Navegando Posts marcados como Pinheirão

Paraná 1 x 1 Santos

Data: 13/08/2006, domingo, 18h10.
Competição: Campeonato Brasileiro – 16ª rodada
Local: Estádio Pinheirão, em Curitiba, PR.
Público: 16.851 pagantes
Renda: R$ 193.490,00
Árbitro: Antônio Hora Filho (SE)
Auxiliares: Antônio da Cruz dos Santos e Ivaney Alves de Lima (ambos do SE)
Cartões amarelos: Edmilson (P); Leandro (S).
Gols: Wellington Paulista (05-1) e Maicossuel (13-1).

PARANÁ
Marcos Leandro; Gustavo, Edmilson (Neguete) e Emerson; Ângelo, Pierre (João Victor), Felipe Alves, Maicossuel e Edinho; Sandro (Zumbi) e Leonardo.
Técnico: Caio Júnior

SANTOS
Fábio Costa; Manzur, Luiz Alberto e Ronaldo Guiaro (Rodrigo Tiuí); Dênis, Wendel, Cléber Santana, André (Rodrigo Tabata) e Kléber; Wellington Paulista (Leandro) e Jonas.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Santos e Paraná empatam no Pinheirão e descem na tabela

A rodada não foi o que Santos e Paraná esperavam. Se antes dela, ambos almejavam a liderança da Série A, ao seu término os dois times viram o líder São Paulo abrir cinco pontos de diferença e se isolar ainda mais na liderança, após empate no Pinheirão por 1 a 1, neste domingo.

Além da distância do líder, Paraná e Santos foram ultrapassado na tabela pelo Internacional (que venceu o Fortaleza de virada por 2 a 1, no Castelão), que assume a vice-liderança da competição, com 29 pontos. Além disso, o Fluminense também triunfou (diante do Cruzeiro, por 3 a 2, no Mineirão) e empatou em número de pontos com as equipes (ficando atrás por saldo de gols).

O resultado mantém as equipes na terceira e quarta posição na tabela de classificação, com 28 pontos. O São Paulo venceu o Goiás por 2 a 1 e assumiu a liderança isolada da Série A, com 33 pontos.

Com o empate, a equipe de Vanderlei Luxemburgo quebrou uma seqüência de três vitórias consecutivas, e com o empate, não igualou a marca obtida no início da competição, quando completou quatro partidas seguidas com triunfos (Atlético-PR, Palmeiras, Fortaleza e Ponte Preta).

Apesar do resultado não planejado, o zagueiro Luiz Alberto preferiu ver o lado positivo do empate. “O Paraná tem um time muito rápido, mas nós marcamos com eficiência. Foi um jogo taticamente muito disputado e isso valorizou o resultado. O mais importante é que nós nos mantivemos entre os primeiros colocados do Campeonato Brasileiro”, afirmou.

Com os gols da partida, Santos e Paraná mantém a melhor defesa e ataque do campeonato, respectivamente. A equipe santista passa a ter 14 gols sofridos, enquanto os anfitriões deste domingo sobem para 30 gols, garantindo ainda o melhor ataque da competição.

Paraná e Santos retornam aos gramados em datas diferentes. Enquanto o time da Vila Belmiro enfrenta o Cruzeiro, em casa, na próxima quinta-feira, a equipe paranaense folga no meio da semana (a partida foi adiada, já que seu adversário seria o Internacional, que disputa a final da Copa Libertadores com o São Paulo na quarta-feira) e joga contra o São Caetano, domingo, novamente no Pinheirão.

O jogo

O confronto no Pinheirão começou como se esperava. Bastante movimentação de ambos os times e busca ao ataque. Porém, com o apoio de sua torcida, o time da casa abusou da ofensividade e foi surpreendido logo aos 5min.

Em rápido contra-ataque, o atacante Wellington Paulista recebeu lançamento livre pela direita, invadiu a área e bateu cruzado, marcando seu primeiro gol no Santos. Na equipe adversária, o atacante disputou os últimos dois Campeonatos Brasileiros, e não marcou em nenhum deles.

A vantagem santista poderia ter sido ampliado momentos depois, aos 10min. Após falha do goleiro Marcos Leandro (que substituiu Flávio, suspenso), a bola escapou de suas mãos, mas Wellington Paulista não aproveitou e bateu para fora.

Apesar desse lance isolado, o gol não abalou os anfitriões, que mantiveram o ritmo e não demoraram para igualar o resultado do jogo e derrubar a defesa menos vazada do campeonato. Em linda tabela com Edinho, Maicossuel invadiu a área do Santos e tocou na saída de Fábio Costa, aos 13min.

Mesmo com três zagueiros, os visitantes ofereciam espaços ao Paraná, que dominou a primeira metade da etapa inicial. O time alvinegro apenas voltou a assustar no fim da primeira etapa, porém, não com muito perigo.

“Tomamos o gol no inicio em uma jogada que nós já imaginávamos que poderia acontecer, já que o forte deles é o contra-ataque, mas as grandes chances, sem dúvida, foram do Paraná”, resumiu o técnico Caio Júnior, ao fim da primeira etapa.

A empolgação do início do primeiro tempo não se repetiu no segundo. A ida para os vestiários parece ter esfriado o jogo, que seguiu com poucas chances de perigo. As únicas foram paralisadas pelos assistentes, que erraram em suas marcações de impedimento. Wellington Paulista e Maicossuel chegaram a ficar sozinhos com seus goleiros adversários (o segundo chegou até a marcar), mas suas conclusões não valeram.

Com os gritos dos torcedores, o Paraná ameaçou superioridade diante do Santos, na metade do segundo tempo. Mas nada que assustasse o goleiro Fábio Costa, que praticamente não trabalhou na partida. Luxemburgo ainda tentou buscar mais o ataque, mudando o esquema do time para o 4-4-2, tirando um zagueiro (Ronaldo Guiaro) e colocando um atacante (Rodrigo Tiuí). Porém, nada foi suficiente para que a partida tivesse mais um gol.

Paraná 2 x 1 Santos

Data: 25/08/2004
Competição: Copa Sul-Americana – Fase Preliminar – Jogo de ida
Local: Estádio do Pinheirão, em Curitiba, PR.
Público: 2.356 pagantes.
Renda: R$ 15.992,00.
Árbitro: Álvaro Quelhas (BRA).
Cartões amarelos: Etto (P); Marcinho, Zé Elias, Ávalos (S).
Gols: Fernando (30-1), Marcinho (37-1), Maranhão (13-2).

PARANÁ CLUBE
Flávio (Darci 46); Etto, João Paulo, Nelinho, Edinho; Messias (João Vitor), Éverton (Beto), Cristian, Fernando; Maranhão e Galvão.
Técnico: Gilson Kleina.

SANTOS
Mauro; Flávio, Ávalos, Domingos, Márcio (Lelo); Zé Elias, Bóvio, Marcinho, Luís Augusto; Basílio e William.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo.



Santos “B” estréia com derrota em Curitiba

O Santos estreou com derrota na Copa Sul-Americana. Jogando em Curitiba, a equipe paulista perdeu para o Paraná por 2 a 1. Com isso, precisa vencer por dois gols de diferença no jogo de volta para seguir no torneio.

Só que o time que enfrentou o Paraná não contou com as principais estrelas santistas. O técnico Wanderley Luxemburgo resolveu priorizar o Campeonato Brasileiro e escalou apenas jogadores reservas nesta quarta-feira.

E o segundo confronto entre Santos e Paraná acontece no sábado, dia 4 de setembro, na Vila Belmiro. O sobrevivente deste embate enfrentará o Flamengo na fase seguinte da Sul-Americana.

Esta é a segunda derrota do Santos na história do torneio. Antes, o time paulista havia perdido para o Cienciano na temporada passada. A equipe peruana fez 2 a 1 em partida válida pelas quartas-de-final e abriu caminho para a conquista do título.

O jogo

O Santos esqueceu os desfalques e começou melhor, principalmente com as participações do veloz Basílio. Aos 4min, por exemplo, o atacante invadiu a área, driblou o zagueiro Nelinho e foi travado na hora de concluir.

Três minutos depois, Marcinho fez jogada individual pela direita e cruzou para a área. William ganhou da defesa e cabeceou para fora, à esquerda do goleiro Flávio.

A pressão do Santos, contudo, parou nos minutos iniciais. A marcação do Paraná sobre Basílio melhorou e a equipe paulista passou a sentir a falta de entrosamento. Daí em diante, errou seguidos passes e permitiu a reação dos donos da casa.

Entretanto, o Paraná demonstrou muita fragilidade no setor ofensivo. Com isso, mesmo desarrumado, o Santos teve as melhores oportunidades de inaugurar o marcador. Foi assim aos 22min, quando Marcinho recebeu e chutou cruzado, em cima do corpo de Flávio. O rebote ainda ficou com o meio-campista Bóvio, que arriscou de fora da área e obrigou o camisa 1 dos donos da casa a praticar grande defesa.

Se os erros davam o tom nos ataques, foi de um erro na defesa que nasceu o primeiro gol da noite. O estreante Zé Elias saiu jogando mal pela esquerda e entregou a bola de presente para Cristian, que cruzou rasteiro. Fernando dominou dentro da área e tocou rasteiro, no canto esquerdo do goleiro Mauro.

O gol animou o Paraná. Aos 35min, Maranhão arriscou de fora da área e a bola passou perto da trave esquerda de Mauro. No lance seguinte, Galvão recebeu lançamento muito longo e o camisa 1 do Santos conseguiu interceptar.

Quando ensaiava uma pressão, o Paraná foi castigado em uma jogada individual. Marcinho dominou na meia-direita aos 39min, disparou uma bomba de pé direito e acertou o ângulo esquerdo do goleiro Flávio: 1 a 1.

Depois do empate, o ritmo da partida caiu. Tanto que os goleiros só voltaram a trabalhar no segundo tempo. Aos 6min, Basílio recebeu na direita, driblou para o meio e chutou de pé esquerdo. A bola bateu na rede lateral do gol paranaense.

Melhor no segundo tempo, o Santos sofreu com uma falha na marcação. Edinho tabelou com Fernando aos 12min e cruzou no segundo pau. Maranhão subiu sozinho e cabeceou forte para fazer o segundo gol dos donos da casa.

A derrota obrigaria o Santos a vencer o jogo de volta, na Vila Belmiro. Por isso, a equipe paulista resolveu atacar. Bóvio chutou forte aos 15min e o goleiro Darci, que entrou no lugar de Flávio, conseguiu defender.

Entretanto, quando precisava pressionar, o Santos sentiu falta de entrosamento e de preparo físico. O ritmo do time visitante caiu e o Paraná se concentrou na defesa para segurar a vitória simples e levar a vantagem para a partida de volta.



Créditos:
Ficha Técnica: Fernando Ribeiro

Paraná 3 x 2 Santos

Data: 21/04/2004
Competição: Campeonato Brasileiro – 1º turno – 1ª rodada
Local: Estádio do Pinheirão, em Curitiba, PR.
Público: 6.744
Renda: R$ 98.848,00
Árbitro: Giulliano
Cartões amarelos: Cláudio, Axel, Beto, Fernando Marchiori, Jean Carlo e Adriano Magrão (PR). Alex e Paulo César (S).
Cartão vermelho: André Luís (S).
Gols: Galvão (13 s), Léo (26-1), Carlinhos (43-1); Chokito (33-2) e Robinho (38-2).

PARANÁ
Flávio, Wesley, Nelinho, Carlinhos e Cláudio; Axel, Beto, Fernando Marchiori (Lombardi) e Jean Carlo; Adriano Magrão (Goiano) e Galvão (Chokito).
Técnico: Paulo Campos

SANTOS
Júlio Sérgio, Paulo César (Basílio), André Luís, Alex e Léo; Claiton, Renato, Diego e Elano (Alcídes); Leandro Machado (Lopes) e Robinho.
Técnico: Émerson Leão.



O jogo

Mesmo antes do já preocupante êxodo de jogadores, o Santos foi derrotado nesta noite em sua estréia no Campeonato Brasileiro-2004. Apontado como um dos favoritos ao título, o time do técnico Emerson Leão caiu por 3 a 2 diante do Paraná, no estádio Pinheirão, em Curitiba.

O primeiro gol da equipe paranaense saiu logo aos 13 segundos de jogo. O atacante Galvão chutou forte, de dentro da área, e venceu o goleiro Júlio Sérgio.

O empate santista veio aos 26min, com Léo. O lateral-esquerdo recebeu passe de Elano, driblou o goleiro Flávio e marcou.

Ainda no primeiro tempo, aos 43min, o zagueiro Carlinhos colocou o Paraná mais uma vez à frente, completando de cabeça um escanteio.

Na segunda etapa, aos 33min, Chokito fez o terceiro da equipe da casa, completando um cruzamento da direita. Robinho, aos 38min, recebeu na esquerda e chutou na saída de Flávio para diminuir.

Antes da partida, Leão admitiu que o time deve perder pelo menos três jogadores para a Europa no meio do ano. O zagueiro Alex vai para o PSV (Holanda), e o zagueiro Alcides e o volante Paulo Almeida devem ir para o Benfica (Portugal).

Também há rumores de que o zagueiro André Luís, o volante Renato e o meia Diego poderiam deixar a Vila Belmiro.

Atlético PR 1 x 1 Santos – 1 x 4 nos pênaltis

Data: 07/09/1988, quarta-feira, 15h30.
Competição: Campeonato Brasileiro (Copa União) – 1º turno – 2ª rodada – Grupo B
Local: Estádio do Pinheirão, em Curitiba, PR.
Público: 6.533 pagantes
Renda: CrZ$ 3.919.800,00
Árbitro: Dalmo Bozzano (SC).
Gols: Leandro (01-1); Adilson (30-2).
Pênaltis: Santos: Mendonça, Heraldo, Giba e César Ferreira marcaram. Atlético-PR: Serginho (defesa) e Carlinhos (defesa) perderam; Vilson marcou.

SANTOS
Nilton; Heraldo, Davi, Nildo e Luizinho (Ijuí); Cesar Ferreira, Mendonça, Marco Antonio Cipó e Giba; Leandro (Essinho) e Sidney.
Técnico: Carlos Gainete

ATLÉTICO-PR
Marolla; Odmilson, Hilton, Adilson e Miranda; Cacau, Roberto Cavalo (Dicão) e Manguinha (Vilson); Carlinhos, Serginho e Marquinhos.
Técnico: Nelsinho Baptista



Nilton defende dois pênaltis e Santos ganha em Curitiba

Com a vitória nos pênaltis o Santos garantiu 2 pontos na partida. O goleiro Nilton defendeu duas penalidades.

Fonte: Jornal Folha de SP