Navegando Posts marcados como Narciso

Santos 2 x 2 América-RN

Data: 28/10/1998
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – 21ª rodada (antepenúltima)
Local: Estádio Machadão, em Natal, RN.
Árbitro: Luciano Augusto Almeida (DF)
Cartões amarelos: Gomes (A); Jean e Claudiomiro (S)
Gols: Zezinho (21-1) e Carioca (40-1); Fernandes (53s-2) e Alessandro (07-2).

AMÉRICA-RN
Gomes; Gilson, ROnald, Carlos Mota e Mingo (Flaviano); moisés, Carioca, Montanha e Biro-Biro; rogers (Moura) e Zezinho.
Técnico: Júlio César Leal

SANTOS
Zetti; Baiano, Jean, Claudiomiro e Gustavo; Marcos Bazílio, Narciso, Eduardo Marques (Messias) e Róbson Luís (bechara); Fernandes e Alessandro (Maezono).
Técnico: Émerson Leão



Narciso impede vitória santista em Natal
No dia de sua volta à seleção, volante desperdiça dois penaltis; Santos se classifica e América-RN é rebaixado

No dia da primeira convocação para seleção brasileira em dois anos, o volante Narciso errou as cobranças de dois pênaltis em Natal (RN).

Os erros impediram que o Santos vencesse o América-RN, de virada. Essa foi a sexta partida consecutiva sem vitória da equipe santista. Com o resultado o Santos subiu para 38 pontos e assegurou a classificação. O América foi a 15 pontos e está rebaixada para disputar a Série B em 1999.

A exemplo do restante da equipe do Santos, o zagueiro Jean e o volante Narciso, convocados para seleção brasileira, tiveram o segundo tempo melhor que o primeiro.

Como nas últimas partidas, o Santos teve desfalques, desta vez foram sete: Viola, Lúcio, Jorginho, Athirson, Anderson, Argel e Élder.

O primeiro tempo foi de baixo nível técnico. O América, recuado, dava chutoes para tentar encontrar os atacantes Zezinho e Rogers num lance de sorte. E aos 21’deu certo. Na corrida o zagueiro Claudiomiro tropeçou e caiu. O atacane Zezinho ficou livre diante de Zetti e tocou rasteiro: 1 a 0.

Aos 39′, Claudiomiro fez pênalti, que Carioca converteu, apliando para 2 a 0.

No segundo tempo, o Santos com Messias, marcou aos 53 segundos. Gustavo foi à inha de fundo e cruzou para Fernandes diminuir de cabeça.

Aos 26′, o goleiro Gomes, num carrinho, fez penalti em Alessandro, num lance que a bola iria sair. Na sequência se redimiu e defendeu a cobrança de Narciso.

três minutos depois, novo pênalti contra o América, desta vez sobre Messias. Narciso bateu no outro canto e acertou a trave.


Grêmio 3 x 2 Santos

Data: 13/09/1998, domingo.
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase – 11ª rodada
Local: Estádio Olímpico, em Porto Alegre, RS.
Público: 21.977 pagantes
Renda: R$ 258.835,00
Árbitro: Luciano Teotônio de Almeida (DF)
Cartões amarelos: Luís Carlos Goiano, Valmir, Fabinho, Clóvis e Abreu (G); Ânderson Lima e Argel (S).
Cartão vermelho: Athirson (S).
Gols: Clóvis (14-1), Narciso (17-1) e Itaqui (29-1); Ronaldo (07-2) e Alessandro (22-2).

GRÊMIO
Danrlei; Valmir, Rivarola (Éder), Scheidt e Roger; Fabinho, Luís Carlos Goiano, Itaqui e Ronaldinho Gaúcho (Gavião); Clóvis (Abreu) e Rodrigo.
Técnico: Celso Roth

SANTOS
Zetti; Ânderson Lima, Jean, Argel e Athirson; Claudiomiro (Eduardo Marques), Narciso, Marcos Bazílio e Lúcio (Alessandro); Messias (Adiel) e Viola.
Técnico: Émerson Leão



Grêmio bate Santos e cai último invicto

Time santista perde invencibilidade de dez jogos

O Grêmio derrotou o Santos por 3 a 2, ontem, em Porto Alegre, derrubando a única equipe que ainda não havia perdido no Campeonato Brasileiro -o time santista acumulava seis vitórias e quatro empates na competição.

Foi a terceira vitória seguida do time gaúcho, que não vencera os oito jogos anteriores.

O técnico do Santos, Emerson Leão, disse que havia alertado os jogadores para uma eventual derrota. “Disse a eles que chegaria uma hora em que perderíamos. Pedi que isso acontecesse com o time lutando, disputando. Terminamos a partida pressionando o Grêmio”, afirmou Leão.

No final do jogo, ocorreu um incidente envolvendo Leão e jogadores do Santos, que se aproximaram do juiz, e soldados da Brigada Militar (a PM gaúcha), sem consequências físicas.

Leão e Viola acusaram um soldado de ter ameaçado dar um tiro. “Ele ficou com a mão na arma e disse que iria atirar”, disse Leão.

O técnico, que foi para cima dos soldados e prometeu agredir o policial que teria colocado a mão na arma, disse que o Estado devia se “envergonhar”.

Empurrado por sua torcida, o Grêmio começou pressionando.

Aos 10min, Ronaldo cobrou escanteio pelo lado direito e a bola encontrou a cabeça do zagueiro Scheidt, que entrava pelo centro da área. A cabeçada saiu forte, mas Zetti espalmou para escanteio.

Só aos 12min o Santos conseguiu fazer uma jogada de ataque, que não chegou a ser concluída com chute ao gol, pois a zaga aliviou.

Aos 15min, o Grêmio fez 1 a 0, em uma jogada iniciada por Itaqui, que envolveu Athirson e passou para Clóvis. O atacante venceu Jean, não se afobou na frente de Zetti e finalizou com acerto.

Três minutos depois, apesar da fraca produção ofensiva, o Santos chegou ao empate. Narciso aparou um rebote de fora da área. A bola bateu embaixo do travessão e caiu dentro do gol.

O Grêmio sentiu o golpe, e o Santos equilibrou a partida.

Aos 30min, porém, aconteceu o gol de desempate do Grêmio, por intermédio de Itaqui, que levou vantagem sobre a defesa santista.

O Grêmio voltou com a mesma força para o segundo tempo. O terceiro gol surgiu logo aos 7min. O juiz deu vantagem em uma falta sofrida por Rodrigo Mendes. A bola sobrou para Clóvis, que passou para Ronaldo, sozinho na frente de Zetti, marcar.

A folga no placar levou o volante Fabinho a facilitar aos 22min. Ele tentou sair da defesa driblando e perdeu a bola. O goleiro Danrlei não conseguiu tirar e Alessandro fez o segundo da equipe paulista.

Athirson, que já tinha cartão amarelo, levou o vermelho, aos 43min. Aos 45min, Zetti se machucou em uma dividida com Rodrigo Mendes. O goleiro pediu para sair, o que não foi possível porque já tinham sido feitas as três substituições.

Clóvis é escalado por exclusão

O principal responsável pelo fim da invencibilidade do Santos, o centroavante Clóvis, autor do primeiro gol, certamente ficaria na reserva se os atacantes Zé Alcino e Zé Afonso estivessem em condições físicas para atuar.

Escalado, Clóvis, ex-Guarani e Vasco, não só marcou o primeiro gol, como deu o passe para os assinalados por Itaqui e Ronaldo.

Como não está na sua melhor condição física, o atacante foi substituído aos 30min do segundo tempo e saiu aplaudido.

“Sou jogador de presença na área. Se a bola sobra, eu faço mesmo”, disse Clóvis, contratado há pouco tempo pelo Grêmio. No seu lugar, entrou o uruguaio Abreu, a mais recente contratação, que tem o apelido de “el loco”.

Ele jogou no futebol argentino e foi trazido do La Coruña, da Espanha, por empréstimo.

O mau tempo foi responsável pelo adiamento dos dois jogos marcados para o fim-de-semana no Rio Grande do Sul. Grêmio e Santos, que seria no sábado, foi transferido para ontem, quando foi realizado com sol.

A partida entre Juventude e Internacional, que aconteceria ontem em Caxias do Sul (131 km ao norte de Porto Alegre), foi adiada para 28 de setembro. A chuva que no sábado atingiu a capital havia se direcionado para a cidade da serra gaúcha.

O Santos permanecerá no Rio Grande do Sul, onde enfrentará o Juventude, atual campeão gaúcho, na quarta, em Caxias do Sul.


Santos 2 x 1 Once Caldas

Data: 15/07/1998, quarta-feira, 20h30.
Competição: Copa Conmebol – Oitavas de finais – Jogo de ida
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 2.391 pagantes
Renda: R$ 20.275,00
Árbitro: Ricardo Grance (Paraguai)
Cartões amarelos: Jorginho, Claudiomiro e Athirson (S); Foronda, Valencia e Valentierra (OC).
Cartões vermelhos: Viola (S) e Valencia (OC).
Gols: Narciso (03-1); Valentierra (14-2, de pênalti) e Viola (22-2).

SANTOS
Nando; Ânderson Lima, Argel, Jean e Athirson; Claudiomiro, Narciso, Jorginho (Fernandes) e Lúcio; Adiel e Viola.
Técnico: Emerson Leão

ONCE CALDAS
Henao; Cardona (Padilla), Villegas, Foronda e Moreno; Valencia, Velásquez, Salcedo e Valentierra (Moreno); Galván e Congo.
Técnico: Javier Álvarez



Santos vence primeiro jogo na Conmebol

O Santos venceu o Once Caldas, da Colômbia, por 2 a 1, ontem à noite, na Vila Belmiro, em sua estréia na Copa Conmebol.
A partida de volta acontece na próxima terça-feira, na cidade de Manizales (Colômbia). Os santistas necessitam somente de um empate para se classificar para a fase seguinte da competição.

O técnico Emerson Leão criticou os atacantes santistas, que desperdiçaram várias oportunidades. “Nós complicamos um jogo fácil. Poderíamos ter feito cinco ou seis gols”, declarou.

Os dois gols santistas surgiram de cruzamentos do lateral-direito Ânderson. No primeiro, Narciso acertou um chute de pé direito depois que a defesa colombiana rebateu cruzamento do lateral santista. O segundo, marcado por Viola, surgiu em cobrança de escanteio do mesmo lateral.


Rio Branco 2 x 1 Santos

Data: 14/03/1998, sábado, 16h00.
Competição: Campeonato Paulista – 2ª fase – 3ª rodada
Local: Estádio Décio Vitta, em Americana, SP.
Público: 6.060 pagantes
Renda: R$ 44.045,00
Árbitro: Antonio Pereira da Silva (GO)
Cartões amarelos: Marcos Assunção (S); Paulo César, Ildo e Maxsandro (RB).
Gols: Narcisio (45-1) e Narcisio (46-1); Narciso (25-2, de pênalti).

RIO BRANCO
Ivan; Jaime, Maxsandro, Ildo e Paulo César Martins (João Marcelo); Balu, Mineiro, Careca e Paulo César; Batistinha (Marcos) e Narcisio (Alaor).
Técnico: Lula Pereira

SANTOS
Zetti; Ânderson Lima, Argel, Ronaldão e Dutra; Marcos Assunção, Narciso, Caíco (Arinelson) e Jorginho; Müller e Caio (Macedo).
Técnico: Émerson Leão



Santos cai em Americana e continua sem vitória

Time perde por 2 a 1 para o Rio Branco e tem só um ponto no Paulista

O Santos foi derrotado ontem por 2 a 1 pelo Rio Branco em Americana e segue sem vencer no Campeonato Paulista. Em três jogos, o time de Leão conseguiu duas derrotas e um empate.

Nos primeiros minutos, a equipe santista teve dificuldades para chegar ao gol. As melhores chances foram em chutes de longe. Foi assim com o lateral Ânderson, aos 15min, com o zagueiro Argel, aos 19min, e o volante Marcos Assunção, aos 20min.

O Santos então pressionou o rival. Aos 30min, o lateral Dutra tentou cruzar, e a bola tocou na trave. Depois, Müller cabeceou, e a bola bateu nas duas traves.

O Rio Branco definiu o jogo em dois lances de Narcisio. Aos 45min, ele recebeu passe de Paulo César e tocou na saída de Zetti. Um minuto depois, driblou Ronaldo e chutou para fazer 2 a 0.

No segundo tempo, o Santos voltou apático, mas conseguiu descontar com Narciso, em cobrança de pênalti, aos 25min.

Viola está próximo de acerto

O atacante Viola, do Palmeiras, pode defender o Santos ainda no Paulista de 98. O vice-presidente do Santos, José Paulo Fernandes, disse ontem que o clube e o jogador iniciam negociações amanhã.

Segundo Fernandes, o Palmeiras e a Parmalat, dona do passe de Viola, já demonstraram interesse em liberar o jogador.

Conforme o dirigente, a Federação Paulista de Futebol quer ajudar o Santos a pagar o aluguel do passe de Viola durante o Paulista.
O Santos pretende contratar o jogador até a metade de 99.



Passes errados preocupam Santos ( Em 14/03/1998 )

Para Leão, falhas no fundamento impediram mais gols da equipe e permitiram empate do rival no último jogo

Evitar os erros de passe será a principal preocupação do Santos na partida de hoje contra o Rio Branco, em Americana (SP), pelo Campeonato Paulista.

O técnico Émerson Leão apontou esse fundamento como o fator que levou o Santos a fazer na última quarta-feira, contra o São José (1 a 1), sua pior partida na temporada, na avaliação do treinador.

Leão classificou como “excelente” o desempenho do Santos em 12 dos 13 jogos disputados neste ano. No último, segundo a comissão técnica, a equipe errou 37 passes.

“Foi o dia em que mais erramos. Quando readquirimos o nosso ritmo, tivemos cinco chances de gol”, disse o treinador.

Segundo ele, os erros não só impediram que o time marcasse mais gols, como permitiram o empate.

De acordo com o meia Jorginho, 32, capitão do time, o erro de passes é particularmente perigoso contra times do interior.

“Quem tem a responsabilidade de ganhar é o time grande. Contra o São José, perdemos dois, três gols. Aí, erramos uma vez só e tomamos o empate”, afirmou.

Por possuir jogadores velozes, segundo Jorginho, o time tem mais ansiedade de fazer o passe rápido, o que aumenta a probabilidade de erro. Para ele, a equipe precisa esperar o “momento certo” para decidir o jogo. “Não podemos tentar ganhar no desespero.”

Além de melhorar a situação da equipe na tabela (última colocada do Grupo 4, com um ponto em dois jogos), uma vitória evitará uma baixa psicológica no time, segundo o atacante Caio. “A pressão é muito grande, pois estamos mal posicionados na tabela.”

Ontem, Leão reuniu os jogadores para uma conversa e, segundo afirmou, pediu a eles que não se considerem pressionados pela colocação da equipe na tabela.

“O time é merecedor de crédito. Só que a nossa posição preocupa. Não há pressão, mas há preocupação. O atleta tem de saber jogar com a preocupação, não com a pressão”, disse o técnico.


Santos 1 x 0 Atlético-MG

Data: 06/12/1997, sábado, 21h40.
Competição: Campeonato Brasileiro
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo, SP.
Público: 679 pagantes
Renda: R$ 6.490,00
Árbitro: Luciano Augusto Almeida (DF).
Cartões amarelos: Müller e Ânderson Lima (S); Neguetti e Dede (A).
Gol: Narciso (22-2, de pênalti).

SANTOS
Zetti; Ânderson Lima (Baiano), Jean, Ronaldão e Dutra; Narciso, Marcos Assunção, Caíco (Eduardo Marques) e Alexandre; Müller e Arinelson (Edgar Baez).
Técnico: Wanderley Luxemburgo

ATLÉTICO-MG
Taffarel; Bruno, Neguetti, Sandro Barbosa (Cláudio) e Dede; Roberto, Edgar, Juninho (Marquinhos) e Jorginho; Almir e Nilo.
Técnico: Emerson Leão



O jogo

Numa partida de nível técnico ruim, com poucas chances de gol, o Santos superou a equipe mineira aproveitando-se de um pênalti. A equipe mineira tentou jogar nos contra-ataques