Navegando Posts marcados como Paulista de Jundiaí

Paulista 4 x 0 Santos

Data: 25/02/2004
Competição: Campeonato Paulista – 1ª Fase – Grupo B – 8ª rodada
Local: Estádio Jaime Cintra, em Jundiaí, SP.
Renda e Público: N/D.
Árbitro: Paulo César Oliveira (SP).
Cartões amarelos: Aílton, Canindé (P), André Luís, Elano, Robinho, Pereira, Diego (S).
Gols: Humberto (01-1), João Paulo (17-1), Canindé (35-1) e Izaías (33-2).

PAULISTA
Rafael; Lucas, Danilo, Asprilla, Galego; Umberto, Aílton (Tiago), Alemão (Tiago Almeida), Canindé; Izaías e João Paulo (Davi).
Técnico: Zetti.

SANTOS
Doni; Paulo César (Basílio), Alex, André Luís (Pereira), Léo; Claiton, Renato, Elano, Diego; Robinho e Róbson.
Técnico: Emerson Leão.

Santos 3 x 2 Paulista

Data: 30/01/2003, quinta-feira, 20h30.
Competição: Campeonato Paulista – Grupo 2 – 2ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 6.895 pagantes
Renda: R$ 65.890,00
Árbitro: Anselmo da Costa
Cartão amarelo: Vágner Mancini (P)
Gols: Ricardo Oliveira (18-1); Ricardo Oliveira (06-2), Alex (25-2), Anderson (26-2) e Vágner Mancini (43-2, de pênalti).

SANTOS
Fábio Costa; Elano, Alex, Preto e Léo; Paulo Almeida, Renato, Adiel (Douglas) e Diego (Alexandre); Robinho e Ricardo Oliveira (Wellington).
Técnico: Emerson Leão

PAULISTA
Buzzetto; Luís Paulo, Anderson, Thiago e Julinho (Guim); Alemão, Vágner Mancini, Júnior Ferreira (Cairo) e Fábio Gomes; Camanducaia e João Paulo (Edu).
Técnico: Edson Valandro



Ricardo Oliveira faz dois e Santos bate o Paulista

O Santos fez a festa da torcida na primeira partida na Vila Belmiro depois da conquista do Campeonato Brasileiro. O time do técnico Emerson Leão, que cumpre suspensão e não comandou a equipe do banco de reservas, venceu o Paulista por 3 a 2, na noite desta quarta-feira, pela segunda rodada do Campeonato Paulista.

Com o resultado positivo, o Santos pulou para a segunda colocação do Grupo 2 do Paulista, com quatro pontos. O Paulista está com três pontos ganhos, empatado com o São Paulo, mas em desvantagem no saldo de gols. A liderança é da Portuguesa Santista, com seis pontos.

Antes do início da partida, o zagueiro Preto recebeu uma placa em homenagem aos 100 jogos com a camisa do Santos, completados contra o Santo André, na estréia das duas equipes no Paulista.

O jogo

Com a bola rolando, o Santos foi dono das ações no primeiro tempo. Aos 7min, Ricardo Oliveira não enxergou Diego livre dentro da área e tentou marcar de calcanhar, mas o goleiro Buzzetto defendeu. Quatro minutos depois, Adiel cruzou e Robinho tentou de voleio, mas mandou por cima do gol.

Melhor em campo, o gol do Santos era apenas questão de tempo. E foi o que aconteceu. Aos 18min, Diego, que estava apagado em campo, foi derrubado na intermediária. Ricardo Oliveira cobrou a falta com perfeição e colocou no ângulo direito de Buzzetto, sem chances de defesa.

Depois de abrir o placar, o Santos tirou o pé do acelerador, mas voltou a levar perigo aos 36min. Robinho roubou de Camanducaia no campo de defesa e lançou Léo na entrada da área, mas o lateral chutou pela linha de fundo.

O Paulista aproveitou a lentidão santista para se lançar ao ataque. Aos 45min, João Paulo bateu forte da entrada da área. Fábio Costa desviou, a bola tocou o travessão e saiu pela linha de fundo.

Na segunda etapa, o Santos acordou. No primeiro minuto, Elano tocou de calcanhar para Robinho, que bateu, mas Buzzetto espalmou. No rebote, o próprio Elano chutou com perigo, pela linha de fundo. O troco veio no contra-ataque, com Fábio Gomes desperdiçando chance clara dentro da área santista.

No entanto, o Santos voltou a tocar a bola com velocidade e passou novamente a mandar no jogo. Aos 6min, Robinho roubou a bola no meio-campo e lançou Douglas, que entrara na vaga de Adiel. O meia tocou para Ricardo Oliveira, que recebeu na esquerda, dentro da área, e bateu cruzado na saída de Buzzetto. Foi o terceiro gol do ex-atacante da Portuguesa no Paulista.

Mesmo depois do gol, o Santos continuou pressionando. Aos 9min, Elano cruzou com perfeição para Ricardo Oliveira, que cabeceou para grande defesa de Buzzetto. Aos 16min, Robinho fez uma jogada sensacional, passando em velocidade entre dois zagueiros, mas chutou para fora.

A melhor chance de gol aconteceu aos 19min. Renato invadiu a área pela direita, driblou o goleiro e tocou para a pequena área. Robinho e Ricardo Oliveira entraram livres, sem marcação, mas se atrapalharam e a bola saiu por cima do gol.

Aos 25min, Diego cruzou da esquerda na cabeça do zagueiro Alex, que subiu entre os defensores do Paulista e tocou cruzado para marcar o terceiro do Santos. O Paulista descontou um minuto depois: Anderson aproveitou escanteio cobrado por Cairo e cabeceou com violência, fazendo o primeiro do time de Jundiaí.

Logo depois de sofrer o gol, o técnico Leão sacou Diego e colocou em campo o volante Alexandre. Com isso, o Santos se fechou na defesa e passou a tocar mais a bola, chegando sem pressa ao ataque.

Aos 43min, quando o placar parecia definido, Renato desviou com a mão e o árbitro Anselmo da Costa marcou pênalti. O experiente Vágner Mancini bateu rasteiro, no canto esquerdo, e fez o segundo do Paulista, mas não conseguiu evitar a derrota da equipe de Jundiaí.

O próximo adversário do Santos no Paulista será o Juventus, domingo, às 16h, na rua Javari. Às 17h, o Paulista buscará a reabilitação contra o Santo André, no estádio Jaime Cintra, em Jundiaí.

Santos 1 x 2 Etti Jundiaí

Data: 20/03/2002, quarta-feira, 21h00.
Competição: Torneio Rio SP
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 2.859 pagantes
Renda: R$ 20.725,00
Árbitro: Edílson Pereira de Carvalho (SP)
Cartões amarelos: André Luís e Preto (S); Jean Carlos e Léo (EJ).
Gols: Jean Carlos (24-1) e Diego (32-1); Marcinho (31-2).

SANTOS
Fábio Costa; Michel (Douglas), Preto, André Luís e Léo; Marcelo Silva, Renato (Wellington), Diego e Esquerdinha; Robert e Oséas (William).
Técnico: Celso Roth

ETTI JUNDIAÍ
Artur; Maurinho, Thiago, Márcio Santos e Fábio Vidal; Fábio Gomes, Léo, Cléber (Tomaz) e Marcinho; Nenê (Dedimar) e Jean Carlos (Wallace).
Técnico: Giba.



Pálido, Santos perde em casa e já está ameaçado de rebaixamento

Em mais uma exibição pálida no Torneio Rio-São Paulo, o Santos perdeu para o Etti Jundiaí por 2 a 1, na Vila Belmiro, e começou a ficar ameaçado de rebaixamento. O clube está com 15 pontos, apenas um a mais que Lusa e Ponte Preta, os dois piores paulistas. O pior será excluído da competição no próximo ano.

O primeiro tempo foi truncado e sem grandes emoções. Os times preferiram recorrer a faltas (foram 23 ao todo, 14 apenas do Santos) para barrar o avanço do adversário.

O time de Jundiaí, com mais vontade e melhor posicionamento, foi aos poucos assumindo o controle do jogo favorecido pelo nervosismo santista, que deixou a defesa em busca do primeiro gol.

Num contra-ataque, aos 24min, Maurinho fez todo o serviço e apenas tocou para Jean Carlos bater na saída de Fábio Costa e abrir o placar.

Muito antes disso, com pouco mais de dez minutos jogados, a torcida do Santos já havia perdido a paciência com Oséas e pedido William. Com a desvantagem no placar, os protestos aumentaram.

De fato, Oséas pouco acrescentou ao ataque da equipe do litoral. Não fosse a presença de Diego, o time pouco teria feito. Foi o garoto (além de Robert) que protagonizou as melhores jogadas dos 45 minutos iniciais.

E, numa cobrança de falta, aos 32min, Diego bateu com força e o goleiro Arthur nem viu por onde a bola passou.

O Jundiaí se manteve firme no propósito de manter os jogadores do Santos longe da área. Graças a isso, o que se viu foi um festival de chutes inócuos e de longa distância, insuficientes para nova mudança no placar.

O técnico Celso Roth, atendendo aos insistentes pedidos da torcida, tirou Oséas para colocar Willian no segundo tempo. A chuva forte, entretanto, prejudicou a intenção do treinador, já que o toque de bola não era a melhor alternativa.

A falta de criatividade do Santos era evidente, se bem que o rival (se aproveitando do gramado encharcado) despachou boa parte das bolas próximas à área com chutões. A partida já estava dando sono. Enquanto isso, entraram Wellington e Douglas, mas para nada.

Na única vez em que se arriscou no ataque, o Jundiaí desempatou: aos 31min, a bola sobrou para Marcinho tocar no canto direito de Fábio Costa e fazer 2 a 1.

Sem condição de organizar uma única jogada, o Santos partiu para o ataque na base do desespero, assim como havia acontecido na etapa inicial. A torcida, sempre descontente, gritava “olé” a cada toque do clube do interior.

Era o cenário ideal e costumeiro para mais um fracasso do eternamente ameaçado Celso Roth e seu nada empolgante Santos. O time chegou ao sexto jogo sem vencer e ficou mais distante da próxima fase do Rio SP. A PM teve de conter a torcida, que tentou agredir o presidente Marcelo Teixeira.

Santos 2 x 1 Paulista de Jundiaí

Data: 22/06/1986, domingo.
Competição: Campeonato Paulista – 2º turno – 6ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 909 pagantes
Renda: Cz$ 18.300,00
Árbitro: José Carlos Gomes do Nascimento
Gols: Bertólio (11-1) e Serginho Chulapa (30-1); Pedro Paulo (41-2).

SANTOS
Mano; César Sampaio, Celso, Pedro Paulo e Paulo Róbson; Dunga, Hugo De León (Mazinho Oliveira) e Paulo Leme (Ribamar); Carlos Alberto Borges, Serginho Chulapa e Zé Sérgio.
Técnico: Julio Espinosa

PAULISTA
Luís Fernando; Sotter, Joãozinho, Jorge Silva e Aírton; Vizzoli, Tata e Gilberto; Vandré (Ayala), Bertólio (Zezé Gomes) e Tuíco.
Técnico: Cidinho



Santos derrota o Paulista de virada por 2 a 1

Após duas derrotas por goleada o Santos se reforça com Celso, Paulo Robson e Dunga e volta a vencer. Esta partida seria disputada em 10 de agosto e foi antecipada para que o Santos pudesse disputar o Torneio em Rotterdam (Holanda).

Fonte: Jornal Folha de SP

Santos 0 x 0 Paulista de Jundiaí

Data: 02/03/1986, domingo, 16h30.
Competição: Campeonato Paulista – 1º turno – 2ª rodada
Local: Estádio Jayme Cintra, em Jundiaí, SP.
Público: 14.087 pagantes (16.748 total)
Renda: Cz$ 292.840,00
Árbitro: Emidio Marques Mesquita

PAULISTA DE JUNDIAÍ
Sérgio; Sotter, Joãozinho, Alexandre e Airton; Vizoli, André e Humberto; Gil (Rinaldo), Ricardo e Tuícon (César).
Técnico: Sérgio Lopes

SANTOS
Rodolfo Rodríguez; Gilberto Sorriso, Davi, Toninho Carlos e Paulo Róbson; Dunga, Celso e Carlos Alberto Borges (Paulo Leme); Junior, Gérson e Zé Sérgio.
Técnico: Júlio Espinosa



Santos fica só no empate

Fonte: Jornal Folha de SP