Navegando Posts marcados como Oeste

Santos 3 x 2 Oeste

Data: 02/03/2019, sábado, 19h00.
Competição: Campeonato Paulista – 9ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 9.486 presentes (8.123 pagantes e 1.363 não pagantes)
Renda: R$ 249.544,00
Arbitragem: Thiago Duarte Peixoto
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho e Gustavo Rodrigues de Oliveira.
Cartões amarelos: Aguilar e Rodrygo (S); Bruno Lopes, Matheus Jesus, Alyson e Lídio (O).
Gols: Bruno Lopes (14-1), Betinho (41-1, contra) e Matheus Jesus (42-1); Derlis González (16-2) e Victor Ferraz (50-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Aguilar, Gustavo Henrique e Felipe Jonatan; Yuri (Carlos Sanchez), Jean Lucas, Jean Mota e Cueva (Felipe Cardoso); Soteldo (Rodrygo) e Derlis González.
Técnico: Jorge Sampaoli

OESTE
Matheus Cavichioli; Tony, Maracás, Kanu e Alyson; Matheus Jesus (Lídio), Betinho, Elvis, Mazinho (Jheimy) e Roberto; Bruno Lopes (Bruno Xavier).
Técnico: Renan Freitas



Santos vence Oeste nos acréscimos e garante classificação antecipada

O Santos é o primeiro clube classificado às quartas de final do Campeonato Paulista. Na noite deste sábado, após sair em desvantagem diante do Oeste, o time dirigido pelo técnico Jorge Sampaoli venceu por 3 a 2 com um gol de Victor Ferraz nos acréscimos e assegurou a vaga.

Com 22 pontos e sete vitórias, o Santos permanece na primeira colocação do Grupo A e não pode mais ser alcançado pela Ponte Preta, que tem 10 pontos e duas vitórias. O Oeste, por sua vez, figura na liderança do Grupo D com 12 pontos e corre risco de ser ultrapassado pelo São Paulo (10), que ainda visita o Bragantino no domingo.

O jogo

Atrapalhada pela chuva, a partida começou com 1h25min de atraso e, depois de tomar um susto em chute de Derlis Gonzalez, o Oeste saiu na frente. Aos 14 minutos do primeiro tempo, Bruno Lopes acertou belo chute de fora da área e encobriu Vanderlei.

O Santos tentou pressionar em busca do empate, mas teve dificuldades para criar boas chances de gol. O time praiano igualou o marcador apenas aos 41 minutos do primeiro tempo, quando Jean Mota levantou na área em cobrança de falta e Betinho desviou contra a própria meta.

Os santistas nem tiveram tempo de comemorar o empate, já que o Oeste retomou a vantagem no marcador no minuto seguinte. Roberto subiu com liberdade pela direita e cruzou para uma cabeçada certeira de Matheus Jesus diante de Vanderlei.

O técnico Jorge Sampaoli voltou para o segundo tempo com Carlos Sanchez e Rodrygo nas vagas de Yuri e Soteldo. Encorpado pelas alterações, o Santos chegou ao empate aos 16 minutos. Victor Ferraz recebeu de Jean Mota pela direita e cruzou para Derlis Gonzalez completar de primeira.

O Oeste quase marcou o terceiro logo depois. Após cobrança de escanteio pelo lado esquerdo, Kanu cabeceou firme e Vanderlei fez boa defesa. No rebote, o próprio Kanu bateu por cima. O goleiro voltou a salvar o Santos ao sair diante de Jheimy e teve seu nome gritado pela torcida.

Empurrado pelos quase 10 mil torcedores que foram ao Pacaembu, o Santos buscou a virada de forma franca e conseguiu aos 50 minutos da etapa complementar. Após corte do goleiro Matheus, Rodrygo tocou para Victor Ferraz, que definiu a partida com um chute forte e cruzado.

Bastidores – Santos TV:

Sampaoli celebra classificação antecipada às quartas do Paulista

Com uma sofrida vitória por 3 a 2 sobre o Oeste, alcançada na noite deste sábado, o Santos garantiu a classificação antecipada às quartas de final do Campeonato Paulista. Satisfeito, o técnico argentino Jorge Sampaoli celebrou o feito de sua equipe no Estádio do Pacaembu.

Dono da primeira colocação do Grupo A, o Santos contabiliza 22 pontos e sete vitórias no torneio estadual. Com quatro jogos por disputar na primeira fase, a Ponte Preta, hoje no terceiro lugar, não pode mais alcançar o time praiano, já que tem 10 pontos e apenas dois triunfos.

“É uma alegria muito grande para um grupo de jogadores em que ninguém acreditava e foi crescendo com o tempo. Sabemos que as próximas etapas serão muito mais difíceis, mas valorizamos esse grupo de jovens que mudou a história imaginada por todos. Muitos atletas encontraram um valor que não tinham”, disse o técnico.

Por meio de Bruno Lopes, o Oeste conseguiu inaugurar o marcador no Pacaembu. Ainda no primeiro tempo, o Santos empatou com um gol contra de Betinho, mas o time visitante marcou o segundo com Matheus Jesus. Na etapa complementar, a equipe praiana definiu graças a Derlis Gonzalez e Victor Ferraz.

“Gostei muito da decisão do time no segundo tempo. Foi buscar o resultado sem medo de se expor, contra um adversário bem postado em campo. O time gerou várias chances e o jogo ficou bem aberto. O Santos buscou a vitória até o final e conseguiu”, disse Sampaoli.

Autor do gol da virada, Ferraz cita inspiração na torcida santista

O Santos sofreu para garantir uma vaga antecipada nas quartas de final do Campeonato Paulista. Autor do gol que definiu o triunfo por 3 a 2 contra o Oeste na noite deste sábado, o lateral direito Victor Ferraz citou a torcida alvinegra como inspiração para a virada no Estádio do Pacaembu.

No primeiro tempo, o Oeste saiu na frente com Bruno Lopes, o Santos empatou em um gol contra de Betinho e o time visitante retomou a vantagem por meio de Matheus Jesus. Na etapa complementar, Derlis Gonzalez igualou novamente e Victor Ferraz, aos 50 minutos, determinou o placar final.

“O Santos tem um pouco disso. A torcida já canta que somos o time da virada e isso foi o combustível para tentarmos o jogo inteiro reverter o placar. Durante muito tempo, o Oeste causou bastante dificuldade e parou o jogo, mas, no final, fomos honrados com o gol da vitória”, declarou o lateral em entrevista ao Premiere.

O jogo entre Santos e Oeste, atrasado em 1h25min por conta da tempestade que atingiu o estádio, foi acompanhado por um público total de 9.486 torcedores no Pacaembu. A exemplo de Victor Ferraz, Jean Mota celebrou a virada de sua equipe.

“Como o Sampaoli sempre diz, temos que jogar com alegria. Não começamos da forma que queríamos. Tomamos o gol e saímos atrás, mas tivemos a garra, a luta e a vontade para buscar a virada. Estivemos sempre atrás no placar, mas buscamos a virada e o grupo está de parabéns”, declarou.

Chuva causa incerteza e vibração entre juiz e santistas no Pacaembu

Uma tempestade atingiu a região que abriga o Pacaembu durante a tarde deste sábado e atrapalhou a realização do jogo entre Santos e Oeste, pela nona rodada do Campeonato Paulista. Antes do triunfo santista, a chuva causou incerteza e uma inusitada vibração entre árbitro e torcida no estádio.

Assim que a tempestade começou, os torcedores que já estavam no Pacaembu buscaram refúgio sob as marquises. Choveu intensamente durante muito tempo, o que deixou o gramado do estádio municipal sem condições de receber uma partida de futebol às 19 horas, horário do jogo.

Encarregado de decidir sobre a realização da partida, Thiago Duarte Peixoto fez seguidas inspeções no gramado e procurou manter o tom otimista. A situação piorou ainda mais no momento em que uma das torres de iluminação do Pacaembu ficou com apenas um refletor funcionando.

A partida, antes prevista para as 19 horas, teve seu começo adiado. Pouco antes das 20 horas, com a iluminação já reestabelecida, Peixoto voltou ao campo e experimentou jogar a bola no gramado. Ao ver que ela rolou sem maiores problemas, árbitro e torcida vibraram juntos.

Peixoto conduziu a situação de maneira bem-sucedida e, além de convidar representantes dos clubes para a tomada de decisão, explicou o andamento do processo por meio de entrevistas. O sistema de drenagem do Pacaembu mostrou que está em dia e, durante toda a partida, a bola rolou sem problemas.

Após 1h25min de espera, os 9.486 torcedores que estiveram no estádio municipal viram cinco gols. Bruno Lopes e Matheus Jesus marcaram para o Oeste, mas o Santos, classificado de forma antecipada, virou por meio de Betinho (contra), Derlis Gonzalez e Victor Ferraz.

Classificado no Paulista, Santos pode rodar elenco e priorizar Copa do Brasil

Com a vitória por 3 a 2 sobre o Oeste no último sábado, no Estádio do Pacaembu, o Santos foi o primeiro e único clube até o momento que assegurou vaga para as quartas de final do Campeonato Paulista. Dessa forma, o técnico Jorge Sampaoli pode finalmente rodar o elenco nos jogos finais do Estadual.

Nesta quinta-feira, por exemplo, o Peixe pega o América-RN, novamente no Pacaembu pela Copa do Brasil. Everson deverá ser titular no confronto. No restante, o treinador argentino mandará a força máxima.

Entretanto, três dias depois, o Alvinegro da Vila Belmiro terá o clássico contra o Corinthians, em Itaquera. Mesmo se tratando de um jogo importante, o Santos pode colocar alguns jogadores considerados reservas, a exemplo do que fez no empate sem gols diante do Palmeiras, no Allianz Parque.

Das competições que estava disputando em 2019, o Peixe já adeus à Copa Sul-Americana, ao ser eliminado de forma vexatória para o modesto River Plate-URU, após empatar em 0 a 0 no Uruguai e 1 a 1 em São Paulo.

Santos lidera estatísticas de passes e cruzamentos certos no Paulistão

Além de liderar o Grupo A e ser o primeiro geral no Campeonato Paulista, o Santos está na ponta em outros quesitos no Estadual: o de time que mais troca passes e cruza de maneira correta. O Peixe até o momento já deu 3970 passes certos na competição, segundo a Footstats.

Os dois jogadores que mais trocaram passes no Paulistão também são do Alvinegro da Vila Belmiro. Os zagueiros Gustavo Henrique e Felipe Aguilar deram 606 e 444 passes, respectivamente.

Isso diz muito sobre o estilo de jogo implantado por Sampaoli. Ou seja, tocar a bola em busca de espaços para furar a defesa do adversário. Se defender para o Santos, consiste em manter a pelota consigo, assim, não sofrerá com chegadas dos rivais. A criação das jogadas começa desde lá atrás com o goleiro e os defensores.

Além disso, os zagueiros precisam ter qualidade para organizar os ataques e ter a paciência necessária para trocarem bolas entre si quando encontrarem um sistema defensivo bem armado pela frente.

Cruzar de forma aleatória também não é do feitio deste atual Santos. O time lidera a estatística de cruzamentos certos, são 68 ao total. Jean Mota é quem mais alça a redonda para a grande área.

Como consequência, o Peixe tem o melhor ataque do Paulistão, honrando o seu DNA ofensivo. São 19 gols até o momento. O artilheiro da equipe e do campeonato é Jean Mota, com sete gols anotados.

Amor pelo balón. É isso que o Santos de Sampaoli vem fazendo até o momento. Resta saber se a filosofia implantada pelo argentino dará frutos ao longo da temporada.


Santos 4 x 1 Oeste

Data: 09/03/2014, domingo, 18h30.
Competição: Campeonato Paulista 1ª fase – 13ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 6.338 pagantes
Renda: R$179.623,00
Árbitro: Flavio Rodrigues Guerra
Cartões amarelos: Vladimir, Gabriel e Thiago Ribeiro (S); Eric e Mauro Vianna (O).
Gols: Leandro Damião (21-1); Thiago Ribeiro (14-2), Thiago Ribeiro (30-2), Diego Cardoso (37-2) e Eric (46-2).

SANTOS
Vladimir; Bruno Peres, Neto, Jubal e Emerson Palmieri (Zé Carlos); Arouca, Cícero e Lucas Lima (Serginho); Gabriel (Diego Cardoso), Thiago Ribeiro e Leandro Damião.
Técnico: Oswaldo de Oliveira

OESTE
Paes; Eric, Mauro Viana, Liggier e Thiago Timbó (Fernandinho); João Denoni (Pablo), Arthur, Denis e Jefferson Paulista (Piauí); Lelê e Waguininho.
Técnico: Sérgio Guedes



Santos volta a golear e segue 100% na Vila

Fim de tarde agradável em Santos, e o Peixe já classificado recebeu o vice-lanterna Oeste, na Vila Belmiro. E o cenário de goleada dos últimos jogos foi repetido pelo alvinegro praiano, que não deu chances para o time de Itápolis e venceu sem dificuldades por 4 a 1, com gols de Leandro Damião, Thiago Ribeiro (duas vezes) e Diego Cardoso, em partida válida pela 13ª rodada do Campeonato Paulista.

A vitória mantém o Santos com 100% na Vila Belmiro, e como o time de melhor campanha da primeira fase com 32 pontos, empatado com o Palmeiras, que venceu o Paulista por 3 a 1. Os times se enfrentam na última rodada do Campeonato Paulista, para ver qual equipe terá vantagem de atuar em casa nas fases finais da competição.

O Peixe também possui o melhor ataque da competição com 34 gols marcados. De quebra, o alvinegro praiano tem uma das melhores zagas do torneio com doze tentos sofridos, atrás apenas de Botafogo (10) e Palmeiras (9).

Por sua vez, o Oeste segue em situação complicada na tabela e após mais uma derrota segue não dependendo de si mesmo para permanecer na série A. Restando mais dois jogos no Paulistão, o time de Itápolis possui oito pontos e deve torcer e muito para Comercial, Linense e Atlético Sorocaba não vencerem os jogos restantes.

Visando a próxima rodada, o Santos terá uma semana inteira de descanso, já que não disputa a Copa Libertadores e nem jogará pela Copa do Brasil. O Peixe volta a campo no próximo domingo contra o Rio Claro, às 18h30 (de Brasília), no Estádio Augusto Schmidt, no interior de São Paulo. Já o Oeste, virtualmente rebaixado, recebe em casa a Portuguesa, na terça-feira, 18, às 19h30.

O jogo

Aos 12 minutos, roubada de bola no meio de campo em cima de Cícero. Lelê tocou a bola para Waguininho que deixou Tiago Timbó livre na pequena área, porém o volante chutou justamente aonde estava o goleiro Vladimir, que espalmou e evitou que o time de Itápolis abrisse o marcador na Vila Belmiro.

A resposta do Santos veio aos 16 minutos. Após cobrança de escanteio de Lucas Lima, o atacante Leandro Damião subiu mais que a zaga adversária e cabeceou com perigo para o gol. A bola passou raspando a trave esquerda do goleiro Paes.

Aos 21 minutos o placar foi aberto na Vila Belmiro. O lateral esquerdo Emerson cruzou na medida para Leandro Damião, que se antecipou aos defensores do Oeste e de ombro viu a bola bater no canto esquerdo da trave, antes de balançar o fundo das redes.

O Santos sobrava na partida. Aos 28 minutos, passe de Bruno Peres para Lucas Lima. O meia entrou na área adversária, porém na hora de chutar, acabou batendo fraco e sem perigo para Paes. Aos 35, mais um ataque rápido santista. O número 10 do Peixe avançou pela esquerda e cruzou na medida para Gabriel, que no meio da área chegou finalizando por cima do gol, assustando o time de Itápolis.

Aos 38 minutos, o Oeste chegou com perigo e mais uma vez Vladimir fez uma excelente defesa. Jeferson Paulista recebeu livre na entrada da área, e de canhota chutou firme para o gol. O goleiro santista salvou com os pés o que seria o empate do time de Itápolis, que encontrava dificuldades para criar jogadas.

O segundo tempo estava morno, com poucas jogadas dos dois lados. Porém, aos 14 minutos o Peixe ampliou em um lance polêmico. Após cruzamento de Bruno Peres, o atacante Thiago Ribeiro cabeceou para o gol, entretanto a bola bateu no travessão e dentro do gol, e se não fosse o auxiliar Alex Alexandrino, o tento santista não seria marcado.

Através das bolas paradas, mas principalmente por meio dos escanteios, o Santos chegava com perigo ao gol defendido por Paes. Aos 27 minutos, mais uma excelente cobrança de Lucas Lima. Neto subiu sozinho e cabeceou com muito perigo e o Peixe quase ampliou o marcador.

Porém aos 30 minutos do segundo tempo, após nova cobrança de escanteio, desta vez de Serginho, que acabara de entrar no lugar de Lucas Lima, Leandro Damião cabeceou firme para o gol e o goleiro Paes espalmou. No rebote, Thiago Ribeiro chutou para o gol vazio e marcou o seu segundo tento na partida.

Aos 37 minutos, em noite inspirada, Thiago Ribeiro recebeu bola em profundidade, avançou pela esquerda e tocou para o garoto Diego Cardoso. O atacante teve calma, dominou a bola e na saída do goleiro fuzilou a rede adversária, anotando o seu primeiro gol pelo profissional e o quarto da partida.

Já nos acréscimos, após falta de Neto, muito próximo a área, o time do Oeste descontou com Eric. O lateral direito e número dois de Itápolis bateu forte no canto esquerdo de Vladimir, que desta vez não pode evitar o gol dos visitantes.



Vídeos: (1) Gols e (2) melhores momentos.

Oeste 1 x 2 Santos

Data: 31/03/2013, domingo, 18h30.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 16ª rodada
Local: Estádio Alfredo de Castilho, em Bauru, SP.
Público: 12.592 pagantes
Renda: R$ 414.470,00
Árbitro: Rodrigo Guarizo Ferreira do Amaral
Auxiliares: Vicente Romano Neto e Paulo de Souza Amaral
Cartões amarelos: Lelê, Fernandes, Antônio Carlos, Hudson, Fernando Leal (O); Renê Júnior (S).
Gols: Neymar (21-2), Gilmar (39-2) e Cícero (42-2).

OESTE
Fernando Leal; Antônio Carlos (Marcinho Beija-Flor), Dezinho e Ligger; Dedé, Leandro Teixeira (Gilmar), Hudson, Wanderson e Fernandes; Lelê (Jefferson) e Serginho.
Técnico: Roberto Cavalo

SANTOS
Rafael; Bruno Peres (Felipe Anderson), Neto, Durval e Guilherme Santos; Renê Júnior, Alan Santos, Cícero e Montillo (Patito Rodríguez); Giva (André) e Neymar.
Técnico: Muricy Ramalho



Neymar encerra jejum de gol em vitória do Santos contra o Oeste

Com a vitória de 1 a 0 contra o Oeste, o Santos terminou a rodada na terceira colocação do Campeonato Paulista

Depois de seis partidas sem marcar, incluindo jogos da seleção brasileira e do Santos, Neymar voltou a balançar as redes adversárias neste domingo, quando o Peixe visitou o Oeste no estádio Alfredo de Castilho e contou com a força da torcida de Bauru para alcançar a vitória por 2 a 1. Com o local alterado atendendo a um pedido do próprio time de Itápolis, a torcida fez a diferença a favor dos comandados de Muricy Ramalho, que saíram de campo vaiados na última quinta-feira.

O resultado positivo neste domingo leva o Santos a 32 pontos somados, na terceira posição do Campeonato Paulista – a Ponte tem 34 e o São Paulo, derrotado pelo Corinthians neste domingo, um a mais. Dentro de campo, apesar da dependência de Neymar, já que os meio-campistas e até o talismã Giva não entraram bem, o Santos foi mais criativo do que no empate por 2 a 2 contra o Mogi Mirim. O gol de Neymar marcado com assistência de Montillo ocorreu aos 21 minutos do segundo tempo, inflando a torcida que apoiou o time durante todo o tempo. O empate do Oeste, com Gilmar, aos 38, e a reação, definitiva, com Cícero, aos 41.

Derrotado por todos os grandes do Campeonato Paulista, o Oeste fica na 11ª posição com 19 pontos, cinco a menos que o Penapolense, primeiro do grupo de classificação. Longe de Itápolis, desta vez em Lins, a equipe de Roberto Cavalo visita o Linense no próximo sábado. Antes disso, nesta quinta-feira, o Peixe encara o São Caetano no estádio do Pacaembu.

O jogo

Além de Léo e Edu Dracena, que haviam sido descartados durante a semana e nem viajaram para Bauru, o técnico Muricy Ramalho ganhou outro desfalque de última hora para o jogo deste domingo: o volante Arouca, que deu espaço a Alan Santos entre os titulares. Desde os primeiros minutos de bola rolando, o Santos apostou na troca passes no campo de defesa do Oeste, mas a equipe adversária marcava forte e não permitia a aproximação de Montillo com os atacantes. Mesmo dependente de Neymar, o time visitante começou melhor.

Aos cinco minutos, logo após perder uma chance em cobrança de escanteio, Cícero acionou Neymar no meio da área. O camisa 11 do Peixe acertou belo lançamento para Giva, que completou a triangulação batendo forte para a defesa de Fernando Leal. Foi a melhor chance de todo o primeiro tempo, logo no início. Em jogada com participação de sua dupla de ataque, o Peixe chegou de novo: Neymar enganou a marcação e conseguiu o cruzamento pela esquerda do ataque. Giva conseguiu chegar a tempo, mas o zagueiro Antônio Carlos desviou para escanteio.

Criticado em função dos seis jogos sem marcar nenhum gol – quatro pelo Santos e dois pela Seleção Brasileira -, Neymar demonstrou fome de bola neste domingo. O problema é que o técnico Roberto Cavalo apostou em uma marcação personalizada realizada pelo garoto Antônio Carlos, jogador emprestado ao Oeste pelo Corinthians. Se dentro de campo o camisa 11 e capitão do Santos buscava jogo, fora dele a posição de astro não se alterou. Na hora de cobrar um escanteio pela direita, Neymar foi alvo de gritos frenéticos e muitos flashes, sendo obrigado a acenar para as arquibancadas para não pagar de mal educado.

Além de Antônio Carlos, todo o sistema defensivo do Oeste deu atenção especial a Neymar. Aos 38 minutos, por exemplo, o camisa 11 cortou a marcação de Dezinho, mas nada mais nada menos do que cinco homens fecharam os espaços. Um deles, Hudson, ex-jogador do próprio Santos, conseguiu o desarme. Logo na sequência, Hudson conseguiu o lançamento para Lelê, que cortou o primeiro e acabou desarmado por Alan Santos. Na sequência, o substituto de Arouca se enrolou e perdeu a chance de levantar a bola na área.

Naquele momento da partida, o Santos errava muitos passes e via o Oeste querendo aproveitar os espaços e os erros para construir suas jogadas de ataque. Os homens de frente do Peixe bem que se deslocavam no setor, mas na hora do arremate a bola não chegava. Enquanto isso, o time de Itápolis, jogando em Bauru, apostava no bom e velho contra-ataque. Na velocidade de Bruno Peres e boa defesa de Fernando Leal, os comandados de Muricy ainda tiveram uma boa chance nos instantes finais, mas a bola não entrou e o apito final do primeiro tempo foi trilado.

Depois da queda de ritmo e do empate justo na etapa inicial, o Santos voltou com Felipe Anderson na vaga do lesionado Bruno Peres, protagonista do último lance de emoção do primeiro tempo. Do ponto de vista tático, Muricy Ramalho apelou para a formação com três zagueiros, recuando Renê Júnior para atuar ao lado de Neto e Durval. Ofensivo, mas aberto demais no início de sua participação em Bauru, Felipe Anderson, de apenas 19 anos de idade, comemorou 100 partidas com a camisa do Santos.

Festa à parte, o Oeste foi quem deu as cartas no início do segundo tempo, desperdiçando chances. Aos 21 minutos, Montillo trabalhou a bola pela esquerda e serviu Neymar, que cortou para o outro lado e bateu forte, colocado, no ângulo de Fernando Leal. Após seis partidas, o craque santista voltava a marcar.

Com mudanças ofensivas do técnico Roberto Cavalo, o Oeste alcançou o empate aos 38 do segundo tempo. Após chance desperdiçada por Neymar e lançamento direto do campo de defesa, Gilmar aproveitou rebote do goleiro Rafael e anotou o gol empate. Apenas dois minutos depois, em reação imediata, Montillo bateu escanteio pela direita, Durval desviou de calcanhar e Cícero balançou as redes de Fernando Leal, definindo a vitória santista.

Bastidores – Santos TV:

Aplaudido, Neymar quebra jejum e brinca: “Não tinha zica nenhuma”

Depois de seis partidas sem marcar, incluindo jogos da seleção brasileira e do Santos, Neymar voltou a balançar as redes adversárias neste domingo

Três dias depois de ser vaiado por parte da torcida do Santos após o empate com o Mogi Mirim, na Vila Belmiro, Neymar foi um dos protagonistas da vitória do Santos neste domingo, por 2 a 1, para cima do Oeste. Na cidade de Bauru, onde o adversário escolheu para mandar a partida em função da possibilidade de maior arrecadação, o camisa 11 foi capitão e autor do primeiro gol – Gilmar descontou e Cícero deu números finais ao marcador.

Durante a partida, ao contrário do que ocorreu na Baixada, Neymar foi ovacionado pela torcida santista. Segundo a lembrança de Neymar, no entanto, não houve vaias na última quinta-feira: “Não fui vaiado não, de jeito nenhum. A cobrança do torcedor de vencer é sempre grande. A gente (jogadores) quer vencer mais ainda. Aqui o público me recebeu muito bem, e pude responder com um gol. Mas isso não tira peso nenhum. Estou com o peso normal, 66 kg, tudo certo”.

“Não tinha zica nenhuma. Que zica? Ninguém estava com zica, gente. Eu estava jogando normal, isso aí é coisa de vocês. Para mim estava normal”, relatou Neymar na saída de campo, antes de comentar o gol marcado e sua postura dentro de campo, de sair da área para buscar jogo: “Acabei dando sorte. Não foi um gol bonito, foi sorte. Mas isso é normal, estou acrescentando coisas no meu futebol o tempo todo”.

O técnico Muricy Ramalho também não citou o termo “zica”, já que Neymar não marcava gols há seis partidas, e preferiu ver o jejum de seu principal jogador com otimismo: “Eu acho que ele é um jogador acostumado a jogar em nível alto, e fazendo gols todos os jogos. A gente sente que às vezes fica um pouco incomodado, mas é natural. É importante que sinta essa fase para buscar o gol desde o começo. Ele mesmo tem que se cobrar. Não é normal essa marca de seis jogos, mas acontece. Ele é novo, está aprendendo, e tem que lidar com momentos ruins. Não é sempre que está tudo bem”.

“O Neymar fez gol, batalhou, criou nossas melhores oportunidades. No futebol você tem que matar o adversário, não pode dar chance. Ele errou o gol e tomou o castigo em seguida (no lance do gol do Oeste, aos 38 do segundo tempo). Ele sabe que tem que marcar, mas tivemos poder de reação, não desanimamos”, completou Muricy, que terá Neymar à disposição na próxima quinta-feira, diante do São Caetano.

Muricy ainda não apaga críticas na Vila: “Você gosta de ser vaiado?”

Após vitória sobre o Oeste, técnico do Santos se irrita com perguntas sobre as vaias na rodada anterior

Diferentemente da última quinta-feira, quando levou empate do Mogi Mirim no fim da partida e saiu da Vila Belmiro vaiado, o time do Santos venceu o Oeste, neste domingo, definindo o resultado aos 41 minutos do segundo tempo, com gol de Cícero. Após a festa da torcida que compareceu ao estádio Alfredo de Castilho, em Bauru, o técnico Muricy Ramalho se irritou com a lembrança das críticas da semana passada.

“Você gosta de ser vaiado, de ser chamado de burro? Ser vaiado não ajuda o time, isso não existe”, bradou o treinador, na última resposta de sua entrevista coletiva. Motivado a superar a desconfiança, o Peixe foi superior ao Oeste desde os primeiros minutos de bola rolando e, mesmo sem tanta técnica, mostrou garra para buscar o resultado: “Na quinta-feira não jogamos mal, foi a melhor posse de bola que tivemos. E é uma coisa que eu cobro bastante, porque só temos homem de velocidade. Em Santos tomamos castigo no final, aqui foi o contrário. O Paulista é complicadíssimo. Mas no mata-mata que vamos ver os grandes times”.

Com 32 pontos, o Santos se manteve na terceira colocação do Campeonato Paulista a três rodadas do encerramento da primeira fase. Virtualmente classificado para as quartas de final do torneio estadual, Muricy fez duras críticas ao gramado do estádio de Bauru: “Gosto da cidade, tenho amigos no Noroeste, mas esse campo é lamentável, não tem condições de jogo. Dá para fazer tudo aqui, menos futebol”.

“Esse grupo do Santos ganhou seis títulos nos últimos três anos, então é assim que se chama atenção. Eu ganhei quatro, por isso o público comparece, porque o time ganha. Onde a gente vai sempre tem bom público. Futebol é assim: se você ganha, sai aplaudido, se perde é vaia, isso é natural no futebol. Não se mede trabalho por trabalho, mas por resultado”, disse o comandante do Santos, tentando minimizar as vaias na Vila Belmiro e enaltecer o público de Bauru.

Alan Santos ganha elogios do professor – Substituto de Arouca, que sentiu dores musculares no treino de sábado, já em Bauru, o garoto Alan Santos ganhou elogios do técnico Muricy Ramalho: “Ele é uma surpresa que aposto desde o ano passado. Um jogador que é do clube, estava encostado, mas que vai ser titular do Santos daqui a um tempo. Ele toma conta do meio-campo mesmo sendo jovem. É difícil ficar muito tempo sem jogar e entrar em uma correria dessas, então eles foram bem”.

Santos 1 x 1 Oeste

Data: 02/02/2012, quinta-feira, 21h00.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 4ª rodada
Local: Arena Barueri, em Barueri, SP.
Público: 10.364 pagantes
Renda: R$ 246.970,00
Árbitro: Robério Pereira Pires
Auxiliares: Vicente Romano Neto e Gustavo Rodrigues de Oliveira.
Adicionais: Maurício Antonio Fioretti e Philippe Lombard.
Cartões amarelos: Bruno Rodrigo (S); Adriano Alves, Cris, Leandro Mello, Roger e Gualberto (O).
Gols: Wanderson (41-1); Ibson (26-2).

SANTOS
Rafael; Pará, Bruno Rodrigo, Durval e Léo; (Maranhão); Henrique (Alan Kardec), Arouca, Elano (Ibson) e Paulo Henrique Ganso; Neymar e Borges.
Técnico: Muricy Ramalho

OESTE
Zé Carlos; Adriano Alves, Éder Lima e Cris; Leandro Mello, Dionísio, Wanderson (Gualberto), Roger (Assisinho) e Fernandinho; Mazinho (Serginho) e Tadeu.
Técnico: Estevam Soares



Na “estreia”, titulares decepcionam e Santos não sai do empate com Oeste

O Santos jogou pela primeira vez neste Campeonato Paulista com a sua formação titular. Mas, nem isso foi capaz de dar a equipe a sua segunda vitória no torneio. Com um gol de Ibson, o Peixe reagiu após sair atrás no placar e empatou com o Oeste de Itápolis, em 1 a 1, na noite desta quinta-feira, na Arena Barueri. Wanderson marcou para os visitantes.

Com o empate, os santistas caíram duas posições e, agora, estão fora da zona de classificação para o mata-mata do Paulistão. O time da Vila Belmiro soma seis pontos, na nona colocação. Enquanto isso, o Rubrão subiu um posto e, agora, ocupa o 18° lugar na tabela de classificação do Estadual, com três pontos ganhos.

O jogo

Com a sua equipe quase completa, o Santos iniciou a partida pressionando o adversário, que apostava em uma tática defensiva, com ênfase nos contra-ataques, para tentar surpreender o adversário.

E com esse plano de jogo, o Oeste chegou pela primeira vez ao ataque. Com 10 minutos, o centroavante Tadeu recebeu uma boa enfiada de bola pelo lado direito e arriscou uma finalização da entrada da área, exigindo boa defesa de Rafael.

O Peixe não deixou por menos e, no minuto seguinte, a resposta do time da Vila Belmiro quase resultou em gol. Rápido, Neymar fez fila e tocou para Borges. O camisa 9 santista bateu forte, o goleiro Zé Carlos defendeu e, na sequência, a zaga do Rubrão afastou o perigo de sua área.

Depois deste lance, mesmo sentindo a falta de ritmo de jogo, o Alvinegro Praiano continua tendo domínio das ações. Tanto que, aos 24, mais uma vez o Santos assustou o Oeste. Primeiro, Paulo Henrique Ganso abriu a jogada para Léo pela esquerda, com o lateral devolvendo a bola para o meia. Inteligente, Ganso fez o corta-luz para Borges emendar para o gol, só que a bola passou rente ao ângulo direito de Zé Carlos.

Mais tarde, com Elano, que havia sentido dores e pedido para ser substituído, o Peixe teve a sua melhor chance. Aos 35, o meia cobrou bem a falta, acertando a trave do Oeste.

Apesar das boas oportunidades criadas, os santistas deram espaço para mais um contra-ataque perigoso do time de Itápolis. Aos 41, o Oeste desceu nas costas do lateral Pará e, se aproveitando de cruzamento perfeito de Mazinho, Wanderson tocou de cabeça para o fundo das redes, abrindo o placar a favor dos visitantes: 1 a 0 para o Rubrão.

Antes do intervalo, o Oeste quase ampliou a sua vantagem, em outro vacilo do sistema defensivo alvinegro. Aos 44, Fernandinho levantou a bola da esquerda para o centro da área e Tadeu encaixou uma boa cabeçada, defendida com segurança por Rafael.

No intervalo, Elano finalmente foi substituído, mesmo sem o motivo da sua saída do confronto ter ficado claro. De qualquer forma, Ibson entrou em seu lugar com a missão de continuar apoiando o ataque pelo lado direito.

Logo aos cinco minutos do segundo tempo, o Santos poderia ter alcançado o empate. Neymar começou na jogada, deixou a bola para Ganso que, com uma boa assistência, deixou Borges em condições favoráveis para o chute. No entanto, o arremate do centroavante passou raspando a trave direita de Zé Carlos, em mais uma chance desperdiçada pela equipe.

Após substituições de parte a parte, com o técnico Muricy Ramalho lançando o time mais a frente, com a entrada do centroavante Alan Kardec na vaga do volante Henrique, o Peixe chegou ao empate.

Aos 26, Ibson estava bem colocado e aproveitou a sobra para matar a bola no peito e, dentro da pequena área, fuzilar o goleiro Zé Carlos, deixando tudo igual na Arena Barueri.

No minuto seguinte, com Borges, os santistas quase chegaram à virada. Neymar colocou o camisa 9 frente a frente com Zé Carlos, mas Borges falhou na conclusão, possibilitando ao goleiro adversário mais uma boa defesa.

Cansado, o veterano Léo, que completou 400 jogos pelo Alvinegro Praiano, deixou o campo para a entrada de Maranhão, aos 34, na última substituição da equipe no duelo.

Perigoso, o Oeste quase surpreendeu o Santos outra vez, aos 38. Em lance confuso dentro da grande área, a bola sobrou para Tadeu acertar o travessão de Rafael, assustando a torcida do Peixe.

Nos últimos minutos do jogo, os santistas ainda tentaram uma pressão, porém, com um condicionamento físico ainda abaixo do ideal, o Rubrão segurou o empate até o apito final do árbitro.

Santos FC x Oeste FC
Santos Futebol Clube x Oeste Futebol Clube


Retrospecto:

08 jogos
07 vitórias
01 empate
00 derrota
17 gols pró
06 gols contra
11 saldo

Resultados:

21/01/2004 – Santos 1 x 0 Oeste – Paulista – Picardão, Itápolis
07/03/2009 – Santos 2 x 1 Oeste – Paulista – Pacaembu
30/01/2010 – Santos 2 x 0 Oeste – Paulista – Vila Belmiro
05/03/2011 – Santos 2 x 0 Oeste – Paulista – Amaros, Itápolis
02/02/2012 – Santos 1 x 1 Oeste – Paulista – Arena Barueri
31/03/2013 – Santos 2 X 1 Oeste – Paulista – Alfredo de Castilho
09/03/2014 – Santos 4 x 1 Oeste – Paulista – Vila Belmiro
02/03/2019 – Santos 3 x 2 Oeste – Paulista – Pacaembu