Navegando Posts marcados como Paulinho

Santos 2 x 0 Atlético-PR

Data: 01/10/2016, sábado, 16h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 28ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 5.764
Renda: R$ 173.620,00
Árbitro: Pericles Bassols Pegado Cortez (PE)
Auxiliares: Clovis Amaral da Silva e Cleberson do Nascimento Leite (ambos de PE).
Cartões amarelos: Lucas Lima e David Braz (S); Weverton (A).
Gols: Ricardo Oliveira (29-1, de pênalti) e Paulinho (37-2).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, David Braz, Luiz Felipe e Zeca; Renato e Thiago Maia; Lucas Lima e Vecchio (Jean Mota); Copete (Paulinho) e Ricardo Oliveira (Yuri).
Técnico: Dorival Junior

ATLÉTICO-PR
Weverton; Rafael Galhardo, Paulo André, Thiago Heleno e Nicolas; Otávio e Hernani; Lucho González (Luan), Lucas Fernandes (Marcos Guilherme) e Matheus Rosseto; Pablo.
Técnico: Paulo Autuori



Em retorno de Ricardo Oliveira, Santos bate o Atlético-PR e segue no G4

No retorno de Ricardo Oliveira, o Santos bateu o Atlético-PR por 2 a 0, na Vila Belmiro, em jogo valido pela 28ª rodada do Campeonato Brasileiro. Fora dos últimos três jogos do Peixe, o veterano centroavante marcou de pênalti, ainda no primeiro tempo, e Paulinho fechou o placar na segunda etapa.

Além de comemorar seu retorno com gol, fundamental para o Peixe permanecer no G4, o tento foi um alívio para Ricardo Oliveira, que não balançava as redes desde o dia oito de setembro, quando anotou o único gol do Santos na derrota por 2 a 1 para o Internacional, na Vila Belmiro. Desde então, foram seis jogos do Peixe, sendo que o veterano não atuou em três destes.

Com o resultado, o Santos chegou aos 48 pontos, assegurando a quarta colocação do Campeonato Brasileiro. Já o Atlético-PR estacionou nos 42 pontos ganhos, ficando na quarta posição. O quinto, que pode fechar um possível G5 do Brasileirão, é o Fluminense, com 46 pontos.

O jogo

Apesar de as duas equipes estarem brigando pelo G4 do Campeonato Brasileiro, o primeiro tempo não fez jus à colocação dos times e teve poucas emoções na Vila Belmiro. A primeira chance de gol aconteceu apenas aos 14 minutos, quando o volante Otávio pegou sobra da zaga santista e arrisca chutou de muito longe, mas Vanderlei espalmou por cima do travessão.

No lance de perigo seguinte, o Santos respondeu e abriu o placar aos 28 minutos, de pênalti. Vecchio disparou pelo meio e acertou bom passe para Lucas Lima na direita. O meia virou o jogo e devolveu para o argentino, que foi derrubado pelo goleiro Weverton dentro da área. Na cobrança da penalidade, Ricardo Oliveira não titubeou e mandou para as redes.

O Segundo tempo, no entanto, começou com bem mais emoção na Vila Belmiro. Logo aos três minutos, o Atlético-PR quase chegou ao empate em cobrança de falta de Herrnani. De frente para o gol, o volante cobrou por cima da barreira e Vanderlei apenas observou a bola explodir no travessão.

O Santos respondeu já no minuto seguinte. Em contra-ataque, Thiago Maia arriscou o chute, Weverton não segurou e deu rebote, que ficou com Lucas Lima. O meia cruzou boa bola para o meio, mas ninguém do Peixe chegou para mandar para as redes.

O Atlético-PR seguiu em busca do empate e teve nova chance aos 24 minutos. Hernani fez ótimo cruzamento pela esquerda, Lucho González saltou para tentar desviar, e Vanderlei espalmou.

O placar, porém, começou a ser definido aos 30 minutos, quando Paulinho entrou no lugar de Copete. Sete minutos depois, o atacante aproveitou cruzamento de Renato para o meio da área, antecipou Paulo André, e desviou de cabeça para mandar a bola no canto esquerdo de Weverton e ampliar a vantagem do Peixe.

Bastidores – Santos TV:

Ricardo Oliveira marca em retorno e dedica gol a Gustavo Henrique

O gol de pênalti marcado por Ricardo Oliveira neste sábado, não apenas abriu caminho para a vitória por 2 a 0 sobre o Atlético-PR, mas representou o fim do jejum do centroavante e a realização de uma promessa. O camisa 9 do Santos disse ao companheiro Gustavo Henrique, lesionado na última rodada contra o Sport, que balançaria as redes nesta tarde na Vila Belmiro.

“Minha função dentro do time é ser efetivo, fazer os gols, buscar participar. Eu quero aproveitar essa oportunidade. Eu havia prometido para o Gustavo Henrique, que sofreu uma lesão. Estamos juntos, Gu, em breve você está de volta”, disse o matador.

Ricardo Oliveira não marcava há um mês, desde o dia oito de setembro, quando anotou o único gol do Santos na derrota por 2 a 1 para o Internacional, na Vila Belmiro. Fora há três partidas, o veterano precisou superar o goleiro Weverton, convocado por Tite para a Seleção Brasileira, para inaugurar o marcador na vitória do Peixe.

“Importante voltar a marcar. Às vezes a gente erra, acerta… Sabia que tinha um grande goleiro na frente, mas fui feliz de fazer o gol e observar bem ele. Ressaltamos o trabalho coletivo e um resultado importantíssimo. Nos dá folga no G4”, completou.

Com o resultado, o Santos chegou aos 48 pontos, assegurando a quarta colocação do Campeonato Brasileiro. Já o Atlético-PR estacionou nos 42 pontos ganhos, ficando na quarta posição. O quinto, que pode fechar um possível G5 do Brasileirão, é o Fluminense, com 46 pontos.

Dorival celebra atuação de Paulinho após “problemas particulares”

Tendo entrado nas duas últimas partidas do Santos – vitória por 2 a 1 contra o Internacional, pela Copa do Brasil, e triunfo sobre o Atlético-PR por 2 a 0, neste sábado, pelo Brasileirão – o meia-atacante Paulinho vem retomando a confiança no Peixe, e foi dele o gol que garantiu os três pontos ao Alvinegro contra o Furacão, O técnico Dorival Júnior celebrou a retomada do jogador e lembrou que já havia tentado sua contratação.

“Eu trouxe o Paulinho não por acaso. Sempre acreditei nele. Um pouco antes dele ir ao Flamengo (quando estava no XV de Piracicaba), já havia conversado sobre ele no Flamengo mesmo. Ele pode se doar ainda mais, vem melhorando a cada momento. Espero que se reencontre de vez”, disse o treinador.

Antes dos dois últimos jogos em que participou, Paulinho não atuava desde o dia sete de agosto. No período, foram 11 jogos em que o meia-atacante não entrou em campo e, segundo Dorival Júnior, “problemas pessoais” influenciaram no período inativo.

“Ele teve problemas particulares que geram uma intranquilidade ao atleta. Acaba caindo taticamente.”, completou o comandante.

Após a partida, Paulinho também concedeu entrevistas e comemorou por voltar a marcar. O último gol pelo Santos havia sido no dia cinco de junho, em vitória por 3 a 0 sobre o Botafogo, na Vila Belmiro.

“Fiquei muito tempo fora da equipe, tive pés no chão, respeito quem está muito na minha frente ainda. Ajudei e estou feliz. Fiquei fora, mas treinando. Focado, na esperança de voltar”, disse o meia-atacante.

Dorival elogia atuação do desgastado Santos e projeta decisão contra o Flu

O Santos conseguiu superar o desgaste físico e teve atuação segura neste sábado para vencer o Atlético-PR por 2 a 0, na Vila Belmiro, e se manter no G4 do Brasileirão. Na quarta-feira, o Peixe venceu o Internacional por 2 a 1, em jogo pela Copa do Brasil, e o técnico Dorival Júnior elogiou a manutenção no nível de atuação do Alvinegro.

“Foi um grande jogo. Jogamos de maneira equilibrada depois do desgaste do meio de semana. O Atlético não jogou (durante a semana) e é uma equipe rápida, veloz, com variações grandes de jogadas. Criam muitas dificuldades na marcação. Fizemos um jogo seguro acima de tudo e fomos agudos em momentos importantes”, celebrou o técnico.

Na próxima quarta-feira, às 21h (de Brasília), na Vila Belmiro, o Santos terá mais um duelo direto para se manter no G4 do Brasileirão. Depois de bater o Furacão, que ficou na sexta posição com 42 pontos, o Peixe encara o Fluminense, quinto colocado com 46 pontos, dois a menos que o Alvinegro.

“Temos que procurar essa regularidade daqui para a frente. O resultado de hoje, mais o resultado na quarta-feira é fundamental para que nos mantenhamos e busquemos uma arrancada. Fluminense vem em crescente, ganhou os últimos três jogos, dois fora de casa. Isso tudo mostra o que será a decisão neste momento do campeonato. É fundamental vencer para se manter na parte de cima da tabela”, completou o técnico.

Para esta decisão, o Santos não poderá contar com Lucas Lima, convocado por Tite para dois jogos pelas Eliminatórias Sul-Americanas para a Copa do Mundo de 2018. Jean Mota será o substituto. O Santos folga neste domingo e volta a treinar na tarde de segunda-feira, no CT Rei Pelé.

Sem Vitor Bueno, Dorival celebra desempenho de Vecchio e Jean Mota

Sem Vitor Bueno há dois jogos – vitórias contra Internacional, pela Copa do Brasil, e Atlético-PR no Campeonato Brasileiro – e com a saída de Gabigol para a Internazionale, Dorival Júnior vai se virando com as peças que tem para armar o meio de campo do Santos. Nos dois últimos jogos, o treinador deu oportunidades para o argentino Vecchio entre os titulares e Jean Mota também teve chances e mostrou bom desempenho. Assim, o comandante comemora as novas opções no Peixe.

“O Jean é um jogador que pode mudar o ritmo de uma partida. E o Vecchio precisa de uma sequência. Desde que chegou, vinha sendo pouco aproveitado e treinava com força. Mereceu as chances nos últimos jogos”, disse Dorival Júnior.

Ao lado dos estrangeiros Vecchio e Copete, Lucas Lima segue absoluto na armação do Santos. Após um período em que apresentou uma queda de rendimento, o que foi motivo de críticas da torcida, o meia vem retomando um bom futebol e também foi elogiado por Dorival Júnior.

“O Lucas Lima vem trabalhando muito forte. Há seis partidas que vem em uma crescente. Às vezes não se tem paciência para uma recuperação. Ele tem encontrado uma nova condição e é fundamental à equipe”, completou o treinador, lembrando de contusões em sequência que atrapalharam o camisa 10.

Santos 3 x 0 Botafogo

Data: 05/06/2016, domingo, 11h00.
Competição: Campeonato Brasileiro – 6ª rodada
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 16.530 pagantes (17.033 presentes)
Renda: R$ 419.950,00
Árbitro: Sandro Meira Ricci (SC)
Auxiliares: Fabricio Vilarinho da Silva (GO) e Fabiano da Silva Ramires (ES).
Cartões amarelos: Thiago Maia (S) e Leandrinho (B).
Gols: Vitor Bueno (10-1) e Paulinho (35-1); Bruno Silva (24-2, contra).

SANTOS
Vanderlei, Victor Ferraz, David Braz, Gustavo Henrique e Zeca; Renato, Thiago Maia, Serginho, Léo Cittadini (Léo Cittadini) e Vitor Bueno (Valencia); Paulinho e Joel (Diogo Vitor).
Técnico: Dorival Junior

BOTAFOGO
Helton Leite, Diego, Emerson Silva, Emerson Santos e Victor Luis; Dudu Cearense, Bruno Silva, Leandrinho e Gegê; Anderson Aquino (Neilton) e Ribamar (Sasá).
Técnico: Ricardo Gomes



Peixe vence no Pacaembu, quebra jejum e joga Botafogo para a lanterna

Depois de três jogos sem vencer, o Santos deu um tempo na crise e fez a festa de sua torcida paulista no estádio do Pacaembu com bater o Botafogo por 3 a 0 em confronto válido pela 6ª rodada do Campeonato Brasileiro. Os dois primeiros gols do jogo foram marcados ainda no primeiro tempo. Vitor Bueno, depois de um lindo chapéu no goleiro Helton Leite, abriu o placar, enquanto Paulinho contou com a colaboração do camisa 1 botafoguense para ampliar. Na etapa final, Bruno Silva marcou contra depois de cobrança de escanteio.

Essa é apenas a segunda vitória do Peixe no nacional, que agora chega aos 7 pontos e se afasta da zona de rebaixamento, mas serve para dar um pouco de paz a Dorival Júnior, que passou a sofrer muita pressão depois da derrota no contra Corinthians, no meio de semana. Agora, o treinador terá toda a semana livre para justar o time, que só volta a campo no domingo, para encarar o Santa Cruz no estádio do Arruda, às 19 horas.

Por outro lado, o Fogão já mostra que é um forte candidato a voltar à Série B em 2017. O alvinegro carioca estacionou com 4 pontos e é o lanterna do Brasileirão. Muito limitado no setor ofensivo e vulnerável atrás, a equipe de Ricardo Gomes foi preza fácil no duelo matutino deste domingo e ainda desperdiçou um pênalti com Neilton, ex-Santos, quando o placar ainda marcava 2 a 0 para os mandantes. Para tentar buscar uma reação, o Botafogo receberá o Vitória no próximo domingo, de novo às 11 horas, ainda sem local definido.

O jogo

Com o apito do árbitro Sandro Meira Ricci veio também a chuva ao estádio do Pacaembu. Mas, em campo, o Santos começou querendo colocar fogo no jogo. Logo no primeiro minuto, Renato deixou Vitor Bueno de frente para o goleiro Helton Leite. A finalização do meia saiu pela linha de fundo, mas animou os torcedores paulistas nas arquibancadas.

O Botafogo chegava a ser perigoso quando ultrapassava o meio de campo, mas pecava em demasia na saída de bola, com manhã ruim para sua dupla de volantes Dudu Cearense e Bruno Silva.

E em uma das bobeadas do Glorioso no centro do gramado, Thiago Maia usou o lado externo do pé para dar a Vitor Bueno sua segunda chance no jogo. Dessa vez, o jovem meia fez bonito. Chepelou o goleiro botafoguense e abriu o placar com uma verdadeira pintura.

Após isso, porém, o ritmo caiu e o Santos errava seguidamente no ataque, principalmente Joel, que cegou a ouvir alguns protestos disparados das cadeiras cativas do estádio. O castigo por pouco não veio aos 18 minutos. Depois de troca de passes de primeira, Anderson Aquino serviu Ribamar nas costas de Gustavo Henrique, mas Vanderlei saiu bem para salvar o time.

A partida ficou sonolenta, com o Botafogo escancarando suas fragilidades e limitações, enquanto o Peixe parecia satisfeito com a vitória parcial. Só aos 35 minutos o torcedor santista pôde gritar novamente.

Com paciência, o time de Dorival Júnior valorizou a posse de bola, rodou, tocou, se movimentou, até que Zeca tabelou com Joel e soltou para Léo Cittadini, que achou Paulinho na área. O atacante, até então melhor na marcação do que na sua verdadeira função, bateu cruzado. Helton Leite tocou na bola, mas não segurou firme e a bola foi às redes lentamente. 2 a 0 Peixe.

O último lance de perigo antes do intervalo veio aos 40 minutos e serviu para mostrar como a fase botafoguense é brava. Anderson Aquino invadiu a área pela direita e cruzou. A bola ficou limpa para Gegê, que finalizou para empatar, mas viu Ribamar, seu companheiro, tirar a bola da direção do gol.

Já sem chuva e com a torcida animada pela vitória parcial, o Peixe voltou para o segundo tempo com mais ímpeto pelo gol. Em pouco tempo, o Peixe já pressionava os cariocas no campo de defesa a rondava a meta de Helton Leite. Aos 5 minutos, o camisa 1 espalmou para fora a boa cobrança de falta de Vitor Bueno.

Mas, na primeira vez que foi ao ataque, o Botafogo calou o Pacaembu por alguns segundos. Neiton, aquele mesmo revelado pelo alvinegro praiano, foi derrubado por David Braz dentro da área e sofreu pênalti. O jovem atacante pediu para bater e teve a autorização de Ricardo Gomes. Na batida, Neilton deslocou Vanderlei, mas errou o alvo, para delírio dos santistas, que até hoje se sentem traídos pelo jogador do Botafogo.

E a situação do time de General Severiano ficou ainda pior aos 24 minutos. Depois de cobrança de escanteio, Bruno Silva se enrolou dentro da área e marcou contra. 3 a 0 e a torcida santista já ensaiava gritos de “olé” diante de tanta facilidade.

Assim, o time de Dorival Júnior precisou apenas administrar o resultado nos minutos finais. Vanderlei até foi exigido por causa de um relaxamento do time do Santos, mas, nada que mudasse mais o placar. O Peixe venceu no Pacaembu, ganhou um pouco de paz depois de uma semana tensa, e ainda jogou o Botafogo para a lanterna do Brasileirão.

Santos TV – Bastidores:

Jogadores do Peixe admitem alívio com vitória em cima do Botafogo

A vitória por 3 a 0 em cima do Botafogo neste domingo deu mais do que três pontos para o Santos no Campeonato Brasileiro. O time não vencia há três jogo e passou por uma semana de muitos questionamentos depois da derrota para o Corinthians, no clássico de Itaquera. Após a partida no Pacaembu, que contou com gols de Vitor Bueno, Paulinho e Bruno Silva (contra), o Peixe subiu para 7 pontos e se afastou da zona de rebaixamento. Os jogadores do Peixe, ainda no gramado, admitiram as sensações de alívio e de dever cumprido.

“Dá um alívio grande, mas a equipe está de parabéns, pela garra, pelo futebol. Pressionamos, como o Dorival pediu. Daqui para frente é melhorar e, se Deus quiser, brigar lá em cima”, comentou o atacante Paulinho, que teve discurso compartilhado pelo capitão Renato.

“Essa é uma situação incomoda (zona de rebaixamento), pegamos um adversário que não vinha bem, todo mundo correu e estava ciente da situação que a gente se encontrava. E conseguimos dar essa vitória para dar tranquilidade ao time no campeonato. A gente sabe que precisa melhorar. Claro que vitória dá confiança e hoje a gente precisava vencer, independente do placar”, analisou o camisa 8.

Vitor Bueno, muito aplaudido quando sacado por Dorival Júnior para a entrada de Valencia, comemorou ao lado de Thiago Maia, autor da linda assistência para o gol do meia, a vitória do Peixe no Pacaembu.

“É isso que nós queremos. O Santos merece brigar em cima”, comentou Bueno, antes de ser questionado sobre seu belo gol no primeiro tempo. “Saiu naturalmente. A bola foi metida pelo Thiago, fui muito feliz na finalização”, explicou, dando a palavra ao amigo volante. “A gente merecia essa vitória. Agora é pensar no próximo jogo”, concluiu o santista.

Mais que a vitória, Dorival Jr valoriza nova postura: “Isso é o Santos”

O Santos venceu e convenceu na manhã deste domingo. Apesar da fragilidade inegável do Botafogo, agora lanterna do Campeonato Brasileiro, o Peixe não vencia há três rodadas e precisava dos três pontos para se afastar da zona de rebaixamento. Após os 3 a 0 em cima dos cariocas, o técnico Dorival Júnior fez questão de ressaltar seu contentamento com a forma como o time se portou em campo para alcançar o objetivo.

“É a disposição que tivemos em campo. Agressividade no combate, preocupação em criar. Isso é o espírito do Santos. Resultado importante, mas muito mais pela maneira com que a equipe procurou o resultado. Tivemos dificuldades após o pênalti, mas, de uma maneira geral, tivemos uma boa postura. Já deixamos pontos importantes para trás”, analisou o treinador, agora esperançoso em uma reação na competição.

“Acho que a atitude foi diferente. Enfrentamos grandes adversários que foram superiores. Hoje, o Santos veio com outro propósito, com cada um tentando fazer seu melhor e não perdendo espírito de equipe. Espero que tenhamos uma semana boa de preparação para que tenhamos uma equipe melhor postada ainda, já que a exigência é sempre alta”, avisou.

Apesar dos elogios, Dorival Júnior sabe que o Botafogo não é uma equipe que pode dar ao Santos muito parâmetro para o restante da competição. A má fase do Glorioso e os poucos obstáculos encontrados pelo Peixe neste domingo fazem com que treinador ainda contenha a empolgação.

“Nós temos de ter consciência que foi um resultado importante, nada além disso. A equipe não deixou de jogar nas duas partidas passadas por desaprender, e nem recuperou padrão para ter confiança total. Temos de ter calma. Mudamos muito nossa concepção de jogo em função das perdas, e agora temos de nos recompor dessa forma, encontrando novas peças, com a chegada de reforços, para que tenhamos o Santos um pouco mais forte, mais preparado para ser mais competitivo no Brasileiro”, concluiu o comandante alvinegro.

Léo Cittadini ganha elogios de Dorival e assume vaga de Lucas Lima

Depois de buscar alternativas com Rafael Longuine, Ronaldo Mendes e Serginho, Dorival Júnior parece ter encontrado o substituto para suprir a ausência de Lucas Lima. Léo Cittadini recebeu a confiança do técnico santista para começar a partida deste domingo entre os titulares e deu conta do recado. Após a vitória por 3 a 0, no Pacaembu, o jovem meia recebeu elogios raros do comandante alvinegro, que dificilmente fala individualmente do desempenho dos atletas.

“Cittadini já tinha entrado muito bem na partida contra o Corinthians, que foi a primeira dele depois de uma lesão muito séria na semifinal contra o Palmeiras, pelo Paulista (entorse no tornozelo direito). Ainda não está suportando toda a parida, mas teve uma participação muito importante, foi muito bem em todos os aspectos, quer seja trocando passes, se apresentando, sendo uma opção para a saída de bola, chegando a frente, criando oportunidades, participando muito do nosso sistema de marcação. Ele foi fundamental. Espero que ele continue assim”, disse Dorival Júnior, deixando claro que agora vai dar sequência ao garoto.

“Quem vai me dar essa resposta são os jogadores campo. Se a equipe continuar fazendo apresentações como a de hoje, naturalmente eles vão ocupar um espaço que está em aberto. Foi importante”, explicou.

Léo Cittadini tem apenas oito jogos na temporada e fez sua estreia na última quarta, no clássico contra o Corinthians. O jogador de 22 anos, meia de origem, estava sendo preparado para ser um reserva imediato de Thiago Maia. Mas, com a escassez de opções, Dorival resolveu apostar na revelação santista ao lado de Vitor Bueno, mais centralizado, e gostou do que viu.

“Hoje sim nós apresentamos alguma coisa diferente do que vinha acontecendo, principalmente nas duas partidas (anteriores). Hoje voltamos a ter um bom volume de jogo, voltamos a ter criação do meio para o ataque, marcação encaixada, troca de passes…O segundo gol foi isso que aconteceu, tivemos paciência. É isso que nós queremos. É questão de tempo. É muito pouco espaço para treinamentos. Essa semana teremos uma semana inteira. Vamos ver se aceleramos isso”, concluiu Dorival.

O próximo desafio do Peixe no Campeonato Brasileiro será diante do Santa Cruz, domingo, no estádio do Arruda, em Pernambuco, às 19 horas (horário de Brasilia). O clube da Vila Belmiro tem 7 pontos ganhos em seis rodadas até aqui.

Santos 3 x 0 Galvez

Data: 11/05/2016, quarta-feira, 19h30.
Competição: Copa do Brasil – Segunda Fase – Jogo de ida
Local: Arena da Floresta, em Rio Branco, AC.
Público: 1.572 pagantes
Renda: R$ 68.030,00
Árbitro: Rodrigo Nunes de Sa (RJ)
Auxiliares: Valdebranio da Silva (RO) e Rener Santos de Carvalho (AC).
Cartões amarelos: Gato, Araújo Jordão e Chumbo (G); Paulinho (S).
Gols: Rafael Longuine (36-1) e Paulinho (45-1); Fernando Medeiros (14-2).

GALVEZ
Máximo; Renan Chumbo, Gato, Araújo Goiano e Layo (Radames); Wilson, Olliver (Thiago), Ciel e Careca (Douglas); Araújo Jordão e Tonho Cabañas.
Técnico: Zé Marco

SANTOS
Vladimir; Daniel Guedes (Valencia), Lucas Veríssimo, Luiz Felipe e Caju; Fernando Medeiros (Gregore), Leandrinho, Serginho e Rafael Longuine; Lucas Crispim e Paulinho (Maxi Rolón).
Técnico: Lucas Silvestre (auxiliar)



Reservas do Peixe cumprem a missão no Acre e eliminam jogo de volta

O Santos esteve longe de encantar ou de lembrar a equipe que no último domingo ganhou seu 22º Campeonato Paulista. Mas, com uma equipe totalmente reserva, o Peixe cumpriu sua missão na noite desta quarta-feira e avançou à terceira fase da Copa do Brasil. Com gols de Rafael Longuine e Paulinho na primeira etapa, e um de Fernando Medeiros, que estreou como titular da equipe profissional alvinegra, no segundo tempo, o time da Vila Belmiro bateu o Galvez, do Acre, por 3 a 0, Rio Branco, no norte do país.

Assim, o Santos descansará na semana que vem, já que a vitória por mais de dois gols de diferença elimina a necessidade da partida volta, que tinha a próxima quarta-feira como data reservada.

Apesar da derrota na Arena da Floresta, o Galvez, que tem um teto salarias de R$ 2,5 mil e é formado por jogadores semi-profissionais, viveu o maior jogo de sua história. E ainda viu seu goleiro sair de campo como grande destaque do confronto. Aos 35 anos, o comerciante Máximo pegou dois pênaltis. Um de Rafel Longuine e outro de Serginho, que também parou na muralha acreana no rebote do lance.

O jogo

Os ingressos a R$ 80,00 e o fato do Peixe viajar com um time ausente de titulares fizeram com que o público não comparecesse à Arena da Floresta em peso. Os santistas eram até maioria, já que foi apenas a segunda vez que o torcedor pode acompanhar o time do coração no Acre em toda a história. E logo aos 9 minutos já veio a primeira oportunidade gol.

Ciel e Fernando Medeiros foram traídos pelo quique da bola e o jogador do Galvez acabou cometendo pênalti bobo. Na cobrança de Rafael Longuine, o goleiro Máximo, de 35 anos, voou no canto direito e espalmou a bola para escanteio, para delírio dos conterrâneos.

Os jogadores do Santos claramente não marcavam com entusiasmo e davam espaços, os mesmos que eles tinham devido a limitação de seu adversário. Assim, Careca recebeu teve boa oportunidade aos 21, pela direita, mas Vladimir fez boa defesa. Na sequência, Lucas Crispim pegou sobra dentro da área e carimbou a trave esquerda do Galvez.

Aos 30, Careca, de novo, entrou na área com liberdade, mas acabou travado na hora do arremate por Lucas Veríssimo. O jogador ficou pedindo pênalti, mas foi ignorado pelo árbitro.

Mesmo sem jogador um futebol digno de sua tradição e sofrer mais do que deveria, o Peixe chegou ao seu primeiro gol aos 36 minutos. Rafael Longuine, tentou uma vez e Araújo evitou quase em cima da linha. No rebote, o meia bateu forte e abriu o placar.

O Galvez, então, se lançou ao ataque. Teve duas chances. Primeiro com Gato, de cabeça, depois com Careca, que recebeu passe de letra de Tonho Cabañas, mas bateu em cima de Caju.

O castigo veio aos 45. Paulinho recebeu lançamento na direita com muita liberdade e fez valer sua melhor condição física. Passou fácil por dois marcadores e, na hora de cruzar quase sem ângulo, o atacante bateu direto para o gol, surpreendendo o goleiro Máximo.

Na segunda etapa, o Peixe, que já tinha o resultado necessário para evitar o jogo de volta, não precisou fazer muita força para aumentar sua vantagem. Com o Galvez cada vez mais inofensivo do ataque, o Peixe aproveitou bem um contra-ataque aos 14 minutos. Fernando Medeiros, que estreava como titular da equipe profissional, teve calma para tocar no canto e marcar o terceiro do Santos.

Apenas dois minutos depois, Chumbo cometeu o segundo pênalti do jogo, dessa vez em Paulinho. Serginho foi o encarregado da cobrança e, de novo, Máximo brilhou. O goleiro pegou a batida ruim do santista, no canto esquerdo, e ainda teve agilidade para defender o rebote, em nova finalização de Serginho, para delírio da torcida.

Após isso, o Peixe praticamente administrou o resultado e não tivemos mais lances de perigo para nenhuma das duas equipes. Assim, o Galvez encerrou sua participação na Copa do Brasil e o time da Vila Belmiro seguiu na competição sem a necessidade do jogo de volta.

Santistas reforçam força do grupo em vitória só com reservas no Acre

O Santos está na terceira fase da Copa do Brasil. Com uma vitória por 3 a 0 sobre o Galvez, do Acre, na noite desta quarta-feira, a equipe de Dorival Júnior, que foi comandada por Lucas Silvestre na Arena da Floresta, eliminou a partida de volta. Após a partida, Paulinho falou da importância do resultado e principalmente da oportunidade que alguns jogadores tiveram para mostrar serviço.

Foi um jogo difícil. Está muito abafado, a grama um pouco alta, mas a gente sabia das dificuldades que íamos ter. Nossa intenção claro que era eliminar o jogo de volta e graças a Deus conseguimos. E é como o professor Dorival e o próprio Lucas falam, temos que aproveitar as oportunidades, somos um grupo forte. Fomos campeões Paulistas no domingo e é importante o Dorival saber que pode contar com qualquer um do grupo”, disse o atacante à Espn.

Fernando Medeiros, que fez apenas sua quarta partida no time profissional do Peixe, a primeira como titular, também viveu uma noite especial, já que anotou seu primeiro gol com a camisa alvinegra, o terceiro do Santos no jogo, pouco antes de sair de campo com câimbras.

“Muito feliz de ter marcado meu primeiro gol e ajudado o time na vitória”, disse o volante, ainda muito tímido desde que subiu das categorias de base do clube famoso por revelar e aproveitar seus atletas no time de cima.

Agora, a delegação santista retorna à Baixada para ficar à disposição de Dorival Júnior para o fim de semana. No sábado, o campeão Paulista estreia no Campeonato Brasileiro às 18h30, no Independência, em Belo Horizonte, contra o Atlético-MG. A equipe mineira deve jogar com reservas por causa do confronto contra o São Paulo pela Copa Libertadores da América, mas o Santos promete voltar a utilizar força máxima.

Lucas Silvestre aprova atuação e vê decisão acertada por time reserva

O Santos não fez um belo jogo, mas fez o seu dever contra o Galvez, no Acre, e avançou à terceira fase da Copa do Brasil com uma vitória por 3 a 0, além de ter desperdiçado dois pênaltis. Após o jogo, Lucas Silvestre, que comandou o time no lugar de Dorival Júnior nesta quarta, falou e aprovou o desempenho dos reservas do Peixe na Arena da Floresta.

“Estou muito feliz com o desempenho dos atletas. A gente conseguiu realizar uma grande partida, uma partida muito sólida, do início ao fim o time muito bem, bem postado defensivamente, criando grandes oportunidades ofensivamente. E, dentro disso, a gente teve muitos jogadores que vieram para dar uma boa amostra”, comentou.

A preocupação da comissão técnica santista é com os desfalques de Lucas Lima, Gabriel e Ricardo Oliveira, que se apresentam dia 22 à Seleção Brasileira e podem ficar até nove rodadas fora do time no Campeonato Brasileiro.

“Isso é importante, porque coloca dúvida na nossa cabeça. Com a perda de jogadores semana que vem, a gente precisa ter um grupo forte para poder estar utilizando as peças corretas”, reforçou o auxiliar, que também é filho de Dorival Júnior.

A estratégia de utilizar apenas reservas foi uma repetição do que o clube já havia feito na fase anterior da Copa do Brasil, contra o Santos do Amapá. Desta vez, o resultado foi satisfatório, mas, independente disso, Lucas explicou que não havia condições dos titulares atuarem no Acre.

“A proximidade do jogo de sábado para essa quarta agora é muito grande. Seria uma irresponsabilidade muito grande nossa, já que muitos jogadores chegaram muito cansados do jogo de domingo e, querendo ou não, é um desgastante mental, primeiramente, devido às decisões que a gente vinha enfrentando, e físico, também em relação aos últimos jogos”, salientou.

“Seria uma irresponsabilidade muito grande colocar esses atletas que jogaram domingo para jogar hoje. Muitos atletas apresentaram o CK (exame que analisa o desgaste) muito alto na segunda e na terça, e alguma lesão poderia acabar acontecendo. O resultado já comprova que foi eficaz, que a gente realmente devia ter feito isso, mas, antes mesmo a gente já sabia que era a decisão correta”, concluiu o comandante do Peixe, pelo menos na classificação da equipe nesta quarta.

Santos 4 x 1 Ferroviária

Data: 31/03/2016, quinta-feira, 21h30.
Competição: Campeonato Paulista – 1ª fase – 13ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 4.208 pagantes
Renda: R$ 104.570,00.
Árbitro: Luiz Vanderlei Martinucho.
Auxiliares: Eduardo Vequi Marciano e Osvaldo Apipe de Medeiros Filho.
Cartões amarelos: Gabriel (S); Thallyson e Fernando Gabriel (F).
Gols: Thiago Marques (32-1); Zeca (17-2), Paulinho (26-2), Paulinho (30-2) e Gabriel (47-2, de pênalti).

SANTOS
Vanderlei; Victor Ferraz, Gustavo Henrique, Lucas Veríssimo e Zeca; Alison (Lucas Lima), Thiago Maia e Rafael Longuine; Paulinho (Paulinho); Gabriel e Joel (Ronaldo).
Técnico: Dorival Júnior

FERROVIÁRIA
Rodolfo; Igor Julião, Luan, Marcão e Thallyson; Juninho, Matheus Rosseto (Luiz Gustavo) e Fernando Gabriel; Tiago Marques (Caíque), Samuel e João Paulo (Rafinha).
Técnico: Sérgio Vieira



Santos goleia a Ferroviária de virada e retoma a liderança do Grupo A

O Santos fez o dever de casa e, na noite desta quinta-feira, venceu a Ferroviária na Vila Belmiro em duelo válido pela 13ª rodada do Campeonato Paulista e já garantiu sua classificação de forma antecipada. Depois de um primeiro tempo desastroso, quando saiu atrás no placar graças a gol de Tiago Marques, Dorival Júnior recorreu a Lucas Lima, que iniciou a partida no banco por causa de uma indisposição, para acertar o time. Com gols de Zeca, dois de Paulinho e um de Gabriel, de pênalti, o Peixe decretou a vitória de virada por 4 a 1.

Os três pontos colocam o alvinegro praiano de novo na liderança do Grupo A, com 26 pontos, dois a mais que o São Bento, que só empatou com o Capivariano na quarta-feira. As duas equipes devem se enfrentar nas quartas de final e lutam pelo mando do jogo único na próxima fase. Já a Ferroviária estaciona nos 16 pontos, atrás de Osasco Audax, 21 pontos, e São Paulo, 19, no grupo C.

Agora, o Santos visita o Capivariano, na Arena Capivari, às 18h30 de domingo. No mesmo dia e horário, a Ferroviária recebe o Botafogo-SP, na Fonte Luminosa, em Araraquara. Na última rodada desta primeira fase do Estadual, o Peixe enfrentará o Audax, adversário direto da Ferrinha, na Vila Belmiro. Na briga com o Santos pela liderança do Grupo A, o São Bento terá pela frente Audax e São Paulo, ambos em Sorocaba.

O jogo

Depois de 20 anos, Santos e Ferroviária voltaram a se encontrar na Vila Belmiro pelo Campeonato Paulista. Apesar da importância da partida para o rumo das duas equipes na competição, o público mais uma vez decepcionou na Baixada na noite desta quinta-feira. E assim como a empolgação nas arquibancadas, o jogo deixou muito a desejar nos primeiros 45 minutos, principalmente pelo lado do Peixe.

Sem Ricardo Oliveira, poupado, e Lucas Lima, que iniciou no banco de reservas por causa de uma indisposição, Dorival Júnior apostou no trio Gabriel, Paulinho e Joel, com Rafael Longuine na armação. Mas a equipe não conseguiu encaixar e, diante de tanto espaço, a Ferroviária do técnico português Sérgio Vieira aproveitou para tocar bem a bola.

Foram poucos os lances de perigo. Primeiro, Fernando Gabriel assustou em um chute de longa distância, aos 15 minutos. A resposta dos donos da casa veio dois minutos depois, com Gabriel, que recebeu de Thiago Maia dentro da área e bateu para boa defesa de Rodolfo.

O jogo era sonolento até os 32 minutos, quando Thiago Marques aproveitou a falta de atenção de Gustavo Henrique em uma sobra de bola dentro da área e, de cabeça, deslocou Vanderlei para abrir o placar.

O gol deu mais tranquilidade para o time de Araraquara manter sua proposta de jogo e deixou os santistas nervosos e ansiosos, tanto dentro quanto fora de campo. Aos 41, Gabriel teve a oportunidade de empatar já dentro da área, mas finalizou para fora.
Ao apito do árbitro, os poucos torcedores presentes na Vila Belmiro não perdoaram a atuação alvinegra e vaiaram a equipe de Dorival Júnior.

Para tentar dar um jeito na falta de criatividade do seu meio de campo, Dorival Júnior recorreu a Lucas Lima no segundo tempo. Alison sequer voltou com a equipe. Mas quem teve a chance de marcar foi a Ferroviária, mais uma vez. Logo aos 3 minutos, Igor arrancou nas costas de Zeca e cruzou bola rasteira para Thiago Marques, que totalmente livre, finalizou para fora. Chance incrível desperdiçada pelos visitantes.

Na sequência, quase veio o castigo. Joel serviu Paulinho dentro da área, que limpou a marcação e bateu com perigo. O Santos tentava pressionar e, em nova investida pela esquerda, Zeca cruzou na cabeça de Joel, mas Rodolfo fez boa defesa. Tudo isso antes do relógio marcar dez minutos da etapa final.

Aos 14 minutos, a melhor chance do Peixe veio depois de lançamento longo de Thiago Maia no pé de Paulinho. O atacante ficou cara a cara com Rodolfo, mas tocou para fora. Aos 17, porém, não teve jeito de segurar a pressão santista. Zeca entrou na área pela esquerda, limpou a marcação e bateu cruzado, sem chance para o goleiro da Ferroviária: 1 a 1.

Apesar do treinador Sérgio Vieira até arriscar colocando Rafinha, artilheiro da equipe no Paulista, no lugar de João Paulo, a equipe de Araraquara encontrava dificuldade para passar do meio de campo, enquanto o Peixe crescia a cada minuto, fruto da entrada de Lucas Lima no jogo.

E como parecia inevitável, a virada veio aos 26 minutos. Gabriel recebeu linda bola de Joel e tocou para Paulinho marcar seu primeiro gol pelo Santos em bela triangulação. A Ferroviária sentiu o golpe e, aos 30, depois de saída de bola atrapalhada entre Rodolfo e Marcão, Joel roubou a bola e mais uma vez serviu de garçom para Paulinho marcar seu segundo gol, o terceiro do Peixe.

Dai em diante, o Santos precisou apenas administrar sua vantagem e deixar o tempo passar para confirmar os três pontos e a liderança do Grupo A depois de duas rodadas, enquanto a Ferroviária, sem forças nos minutos finais, amargou sua primeira derrota para um grande de São Paulo, depois de vencer o Palmeiras e empatar com o Corinthians.

Ainda deu tempo para Gabriel marcar seu gol e transformar a vitória em goleada. Já nos acréscimos, Ronaldo Mendes, que havia acabado de entrar no lugar de Joel, sofreu penalidade, convertida pelo camisa 10.

Vídeos no intervalo ajudaram Dorival a mudar a postura do Santos

Quem ficar sabendo apenas que o Santos goleou a Ferroviária por 4 a 1 na noite desta quinta sem ter visto o jogo não terá a real dimensão das dificuldades encontradas pelo alvinegro praiano nesta 13ª rodada do Campeonato Paulista. Para surpresa de muitos, o time de Dorival Júnior foi completamente dominado no primeiro tempo, quando sofreu o gol de Tiago Marques.

“A Ferroviária estava tomando conta e perdíamos possibilidades. As nossas linhas estavam muito distantes. A linha recolhida e acabou sendo um complicador. Equipe muito bem treinada, de posse de bola. Fico feliz, porque vi duas equipes jogando. A Ferroviária fez o primeiro e talvez pudesse ter feito mais dois ou três gols. Mas o resultado foi importante, porque precisávamos do resultado e precisávamos jogar bem”, comentou o treinador.

No intervalo, Dorival sacou Alison e colocou Lucas Lima na partida. Os jogadores comentaram, após o jogo, que não só a entrada do meia, mas a bronca e as observações do técnico com vídeos foram fundamentais para o time encaixar e virar o duelo para 4 a 1.

“Trabalho importante. Vem acontecendo há algum tempo. O Pirata, o Luquinhas e o Leonardo (funcionários do clube) nos entregam tudo mastigado, frisam alguns aspectos e, depois de tudo isso, é complementado com algumas observações. A partir dai, a gente tenta diminuir a margem de erro, que foi muito grande no primeiro tempo”, contou Dorival Júnior, reconhecendo a péssima atuação de sua equipe nos primeiros 45 minutos.

“Nós não conseguimos encontrar a marcação de uma equipe que joga semelhante a nossa, desde a saída de bola. Melhoramos o nosso posicionamento, nossa saída melhorou, começamos a jogar dentro do campo da Ferroviária”, analisou. “Começamos a tomar conta das segundas bolas, que foram todas do adversário no primeiro tempo. E, a partir do primeiro gol, a equipe começou a jogar com mais tranquilidade e os gols foram saindo”, resumiu o comandante santista.

Santos 3 x 2 XV de Jaú

Data: 30/11/1982, terça-feira, 21h00.
Competição: Campeonato Paulista – 2º turno – 17ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 7.836 pagantes
Renda: Cr$ 2.919.900,00
Árbitro: Luis Carlos Antunes
Gols: Paulinho (18 segs-1) e Roberto César (19-1); Jones (29-2), Serginho Dourado (40-2) e César (42-2).

SANTOS
Marolla; Toninho, Joãozinho, Toninho Carlos e Gilberto Sorriso; Luiz Gustavo, Roberto César (Cardim) e Pita; Serginho Dourado, Paulinho e João Paulo.
Técnico: Chico Formiga

XV DE JAÚ
Carlos; Sérgio Cunha, Tobias, Edvaldo e Paulo Felisberto; Wilson Mano (Tiquinho), Nereu (Jones) e César; Luís Carlos, Nívio e Betinho.
Técnico: Carlos Virba



Santos derrota o XV de Jaú

Fonte: Jornal Folha de SP