Navegando Posts marcados como Preto Casagrande

São Paulo 1 x 1 Santos

Data: 20/10/2004
Competição: Copa Sul-Americana – Oitavas de Final – Jogo de volta
Local: Estádio do Morumbi, em São Paulo, SP.
Público: 8.196 pagantes.
Renda: R$ 110.624,00.
Árbitro: Wágner Tardelli (BRA).
Cartões amarelos: Lugano, Grafite, Rodrigo (SP), Zé Elias, Luís Augusto, Domingos, Preto Casagrande, Marcinho (S).
Cartões vermelhos: Fabão (SP) e Ávalos (S).
Gols: Rodrigo (43-1) e Preto Casagrande (37-2).

SÃO PAULO
Rogério Ceni; Fabão, Lugano, Rodrigo; Cicinho, Júnior (Souza), Alê, Renan, Danilo; Jean (Rondón) e Grafite.
Técnico: Emerson Leão.

SANTOS
Mauro; Leonardo, Ávalos, Domingos; Bóvio, Márcio, Fabinho (Preto Casagrande), Zé Elias (Paulo César), Luís Augusto; Marcinho e William (Deivid).
Técnico: Vanderlei Luxemburgo.



Peixe empata e está na próxima fase da Sul-Americana

O Santos Futebol empatou com o São Paulo, pelo placar de um a um, e passou para a próxima fase da Copa Nissan Sul-Americana. Com um gol de Preto Casagrande (foto) no final do segundo tempo, o Peixe garantiu a classificação para a fase internacional do torneio.

Agora, a equipe da Vila Belmiro irá enfrentar a Liga Deportiva Universitária, do Equador. A primeira partida das acontecerá fora de casa, no próximo dia três, em Quito.

A partida
O jogo começou com o time da casa pressionando muito, já que precisava reverter a situação – no primeiro confronto, jogando em casa, o Alvinegro venceu pelo placar de um a zero.

Muito bem armado pelo técnico Vanderlei Luxemburgo, o time da Vila Belmiro conseguiu segurar a força do ataque tricolor, que não dava sossego aos zagueiros santistas.

Apesar de pressionado, aos 11 minutos, o Peixe conseguiu chegar com perigo ao gol de Rogério Ceni. Após uma bela jogada do meio-campo Marcinho (foto),que cruzou a bola na área, William subiu e cabeceou, tirando tinta da trave adversária.

Em uma partida muito nervosa, os jogadores das duas equipes não aceitaram as provocações adversárias. Depois de uma entrada muito violenta de Fabão em Ávalos, os dois atletas criaram uma pequena confusão e foram expulsos.

Sem muitas emoções e com uma partida muito truncada, o Santos FC não conseguia furar o meio campo adversário, que também tinha dificuldade para criar jogadas perigosas.

Depois do intervalo, o técnico do Alvinegro decidiu voltar com uma alteração. No lugar de Fabinho entrou o volante Preto Casagrande. Apesar do reforço no meio-campo, o São Paulo abriu o placar aos quatro minutos.

Com a vantagem no placar, o time da casa começou a administrar o jogo, tentando poucas vezes aumentar o marcador, mesmo precisando do resultado para passar para a próxima fase.

Percebendo o momento favorável, Vanderlei Luxemburgo (foto) fez mais duas alterações. Em busca do empate, ele colocou Paulo César no lugar de Zé Elias. A outra modificação foi a saída de William para a entrada de Deivid.

Como o São Paulo não aproveitava as poucas jogadas que estava criando, o Santos FC partiu para o ataque e conseguiu empatar a partida. Aos 36 minutos, a equipe fez o gol da classificação.

Depois de uma bela jogada de Deivid (foto) pelo lado esquerdo, a bola foi cruzada no centro da área. Sem marcação alguma, Preto Casagrande pulou para cabecear e colocar a bola no fundo das redes.

A partir daí, a equipe da Capital tentou algumas subidas para o gol de Mauro, que conseguiu evitar que o time virasse o placar. Na soma dos resultados das duas partidas, o Alvinegro venceu pelo placar de dois a um.

No próximo domingo (24), as duas equipes se enfrentam novamente, só que dessa vez pelo Campeonato Brasileiro. Dependendo do placar das outras partidas, o time da Vila Belmiro pode voltar à primeira colocação do torneio.



Créditos:
Ficha técnica: Fernando Ribeiro

Santos 4 x 0 Ponte Preta

Data: 16/10/2004
Competição: Campeonato Brasileiro – 2º turno – 36ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 9.929
Renda: R$ 120.871,00
Árbitra: Sílvia Regina de Oliveira (SP)
Cartões amarelos: Robinho (S), André Cunha e Romeu (PP).
Gols: Deivid (12-1) e Preto Casagrande (22-1); Ricardinho (14-2) e Ricardinho (19-2).

SANTOS
Mauro; Paulo César, Leonardo, André Luís e Léo; Fabinho, Preto Casagrande (Ricardo Bóvio), Ricardinho (Zé Elias) e Elano (Marcinho); Robinho e Deivid.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

PONTE PRETA
Lauro; Alexandre, Marcus Vinícius e Gustavo; André Cunha, Ricardo Conceição, Romeu, Lindomar (Magal), Danilo (Roger) e Bill; Alecsandro.
Técnico: Nenê Santana



Santos se “despede” da Vila com goleada sobre a Ponte e liderança provisória

O Santos se “despediu” em grande estilo da Vila Belmiro: goleou a Ponte Preta por 4 a 0, neste sábado, e reassumiu provisoriamente a liderança do Campeonato Brasileiro. Devido à perda de dois mandos de campo, o time voltará a jogar em casa no dia 5 de dezembro, contra o Grêmio.

Com o resultado, a equipe do técnico Vanderlei Luxemburgo se igualou ao Atlético-PR em número de pontos (68), mas leva vantagem sobre os paranaenses por ter uma vitória a mais (21 contra 20). Os concorrentes diretos pelo título, entretanto, podem recuperar o topo da tabela neste domingo –fazem o clássico contra o Paraná, na Arena da Baixada.

A Ponte Preta permanece com 53, mas caiu para a nona posição –foi superada pelo Corinthians, que empatou com o Coritiba (0 a 0). Foi a segunda goleada santista sobre os ponte-pretanos neste Nacional, que, no primeiro turno, também perderam por 4 a 0, em Campinas.

Com menos de 30 minutos de jogo, o Santos já havia construído a vitória parcial, depois de dois cruzamentos certeiros do lateral-direito Paulo César. Na primeira assistência, o lateral encontrou Deivid, que abriu o placar aos 12min, depois de escorar dentro da pequena área. Dez minutos depois, ele colocou a bola na cabeça de Preto Casagrande, que ampliou.

Deivid ainda acertou o travessão ao tentar encobrir o goleiro Lauro. Os ponte-pretanos assustaram com Alecsandro, mas foi só.

Na segunda etapa, foi Elano o responsável pelas assistências a Ricardinho, que marcou dois gols de cabeça. O primeiro aconteceu após Preto Casagrande acertar a trave aos 14min: Elano pegou a sobra e cruzou da esquerda para o meia. No segundo lance, ele ajeitou de cabeça, na direita, a bola que Ricardinho concluiu aos 19min.

Depois disso, o Santos só administrou o resultado até o apito final da juíza Silvia Regina de Oliveira.

O próximo compromisso do Santos é agora contra o São Paulo. Na quarta-feira, os santistas pegam os são-paulinos pela Copa Sul-Americana e, no domingo (24), pelo Brasileiro, ambos os confrontos no Morumbi. A Ponte Preta joga no domingo (24), contra o Guarani, no Brinco de Ouro.

A punição do STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva) com a perda do mando de dois jogos para o Santos, será cumprida contra o Fluminense (no dia 30 de outubro) e Goiás (14 de novembro). Essas partidas terão de ser realizadas em cidades com 150 km de distância da Vila.

A punição aconteceu por causa do copo d’água lançado por um torcedor em Hélio dos Anjos, então treinador do Vitória, no triunfo santista (4 a 1) sobre o rival, no dia 26 de setembro, na Vila Belmiro. O Santos também foi multado em R$ 75 mil.


Santos 1 x 1 Corinthians

Data: 06/10/2004
Competição: Campeonato Brasileiro – 2º turno – 35ª rodada
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 18.987
Renda: R$ 240.665,00
Árbitro: Sálvio Spinola Fagundes Filho
Cartões amarelos: Ávalos, Preto Casagrande e Luis Augusto (S). Filipe Alvim, Fábio Baiano, Wendel e Gil (C).
Gols: Preto Casagrande (23-1) e Édson (45-1).

SANTOS
Mauro; Paulo César (Bóvio), Ávalos, Domingos e Léo; Fabinho, Preto Casagrande (Luis Augusto), Ricardinho e Elano (Basílio); Deivid e Robinho.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo

CORINTHIANS
Fábio Costa, Édson (Coelho), Betão, Váldson, Anderson e Filipe Alvim; Fabinho, Wendel e Fabio Baiano (Rosinei); Alberto (Jô) e Gil.
Técnico: Tite


Empate deixa Santos e Corinthians estagnados no Campeonato Brasileiro

Apesar das estatísticas desfavoráveis ao time da capital, Santos e Corinthians ficaram no empate por 1 a 1, na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro, pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro.

O resultado foi ruim para as duas equipes, que ficam estagnadas na tabela de classificação. Os santistas, que vinham disputando o topo palmo a palmo com o Atlético-PR, chegaram a 65 pontos e permanecem atrás mesmo que o rival perca para o Juventude, nesta quinta, em Caxias do Sul –o time paranaense soma 67 pontos.

Os corintianos, que protagonizaram uma arrancada no torneio após a chegada do técnico Tite, viram ficar mais longe o sonho de alcançar o grupo dos quatro primeiro colocados e conseguir uma vaga na Taça Libertadores-05. Com 53 pontos, o time está cinco atrás do São Caetano, quarto colocado, que joga nesta quinta contra o Botafogo.

O resultado desta quarta também manteve um tabu. Há três anos o Corinthians não vence o Santos (foram oito jogos no período). O último triunfo corintiano foi em 28 de outubro de 2001.

O Santos começou melhor no primeiro tempo, marcando sempre sob pressão a saída de bola. Aos poucos, no entanto, o time da capital foi melhorando. Porém nenhum dos dois chegava com grande perigo.

Aos 23min, o time da casa saiu na frente no placar. Preto Casagrande acertou chute forte de fora da área, a bola desviou em um “morrinho” e enganou Fábio Costa. Apesar do desvio, o goleiro admitiu ter falhado no lance. “Peço desculpas à torcida. Acontece, é coisa da profissão”, disse.

O gol de empate do Corinthians veio somente aos 45min, graças a uma falha de Domingos. O zagueiro tentou cortar o lance dentro da área e chutou em cima do atacante Alberto. A bola acabou sobrando para o lateral-direito Edson, que, livre, tocou na saída de Mauro.

Na segunda etapa, foi a vez de os corintianos iniciarem pressionando, mas a primeira grande chance foi dos santistas. Aos 10min, Robinho cabeceou para trás e Elano chutou forte, da entrada da área, para grande defesa de Fábio Costa.

Logo o time da Baixada tomou conta das ações e, mais organizado no ataque, seguiu desperdiçando oportunidades, principalmente com o atacante Deivid, que fez boas tabelas com Paulo César pela direita.

O técnico Tite tentou mudar o panorama com Jô no lugar de Alberto, Rosinei no lugar de Fábio Baiano e Coelho na vaga de Edson, mas as alterações não surtiram efeito.

No Santos, Vanderlei Luxemburgo tentou chegar à vitória com as entradas de Basílio, Bóvio e Luís Augusto nos lugares de Elano, Paulo César e Preto Casagrande, respectivamente. Mas o time não conseguiu furar o bloqueio corintiano.

Na melhor chance de por fim à igualdade, aos 37min, Basílio, Deivid e Robinho perderam chances seguidas de frente para o gol corintiano.

Ponte Preta 0 x 4 Santos

Data: 07/07/2004
Competição: Campeonato Brasileiro – 1º turno – 13ª rodada
Local: Estádio Moisés Lucarelli, em Campinas, SP.
Público: 6.148
Renda: R$ 65.151,00
Árbitro: Cleber
Gols: Elano (02-1); Preto Casagrande (22-2), Basílio (27-2) e Robinho (29-2).

PONTE PRETA
Lauro, André Cunha, Alexandre, Gustavo e Bill; Romeu (Carlinhos), Vânder, Marcus Vinicius e Ricardo Conceição; Anselmo (Rafael Rodrigues), Julio César e Macedo.
Técnico: Marco Aurélio.

SANTOS
Tápia, Flávio, André Luis, Domingos e Paulo César; Bóvio, Preto Casagrande, Ricardinho (Luis Augusto) e Elano (Marcinho); Deivid (Basílio) e Robinho.
Técnico: Vanderlei Luxemburgo



Santos goleia a Ponte, vence a 5ª seguida e encosta nos líderes

O Santos goleou a Ponte Preta por 4 a 0, nesta quarta-feira, no estádio Moisés Lucarelli, em Campinas, ganhou seu quinto jogo seguido –o sétimo no total–, e encostou nos líderes do Campeonato Brasileiro. Os donos da casa jogaram com um jogador a menos desde os 39min do primeiro tempo –Vânder foi expulso.

O time da Baixada chegou aos 22 pontos e, de quebra, ultrapassou a Ponte Preta (20) na tabela de classificação. A equipe do técnico Vanderlei Luxemburgo já havia vencido o Corinthians, Vitória, Internacional e Guarani em seqüência.

Os santistas, que não contaram com o meia Diego, que está na seleção brasileira no Peru para a disputa da Copa América, terminaram o primeiro tempo em vantagem, com um gol de Elano, aos 2min.

Com um jogador a menos durante todo o segundo tempo, a Ponte Preta acabou sendo presa fácil para os contra-ataques santistas e levou mais três gols. Preto Casagrande, aos 22min, Basílio, aos 27min, e Robinho, aos 29min, marcaram para o Santos.

Data: 14/04/2004
Competição: Copa Libertadores
Local: Estádio da Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 12.319 pagantes
Renda: R$ 51.413,00
Árbitro: Jorge Larrionda (URU)
Cartões amarelos: Léo, Paulo Almeida (S) e Thiago (JW)
Cartão vermelho: Morejón (JW)
Gols: Diego (20-1), Elano (41-1); Preto (10-2), Diego (28-2) e Robinho (43-2).

SANTOS
Júlio Sérgio;
Paulo César, André Luis, Alcides e Léo; Claiton (Paulo Almeida), Renato, Preto Casagrande (Lopes) e Diego; Robinho e Elano (Luis Augusto).
Técnico: Émerson Leão

JORGE WILSTERMANN
Galarza; Mendez, Tierradentro, Zenteno e Morejón; Arrévalo, Olivares, Marín e Tihago (Castilho); Nuñez (Vargas) e Cardenás (Suarez).
Técnico: J.C. Blanco



Goleada coloca o Santos como melhor time da Libertadores

Em jogo para cumprir tabela, o Santos goleou o Jorge Wilstermann (Bolívia) por 5 a 0, na noite desta quarta-feira, na Vila Belmiro, em sua última partida na primeira fase da taça Libertadores.

A equipe brasileira, que entrou em campo já com o primeiro lugar do Grupo 7 garantido, acabou com 16 pontos, melhor desempenho entre todos os times da competição até o momento.

Na segunda fase, o time da Baixada Santista vai enfrentar a LDU (Equador), melhor segundo colocado entre todas as chaves (terminou atrás do São Paulo no Grupo 4).

Existia a possibilidade de o adversário ser o Cruzeiro, mas o time mineiro venceu o Caracas nesta quarta e contou com um empate do Santos Laguna-MEX com o Universidad Concepción-CHI para ficar com a primeira colocação do Grupo 3.

O jogo desta quarta serviu também para o meia santista Diego “desencantar” e marcar seus primeiros gols no ano. Ele fez dois (um de pênalti). Elano, Preto Casagrande e Robinho completaram a goleada.

Leão balança

Leão perde prestígio e a aura de intocável na Vila Belmiro após a vexatória eliminação no Paulista. O presidente Marcelo Teixeira já cogita a troca de treinador e o culpa pela queda de rendimento na segunda partida das semifinais contra o São Caetano. A diretoria havia feito a avaliação de que só o Palmeiras poderia tirar o título dantista e acabou surpresa com a derrota para o time do ABC por 4 a 0.

O presidente do Santos também criticou Leão pela contratação de Doni. Na primeira fase do Estadual e início da Libertadores, o cartola sugeriu em vão, por meio de assessores, que o técnico desse a camisa 1 a Júlio Sérgio.

Anteontem o dirigente apenas informou o técnico que o goleiro estava fora dos planos, “atropelando” Leão. O técnico apostava no ex-corintiano como goleiro da seleção na Copa de 2006.