Navegando Posts marcados como Pedrinho

Náutico 1 x 2 Santos

Data: 31/10/2007, quarta-feira, 21h45.
Competição: Campeonato Brasileiro – 34ª rodada
Local: Estádio dos Aflitos, em Recife, PE.
Árbitro: Heber Roberto Lopes (Fifa-PR)
Auxiliares: Alessandro Rocha (BA) e Aristeu Leonardo Tavares (RJ).
Cartões amarelos: Elicarlos e Acosta (N); Adriano, Tabata e Rodrigo Souto (S).
Gols: Felipe (15-1); Pedrinho (41-1) e Kléber Pereira (45-2).

NÁUTICO
Fabiano, Radamés, Onildo, Toninho, Julio César, Daniel Paulista, Elicarlos (Marcelo Silva), Geraldo e Acosta; Marcelinho e Felipe (Ferreira).
Técnico: Roberto Fernandes

SANTOS
Fábio Costa; Dionísio, Marcelo, Domingos e Kléber; Rodrigo Souto, Adriano, Petkovic (Pedrinho) e Tabata (Vítor Júnior); Marcos Aurélio (Renatinho), Kléber Pereira.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Santos supera Náutico nos Aflitos e fica perto da Libertadores

Náutico e Santos entraram em campo decididos a vencer para facilitar suas respectivas metas neste Brasileirão: manutenção na elite do torneio e a vaga à Libertadores. O time da Vila, porém, foi melhor, venceu por 2 a 1, nesta quarta-feira à noite, nos Aflitos, e ficou mais perto do torneio sul-americano.

O Santos se manteve na segunda posição do Brasileiro, com 58 pontos, se distanciando do concorrente Grêmio, 54 pontos. Outro rival, o Flamengo também venceu, chegando aos 55 pontos e assumindo a 3ª posição.

Já o Náutico perdeu sua invencibilidade de cinco jogos seguidos em casa com vitória. Ameaçado pelo rebaixamento, o Náutico, por sorte, viu seus concorrentes perderem; o Goiás caiu em casa diante do Vasco e o Corinthians para o Flamengo.

Uma derrota seria catastrófica para ambas as equipes. Por isso, Náutico e Santos não economizaram jogadas ofensivas na primeira etapa. O time da Vila começou assustando os donos da casa. Aos 9min, Marcos Aurélio invadiu a área e chutou no travessão.

A resposta do Náutico não demorou. Aos 16 min, o lateral Júlio César cruzou na cabeça do atacante Felipe, que teve o cuidado de cabecear no contrapé de Fábio Costa. Desde então, o clube pernambucano soube trabalhar mais a bola no ataque; o Santos ameaçava com contragolpes rápidos.

Quando a etapa inicial estava pra se encerrar, Kléber Pereira, aos 45 min, foi mais ligeiro que o goleiro Fabiano e tocou a bola para o gol, após linda enfiada de bola de Rodrigo Tabata. Criticado pela torcida santista na rodada passada, Kléber Pereira encerrou a fase sem gols no Brasileirão, que já durava oito partidas.

O Santos voltou a acertar bola na trave do Náutico após o intervalo de jogo. Ousado, o lateral Dionísio arriscou chute de longa distância, aos 21 min da segunda etapa, assustando o goleiro Fabiano. Temendo serem surpreendidos, os times paulistas e pernambucanos se seguraram em campo.

Novamente decisivo, o meia Pedrinho repetiu a exibição da rodada passada, quando marcou contra o Goiás e anotou o gol da vitória sobre o náutico, aos 41 min. Kléber lançou Pedrinho, que chutou cruzado, num lindo gol.

Na próxima rodada, o Santos enfrenta o Atlético-MG, domingo, na Vila Belmiro, enquanto o Náutico sai de casa para encarar o Fluminense, no Maracanã.

Santos 3 x 0 Goiás

Data: 27/10/2007, sábado, 18h10.
Competição: Campeonato Brasileiro – 33ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 13.058 pagantes
Renda: R$ 145.130,00
Árbitro: Wilson Souza de Mendonça (PE)
Auxiliares: Milton Otaviano dos Santos (RN) e Altemir Hausmann (RS).
Cartões amarelos: Cristiano, Cléber Goiano, Fabiano e Paulo Henrique (G); Pedrinho (S)
Gols: Pedrinho (02-2), Rodrigo Tabata (29-2) e Vítor Júnior (36-2).

SANTOS
Fábio Costa; Dionísio, Domingos, Marcelo e Kléber; Adoniran (Adriano), Rodrigo Souto, Petkovic (Pedrinho) e Rodrigo Tabata (Vítor Júnior); Marcos Aurélio e Kléber Pereira.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

GOIÁS
Harlei; Vítor, Ernando, Paulo Henrique (Luiz Henrique) e André Leone; Amaral, Fábio Bahia, Cléber Goiano e Paulo Baier; Rinaldo (Fabiano) e Cristiano (Wendel).
Técnico: Márcio Araújo



Santos vence Goiás por 3 a 0 e adia título do São Paulo

O Santos venceu o Goiás por 3 a 0, na noite sábado, na Vila Belmiro, pela 33ª rodada do Campeonato Brasileiro. Com este resultado, o time alvinegro adiou o título do São Paulo, que neste domingo enfrenta o Sport, em Recife. O Santos subiu para 55 pontos, na segunda posição, e ainda segue com chances matemáticas de ser campeão.

Porém, mais importante que isso para a equipe de Vanderlei Luxemburgo é que a permanência no G-4 está garantida, independentemente dos outros resultados da rodada. Os gols santistas foram marcados por Pedrinho, Rodrigo Tabata e Vítor Júnior, todos no segundo tempo.

Já o Goiás continua com 41 pontos, na 16ª posição, e pode ser igualado pelo Corinthians, que soma 38 e está na zona do rebaixamento, em 17º lugar. Com isso, além de adiar o título tricolor, o Santos ajudou indiretamente o rival do Parque São Jorge.

O time de Luxemburgo entrou em campo precisando vencer para continuar com chances matemáticas de título e, principalmente, para não sair da zona de classificação à Copa Libertadores. Insatisfeito com a atuação da equipe na derrota para o Figueirense na última rodada, o técnico do clube do litoral promoveu alterações. A principal delas foi a entrada de Rodrigo Tabata na equipe titular.

O Goiás, por sua vez, precisava dos três pontos para se distanciar da zona do rebaixamento. A aposta da equipe do Centro-Oeste era Paulo Baier, que completou 33 anos durante a semana e passa por um bom momento no futebol.

Logo aos nove minutos, o volante Adoniran sentiu uma lesão e teve que ser substituído por Adriano. Apoiado pela torcida e sob forte calor, o Santos dominou o primeiro tempo, apesar da falta de objetividade. Enquanto isso, o Goiás se fechou na defesa e pouco se arriscou no ataque.

No intervalo, o meia Petkovic, que teve uma atuação discreta na etapa inicial, deu lugar a Pedrinho, sequer relacionado para o banco de reservas nas duas últimas rodadas por opção de Luxemburgo.

Nem mesmo o treinador esperava um resultado tão imediato. No primeiro minuto, o meia bateu cruzado e abriu o placar para alegria dos santistas. Foi o nono gol de Pedrinho na competição.

O técnico Márcio Araújo, do Goiás, que já havia substituído Cristiano por Wendel, no intervalo, colocou Luiz Henrique e Fabiano nos lugares de Paulo Henrique e Rinaldo, respectivamente, aos 15min do segundo tempo.

O Goiás melhorou. Mas a sorte do comandante esmeraldino não estava tão calibrada como a de Luxemburgo. Em sua primeira investida no ataque, Luiz Henrique carimbou o travessão. Rodrigo Tabata, aos 29min, e Vítor Júnior, aos 36min, ainda ampliaram para o time da casa.

Na próxima rodada, o Santos enfrenta outra equipe ameaçada pela degola, o Náutico, na quarta-feira, às 20h30, fora de casa.

Santos 3 x 1 Atlético-PR

Data: 30/08/2007, quinta-feira, 20h30.
Competição: Campeonato Brasileiro – 22ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 2.784 pagantes
Renda: R$ 31.732,00
Árbitro: Carlos Eugênio Simon (Fifa-RS)
Auxiliares: Marcel Bertanha Barison e José Antônio Chaves (ambos do RS).
Cartões amarelos: Domingos (S) e Alan Bahia (A)
Gols: Antonio Carlos (11-1) e Domingos (29-1); Pedrinho (08-2) e Kléber Pereira (31-2).

SANTOS
Fábio Costa; Baiano, Marcelo, Domingos e Kléber; Maldonado, Adriano, Petkovic (Rodrigo Tabata) e Pedrinho (Vitor Júnior); Marcos Aurélio e Kléber Pereira (Renatinho).
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

ATLÉTICO-PR
Viáfara; Nei, Antonio Carlos, Danilo e Edno; Valencia, Alan Bahia, Claiton (William) e Ramon (Evandro); Ferreira e Pedro Oldoni (Gustavo).
Técnico: Ney Franco



Santos vira, afunda Atlético-PR, mantém boa fase e cola no G-4

Mesmo com dificuldades, o Santos manteve o aproveitamento recente no Campeonato Brasileiro e venceu de virada diante de sua torcida. Nesta quinta, na Vila Belmiro, o time do técnico Vanderlei Luxemburgo saiu atrás no marcador, mas ganhou do Atlético-PR por 3 a 1 e se aproximou do G-4.

Com o resultado, o Santos chegou aos 36 pontos, assumiu a quinta colocação na tabela do Nacional, à frente do Palmeiras pelo número de vitórias (11 contra dez), e está apenas dois atrás do Botafogo, que ocupa o quarto lugar com 38.

Além disso, a equipe da Baixada Santista também manteve sua boa fase na competição, que começou no início de agosto. Nesse mês, foram seis vitórias nos últimos sete jogos, que fizeram o clube pular da 13ª posição para a situação atual.

Se o período foi bom para o Santos, o mesmo não pode dizer o Atlético-PR. No mês em que trocou de técnico (Antônio Lopes saiu para a chegada de Ney Franco), o clube rubro-negro atuou oito vezes (uma pela Sul-Americana), perdeu cinco, empatou duas e venceu apenas uma. Agora, o time ocupa a 17ª posição, com 23 pontos.

“A situação ficou com o sinal vermelho. Embora tenhamos muitas rodadas ainda pela frente, a gente sabe que tem elenco para contornar os problemas, mas estamos precisando de vitórias”, disse o técnico Ney Franco.

Para os donos da casa, mais que a proximidade com o G-4, o triunfo é importante para manter o time na busca ao líder São Paulo. Objetivo do técnico Vanderlei Luxemburgo, o já distante título brasileiro ficaria ainda mais complicado se o Santos ficasse 14 pontos atrás do arqui-rival (situação que aconteceria em caso de derrota).

“A gente conversou que não adiantava torcer para os adversários tropeçarem e não fazer o nosso papel. Nós fizemos e lá na frente vamos ter o confronto direto e podemos passar os concorrentes”, disse o meia Pedrinho.

E as dificuldades do início do jogo sugeriam a possibilidade de tropeço. Atrapalhado pela ausência do volante Rodrigo Souto, lesionado, e pela forte marcação do Atlético-PR, o meio-campo alvinegro não repetiu as boas atuações das partidas recentes e teve dificuldades na criação.

Como dominava a criação adversária, o clube da Arena da Baixada encontrou espaços no início da primeira etapa, e conseguiu abrir o placar. Logo aos 11min, Ramon cruzou da esquerda e Antonio Carlos se aproveitou de falha da defesa para cabecear firme e abrir o placar.

Daí em diante, o time visitante recuou, chamou o Santos para o seu campo de defesa e acabou sofrendo o empate, também por meio de bola alta. Aos 29min, Kléber cobrou falta na área do Atlético-PR, Domingos desviou, a bola bateu na trave esquerda, de novo em Viáfara e entrou.

A virada do time litorâneo viria logo no início da etapa final. Aos 8min, depois de cruzamento da direita, Pedrinho dominou no peito e bateu de perna esquerda para virar. Aos 31, Kléber Pereira ainda cobrou pênalti com categoria e marcou seu nono gol desde que chegou ao clube.

Na próxima rodada, no domingo, o Santos faz o clássico contra o Corinthians no Pacaembu. No mesmo dia, o Atlético-PR recebe o Atlético-MG na Arena da Baixada.

Santos 3 x 0 Flamengo

Data: 05/08/2007, domingo.
Competição: Campeonato Brasileiro
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 6.673 pagantes
Renda: R$ 87.912,00
Árbitro: Evandro Rogério Roman (PR)
Auxiliares: Roberto Braatz e Rogério Carlos Rolim (ambos do PR)
Cartões amarelos: Roger (F) e Dionísio (S).
Gols: Pedrinho (21-1) e Marcos Aurélio (32-1); Kléber (05-2).

SANTOS
Fábio Costa; Adaílton, Domingos e Marcelo; Alessandro, Adoniran, Kléber, Pedrinho (Adriano) e Dionísio (Rodrigo Tabata); Marcos Aurélio (Vítor Júnior) e Kléber Pereira.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

FLAMENGO
Bruno; Leonardo Moura, Irineu, Ronaldo Angelim e Juan; Jaílton (Paulo Sérgio), Cristian, Ibson, Renato Augusto e Roger (Maxi Biancucchi); Obina.
Técnico: Joel Santana



Santos vence Flamengo por 3 a 0 e afunda o rival

Apesar de não possuir um bom aproveitamento na Vila Belmiro no Campeonato Brasileiro, o Santos fez valer a força de atuar em seu território neste domingo. Com bom rendimento ofensivo, o time paulista derrotou o Flamengo em casa por 3 a 0, e estragou a estréia do técnico Joel Santana à frente da equipe rubro-negra.

“Uma vitória assim mexe com o astral de todos os jogadores. Precisávamos ganhar em casa dessa forma para passar confiança para a nossa torcida. Agora vamos manter a média até o fim do primeiro turno”, comemorou o lateral-direito Alessandro, um dos destaques do duelo.

Esse foi o quarto triunfo do clube da Baixada em seu estádio na Série A (o time perdeu outros três jogos e empatou dois) e foi suficiente para deixar o Santos com 24 pontos, em nono lugar.

Já o Flamengo manteve os 12 pontos, na penúltima colocação. “Eu sei que ninguém quer ver o Flamengo assim. Só podemos pedir paciência para a torcida para podermos sair dessa situação”, lamentou o volante Ibson.

Para a partida deste domingo, o técnico Vanderlei Luxemburgo manteve o esquema 3-5-2, com Kléber atuando na armação das jogadas no meio-campo durante boa parte do jogo. Joel Santana, por sua vez, escalou o time no 4-5-1, e colocou Obina isolado na frente. Ele também promoveu a estréia de Ibson, além de colocar Roger pela primeira vez como titular.

O confronto começou bastante disputado e os visitantes adotaram uma postura mais ofensiva que o rival. Entretanto, o Santos se aproveitou de jogada pela esquerda para sair na frente aos 21min, com Pedrinho. Depois do gol, o time alvinegro saiu mais para os contra-ataques até ampliar aos 32min, com Marcos Aurélio.

A equipe da casa conseguiu fazer o terceiro logo aos 5min do segundo tempo, em cobrança de falta de Kléber, e ganhou tranqüilidade para o restante do jogo. Joel Santana ainda promoveu a entrada de Maxi Biancucchi (primo de Lionel Messi, do Barcelona) no lugar de Roger, mas não foi o suficiente para balançar a rede adversária.

Com o resultado, o Santos também manteve o tabu de jamais ter sido derrotado em seus territórios pelo time rubro-negro em uma partida oficial. Nas 15 vezes em que as equipes se enfrentaram no estádio alvinegro, os paulistas venceram 12 e empataram três.

Na próxima rodada do Campeonato Brasileiro o Flamengo enfrenta o Atlético-PR na Arena da Baixada, nesta quarta-feira, às 21h45. Já o Santos volta a campo no dia seguinte contra o Paraná Clube, na Vila Belmiro, às 20h30.

Santos 3 x 1 Figueirense

Data: 22/07/2007
Competição: Campeonato Brasileiro
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Árbitro: Marcelo de Lima Henrique (RJ)
Auxiliares: Dibert Pedrosa Moisés e Wagner de Almeida Santos (ambos de RJ).
Cartões amarelos: Dionísio (S) e Edson (F).
Cartão vermelho: Henrique (F)
Gols: Kléber Pereira (33-1) e Kléber Pereira (38-1); Otacílio Neto (10-2) e Pedrinho (39-2).

SANTOS
Fábio Costa; Alessandro (Dionísio), Domingos, Adaílton e Kléber; Rodrigo Souto, Adriano, Tabata (Carlinhos) e Pedrinho; Marcos Aurélio e Kléber Pereira (Moraes)
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

FIGUEIRENSE
Wilson, Felipe Santana, Edson e Vinicius; Diogo, Henrique, Cleiton Xavier (Ramon), Ruy e André Santos; Otacílio Neto (Vagner) e Alexandre (Victor Simões)
Técnico: Mário Sérgio



Kléber Pereira estréia como titular e garante vitória do Santos

O Santos deu mais um passo na sua recuperação no Campeonato Brasileiro neste domingo. Com Kléber Pereira, titular pela primeira vez, marcando dois gols, o time do técnico Vanderlei Luxemburgo venceu o Figueirense na Vila Belmiro por 3 a 1 e já soma quatro jogos de invencibilidade, se aproximando cada vez mais dos primeiros colocados.

“Queremos chegar no G-4. Acho que estamos em busca de uma recuperção. Só temos de prestar atenção para não tomarmos o gol que tomamos hoje”, disse o zagueiro Adaílton.

Com o resultado, o Santos chega aos 18 pontos, agora na 11ª posição da tabela, apenas três a menos que o Grêmio, último no G-4 – grupo dos quatro melhores que se classificam para a Copa Libertadores do ano que vem, objetivo declarado do treinador alvinegro.

Já o Figueirense se distancia da elite do certame. Ainda com 17 pontos, a equipe de Santa Catarina fica na 13ª colocação, com duas derrotas seguidas – na última rodada perdeu para o Sport no Orlando Scarpelli.

A vitória ratifica a reação do Santos no Brasileirão. Depois de começar mal, chegando a ocupar a zona do rebaixamento, a equipe alvinegra encontrou seu melhor futebol e voltou a vencer.

Foram dois triunfos seguidos, contra Cruzeiro e Botafogo (4 a 1 e 3 a 0, respectivamente, ambos em casa). Na última quinta-feira, cedeu o empate por 2 a 2 para o Palmeiras no último minuto de jogo, mas agora volta a vencer diante do seu torcedor.

Mais que isso, o Santos consegue, enfim, um bom rendimento do seu setor ofensivo. Somente nessa seqüência de quatro jogos, foram 12 gols marcados, mais que os sete anotados nas outra nove partidas disputadas.

Além disso, a equipe parece ter encontrado uma referência, tão reclamada no primeiro semestre. Com os dois gols contra o Figueirense, Kléber Pereira já tem metade dos gols do atacante santista que mais balançou as redes (Marcos Aurélio, quatro vezes).

Em campo, quem ajudou o novo camisa 9 alvinegro a fazer boa partida foi o lateral-esquerdo Kléber. Sem Alessandro, lesionado logo nos primeiros minutos, o ala canhoto tornou-se a única opção ofensiva pelos lados do campo, e deu conta do recado. Aos 33min, fez cruzamento perfeito para Kléber Pereira abrir o placar. O mesmo atacante, cinco minutos depois, ampliou em chute de fora da área.

No segundo tempo, o panorama da partida continuou o mesmo. O Santos, apoiado pela torcida, mantinha mais posse de bola, mas, acomodado com o resultado positivo, deu espaços para o adversário, e Otacílio Neto, aos 10min da segunda etapa, fez de cabeça o gol do Figueirense. O time da casa, porém, aos 39min, marcou o terceiro com Pedrinho, aproveitando falha da defesa adversária.

Na próxima quarta-feira, o Santos visita o Goiás no Serra Dourada, enquanto o Figueirense recebe o Corinthians no Orlando Scarpelli.