Navegando Posts marcados como Novelli Junior

Ituano 2 x 0 Santos

Data: 22/02/2020, sábado, 16h30.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 7ª rodada
Local: Estádio Novelli Junior, em Itu, SP.
Público 3.959 pagantes
Renda: R$ 166.680,00
Árbitro: Edina Alves Batista
Auxiliares: Danilo Ricardo Simon Manis e Alex Ang Ribeiro.
Cartões amarelos: Gabriel Tagliari, Luizinho e Suéliton (I); Soteldo e Jean Mota (S).
Gols: Yago (11-1) e Corrêa (26-1).

ITUANO
Pegorari; Pacheco, Ricardo Silva, Suéliton e Breno Lopes; Baralhas, Marcos Serrato e Corrêa; Yago (Gabriel Barros), Luizinho (Léo Duarte) e Gabriel Tagliari (Luiz Paulo).
Técnico: Vinicius Bergantin

SANTOS
Everson; Pará (Lucas Venuto), Lucas Veríssimo, Luan Peres e Felipe Jonatan; Alison, Diego Pituca (Jean Mota) e Carlos Sánchez; Arthur Gomes (Renyer), Soteldo e Eduardo Sasha.
Técnico: Jesualdo Ferreira



Santos de Jesualdo não evolui e perde para o Ituano antes de decisões

O Santos perdeu por 2 a 0 para o Ituano neste sábado, em Itu, pela sétima rodada do Campeonato Paulista. Os gols foram marcados por Yago e Corrêa, ainda no primeiro tempo.

O Peixe não apresentou evolução depois de atuação ruim diante da Ferroviária e preocupa o torcedor antes das partidas contra o Palmeiras, pelo próprio Paulistão, e a estreia na Libertadores da América frente ao Defensa y Justicia, na Argentina.

Mesmo com desempenho instável, o Alvinegro lidera o Grupo A do Estadual, com 11 pontos. O Ituano ainda é o lanterna do D, com nove.

O jogo

O Santos teve bom início e chegou a animar o torcedor depois de partida muito ruim contra a Ferroviária. A empolgação, porém, durou pouco.

Aos 11 minutos, Yago recebeu pela direita sozinho. Soteldo não voltou para marcar o lateral Pacheco, Diego Pituca estava distante e Felipe Jonatan ficou com dois na marcação. Resultado: o meia-atacante teve tempo de ajeitar, pensar e colocar a bola no ângulo direito de Everson.

O gol desestabilizou o Peixe, que ficou inofensivo. Desorganizada, a equipe não conseguia trocar três passes consecutivos para frente. Para piorar, o Ituano ampliou em golaço de falta do veterano Corrêa aos 26 minutos.

O Santos se lançou ao ataque na etapa final, porém, seguiu sem organização suficiente para aproximações, tabelas, atacantes no mano a mano. O técnico Jesualdo Ferreira optou pelas entradas de Jean Mota e Renyer nos lugares de Diego Pituca e Arthur Gomes no intervalo. E não funcionou.

A correria não foi suficiente e o Peixe terminou o jogo com poucas chances claras. Na melhor delas, Jean Mota acertou a trave perto do fim. Alerta ligado antes das partidas contra Palmeiras e a estreia na Libertadores.

Jesualdo vê 2º tempo em derrota como “futuro do Santos” e minimiza cobranças

O técnico Jesualdo Ferreira admitiu a atuação ruim do Santos, principalmente no primeiro tempo da derrota por 2 a 0 para o Ituano neste sábado, em Itu, pela sétima rodada do Campeonato Paulista.

“Foi o jogo típico de uma equipe que não foi feliz. Na primeira parte, tínhamos controlado. A equipe do Ituano é difícil. Até que surgiram Yago e Correa com dois gols fora do contexto, dois grandes gols. A partir do primeiro gol, a equipe perdeu a confiança, não foi a mesma equipe. Na segunda parte, vocês todos perceberam a reação da equipe, a intensidade, a agressividade, o controle de bola, a criação de algumas situações. Se tivesse acontecido um gol, o jogo poderia ter outra cor e poderíamos ter um resultado melhor. Mas prefiro reter as coisas que fizemos bem. A equipe está muito mais forte fisicamente, muito mais capaz, e a equipe é capaz, quando tem confiança, quando perde a timidez, de subir, de pressionar, de jogar bem, de criar dificuldades para o adversário”, analisou.

“Na primeira parte o que marcou a diferença foi o 1º gol. No segundo tempo, demos uma resposta que eu pretendo que seja o futuro do Santos. Que vai ser o futuro do Santos. Quando os jogadores acreditarem que podem jogar bem melhor que na primeira parte”, completou.

Jesualdo ainda projetou o clássico contra o Palmeiras, sábado, no Pacaembu, e minimizou a cobrança do torcedor.

“O jogo com o Palmeiras é diferente. Tem que ser sempre diferente quando queremos evoluir. A resposta é que temos uma semana para evoluir e sermos melhores no próximo jogo. Aqui, fica um pedido: vamos jogar em São Paulo, temos muitos torcedores, e espero que incentivem a equipe por um jogo melhor e um resultado melhor. É diferente o jogo. Acho que é bom o próximo jogo ser o Palmeiras. Acho ótimo”, avaliou.

“Eu vejo essa cobrança em qualquer lugar. Vi no Corinthians, no São Paulo, teve no Palmeiras e agora acabou. É normal e não me preocupa. Essa questão me preocupa mais quando é feita em cima dos jogadores. A mim não. Acho que é normal. Não sei se cobra mais ou não (do que na Europa), mas no Brasil se cobra bastante”, concluiu.

Felipe Jonatan revela temor por goleada e diz que “tudo vai mudar” no Santos

Felipe Jonatan foi sincero na avaliação da derrota do Santos por 2 a 0 para o Ituano neste sábado, em Itu, pela sétima rodada do Campeonato Paulista.

O lateral-esquerdo falou sobre o temor de nova goleada – o Ituano fez 5 a 1 no ano passado -, e prometeu “vida nova” no Peixe.

“Equilíbrio (foi o papo no vestiário). Não poderíamos sair daqui como o Santos no ano passado. Professor pediu equilíbrio, disse que poderíamos reverter, mas goleiro deles estava numa tarde inspirada. Temos que evoluir muito”, disse Felipe.

“No clássico tudo vai mudar. Vamos nos empenhar para mudar esse quadro no fim de semana”, emendou – lembrando que o Alvinegro enfrentará o Verdão sábado, no Pacaembu.

Felipe Jonatan também comparou os times de Jesualdo Ferreira em 2020 e Jorge Sampaoli em 2019.

“Tudo se resume ao trabalho. Estamos dando a nossa vida, mas as coisas precisam de tempo. Fizemos boa campanha ano passado no Brasileiro, método do Jesualdo é diferente. Sampaoli mais agressivo na marcação, time mais em cima. Jesualdo pede para esperarmos um pouco mais, mas ele já falou que isso vai mudar durante os treinamentos. Nessa semana mudamos um pouco, fomos mais agressivos no segundo tempo. Ele pediu isso no intervalo. Ele pediu para guardarmos esse segundo tempo para a gente”, concluiu.

Santos tem pior início ofensivo do século; compare ano a ano

O Santos de Jesualdo Ferreira tem o pior início de ano em termos ofensivos no século – mais precisamente, desde 1994, temporada do tetra da seleção brasileira.

O Peixe fez seis gols em sete partidas do Campeonato Paulista, menos de um por jogo em média. Esse desempenho só foi pior há 26 anos, quando o Alvinegro marcou quatro vezes.

Em termos defensivos, o Santos não está mal. São cinco gols sofridos, melhor retrospecto desde 2015. Para efeito de comparação, o Peixe de Sampaoli teve 20 pró e sete contra no mesmo período do ano passado.

O Alvinegro voltará a campo para enfrentar o Palmeiras, sábado, no Pacaembu, pela oitava rodada do Estadual. O presidente José Carlos Peres prometeu nova chance a Jesualdo, mesmo com o futebol ruim apresentado.

Veja abaixo o retrospecto nos sete primeiros jogos de cada ano desde 1994:

2020: 06 feitos e 05 sofridos
2019: 20 feitos e 07 sofridos
2018: 11 feitos e 07 sofridos
2017: 12 feitos e 09 sofridos
2016: 12 feitos e 08 sofridos
2015: 13 feitos e 04 sofridos
2014: 17 feitos e 04 sofridos
2013: 15 feitos e 09 sofridos
2012: 14 feitos e 08 sofridos
2011: 19 feitos e 08 sofridos
2010: 18 feitos e 07 sofridos
2009: 08 feitos e 09 sofridos
2008: 06 feitos e 08 sofridos
2007: 14 feitos e 07 sofridos
2006: 14 feitos e 09 sofridos
2005: 16 feitos e 05 sofridos
2004: 22 feitos e 08 sofridos
2003: 17 feitos e 10 sofridos
2002: 11 feitos e 08 sofridos
2001: 19 feitos e 06 sofridos
2000: 08 feitos e 16 sofridos
1999: 14 feitos e 08 sofridos
1998: 17 feitos e 11 sofridos
1997: 15 feitos e 11 sofridos
1996: 13 feitos e 10 sofridos
1995: 12 feitos e 07 sofridos
1994: 04 feitos e 08 sofridos


Ituano 5 x 1 Santos

Data: 03/02/2019, domingo, 19h00.
Competição: Campeonato Paulista – 5ª rodada
Local: Estádio Novelli Júnior, em Itu, SP.
Público: 5.673 pessoas
Renda: R$ 227.695,00
Árbitro: Raphael Claus
Auxiliares: Danilo Ricardo Simon Manis e Luiz Roberto Andrini Nogueira.
Cartões amarelos: Martinelli, Paulinho Dias (I); Luiz Felipe e Derlis Gonzalez (S).
Gols: Morato (07-1), Serrato (08-1), Jonas (19-1), Jean Mota (41-1) e Morato (46-1); Léo Santos (18-2).

ITUANO
Pegorari; Jonas, Léo Santos, Ricardo Silva e Peri; Baralhas, Marcos Serrato e Correa (Paulinho Dias); Morato (Gui Mendes), Martinelli e Alemão (Claudinho).
Técnico: Vinicius Bergantin

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz (Luiz Felipe), Aguilar, Gustavo Henrique e Copete; Alison (Yuri Alberto), Carlos Sánchez, Diego Pituca e Jean Mota; Soteldo (Arthur Gomes) e Derlis González.
Técnico: Jorge Sampaoli



Ituano goleia Santos e encerra invencibilidade de Sampaoli

A invencibilidade do Santos no Campeonato Paulista terminou na noite deste domingo. No Estádio Novelli Júnior, o Ituano foi eficiente para aproveitar as seguidas falhas defensivas do time treinado por Jorge Sampaoli desde o primeiro tempo e ganhou por 5 a 1.

Com uma campanha de quatro vitórias e uma derrota, o Santos segue com os mesmos 12 pontos ganhos e ocupa a liderança do Grupo A do torneio estadual. Já o Ituano contabiliza sete pontos e sobe para a segunda colocação do Grupo D, a dois do São Paulo.

O jogo:

O Ituano saiu na frente logo aos 7 minutos, quando Serrato driblou Aguilar e cruzou da esquerda para finalização certeira de Morato na cara de Vanderlei. No minuto seguinte, Serrato roubou a bola de Aguilar, avançou com a bola dominada e tocou na saída do goleiro adversário para ampliar.

Aos 19 minutos, após cobrança de escanteio pela esquerda, Alemão cabeceou na trave e Jonas converteu no rebote. O Santos diminuiu aos 41 por meio de cabeçada de Jean Mota, que, em posição duvidosa, completou cruzamento feito pela direita por Sanchez.

O Ituano brecou uma eventual reação santista ainda nos acréscimos do primeiro tempo. Aos 46 minutos, Martinelli foi para cima de Victor Ferraz pela esquerda e cruzou. Morato completou com sucesso para marcar seu segundo gol no jogo, o quarto do time da casa.

No intervalo, na tentativa de aumentar o poder de fogo de sua equipe, o técnico Jorge Sampaoli trocou Alison por Yuri Alberto, mas o cenário não mudou. Aos 18 minutos do segundo tempo, o veterano Corrêa cobrou falta da direita para cabeçada de Léo Santos e Vanderlei, praticamente dentro gol, não conseguiu defender.

O Santos, sem criatividade, foi incapaz de dar muito trabalho ao goleiro Pegorari. No segundo tempo, em um lance que simbolizou a atuação do time alvinegro em Itu, Sanchez cruzou da direita e Yuri Alberto tentou cabecear, mas acertou a bola com o ombro.

Com vantagem confortável no marcador, o Ituano não precisou forçar durante o segundo tempo e o técnico Vinicius Bergantim pôde trocar o inspirado Morato por Gui Mendes. Nos acréscimos, Yuri Alberto pegou a sobra após escanteio da direita e finalizou. Com Pegorari já batido, Jonas salvou e manteve o placar inalterado.

Sampaoli analisa goleada em Itu e absolve zagueiro Aguilar

O Ituano precisou de apenas 19 minutos para marcar três gols no Santos na noite deste domingo. Ao analisar a partida, o técnico Jorge Sampaoli destacou a superioridade do adversário nos momentos iniciais e absolveu o zagueiro colombiano Felipe Aguilar após atuação comprometedora no Estádio Novelli Júnior.

“Saímos para buscar o jogo, como sempre. Sofremos dois contra-ataques em erros não forçados que custaram gols muito rápidos. Reverter um 2 a 0 em 10 minutos é complicado. O adversário tem jogadores rápidos e contundentes. O time tentou. Enfrentou um rival que se posicionou e contra-atacou muito bem”, analisou.

Escalado como titular por Sampaoli, Aguilar falhou em dois gols do Ituano na noite deste domingo. Questionado sobre a atuação do zagueiro colombiano, o treinador adotou tom diplomático e procurou demonstrar confiança no jogador de 26 anos de idade.

“O Felipe tinha feito apresentações muito boas. Cometeu o erro não forçado do começo e custou um gol. Mas nós confiamos muito de que é um jogador que tem bastante capacidade. Atuou muito bem contra o São Paulo, um clássico. Então, confiamos. Vive um momento muito difícil e tem que superá-lo trabalhando”, declarou.

Na saída do gramado, o lateral direito Victor Ferraz, um dos líderes do elenco, pediu desculpas à torcida santista pela goleada sofrida no Estádio Novelli Júnior. A exemplo do ala, o experiente argentino Jorge Sampaoli também se retratou com os alvinegros.

“Temos que pedir desculpas à torcida, porque viemos esperançosos para fazer uma boa partida e ganhar. Não aconteceu. Continuamos buscando e o adversário se aproveitou dos espaços para contra-atacar com precisão. Mas isso não tem que cobrir as intenções do time”, declarou.

Sampaoli diz confiar no elenco santista e projeta vaga na quarta

Massacrado pelo Ituano, o Santos acabou goleado por 5 a 1 em sua primeira derrota no Campeonato Paulista, sofrida na noite de domingo. No Estádio Novelli Júnior, o técnico Jorge Sampaoli projetou a classificação à segunda fase da Copa do Brasil na quarta-feira e disse confiar em seu elenco, apesar de reiterar a necessidade de reforços.

“O trabalho permanece da mesma forma, com as mesmas intenções”, declarou o experiente treinador argentino. “Eu sigo confiando nesse grupo para continuar transmitindo minha ideia e tomara que, no jogo de quarta-feira, já recuperemos o nível”, declarou, sem esconder a necessidade de reforços.

“Vários jogadores importantes saíram e estão sendo substituídos por meninos muito jovens. Seguramente, (os dirigentes) estão tentando alguma coisa que permita suprir os que se foram. Enquanto isso, trabalhamos com o que temos e vamos buscar o gol adversário com o que temos. Não ficou outra alternativa”, afirmou Sampaoli.

“Em pouco tempo, jogamos a Copa do Brasil e, no sábado, de novo (o Paulista). Na terça, a Sul-Americana. Então, é necessário se recompor rapidamente e tratar de ver que time vamos apresentar, porque jogamos a cada três dias e há muito desgaste. Vamos avaliar tudo e tomara que na quarta voltemos com a classificação”, projetou.

Ferraz nega soberba, pede desculpa e assume: “Isso não é normal”

Em sua primeira derrota no Campeonato Paulista, registrada na noite deste domingo, o Santos foi massacrado pelo Ituano no Estádio Novelli Júnior. Ainda na saída do gramado, o lateral direito Victor Ferraz já prestou esclarecimentos à torcida alvinegra pela goleada por 5 a 1.

“Foi um jogo em que nada deu certo para a gente. De antemão, quero deixar bem claro para o torcedor e para todo o mundo que não foi soberba. Longe disso, até porque a gente tinha visto os vídeos do Ituano e sabíamos que se tratava de uma boa equipe”, disse Ferraz ao Premiere.

Com gols de Morato, Serrato e Jonas, o Ituano abriu 3 a 0 em 19 minutos. O Santos chegou a diminuir por meio de Jean Mota, mas tomou mais um de Morato ainda no primeiro tempo. Na etapa complementar, mesmo sem forçar, o time da casa fechou o marcador com Léo Santos.

“Foi aquele jogo para esquecer. Em praticamente todas as vezes que chegaram, eles fizeram gol. Isso não é uma coisa normal no futebol. As vezes em que tivemos chances claras, acabou não entrando. Temos que pedir desculpas para o nosso torcedor”, declarou Ferraz.

Com uma campanha de quatro vitórias e uma derrota, o Santos segue com os mesmos 12 pontos ganhos e ocupa a liderança do Grupo A do torneio estadual. A despeito de se retratar pela goleada, o lateral direito procurou valorizar o trabalho desenvolvido pelo clube na temporada.

“Tudo que estamos fazendo não está errado. A gente vem fazendo um bom campeonato. Temos uma proposta de jogo ofensiva e sabemos do risco. Às vezes, pode acontecer de não dar certo. Hoje, acabou dando errado e o Ituano está de parabéns”, afirmou Ferraz.


Ituano 0 x 0 Santos

Data: 21/02/2017, terça-feira, 21h30.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 5ª rodada
Local: Estádio Novelli Júnior, em Itu, SP.
Público: 3.564
Renda: R$ 153.120,00
Árbitro: Luiz Flavio de Oliveira
Auxiliares: Tatiane Sacilotti dos Santos Camargo e Alberto Poletto Masseira.
Cartões amarelos: Claudinho e Mateus (I); Lucas Veríssimo e Leandro Donizete (S).

ITUANO
Fábio; Arnaldo, Lima, Mateus e Peri; Wellignton Simião, Walfrido, Guilherme (Romarinho) e Morato (Bassani); Claudinho (Lucas Crispim) e Igor.
Técnico: Tarcísio Pugliese

SANTOS
Vladimir; Victor Ferraz, Lucas Veríssimo, Yuri e Zeca; Leandro Donizete, Thiago Maia e Léo Cittadini (Thiago Ribeiro); Vitor Bueno, Copete e Kayke (Bruno Henrique).
Técnico: Dorival Junior



Em jogo de dar sono, Santos não sai do zero contra o Ituano

Os mais de 3 mil espectadores e outros milhões de torcedores acompanhando pela TV, Internet ou rádio devem ter tirado pelo menos um cochilo durante o duelo entre Ituano e Santos, nesta terça-feira, pela quinta rodada do Campeonato Paulista. Em partida com praticamente nenhuma emoção, as equipes equipes fizeram jus ao mal futebol apresentado e não saíram do 0 a 0 no estádio Novelli Júnior, em Itu.

O resultado não foi bom para nenhum dos clubes. O Peixe acumulou seu terceiro jogo seguido sem vitória e chegou aos sete pontos. Os comandados de Dorival até voltaram para a segunda colocação do grupo D, mas só ficarão nela se a Ponte Preta perder para o Linense, nesta quarta-feira, em Lins.

Já o Ituano, por sua vez, segue em segundo no grupo A, com oito pontos. Porém, o Galo Rubro-Negro pode cair de posição caso o São Bernardo vença o Mirassol, também nesta quarta.

O jogo

Com nenhuma chance clara de gol, os primeiros momentos entre Ituano e Santos foram marcados por duas lesões no Novelli Júnior. Logo aos três minutos, o meia Guilherme, da equipe de Itu, tirou uma bola de Victor Ferraz, sentiu o joelho e precisou ser substituído por Romarinho. Pelo lado do Peixe, Léo Cittadini recebeu uma entrada forte de Claudinho. O santista chorou durante o atendimento médico, chegou a voltar para o jogo, mas acabou saindo para a entrada de Thiago Ribeiro. Com isso, Vitor Bueno foi recuado e virou o armador do time comandado por Dorival Júnior.

Pressionado após as derrotas para São Paulo e Ferroviária, respectivamente, o alvinegro começou tentando implantar seu estilo de jogo, com toque de bola e tranquilidade para chegar dentro da área adversária. Porém, os santistas não mostravam a velocidade e criatividade de outrora. Com isso, a equipe ficou lenta e previsível.

O Ituano, por sua vez, esperava os contra-ataques teve a primeira boa chance do embate. Aos 18 minutos, Morato recebeu na entrada da área, driblou dois marcadores e bateu rasteiro. O goleiro Vladimir defendeu bem e salvou o Santos.

O duelo seguiu o mesmo ritmo do Peixe e foi completamente monótono em Itu. Tanto que a única oportunidade da equipe comandada por Dorival Júnior surgiu apenas aos 46 minutos, em chute fraco de Victor Ferraz, facilmente defendido por Fábio. Logo depois, o árbitro Luiz Flávio de Oliveira apitou o fim do primeiro tempo e deve ter acordado os torcedores que dormiram durante a fraca partida no interior paulista.

Se a etapa inicial foi sonolenta, a volta do intervalo não começou muito animadora, principalmente para o lado do Santos. Ao contrário do que aconteceu no primeiro tempo, o alvinegro viu o Ituano adiantar a marcação, pressionar a saída de bola e voltar ligeiramente melhor. Tanto que aos 18 minutos, Romarinho avançou, cortou para o meio e soltou uma bomba da entrada da área. A bola passou por cima da trave e assustou Vladimir.

Na sequência, o goleiro operou um milagre no estádio Novelli Júnior. Após furada da defesa, Igor rolou para Lucas Crispim. Mesmo desequilibrado, o atacante, emprestado pelo Santos, bateu no ângulo. Porém, Vladimir apareceu, fez linda defesa e evitou o gol do Ituano.

O Santos seguiu muito fraco durante boa parte do segundo tempo. Tanto que a equipe só voltou a assustar o goleiro Fábio aos 38 minutos. Após boa jogada de Copete, Thiago Ribeiro recebeu cruzamento e completamente livre, pegou mal na bola e desperdiçou uma ótima chance.

A oportunidade animou o Peixe. Os comandados de Dorival Júnior até esboçaram alguma reação no final do duelo, mas nada que conseguisse alterar o marcador em Itu, que terminou em um 0 a 0 modorrento.

Bastidores – Santos TV:

Dorival nega pressão e vê torcida do Santos ‘mal acostumada’

O Santos chegou ao terceiro jogo seguido sem vitória no Campeonato Paulista. Previsível e pouco criativo, o time comandado por Dorival Júnior não conseguiu assustar o Ituano e ficou no 0 a 0, nesta terça-feira, no estádio Novelli Júnior, em Itu, pela quinta rodada do torneio estadual. O alvinegro, inclusive, tem seu pior início de Paulistão em cinco anos. Motivo para pressão? Não para o técnico santista.

“Turbulência não existe. Convivemos com harmonia no CT. Buscando melhorar, resultados. A diretoria sempre abraçou a equipe. Não sinto essa pressão que se fala. Cobrança vai existir. A torcida do Santos está mal acostumada em razão dos bons resultados na Vila Belmiro por longo tempo e natural que uma derrota ou outra ocasione nisso. É questão de tempo para recuperarmos. Está iniciando o campeonato. Será o mais difícil dos últimos anos. Estamos vivendo isso. A equipe vem evoluindo, sim”, ressaltou o treinador do Peixe, em entrevista coletiva após o duelo desta terça.

Com a igualdade em Itu, o Santos acumulou seu terceiro jogo seguido sem vitória e chegou aos sete pontos. Os santistas até voltaram para a segunda colocação do grupo D, mas só ficarão nela se a Ponte Preta perder para o Linense, nesta quarta-feira, em Lins.

Mesmo com o pouco futebol apresentado diante do Ituano, Dorival crê que o alvinegro está no caminho certo e que os erros na conclusão das jogadas foram fundamentais para o empate no estádio Novelli Júnior.

“O que ficou faltando foi o último passe. Tivemos produção ofensiva condizente com o que o time faz. Na hora de colocar alguém em condição de definir, falhamos. Fizemos jogo bem seguro em razão de mudança de postura. Foi jogo pesado, complicado. Tivemos mais coisas positivas do que negativas. Natural que o resultado não acontecendo, existam questionamentos. A equipe vai readquirir confiança”, concluiu o técnico santista.

Ferraz vê erro no último passe e diz: “Tem bastante coisa para acertar”

O Santos foi nulo contra o Ituano, nesta terça-feira, no estádio Novelli Júnior, em Itu. Mesmo mantendo a posse de bola, principalmente no primeiro tempo, o Peixe não conseguiu criar oportunidades de gol, ficou no 0 a 0 e chegou ao terceiro jogo seguido sem vitória no Campeonato Paulista. Apesar das pouquíssimas oportunidades criadas, o lateral-direito Victor Ferraz acredita que a equipe não esteve tão abaixo do esperado.

“Fizemos um primeiro tempo bom, faltou acertar o último passe. No segundo tempo deixamos cair, eles tiveram chances. A gente tem uma forma de jogar, e as equipes jogam fechadas. Por isso, a gente acaba não encontrando espaços. Precisamos caprichar o último passe para que possamos dar a alegria para o torcedor”, explicou o santista na saída do gramado.

Mesmo crendo que o alvinegro fez uma apresentação razoável diante do Galo Rubro-Negro, Ferraz também acredita que a equipe comandada por Dorival Júnior precisa melhorar para alcançar a recuperação no Campeonato Paulista.

“Temos bastante coisa para acertar, principalmente no que a gente deseja. Temos que treinar e conversar mais, na próxima partida vamos voltar a jogar o que a gente deseja. Não está faltando confiança. É ter a última bola com clareza. Mas vamos acertar. Logo mai , voltaremos apresentar o futebol que estamos acostumados”, completou.

Cittadini fará exames nesta quarta e pode ser desfalque no Santos

A lista de desfalques do Santos não para de aumentar. Sem Vanderlei, Renato, Lucas Lima e Ricardo Oliveira, o Peixe pode perder mais um jogador para o departamento médico. O meia Léo Cittadini saiu de campo lesionado no empate contra o Ituano, válido pela quinta rodada do Campeonato Paulista, nesta terça-feira, no estádio Novelli Júnior. O jovem fará exames nesta quarta-feira para detectar a gravidade da contusão.

Ainda no início do primeiro tempo em Itu, o santista recebeu uma entrada forte de Claudinho. O camisa 19 chorou durante o atendimento médico, chegou a voltar para o jogo, mas acabou saindo para a entrada de Thiago Ribeiro. Com isso, Vitor Bueno foi recuado e virou o armador do time comandado por Dorival Júnior.

“Ele não tinha mais condições. Sofreu uma pancada forte na lateral do joelho e aí trava, perde completamente a mobilidade. Ele ficou chateado porque tinha uma nova oportunidade”, explicou o técnico Dorival Júnior após a partida.

Como Lucas Lima não deve ser liberado para entrar em campo contra o Botafogo-SP, no próximo sábado, às 17h (de Brasília), na Vila Belmiro, Cittadini seguiria na equipe titular. Porém, caso uma lesão grave seja constatada, Dorival precisará quebrar a cabeça durante a semana para encontrar um substituto.

Sem Jean Mota, que tem a mesma lesão de Lucas Lima (estiramento no ligamento colateral lateral do joelho), mas na perna esquerda, o técnico do Peixe tem apenas Vitor Bueno e Rafael Longuine como meias de origem.

A tendência é que o comandante repita o que foi feito nesta terça, recuando o camisa 7 e promovendo a entrada de um atacante de beirada. Como opões, Dorival conta com Bruno Henrique, Arthur Gomes e Thiago Ribeiro.

Ituano 0 x 1 Santos

Data: 26/01/2014, domingo, 19h30.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 3ª rodada
Local: Estádio Novelli Júnior, em Itu, SP.
Público: 2.527 pagantes
Renda: R$ 90.730,00
Árbitro: Marcelo Rogério
Auxiliares: Daniel Luis Marquese e Patricia Carla de Oliveira
Cartões amarelos: Josa e Cristian (I); Gabriel, Alan Santos, Mena e Thiago Ribeiro (S).
Gol: Cícero (46-2).

ITUANO
Vagner; Dick, Alemão, Anderson Salles e Dener; Josa, Paulinho (Rafael Silva), Jackson Caucaia e Cristian (Esquerdinha); Marcinho (Clayson) e Jean Carlos.
Técnico: Doriva

SANTOS
Aranha; Cicinho, Neto, Jubal e Mena; Alan Santos (Leandrinho), Arouca e Cícero; Thiago Ribeiro. Geuvânio e Gabriel (Victor Andrade)
Técnico: Oswaldo de Oliveira



Santos sofre pressão, Aranha salva e Cícero decide vitória sobre o Ituano

Peixe vai mal, mas faz 1 a 0 com gol de falta do meia nos minutos finais. Time do interior cria e finaliza mais, mas para em boa atuação do goleiro

Aos 45 minutos do segundo tempo, uma falta cobrada por Cícero deu a vitória ao Santos por 1 a 0 sobre o Ituano, neste domingo, no Novelli Júnior. A equipe do interior jogou melhor, exigiu grandes defesas de Aranha, mas foi castigada em uma bola parada que desviou na barreira e enganou seu goleiro. O Peixe venceu, mas terá de tirar lições se quiser melhorar e brigar em condições de igualdade com seus adversários pelo título paulista.

Com um meio-campo dominado durante toda a partida, o Peixe assistiu à pressão do Ituano no segundo tempo. Não fosse Aranha, a trave e o zagueiro Jubal, o Santos sairia derrotado de Itu. E a vitória do time da casa seria até o placar mais justo. O resultado levou o Santos aos sete pontos, na segunda posição do Grupo C do Campeonato Paulista. O Ituano tem apenas um ponto somado no Grupo B.

O jogo

À vontade e vestindo uma bermuda para amenizar o calor de Itu, Oswaldo de Oliveira apostou no retorno de Cícero para dar vitalidade ao meio-campo santista. Nem ele foi capaz de efetuar a necessária ligação até o ataque. Assim, o Santos viveu da ligação direta vinda da defesa e de alguns lampejos de Geuvânio, arisco, cheio de dribles, mas sem ajuda de Gabriel e Thiago Ribeiro, muito bem marcados.

Oswaldo terá trabalho para suprir a ausência de Montillo, que costumava fazer com eficácia a armação de jogadas. Sem o argentino, o Peixe perde muita qualidade e precisa de jogadas individuais para criar. Foi assim nas poucas chances que o time teve.

O Ituano não se limitou a defender e tentou agitar um jogo monótono, finalizando mais do que o rival e buscando o ataque. Nas bolas paradas, Anderson Sales deu trabalho. Com a bola rolando, os ex-palmeirenses Marcinho e Cristian tiveram chances de abrir o placar. Ambos pararam no goleiro Aranha, melhor santista em campo no primeiro tempo.

A vantagem física do Ituano foi decisiva para o formato do jogo, que teve a equipe do interior no comando das ações durante todo o segundo tempo. O Ituano passou a trocar passes, abrir espaços e colocar o Santos para correr. Aranha continuou fazendo o que pôde – e quando não pôde, contou com valiosa ajuda da sorte, com no chute de Paulinho que acertou a trave.

Oswaldo trocou Gabriel por Victor Andrade – seis por meia dúzia, já que a formação do ataque não mudou, e o substituto, assim como o titular, mal tocou na bola. O Santos pareceu satisfeito com o empate na maior parte da segunda etapa. Do outro lado, o técnico Doriva percebeu as intenções do rival e não teve medo de colocar seu time para pressionar.

O empate sem gols era lucro para o Santos, que passou os últimos minutos dentro de sua área, se segurando para evitar a derrota. No lance mais perigoso, Jubal se jogou na frente da bola para salvar o time. Oswaldo de Oliveira demorou muito para mexer, colocou Leandrinho nos minutos finais, mas não conseguiu fazer o Peixe jogar.

Mesmo satisfeito, o Santos teve uma falta aos 45 minutos e arriscou. Cícero bateu, a barreira abriu, e o goleiro Vágner não pôde fazer nada: 1 a 0. Insatisfeito com a atuação e as vaias da torcida, o meia desabafou e levou a mão ao ouvido, querendo uma resposta da torcida. A vitória veio, mas Oswaldo terá muito trabalho para fazer esse time jogar mais.

Bastidores – Santos TV:







Vídeos: (1) Gol e (2) melhores momentos.

Ituano 0 x 1 Santos

Data: 30/01/2013, quarta-feira, 22h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 4ª rodada
Local: Estádio Novelli Júnior, em Itu, SP.
Público e renda: N/D
Árbitro: Leonardo Ferreira Lima
Auxiliares: Fabrício Porfírio de Moura e Claudenir Donizeti Gonçalves da Silva.
Cartões amarelos: Durval (S).
Cartões vermelhos: Leandro Silva (I).
Gol: Cícero (03-2).

ITUANO
Anderson; Leandro Silva, Cléber, Vitor Hugo e Patrick; Marcinho Guerreiro, Luciano (Kleiton Domingues), Cambará e Fernando Gabriel; Marcão (Adaílton) e Michel (Tiago Bezerra).
Técnico:Roberto Fonseca.

SANTOS
Rafael; Bruno Peres, Jubal, Durval e Guilherme Santos; Adriano, Cícero e Montillo (Pinga); Miralles, André (Felipe Anderson) e Neymar.
Técnico: Muricy Ramalho



Com gol de Cícero, Santos bate Ituano e segue líder do Paulistão

Com a terceira vitória em quatro jogos, time da Vila Belmiro chega a dez pontos e segue em primeiro lugar na tabela de classificação

Sem uma atuação brilhante, o Santos conseguiu derrotar o Ituano, por 1 a 0, na noite desta quarta-feira, no Estádio Novelli Júnior. O meia Cícero marcou o gol da vitória, no começo do segundo tempo.

O triunfo fora de casa manteve o Santos na liderança do Campeonato Paulista, após quatro jogos. O time chega aos 10 pontos ganhos na tabela. Já o Ituano segue sem vencer, com dois pontos, na 15ª posição.

O Santos enfrenta o São Paulo, em clássico marcado para o próximo domingo, às 17 horas (horário de Brasília), na Vila Belmiro. Já o Ituano visita o Mirassol, no dia anterior.

O jogo

Logo no primeiro minuto da partida, Cambará sobe mais alto que a zaga santista, após cobrança do escanteio, e a sua cabeçada passa por cima do gol, assustando o goleiro Rafael.

O Peixe respondeu, em cobrança de falta com Neymar, aos 18. A Joia bateu a infração por cima da barreira, exigindo boa defesa de Anderson, que espalmou a bola, afastando o perigo.

Sem conseguir furar o bloqueio montado pelo Ituano, o time alvinegro precisou das orientações do técnico Muricy Ramalho no intervalo para voltar melhor e abrir o placar.

Com o meia Felipe Anderson no lugar do centroavante André, que mais uma vez não deixou a sua marca e foi substituído, o Santos melhorou e chegou ao gol, aos três minutos, com um forte chute de Cícero, de fora da área. Anderson não conseguiu fazer a defesa e a bola balançou as redes.

Melhor na etapa complementar, a equipe praiana quase marcou o segundo, logo em seguida. Aos sete, após confusão na área, a bola sobrou para Miralles, que tirou o goleiro e bateu desequilibrado, na direção do gol. Antes de a bola entrar, a zaga do Galo de Itu salvou aquele que seria mais um gol do Peixe.

No minuto seguinte, Bruno Peres se lançou ao ataque e arriscou um chute de longa distância, com a bola passando perto da trave de Anderson.

Com a vantagem no placar, os santistas passaram a jogar com maior segurança, neutralizando o adversário e apostando nos contra-ataques. Em um deles, aos 37, Neymar recebeu dentro da área e, cercado por um zagueiro, encontrou espaço para dar um leve toque por baixo da bola, encobrindo o goleiro Anderson e acertando o travessão.

Antes do apito final, o lateral-direito Leandro Silva, que já tinha cartão amarelo, fez falta dura em Neymar e foi expulso pelo árbitro, deixando o seu time com um a menos nos últimos minutos do confronto.

Os santistas souberam administrar a vantagem nos minutos finais e alcançaram a terceira vitória no Paulistão.

Muricy valoriza vitória: “É importante mesmo não jogando bem”

Técnico do Santos valorizou a vitória magra diante do Ituano que garantiu o time na liderança do Paulista

Com um gol do meia Cícero, no início do segundo tempo, o Santos derrotou o Ituano por 1 a 0, na noite desta quarta-feira, no Estádio Novelli Júnior. O técnico Muricy Ramalho não ficou totalmente satisfeito com a exibição de sua equipe, ressaltando que alguns aspectos ainda precisam ser melhorados. Apesar disso, o treinador valorizou o resultado obtido fora de casa, que garantiu ao Peixe a permanência na liderança do Campeonato Paulista.

“O placar foi justo. O time enfrentou dificuldades, pois ainda não se encontra bem fisicamente. Por isso, é importante marcar pontos, mesmo quando não jogamos bem”, disse Muricy, nos vestiários do clube praiano.

Na partida contra o Galo de Itu, o comandante santista não pôde contar com o zagueiro Neto, além dos volantes Renê Júnior e Arouca, todos vetados pelo departamento médico. Na zaga, o jovem Jubal estreou. No meio, Adriano substituiu Renê Júnior e o argentino Miralles entrou na vaga de Arouca, modificando o esquema tático alvinegro para o 4-3-3.

Mesmo assim, Muricy Ramalho viu a sua equipe sofrer com a marcação adversária na primeira etapa e o Santos só melhorou após o intervalo, com a saída do centroavante André para a entrada do meia Felipe Anderson, que melhorou a qualidade da posse de bola do time da Vila Belmiro.

“O número de atacantes não significa ofensividade. Não agredimos no primeiro tempo. No segundo, fomos melhores e tivemos mais chances. Ficamos mais com a bola no pé e tivemos o controle do jogo”, concluiu.

Neymar questiona suposta ofensa de técnico: “Me chamou de macaco?”

Atacante do Santos reclama de suposto ato de racismo de treinador do Ituano, que nega ter feito qualquer tipo de ofensa

O Santos venceu o Ituano por 1 a 0 nesta quarta-feira, no Estádio Novelli Júnior. O atacante Neymar não marcou gol, mas nem por isso deixou de ser o centro das atenções. Isto porque, durante o primeiro tempo, teria sido vítima de um ato de racismo do técnico adversário, Roberto Fonseca. Os dois bateram boca e, só após a intervenção da arbitragem, os ânimos esfriaram.

“Me chamou de macaco?”, indagou Neymar ao se dirigir para o treinador adversário. “Você viu isso aqui? Isso é o que?”, completou o camisa 11, em pergunta direcionada ao quarto árbitro.

Na saída para o intervalo, Neymar evitou acusar Fonseca e saiu rapidamente para os vestiários. “Não sei, não sei. Eu não entendi (o que ele falou). Tanto que voltei para perguntar. Ele falou que eu era surdo”, disse.

O comandante do Ituano, por sua vez, negou qualquer tipo de ofensa racista ao atacante. “Acho que ele deve estar surdo. Eu disse que ele era cai-cai, estava se jogando toda hora, os nossos atletas indo na bola, e o árbitro estava apitando. A não ser que ele esteja até fazendo adivinhação agora”, comentou.

Como o quarto árbitro não ouviu a suposta agressão verbal de Roberto Fonseca, tampouco o juiz principal do jogo, a acusação não deve ser registrada na súmula do duelo pelo delegado da Federação Paulista de Futebol.