Navegando Posts marcados como Müller

Santos 5 x 2 Bahia

Data: 23/04/1998, quinta-feira, 21h40.
Competição: Copa do Brasil – Oitavas-de-final – Jogo de volta
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 8.733 pagantes
Renda: R$ 75.420,00
Árbitro: Reinaldo
Cartões amarelos: Branco, Clébson, Souza, Mantena e Róbson Luis (B).
Cartão vermelho: Nenê (B, 04-2)
Gols: Müller (11-1), Robson Luis (21-1), Robson Luis (27-1); Argel (09-2, de falta), Viola (19-2), Viola (24-2) e Viola (32-2).

SANTOS
Zetti: Ânderson Lima, Argel, Ronaldão e Dutra; Narciso, Élder, Jorginho (Eduardo Marques) e Caíco (Adiel); Müller (Edgar Baez) e Viola.
Técnico: Émerson Leão

BAHIA
Marcones, Marcão, Samuel e Nenê; Branco, Souza, Junior (Mantena), Marquinhos e Clébson (Edmundo); Robson Luis e Zinho.
Técnico: Evaristo de Macedo



Santos goleia Bahia com três gols de Viola

O Santos venceu o Bahia por 5 a 2, ontem, na Vila Belmiro, e passou às quartas-de-final da Copa do Brasil. O time irá agora pegar o Paraná, que eliminou o Atlético-MG.

O primeiro jogo, em Salvador, havia terminado 3 a 3.

Como precisava da vitória (ou de um empate acima de 3 a 3), o Bahia tomou a iniciativa de jogo, partindo para cima do Santos.

O ímpeto baiano foi arrefecido pelo primeiro gol santista, aos 11min. Ânderson chutou torto, de fora da área, mas a bola foi interceptada por Müller, que driblou um zagueiro e chutou cruzado, no ângulo, marcando um belo gol.

O Bahia não se abateu, e continuou atacando. O empate saiu aos 21min, por intermédio do atacante Róbson Luis, o destaque do jogo no primeiro tempo. Ele chutou colocado e rasteiro de fora da área, e a bola entrou no canto esquerdo de Zetti.

Aos 27min, Róbson Luis voltou a marcar. Enquanto a zaga santista parava, pedindo impedimento, ele encobriu Zetti com categoria.

Logo aos 4min do segundo tempo, o Bahia ficou com dez jogadores. O zagueiro Nenê, que já tinha cartão amarelo, fez falta em Müller e foi expulso.

Pouco depois, aos 9min, o Santos empatou, com o zagueiro Argel cobrando falta no ângulo.

Viola, até então apagado na partida, marcou os três gols seguintes, fechando o placar.

Aos 19min, ele driblou Samuel e tocou no canto.

Aproveitando falha da zaga baiana, aos 24min, voltou a colocar no canto de Marcones.

Por fim, aos 32min, o atacante aproveitou rebote do goleiro baiano e encostou para o gol.

Ao final do jogo, o zagueiro Ronaldão, que se despedia do Santos (foi negociado com o Coritiba), foi carregado pelos colegas.

O meia Lúcio e o lateral Athirson voltaram ontem para Santos depois de fracassar a tentativa de emprestá-los ao Atlético-PR.

O Santos, que contratou por empréstimo os jogadores do Flamengo até o final do ano, iria repassá-los por três meses para o Atlético-PR porque só poderá aproveitá-los em competições oficiais no segundo semestre.

Os atletas não podem atuar pelo Santos na Copa do Brasil porque já participaram da competição pelo clube carioca.

Anteontem, Lúcio e Athirson viajaram para Curitiba e acertaram salários com o Atlético-PR.

O negócio foi desfeito porque o Atlético-PR alegou não querer correr o risco de não inscrever os jogadores a tempo na Federação Paranaense. O prazo para inscrições no Campeonato Paranaense termina às 18h de hoje.



Despedida marca Santos e Bahia

O Santos enfrenta o Bahia hoje à noite na Vila Belmiro, pela Copa do Brasil, em jogo que marcará a despedida do zagueiro Ronaldão.

Após a partida, o jogador, que é dono do próprio passe, estará liberado para defender o Coritiba, que disputa o quadrangular final do Campeonato Paranaense. O zagueiro acertou com o clube do Paraná até o final do ano.

Ronaldão, 32, somente atuará hoje para atender pedido do técnico Leão, já que Sandro, novo titular da posição, cumpre suspensão.

Outros dois jogadores deixaram ontem o Santos para jogar no futebol paranaense. O meia Lúcio e o lateral Athirson, recém-contratados do Flamengo, defenderão o Atlético-PR por empréstimo de três meses.

O Santos decidiu liberá-los para aliviar a folha de pagamento, já que os dois, emprestados pelo Flamengo, não podem atuar na Copa do Brasil porque já participaram da competição pelo clube carioca.

Segundo o gerente de futebol do Santos, Marco Aurélio Cunha, o empréstimo dos atletas será uma transação triangular. Formalmente, eles terão os contratos rescindidos, serão devolvidos ao Flamengo, que os repassará ao Atlético.

Ao término do Campeonato Paranaense, eles novamente rescindirão os contratos, serão devolvidos ao Flamengo, que os reemprestará ao Santos.

“Infelizmente, o dinheiro está nos prejudicando porque estamos vendo jogadores sendo emprestados unicamente por causa da folha de pagamento”, afirmou Leão.

Sem Lúcio, Athirson e o volante Claudiomiro (que também já jogou na Copa do Brasil, pelo Coritiba), Leão escalou na partida de hoje Caíco, Dutra e Élder como substitutos.

O Santos necessita de um empate por até dois gols para conseguir se classificar para a fase seguinte da competição. Caso se repita o resultado do jogo de ida (3 a 3, em Salvador), a vaga será decidida nos pênaltis.

O atacante Müller disse ontem em Santos que acredita estar fora da Copa do Mundo por não ter sido incluído pelo técnico Zagallo da lista dos jogadores da seleção brasileira convocados para o amistoso contra a Argentina.

“Acho que todo treinador tem suas preferências. Ele (Zagallo) já montou a sua seleção para a Copa do Mundo”, declarou Müller.

Segundo Müller, a Copa da França seria a última chance de ele disputar um Mundial como jogador. “Não vai ser com 36 ou 37 anos que eu vou estar em uma Copa do Mundo”, disse.

Teste físico no vestiário define equipe adversária

Com dois jogadores contundidos, o técnico Evaristo de Macedo vai definir a equipe do Bahia apenas momentos antes da partida. O meia Ueslei e o centroavante Guga serão submetidos a testes nos vestiários.

O Bahia precisa de uma vitória para passar à próxima fase da Copa do Brasil. O time também garante classificação com empate em quatro gols ou mais.

Evaristo de Macedo disse que vai adotar um esquema ofensivo na Vila Belmiro. “Precisamos vencer, e o Bahia vai jogar no ataque”, afirmou o treinador.

“Temos que partir para cima do Santos desde o início do jogo”, disse o meia Marquinhos.

O técnico aposta também na “desmotivação” do rival para garantir a vaga. “Acho que o Santos perdeu um pouco o ânimo ao não se classificar para as semifinais do Campeonato Paulista.”

Contratados há pouco mais de dois meses, o lateral Fábio Baiano e o meia Bebeto Campos não poderão enfrentar a equipe santista. Os dois jogadores já atuaram no torneio por seus ex-clubes.


Santos 3 x 2 Portuguesa

Data: 11/04/1998, sábado, 20h30.
Competição: Campeonato Paulista – 2ª fase – 10ª rodada (última)
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 8.073 pagantes
Renda: R$ 30.840,00
Árbitro: Cláudio Vinicius Cerdeira (RJ).
Cartões amarelos Aílton e Leandro (L); Ânderson Lima, Müller, Jorginho e Élder (S).
Gols: Viola (08-1); Leandro (10-2), Carlinhos (24-2), Argel (29-2) e Müller (48-2).

SANTOS
Zetti; Ânderson Lima (Baiano), Sandro, Argel e Claudiomiro (Dutra); Élder, Narciso, Jorginho e Lúcio; Viola e Müller.
Técnico: Emerson Leão

PORTUGUESA
Fabiano; Alexandre Chagas (Valmir), Marcelo, César e Ronildo; Alex, Carlinhos, Aílton e Alexandre; Leandro Amaral (Da Silva) e Evair.
Técnico: Candinho



Lusa é derrotada em Santos e perde vantagem nas semifinais

A Lusa perdeu de 3 a 2 para o Santos ontem e deixou para o seu adversário nas semifinais, o Corinthians, a vantagem de poder jogar por dois resultados iguais.

Já desclassificado e, por isso, mais tranquilo em campo, o Santos começou dominando o jogo.

O gol saiu logo no início. Aos 8min, após um cruzamento da esquerda que o meia Lúcio tentou arrematar e tocou de peito, a bola sobrou para Viola fazer o seu primeiro gol com a camisa santista.

A partir daí, a Lusa tentou pressionar em busca do empate, criando quatro chances de gol. O Santos retribuía nos contra-ataques.

A equipe santista voltou ainda melhor no segundo tempo, restando à Lusa usar o contra-ataque com rapidez.

E foi assim que o atacante Leandro empatou a partida. O meia Aílton chegou com velocidade pela esquerda, entrou na área e cruzou. Leandro, que acompanhava a jogada, deu um chute certeiro.

O segundo gol veio em um chute forte do volante Carlinhos, de pé esquerdo, de fora da área, após cruzamento de Valmir da direita.

Um escanteio levou o Santos ao empate em seguida. Lúcio cobrou, o zagueiro Argel subiu mais que a defesa da Lusa e fez de cabeça.

O atacante Müller deu a vitória ao Santos já na prorrogação, em uma sobra de bola dentro da área.



Santos quer acalmar a torcida ( Em 11/04/1998 )

O time da Vila Belmiro já não tem mais chances de se classificar, mas encara com seriedade o jogo de hoje. A equipe, que não conquista o Paulista há 14 anos, quer aproveitar o clássico para acalmar sua torcida, insatisfeita com a queda de rendimento do time.

O técnico Leão vai promover algumas alterações na equipe titular. Sandro entra no lugar de Ronaldão, suspenso. Élder entra no meio-campo, com Claudiomiro sendo deslocado para a lateral esquerda. Viola, que ainda não marcou, espera desencantar hoje.



Fonte: Estadão

Santos 4 x 1 Rio Branco

Data: 04/04/1998, sábado, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista – 2ª fase – 8ª rodada (antepenúltima)
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 6.603 pagantes
Renda: R$ 43.705,00
Árbitro: Antônio Claudio Perin
Cartões amarelos: Narcísio e Max Sandro (RB).
Cartão vermelho: Batistinha (RB, 30-2).
Gols: Müller (02-1), Müller (07-1), Batistinha (33-1), Jorginho (38-1) e Müller (45-1).

SANTOS
Zetti; Ânderson Lima, Argel, Ronaldão (Sandro) e Athirson (Dutra); Claudiomiro, Narciso, Jorginho e Caíco (Eduardo Marques); Lúcio e Müller.
Técnico: Emerson Leão

RIO BRANCO
Marcelo Valença; Charles (Valentim), Ildo e Max Sandro; João Marcelo, Váldson, Mineiro, Alexandre e Paulo César (Marcos Sena); Batistinha e Narcísio (Alaor).
Técnico: Lula Pereira



Müller comanda goleada do Santos sobre o Rio Branco

Equipe de Emerson Leão ainda sonha com a classificação para as semifinais da competição

Müller, mesmo sendo esquecido por Zagallo na seleção brasileira, continua dando show em cada exibição do Santos. Neste sábado, o jogador de 32 anos marcou três gols na goleada por 4 a 1 sobre o Rio Branco, na Vila Belmiro.

O atacante fez mais: assumiu a artilharia do campeonato ao lado de Alex, do Mogi Mirim (ambos com 7 gols em 8 rodadas), e deu o passe, de primeira para Jorginho marcar outro.

A boa vitória do time de Emerson Leão faz o clube santista continuar com chances matemáticas de classificação, mas terá de torcer por tropeços de São Paulo e Portuguesa, que ogam neste domingo, na Capital, contra adversários tecnicamente mais fracos.

Dessa forma, Leão achou importante a boa exibição contra o Rio Branco, pensando também no jogo de volta contra o Bahia, dia 21, pela Copa do Brasil.

“Temos outra competição a participar, além de mais dois jogos nessa fase pelo Paulista e precisamos estar bem”, comentou o treinador, de olho também nos confrontos contra Portuguesa (em casa) e Matonense (fora).

A partida não teve nenhum momento de dificuldade para o Santos, que logo no segundo minuto de jogo abriu o placar, após já ter feito dois ataques perigosos: Athirson fez jogada pela esquerda e tocou para Müller na entrada da área, que chutou longe do alcance do goleiro.

O time da casa ampliou cinco minutos depois, com Müller, de cabeça, aproveitando cruzamento de Lúcio e mostrando versatilidade.

A partir do 19º minuto, o Rio Branco começou realmente a jogar e Paulo César, de cabeça, obrigou Zetti a fazer grande defesa.

Aos 33 minutos, Batistinha, lançado em velocidade pela direita do ataque, diminuiu, mas não era um esboço de reação – o primeiro tempo terminou com 4 a 1 de vantagem para o Santos.

Na etapa final o time da casa apenas administrou o resultado.


Viola toma produto banido e é desfalque

O atacante Viola está fora do Santos que enfrentará o Rio Branco, hoje à tarde, na Vila Belmiro.

Na noite de anteontem, Viola tomou um remédio antigripal (Resprin) que contém substância estimulante, a fenilefrina, que funciona como descongestionante nasal.

Para não correr o risco de o jogador ser pego em um exame antidoping, a comissão técnica do Santos decidiu afastá-lo da partida.

O gerente de futebol Marco Aurélio Cunha reprovou a atitude de Viola, que tomou o medicamento sob orientação da mulher, Leila. “Esses erros não podem acontecer com um jogador do nível dele.”

Lusa obtém classificação e elimina o Santos ( Em 05/04/1998 )

A Portuguesa conquistou ontem sua classificação para as semifinais do Campeonato Paulista.

A equipe bateu o time do São José, no Canindé, por 3 a 0. O resultado eliminou o Santos do campeonato.

A equipe dirigida pelo técnico Candinho segue como vice-líder do Grupo 4, com um total de 18 pontos.



Fonte: Estadão

Santos 5 x 0 São José

Data: 01/04/1998, quarta-feira, 20h30.
Competição: Campeonato Paulista – 2ª fase – 7ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 4.768 pagantes
Renda: N/D
Árbitro: Flávio de Carvalho
Cartão vermelho: Ramalho (SJ).
Gols: Lúcio (04-1); Caíco (30-2), Fernando (37-2, contra), Eduardo Marques (42-2) e Müller (45-2).

SANTOS
Zetti; Ânderson Lima, Argel, Ronaldão e Athirson (Dutra); Élder, Narciso, Jorginho e Lúcio (Eduardo Marques); Müller e Viola (Caíco).
Técnico: Emerson Leão

SÃO JOSÉ
Maurício; Garrinchinha, Gelásio, Fernando e Lélis; Vagner, Ramalho, Caniggia e Zé Renato; Piá e Beto.
Técnico: Luiz Rodrigues


Santos quer esquecer duelo de rivais

O Santos enfrenta o São José, hoje à noite, na Vila Belmiro, tentando evitar que o resultado do jogo entre Matonense e Lusa influencie o ânimo dos jogadores. O time entrará em campo sabendo do resultado da partida de Matão, que acontecerá à tarde.

Matonense e Lusa são adversários diretos na luta pela classificação. Uma vitória da Lusa deixará o Santos quase fora das semifinais do Campeonato Paulista.

“Não temos de pensar nos outros. Temos de jogar de acordo com a nossa necessidade”, afirmou o técnico Emerson Leão.

O Santos é o quinto colocado no Grupo 4. Em cinco jogos, somou cinco pontos. Lusa e Matonense têm 12. Além de uma combinação de resultados que o favoreça, o time precisa vencer os quatro jogos que restam (São José, Rio Branco, Matonense e Lusa).

Leão ainda enfrenta uma dificuldade adicional: entrosar rapidamente a equipe na reta final da competição, após a chegada na semana passada de quatro reforços (Viola, Lúcio, Claudiomiro e Athirson), todos considerados titulares pelo treinador.

Dos quatro, o volante Claudiomiro não poderá atuar hoje porque foi expulso no clássico contra o São Paulo (derrota por 2 a 1). Ele será substituído por Élder, que na última partida já havia entrado no lugar de outro volante titular, Narciso, que cumpriu suspensão e hoje retornará à equipe.

“A capacidade individual dos que chegaram é muito grande. Eles apenas têm de assimilar a maneira de o time jogar”, disse Leão.



Fonte: Estadão

Santos 6 x 2 Matonense

Data: 18/03/1998, quarta-feira, 20h30.
Competição: Campeonato Paulista – 2ª fase – 4ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 5.530 pagantes
Renda: R$ 44.020,00
Árbitro: Alfredo dos Santos Loebeling (SP).
Gols: Cristiano (20-1), Jorginho (34-1), Caíco (42-1) e Marcos Assunção (44-1); Müller (14-2), Müller (30-2), Raniélli (42-2) e Eduardo Marques (46-2).

SANTOS
Zetti; Ânderson Lima, Argel, Ronaldão e Dutra; Marcos Assunção, Narciso (Elder), Jorginho (Eduardo Marques) e Caíco (Adiel); Müller e Caio.
Técnico: Emerson Leão

MATONENSE
Júlio César; Deci (Marcelo Veiga), Cláudio, Cristiano e Denys; Júnior, Hélcio (Marquinhos), Ivanildo e Ranielli; Taílson e Pachequinho (Juninho).
Técnico: Geninho



Santos goleia na primeira vitória pelo Paulista

O Santos conquistou ontem sua primeira vitória no Campeonato Paulista ao golear a Matonense por 6 a 2, na Vila Belmiro.

Os destaques foram os atacantes Müller, autor de dois gols, e Caio, que preparou as jogadas para três.

A Matonense saiu na frente. Aos 20min, Denys cobrou falta, a defesa do Santos parou, e o zagueiro Cristiano cabeceou para o gol.

A boa atuação de Müller permitiu a reação. O empate aconteceu aos 35min, com um gol do meia Jorginho. Ele recebeu de Caio, invadiu a área e chutou forte.

No segundo gol, dois minutos depois, Caíco tocou para Müller na direita. Ele driblou o zagueiro, foi à linha de fundo e cruzou para trás. O próprio Caíco completou.

Aos 41min, o Santos ampliou em nova jogada de Müller. Ele tomou a bola do zagueiro e tocou para Caio, que apenas ajeitou para Marcos Assunção.

No segundo tempo, o Santos continuou dominando. Aos 14min, Caio cortou o zagueiro, mas perdeu a bola. Müller aproveitou e completou para o gol.

Müller voltou a marcar aos 32min, após uma tabela entre Jorginho e Adiel.

A Matonense diminuiu aos 40min, em cobrança de falta.

O último gol foi marcado por Eduardo Marques. O meia avançou pela esquerda e chutou no canto direito do goleiro.

O atacante Viola,recém-contratado, não esteve ontem na Vila Belmiro para ser apresentado à torcida, como era a pretensão dos dirigentes do Santos. Ele pode estrear contra a Lusa, no sábado.



Leão exige que equipe retome espírito coletivo

O técnico Leão está pedindo aos jogadores do Santos uma “volta às origens” na partida de hoje à noite, às 20h30, contra a Matonense, no estádio da Vila Belmiro.

Segundo o diagnóstico do treinador, a má fase do time no Campeonato Paulista (um empate e duas derrotas) é motivada pelo abandono da característica mais marcante da equipe no início da temporada: o jogo coletivo.

“Quando conseguimos entender que deveríamos jogar coletivamente, o time prosperou. Foi simples e objetivo. Quando entendemos que havíamos chegado a um patamar e podíamos exceder, aí começamos a errar”, disse.

Nos primeiros 11 jogos da temporada, pelo Rio-São Paulo e Copa do Brasil, o time se manteve invicto (seis empates e cinco vitórias). A má fase começou na estréia no Campeonato Paulista, quando o time perdeu em casa para o São Paulo (3 a 2). Nos dois jogos seguintes, fora, empatou com o São José (1 a 1) e perdeu para o Rio Branco (2 a 1).

“Não temos tantos recursos individuais para decidir uma partida. Então, temos de voltar às nossas origens”, afirmou o treinador.

A situação do Santos na tabela (último colocado no grupo 4, com um ponto) deve levar o time a atuar sob pressão da torcida, que exigirá uma vitória.

“Temos que estar preparados psicologicamente. O torcedor tem o direito de vaiar. Por isso, precisamos ir lá dentro (no campo) e reverter esse quadro. Não podemos ficar com medo”, afirmou o meia Jorginho, capitão do time.

Para o volante Marcos Assunção, a equipe terá de controlar os nervos a fim de evitar um resultado negativo, que poderá provocar a desclassificação.

“A cobrança vai aumentar por parte da torcida. Se entrarmos nervosos, aí é que a coisa vai engrossar”, disse Assunção.

O time escalado por Leão para enfrentar a Matonense é o mesmo que iniciou as três partidas disputadas pelo Santos no Paulista. O atacante Macedo e o meia Arinélson poderão estar ausentes do banco de reservas na partida de hoje. Ambos reclamam de dores na musculatura da perna esquerda, não treinaram ontem e correm o risco de ficar fora.

Sabendo dos problemas do rival, a Matonense pretende explorar a falta de bons resultados do Santos para conquistar pelo menos um ponto.

O time, que no último domingo venceu o São Paulo, quer “segurar” os 15 minutos iniciais do jogo para forçar uma pressão da torcida santista.

“Já vencemos o grande e rico São Paulo. Agora temos a chance de roubar pontos de outro grande”, disse o meia Ranielli. “Temos que aguentar a pressão inicial. Depois disso, se eles não fizerem gols, a pressão dos torcedores volta-se contra eles”, completou.

Santos acerta contratação de Viola

Parmalat, dona do passe do atleta, vai receber R$ 700 mil pelo empréstimo do jogador até junho de 1999

O Santos definiu ontem o empréstimo do atacante Viola, cujo passe pertence a empresa Parmalat (patrocinadora do Palmeiras).

O contrato do jogador com a equipe vai até junho do ano que vem. O empréstimo custará R$ 700 mil ao Santos, pagos em sete parcelas de R$ 100 mil. Se o clube quiser comprar o passe de Viola, terá de pagar mais R$ 5 milhões.

A Federação Paulista de Futebol auxiliará na transação, cedendo R$ 300 mil para a quitação de parte do empréstimo.

A entidade também vai contribuir com o pagamento de metade dos salários do jogador durante o Campeonato Paulista. Encerrada a competição, o encargo passa a ser do Santos e do patrocinador do clube, a Unicór.

O técnico do Santos, Emerson Leão, preferia a contratação de Valdir. Porém o São Paulo não aceitou os R$ 3,2 milhões, em três parcelas, oferecidos pelo clube.

Viola, 29, deverá ser apresentado oficialmente hoje à noite na Vila Belmiro, antes da partida do Santos contra a Matonense, ou amanhã pela manhã, no salão do Conselho Deliberativo.

Viola vai receber R$ 90 mil de salário. A oferta inicial do Santos era de R$ 60 mil, menos que o teto salarial dos jogadores do clube (R$ 80 mil). O técnico Leão recebe R$ 75 mil por mês do Santos.

“Espero ser tratado com muito mais respeito no Santos”, disse Viola, ontem, ainda no centro de treinamento do Palmeiras.

Queda

O atacante Viola projetou-se no futebol nacional em 1988, quando marcou o gol do título paulista para o Corinthians, na final contra o Guarani, em Campinas.

Depois de um período de ostracismo no clube -quando chegou a ser emprestado para o São José-, o atacante voltou a se destacar em 1993, quando foi artilheiro do Paulista, com 20 gols.

A performance garantiu ao jogador uma vaga na Copa do Mundo dos EUA, onde jogou alguns minutos na final contra a Itália.

De volta ao Corinthians, o atacante começou a decair. No último torneio disputado pelo time -o Paulista-95-, Viola marcou apenas cinco gols.

Porém a “fama” alcançada na Copa fez o atacante ser contratado pelo Valencia (Espanha) por U$ 4 milhões. Alegando não estar adaptado ao país, o jogador passou a maior parte da temporada 95/96 na reserva e fez apenas 12 gols.

No Palmeiras, o jogador teve várias contusões e um relacionamento muito difícil com o atual técnico da equipe, Luiz Felipe Scolari, que o colocou na reserva. Viola marcou 29 gols nos 52 jogos que atuou na equipe.



Fonte: Estadão