com o desempenho da sua equipe, uma vez que o Santos dominava inteiramente a partida e seguia pressionando em busca do gol de empate.

Apenas aos 42 minutos é que o Botafogo voltou a dar o ar da sua graça na área paulista. Lucas investiu pela direita e cruzou para a cabeçada de Rafael Marques, mas a bola saiu. O técnico do time carioca ainda trocou o mia Lodeiro pelo zagueiro André Bahia para segurar o resultado. Aos 46, Gabriel se livrou de Lucas e chutou, mas Renan segurou firme e evitou o empate.

Montillo lamenta revés e reconhece que desperdiçou chance do empate

Argentino fez o gol do Santos na derrota por 2 a 1 para o Botafogo, mas falhou em lance

Autor do gol do Santos na derrota para o Botafogo, por 2 a 1, na noite desta quarta-feira, no Estádio Raulino de Oliveira, o meia Montillo lamentou o primeiro revés da equipe no Campeonato Brasileiro . Para o argentino, o Santos falhou nos gols do time carioca e, por essa razão, acabou sendo derrotado, em confronto válido pela segunda rodada do Brasileirão.

“A gente queria sair com um bom resultado, tentamos fazer o nosso melhor. Mas, infelizmente, tomamos dois gols em erros nossos. O jogo estava equilibrado até os gols acontecerem”, disse Montillo, se referindo ao primeiro tempo da partida.

Mesmo tendo balançado as redes do Botafogo, o meio-campista acredita que poderia ter dado o empate aos santistas. Pouco depois do gol da equipe da Vila Belmiro, marcado pelo próprio camisa 10, Montillo quase deixou tudo igual no placar, aos 30 minutos da etapa complementar.

O argentino tabelou com William José, entrou livre na área e, ao tentar deslocar o goleiro Renan, acabou botando a bola para fora. “Tive a chance de empatar e fazer justiça, mas o gol não saiu. O empate poderia mudar o jogo”, analisou o meia argentino.

Consciente, Montillo destacou que agora o Santos precisa evoluir, visando os próximos compromissos no Brasileiro. O Santos encara o Grêmio, no próximo sábado, às 16h20 (horário de Brasília), na Vila Belmiro.

“Futebol é assim. Temos que trabalhar bastante para melhorar. Temos um jogo muito difícil no sábado e precisamos conquistar a vitória”, concluiu o jogador.

Goleiro do Santos lamenta derrota, mas se empolga com Neílton e Gabriel

Santos perdeu para o Botafogo em Volta Redonda, mas Rafael aprova entrada de garotos

Os jogadores do Santos deixaram o gramado do Estádio Raulino de Oliveira chateados com a derrota para o Botafogo , por 2 a 1 , na noite desta quarta-feira. O goleiro Rafael se mostrou incomodado com o resultado, mas também procurou ressaltar que a partida, a primeira depois da saída de Neymar para o Barcelona, deixou aspectos positivos para a equipe praiana.

“O Neymar é muito acima da média e, por ser diferenciado, fazia lances imprevisíveis. Claro que vamos sentir a sua falta, mas hoje ( quarta ) temos que ressaltar que o Neílton e o Gabriel mudaram o jogo ( a dupla entrou no segundo tempo ). Foi uma pena não termos conseguido o empate”, lamentou o camisa 1 do Peixe.

Na avaliação de Rafael, principalmente na etapa complementar, os santistas sufocaram o time carioca e poderiam ter conseguido arrancar um empate fora de casa – essa foi a primeira derrota dos paulistas na competição.

“Tivemos um bom volume de jogo, encurralamos o Botafogo no segundo tempo, só que, infelizmente, não conseguimos empatar. Ficamos tristes pelo resultado, mas felizes pela reação que a equipe mostrou em campo”, concluiu o arqueiro.

Muricy aprova “irresponsabilidade” de Neílton e Gabriel no Santos

Treinador considera que dupla, revelada nas categorias de base do clube, fez rendimento do time subir durante derrota para o Botafogo

Mesmo com a derrota para o Botafogo nesta quarta-feira, os atacantes Neílton e Gabriel, revelados nas categorias de base do Santos , foram os grandes destaques da equipe. O técnico Muricy Ramalho admitiu que a dupla melhorou o rendimento do time em campo, após um primeiro tempo dominado pelo adversário.

“Os meninos que entraram foram bem. O Neílton e o Gabriel deram mais profundidade ao time. E são moleques. Às vezes, são ‘irresponsáveis’, e precisamos disso. Estamos jogando muito ‘quadradinhos’, certinhos. Precisamos de mais dribles, que os outros façam coisas como eles”, disse Muricy.

Com as boas atuações de Neílton, que tem 19 anos, e Gabriel, de apenas 16, o treinador santista já cogita modificar a formação titular para o jogo contra o Grêmio, no próximo sábado, às 16h20 (horário de Brasília), na Vila Belmiro. O confronto é válido pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro.

“Aqui, não tem essa ( de vaga assegurada na equipe ). Joga quem estiver melhor. Podemos repensar ( o time titular )”, avisou o comandante.

Patito nega sentir peso da camisa de Neymar em derrota para o Botafogo
“O número é igual, não tem peso algum. Mas jogar como o Neymar não dá. Ele é único”, afirmou o jogador depois da partida

Escolhido para vestir a camisa 11 do Santos , que pertencia ao atacante Neymar, negociado junto ao Barcelona (Espanha), o meia-atacante Patito Rodriguez não conseguiu ter uma boa atuação contra o Botafogo, na noite desta quarta-feira, no Estádio Raulino de Oliveira. O argentino teve atuação discreta na derrota do Peixe para o Glorioso e acabou sendo substituído pelo técnico Muricy Ramalho, no segundo tempo.

Deixe seu recado e comente com outros leitores

Mesmo assim, Patito tratou de se defender e negou que tenha sentido o peso de usar a camisa que marcou a trajetória de Neymar na Vila Belmiro. “O número é igual, não tem peso algum. Mas jogar como o Neymar não dá. Ele é único”, afirmou.

O meia-atacante argentino, que foi alvo de muitas reclamações de Muricy, durante a primeira etapa, alegou que sentiu a falta de ritmo de jogo e, por isso, não conseguiu desempenhar o seu melhor futebol diante do time carioca.”Temos jogadores que não vinham atuando até então. Não é fácil. Creio que está faltando ritmo de jogo”, comentou Patito Rodriguez, que viu a concorrência aumentar no setor, após a partida contra o Botafogo.

Isto porque, o treinador santista elogiou bastante as participações dos jovens Neílton e Gabriel, diante do Glorioso. Muricy Ramalho, inclusive, não descartou modificações na equipe titular para o confronto com o Grêmio, no próximo sábado, às 16h20 (horário de Brasília), na Vila Belmiro. O duelo com os gaúchos será válido pela terceira rodada do Campeonato Brasileiro.


Vídeos: (1) Gols e (2) melhores momentos.

Santos 2 x 1 Guarani

Data : 16/03/2013, sábado, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 12ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 10.865 pagantes
Renda: R$ 312.220,00
Árbitro: Rodrigo Guarizo Ferreira do Amaral
Auxiliares: Vicente Romano Neto e Alex Ang Ribeiro
Cartões amarelos: Cícero (S); Thiago Pagnussat e Boiadeiro (G).
Gols: Montillo (34-1); André (03-2) e Thiago Pagnussat (13-2).

SANTOS
Rafael; Bruno Peres, Edu Dracena, Durval e Emerson Palmieri; Renê Júnior, Arouca, Cícero e Montillo; Neymar e André (Giva)
Técnico: Muricy Ramalho

GUARANI
Renan; Boiadeiro, Tiago Pagnussat, Cássio e Diogo; Ademir Sopa (Coutinho), Mika, Thiago Gentil e Dener (Cadu); Wilson (Juan Cominges) e Ronaldo Mendes.
Técnico: Branco



Santos supera o Guarani em reedição da final de 2012 e volta a liderar

Montillo e André marcaram para o time de Muricy Ramalho, que chegou aos 24 pontos na classificação do Paulistão

Em um jogo aberto, movimentado e com chances criadas para os dois lados, o Santos aproveitou a presença de Neymar antes de se apresentar à seleção brasileira para superar o Guarani e assumir a liderança provisória do Campeonato Paulista. Na tarde deste sábado, na Vila Belmiro, abrindo a 12ª rodada da competição, o camisa11 quase comprometeu o primeiro gol, mas teve participação direta no segundo, consolidando a vitória por 2 a 1 na reedição da final do ano passado.

Finalista em 2012, o Guarani entrou desatento no segundo tempo e, mesmo com boa atuação, não evitou a vitória santista. Com apenas nove pontos somados, a equipe segue na 18ª posição, afundada na zona de rebaixamento. Já o Santos, que sofreu o gol do preciso Thiago Pagnussat, mas marcou com Montillo e André, avança a 24 pontos e rouba do São Paulo a primeira posição. No complemento da rodada, neste domingo, tanto o Tricolor quanto a Ponte Preta têm chances de ultrapassar o Peixe.

Com Neymar desperdiçando ao menos duas chances de dar tranquilidade ao time em boas intervenções do goleiro Renan, o Santos se recuou no segundo tempo e segurou a vitória. Para manter a boa toada, a equipe entra em campo na próxima quinta-feira, para receber o Mirassol na Vila Belmiro sem seu principal jogador, que estará na Seleção. Já o Bugre, em busca de reação, recebe o Paulista de Jundiaí no mesmo dia.

O jogo

Depois do Guarani chegar duas vezes ao gol de Rafael, o Santos resolveu buscar o ataque, mas acabou caindo no velho erro de insistir demais nas jogadas de Neymar. Na primeira chance santista, o camisa 11 disputou corrida com Mika à esquerda da entrada da área do Bugre e conseguiu o cruzamento para o meio. Antes de André chegar, Thiago Pagnussat afastou o perigo, em apenas uma de suas boas interferências. Enquanto o Santos só conseguia criar com Neymar, que recebia marcação dupla, o Guarani aproveitava cada sobra e erro dos donos da casa para apostar na velocidade de Ronaldo Mendes, que teve boa atuação pela esquerda do ataque.

O Santos teve grande chance de abrir o placar aos 15 minutos do primeiro tempo: Neymar cobrou escanteio na primeira trave, a defesa do Guarani desviou para o meio e Arouca devolveu na ponta direita. O camisa 11 aproveitou o rebote para levantar para André, que apareceu livre na pequena área, cabeceou na trave e, na segunda tentativa, só ele e o gol, concluiu para fora, desperdiçando uma chance incrível.

Aos 34 minutos, depois de muito insistir em Neymar, o Santos provou que nem toda jogada de ataque precisava passar pelo pé de seu craque. Após cobrança de escanteio fraca do Guarani, Edu Dracena cabeceou para frente e a bola voltou aos pés de Arouca, que acionou a velocidade de Montillo. O camisa 10 do Peixe disparou seguido de perto pela marcação, pedalou e bateu cruzado, sem chances de defesa para o goleiro Renan.

Já no segundo tempo, o Santos demorou apenas quatro minutos para aumentar a vantagem diante de um agora desatento Guarani. Neymar roubou a bola de Ademir Sopa na intermediária e construiu bela jogada, com a tradicional arrancada pela direita, drible para cima da marcação e cruzamento para André. O camisa 9 do Santos ‘roubou’ o gol de Neymar, finalizou em cima do zagueiro bugrino, mas acabou anotando o segundo do Peixe antes de comemorar com timidez.

Neymar seguiu incendiando a defesa do Guarani após o lance do segundo gol. No minuto seguinte, O camisa 11 do Santos partiu com a bola dominada desde a intermediária, cortou o goleiro Renan, mas concluiu fraco, de cobertura, e viu o camisa 1 se recuperar. Na sequência, tentou de bicicleta, mas o goleiro ficou com a bola.

As mexidas tiveram reação imediata. Aos 14 minutos, o Guarani cobrou escanteio do lado esquerdo do ataque, Rafael não saiu e Durval não conseguiu o corte por cima. Thiago Pagnussat acabou subindo mais alto e anotou o gol do Bugre, que seguiu na pressão. Cinco minutos depois, Thiago Gentil cortou a marcação de Cícero e levantou no meio da área, onde Cadu apareceu e cabeceia no ângulo de Rafael. Antes de comemorar, o atacante bugrino viu a bandeira levantada e o lance anulado.

Bastidores – Santos TV:

Montillo dedica golaço a filho e vê o Santos bem mesmo sem Neymar

Argentino se apresenta à sua seleção nesta segunda-feira, já que foi convocado para dois compromissos válidos pelas Eliminatórias da Copa do Mundo

Contestado nas primeiras rodadas do Campeonato Paulista por conta das atuações irregulares, o meio-campista Montillo foi autor de um dos gols da vitória do Santos diante do Guarani , neste sábado, na Vila Belmiro. Na semana passada, em Sorocaba, o camisa 10 havia marcado seu primeiro gol com a camisa do time que investiu 6 milhões de euros (cerca de R$ 16 milhões) em sua contratação, e acredita que está cada vez mais pronto para render o esperado.

Em melhores condições físicas, o argentino se apresenta à sua seleção nesta segunda-feira, já que foi convocado para dois compromissos válidos pelas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2014. Satisfeito com o rendimento atual vestindo a camisa do Santos, Montillo acredita que a tendência é melhorar e o time ser cada vez menos dependente da individualidade de Neymar.

“O gol na semana passada deu bastante confiança, mas o importante é ver o Santos ganhando e ficando nas primeiras posições do campeonato. A gente tem que se acostumar a jogar sem o Neymar e saber que todos procuram o mesmo objetivo de vencer. O Neymar é diferenciado, mas tem que ser utilizado no momento certo, senão ele cansa de ir atrás de todas as bolas”, comentou Montillo, contratado justamente em função das críticas sofridas pelo time, altamente dependente de seu camisa 11 na temporada passada.

Após a partida, pela internet, o argentino dedicou o golaço, marcado após pedalar e bater cruzado ao gol de Renan, ao filho Santino. Herdeiro mais novo de Montillo, Santino completa três anos de idade neste domingo, dia seguinte à vitória que fez o Santos reassumir a liderança do Campeonato Paulista.

Muricy nota evolução, mas quer paciência com jovens Giva e Emerson

Com gols marcados pelos ‘veteranos’ Montillo e André, o Santos venceu o Guarani por 2 a 1 e reassumiu a liderança do Campeonato Paulista

Disposto a dar mais chances aos santistas campeões da Copa São Paulo de Futebol Júnior de 2013, o técnico Muricy Ramalho escalou o lateral esquerdo Emerson Palmieri como titular e ainda acionou o atacante Giva, que começou do banco de reservas. Com gols marcados pelos ‘veteranos’ Montillo e André, o Santos venceu o Guarani por 2 a 1 e reassumiu a liderança do Campeonato Paulista.

Apesar da ovação da torcida a Giva, que fez boa jogada e quase deixou sua marca, aos 26 minutos do segundo tempo, o comandante recomenda um pouco mais de paciência com as duas promessas. Neste sábado, o experiente Léo já ficou no banco de reservas de Emerson. Já Giva, na próxima quinta-feira, diante do Mirassol, pode receber uma chance com os desfalques de Cícero, suspenso, Neymar e Montillo, que estão com suas seleções para jogos das Eliminatórias.

“Já é o terceiro ou quarto jogo que o Giva joga, é difícil entrar assim como ele entrou, com pouco tempo para jogar, mas é um jogador que está treinando bem, isso anima a gente. Precisamos ter mais paciência para ver ele jogando ainda e saber o que fazer durante o ano”, garantiu Muricy ao falar sobre o atacante. Já Giva dividiu responsabilidades: “Graças a Deus conseguimos vencer o Guarani, isso é o mais importante. Quero continuar trabalhando e tentar dar mais um passo na quinta-feira”.

A respeito de Emerson Palmieri, que recebeu uma chance de ser titular na vaga do lateral Léo, Muricy preferiu ser mais cauteloso e fez uma crítica ao seu rendimento: “O Emerson jogou bem, marcou bem, só faltou subir um pouco ao ataque. Ele começou a receber chances no ano passado, não foi excepcional, mas não podemos dar só uma oportunidade. O Léo a gente conhece, é titular, ídolo. Temos que dar sequência para o garoto”.