Navegando Posts marcados como Muricy Ramalho

Muricy Ramalho é demitido pelo Santos

Desgastado após maus resultados em 2013, técnico deixa a equipe depois dois anos

O Santos demitiu o técnico Muricy Ramalho na última quinta-feira. Em nota oficial emitida nesta sexta-feira, o clube informou que decidiu não seguir com o treinador após os dois primeiros jogos do Brasileirão.

Muricy assumiu o comando da equipe em abril de 2011 e este à frente do time em 150 jogos. Foram 72 vitórias, 42 empates e 36 derrotas. Neste período o Santos conquistou dois títulos paulistas, uma Libertadores e uma Recopa Sul-Americana.

Claudinei Oliveira, técnico do time sub 20 do Santos, será o responsável pela escalação do time na partida deste sábado, contra o Grêmio, na Vila Belmiro.

Na nota em que informa o desligamento do treinador, o Comitê Gestor do Santos conta que a demissão o técnico marca o início de um processo de reformulação “após um dos períodos mais vencedores da história de 101 anos do clube”.

“Com seis títulos conquistados e dois vice-campeonatos em um período de 40 meses, além da recuperação financeira que culminou, na semana passada, com a conquista da Certidão Positiva com efeitos de Negativa (Cepen), emitida pelo Ministério da Fazenda”, diz a nota.

A demissão de Muricy Ramalho não chega a ser uma surpresa. Contestado desde o início do ano por conta da não-classificação do Santos para a Libertadores, o treinador não conseguiu estabelecer um padrão de time durante o Campeonato Paulista. Com a equipe muito dependente de Neymar, não encontrou saídas e o time passou a refém de seu agora ex-jogador.

A sequência de jogos ruins motivou torcedores santistas a pedirem a demissão do técnico com a campanha “Este time não me representa” .

Ainda sem um futebol convincente, conseguiu levar a equipe para a final do Paulistão, mas não venceu nenhum jogo no mata-mata. Foram dois empates contra Palmeiras e Mogi Mirim (com vitória nos pênatis) antes da final contra o Corinthians. Na decisão, o time perdeu o jogo de ida (2 a 1) e empatou a volta (1 a 1).

O treinador ainda passou problemas sérios de saúde neste ano. Com uma diverticulite , ficou internado por uma semana no início de abril. Voltou ao trabalho debilitado e nas últimas semanas demonstrou que os problemas de saúde poderiam encurtar sua passagem pelo clube.


Após ver o Santos ser derrotado pela Portuguesa, por 3 a 1, na noite deste sábado, no Pacaembu, o técnico Muricy Ramalho não estava no seu melhor humor, durante a entrevista coletiva concedida ao fim da partida. Nos vestiários do Peixe, uma pergunta deixou o treinador visivelmente irritado. Ao ser indagado sobre a ausência de treinos táticos na equipe, Muricy rebateu com a veemência a questão levantada por um jornalista.

“Realmente você não vê (atividade tática) porque você está lá fora, na rua. Além disso, mesmo se você assistir (ao treinamento) não vai entender muito”, disparou Muricy, que mandou a campo a 24° formação diferente, em 26 rodadas do Campeonato Brasileiro.

O comandante santista, que geralmente aponta o excesso de jogos como razão para evitar treinos mais pesados para os atletas, teve a semana livre de compromissos, com espaço para realizar treinos coletivos.

Muricy Ramalho ainda rebateu o repórter alegando que foi feito uma atividade de posicionamento, na manhã de sexta-feira, na véspera do duelo com a Lusa. “Fizemos por volta das 9h30 um trabalho tático. Só que, por mais que a gente insista, a falta de entrosamento é grande. Estamos sendo obrigados a mudar demais a equipe”, ponderou.

Incomodado, o técnico seguiu no mesmo tema e explicou que, para não permitir aos seus adversários conhecerem o que ele pretende levar a campo, por vezes opta por não deixar a imprensa acompanhar certos treinamentos.

“Quando é posicionamento vocês não podem ver. Se fazemos trabalho tático, vocês não podem estar presentes, porque tem de ser assim. Geralmente (os treinos) são fechados para fazermos algo diferente em jogadas de bola parada e outros detalhes”, complementou.

Nos treinos abertos para os jornalistas, Muricy normalmente orienta trabalhos técnicos, como treinamento de dois toques ou atividades de ataque contra a defesa, além dos populares rachões. Coletivos envolvendo reservas e jogadores das categorias de base do clube também são práticas comuns no dia-a-dia do CT Rei Pelé.