Navegando Posts marcados como Quiñonez

Santos 1 x 0 Internacional

Data: 16/11/2008, domingo, 19h10.
Competição: Campeonato Brasileiro – 35ª rodada
Local: Estádio Vila Belmiro, em Santos, SP.
Público: 11.731 pagantes
Renda: R$ 119.071,00
Árbitro: Heber Roberto Lopes (PR)
Auxiliares: José Amilton Pontarolo e José Carlos Dias Passos (ambos do PR).
Cartões amarelos: Kleber, Wendel e Roberto Brum (S); Bustos, Orozco e Taison (I).
Gol: Gustavo Nery (24-2, contra).

SANTOS
Douglas; Wendel, Adaílton, Domingos e Kleber (Adriano); Roberto Brum, Pará, Bida e Molina (Quiñonez); Cuevas (Michael) e Kléber Pereira.
Técnico: Márcio Fernandes

INTERNACIONAL
Lauro; Bustos, Danny Morais, Orozco e Gustavo Nery; Sandro, Maycon, Rosinei e Taison (Walter); Daniel Carvalho e Guto.
Técnico: Tite



Santos reencontra vitória ao bater reservas do Inter com ‘gol estranho’

Quiñonez erra chute, mas acerta Gustavo Nery e deixa o Peixe em situação cômoda na luta para fugir do rebaixamento

O Santos venceu o time reserva do Internacional-RS por 1 a 0 neste domingo, na Vila Belmiro, pela 35ª rodada do Campeonato Brasileiro. O resultado deixa os alvinegros na 13ª colocação, com 43 pontos, dentro da zona de classificação para a Copa Sul-Americana. Com relação ao rebaixamento, a equipe do litoral abriu seis pontos para a zona da degola. Já os gaúchos ficaram em sétimo, com 51. O único gol do jogo foi marcado contra, pelo lateral Gustavo Nery, após chute do equatoriano Quiñonez, que contou com a sorte e o desvio da bola no jogador colorado antes de chegar as redes.

O Santos tentava reencontrar a vitória depois de ter empatado com o Sport, em Recife, e perdido para Palmeiras, em casa, e Vasco, no Rio de Janeiro. O técnico Márcio Fernandes, porém, tinha os desfalques de Fábio Costa e Rodrigo Souto, suspensos, além de Fabiano Eller, machucado.

O Internacional entrou com um time formado por jogadores reservas. Dos titulares, apenas o goleiro Lauro.

Mesmo assim, os colorados tinham jogadores conhecidos do público paulista, como o lateral-esquerdo Gustavo Nery, que já passou pela Vila Belmiro, e o atacante Daniel Carvalho.

Com a possibilidade de a próxima Sul-Americana dar uma vaga ao campeão na Libertadores a partir do ano que vem, os santistas passaram a valorizar ainda mais a classificação para o torneio, em um ano que os títulos não apareceram na Baixada Santista.

O jogo

A necessidade de buscar mais uma vitória para escapar definitivamente da briga contra o rebaixamento fez o Santos começar o jogo pressionando. Com amplo domínio, o Peixe encurralou a garotada colorada, mas sem levar grande perigo ao gol de Lauro, principalmente pelo excesso de erros de passe nas proximidades da grande área. Kléber Pereira, como sempre, não teve muito espaço.

Mas, com o passar do tempo, o Inter passou a se arriscar. Aproveitando o espaço na intermediária alvinegra, os gaúchos só não ficaram em vantagem no placar por um erro da arbitragem, aos 15. Guto, que havia perdido uma oportunidade cara-a-cara no minuto anterior, recebeu de Daniel Carvalho em condição legal, fez o gol, mas Héber Roberto Lopes marcou impedimento. O jogador estava em condição legal.

Os passes preciosos de Daniel Carvalho continuaram dando trabalho aos paulistas. Aos 18, foi a vez do zagueiro Orozco perder ótima chance. O atacante bateu falta para a área, Douglas rebateu e o defensor chutou por cima com muito perigo. A resposta do Santos veio aos 29, quando Kléber Pereira recebeu livre na área, mas Lauro fechou bem o ângulo e defendeu.

O Inter, contudo, continuou melhor. Aos 34, Taison por pouco não marcou um golaço ao bater de fora da área e quase acertar o ângulo esquerdo. Três minutos mais tarde, Daniel Carvalho bateu escanteio, Gustavo Nery cabeceou sem marcação e Bida salvou no canto esquerdo sofre a linha.

No segundo tempo, o Santos conseguiu corrigir algumas falhas na defesa e reapareceu mais ligado, mas sem criar. Molina, a esperança da torcida, pouco produziu e esteve bem abaixo. Assim, o técnico Márcio Fernandes sacou o colombiano para a entrada de Quiñonez e colocou Michael no lugar de Cuevas.

E, no primeiro lance, Michael quase colocou o Peixe na frente, aos 15, em uma rápida troca de bola na entrada da área. Ele recebeu lindo passe de cabeça de Kléber Pereira pelo lado esquerdo e chutou. Com o braço esquerdo, Lauro desviou e evitou o gol.

Se o futebol não estava ajudando, o Santos chegou ao gol contando com a sorte. Aos 24 minutos, Quiñonez arriscou de fora da área sem a pontaria de sempre. A bola sairia pela lateral, mas desviou em Gustavo Nery no meio do caminho e entrou no canto esquerdo de Lauro, que nada pôde fazer.

O gol fez o Internacional diminuir o ritmo e praticamente não levar mais perigo ao gol de Douglas. Tanto que o Santos continuou com o domínio do jogo, mas sem incomodar, principalmente pela baixa produção do artilheiro Kléber Pereira, sempre preso na marcação.

O atacante Kléber Pereira, artilheiro do Brasileiro, com 21 gols marcados, passou em branco, mas elogiou o companheiro equatoriano, autor do gol da vitória. “No mundo do futebol não existe jogador que não serve para o grupo. A estrela dele (Quiñonez) brilhou hoje. Ele treina com muita seriedade e foi recompensado”, afirmou.


Santos 7 x 0 San José

Data: 01/04/2008
Competição: Copa Libertadores
Local: Estádio Vila Belmiro, em Santos, SP.
Árbitro: Líber Prudente (URU)
Auxiliares: Pablo Fandiño e Mauricio Espinoza (URU)
Cartões amarelos: Wesley (S); Coelho e Peña (SJ).
Cartão vermelho: Palacios (SJ)
Gols: Domingos (17-1), Molina (22-1), Molina (32-1); Molina (18-2) e Molina (41-2), Pereira (34-2) e Quiñonez (36-2).

SANTOS
Fábio Costa; Denis (Fabão), Betão, Domingos e Kléber; Marcinho Guerreiro, Rodrigo Souto, Rodrigo Tabata (Quiñonez) e Molina; Wesley (Tiago Luís) e Kléber Pereira
Técnico: Emerson Leão

SAN JOSÉ
Vaca; Parada, García, Palacios, De Castro e Alvarenga; Rivera, Coelho, Peña (Saucedo) e Cerutti (Morejón); Alex da Rosa (Palavicini)
Técnico: Marcos Ferrufino



Em show de Molina, Santos se vinga do San José e goleia por 7 a 0

O Santos havia prometido troco contra o San José após perder no jogo de ida a mais de 3700m de altitude. Com o jogo agora disputado no nível do mar, o time da Vila simplesmente humilhou o San José, goleando por 7 a 0, nesta terça, resultado que deixa o Santos próximo do líder Cúcuta pelo grupo 6 da Libertadores.

Estrela do jogo, o colombiano marcou quatro gols, tornando-se artilheiro do time na competição.

Ao contrário do futebol exibido em Oruro, o San José não apresentou qualquer iniciativa ofensiva, muito menos chutes de longa distância, como havia ocorrido anteriormente. A situação dos bolivianos piorou aos 32min (já com o placar favorável aos santistas por 3 a 0), quando Palácios foi expulso.

O Santos precisou de pouco mais de 30 min para “matar” o jogo. Domingos abriu o placar aos 17min após assistência de Kléber, que jogou na cabeça do zagueiro em cobrança de falta. Apático, o San José apenas via o Santos jogar. Desta vez foi o colombiano Molina quem marcou, em belo chute de fora da área. Na comemoração, o camisa 21 homenageou seu filho, que deverá nascer em julho.

O terceiro gol não demorou a acontecer, novamente com Molina, que contou com a contribuição da zaga do San José, que espirrou bola no pé do meia santista, aos 32 min.

A equipe santista começou a segunda etapa em ritmo de treino. Com completo domínio de jogo, o Santos marcou com Wesley, mas a arbitragem assinalou corretamente impedimento, invalidando gol.

Estrela da partida, Molina fez seu terceiro gol no jogo em lance de bate-pronto depois de outro passe do lateral Kleber. Assistindo ao duelo com tranqüilidade, Leão aproveitou a fragilidade do rival para fazer testes no time, colocando Tiago Luís, Fabão e Michael Jackson Quiñonez.

Em um dos jogos mais fáceis dos últimos tempos, o Santos aumentou a goleada com Kleber Pereira e Quiñonez. Molina fez mais um.

Com a vitória fácil na Vila, o Santos pulou para sete pontos, um a menos que o líder Cúcuta. San José aparece em 3º, com quatro pontos, seguido pelo Chivas, com três. O próximo compromisso santista pela competição sul-americana acontece no dia 9, contra o Chivas, no México.