Navegando Posts marcados como Portuguesa Santista

Santos 2 x 1 Portuguesa Santista

Data: 18/01/2009, domingo, 17h00.
Competição: Amistoso
Local: Estádio do Pacaembu, em São Paulo, SP.
Público: 20.230 pessoas (14.330 pagantes e 5.900 não pagantes)
Renda: R$ 149.170,00
Árbitro: Paulo Roberto Ferreira (SP)
Cartões amarelos: Roberto Brum, Paulo Henrique Ganso e Astorga (S); Cleiton, Eydson, William (PS).
Gols: Kléber Pereira (14-1) e Kléber Pereira (27-1); William (48-2).

SANTOS
Fábio Costa (Douglas); Luizinho (Pará), Domingos (Paulo Henrique), Adaílton (Astorga) e Kléber (Triguinho); Roberto Brum (Robson), Rodrigo Souto (Adriano), Lúcio Flávio (Germano) e Madson; Roni (Tiago Luis) e Kléber Pereira (Molina).
Técnico: Márcio Fernandes

PORTUGUESA SANTISTA
Fernando (Alexandre); Cleiton (Gustavo), Franque (Diego), Jailson (Beto) e William; Luciano (Douglas), Everton (Eydson), Felipe (Luisinho) e Caca; Jorginho e Saldanha (Ítalo).
Técnico: Rodrigo Pastana



Santos vence amistoso com gols de Kléber Pereira

O Santos venceu a Portuguesa Santista por 2 a 1 neste domingo, no Estádio do Pacaembu, na primeira partida da equipe na temporada. E assim como em 2008, quando Kléber Pereira foi decisivo para que a equipe não fosse rebaixada para a Série B do Campeonato Brasileiro, o time venceu o amistoso graças aos gols do centroavante.

A partida serviu como apresentação do elenco do Santos, aos torcedores que compareceram em bom número ao Pacaembu – 20.230. Antes do jogo, todos atletas tiveram seus nomes anunciados. Além disso, Bolaños, que não participou do duelo, também esteve no estádio.

A primeira oportunidade de gol da partida foi da Portuguesa Santista, que só não marcou graças a excelente defesa da Fábio Costa em chute de Felipe, aos 11 minutos. O susto parece ter acordado o Santos, que teve boa chance logo depois com o estreante Lúcio Flávio, em cobrança de falta.

O primeiro gol santista saiu aos 16 minutos. Luizinho, que também atuava pela primeira vez na equipe, cruzou para Kléber Pereira, de cabeça, abrir o placar. E não demorou para o centroavante fazer o segundo gol. Aos 27, Lúcio Flávio cobrou escanteio, o goleiro Fernando desviou e a bola sobrou para Kléber Pereira, que completou para as redes: 2 a 0 Santos. Aos 39 minutos, o artilheiro quase fez o terceiro gol, aproveitando lançamento de Madson. Ele bateu cruzado, mas a bola desviou em um defensor da Portuguesa Santista.

No segundo tempo, o técnico Márcio Fernandes promoveu várias mudanças na equipe e o ritmo do jogo diminuiu. Aos 12 minutos, o zagueiro Domingos saiu jogando errado, Jorginho aproveitou o vacilo e chutou, mas para fora. O Santos só chegou com perigo aos 37 minutos, com um chute forte do colombiano Molina da entrada da área, após cobrança de escanteio.

A Portuguesa Santista pressionou o Santos nos minutos finais. Aos 45 minutos, Cacá chutou por cima do gol defendido por Douglas, que substituiu Fábio Costa na segunda etapa. E a equipe conseguiu diminuir aos 47, com William.

Portuguesa Santista 2 x 1 Santos

Data: 06/02/2006
Competição: Campeonato Paulista – 7ª rodada
Local: Estádio Anacleto Campanella, em São Caetano do Sul (SP)
Árbitro: Anselmo da Costa
Auxiliares: Marinaldo Silvério e Raphael dos Santos Alves
Cartões amarelos: Léo Mineiro, Jaílson, Marcelo Magalhães, Ronaldo (P); Rodrigo Tabata, Neto, Reinaldo, e Kléber (S).
Gols: Léo Mineiro (14-1); Julio César (16-2), Luiz Alberto (24-2).

PORTUGUESA SANTISTA
Ronaldo; Marco Aurélio, Marcelo Magalhães, Joel e Jaílson; Emerson, Julio César, Alex Silva e Rodrigo (Carlinhos); Léo Mineiro (Fabão) e Rodriguinho (Daniel)
Técnico: Sérgio Guedes

SANTOS
Fábio Costa; Fabinho, Julio Manzur, Luiz Alberto e Kléber; Maldonado, Léo Lima (Neto), Rodrigo Tabata e Cléber Santana; Jonas (Gilmar) e Galvão (Reinaldo)
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Santos perde clássico da Baixada e se distancia da ponta do Paulista

Jogando no estádio Anacleto Campanella, em São Caetano do Sul, o Santos perdeu o clássico da Baixada para a Portuguesa Santista por 2 a 1, na tarde deste domingo, e ficou mais distante dos líderes do Campeonato Paulista-06.

As duas equipes da Baixada fizeram o clássico no ABC paulista porque um lance do estádio Ulrico Mursa, da Portuguesa Santista, está em obras.

Com a vitória, a Portuguesa Santista foi a 12 pontos na competição. O Santos permanece com 13 pontos, três a menos do que o líder Noroeste. Os dois últimos, no entanto, ainda jogam neste domingo.

O Santos entrou em campo com apenas uma alteração em relação ao seu último jogo. O volante Wendel deixou o time para a entrada do meia Léo Lima.

Logo aos 6min de jogo, o atacante Jonas sentiu o joelho esquerdo em uma jogada isolada e deu lugar a Gilmar.

A partida começou bastante movimentada, com as duas equipes se arriscando no ataque. A primeira boa oportunidade foi do Santos, aos 13min, quando Gilmar chutou forte bola no travessão.

A resposta da Santista foi fatal. Dois minutos depois, Léo Mineiro recebeu bola na esquerda, cortou para o meio e chutou forte no canto direito do goleiro Fábio Costa: 1 a 0.

O time da Vila Belmiro quase conseguiu o empate aos 20min, quando Rodrigo Tabata cabeceou bola na trave após cruzamento da direita. A Santista respondeu cinco minutos depois, após Jailson receber bola na esquerda, invadir a área, mas chutar para fora.

Com o fraco rendimento do Santos na primeira etapa, o técnico Vanderlei Luxemburgo fez duas alterações no início da segundo tempo: tirou o meia Léo Lima e o atacante Galvão para as entradas do lateral Neto e do atacante Reinaldo.

O Santos melhorou com as alterações e passou ter mais volume de jogo. Mas mesmo dominando as ações, o time de Luxemburgo não conseguia criar oportunidades claras de gol.

Mais eficiente, a Portuguesa Santista voltou a surpreender. Aos 17min, Rodrigo cobrou falta, o goleiro Fábio Costa rebateu e Júlio César apareceu para pegar o rebote: 2 a 0.

O Santos conseguiu marcar aos 25min. Após cruzamento da direita, Luiz Alberto cabeceou para descontar: 2 a 1. O time ainda teve boa chance de empatar aos 33min, quando Reinaldo fez boa jogada pela esquerda, invadiu a área e cruzou, mas ninguém apareceu para concluir.

Em nova boa oportunidade, aos 37min, o atacante Reinaldo driblou um marcador e chutou de fora da área, a bola desviou na zaga e bateu no travessão. O Santos pressionou até o final da partida, mas não conseguiu furar a retranca da Santista.

Santos 1 x 1 Portuguesa Santista

Data: 30/01/2005, domingo, 18h10.
Competição: Campeonato Paulista – Turno único – 4ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 15.067 pagantes
Renda: R$ 165.785,00
Árbitro: Rodrigo Braghetto (SP)
Gols: Robinho (03-2) e Rico (36-2).

SANTOS
Mauro; Flávio, Ávalos, Domingos e Luís Augusto (Ricardo Bóvio); Fabinho, Fábio Baiano (Tcheco), Elano (Douglas) e Ricardinho; Robinho e Deivid.
Técnico: Osvaldinho de Oliveira

PORTUGUESA SANTISTA
Ronaldo; Fabrício, Edinho Baiano e Jéci; Parral, Júlio César, Magal, Cleitão (Adriano) e Jaílson; Rico e Andradina (Itaparica).
Técnico: Sérgio Guedes



Na provável despedida de Elano, Santos empata com a Portuguesa Santista

Na partida que pode ter marcado a despedida do meio-campista Elano, o Santos empatou com a Portuguesa Santista por 1 a 1, neste domingo, em partida válida pela quarta rodada do Campeonato Paulista-2005.

Elano, titular da equipe nos títulos brasileiros de 2002 e 2004, confirmou que pode estar deixando o Santos. Mais do que isso: essa pode ter sido a sua última partida pelo clube da Vila Belmiro.

“Pode ser a minha última partida. Amanhã [segunda-feira], vamos tentar resolver a situação”, disse o jogador, em entrevista ao Sportv. O futuro de Elano, que deve viajar nesta segunda para assinar contrato, é o ucraniano Shakhtar Donetsk.

Com o empate, o Santos chegou aos dez pontos e está em segundo lugar, dois atrás do líder São Paulo, que ganhou do União São João por 2 a 1, no Morumbi. A Portuguesa Santista tem apenas três (17º lugar).

Dentro de campo, a Portuguesa Santista tratou de criar muitas dificuldades para o Santos, principalmente no primeiro tempo. Aos 24min, Parral cobrou falta com perigo e exigiu grande defesa de Mauro.

O Santos também criou uma boa chance para marcar na primeira etapa. Aos 37min, Ricardinho cruzou uma bola da direita e Fábio Baiano cabeceou com perigo.

Logo depois do intervalo, aos 4min, o Santos abriu o placar. Fábio Baiano deu uma arrancada da direita e cruzou para a área. Robinho, livre de marcação, chutou forte, sem defesa para o goleiro Ronaldo.

A Santista chegou ao empate aos 36min. Após uma cobrança de escanteio, o goleiro Mauro falhou feio e o atacante Rico, com passagens por São Paulo e Grêmio, conseguiu tocar a bola para o gol.

Pelo Estadual, as duas equipes voltam a jogar no sábado. O Santos vai jogar fora de casa contra o Atlético Sorocaba.

Portuguesa Santista 2 x 0 Santos

Data: 12/02/2003, quarta-feira, 21h00.
Competição: Campeonato Paulista – Grupo 2 – 5ª rodada
Local: Estádio Ulrico Mursa, em Santos, SP.
Público e renda: não divulgados
Árbitro: Romildo Correia
Cartões amarelos: Vandir e Adavílson (SP); Elano e Robinho (S).
Cartões vermelhos: Nelsinho e Fabrício (PS); Fábio Costa (S).
Gols: Rico (21-1) e Rico (39-1).

PORTUGUESA SANTISTA
Maurício; Nelsinho, Zambiasi, Nenê e Adavilson; Vandir, Adriano, Fabrício e Souza; Rico (Marlon) e Elizeu (Reinaldo).
Técnico: Pepe

SANTOS
Fábio Costa; Reginaldo Araújo (Nenê), Preto (Pereira), Alex e Léo; Paulo Almeida, Renato, Elano e Diego (Júlio Sérgio); Robinho e Ricardo Oliveira.
Técnico: Emerson Leão



Portuguesa Santista bate o Santos e derruba tabu de 33 anos

A Portuguesa Santista quebrou hoje um tabu de quase 33 anos: bateu o Santos por 2 a 0, no Estádio Ulrico Mursa, e deu um passo decisivo para garantir sua classificação à próxima fase do Campeonato Paulista. O último triunfo da equipe no “clássico das praias” havia ocorrido no dia 30 de abril de 1969, na Vila Belmiro, quando ganhou por 2 a 1.

O resultado pôs a Santista na liderança do Grupo 2 do estadual, com dez pontos e um saldo de gols melhor que o do Santos, que também tem dez unidades, assim como o Santo André. Com sete pontos, o São Paulo caiu para a quarta posição na chave e terá de vencer o clássico contra o Santos, sábado, para manter suas chances de classificação. O jogo também é decisivo para o Santos, que precisa da vitória para não depender de outros resultados.

Quem viu o começo do jogo imaginou que o roteiro seria o esperado. Apesar de iniciar recuado, o Santos tomou as rédeas da partida aos poucos, tentando surpreender o adversário com jogadas pelas laterais. Faltou acertar mais os passes, mas a Portuguesa Santista aparecia apenas esporadicamente no ataque, parecendo ser apenas uma coadjuvante.

Sem criatividade, o Santos começou a ter dificuldades para impor sua melhor qualidade técnica. Muito marcados, Robinho e Diego não mostraram o mesmo futebol das rodadas anteriores do Campeonato Paulista. Só Robinho ainda conseguia, em lances individuais, proporcionar alguma emoção.

Com a razão e um toque de bola cerebral, a Santista foi tomando conta das ações a partir dos 15min. Uma falha de Diego, que perdeu a bola aos 21min, acabou mudando de vez os rumos do jogo: Rico ficou com a sobra, passou pelos zagueiros santistas e bateu rasteiro, na saída de Fábio Costa, abrindo o placar.

O gol transformou o Santos no franco-atirador. Sem coordenação, o campeão brasileiro imaginou que poderia empatar com chutes de longa distância ou cruzamentos desconexos para a área. A defesa da Santista e o goleiro Maurício, com tranquilidade, intervieram em todas as situações e evitaram qualquer perigo.

Tocando a bola de pé em pé e com o peito estufado, a Portuguesa ainda faria mais um gol na etapa inicial, em novo contragolpe, aos 39min. A bola acabou passando por Pereira (que entrou no lugar de Preto, contundido) e encontrou novamente Rico. O atacante teve tempo de driblar Fábio Costa e ampliar.

Das tribunas de Ulrico Mursa, o técnico Leão mostrou o que estava errado: tirou o lateral Reginaldo Araújo e colocou o atacante Nenê, deslocando Elano para a ala direita. Não houve tempo para reação na etapa inicial

No segundo tempo, a situação do Santos se complicou logo aos 12min, quando uma nova desatenção da defesa deixou Rico sozinho na entrada da área. O goleiro Fábio Costa abandonou a área, atingiu o adversário e foi expulso.

Com dez em campo (o reserva Júlio Sérgio entrou em lugar de Diego), ficou ainda mais difícil para a equipe de Leão. Satisfeita com o placar, a Santista ganhou todo o tempo que pôde, sempre tentando explorar os contra-ataques.

O lateral Nelsinho ainda foi expulso aos 37min, mas a igualdade numérica não foi suficiente para fazer o Santos diminuir a vantagem do rival. Os mesmos cruzamentos dispersos e chutes sem precisão do primeiro tempo foram tentados, novamente sem sucesso. No final, Fabrício também levou o vermelho, mas o tabu já havia caído.



Créditos:
Vídeo: Indicado por Danilo Barbosa.

Santos 5 x 0 Portuguesa Santista

Data: 28/01/2001
Competição: Campeonato Paulista
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público e renda: não divulgado
Árbitros: Edílson Pereira de Carvalho e Tadeu Bosco da Cruz.
Cartão amarelo: Orestes (P).
Cartão vermelho: Valdir (P).
Gols: Deivid (05-1); Léo (20-2), Robert (38-2), Rodrigão (40-2) e Rodrigão (44-2).

SANTOS
Fábio Costa; Pereira, Galván e André Luis (Marcelo Silva); Russo (Caíco), Claudiomiro, Renato e Léo; Robert, Deivid (Júlio Cesar) e Rodrigão.
Técnico: Geninho

PORTUGUESA SANTISTA
Sandro; Márcio Goiano, Lima e Orestes; Valdir, Caçapa (Marcos Basílio), Rossato (Ceará) e Capitão; Jean Carlo (Zinho), Jean e Tico Mineiro.
Técnico: Muricy Ramalho



Santos mantém performance de 100%

Time goleia a Portuguesa Santista e tem quatro vitórias em 2001; equipe do técnico Geninho ainda não sofreu gols.

Com a goleada contra a Portuguesa Santista por 5 a 0, na Vila Belmiro, o Santos manteve o aproveitamento de 100% que vinha tendo nos jogos que disputou pelo Torneio Rio-São Paulo e pelo Paulista deste ano.

Desde o início do jogo, o time do técnico Geninho foi muito superior em campo, acuando completamente a equipe comandada por Muricy Ramalho. Dois dos principais destaques do time foram Robert e Rodrigão, que fizeram a torcida “”esquecer” a ausência de Dodô, que pode se transferir para o Palmeiras (leia texto nesta página).

O Santos jogou à vontade no primeiro tempo. Até os 12min, a Portuguesa Santista, que já perdia por 1 a 0, não havia dado nem sequer um chute a gol. O primeiro gol do Santos fora marcado logo aos 5min. Robert caiu pela esquerda e cruzou na cabeça de Deivid, que concluiu com perfeição a jogada.

Na primeira etapa, o melhor jogador em campo foi o meia Robert. Suas constantes deslocações confundiram a marcação da Portuguesa Santista, que parecia desnorteada em campo.

Preocupado com o domínio do rival e as constantes investidas de Robert, o técnico Muricy Ramalho, já aos 20min, decidiu substituir o lateral Rossato por Ceará. Mesmo com a alteração, o panorama da partida continuou o mesmo.

Aos 21min, Robert deixou Rodrigão na cara do gol, mas o atacante chutou bem acima do travessão, perdendo a chance de ampliar o marcador.

A Portuguesa Santista praticamente não ameaçou o goleiro Fábio Costa -a única chance criada foi em jogada concluída pelo lateral Valdir, por cima da trave. O mesmo Valdir saiu reclamando de pênalti que teria sofrido de Claudiomiro, aos 43min, mas o árbitro ignorou seus protestos.

No segundo tempo, Robert continuou desequilibrando, embora dividindo a criação das principais jogadas com Rodrigão.

Aos 5min, Valdir, que saíra reclamando na etapa inicial, foi expulso. Com dez, a Portuguesa Santista sucumbiu de vez.

Júlio César, que havia acabado de entrar em campo, chutou de fora da área, a bola resvalou na zaga e subiu. Em seguida, Léo concluiu, fazendo 2 a 0. A partir daí, foi um gol atrás do outro.

Robert fez 3 a 0, e Rodrigão completou o placar marcando os últimos dois. O primeiro, de pênalti, no rebote do goleiro, foi muito festejado por Serginho, auxiliar técnico de Geninho. “No intervalo, ele disse que eu ficasse tranquilo, que o gol sairia naturalmente”, afirmou Rodrigão, que comemorou o gol abraçado a Serginho.

Logo em seguida, o atacante tabelou com Júlio César e fez 5 a 0. Mesmo com a larga vantagem no placar, o Santos continuou pressionando e perdeu pelo menos outras três chances, que poderiam ter tornado a partida a maior goleada, até aqui, do Paulista-2001 -na semana passada, a Lusa venceu por 6 a 1 o União.

Com a vitória, o time segue invicto neste ano. Pelo Rio-SP, derrotou Botafogo e Flamengo, ambos por 3 a 0. Em sua estréia no Paulista, venceu o Guarani por 1 a 0 -o goleiro Fábio Costa não sofreu nenhum gol em 2001. A Portuguesa Santista, por sua vez, prossegue sem ter ganho ponto no Paulista -na estréia, perdeu para a Ponte Preta (1 a 0).

Possível ida para o Palmeiras tira Dodô do jogo

A possibilidade de transferência do atacante Dodô para o Palmeiras dominou o ambiente no Santos na tarde de ontem. O jogador não foi escalado pelo técnico Geninho, que optou por Deivid.

A justificativa para a ausência de Dodô foi a abertura de negociações entre Santos e Palmeiras. Dodô foi dispensado, na noite de sábado, para aguardar o desenrolar das conversações.

Paulo Ferreira, diretor do Santos, confirmou que o clube recebeu a proposta. Ele assegurou, no entanto, não ter havido entendimento. Ferreira afirmou que a liberação de Dodô do jogo se deu porque a inviabilização do negócio poderia prejudicar o desempenho do atleta.

O vice-presidente do Santos, Norberto Pereira dos Santos, disse que dirigentes de Santos e Palmeiras ainda devem se encontrar para tentar concluir a transação.