Navegando Posts marcados como Oitavas-de-final

Santos 1 x 2 Atlético-MG

Data: 06/06/2019, quinta-feira, 20h00.
Competição: Copa do Brasil – Oitavas de final – Jogo de volta
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 16.857 torcedores
Renda: R$ 828.709,00
Árbitro: Bruno Arleu de Araújo
Assistentes: Luiz Claudio Regazone e Michael Correia (ambos do RJ).
VAR: Rodrigo Nunes de Sá (RJ).
Cartões amarelos: Lucas Veríssimo, Jean Lucas e Soteldo (S); José Welison, Adilson e Fábio Santos (A).
Gols: Gustavo Henrique (05-1) e Chará (36-1); Chará (39-2).

SANTOS
Everson, Lucas Veríssimo, Felipe Aguilar (Jean Mota), Gustavo Henrique e Jorge; Jean Lucas; Victor Ferraz, Carlos Sánchez (Soteldo), Diego Pituca e Marinho; Uribe (Eduardo Sasha).
Técnico: Jorge Sampaoli

ATLÉTICO-MG
Victor, Patric, Rever, Igor Rabello, Fábio Santos; José Welison (Adilson), Elias, Cazares e Luan (Geuvânio); Chará e Ricardo Oliveira (Alerrando).
Técnico: Rodrigo Santana



Atlético-MG vira, avança na Copa do Brasil e Santos é eliminado pela 3ª vez no Pacaembu em 2019

O Atlético-MG venceu de virada o Santos por 2 a 1 na noite desta quinta-feira, no Pacaembu, e avançou para as quartas de final da Copa do Brasil. Os gols foram marcados por Chará, duas vezes. O do Peixe foi de Gustavo Henrique.

Essa foi a terceira eliminação do Santos no Pacaembu em 2019. Antes, o Peixe caiu para River Plate na Sul-Americana e Corinthians no Campeonato Paulista.

As equipes voltam a se enfrentar no domingo, dessa vez pelo Campeonato Brasileiro, na Vila Belmiro, às 19h (de Brasília). O jogo é válido pela oitava rodada.

O jogo

O começo de jogo do Santos foi eletrizante. Com Marinho “on fire”, o Peixe pressionou o Atlético-MG e abriu o placar logo aos cinco minutos. Marinho cobrou escanteio com perfeição, na cabeça de Gustavo Henrique. O goleiro Vitor nem saiu do lugar.

O Alvinegro seguiu em cima e teve chance de ampliar com Diego Pituca, Jorge, Marinho e Sánchez, mas não o fez. E o Galo equilibrou o jogo.

Com Cazares cheio de espaço, o Atlético ensaiava o gol. Os lançamentos paravam em cortes providenciais da defesa santista. Até que Gustavo Henrique cochilou, Chará escapou e aproveitou saída equivocada de Everson para marcar.

Cada time ficou com uma “metade” da etapa inicial. O Atlético-MG foi para o vestiário com o empate e mais perto da virada do que do desempate do Santos.

Aos dois minutos, o árbitro fez a torcida comemorar ao expulsar José Welison por deixar o braço em Marinho. A decisão, porém, foi alterada depois da consulta no VAR e a cor do cartão mudou para amarelo.

A alteração de Jorge Sampaoli, tirar Aguilar para colocar Jean Mota, tornou o jogo ainda mais aberto. Aos 15, Cazares recebeu na área e buscou o ângulo – a bola passou com perigo. No minuto seguinte, Marinho e Jean Lucas levaram perigo em chutes da intermediária.

Quando o placar marcava 20 minutos jogados, Ricardo Oliveira recebeu um bolão de Cazares e bateu forte, mas no meio do gol, e Everson espalmou com segurança. E aos 25, mais uma chance atleticana: Luan bateu da entrada da área, Everson rebateu para frente e Chará se atrapalhou no rebote, quase na pequena área.

Aos 37, começou um momento decisivo do jogo. Lucas Veríssimo cabeceou muito perto do gol depois de cruzamento de Soteldo. Na sequência, Marinho recebeu na entrada da área, não viu Victor Ferraz sozinho e chutou no meio. E veio o castigo.

Jean Mota tentou chute improvável da intermediária, a bola bateu na defesa e o Galo puxou o contra-ataque. De Geuvânio, para Cazares, para Chará. De novo. Linha de passe na exposta defesa do Peixe no Pacaembu.

Todo aberto, o Santos buscou a reação, mas foi o Atlético-MG quem quase fez o terceiro, com Geuvânio. Everson salvou. No fim das contas, Galo nas quartas de final e a terceira eliminação do Peixe no Pacaembu em 2019.

Sampaoli evita desculpas, mas contesta diretoria do Santos por preço alto e decisão no Pacaembu

O técnico do Santos, Jorge Sampaoli, evitou dar desculpas para a eliminação nas oitavas de final da Copa do Brasil diante do Atlético-MG, mas não poupou críticas à diretoria.

O Peixe não conseguiu transferir o mando de campo para a Vila Belmiro e colocou preço alto no Pacaembu, com arquibancadas a R$ 90. O resultado foi público total de 16.857.

“Jogamos domingo passado contra 60 mil pessoas do Ceará. Hoje estádio não estava de acordo para uma decisão. Dirigentes colocaram esse preço, a gente não é ouvido. Minha predileção pela Vila eu sempre disse, mas não creio que seja uma forma de esconder análise desportiva ou eliminação, mas sim tentar analisar o motivo do público do Santos não ir aos estádios”, disse Sampaoli, em entrevista coletiva.

Sobre o jogo, o treinador santista viu injustiça em mais uma eliminação. Antes, o Peixe caiu para River Plate-URU na Sul-Americana e Corinthians no Campeonato Paulista.

“Santos foi quem propôs mais, principalmente no segundo tempo. Tivemos muitos ataques, chutes e possibilidades não concretizados. Perdemos injustamente no contra-ataque, futebol é assim. A chave é o nervosismo para definir. Tiveram dois contra-ataques no segundo tempo depois de falhas na direito e depois na esquerda. Temos que ter tranquilidade quando gol vem, sem perder a forma. E isso ocorreu em outros jogos. A vontade tem que ser com fúria, mas com organização”, analisou.

Questionado sobre a ausência de Rodrygo, Sampaoli contemporizou. A CBF não desconvocou o atacante da seleção olímpica e o impediu de atuar.

“A federação tomou medida que correspondia. Se não pode jogar, não pode jogar. Não entendo, não posso criticar uma decisão pré-estabelecida”, concluiu.

Victor Ferraz vê falta de “capricho” e “competência” do Santos em eliminação

Capitão do Santos, Victor Ferraz viu falta de “capricho” e “competência” na derrota por 2 a 1 para o Atlético-MG nesta quinta-feira, no Pacaembu, com a eliminação nas oitavas de final da Copa do Brasil.

Essa foi a terceira queda do Peixe no Pacaembu em 2019. Antes, o Alvinegro foi derrotado para o River Plate-URU na Sul-Americana e Corinthians no Campeonato Paulista.

“Acho que a gente voltou melhor (para o segundo tempo), conseguimos pressionar. A gente sabia que eles iam jogar buscando o contra-ataque. Acho que faltou capricho na frente, faltou acertar na tomada de decisão”, disse Victor Ferraz, ao Premiere.

“Não fomos competentes, deixamos a desejar e deixamos escapar uma classificação importante. É levantar a cabeça, domingo tem de novo”, completou o lateral-direito.

Presidente do Santos dispara contra CBF: “Conseguiu o que queria, fomos desclassificados”

O presidente do Santos, José Carlos Peres, disparou contra a CBF na noite desta quinta-feira, depois da eliminação para o Atlético-MG nas oitavas de final da Copa do Brasil.

Peres disse que a confederação conseguiu o que queria por dois motivos: não permitir a decisão na Vila Belmiro e não desconvocar Rodrygo da seleção olímpica para o Torneio de Toulon, já em andamento na França.

“CBF conseguiu o que queria. Fomos desclassificados. Nos roubaram o direito de jogar na Vila Belmiro. CBF jogou para frente e não respondeu. Nosso ofício está lá. E de quebra convocaram o Rodrygo. Terceira vez que levam para o sub-23. CBF conseguiu aquilo que esperava, nos desclassificar”, disse Peres.

“CBF tem que explicar o motivo de não liberar. Tribunal não nos deu a liminar. CBF não respondeu. Esperamos pelo bom senso do STJD. Se não está inscrito, qual é a razão de não desconvocar?”, completou.

O presidente do Santos ainda disse que pode indenizar a CBF. Com a eliminação, o Peixe deixou de receber R$ 3,1 milhões.

“Se não tiver explicação plausível, é indenizar. Nos tiraram a classificação, que nos daria uma boa fatia (de dinheiro)”, concluiu.

Peres minimiza preço do ingresso em eliminação do Santos: “Não justifica 16 mil”

O presidente do Santos, José Carlos Peres, minimizou o preço dos ingressos para a partida que culminou na eliminação do Santos na Copa do Brasil, com a derrota de 2 a 1 para o Atlético-MG no jogo de volta das oitavas de final da Copa do Brasil.

A entrada mais barata custava R$ 40 (inteira), no tobogã. As arquibancadas custaram R$ 90. O resultado foi o público total de 16.857 no Pacaembu, com renda de R$ 828.709,00.

“Um grande time vence em qualquer lugar, na Vila Belmiro ou no Maracanã. Grande público não compareceu hoje. Existe uma crise, mas não justifica 16 mil”, disse o presidente.

“Quem paga salário? Temos que ter time forte. Sabia que teríamos dificuldades, adaptação, sistema diferente. Essa reclamação não cabe (do valor)”, completou.

O Santos, com Campeonato Brasileiro como competição restante em 2019, voltará a enfrentar o Atlético-MG, domingo, na Vila Belmiro, pela oitava rodada. Dessa vez a arquibancada (portões 1/2, 7/8 e 26) custa R$ 60. A geral santista está por R$ 40.

De “corretíssima” à “culpada” por eliminação: Santos racha com a CBF após elogios

O presidente do Santos, José Carlos Peres, mudou completamente o discurso sobre a CBF entre o dia 27 de maio, em reunião do Conselho Deliberativo e 6 de junho, com a eliminação na Copa do Brasil para o Atlético-MG.

Em meio ao aparente ruído entre o Peixe e a confederação, Peres fez elogios e minimizou a briga pela desconvocação de Rodrygo da seleção olímpica. Dias depois, foi para cima e rachou a com a confederação.

“Sub-23 não é Data FIFA. Não é oficial. Não quero puxar saco da CBF, mas tem sido corretíssima comigo. Não dá para comparar Rodrygo com outros liberados. Se é convocado para a seleção principal, ok, é diferente, mas eu perdi jogadores várias vezes por causa do Sul-Americano. Sou generoso. Pedi para liberar, não liberaram, mas era oficial. Agora o próprio jogador demonstrou que não quer ir. Iria para a principal, oficial, só isso. Não foi nenhuma afronta com a CBF. Eu trabalhei na gestão do Marco Polo (Del Nero) por seis anos na Federação Paulista. Quem almoçava comigo? (Rogério) Caboclo, então gerente financeiro, e o (Walter) Feldman. Presidente e secretário-geral. Estamos bem, mas cada um defende seu pedaço. Entendo, de coração, mas não posso ser prejudicado mais uma vez”, disse o presidente.

Após a eliminação, porém, o tom foi outro. Além de não poder escalar Rodrygo, Peres lembrou da confusão pelo mando de campo. A CBF chegou a anunciar a Vila Belmiro para as oitavas de final, mas voltou atrás e manteve o Pacaembu.

“CBF conseguiu o que queria. Fomos desclassificados. Nos roubaram o direito de jogar na Vila Belmiro. CBF jogou para frente e não respondeu. Nosso ofício está lá. E de quebra convocaram o Rodrygo. Terceira vez que levam para o sub-23. CBF conseguiu aquilo que esperava, nos desclassificar”, afirmou Peres.

“CBF tem que explicar o motivo de não liberar. Tribunal não nos deu a liminar. CBF não respondeu. Esperamos pelo bom senso do STJD. Se não está inscrito (no Torneio de Toulon), qual é a razão de não desconvocar?”, concluiu.

Por meio do SJTD, o Santos ainda tentará ter Rodrygo novamente contra o Atlético-MG e também diante do Corinthians, ambos os jogos na Vila Belmiro pelas rodadas 8 e 9 do Campeonato Brasileiro. Se não obtiver êxito, o camisa 11 pode ter se despedido diante do Internacional sem saber.


Atlético-MG 0 x 0 Santos

Data: 15/05/2019, quarta-feira, 19h15.
Competição: Copa do Brasil – Oitavas-de-final – Jogo de ida
Local: Estádio Independência, em Belo Horizonte, MG.
Público: 11.176 pagantes
Renda: R$ 178.476,00
Árbitro: Rodrigo D’alonso Pereira (SC)
Assistentes: Fabrício Vilarinho da Silva (GO) e Kleber Lucio Gil (SC).
VAR: Heber Roberto Lopes (SC)
Cartões amarelos: José Welison e Elias (A).

ATLÉTICO-MG
Victor; Guga, Réver, Igor Rabello e Fábio Santos (Patric); José Welison, Elias e Luan (Nathan); Geuvânio (Cazares), Chará e Ricardo Oliveira.
Técnico: Rodrigo Santana

SANTOS
Everson; Lucas Veríssimo, Aguilar e Gustavo Henrique; Victor Ferraz, Jean Lucas, Diego Pituca e Jorge; Rodrygo (Cueva), Derlis González (Soteldo) e Jean Mota (Eduardo Sasha).
Técnico: Jorge Desio



Atlético-MG e Santos empatam e decidirão em SP a vaga nas quartas

Atlético-MG e Santos empataram em a 0 a 0 na noite desta quarta-feira, no Estádio Independência, pela ida das oitavas de final da Copa do Brasil.

O Peixe foi melhor no primeiro tempo, o Galo no segundo. As equipes, porém, se anularam e criaram poucas chances de gol ao longo dos 90 minutos.

A decisão ocorrerá no dia 6 de junho, provavelmente na Vila Belmiro. Novo empate levaria a eliminatória para os pênaltis. Vitória simples garante classificação para as quartas.

O jogo

A pressão habitual do Atlético-MG no Horto não ocorreu. Quem dominou as ações desde o pontapé inicial foi o Santos, colocando os donos da casa no campo de defesa.

O Peixe, porém, pecou no último passe e sentiu demais a falta de um centroavante. A bola correu a área várias vezes sem ninguém finalizar. O Galo não teve chances claras.

No minuto 26, Victor Ferraz invadiu a área e chutou por cima. Aos 39, Jean Mota pedalou e bateu bonito, para Victor espalmar. No escanteio, Gustavo Henrique desviou e Guga interceptou antes de Derlis, sozinho, conseguir empurrar.

O ritmo caiu no segundo tempo. O Atlético-MG equilibrou as ações e melhorou com a entrada de Cazares na vaga de Geuvânio aos 15 minutos.

Aos 20, Cazares finalizou bem de fora da área, para Everson espalmar. No minuto 30, Elias chutou e a bola bateu no braço de Lucas Veríssimo. O VAR foi acionado, mas, como o zagueiro estava de costas, o pênalti não foi marcado.

Na metade final, quase nada ocorreu. Muita correria, pouca criatividade e um 0 a 0 justo de dois tempos distintos em Belo Horizonte.

Bastidores – Santos TV:

Auxiliar de Sampaoli valoriza empate do Santos: “Me parece justo”

Com Jorge Sampaoli expulso depois da expulsão diante do Vasco, em São Januário, o Santos foi comandado pelo auxiliar Jorge Desio no empate em 0 a 0 com o Atlético-MG na noite desta quarta-feira, no Estádio Independência, pela ida das oitavas de final da Copa do Brasil.

Desio avaliou a atuação do Peixe e admitiu a queda de produção na segunda etapa em Belo Horizonte.

“Resultado não é ruim, tendo em conta a qualidade do mandante, os jogadores da equipe contrária. Não é um resultado para lamentar. Tentamos a vitória, como sempre, mas por ser visitante, não é algo ruim e me parece justo o resultado”, disse Jorge Desio.

“No primeiro tempo, pudemos manifestar o que a gente veio buscar. Tivemos controle, faltou um pouco mais de chegada com gente na área para concluir. No segundo, não conseguimos. Tiveram mais posse, tocaram mais. E fomos bem na defesa”, completou.

Convocado, Rodrygo diz que não deve desfalcar o Santos em decisão

Rodrygo não deve desfalcar o Santos contra o Atlético-MG, dia 6, no Pacaembu, pelo jogo de volta das oitavas de final da Copa do Brasil.

A pedido do Peixe, o atacante deve ser desconvocado da seleção olímpica para o Torneio de Toulon, na França. Como antecipado pela Gazeta Esportiva, o camisa 11 prefere atuar pelo Alvinegro para não adiantar a despedida antes do Real Madrid.

“Espero jogar. Acho que vou jogar, sim”, disse Rodrygo, sem jeito, ao Premiere, depois do empate em 0 a 0 com o Galo na noite desta quarta-feira, no Estádio Independência.

O camisa 11 também falou sobre a atuação do Alvinegro e relatou uma pancada sofrida ainda no primeiro tempo.

“No segundo tempo, Atlético-MG veio mais ligado, encaixou o estilo deles. Dominamos no primeiro e no segundo não. Não sofremos gol, conseguimos empate e creio que é um bom resultado”, afirmou.

“Tomei uma pancada ainda no primeiro tempo, inchou um pouco, mas não é nada grave. É tratar e recuperar”, concluiu.

Santos conversa com presidente da CBF para tentar atuar com selecionados

O Santos conversa diretamente com Rogério Caboclo, presidente da Confederação Brasileira de Futebol, para tentar antecipar a decisão contra o Atlético-MG, pelas oitavas de final da Copa do Brasil.

O duelo está marcado para 6 de junho, no Pacaembu. Além de pedir o mando de volta para a Vila Belmiro, o Peixe quer atuar neste mês, até o dia 30.

O objetivo do Alvinegro é ter os selecionados à disposição: Aguilar, Cueva, Derlis González e Soteldo foram pré-convocados na Colômbia, Peru, Paraguai e Venezuela para a Copa América. Sánchez também pode ser chamado pelo Uruguai.

O Santos alega que é o clube brasileiro mais prejudicado. E ceder os atletas engrandece a competição continental a ser realizada no país, a partir do dia 14 de junho.

O Peixe trabalha nos bastidores para conseguir a mudança, mas sabe da dificuldade. O técnico Jorge Sampaoli pensa em alternativas para a provável falta dos estrangeiros.


Santos 3 x 2 Caracas

Data: 10/05/2007, quinta-feira, 18h30.
Competição: Copa Libertadores – Oitavas-de-final – Jogo de volta
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 10.826 pagantes
Renda: R$ 168.960
Árbitro: Carlos Amarilla (PAR)
Auxiliares: Atilio Invernizzi e Manuel Bernal (ambos do PAR)
Cartões amarelos: Vizcarrondo, Luis Vera, González e Rojas (C); Zé Roberto (S).
Cartão vermelho: Adaílton (S)
Gols: Rey (22-1), Carpintero (32-1), Adaílton (34-1) e Zé Roberto (40-1); Zé Roberto (21-2).

SANTOS
Fábio Costa; Maldonado, Ávalos, Adaílton e Kléber; Rodrigo Souto, Cléber Santana, Pedrinho (Rodrigo Tabata) e Zé Roberto; Marcos Aurélio (Marcelo) e Jonas (Renatinho)
Técnico: Wanderley Luxemburgo

CARACAS
Javier Toyo; Vizcarrondo, Rey, Rouga e Pérez; Luis Vera (Vera), Weymar Olivares (Depablos), Jorge Rojas e Cesar González; Iván Velásquez (Castellín) e Carpintero
Técnico: Noel Sanvicente



Santos leva susto, mas avança na Libertadores e enfrenta o América-MEX

O Santos levou um susto nesta quinta-feira na Vila Belmiro. Favorita no confronto, a equipe do técnico Vanderlei Luxemburgo chegou a estar perdendo por 2 a 0, mas virou, venceu o Caracas (Venezuela) por 3 a 2 e avançou às quartas-de-final da Taça Libertadores.

O próximo adversário santista será o América-MEX. Os jogos estão previstos para os dias 16 e 23 de maio, segundo o calendário da Conmebol (Confederação Sul-Americana de Futebol).

Após assegurar o título do Campeonato Paulista no último domingo, diante do São Caetano, o técnico Vanderlei Luxemburgo optou por uma formação ofensiva na partida de hoje, com Pedrinho e Zé Roberto na armação das jogadas e Jonas e Marcos Aurélio no ataque.

Com a vantagem de poder empatar por 0 a 0 ou 1 a 1 –houve empate em 2 a 2 na Venezuela–, o Santos procurou tocar a bola no início da partida, e as chances demoraram a sair.

A primeira foi do Caracas, aos 23min do primeiro tempo, e o time venezuelano abriu o placar. O zagueiro Rey cobrou falta com violência e a bola entrou no canto do goleiro Fábio Costa.

Após o susto, o time da Baixada tentou atacar e criou uma boa oportunidade aos 29min, quando o atacante Marcos Aurélio dominou bola dentro da área e chutou cruzado, mas o goleiro Toyo defendeu.

Aos 32min, no entanto, o time venezuelano chegou aos segundo gol. Após cruzamento da direita, Carpintero se antecipou à zaga do Santos e marcou de cabeça, 2 a 0.

O Santos, então, reagiu. Aos 35min, após jogada pela direita, a bola sobrou para o zagueiro Adaílton, que tirou do alcance do goleiro e marcou o primeiro gol santista.

Aos 42min, com outra atitude em campo, o Santos empatou. Zé Roberto conseguiu desviar com o calcanhar um chute cruzado e a bola entrou devagar.

“Tomamos dois gols de bobeira, mas depois acordamos e conseguimos o empate”, disse Zé Roberto, na saída para o intervalo.

Na etapa final, o Santos virou e assegurou a classificação. Zé Roberto recebeu a bola na entrada da área e chutou forte, no canto, marcando seu segundo gol na partida, aos 21min.

Antes da Libertadores, o Santos se prepara para a estréia no Campeonato Brasileiro-2007. No domingo, a equipe de Luxemburgo enfrenta o Sport, no Recife.


Caracas 2 x 2 Santos

Data: 02/05/2007, quarta-feira, 17h15.
Competição: Copa Libertadores – Oitavas-de-final – Jogo de ida
Local: Estádio Olímpico, em Caracas, Venezuela.
Árbitro : Maurício Reinoso (EQU)
Auxiliares: Alfredo Intriago e Carlos Herrera (ambos do EQU)
Cartões amarelos: Jorge Rojas (C); Dionísio, Marcerlo, Zé Roberto (S).
Cartão vermelho: Dionísio (S)
Gols: Zé Roberto (16-1); Velásquez (10-2), Kléber (19-2) e Vielma (40-2).

CARACAS
Javier Toyo; Vielma, Rey, Rouga e Pérez; Luis Vera, Weymar Olivares, Jorge Rojas (Caraballo) e Cesar González; Iván Velásquez e Escobar (Carpintero)
Técnico: Noel Sanvicente

SANTOS
Fábio Costa; Adailton, Antônio Carlos (Ávalos) e Marcelo; Denis (Dionísio), Rodrigo Souto, Maldonado, Cléber Santana e Kléber; Zé Roberto e Marcos Aurélio (Rodrigo Tabata)
Técnico: Wanderley Luxemburgo



Santos empata na Venezuela, mas se aproxima das quartas na Libertadores

O Santos empatou com o Caracas, da Venezuela, por 2 a 2, nesta quarta-feira, no estádio Olímpico, em Caracas, e se aproximou de uma vaga nas quartas-de-final da Taça Libertadores da América.

Agora, os brasileiros jogam por empate sem gols ou em 1 a 1 para assegurarem a classificação na segunda partida. Nesta fase, em caso de igualdade de gols nos dois jogos, leva a vaga o time que marcar mais fora de casa.

As duas equipes voltam a se enfrentar, pelo jogo de volta, no dia 10, às 18h30, no estádio da Vila Belmiro, em Santos.

Antes disso, os santistas decidem o título do Campeonato Paulista, no domingo, no Morumbi, contra o São Caetano. O time deve ter problemas na decisão, já que o lateral Denis e o zagueiro Antônio Carlos deixaram a partida de hoje machucados e não devem jogar.

O técnico Vanderlei Luxemburgo optou por uma escalação mais defensiva e sacou do time o meia-atacante Rodrigo Tabata para a entrada de mais um zagueiro, Marcelo, que formou trio com Antônio Carlos e Adaílton.

O jogo

Os santistas tiveram um problema logo aos 5min, quando o lateral-direito Denis sofreu contusão e teve que deixar o campo. Dionísio entrou em seu lugar.

Apesar de jogar fora de casa, o Santos adotou postura ofensiva no início da partida e criou as melhores chances. O time brasileiro abriu o placar logo aos 16min, quando Zé Roberto recebeu passe dentro da área e chutou cruzado, de pé direito, para abrir o placar.

Após o gol, a equipe brasileira diminuiu a intensidade e procurou cadenciar mais a partida. Os venezuelanos aproveitaram o momento para pressionar os rivais. Aos 25min, Escobar arriscou de fora da área e a bola passou perto do gol de Fábio Costa. Aos 38min, Velásquez chutou de fora da área, mas a bola subiu muito.

O Santos voltou a ter problemas de contusão aos 39min, quando Antônio Carlos tentou fazer um desarme, mas se contundiu e teve que deixar o gramado. Ávalos entrou em seu lugar.

Na segunda etapa, o Caracas voltou ainda mais disposto e quase marcou aos 8min, quando Rey cobrou falta e exigiu ótima defesa do goleiro Fábio Costa. Na seqüência do lance, o lateral Dionísio, que havia entrado no lugar de Denis, fez falta em Rojas, recebeu seu segundo cartão amarelo e foi expulso.

Em momento delicado no jogo, o Santos sofreu o gol de empate logo em seguida. Aos 9min, Velásquez cobrou falta da entrada da área, por baixo da barreira, e empatou o jogo: 1 a 1.

Mas, apesar de estar com um homem a menos, o time brasileiro conseguiu desempatar a partida aos 17min, quando o lateral-esquerdo Kléber chutou colocado de fora da área e a bola entrou no ângulo do goleiro Toyo.

Os venezuelanos ainda empatariam a partida faltando poucos minutos para o fim. Aos 42min, Vielma chutou forte de dentro da área, a bola desviou na zaga e entrou no canto direito de Fábio Costa.


Santos 2 x 0 LDU – 5 x 3 nos pênaltis

Data: 11/05/2004
Competição: Copa Libertadores – Oitavas de final – Jogo de volta
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 18.221 pagantes
Renda: R$ 232.033,00
Árbitro: Carlos Amarilla (PAR)
Cartões amarelos: Paulo César e Elano (S); Reasco e Aguinaga (L).
Gols: Diego (02-1) e Diego (05-2).

SANTOS
Júlio Sérgio; Paulo César, Pereira, André Luis e Léo; Paulo Almeida, Renato, Elano (Preto Casagrande) e Diego (Basílio); Robinho e Deivid (Leandro).
Técnico: V. Luxemburgo

LDU
J. Espinoza; Jácome, Espínola, G. Espinoza e Reasco; Urrutía, Obregón, Aguinaga e Ambrossi; Salas e Villagra (Gómez).
Técnico: D. Carreño



Nos pênaltis, Santos avança às quartas-de-final da Libertadores

Na estréia oficial do técnico Vanderlei Luxemburgo, o Santos venceu nesta terça-feira a LDU (Liga Deportiva Universitaria) por 2 a 0 no tempo normal e por 5 a 3 nos pênaltis e conquistou a classificação para as quartas-de-final da Taça Libertadores da América. Na primeira partida do confronto, a última de Leão no comando da equipe, no Equador, o time paulista havia sido derrotado por 4 a 2.

Para conseguir a vitória, Luxemburgo, que já havia comandado a equipe das tribunas no último sábado, recorreu ao meio-campo que foi consagrado com o antigo treinador no Brasileiro-2002, alçando Paulo Almeida de volta à equipe titular e formando o ‘quadrado’ no setor com Renato, Elano e Diego.

Diego foi o grande responsável por levar o time aos pênaltis, com dois gols –um aos 2min do primeiro tempo e outro aos 5min do segundo.

Nas penalidades, os santistas converteram as cinco cobranças, com Robinho, Leandro Machado, Preto Casagrande, Paulo César e Léo. Obregón errou o segundo pênalti do time equatoriano, que marcou com Aguinaga, Salas e Reasco (Urrutia não precisou bater).

Na próxima fase da competição, a equipe do litoral paulista enfrentará o vencedor do confronto entre Barcelona, do Equador, e Once Caldas, da Colômbia. Na primeira partida, os times empataram por 0 a 0.

A vitória confirmou o ótimo retrospecto santista na Vila Belmiro. Desde que voltou à competição continental, em 2003, a equipe paulista atuou dez vezes em seu estádio pela Libertadores –venceu sete e empatou três.

Após um começo ruim no Campeonato Brasileiro e a derrota frente aos equatorianos no confronto de ida, o Santos ganhou novo alento com a chegada do novo treinador.

Antes do novo técnico, a equipe havia vencido apenas um jogo nos últimos cinco confrontos que tinha disputado, tanto pela Libertadores, quanto pelo Campeonato Brasileiro.

Com a necessidade de uma vitória por três gols de diferença, o Santos começou a partida da melhor maneira possível. Logo aos 2min, Diego aproveitou falha da defesa equatoriana matou a bola no peito e chutou rasteiro, com força, para marcar o primeiro gol da equipe da Baixada.

Aos 15min, um fato curioso. O meia Elano atingiu, de maneira involuntária, o auxiliar Benito Lugo, do Paraguai, que deixou a partida contundido. Apesar das reclamações do treinador Daniel Carreño, da LDU, o brasileiro Walter José dos Reis substituiu o paraguaio.

Mesmo após a paralisação, que durou cerca de quatro minutos, a equipe de Vanderlei Luxemburgo continuou em ritmo forte. Aos 20min, Robinho foi lançado por Deivid, em velocidade, e acertou a trave esquerda do goleiro Alberto Espinoza.

No segundo tempo o Santos voltou da mesma maneira. A equipe lançou-se ao ataque e não demorou para atingir o resultado que levava o confronto para decisão nos pênaltis.

Aos 5min, Robinho ajeitou no peito e entregou a bola para Diego, que dominou e concluiu de pé direito para marcar o segundo gol de sua equipe na partida.

Precisando de mais um gol para obter a classificação, Luxemburgo trocou Diego e Deivid por Basílio e Leandro Machado, mas a equipe equatoriana, que perdeu seu técnico, expulso, soube cadenciar o jogo e levar a decisão para as penalidades.