Navegando Posts marcados como Paulinho McLaren

Vasco 3 x 3 Santos

Data: 07/06/1992
Competição: Campeonato Brasileiro – 2ª Fase
Local: Estádio do Maracanã, no Rio de Janeiro, RJ.
Público: 30.543
Renda: Cr$ 300.640.000,00
Árbitro: Márcio Rezende de Freitas (MG)
Cartões amarelos: Jorge Luiz e Cássio (V); Pedro Paulo, Bernardo, Ranielli e Paulinho (S).
Gols: Paulinho (10-1), Bebeto (28-1), Bebeto (40-1); Paulinho (21-2), Bebeto (25-2) e Paulinho (41-2).

VASCO
Régis, Eduardo, Alexandre Torres, Jorge Luiz (Tinho) e Cássio; Luizinho, Flávio Paiva e Geovani (Sorato); Edmundo, Bebeto e Bismark.
Técnico: Nelsinho Rosa

SANTOS
Sérgio, Dinho, Pedro Paulo, Luis Carlos (Guga) e Flavinho; Axel, Bernardo e Ranielli (Serginho Fraldinha); Cilinho, Paulinho e Almir.
Técnico: Geninho.



O jornal Globo do dia seguinte estampou na capa: Bebeto 3×3 Paulinho. Toda a técnica de Bebeto contra o faro de gol apurado de Paulinho. Dois matadores em grande fase.

Bahia 0 x 2 Santos

Data: 25/05/1992
Competição: Campeonato Brasileiro
Local: Estádio da Fonte Nova, em Salvador, BA.
Público: 2.769 pagantes
Renda: CR$ 13.034.000,00
Árbitro: José Mocellin (RS).
Cartões amarelos: Lima (B); Bernardo e Pedro Paulo (S).
Cartões vermelhos: Jorginho (B) e Axel (S).
Gols: Paulinho (26-1, de pênalti) e DInho (45-2).

BAHIA
Ricardo; Uéslei, Vilmar, Jorginho e Gilvan; Eduardo Paulista, Lima e Gil; Erasmo (Léninton); Marcelo Ramos (Vandick) e Naldinho.
Técnico: Procópio Cardoso

SANTOS
Sérgio; Dinho, Pedro Paulo, Luís Carlos e Flavinho; Axel, Bernardo e Zé Renato (Marcelo Passos); Guga (Castro), Paulinho e Cilinho.
Técnico: Geninho


Santos 2 x 2 Atlético-PR

Data: 02/05/1992
Competição: Campeonato Brasileiro
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 3.849 pagantes
Renda: Cr$ 33.028.000,00
Árbitro: Wilson Carlos dos Santos (RJ)
Cartões amarelos: Dinho e Zé Renato (S); Jatobá e Carlinhos (A).
Gols: Cilinho (09-1); Negrini (06-2), Paulinho (08-2) e Negrini (38-2).

SANTOS
Sérgio; Dinho, Pedro Paulo, Luís Carlos e Marcelo Veiga; Axel, Zé Renato (João Paulo) e Sérgio Manoel; Almir, Paulinho e Cilinho.
Técnico: Geninho

ATLÉTICO-PR
Gilmar; Marcelo Souza, Leonardo, Jatobá e Paulo Mendes; Tadeu, Leomar e Negrini; Carlinhos, Osias (Ratinho) e Marco Antônio.
Técnico: Geraldo Damasceno


Náutico 0 x 2 Santos

Data: 20/04/1992
Competição: Campeonato Brasileiro
Local: Estádio dos Aflitos, em Recife, PE.
Público: 4.063 pagantes
Renda: Cr$ 19.003.000,00
Árbitro: Márcio Rezende de Freitas (MG)
Cartões amarelos: China e Ocimar (N); Marcelo Fernandes, Pedro Paulo, Paulinho, Marcelo Veiga e Zé Renato (S).
Cartão vermelho: Cafézinho (N).
Gols: Paulinho (24-2) e Paulinho (46-2).

NÁUTICO
Mauri; Cafézinho, China, Barros e Daniel; Lúcio, Jackson e Fagundes; Nivaldo, Pirata (Levi) e Possi (Ocimar).
Técnico: Charles Muniz

SANTOS
Sérgio; Dinho, Marcelo Fernandes, Pedro Paulo e Marcelo Veiga; Bernardo, Zé Renato e Sérgio Manoel (João Paulo); Almir (Guga), Paulinho e Cilinho.
Técnico: Geninho


Santos 4 x 0 Internacional

Data: 30/03/1992
Competição: Campeonato Brasileiro – 1ª fase
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 7.941 pagantes
Renda: CR$ 33.296.000,00
Árbitro: José Roberto Wright (SP)
Cartão amarelo: Zé Renato (S).
Cartoes vermelhos: Marquinhos, Gérson e Fernández (I).
Gols: Paulinho (18-1); Cilinho (12-2), Cilinho (15-2) e Axel (26-2).

SANTOS
Sérgio; Carlinhos (Guga), Pedro Paulo, Luís Carlos e Marcelo Veiga; Axel, Zé Renato e Sérgio Manoel; Almir (Serginho Fraldinha), Paulinho e Cilinho.
Técnico: Geninho

INTERNACIONAL-RS
Fernnandez; Célio Lino, Célio Silva (Sandro Becker), Norton e Canhoto; Élson, Júlio e Marquinhos; Lima, Gérson e Zinho (Maizena).
Técnico: Antônio Lopes



Colorado simula contusões e foge de campo

Sendo goleados por 4×0, jogadores do Internacional simulam contusões e a partida acaba antes dos 90 minutos por falta de jogadores.

Segundo o ex-atleta Paulinho, este foi um dos seus tentos mais memoráveis.

Em um lance polêmico, Paulinho tomou a bola do goleiro paraguaio Gato Fernandez, que acabara de fazer uma defesa.

– Ele foi brincar na minha frente e eu não pensei duas vezes: enfiei o pé mesmo. O árbitro era o José Roberto Wright e ele validou o gol. Daí foi a maior confusão – recorda. Após o gol, três jogadores do Inter foram expulsos.